Sociedade Brasileira: Uma História 850105674X

Versão melhorada. Funciona em qualquer programa. Contem texto em OCR.

703 95 143MB

Portuguese Pages 599 [600] Year 2000

Report DMCA / Copyright

DOWNLOAD PDF FILE

Recommend Papers

Sociedade Brasileira: Uma História
 850105674X

  • 0 0 0
  • Like this paper and download? You can publish your own PDF file online for free in a few minutes! Sign Up
File loading please wait...
Citation preview

E

E

Us

me a

— qu

A

Ta

n



=



-

-

Em

=



Nro

Li

n

i

e, SS dm E =

a

Em a am

-

a

grs A 1 2

k-

a

E

e Ta me,

O a ue

pt

mm

-

po

E

SOCIEDADE pa -—

=

E

ps

E

a = -

E

aço

TT ipa

=.

o

Sa

Fuso

a

;

=

e

io

4

ar mo

E lo

mma = ss

-

e

-

(meia

go Ta

E

e

É

=—

dO =

ms

2 a

E

a



nr

7;

-

-e pis, dia,

“em

Ei

“-

s al

A E

E

Tm

o

e

am

E qu Edi

=

e

mae

si



ES a EE a Laço SS fa a

O

" N

Em

-

=

e

a!

“Uma

HisTORIA

a

=

Através dos Movimentos

AQUINO FERNANDO GILBERTO HIRAN

RECORD

Sociais

AQUINO FERNANDO GILBERTO HIRAN

SOCIEDADE BRASILEIRA:

Uma HistTóRIA

Através dos Movimentos Sociais

3º EDIÇÃO

E DI RIO

TOR

DE

à

JANEIRO

2000

ADIRIENCHORRID *

SÃO

PAULO

CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte

Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ.

S662

3 ed.

Sociedade brasileira: uma história através dos

movimentos

sociais / Rubim

Santos

Leão

de

Aquino... [et al.]. - 3º ed. = Rio de Janeiro: Record,

2000.

ISBN 85-01-05674-X 1. Brasil — História. 2. Movimentos sociais —

Brasil — História. 3, Participação social — Brasil. 4. Participação política — Brasil. I. Aquino, Rubim Santos Leão de, 1929- . II. Título: Uma história através dos movimentos sociais,

99-1024

CDD - 981

CDU - 981

Copyright O 1999 by Rubim Santos Leão de Aqu ino, Fernando da Costa Vieira, Carlos Gilberto Werneck Agosti nho e Hir

Antônio

an Roedel

Direitos exclusivos desta edição reservados pela

DISTRIBUIDORA RECORD DE SERVIÇOS DE IMPRENSA S.A. Rua Argentina 171 — Rio de Janeiro, RJ — 20921380 — Tel.: 585-2000 Impresso no Brasil

PEDIDOS PELO REEMBOLSO POSTAL

Caixa Postal 23.052

Rio de Janeiro, RJ — 20922-970

5

tr,

RN &

8 GN

faiaEnt E E

É

EDITORA AFILIADA

e

ISBN 85-01-05674-X

Sumário

Apresentação...

ec alas E cesvacuçe

ifndia de iz ne draro

INDIANA 1

Parte | — As sociedades indígenas........cceeceresesereremenenensesaresasesesacaseenos 13 Capítulo 1 A ORIGEM DAS SOCIEDADES INDÍGENAS.......r.resreneereeemeness 1.1 . Os índios eram seres humanos?..................... RR 1.2 . As primeiras explicações sobre a origem dos índios.. 1.3 . As modernas teorias do povoamento da América...

13 13 15 17

Capítulo 2 A ORGANIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DAS SOCIEDADES INDÍGENAS ;ssesusinicoasera neo nassoseace canos cs dos cado b onto a bol dee voa

21

Capítulo 3 AS ARTES NAS SOCIEDADES INDÍGENAS...........veererereaerereeees 27 Capítulo 4 O LEGADO INDÍGENA.........ceccereeecenecerenecenenecenneensereeecanees 31

Parte 2 — À sociedade ocidental européia e a expansão comercial....35 Capítulo 1 A CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS

a 35 ro ada oa das cnara denU nedocua cado uteraseaerso XIV E. XV.ceecsssooscuu LISA aventura do/comêércio ae 1.2 . Primeiros indícios de retração econômica.............. 1.3 - Astnilogiaidas catástrofes: .s. casa =a. casos ostinioa scanner eau 1.4 . Os desdobramentos econômicos e sociais da crise.... 1.5 . As engrenagens do estado moderno...................... ms nas cnoncactnneanns 1.6. A crise foi também religiosa... ...cc-c 1.7 . Rumo ao policentrismo do mundo moderno........

35 40 42 47 50 53 5

Capítulo 2 A PENÍNSULA IBÉRICA............eseceeseceereserercenecereneneneracennos 57 2.1. A formação do estado português...................me.. 57 2.2 . A sociedade portuguesa................ciceeesesseneensess 66

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Capítulo 3 PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL...

1. O

73

sentido da expansão comercial.......................

73

3.2 . As etapas da expansão comercial portuguesa..........

76

Parte 3 — À sociedade do escravismo colonial...

95

3:39 « A chegada ao BraSil.s.ssessasareetaerosugassastosifisisasoaveams 89

Capítulo 1 EXPLORAÇÃO, ESCAMBOS E FEITORIAS................cite, 95 Capítulo 2 POR QUE A EMPRESA COLONIZADORA............ittme 99 2.1 . As razões determinantes............emeeeeriitiere 99

2.2 . À expedição de Martim Afonso de Sousa............. 102 Capítulo 3 A MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA.....uimieiiio, 105 3.1 . Razões determinantes........... TOS

SAO Ren TENOR mn

108

3.3 . À mão-de-obra escrava...........eeeeeaeesens 113

SE AUTesIstência Negra......uereeareceseccrneanarecacncaanarenenams 121 3.9 . À sociedade do açúcar.............emeeenas 130 3.6 . À União Ibérica e a Nova Holanda..........s 132

3.7 . À economia complementar: tabaco, cachaça, gado e

produção de subsistência............iieesmemenees 152

Capítulo 4 (O GOVERNO DOS BRANCOS........ iii 4.1 . As capitanias hereditárias e os donatários...... 4.2.0 governo ELA toca ti E a 4.3 . Às câmaras municipais e os homens bons............

157 157 167 182

Capítulo 5 À PECUÁRIA...

185

9.1 . O gado: criação e expansão... 5.2.0 sistema Steiaçloriloop

185 192

SUMÁRIO

Capítulo 6 AS 6.1 6.2 6.3

DROGAS DO SERTÃO.............eeeeenmenseeneeeeeenenereeeeeeeeeos . O domínio espanhol e a competição internacional. . A Amazônia e a busca de novas riquezas............. . As formas de ocupação da Amazônia...................

195 195 199 200

: ÇÃO ERA MIN DA ADE IED SOC A E RAS DEI BAN AS, RAD ENT 7 lo Capítu MITO E REALIDADE..............eccereeneeeenenconerrennoneceeereaneeneonnens 203 71. O planalto superando o litoral................eemn: 203 205 eceo eeem emem ..em .... .... .... r... sado apre mo tis ran dei ban 72.0 7.3 . Em choque com os jesuítas.................eceenmeeeensess 210 213 es eeee esee .ccc .... .... .... .... .... rato cont de o ism tan ser 74.0 7.5. O bandeirantismo prospector.................. cerco 214 216 enes eeee reee eece ucee .ece .... .... .... .... e?.. edad soci a nov a 7.6 . Um 229 o nes ese ess ess .ee ... ... ... ... AS. ILH DES TOR DE M AGE ASS RAP Capítulo 8 A ULT 8.1. A neutralização de Tordesilhas.......................een.. 229 8.2 . De Utrecht a Badajós......................eeseseseeseeeeeseeos 232 Capítulo 9 A IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE É A CRIAÇÃO........ Igreja e a colonização.........................eeeeeeemen 9.1. 9.2 . Da literatura de viagem ao arcadismo.................. 9.3. A criação musical..................esessisseeereeeeeerenesenees 9.4. As artes plásticas...................... sseeenssssseeseseeeerenems 9.5 . A arquitetura no Brasil colonial....................... emo

241 241 264 270 278 DO

. ... ... ... ... ... SÃO RES REP E AS ERN INT S RRA GUE , ÕES ELI REB 10 lo ítu Cap 10.1 . Por que ocultar a violência?......................eese 10.2 . O porquê dos conflitos........................sseeeseeess 10.3 . O homem que não quis ser rei (1641).............. 10.4 . A Revolta da Cachaça (1661)......................... 10.5 . A revolta contra o Xumbergas (1666)............... 10.6 . A Revolta de Beckman (1684)..........................10.7 . A Guerra dos Emboabas (1708-1709)............... 10.8 . A Guerra dos Mascates (1710-1711)................. 10.9 . A Revolta do Sal (1710)......................seseneeeenen. 10.10 . Os motins do Maneta na Bahia (1711)............

289 289 290 291 292 294 297 300 305 313 315

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

10.11 . A Revolta de Vila Rica (1720)....................... 318 10.12 . O Levante do Terço Velho (1728)................. 322

10.13 . Mais outro governador deposto (1732)........

324

Capítulo 11 APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL.........ceesessers 327 NISLEANOVOS DOTIZONteScss caso sacessaasoss sera snes ce = S2Y7 11.2: Espelho e imagem: as -conjurações: css 335 Capítulo 12 A INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL................c

373

1273: /As inovações culturaiS: =. .cocmesertasenconenasereneaesecs

385

Capítulo 15 1822: INDEPENDÊNCIA DE QUEM?............cseemeemeseesees ES ITA politicairécoloniz mm adoras serasa 13.2 . Os projetos de independência......................... 13.3 . Do Ipiranga às guerras de independência........

405 AOS 407 411

12.1. E a corte chegou: À presença inglesa............... 373 12.2 . A ampliação do império português na América.. 381 12.4 . Do Reino Unido ao sonho da independência.. 388

Capítulo 14 MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISTA?.........ccccecooo 423

LAPA organização docEstado sas eceseae caneco reasons 423 14:20. A Confederação do Equador:..:.......c.romranenconena- 429 14:53 O preço da independência.........sersenprecencennenenoo 434 144. O bberalismo: VENCEU... cmeo coco orsssonsasrcsnando 436

Capítulo 15 AÇÃO E REAÇÃO... ersererereersenaenena

445

15.1 . As difíceis condições de vida... 445 15.2 . A organização do poder regencial.................... 450 15:57 Asilutas;populares,....sscimeeiarao ne rnaceaoaaso Eneas 460 15.4 . Os extremos se tocam.........ietememeeneeness 489

15.5 . À reação avançou............iieseesereeeeereerentos 224

10:06 A CTCaÇÃO VENCEU: suiareimeeresivis nr enis dona ria rrec eres 927 15.7 . Começou o reinado do café... mms 549

15.8 . À política externa do Segundo Reinado........... 261

15.9 . As lutas das camadas populares continuaram. ... 572

:

=—

15.10 . Idéias e costumes novos em um quadro velho..... 581

SOCIEDADE BRASÍLEIRA: Uma HistTóRIA Através dos Movimentos Sociais

APRESENTAÇÃO “O Brasil não conhece o Brasil.”

(Trecho de Querelas do Brasil,

samba de Aldir Blanc e Maurício Tapajós.) jo conhece porque, tradicionalmente, a história da sociedade bra-

tem sido apresentada de forma conservadora, elitista, faccioNei sa, distorcida da realidade.

No já distante ano de 1978, a revista IstoÉ, de 1º de julho, publicou

um interessante artigo intitulado “A história mente??. Nele, constavam depoimentos de estudantes do Ensino Fundamental e do Ensino Médio,

questionando a maneira como lhes era transmitido, em sala de aula, o conhecimento de nosso passado. Esses jovens percebiam que muitos fatos ensinados não correspondiam à realidade em que viviam. Como aceitar o pacifismo da sociedade brasileira quando a violência está presente na televisão e nas ruas? Por que ficar decorando o nome de donatários e suas capitanias hereditárias sem saber por que elas foram organizadas ou como viviam os homens na sociedade colonial? Por que a sucessão de governantes sem qualquer referência aos governados? Por que os dirigentes são apresentados como verdadeiros heróis em contraste com a participação popular, e as pessoas quase sempre aparecem

“(...) como passivas, obedientes ou então como supersticiosas, irracionais. (Nicholas Davies, 27: Pinsky, Jaime, O ensino de Flistória e a criação do fato, São Paulo, Editora Contexto, 1988, pág. 95.)

Como professores de História, defendemos a idéia de que todos nós, como agentes de transformação social, fazemos História, tendo portanto a responsabilidade de embasar o ensino da mais política de todas as ciências com um caráter formativo e não meramente informativo. Essas foram algumas das razões que nos levaram a construir Sociedade brasileira: uma história através dos movimentos sociaass. Acreditamos e pretendemos que o nosso trabalho seja um patamar na

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

reconstrução de nosso passado, ao valorizarmos a reprodução das rela-

ções de produção e os múltiplos episódios da luta por uma sociedade

realmente justa, humana, democrática, soberana e solidária. Nessa perspectiva, o estudo das múltiplas revoltas populares acentua o

aspecto da resistência à opressão, da própria luta de classes. Assim, para

entendê-las, é preciso inseri-las no contexto dos interesses político-eco-

nômicos que as geraram. Ou seja, essas lutas são compreendidas segun-

do o ponto de vista da totalidade do processo, e serão estudadas aqui como fruto de sua própria contradição, não como fatos isolados. Por outro lado, este trabalho não esqueceu de abranger as pesquisas

mais recentes, tanto no plano da história econômica como no da história

cultural, tornando-se não só atualizado com as tendências inovadoras da historiografia como também atraente e dinâmico. As citações foram inse-

ridas ao longo do texto, objetivando dar voz a documentos de época, assim como registrar enfoques de políticos, historiadores, sociólogos, cien-

tistas políticos, literatos e jornalistas. Visando contribuir com a abertura de caminhos que possibilitem repensar o Brasil, às vésperas dos 500 anos da presença portuguesa, espe-

ramos estabelecer novas informações que permitam descobrir a nossa identidade, o comportamento da nossa sociedade, os caminhos e descaminhos da nossa História.

Parte 1 AS SOCIEDADES INDÍGENAS

CAPÍTULO 1

A ORIGEM

DAS

SOCIEDADES

INDÍGENAS

1.1 . OS ÍNDIOS ERAM SERES HUMANOS? o chegar ao continente americano, os europeus se depararam com à um mundo que os deixou admirados. Eram paisagens inteiramente desconhecidas. Com plantas e animais que nunca haviam visto anteriormente. Paisagens belíssimas. Com plantas exóticas. Coloridas por folhagens e flores variadas. Mas a surpresa maior foi constatarem a presença de seres falando palavras incompreensíveis. Geralmente andando seminus. Carregando armamentos feitos de madeira endurecida. Lanças, tacapes e até arcos e flechas. Muitos deles tinham a pele avermelhada. Enfeitavam as orelhas, o nariz e, às vezes, o lábio inferior com pedaços de ossos ou de madeira. Andavam descalços. Embora muitos tivessem longos cabelos lisos, quase não possuíam pêlos nas partes visíveis do corpo. Por vezes, usavam enfeites de penas coloridas na cabeça. Achegavam-se desconfiados aos europeus. Curiosos € assustados diante daqueles seres estranhos que desembarcavam nas praias das ilhas e do continente americano. Muitos dos recém-chegados eram ruivos e louros. 13

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Não poucos tinham barbas e bigodes. Às vezes usavam brilhantes armaduras. Carregavam objetos estranhos. Que faziam barulho e matavam. Constantemente repetiam uma palavra incompreensível para os nativos.

Essa palavra era ouro!

Os primeiros europeus que aportaram no continente eram coman-

dados por um italiano chamado Cristóvão Colombo. Colombo navegava a serviço do governo espanhol. Acreditou ter chegado às Índias. Por isso, chamou de índios aos habitantes da terra onde chegara. Por causa desse erro inicial de Colombo, a palavra acabou

sendo consagrada até os dias atuais.

Alguns anos mais tarde, os europeus constataram que Colombo não havia chegado às cobiçadas Índias, como então era conhecida a Ásia Oriental. Nessa época os europeus já haviam entrado em contato com outras populações deste continente. E quanto mais penetravam pelas terras continentais, mais heterogêneas populações indígenas conheciam.

Muitas indagações começaram a surgir entre os europeus. Seriam os índios seres humanos:

Em caso afirmativo, por que possuíam caracteres físicos e culturais tão diferentes dos povos brancos, negros e amarelos: A maioria vivia da coleta, da caça e da pesca! Suas habitações eram rudimentares! Nem conheciam o dinheiro! Muitos europeus chegaram a afirmar que os índios não eram seres humanos! Que não possuíam alma! Não tinham inteligência! E reforçavam seus argumentos citando a Bíblia! Esta não afirmava que eram brancos, amarelos e negros os homens criados por Deus? Se os índios possuíam peles avermelhadas, não podiam ser criaturas de Deus! Tanto assim que adoravam o Sol, a Lua, as forças da Natureza, e até era comum a prática de sacrifícios humanos! À transcendência da questão ligava-se fundamentalmente ao fato de que,

não sendo seres humanos, os índios poderiam ser legalmente escravizados.

Entretanto, o papa Paulo III, na bula Universis Christi Fidelibus, de 1536, afirmou que os indígenas eram verdadeiros homens e, assim sendo, constituíam seres racionais e aptos a serem convertidos ao catolicismo. Tal orientação pontifical explica-se pelo interesse da Igreja católica em

buscar compensações no continente americano para as perdas que sofria com a expansão da Reforma Protestante na Europa.

À ORIGEM DAS SOCIEDADES INDÍGENAS

lapu po das ão aç iz av cr es a u bi oi pr a ol nh pa Es a ro Co a Pouco depois, aesp s re do za ni lo co os pel o ad at ac foi re mp se m ções indígenas, o que ne nhóis e demais europeus.

E BR SO S ÕE AÇ IC PL EX S RA EI IM PR AS . 1.2

A ORIGEM DOS ÍNDIOS

em Já . os an ic er am ios índ dos em ig or à se ude en utra questão polêmica pr nas ge dí in os e qu u mo ir af o ls ce ra Pa o st ra of Te C) 1520, o cientista não , os id ec nh co s no ma hu os tip s do es nt re fe di tão m re americanos, por se al, cas e st de e, qu lia Bíb a va ma ir af o Nã ! Eva e ão Ad podiam descender de e pel da a ad lh me er av cor a ar ic pl ex mo Co ? descendiam todos os homens

dos índios americanos? as it mu e qu a ci he on sc de , us pe ro eu s do a ri io Paracelso, como a ma nte me so era o nã E e. pel a ar nt pi de to bi há o am nh ti s na ge sociedades indí e a el ar am à ta, pre cor a am av us ém mb Ta a. ad lh me er com tintas de cor av outras mais. ncai ou ab ac o ls ce ra Pa , lia Bíb da s va ti ma ir af da vi dú em Como punha u caso Se e. -s ou at tr re a, vid a er rd pe o nã ra Pa . ão iç is qu In da as lh ma do nas ta ei tr es à a nt co em em ss va le o nã e qu s le ue aq ra pa o pl em ex serviu de s ai on ci Na s do ta Es os a, oc ép Na . do ta Es e ja re Ig e tr en e união existent eid ns , co osa igi rel e ad id un r a va er es pr e em -s am av nh pe em as st ti lu Abso es ss Ne ca. íti pol e ad id un da de da ui in nt co a ra l pa ta en am rada fund Estados era evidente o esforço dos reis em colocar sob seu controle a Igreja e o clero existentes em seus domínios. e , qu as rm fo re das ia nc rê or oc a pel a nd ai is e ma -s va ca li mp co o A questã lue inc -s ou rç fo . Re oso igi o rel sm ti na fa o ia e nc râ le to in am a ar ic if ns inte s. to en im ec nh co os s do to de e nt fo a era lia Bíb a e qu de sive a crença sem Não é de espantar que inúmeros estudos, então elaborados, procuras s do ta ci s vo po es de nt de en sc de os an ic er am am s er na ge dí in os e qu ar tr demons nes, ou to óc al am ri se s na ge dí in os o, çã ep nc co a ess m co do or ac De . lia Bíb na . ras ter ras out s de te en ed oc pr o an ic er am te en in nt co ao o ad eg ch seja, teriam dí in OS ar nt se re ap era a ci ên nd te a II XV e I XV s lo cu Ao longo dos sé

ou e os ci ní fe , us ne na ca s, eu br he , os ci íp eg de es nt de en sc de mo genas co

tros povos semitas. em ig or da es or ns fe de s lo pe as ad eg pr em s õe aç ic pl ex Como exemplo das

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

bíblica do homem americano, citamos o espanhol Arias Montano, En, 1593 ele publicou a obra Antigiiidades judaicas na qual afirmava serem os indígenas descendentes de populações judaicas, primeiras povoadoras da América. Um dos argumentos para justificar suas afirmativas era que a palavra Peru constituía um anagrama de Ophir. Ophir, ou Ofir, era um

país oriental onde comerciantes judeus iam buscar ouro, perfumes, marfim, madeiras preciosas e outras mercadorias de valor. Não se sabe com certeza onde se situava a fabulosa Ofir. Talvez fosse um reino localizado em terras do Iêmen ou da Somália atuais. Montano argumentava ainda que o Peru constituía, como Ofir, uma região riquíssima em ouro e prata, e que a palavra índio era uma corruptela de iudio. Outro grupo de teorias, que não se prendia a passagens da Bíblia, foi elaborado por autores que afirmavam ter sido a América povoada por populações procedentes de áreas litorâneas do mar Mediterrâneo. Para fundamentar suas teorias, buscavam paralelismos culturais entre antigos povos mediterrâneos e povos americanos. Dentre os mais citados, encontramos egípcios, gregos, romanos, espanhóis, hititas, etruscos, cários e sírios. O paralelismó cultural, tomado em aspectos particulares, nada prova, porque os grupos humanos são capazes de criar comportamentos semelhantes independentemente de interpretações culturais ou influências externas.

À título de ilustração das idéias presentes nos trabalhos dessa corrente da origem mediterrânea, indicamos dois exemplos: + Frei Gregório Garcia, em seu estudo intitulado Origen de los indios del Nuevo Mundo e Indias Ocidentales, publicado em 1607, indicava que o homem americano era originário dos gregos. Explicava sua hipótese afirmando que: 1 . no Brasil viviam as amazonas, mulheres guerreiras que teriam vindo de terras gregas;

2 . sendo excelentes navegadores, os gregos foram fundadores de

numerosas colônias, inclusive neste continente:

3 . assim como se afirmava que o príncipe troiano Enéias fora para a Península Italiana após a Guerra de Tróia, os argonautas também viajaram para a América; + Andrés Rocha, que escreveu a obra Origen de los Indios del Peru. editada em 1681, defendia à tese que a primeira e principal corrente de povoamento da América foi de origem espanhola. Como argumento, l6

À ORIGEM DAS SOCIEDADES INDÍGENAS

€ m, ava ant esp se ndo qua a/! iam diz óis anh esp e nas íge ind indicava que imi ra mei pri a que da ain ava orm Inf m. ria ndo qua ah! ah! ah! faziam gração se deu na época de Osíris, rei egípcio, segundo o autor. 1.3 . AS MODERNAS AMERICA

TEORIAS DO POVOAMENTO

DA

riame m me ho do gem ori da o stã que a XIX ulo séc do tir par a nte ome não que o os, fic ntí cie ios tér cri o und seg ida cut dis ser a S cano começou alatu as tiv rma afi com es açõ lic pub gir sur a sem uas tin con que u impedi mente consideradas equivocadas. no mo do to, tan por e, one óct aut gem ori da s ore ens def dos o cas o Foi mo co es, sor cur pre e ess tiv que da Ain . ano ric ame m me ho genismo do no hi eg Am o tin ren Flo ogo tól eon pal o foi 1), 185 99(17 on rt Mo uel Sam O , ado liz ura nat ino ent arg mas o, ent cim nas de no lia ita 1), (1854-191 principal defensor da tese de que o homem americano era originário da ulo séc no as tad edi es, açõ lic pub as ers div s sua as tre Den a. ric Amé a pri pró atual, destaca-se La Antiguidad del hombre en el Plata.

“Nosso autor é estritamente monogenista e admite uma origem única para toda a Humanidade. Esta surgiu em um único lugar, em um único momento e um único precursor. O lugar seria a parte austral da América do Sul; o momento, seria durante a Era Terciária: o precursor, uma Forma animal de pequeno tamanho que Ameghino denominou Homunculus Patagonicus.' (CANALS

FRAU,

S., Prehistoria de América,

Buenos

Aires,

Editorial Sudamericana, 1950, pág. 141.)

As afirmativas baseavam-se em diversos achados de esqueletos humanos (crânio e ossadas), ossos de animais extintos (como o mastodonte), pedras lascadas, terra cozida e outros achados feitos em escavações realizadas em diversas regiões da Argentina em fins do século XIX. A idéia de que esse material pertencia à Era Terciária — uma das Idades Geológicas da Terra e que se estendeu até quinhentos mil anos — dava à América a primazia de ser o centro inicial da humanidade. 17

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

As teorias de Ameghino

provocaram grande celeuma, pois várias

conclusões eram de base puramente especulativa.

Cientistas, sobretudo norte-americanos, não hesitaram em viajar até à

Argentina a fim de examinar os fósseis e terrenos que Ameghino utilizou

para formular suas afirmativas.

“Segundo os cientistas da Escola Norte-Americana, assim cha-

mados porque seus integrantes viveram nos EUA — AÁles Hrdlicka

foi seu principal representante —, os primeiros povoadores da América eram alóctones, isto é, procediam de outras terras. Esses cientistas demonstraram que os povoadores da América

vieram da Ásia Oriental e viviam como coletores e caçadores.

Comprovaram que a entrada desses grupos humanos no continente americano Fez-se através do atual Estreito de Bering, que, em épocas recuadíssimas, Fora um istmo unindo terras do que hoje são o Alasca (América) e a Sibéria (Ásia). Por conseguinte, teria havido uma única imigração, Feita por caçadores que, por terra, chegaram à América. Estudos posteriores provaram ser incompleta a teoria do aloctonismo único. (AQUINO, R.S. L. DE etal. Fazendo a história: as sociedades americanas e a Europa na época moderna. Rio de Janeiro, Editora Ao Livro Técnico, 1994, pág. 10.)

Atualmente, são aceitas as teorias do aloctonismo poligenista.

Estudiosos, como o argentino Salvador Canals Frau e o francês Paul Rivet, comprovaram que a primeira imigração verificou-se, realmente, através de um istmo que, em passado remotíssimo, unira América e Ásia, onde hoje existe o estreito de Bering.

“E unânime a crença de que os primeiros imigrantes viviam

em pequenos bandos, compostos por Famílias aparentad as. Os homens eram principalmente caçadores, e as mulher es coleta-

vam provavelmente plantas selvagens com estíveis e executavam

18

À ORIGEM DAS SOCIEDADES INDÍGENAS

várias tarefas domésticas, tais como a preparação de peles ntra e , frio o e va chu à to, ven o tra con ão teç pro mo co r usa a par zaali eci esp m era não ra ped de tos men tru ins Os . tos ces cado de ras , tar cor a par es vez tas mui via ser to en em pl im o sm dos e o me de par e bater.” (MEGGERS, B.)., América pré-histórica, Rio Janeiro, Editora Paz e Terra, 1979, pág. 27.)

as ond as nov e -s am ir gu se s, ói ng mo es or ad vo po Além desses primeiros ia Ás da , sia iné Pol da s te en ed oc pr , res lto icu agr e res eto col migratórias de Oriental (Malásia) e da Austrália. na m me ho do a rad ent da a dat à to an qu ias ênc erg div m Embora exista miras mei pri as m ta on ap s ica lóg ueo arq as ert cob des es ent rec a, Améric por e nt me el av ov pr ás, atr s ano mil 20 e mil 35 re ent o nd re grações ocor volta de 27.500 anos atrás. idade gu ti an a e em ig or a re sob s nte ste exi s ria teo as as tod 5, 197 m “E ção ela rev de a nci iiê seg con em ra ter por am for o an ic er am m do home no feitas a partir de um fóssil encontrado no fundo de uma caverna Estado de Minas Gerais. Esse fóssil era um crânio, logo chamado pelo nome de Luzia. Presumivelmente pertencia a uma mulher, que teria vivido há cerca de

11.500 anos. Após ser estudado por cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro e da Universidade de São Paulo, o achado foi enviado à uitit ons rec a ta fei foi de on a, err lat Ing , na er st he nc Ma de de da si Univer ção facial desse crânio. As conclusões a que se chegou são realmente espantosas. Comprovouse, então, que os primeiros seres humanos a povoarem O continente . des rói neg os up gr a am ci en rt pe mas , cos áti asi m era não o an ic er am

Comprovou-se ainda que esses homens e mulheres chegaram muito s! ria teo ras out de s ore ens def os o nd ma ir af am nh vi que do antes laiso um em se mra ve ol nv se de s no ma hu os nt me pa ru ag ros Os primei m mento quase total. Do ponto de vista da Antropologia Física, já pertencia y nr He is Lew de o açã fic ssi cla a m co rdo aco de e, s, ien sap mo Ho e à espéci no se mva ra nt co en , ana ric ame gia olo rop ant da pai o do era sid Morgan, con

sociedades estágio cultural da selvageria” (AQUINO et alii, História das ) 32. e 30 s. pág 0, 200 , ord Rec a tor Edi o, eir Jan de Rio s, americana 19

CAPÍTULO 2

À ORGANIZAÇÃO

SOCIOECONÔMICA DAS SOCIEDADES INDÍGENAS

conquista do território brasileiro pelos portugueses foi efetuada medianÁs o confronto com as populações indígenas que povoavam o litoral e que terminaram aculturadas, escravizadas, ou mesmo

exterminadas,

quando resistiam ao conquistador branco. Estes grupos viviam sob o modelo da comunidade primitiva, caracterizada pela inexistência de propriedade privada, pelo trabalho coletivo, pela partilha comunitária dos frutos obtidos pela pesca, coleta e caça, € pela divisão sexual do trabalho não configurar uma relação de inferioridade social para as mulheres da comunidade. A sociedade era nômade ou seminômade, indicando a ausência da do-

mesticação de plantas, isto é, a agricultura. O caráter comunitário da produção implicava uma economia que buscava assegurar estritamente o que consumia, €, nos raros momentos marcados pelo aparecimento de um excedente, este era trocado por mercadorias com outras comunidades. O litoral era povoado, em quase toda a sua extensão, por grupos indiígenas do tronco lingúístico tupi-guarani, que se encontravam do litoral do atual Amapá até São Vicente. Entre os mais conhecidos estavam os tupinambás. Estes 21

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“eram recém-chegados à costa, de onde expulsaram as tribos inimigas, com exceção de alguns grupos, encaminhando-as para o sertão.” (RIBEIRO, BERTA, O índio na história do Brasil, São Paulo,

Global Editora, 1987, pág. 19.)

Para os tupinambás, todos os grupos indígenas que encontraram no li-

toral, que não falavam a sua língua e não praticavam os seus costumes,

eram denominados tapuias, ou seja, os que falavam uma língua enrolada.

Geograficamente, os tapuias localizava-se entre Ilhéus (sul da Bahia) e

o Espírito Santo, embora a maior parte ocupasse as terras interioranas do

território brasileiro. Destacava-se, entre os tapuias, a tribo dos aimorés, que

opôs feroz resistência aos portugueses. Os aimorés também ficaram conhecidos como “botocudos, nome que na Bahia assemelhava-se ao termo “bugre” usado no sul do país como epíteto de qualquer povo indí gena hostil.”

(SCHWARTZ, STUART B., Segredos internos. Engenhos e escravos na soctedade colonial, São Paulo, Editora Cia. das Letras, 1995, 52 edição, pág. 43.)

Além desses grupos, os portugueses travaram contatos com os aruaques, ou caraíbas, que ocupavam o litoral norte junto à atual Amazônia e que acabaram denominando o extenso mar que cerca a atual região do Caribe, o mar das Caraíbas. Os tupinambás viviam em uma área entre o litoral de Sergipe e o sul da Bahia. Habitavam aldeias com uma população que oscilava entre 400 e 800 indivíduos, divididos, em “grandes unidades familiares que residiam em cerca de quatro a oito malocas alongadas”. (SCHWARTZ , STUART B., op. cit., pág. 41.)

Também pertencentes ao tronco tupi-guarani, encontravam-se ao sul do

litoral baiano, em uma faixa de terra que se prolongava até o Espírito Santo,

Os tupiniquins. Estes disputavam com os aimorés o controle da região. Uma das características dos tupinambás que os difere nciou dos outros

grupos encontrados no litoral foi a prática da agricultura, centrada na

produção de milho, feijão, abóbora e, pr incipalmente, no cultivo da mandio ca. A atividade agrícola não excluta a caça, a pesca e a coleta, que complementavam a culinária indí gena e se intercalavam sazonalmen te. Aliás, a integração do tupi ao mundo

À ORGANIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DAS SOCIEDADES INDÍGENAS

à cozinha das comunidades indígenas. O desconhecimento do ambiente florestal tornou os portugueses dependentes das informações transmitidas pelos indígenas, capacitando-os a uma efetiva adaptação ao território que lhes era estranho. Assim, O índio passou a ser aceito como um integrante necessário ao projeto colonizador português não somente como mão-de-obra passível de escravização, mas também como um tradutor da realidade ambiental do Novo Mundo aos brancos invasores. Apesar disso, perdurou por longo tempo a imagem do índio como um ser que vivia há séculos em território preterido por Deus,

“em favor da Europa, Ásia e África, onde criou o homem, Formou o Paraíso e enviou os patriarcas. À América permaneceu, até a chegada dos primeiros enviados da Igreja, sem a palavra revelada, sem luz, sem fé, sem salvação. (RAMINELLI, RONALD, As imagens da colonização. A representação do índio de Caminha a Vieira, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor,

1996, págs. 23 e 24.)

Esse esquecimento representou — na leitura dos cronistas da Igreja — para as comunidades indígenas uma outra queda do Paraíso, posterior à de Adão. E a própria realidade dos índios foi caracterizada por

“graves alterações na tonalidade da pele, na linguagem e, sobretudo, nos costumes. O canibalismo, a nudez e as inúmeras erronias perpetuadas pelos naturais do Novo Mundo representam a segunda degeneração, a segunda queda. (RAÂMINELLI,

RONALD, 02. cit., pág. 31.)

Dessa forma, a colonização passou a representar, mediante a catequese, a possibilidade de regeneração dos índios, a sua humanização, e a posterior salvação de suas almas. Caberia ao cristianismo promover o retorno das comunidades indígenas ao seio da humanidade, eliminando os costumes, Os vícios perniciosos e alimentando-lhes de um maná espiritual ca-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

paz de implantar em suas almas a crença da salvação no reino dos céus.

Claro que a humanidade referia-se ao mundo cristão-ocidental, o que

configurou uma evidente leitura etnocêntrica dos europeus na lida com as comunidades indígenas americanas. Outros elementos culturais indígenas eram desvalorizados pelos colonizadores portugueses no afã de legitimação de seu projeto colonizador. A estrutura familiar dos tupis era visualizada como fruto da barbárie e do des-

conhecimento das leis de Deus. O casamento era preferencialmente realiza-

do “na forma avuncular (matrimônio do tio materno com a sobrinha) e na

de matrimônio entre primos cruzados”. (BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO (org.), História geral da civilização brasileira, T. I, Vol. 1, A época colonial, Rio de Janeiro, Editora Bertrand Brasil, 1989, pág. 77.) Através do casamento eram acertadas alianças construídas em torno de

laços de parentesco que se renovavam continuamente, preservando-se

assim relações de solidariedade familiar.

Contudo, a obtenção de esposas fora dos arranjos preestabelecidos era possível. Implicava, porém, para o noivo, a prestação de “serviços aos pais, tios e irmãos da noiva, antes e depois do casamento. Passava a viver como uma espécie de dependente no grupo doméstico do sogro”. (BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO (org.), 0p. cit. pág. 77.) A ruptura desses laços só seria conseguida mediante uma compensação aos parentes da noiva. Esta compensação seria uma herança que o noivo recebia de

irmã ou sobrinha, ou mesmo o nascimento de uma filha do casal, o que garantia o retorno do marido (se ele o desejasse) e de sua esposa para a maloca dos seus familiares.

Assim, garantiam-se os arranjos necessários para o primeiro casamento dos homens das famílias, escapando-se ao necessário oferecimento de um

prisioneiro para sacrifício, o que significava sério risco para um jovem €

inexperiente guerreiro. Só em um momento posterior caberia ao guerreiro, casado e amadurecido, presentear o irmão ou o tio da esposa com um

prisioneiro que tivesse capturado. Claro que, nesse momento, o marido

estaria enfrentando guerreiros com a mesma faixa etária e a mesma experiência em combates. A poligamia, abominada pelos clérigos da colôni a, representava a importância do arranjo de parentelas ampliadas, sig nific ando novas e maiores alianças junto aos membros da família da esposa - ÃO mesmo tempo 24

À ORGANIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DAS SOCIEDADES INDÍGENAS

reforçava o prestígio pessoal do marido na comunidade: este tornava-se xamiã, guerreiro, caçador ou pescador. A família poligâmica incluía o marido e três ou quatro esposas, das quais uma “podia ser eleita a predileta (temericô te), passando a substituir as demais no papel de parceira se-

xual.” (BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO (org.), op. cit., pág. 78.)

Na esfera religiosa, um dos mais os tupinambás foi o da santidade. messiânicos e se caracterizou pelas vam a diferentes aldeias para pregar

originais movimentos surgidos entre Esse movimento assumiu aspectos visitas que profetas indígenas realizaa vinda de um novo tempo, o retor-

no à Idade do Ouro, concepção tão comum nos milenarismos da socieda-

de européia. Esse retorno dar-se-ia na ida a

“um espaço sagrado, à longínqua 'terra da imortalidade”, para onde iam os espíritos dos guerreiros mortos, das esposas cos

bravos e dos que lidavam com os ancestrais, desde que ultrapassassem os perigos que obstavam a marcha para o paraíso. (VAINFAS, RONALDO, “Idolatrias luso-brasileiras: santidades e milenarismos indígenas”, in: América em tempo de conquista, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor,1992, pág. 176.)

Além disso, com o crescimento da importância da conversão do indígena à fé cristã no projeto de sociedade colonial visualizado pelos portugueses, as santidades assumiram o papel de um espaço de resistência à dominação lusitana. À dura realidade do domínio português, a escravização e a pregação da Igreja fortaleceram a crença indígena na busca da Terra da Imortalidade, ou a Terra Sem Mal. Assim, a ida para a terra sem mal representava um prêmio obtido pelos espíritos dos bravos, o que acirrava o “ânimo guerreiro com que várias tribos tupi enfrentaram os colonos e seus aliados índios”. (VAINFAS, RONALDO, op. cit. pág. 177.) Dessa forma, a morte era o caminho natural para o prémio do guerreiro, mas a própria valorização das tradições e o ardor no combate também poderiam garantir ao guerreiro a salvação em vida. Mas onde ficava o paraíso dos tupis? O avanço da presença portuguesa no litoral provocou o deslocamento de suas comunidades. À terra sem

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

mal deslocou-se para O interior junto com Os grupos indígenas. O litoral, marcado pela escravidão e pela morte, não poderia mais representar

o sonho da terra sem mal das várias tribos tupis. Para a Igreja católica, o movimento das santidades era uma ameaça concreta ao seu projeto de catequese e ao projeto colonizador. O clero via esse movimento como de origem herética e obra de feitiçaria. O combate sem trégua aos pajés que pregavam as santidades passou a ser de-

fendido abertamente pela Igreja católicas, que utilizou o Tribunal do Santo Ofício como instrumento de investigação e punição adequado pa-

ra garantir a homogeneidade religiosa na colônia. A conversão indígena se tornou um importante instrumento para garantir um território pacífico aos colonos portugueses. Às diversas revoltas indígenas que ocorreram entre os séculos XVI e XVIII foram conti-

das, em parte, pela ação dos missionários no Brasil, como, por exemplo, a Guerrilha Mura (1689-1789), afetando o avanço português pelo interior do Amazonas por um século e só dominada após o aldeamento dos mesmos por membros da Ordem dos Carmelitas.

Outras revoltas foram debeladas pelo uso contínuo da repressão portuguesa; caso da Revolta de Manu Ladino (1712-1719), que afetou parte do Nordeste (Maranhão, Piauí e Ceará) e expressou a resistência indí-

gena ao poder dos grandes proprietários rurais; ou ainda, a Guerra dos Manau (1723-1728), que, liderada por Ajuricaba, impediu o avanço português nas terras próximas ao rio Negro por cerca de quatro anos, sendo finalmente vencida após bombardeio naval às aldeias ribeirinhas.

26

CAPÍTULO 3

AS ARTES HAS SOCIEDADES

INDÍGENAS

ão obstante a grande variedade de sociedades indígenas que viviam [io Brasil, nenhuma delas chegou a desenvolver uma produção ar-

tística comparável à criada por outras nações que habitavam O continente antes da chegada dos europeus.

Mesmo assim, o mundo indígena existente no Brasil pré-europeu desenvolveu variadas e ricas manifestações artísticas na música, na dança, na pintura, na cerâmica, na plumária, na cestaria...

A arte plumária, cujas realizações mais belas coube aos tupinambás, expressou-se mediante o aproveitamento de penas e plumas obtidas na rica avifauna brasileira. Podia se expressar através da colagem de penas coloridas no corpo ou por meio de adornos feitos de penas, como cocares, colares, pulseiras, braceletes, cintas e faixas com penas enfiadas. Penas coloridas eram empregadas em orelhas e narizes perfurados. Os indígenas chegavam até a criar algumas aves para arrancar suas penas coloridas. Privilegiavam as araras vermelhas, pois O encarnado era a cor preferida da maioria das tribos. Os tupinambás criavam a guarajuba, ou papagaio-imperial, em cuja plumagem predominava a cor amarela. Contudo, chegaram a processos diversos para alterar a coloração das

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

penas e plumas, como aquecê-las ou friccioná-las com a gordura de certos peixes ou a seiva de plantas. A cerâmica não era conhecida por todas as tribos. Todavia, os tapajós,

com a chamada cerâmica de Santarém e a denominada cerâmica marapelas comunidades

foara, desenvolvida

indígenas

da

ilha de

Marajó,

constituem exemplos da variada e magnífica cerâmica indígena. Em suas primeiras manifestações, as criações em barro cozido tinham fins utilitários: produzir vasilhames e recipientes diversos. Em etapa posterior — além de tigelas, moringas e panelas — também produziram urnas funerárias, vasos, jarros, potes, cachimbos e até bonecos. Estes foram feitos pelos tapirapé e carajá, os conhecidos licocós. Essas figurinhas femi-

ninas são modeladas com coxas e nádegas desenvolvidas.

Muitos desses objetos eram pintados em cores diversas e ornamenta-

dos com formas variadas.

À música, associada ao canto e às danças rituais, foi amplamente utilizada por todas as sociedades indígenas. Todavia, à medida que a colonização avançou, tendeu a ser transformada e/ou desapareceu. Por quê? Porque foi considerada manifestação diabólica, sobretudo pelos sacerdotes.

“Os jesuítas, assustados com o caráter selvagem do instrumental da música indígena — trombetas com crânio de gente na extremidade, Flautas de osso, chocalhos de cabeças humanas etc. —, trataram de iniciar os catecúmenos nos segredos do órgão, do cravo e do fagote, que melhor se adaptavam à música sacra. Com o aprendizado desses instrumentos a estrutura natural da música dos indígenas, baseada em escalas diferentes da européia e, portanto, geradora de um

esquema harmônico igualmente diverso, perdia sua razão de ser (..,).” (TINHORÃO, JOSÉ RAMOS, Música popular de índios, negros e mestiços, Petrópolis, Editora Vozes, 1972, pág.11.)

Os jesuítas, principalmente, perceberam que a catequese seria facilitada mediante o emprego da música, Por isso, usaram co mposições musicais européias, escritas em língua tupi, para atrair Os indígenas à Igreja católica. Um dos resultados foi o fim da ori ginal mús ica indígena.

Ava çal

A

28

ÀS ARTES NAS SOCIEDAES INDÍGENAS

Mesmo assim, muitos dos 15 a 20 instrumentos musicais dos índios sobreviveram. Dentre, eles destacam-se trombetas, chocalhos ou marae o) rec co(re uga tar tar de ca cas de s ore cad ras os, obi ass es, cás, tambor flautas (de osso, de cerâmica ou taquara). code o mei o com do usa são cus per de to men tru ins um era O trocano de s eta var por ido cut per ore árv de nco tro um de e a-s tav Tra . ção munica borracha.

dias stic artí s çõe sta ife man tes nan sio res imp am tuí sti con as car As más € is air bac s, ano tuc os pel — ivas fest ou s uai rit — s nia imô cer em as did fun demais tribos que viviam no Brasil.

“No princípio, talvez, a máscara tenha sido usada como cis-

farce para as caçadas.

(..) Em umas tribos, a máscara não permite o reconhecimen-

to de seu portador por um espírito maléfico. Em outras, à Funcão é inversa: a máscara serve para que a divindade reconheça o índio escondido e lhe transmita dons especiais. Há certas cerimônias em que a máscara, no caso de iniciação

(admissão dentro da vida adulta da tribo), representa um espírito obsceno, petulante, violento, que deseja se apossar do iniciando.”

(ARAÚJO, ALCEU MAYNARD, Brasil — histórias, costumes € lendas, São Paulo, Editora Três Ltda., 1990, vol. II, pág. 243.)

Na realidade, para os índios, as máscaras tinham uma função mágica. Por isso, sua ornamentação variava em função do objetivo, podendo ser inclusive zoomórfica. Da mesma forma podiam ser de casca de árvore, de cerâmica ou de peles de animais. Desde criança os indígenas aprendiam a pintar e, quando atingiam a idade adulta, embora todos soubessem utilizar as tintas, geralmente cabia às mulheres a preparação das tintas aplicadas em objetos de uso da comunidade. Muitas vezes empregando o sumo de cascas de árvores, pintavam suas máscaras, bonecos de palha ou de barro, os trançados e a cerâmica em geral. Além disso, a pintura corporal, bastante difundida no mundo indígena, constituía uma forma de embelezamento. A boca e o queixo, contudo, não eram pintados.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

A pintura corporal estava ligada igualmente a formas de comunicação, podendo representar o luto, o resguardo de uma mulher, uma doença, Mas também servia para expressar os diferentes grupos existentes na co-

munidade.

Predominavam

figuras geométricas

e abstratas. Havia uma

tendência em empregar tinta pretas, vermelhas e brancas, ainda que usassem o amarelo, o roxo-escuro e o azul.

Dava-se grande preferência à cor vermelha, obtida de sementes de uru-

cu, de folhas de carajuru ou de argilas ricas em óxido de ferro.

“De várias origens Fuligem de panela ou incineração de folhas fruto do jenipapo (...)

será também a matéria corante preta. carvão vegetal, sobretudo alcançada pela de palmeira, além da tinta conseguida do ou da casca de várias árvores, por decoc-

ção ou infusão como murici (...) Às tintas do cumatê e axuá são primitivamente de uma tonalidade roxo-escuro (...)

É das argilas alvas (tabatinga) e ocreosas que se preparam as

tintas branca e amarela (...)” (CRULS, GASTÃO, Artes plásticas no Brasil-Arte indígena, Rio de Janeiro, Tecnoprint Gráfica Ltda, 1952, págs. 42 e 43.)

Trabalhos em madeira (batoques, banquinhos, pentes, animais e rarissimas estátuas) e de trançados de palha (cestas, esteiras) representam ou-

30

ES ——

o

tras manifestações artísticas dos indígenas brasileiros.

CAPÍTULO 4

(O LEGADO

ÍIIDÍGENA

legado cultural indígena na sociedade brasileira iniciou-se com a C) própria conquista portuguesa, quando os índios ensinaram os colonizadores a alimentarem-se com os frutos da terra. Assim, iniciou-se o consumo pelos portugueses da mandioca, do milho, da batata-doce, do amendoim, da abóbora, do abacaxi, do caju, da pimenta, do mamão, en-

tre outras iguarias que tanta alegria produzem ao paladar do brasileiro. Quem nunca saboreou um mingau de fubá ou um peixe assado ou cozido? Como esquecer as delícias do beiju, da tapioca, da paçoca e da canjica? Quantas vezes você matou a sede bebendo um guaraná ou um mate? Essas bebidas eram desconhecidas dos europeus, mas amplamente consumidas pelos indígenas! O branco incorporou também diversas técnicas adotadas pelos indígenas. Podemos destacar: a pesca por tarrafa, a coipara dos campos (consiste em clarear os campos com fogo e hoje é mais conhecida como queimada) e o mutirão, originado da prática tupi de realização coletiva de determinada atividade necessária para a manutenção da organização da tribo. A medicina também utilizou-se da sabedoria indígena para auxiliar na cura dos homens. À quinina, empregada para a malária, ainda hoje é uti-

31

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

lizada como medicamento básico. À copaíba, que os tupis utilizavam para

curar feridas, igualmente continua a ser utilizada. Podemos citar, ainda, o

curare, usado como anestésico, e a pajelança (invocação dos espíritos para

efetivar a cura de doenças), praticada mediante a intermediação dos pagés.

À economia industrial européia, desde as últimas décadas do século

XIX e ao longo do século XX, utilizou o tabaco, do qual os índios foram

os primeiros consumidores para fins cerimoniais. O algodão, como insumo industrial, tornou-se básico na expansão da produção de tecidos. Também o folclore foi e ainda é marcado por mitos indígenas. Destacamos O curupira, que protegia a caça e a natureza, garantindo um

permanente equilíbrio entre as necessidades do homem e a preservação

do ambiente natural; o hoto-tucuxi, que, no folclore amazônico, era o responsável pela gravidez de jovens virgens e de mulheres cujos maridos costumavam ausentar-se por longos períodos...

Podemos apontar ainda: o hábito de dormir em redes, tão difundido, sobretudo no Nordeste. O branco igualmente aprendeu a usar instrumentos de pesca, como as redes, o puçá, e a empregar pequenas embarcações, denominadas pirogas, para cortar os rios. Contribuição inestimável encontramos na utilização de numerosas palavras de origem indígena. Como esquecer a origem de palavras comuns ao nosso cotidiano, como carioca, que significa a casa do homem branco, além de paraná, paranaguá, maracanã, ipanema, tatu e tantas outras empregadas

principalmente para nomear acidentes geográficos, como rios, serras etc. À influência étnica se manifestou na fi gura do mameluco, chamado ain-

da de caboclo e curiboca, resultado da miscigenação principalmente de pai branco e mãe indígena; ou do cafwzo, ou carafuz, resultante da mes tiçagem de índios e negros. À construção de casas sertanejas apresenta elementos cultur ais indíge-

nas, como a cobertura de palha, as paredes formadas por galhos entrelaçados, recoberta de barro e com chão de barro batido. Os indígenas também vulgarizaram hábitos de hi glene, como o costume do banho diário. Dessa forma, a sociedade brasileira vive um a eterna contradição diana te das comunidades indígenas: por um lado,

orear um

5

quistador Português, e não se furta de sa-

bom guaraná, comer um pirarucu na brasa, degustar do açaí

SERES

ã

O LEGADO INDÍGENA

com tapioca; por outro lado, assassina índios em conflitos entre tribos e

garimpeiros no interior da Amazônia, ou até mesmo, incendeia e mata um índio pataxó cujo um único crime foi dormir num banco de um ponto de ônibus, em Brasília, na noite de 19 de abril de 1997, o Dia do Índio, e ter sido avistado por jovens da classe média alta da cidade que queriam fazer uma brincadeira com o cacique Galdino, da tribo dos pataxós, não sem ironia, a primeira tribo a travar contato com os brancos civilizados por volta de 22 de abril de 1500.

Parte 2 A SOCIEDADE OCIDENTAL EUROPÉIA E A EXPANSÃO COMERCIAL

CAPÍTULO 1

A CRÍSE DO FEUDALÍSMO OCIDENTAL EUROPEU NOS

SÉCULOS XIV E XV

1.1 . A AVENTURA DO COMÉRCIO s origens remotas da crise dos séculos XIV e XV devem ser procuÀ cadas nas próprias condições da estrutura feudal, após o conjunto de transformações proporcionadas pela expansão econômica e demográfica iniciada na Europa Ocidental, a partir do século XI. O ponto de partida para se compreender o dinamismo da Baixa Idade Média pode ser detectado no processo de contenção e sedentarização dos invasores escandinavos, sarracenos e magiares procedentes das estepes euro-asiáticas no século VIII. O cessar destas invasões nos séculos X e XI transformaria a vida até então extremamente rústica do homem medieval em um emaranhado de negócios, rotas comerciais, perspectivas sociais e políticas novas. Afinal, a segurança que se instalou após os acordos de paz firmados com os últimos invasores permitiu uma maior circulação entre as áreas isoladas nos períodos mais críticos, uma vez que os caminhos terrestres e marítimos, antes dificultados por inúmeros riscos, foram liberados. O comércio cresceu, deixando de ser uma atividade como era praticada no in35

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

terior dos feudos. Em pouco tempo a marcha habitual contra a cristandade seria invertida, o Mediterrâneo entraria novamente no circuito co-

mercial europeu, deixando de ser exclusivamente 237 lago árabe. Isto tu-

do significa que a Europa Ocidental, até então fechada em si mesma e

com poucos acessos, pôde avançar sobre outras áreas, contribuindo para gerar o que o historiador Guy Fourquin denominou de dilatação do Ocidente. Podemos considerar o movimento cruzadista, tanto o ultrama-

rino como o intra-europeu, como um indício poderoso deste processo, já que as Cruzadas propiciaram a revitalização dos contatos com o Oriente. À medida que o comércio intensificava-se, ocorria paralelamente um crescimento populacional, e consequentemente um aumento de virtuais consumidores. Do final do século X até meados do século XIV, presumese que a população da Europa Ocidental tenha duplicado. O incremen-

to demográfico fez-se sentir em todos os níveis: no ritmo dos arroteamentos (transformação de áreas improdutivas em áreas agricultáveis), no movimento migratório, na revalorização da cidade e até mesmo no conjunto de transformações sofridas pela arquitetura religiosa. No decorrer deste novo fluxo humano, seria a cidade um espaço privileglado para trocas — em todos os níveis —, integrando-se cada vez mais ao circuito rural, mas, ao mesmo tempo, distanciando-se do seu modus vivendi, uma vez que assumia um dinamismo próprio, uma cultura específica. O comércio nas cidades vinculava-se a toda uma hierarquia — do mercado local às feiras internacionais — de acordo com a especificidade dos produtos negociados.

“Georges Duby descreve dois sistemas paralelos de comércio nos séculos XI-XIll. Um mais ligado ao movimento entre as al-

deias, os castelos e os burgos, e outro ligando países e mesmo

continentes diferentes. O primeiro voltado para art igos baratos,

pesados e mais cotidianos; o segundo, preso a artigos de luxo, caros e que em pequenas quantidades pudessem apresentar lu-

cros.” (TEIXEIRA DA SILVA, FRANCISCO CARLOS, Soc igdade feudal pág. 41.)

, São Paulo, Editora Brasiliense, 198 8, 44 edição,

36

À CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS XIV E XV

Podemos identificar uma rede comercial envolvendo o Norte da Europa, abrangendo a cidade de Flandres, os mares Báltico e do Norte. No Sul, era o Mediterrâneo que direcionava os négocios a longa distância, beneficiando as cidades italianas, privilegiadas em relação ao comércio com o mundo oriental. Aliás, devemos acrescentar que se convencionou chamar todo este incremento comercial, ocorrido a partir do século XI, de Renascimento Comercial.

A feira marcaria o ápice dos negócios itinerantes, surgindo muitas vezes como entroncamento das rotas entre o Norte e o Sul da Europa. Essas feiras eram imunizadas pela paz do mercado e pela anulação do g4baine — direito que um senhor possuía de apropriar-se dos bens daquele que morria em suas terras. Favorecidas pela situação geográfica, pela duração e pela própria organização dos mercadores, as feiras de Champagne tornaram-se os mais influentes pólos econômicos da Baixa Idade Média, chegando mesmo, em meados do século XIII, a figurar entre os principais centros cambiais da Europa. Paralelamente ao incremento do comércio, o espaço urbano, até então secundarizado, ganhou maior projeção. Lugar privilegiado da diferença, a cidade desagregou e aproximou, submeteu e libertou, transformando a noção temporal e determinando nova concepção espacial. No meio de vizinhos, entre diversos ofícios, trocando experiências e idéias, o citadino vivia experiências bem diferentes daqueles nobres e camponeses que moravam nos feudos. Já dizia um velho ditado alemão que o ar da cidade é o ar da liberdade. Vale dizer que, apesar da crise feudal estar intrinsecamente ligada ao meio rural, a cidade foi pólo de atração ou repulsa durante os momentos mais críticos dos séculos XIV e XV, sendo responsável também pelos primeiros indícios de superação dessa crise. Além disso, foi a cidade que registrou as mais expressivas imagens do medo coletivo, no final da Idade Média.

O citadino e as regras da cidade davam novas cores ao mundo medieval, representando o aparecimento de novos tipos no esquema trifuncional da sociedade feudal, marcado tradicionalmente por clérigos, nobres e camponeses. Foi este um dos principais fenômenos históricos descortinados na Baixa Idade Média. Sem esquecer do intelectual, convém ressaltar o papel do mercador — tipo por excelência do meio urbano — e suas tarefas pioneiras. Invadir o espaço do tempo, afirmar sua individualidade, 37

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

basear-se na ética do trabalho e lutar pelas liberdades necessárias para suas

atividades, eis alguns de seus grandiosos desafios. Sem dúvida, legitimar-

se enquanto peça fundamental na sociedade acabava sendo um dos obje-

tivos mais importantes. Necessário — uma vez que a concepção de subsistência varia segundo

os segmentos sociais —, mas também repudiado, o mercador tinha contra si os grandes pilares do cristianismo. Para a Igreja, a associação do mercador com o usurário era quase sempre automática. Afinal, desde

11792 — Ierceiro Concílio de Latrão — passou-se a considerar a usura como pecado e o usurário como o pior dos ladrões, uma vez que roubava o tempo, pertencente unicamente a Deus. Entretanto, uma questão nos chama a atenção! Em uma sociedade onde o número de analfabetos era esmagador, como a Igreja podia divulgar suas idéias e influenciar tan-

ta gente? A resposta deve ser buscada nos sermões, momento em que os

clérigos utilizavam o recurso dos exempla. Vindos da Antiguidade, os exempla (pequena história com uma lição de moral) se transformariam em peças fundamentais do discurso disciplinador da Igreja e da simbologia medieval, constituindo elementos da pedaHaga do medo e mesmo de uma função histórica, já que eram apresentados como verídicos. Muitos pregadores consideravam-nos o recurso mais indispensável e edificante em uma fala ao público. Os exempla medievais

associaram o usurário, identificado inicialmente como judeu, ao pecado

da avareza e, portanto, em vítima capital da Providência Divina.

“Na Tabula exemplorum, é um macaco, caricatura do home m, que é encarregado, numa cerimônia de inversão, de pur ificar a bolsa do usurário: 'um peregrino Fazia a travessia da viag em à Terra Santa. Um macaco que estava no navio roub ou-lhe a bolsa e trepou no alto do mastro e abrindo a bolsa fez uma triagem: colocava de lado algumas moedas e recolocav a na bolsa, as ou-

tras, jogava-as no mar. Quando recuperou a bolsa, o peregrino per cebeu que o macaco havia jogado fora todas as moed as mal adquiridas (por usura) e as outras não:" (LE GOFRF, JACQUES, A bolsa e a vida, São Paulo, Editora Brasilie nse, 1989, pág. 34.) :

38

À CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS KIV E XY

É bem verdade que usura, juro, lucro e comércio não eram totalmente equivalentes. Os doutores da Igreja haviam delimitado minuciosamente a diferença. Entretanto, tinham um ponto comum, por demais comprometedor para que não fossem encarados monoliticamente: o estatuto do dinheiro, que os embasava e os realimentava. Na visão eclesiástica, aí estava a possibilidade maior de erosão dos valores cristãos. Devemos lembrar que todo este tipo de censura valia muito mais para os outros, pois a própria Igreja estava envolvida em práticas usurárias e até mesmo comerciais, lucrando muito acima do que o chamado justo preço. Mesmo censurado, o mercador ganhava espaços e se envolvia com novas modalidades de vida, sendo um dos promotores da lenta laicização da cultura em curso. Seria impensável um comerciante completamente desconhecedor de outras línguas ou de rudimentos matemáticos e contábeis. Conhecemos casos de filhos de mercadores italianos que aprendiam inglês e alemão para os futuros ofícios. Esta nova visão quantitativa promovida pelo comércio foi um elemento decisivo na formação de uma mentalidade aritmética. Aliás, foram as necessidades mercantis que promoveram a transposição da numeração romana para a árabe (possibilidade do zero) e a introdução do relógio na praça da cidade, assim como a uniformização do calendário.

“O calendário eclesiástico, com suas Festas móveis e a oscilação do início do ano — entre o dia 22 de Março e o 25 de Abril — deixa de se adequar aos homens de negócios, que necessitam ce uma forma de subdivisão mais exata; para satisfazer essa necessidade, o início do ano é fixado no dia da Circuncisão de Cristo: 1º de Janeiro.” (GUREVIC, ARON JA, “O Mercador? in: O homem medieval, Lisboa, Editorial Presença, 1987, pág. 187.)

Guardando as diferenças óbvias, o livro passou a ser um objeto de oficio para o mercador, assim como era para o eclesiástico. À fusão do cál-

culo com a cultura escrita evidenciou-se nos manuais de aritmética elementar, difundidos desde o início do século XIII — marco determinante foi o Tratado do ábaco, de Leonardo Fibonacci, publicado em 1202. Foi o livro de um mercador — O livro das maravilhas de Marco Pólo — 39

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

que difundiu na Europa impressões do Oriente, atuando tanto no cam-

po da geografia, mesmo que fantástica, como no relato baseado na aventura. Afinal, o mercador era um aventureiro em potencial, como afirmou

Aron Gurevic, um self-made man. Mesmo que sedentarizado, instalado em uma cidade, deixando as viagens longas para subordinados e nego-

ciando com base em um contrato, o mercador continuava quebrando re-

gras para impor como legítimos alguns de seus objetivos fundamentais:

o direito à riqueza e à salvação, ou, como constatou Jacques Le Goff, o direito à bolsa e à vida.

“À Idade Média Foi buscar à Antiguidade a imagem da Fortuna,

encarnação do destino cego que faz girar constantemente a roda que ora leva, ora Faz cair os que procuram sucesso. Na sociedade medieval, não há talvez ninguém a quem melhor se adeque

essa imagem do que ao mercador. À palavra Fortuna” continua a ter dois significados: destino, sucesso e grande soma de dinheiro, riqueza. E não é por acaso. O sentido de risco que, no mercador, existe sempre, estava associado à idéia de destino que brin-

ca com o homem.” (GUREVIC, ARON JA. 02. cit., pág. 183.)

1.2 . PRIMEIROS INDÍCIOS DE RETRAÇÃO ECONÔMICA (O

s excedentes oriundos do crescimento agrícola promoveram diver-

sas modificações no conjunto de atividades da população européia. Afinal, contribuíram para a liberação de parte dos camponeses para outras atividades econômicas, principalmente o comércio e o artesanato. Os

generos agrícolas passaram a ser comercializados com mais regularidade, incentivando o aumento da produção com a utilização de terras anterior-

mente inaproveitadas. Se esta expansão das áreas produtivas acabou constituindo a base essencial da arrancada agrícola, não podemos esquecer, entretanto, a disseminaçã

o em maior escala de técnicas mais produc entes paralelamente à expansão dos arroteamentos. Tornou-se comu m a adoção do sistema trienal, a utilização de instrumentos de ferro e hi dráuli cos, a atrelagem para os animais (cabresto de espáduas para os cavalo S € canga frontal para os bois), que tam-

À CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS KIV E XV

bém passaram a ser ferrados. A metalurgia progrediu e permitiu que os moinhos ganhassem espaço nas cidades e nos campos. Vale acrescentar que, no meio rural, o moinho funcionava também como espaço de encontro social, sendo possível que muitas revoltas camponesas tenham ali sido organizadas, afinal tratava-se, antes de tudo, de mais um dos domínios senhoriais.

Os cultivos ligados especificamente ao comércio — vinhedos, plantas tintoriais — foram amplamente incentivados, gerando a especialização econômica de determinadas regiões (as áreas vinícolas da França e as laníferas inglesas), mas também a necessidade indispensável de um sistema crescente de produção de grãos. Desde o final do século XIII, entretanto, a estrutura feudal já apresentava indícios expressivos de paralisação do crescimento econômico característico dos séculos anteriores. Muitos historiadores chamaram a atenção para a interrupção da construção das grandes catedrais (algumas inclusive não chegaram a ser concluídas) como um dos sintomas indicativos da letargia em que se encontrava a cristandade. As causas desta perda de fólego se encontram na própria dinâmica da expansão produtiva, marcada por um caráter extensivo e predatório, proporcionando a médio prazo uma série de desajustes na própria produção, no armazenamento e na distribuição de alimentos. Apesar do crescimento comercial e urbano, deve-se destacar que a sociedade medieval continuava majoritariamente agrária e rural. À gênese econômica da crise e

grande parte de sua dramática amplitude ligam-se fundamentalmente aos efeitos causados pela estagnação agrícola em curso. Ão ganhar as terras não cultivadas, a agricultura estabeleceu seus próprios limites de crescimento, dando início a um ciclo de constantes anexações territoriais em prol da manutenção dos níveis demográficos e comerciais existentes. À pecuária foi uma das atividades que perderam ter-

reno para a avalanche de arroteamentos, ocasionando posteriormente não só a menor disponibilidade de carne, leite e derivados, como a insuficiência de esterco, tão necessário para garantir uma produtividade adequada aos novos índices de consumo. Os recursos tecnológicos disponíveis não eram suficientes para promover uma intensificação produtiva à altura dos desgastes do solo e das variações climáticas (principalmente as chuvas e o resfriamento) oriundas, possivelmente, do próprio desmata-

mento realizado no período de expansão. Ss]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“ (.) quase sem nenhumas terras por arrotear, cheios de trabalha-

dores e cobertos de searas, os campos da Europa estavam realmente, no limiar do século XIV, superpovoados e sobrecarregados por um número cada vez maior de camponeses famintos (...) Primeiro sintoma: em 1258, a penúria que se abateu sobre a Inglaterra assumia o

aspecto de fome. Em 1309-1311, os campos da Alemanha sofreram uma carência de víveres muito mais cruel. O tempo das dificuldades começava. (DUBY, GEORGES, Economia rural e vida no campo, Lisboa, Edições 70, 1962, Vol. 2, pág. 154.)

1.3 . A TRILOGIA DAS CATÁSTROFES esmo já identificando males de origem para a crise dos séculos XIV e XV, é importante caracterizar os efeitos que causaram a fome, a peste e a guerra na estrutura feudal. A análise destes três fenômenos é preciosa no sentido de indicar as tendências econômicas, políticas, sociais e religiosas que marcaram o fim da Idade Média. Além disso, estes momentos críticos nos possibilitam perceber as mentalidades e atitudes de uma sociedade em transformação. - À Fome

A fome sempre foi um problema de grandes proporções para o homem

medieval, sendo conhecidos diversos registros marcantes de seus efeitos devastadores. O pai-nosso é bem emblemático nesse sentido — “o pão nosso de cada dia nos dai hoje” —, expressando as dificuldades de sobrevivência e a incerteza em relação ao futuro.

A hagiografia da Idade Média está permeada de casos em que uma al-

deia faminta vê como um verdadeiro santo aquele que consegue provêla de alimentos em um momento de penúria. Morrer de fome, portanto,

não era incomum para o homem medieval, É bastante expressiva também a comprovação de que os quatro mitos mais populares da Idade Média (o Graal, Avalon, o Reino de Preste João

e o País da Cocanha) tivessem conotações ligadas não só a funções ali|

o

————

mentares, mas a temas referentes à abundânc ia e à fartura

À CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS KIV E XV

Apesar dos incrementos dos séculos XI-XIII, a fome não desapareceu por completo do Ocidente cristão, continuando a rondar principalmente as regiões mais isoladas dos circuitos de abastecimento. O início do século XIV (especificamente os anos 1315-1317) foi marcado por um ciclo de chuvas torrenciais generalizadas, o que acarretou a perda de colheitas em vários pontos da Europa. Servindo-se da dendrocronologia (técnica que consiste na identificação das variações climáticas a partir de cortes concêntricos em determinadas árvores seculares), alguns especialistas associam estas variações naturais a

uma tendência mais geral de resfriamento climático — o que se convencionou chamar de Pequena Era Glacial — em evidência desde 1250.

À escassez agrícola seguiam-se frequentemente convulsão social, agudização de tensões políticas já existentes, mas principalmente a disseminação em larga escala da fome e de inúmeras moléstias ligadas a carências alimentares. O impacto econômico da Grande Fome foi desastroso, já que os recursos existentes foram canalizados principalmente para a aquisição de alimentos, ocasionando a retração do comércio e do artesanato. Passou a ser comum a prática do entesouramento de metais, resultando em repetidas desvalorizações monetárias e, consequentemente, no aumento constante de preços. Dante colocou no seu Inferno Felipe IV, rei francês responsável por inúmeras desvalorizações e conhecido por isso como o moedeiro falso. Jeffrey Richards assim sintetizou os efeitos da Grande Fome:

“A Fome e doenças graves que se seguiram (depois de 1317) reduziram as pessoas a comerem cães e gatos, folhas e raízes, e, em alguns lugares, ao canibalismo. À medida que o povo foi levado a atitudes desesperadas para obter comida, houve uma onda de crimes. Em seguida, uma desastrosa epizootia dizimou boa parte do rebanho.” (RICHARDS, JEFFREY. Sexo, desvio e danação. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1993, pág. 26.)

43

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

. À Peste

As doenças povoaram o Ocidente medieval em função das próprias condições alimentares e dos limitados recursos médicos. As cidades, mais sobrecarregadas pelo crescimento demográfico, concentravam enfermos e, conseguentemente, contribuíam para difundir enfermidades. À tuberculose foi a mais mortífera de todas as doenças endêmicas da Idade Média. Entretanto, foram as doenças de pele — notadamente a lepra — que mais marcariam o imaginário medieval, pelo menos até o século XIV. Os leprosos, párias por excelência do mundo medieval, promoviam uma atitude ambígua da cristandade em relação às doenças — de repulsa e, ao mesmo tempo, de compromisso caridoso. À peste negra, por sua vez, roubaria a cena, transformando-se na doença mais marcante do final da Idade Média.

Vinda da Criméia em um navio genovês, a peste negra varreu a Europa em quatro anos (1347-1350), atingindo uma população vulnerável e uma estrutura econômica em crise. Os incidentes que cercam a contaminação inicial não deixam de ser interessantes:

“Todos os testemunhos concordam em situar a origem da peste na Ásia Central, onde existia em estado endêmico. O grande viajante Ibn Batuta, que visitou a Índia Meridional pouco depois

de 1342, aí a assinala. Em 1347, os mongóis, que assediavam o entreposto genovês de Caffa, no Mar Negro, Foram eles os próprios contaminados e, por um requinte de crueldade, catapultaram para dentro da cidade vários cadáveres. Um navio, partido de Caffa para a Itália, à passagem por Constantinopla, semeou

aí a peste. (WOLFF, PHILIPPE, Outono da Idade Média ou primavera dos novos tempos? Lisboa, Edições 70, 1986, pág. 25).

Sabemos que não só a Europa foi atingida pela epidemia. Enquanto a peste alastrava-se pelo continente curopeu — segundo Pierre Chaunnu, com a velocidade de um homem a pé — também causava estragos em

Alexandria, Síria e Palestina, chegando violentamente até à China, em 1351. Na Europa,

a epidemia acentuou a retração demográfica já eviden cia-

da no final do século XIII, impedindo qualquer chance de recuperação

À CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS XIV E KV

dos índices anteriores. Na verdade, em geral, estes índices só seriam restabelecidos no século XVII. Muitos diagnósticos diferentes surgiram a respeito do mal, que, hoje se sabe, tratava-se de duas doenças: interligadas a peste bubônica (transmissível pela pulga do rato negro) e a peste pulmonar, transmissível de homem para homem. Ao que tudo indica, além da alta taxa de mortalidade (da ordem de 70%), superior a qualquer outra epidemia da época, a Peste Negra apresentava-se de forma mais devastadora em função de um outro aspecto incomum: seu caráter generalizante. Consideradas as expressivas desigualdades regionais, admite-se que, no seu conjunto, a Peste Negra eliminou cerca de 1/3 da população européia. A relação direta entre a Peste Negra e a desnutrição reinante foi durante muito tempo aspecto inquestionável entre os estudiosos do tema. Atualmente existem trabalhos que apontam outro caminho de análise para a questão.

“Ao contrário do que se pensava até há pouco tempo, a peste não é influenciada pela Fome, isto é, a subnutrição, que pode dobrar ou triplicar a mortalidade de outras epidemias, não altera a

ação da peste. Portanto, ela atingia indiscriminadamente pobres e ricos, crianças e adultos, homens e mulheres. Se as camadas sociais mais elevadas resistiram melhor, foi apenas pela sua possibilidade de abandonar os locais infectados e buscar refúgio em outros. ” (FRANCO JÚNIOR, HILÁRIO, O feudalismo, 6º edição, São Paulo, Editora Brasiliense, 1987, pág. 81.)

Os locais de maior concentração humana foram os que mais sofreram.

As cidades, além de insalubres (em função do próprio superpovoamento), eram zonas de fácil circulação, o que contribuiu para agravar as possibilidades de propagação do mal. É revelador o fato de que as zonas

mais afastadas de circuitos comerciais tenham sido as mais poupadas. De um modo geral, os contratos da vida cotidiana — compra, venda, alu-

guéis — praticamente desapareceram com o alastramento da doença.

Tendência inversa, entretanto, processou-se no número de casamentos,

que aumentou significativamente.

4

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

São fugitivos da peste os personagens do Decameron de Boccaccio,

que

se reúnem em uma vila do campo florentino não só para confidenciar pecados e outros tipos de transgressões. Na realidade, possuíam também outras intenções, necessidades de um tempo tão conturbado e infeliz: “desejavam rir, distrair-se na festa, construir para si mesmos aqui

embaixo, seu paraíso. (DUBY, GEORGES, 4 Europa na Idade Média, São Paulo, Editora Martins Fontes, 1988, pág.114.) O mistério sobre a periodicidade da peste — ressurgimento de dez em

dez ou doze em doze anos durante quatro séculos — incomodou duran-

te muito tempo os especialistas. Até hoje surgem opiniões diversas e contrastantes para explicar tão singular fenômeno: ciclo biológico dos roedores (não só os ratos negros mas também das marmotas); dinamismo demográfico dos homens; periodicidade das manchas solares e variação do campo magnético terrestre. - À Guerra

Afetadas pela crise, as classes dominantes feudais recorreriam a um expediente clássico dos momentos de maior instabilidade: a guerra. Irrom-

peram conflitos em diversos pontos da Europa (na Península Ibérica, no norte da Europa, entre as cidades italianas), sendo o mais importante de todos a Guerra dos Cem Anos, durante a qual se defrontaram França e Inglaterra entre 1337-1453. Na verdade, a denominação do conflito é

bem moderna, tendo sido criada pelos historiadores do século XIX.

Nas guerras do período, muitas vezes, a existência de vínculos feudais

e/ou familiares contribuía para as soluções armadas entre as monarquias nascentes. No caso em questão, havia reivindicações dinásticas envolvendo os Plantagenetas (Inglaterra) e os Capetíngeos (França), se bem que concorressem também para a guerra as disputas territoriais na Gasconha,

as rivalidades comerciais em função da região de Flandres e até mesmo à questão da pirataria no canal da Manc ha. À Guerra dos Cem Anos » entretanto, não se tratava de um combate medieval clássico entre sen conflito com

m

hores em litígio mas sim de um

À CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS XIV E XY

algumas cores modernas. Entre elas podemos apontar a própria durabilidade, as novas tendências militares, a utilização de bloqueios econômicos, a noção crescente de um sentimento patriótico ligado à sensação de se estar lutando por um reino e não mais por um senhor. Encontramos

alguns autores que chegam a referir-se ao episódio como primeira grande guerra nacionalista. “ É evidente que o sentimento 'nacional! dos séculos XIV e XV é muito diferente dos nossos sentimentos nacionais. Ele se Forma através de um nome comum, de um príncipe comum, de interesses comuns, de uma língua comum, da consciência de uma origem comum, do orgulho de uma história comum e de uma religião comum.?

(GUENÊE, BERNARD, O Ocidente nos séculos XIV e XV, São

Paulo, Livraria Pioneira Editora — USL, 1981 pág. 110.)

A centralização política foi acelerada em ambos os países. Afinal, era o meio adequado para a arregimentação das tropas e para a alocação dos recursos necessários. De uma forma geral, o saldo para a nobreza foi negaúvo. À monarquia, fortalecida desde o século XIII através de alianças com a burguesia, e o revigoramento do Direito Romano (favorecido pela descoberta do Código de Justiniano), foram preenchendo o vácuo proporcionado pela aristocracia arruinada ou à beira da ruína. Precipitava-se a supremacia de uma fórmula política em que o rei seria respeitado por ser soberano de todo o reino e não somente como o suserano de um senhorio.

1.4 . OS DESDOBRAMENTOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA CRISE s efeitos econômicos da Crise dos Séculos XIV e XV foram extre-

mamente drásticos e abrangentes sendo necessário, entretanto, res-

saltar três aspectos fundamentais: o declínio das atividades produtivas € comerciais, a acentuada depressão demográfica e o abandono de áreas antes habitáveis. A perda de boa parte dos mercados produtores e consumidores fez com que o comércio diminuísse sensivelmente de intensidade. À insegu-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

rança provocada pelas guerras atingiu em cheio a possibilidade de deslo-

camento dos mercadores, contribuindo para a retração comercial.

As relações servis sofreram alterações em praticamente todas as áreas

da Europa Ocidental. A tendência geral foi a expressiva renúncia dos senhorios às antigas obrigações camponesas, por pagamentos em dinheiro. Na verdade, a situação do século da expansão parecia agora invertida, uma vez que havia muita terra agricultável e poucos braços disponíveis.

Quase todas as aldeias e áreas de cultivo sofreram enormemente com a constante passagem de combatentes. O desgaste das culturas hortícolas foi muito mais significativo do que os da produção cerealífera. Bois, cava-

los, moinhos e plantações eram frequentemente alvos de guerreiros de um exército ou mesmo de bandos armados. Quanto às cidades, estas sempre se encontravam mais guarnecidas, tanto por muralhas quanto pelas milícias burguesas. Além da destruição, guerra e peste provocavam migrações expressivas e muitas vezes as colheitas de determinadas regiões não chegavam sequer a ser devidamente aproveitadas. Não cabia outra alternativa aos senhores feudais vizinhos dos centros urbanos a não ser o abrandamento das imPosições aos servos, já que estes tinham ao menos duas alternativas imediatas: o abandono de seu senhorio e a ocupação de uma área vazia ou à transferência para uma cidade onde a mão-de-obra fosse escassa, situação absolutamente normal naquele momento. Não tardaram a surgir outros segmentos no campo além dos servos dependentes de um senhor. Foram Os camponeses abastados, em sintonia com burgueses empreendedores, Os responsáveis em larga escala pela recuperação da produção agrícola € a retomada do desenvolvimento econômico. Alguns setores da aristocracia procuravam fugir da crise bloqueando O aumento dos salários através da promulgação de uma legislação especificamente elaborada com este propósito. Por outro lado, os impostos pagos ao reino contribuíam para agravar a situação dos trabalhadores. Foi este o pano de fundo das diversas rebeliões camponesas do século XIV. Dentre elas, podemos destacar a Jacquerie, ocorrida na França em 1358,

e a Revolta dos Camponeses, em 1381, na Inglaterra, onde foram difundidos protestos qu

e questionavam da ordem vigente: as ex pressões literárias referentes ao movimento in és tornaram famosa a pergunta: : = Quando Adão cultivava e Ev a fiava, quem era então o nobre?” Mesmo

A CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS KIV E XY

as áreas urbanas foram palco de revoltas parecidas, como o episódio dos Ciompi, que irrompeu em 1378 em Florença. Ainda mal conhecida, a Jacquerie (expressão proveniente de Jacques Bonhomme, denominação genérica e pejorativa dada pelos nobres aos camponeses — equivalente a João Simplório) foi marcada por uma violência extrema e por seu caráter anti-senhorial. Ao que parece, a situação econômica € política nos anos imediatamente posteriores à derrota francesa em Poitiers (1356) contribuiu para a origem da revolta. Anárquica nos seus primeiros momentos, a liderança caiu nas mãos de um certo Guillaume Cale, que chegou a contar com cerca de cinco mil jacques. Por pouco o movimento não se integrou à revolta urbana em Paris, conduzida por Etienne Marcel, que certamente pretendia explorá-la em seu favor. O movimento foi reprimido, como começara, com imensa violência, deixando marcas no imaginário popular francês até o início da Era Moderna. O desmoronamento do mundo tradicional foi sentido por toda a sociedade feudal. Além do impacto sobre os trabalhadores, vítimas em potencial da crise, muitas casas nobiliárquicas foram atingidas e desaparece-

ram no decurso da Baixa Idade Média. As rendas senhoriais cada vez me-

nores e as desvalorizações monetárias crescentes contribuíram para a liquidação das pequenas fortunas feudais. Estima-se que nos séculos XIVXV, a cada seis gerações, em média, extinguia-se uma linhagem nobre. À

saída foi muitas vezes a ligação, através de casamentos, com setores da alta burguesia ou até mesmo com camponeses ricos. Para estes, adotar OS hábitos da nobreza era indicativo de ascensão social, de tal forma que a sociedade, apesar do declínio dos senhores feudais, permaneceu acentuadamente feudal. Por outro lado, a inserção no processo de centralização política, colocando os serviços à disposição do rei, foi fundamental para a sobrevivência da nobreza.

“No seu conjunto, o mundo dos senhores tinha afrouxado sensivelmente o seu controle sobre a economia dos campos. Uma

grande parte dos excedentes arrancados à terra pelos camponeses ainda ia para as mãos dos senhores. Mas os constantes progressos do instrumento fiscal tornaram muito mais considerável

49

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

a parte que os agentes do Estado cobravam. O senhorio banal, os vestígios que dele subsistiam no aparelho das taxas tinha perdido todo o seu significado Face aos progressos das monar.

quias.” (DUBY, GEORGES, 07. cit., pág. 209.)

No decurso da crise, em determinadas regiões, a reação à desastrosa conjuntura passou pelo recrudescimento de tendências excludentes já ar-

raigadas na sociedade medieval, culminando com as perseguições promovidas aos leprosos, judeus, prestamistas e às mulheres solitárias. Em al guns momentos, explosões de violência contra estes marginalizados irromperam na sociedade medieval

com o incentivo das próprias autoridades.

O inquisidor Bernardo Gui afirmava:

“Em 132], foi detectado e desbaratado um plano maligno dos leprosos contra as pessoas saudáveis do reino da França. De fato, conspirando contra a segurança do povo, estas pessoas, insalubres do corpo e insanas da mente, haviam planejado infectar as águas dos rios, Fontes e poços em toda a parte, colocando veneno e material infectado nelas, e misturando (na água) pós preparados, de modo que os homens saudáveis que delas bebessem, ou usassem as águas desta Forma infectadas, tornar-se-iam Jeprosos ou morreriam, ou quase morreriam, e assim o número de leprosos aumentaria e o de saudáveis diminuiria. E, o que parece incrível dizer, eles aspiravam a se tornarem senhores de cidades e castelos, e já haviam dividido entre eles os títulos e locais, e

dado a si mesmos os mesmos nomes de príncipes e condes ou barões em várias terras, se aquilo que haviam planejado tivesse se concretizado."(RICHARDS, JEFEREY, 0p. cit., pág. 164.)

À CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS XIV E XY

obrigatoriedade da defesa da população deslocava-se do senhor feudal para O rei, convertido em principal responsável pela segurança de seus sáditos. Além disso, acentuava-se a tendência de novas práticas de recrutamento já que os feudos deixaram de ser a unidade exclusiva de fornecimento de homens para a guerra, papel cada vez mais desempenhado pelas cidades. Durante o século XIV, o direito de ban (prática feudal que consistia na convocação dos vassalos por um determinado senhor para o cumprimento de serviços militares) foi gradativamente substituído por uma taxa pessoal obrigatória, paga ao rei. Coube também às monarquias a supremacia na apropriação das novas tecnologias disponíveis. Podemos citar o caso do arco inglês, aperfeiçoado ao longo das lutas contra galeses e escoceses, e peça fundamental em uma série de vitórias contra os franceses — notadamente em Crécy (1346) e Azincourt (1415) — no decurso da Guerra dos Cem Anos. Já as armas de fogo, utilizadas pela primeira vez na Europa no século XIV (inicialmente causando mais estardalhaço que danos), acabariam também contribuindo para determinar a derrocada da cavalaria feudal, representando a falência das tradicionais atribuições militares dos cavaleiros. O castelo, sede das cortes feudais e elemento primordial na organização judiciária dos nobres, perdia toda sua dimensão de fortaleza com o desenvolvimento do poder destrutivo das artilharias. Sobre o processo de reestruturação militar e política, Norbert Elias afirma que:

“ (...) a transformação da técnica militar acompanhou e refor-

cou o curso desta evolução. (...) A infantaria, o desprezado povo

a pé, tornou-se mais importante em combate que a cavalaria. Com isso quebrou-se não apenas a superioridade bélica ca ordem medieval dos guerreiros, como, ao mesmo tempo, o seu monopólio das armas. Uma situação em que só os nobres eram guerreiros, ou, inversamente, em que todos os guerreiros eram nobres, deu lugar a uma outra em que o nobre era, no melhor dos casos, oficial de uma tropa plebéia que tinha que ser paga. O monopólio do controle das armas e do poder militar passou das mãos de toda a nobreza para as mãos de um único dos seus

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

membros, o Príncipe ou Rei, que, apoiado nas receitas fiscais de todo o território, podia pagar o maior exército nesse território.

Foi assim que a nobreza de guerreiros ou cavaleiros relativamen-

te livres se transformou, na sua maioria, em guerreiros ou ofi-

ciais pagos, ao serviço do senhor central.” (In: LOPES,

MARCO

ANTÔNIO,

4 imagem

Editora Ática, 1994, pág. 20.)

da realeza, São

Paulo,

O Estado Moderno nasceu, segundo Philippe Wolff, na obra já citada, de um parto bastante difícil; a partir dos escombros da desestruturação

feudal, arcando com imensas responsabilidades e interesses dos mais di-

versos, quando não excludentes. O preço da guerra, por exemplo, foi alto demais para os setores mercantis e nobiliárquicos. A desorganização da produção, a insegurança gerada pela constante movimentação de tropas e a retração comercial afetavam as atividades econômicas, acarretando descontentamento generalizado e rebeliões populares de grandes proporções. A necessidade de um clima mais calmo e ordeiro, para a plena realização de seus negócios, fez a burguesia apoiar a centralização política, muitas vezes financiando este processo. No decurso desta transmutação política, o Estado passou a assumir papéis amplos, utilizando-se de novas modalidades de ação humana, já que

se constituiu através de uma teia abrangente de estamentos burocráticos, exércitos e impostos permanentes. As bases territoriais e demográficas dos

nascentes Estados Nacionais requeriam a existência de um conjunto de

funcionários dispostos em torno do monarca e suficientemente eficazes, à fim de que este consolidasse os mecanismos essenciais de seu domínio: a arrecadação de impostos, a uniformidade jurídica e o monopólio da força. Inaugurava-se, neste momento, o caráter de especialização e autonomização de um centro de poder em relação ao corpo de cidadãos, municiado por toda uma gama de recentes recursos técnicos que foram apropriados pelos Estados.

* OS novos mecanismos da guerra (notadamen te a artilharia); + as técnicas mineralógicas (fundamentais para a monopolização da

emissão das moedas);

+ a cartografia, uma vez que conferia ao rei a visualização exclusiva do 52

À CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS XIV E XV

espaço territorial, o que possibilitava o esquadrinhamento militar e tributário da paisagem; + a escrita, fator fundamental na organização estatal. A propagação dos extos impressos proporcionava o “passar a limpo das leis” e a sempre difícil racionalização da coleta de impostos. Cabia à burocracia real criar Os mecanismos que possibilitassem a compreensão de suas próprias normas e a difusão das línguas nacionais. Além disso, não podemos es quecer que havia uma tendência de recuo dos manuscritos e das relações pessoais calcadas na tradição oral, típicas do feudalismo. Longe de simples abstração, o Estado Nacional Moderno possibilitou o pleno desenvolvimento da economia mercantil, deslocou a consciência individual do nível servo-senhor para súdito-rei, abriu caminhos para a derrocada da idéia de cristandade (chamada república cristã) e delineou a estrutura da futura política absolutista, em nome não só do bem comum, como também da própria vontade divina. 1.6 . A CRISE FOI TAMBÉM

RELIGIOSA

crise contribuiu para revalorizar a idéia da onipotência e onipresenA

de Deus e da efêmera duração da vida terrena. Morte, juízo,

paraíso e inferno ganharam uma expressão avassaladora no imaginário medieval. À obsessão pela salvação levou à difusão de práticas religiosas tão intensas que em muitos casos atingiu-se um acentuado misticismo (notadamente o caso dos flagelantes). Assistiu-se a uma crise espiritual crescente, alimentada pela angústia coletiva em relação à salvação. Alguns acreditavam que o problema estava na eficácia da doutrina da Igreja e consequentemente nas possibilidades de um reencontro da cristandade com o seu Criador. Na verdade, a Igreja católica parecia não dar conta das dificuldades dos novos tempos, diante de suas divisões internas. Isto porque com a morte de Gregório XI, em 1378, ocorreu um cisma na cristandade, em função das rivalidades na escolha de um novo papa. Em um determinado momento, a Europa contava com três papas, todos eles excomungando os rivais. Só com o Concílio de Constança, em 1417, colocou-se um ponto final nestas tensões, cuja difícil missão foi restaurar a unidade abalada. Vale acres53

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

centar que este concílio foi também responsável pela condenação dos hussitas — seguidores de John Huss —, sinal indicativo de que os valores da Igreja eram cada vez mais questionados.

À iconografia e a arte, de uma forma geral, serviram-se fartamente da Peste Negra e outros motivos fúnebres como temas centrais de inspiração ao longo da Baixa Idade Média. À Dança Macabra, imagem de uma imensa fila de homens e mulheres arrastados por esqueletos tentando es-

capar do caminho da sepultura, nasceu de fato com a Peste Negra, em-

bora suas origens estejam ligadas aos autos de moralidade ou devoção

que tratavam da inevitabilidade da morte. A Dança Macabra acabou se

tornando umas das temáticas mais requisitadas e aperfeiçoadas de seu tempo. O duque de Borgonha exigiu que fosse representada em seu palácio. Já para a população pobre, ela era atraente porque continha um aspecto muito interessante: sugeria a igualdade de todos diante da morte. Às flechas do Senhor, disparadas sobre os homens, e as proteções possíveis — o manto da Virgem, o corpo de são Sebastião — passaram a ser não apenas um tema iconográfico aplicadíssimo, mas também uma idéia extremamente penetrante no imaginário da época. Afinal de contas, tratava-se de uma das explicações mais aceitas para o surgimento da epidemia: a cólera do Senhor. Para suscitar a punição divina só poderia haver como causa o alastramento do pecado. Enfim, tudo indica que religiosa,

e espiritualmente a Europa também estava em crise.

“Só o pecado pode explicar tantas desgraças. Sem dúvida, os

cristãos deste tempo viam uma Fiel imagem de si próprios nas Figuras hediondas e caricatas que Jerônimo Bosch colocava em

torno do Cristo da Paixão. Ora, quanto mais alguém se sente pecador, tanto

mais tem tendência

a pecar.”

(DELUMEAU,

JEAN, Nascimento e afirmação da Reforma, São Paulo, Livraria Pioneira Editora, 1989, pág. 60.)

À CRISE DO FEUDALISMO OCIDENTAL EUROPEU NOS SÉCULOS KIV E XV

1.7 . RUMO AO POLICENTRISMO DO MUNDO

MODERNO

Crise dos Séculos XIV e XV representou um momento de estagnação para a Europa, uma vez que determinou o fim da expansão medieval e retraiu substancialmente todos os índices anteriores de crescimento. Ao representar a impossibilidade de reprodução de uma estrutura saturada, que atingira os seus próprios limites de sustentação, a crise não deve ser vis-

ta, entretanto, como simples pedra no caminho do desenvolvimento da

economia feudal. A sociedade que se seguiu a ela não representou meramente a continuidade da situação anterior, embora seja, em vários aspectos, produto de suas características básicas, estabelecidas no século XIII. Pode-se afirmar que, no seu conjunto, a crise assumiu características que determinaram expressivo abalo nos alicerces das estruturas feudais. A partir de seus efeitos, o homem medieval passou a ansiar desesperadamente por outras fronteiras políticas, socioeconômicas e espirituais, uma

vez que os valores existentes foram perdendo os referenciais anteriormente válidos. Anunciava-se uma Europa policêntrica. Não resta dúvida, portanto, que a crise acarretou a transformação do mapa econômico, político e social da cristandade. O Mundo Moderno emergiu de seus efeitos encontrando suas próprias saídas na ousadia empreendedora da Aventura Renascentista, na manutenção da ordem proporcionada pela constituição dos Estados Nacionais, na dilatação econômica advinda com a expansão ultramarina, nas alternativas espirituais € clericais ocorridas nas Reformas Religiosas, enfim, na transformação da Europa, como sugere Jacques Attali. Na introdução de seu livro 1 492,0 autor apresenta sua aproximação inicial com o tema através de uma instigante e provocativa parábola:

“Em tempos muito remotos, um gigante guerreiro triunfava, dominava. Um dia, vencido pelo cansaço, recuou. Combalido, torturado, Foi dado como morto e acorrentado por múltiplos senhores. Mais tarde seus sofrimentos diminuíram; a vigilância exercida por seus guardiães se enfraqueceu. Extraindo nova energia de sua fé, muito antiga, e de sua razão, muito recente, ele se libertou.

59

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Quando uma pesada silhueta, ao longe, o ameaçou, ele lhe gri-

tou que seguisse seu caminho; surpreendentemente ela obedeceu. Então o gigante elaborou um plano: retomar as Forças, sem

pressa; depois, de um só golpe, vigoroso e forte, romper as correntes enferrujadas. E partir para conquistar o mundo. Pensou e Fez. Como homem racional, como bárbaro vingador. À Europa é esse gigante: acorrentada por inúmeros senhores quando se desfaz o Império Romano do Ocidente, adormece durante quase um milênio. Depois, num momento de acaso e de ne-

cessidade, afasta os que a cercam e lança-se na conquista do universo, massacrando os povos que encontra, apropriando-se de

suas riquezas, roubando-lhes seus nomes, seu passado e sua

História.” (ATTALI, JACQUES, 1492, Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1992, pág. 3.)

CAPÍTULO 2

A PENÍNSULA IBÉRICA

2.1 . A FORMAÇÃO DO ESTADO PORTUGUÊS processo de formação do Estado português não pode ser desvincuC) lado da luta de Reconquista da Península Ibérica, acelerada no século XI, contra os muçulmanos que lá haviam se estabelecido no século VIII. Entretanto, apesar dessa luta marcar o surgimento de novo reino na região peninsular, não foi suficiente para determinar a sua completa autonomia política. Tal situação decorreu do fato de que D. Afonso VI de Castela, em 1095, confiou o Condado portucalense, sob a condição de juramento de vassalagem, ao conde D. Henrique de Borgonha, marido de sua filha bastarda, D. Teresa. Após a morte de D. Henrique, O condado passou a ser regido por

três as apen a tinh ue riq Hen nso Afo filho seu que vista em o tend sa, D. Tere assu Ao ela. Cast a ido met sub va inua cont ugal Port m, Assi anos de idade. Castela. ra cont ra guer em ou entr ue riq Hen nso Afo , 1128 em r pode o mir obrias vitó as com sso suce teve ue riq Hen so Afon e cond do A rebelião

as uist conq suas iou ampl e, ment lela Para eja. Cern e ede Mam São em s tida o tou tom o entã de Des 9). (113 e iqu Our em s ano ulm muç os er ao venc

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

tulo de rei, colocando-se sob a proteção do papa, desse modo legitiman-

do a traição cometida ao se revoltar contra seu suserano: o rei de Castela, Entretanto, somente em 1170 Portugal foi reconhecido como reino

pela chancelaria pontifícia, o que não significou uma situação de paz:

“As suas campanhas contra os Árabes não cessam — temerá-

rias e fulminantes. À escalada de Santarém, em março de 1147, é um exemplo típico. No mesmo ano (...), com a ajuda de uma fro-

ta de cruzados nórdicos, logra conquistar Lisboa. Logo se entregam Sintra, Almada, Palmela Alcácer do Sal, praça de notável situação estratégica, vem a cair em 1158. Pouco depois,

Évora —

que breve se perde, mas Geraldo Sem Pavor retoma em 1165, Beja

é por nós ocupada em 1162. Cáceres, Serpa, Juromenha são tam bém investidas e subjugadas por Geraldo em 1166. O Reino crecce, os triunfos militares sucedem-se, o prestígio do Conquistador

alcança proporções quase lendárias.” (AMEAL, JOÃO, Byeve resumo da História de Portugal, Lisboa, s/d, pág. 18).

Na primeira metade do século RIII, D. Afonso II prosseguiu a expansão territorial em direção ao sul da Península, política continuada por seus sucessores: D. Sancho II e D. Afonso III. Este último foi o respon -

sável pela conquista do Algarve (1249), região do extremo sul de Portugal caracterizada por sua atividade agrícola produtora de vinhas e pomares. Além disso, sua localização permitiu maior integração com as correntes comerciais européias nos últimos séculos da Idade Média.

Essas conquistas portuguesas geraram tensões externas e internas. No pla-

no externo, decorreram do relacionamento com o reino de Castela. A hostilidade entre os dois reinos foi momentaneamente contornada com o casamen-

to de D. Afonso III, em 1253, com D. Beatriz, fil ha bastarda do rei de Castela, D. Afonso X. Entretanto, a fronteira entre os dois reinos somente foi defi nida após a assinatura do Tratado de Al canizes, em 1297. No plano interno, a luta para eliminar as ordens militares existentes no reino port uguês, as

quais eram subordinadas à autoridade de grandes senhor es castelhanos, representou grande fator de tensão. Assim se explica a eliminação da Ordem do Templo (ordem militar castelhana) e a imediata criação da Ordem de Cristo. 4

i

Mi = *

"Au á



E

a

Pldy |

Fu

É

k

A "a

A j

ú

à

28

À PENÍNSULA IBÉRICA

No reinado de D. Dinis foram tomadas duas importantes medidas: pri-

meiro, a criação de uma marinha de guerra. Com isso, reduziram-se os

laços de dependência militar do rei aos nobres. Além do mais, demonstrou-se que o rei de Portugal, na passagem do século XIII para O século XIV, já vislumbrava uma preocupação com empreendimentos marítimos. A segunda medida diz respeito à disposição em afirmar € difundir a identidade lingiústica portuguesa, com o abandono do latim e a utilização do português na redação dos documentos da chancelaria. D. Dinis também fundou à Universidade de Lisboa (1288), transferida para Coimbra em 1309. No trato da política externa, o monarca assumiu um perfil conciliatório com os demais reinos cristãos da Península Ibérica, bem evidenciado

na aproximação com o reino de Aragão e o reino de Castela, mediante uniões matrimoniais com integrantes das famílias reais daqueles Estados. da reais ias famíl as entre s uniõe por ada marc ial, imon matr ica polít Esta Península, foi seguida pelos reis portugueses que sucederam a D. Dinis. Tal prática, além de visar a manutenção da paz peninsular, buscava o con-

trole do estreito de Gibraltar. Contudo, tornou-se fonte de conflitos por causa de questões sucessórias.

“A vida política portuguesa entre 1325 e 141 Foi marcada por uma sucessão de casamentos, de ingerências mútuas, de ajudas, de escaramuças e de guerras com a Castela vizinha, tendo como fundo a rivalidade pelo controle do Estreito de Gibraltar, que comandava o comércio entre o Mediterrâneo e o Atlantico, e que levaram à dissociação definitiva dos dois Reinos. Os reina-

dos de D. Afonso |V (1325-1357), de seu filho D. Pedro | (13571367) e de seu neto D. Fernando (1367-1383) Foram com efeito cominados pela questão castelhana, quer se tratasse das ingerên-

a , irmã sua de xas quei das o ltad resu em |V nso Afo D. de cias

Rainha de Castela, ou das reivindicações, ao trono, de se quer ela, Cast de | o Pedr de io ssín assa do is depo do, nan D. Fer dos um de filha a com IV so Afon D. de nto ame cas do tratasse OI, CQU (RU ” (...). ldes rebe os han tel cas es nobr is principa Lisboa, ica, Ibér ula íns Pen da al iev med ória Hist ADELINE, Editorial Estampa, 1995, pág. 197.) 59

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

A história de Portugal foi marcada pela instabilidade política, A busca da submissão dos direitos feudais ao poder real gerou conflitos entre a própria nobreza, que não poupou sequer o clero: “Maior transcendência para a História portuguesa teve o enfren-

tamento entre Sancho e o clero do Reino; obrigado pela necessidade política e militar ou movido pela piedade, Afonso | concedeu amplas doações ao clero, que se converteu na maior potência econômica de Portugal; a imunidade dos senhorios eclesiásticos e a excessiva riqueza de seus proprietários lesava os interesses da monarquia que, com Sancho, tentou-se reduzir o poder do clero e afirmar a autoridade da nobreza (...).” (MARTÍN, JOSÉ LUIS, La Península en la Edad Media, Barcelona, Editorial Teide, 1978, pág. 364.)

Tal processo de centralização política e submissão da nobreza e do cle-

ro ao poder real não representou, contudo, nenhuma tentativa de supe-

ração do feudalismo.

“Nos séculos XIV e XV, o Feudalismo contribuiu para o nascimento dos Estados Modernos. Mas, antes de considerar essas duas centenas de anos como um “período de transição em que os Príncipes se enfureciam contra os seus vassalos com o fito de possuir apenas súditos, seria mais justo ver nessa época o tem-

po em que os Príncipes se serviram como puderam da vassalagem

e

da

submissão

para

serem

melhor

obedecidos.”

(GUENÉE, BERNARD, O Ocidente nos séculos XIV e XV: os Estados. São Paulo, Livraria Pioneira/EDUSP, 1981, pág. 195.)

Esse poderio da nobreza pode ser explicado também pela preponde-

rância da economia rural, que tornava a posse da terra um importante elemento de poder. Aliado a isso, existia o fato das guerras endêmicas, que

reforçavam as relações de dependênci a pessoais de caráter também militares, típicas do feudalismo.

À PENÍNSULA IBÉRICA

Nesse contexto, a estrutura fundiária apresentava uma variação de modalidades. Nas regiões fronteiriças existiam camponeses donos da propriedade, ou seja, as propriedades alodiais.

“Existem diferentes tipos de alódios: — simples, plebeus ou camponeses, nos quais o proprietário não tem direito de exercer justiça;

— justiceiros, nobres ou cavaleiros, nos quais o possuidor po-

dia exercer justiça e conceder terras, ainda que dependesse ca jurisdição do Rei;

— soberanos, nos quais o proprietário alodial não tem restrição alguma a seu direito. A propriedade alodial se estendeu de maneira desigual segundo as épocas e as comarcas e sua distribuição resulta difícil de estabelecer pelo caráter das Fontes conservadas, que, por geral, cá aludem a ela indiretamente ou em momento em que deixava de ser alodial.” (GUGLIELMI, NILDA, y otros, Léxico Historico del Occidente Medieval: 1. la sociedad feudal, Buenos Aires, Editorial Biblos, 1991, pág. 12.)

A compreensão da presença de alódios também é partilhada por Perry Anderson, quando destaca o fato da existência de propriedades cujo poder feudal não atingia:

“(.) a sobrevivência das terras comunais das aldeias e cos

alódios dos camponeses, os quais, procedentes dos modos de produção pré-feudais, ainda que não gerados pelo feudalismo, tampouco eram incompatíveis com ele. À divisão Feudal de soberania em zonas particulares com Fronteiras superpostas, e cem nenhum centro de competência universal, sempre permitia rsinte seus em nas óge 'al ivas orat corp s dade enti de a existência em vez de asse tent al Feud se clas a que a aind m, tícios. E assi

quando impor a norma de nenhuma terra sem senhor, na práti-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

ca nunca o conseguiu em nenhuma Formação social Feudal: as

terras comunais — pastagens, prados e bosques — e os alódios

dispersos sempre foram um setor importante da autonomia e da

resistência camponesa, com decisivas consequências para a produtividade agrária total. (ANDERSON, PERRY, Transiciones de la Antigiiedad al Feudalismo, Madrid, Siglo Veintiuno de Espafia Editores, 1979, págs. 148 e 149.) O que se pode perceber, portanto, é que esse tipo de propriedade não foi específico de uma determinada formação social nem tampouco de um

restrito período, mas, pelos mais variados motivos, estendeu-se tanto ao

longo do período feudal quanto pelo continente europeu, permitindo, assim, O convívio de senhores feudais e proprietários não feudais de ter-

ras na mesma região. Concomitantemente a essa situação, constatava-se, também, a presença de jornaleiros, criados e outros tipos de relação que apontavam para a

existência, igualmente, de grandes proprietários. Se essa complexa realidade permitiu, por um lado, a adoção de práticas feudais, por outro, em um processo lento e gradual, incentivou a substituição das obrigações feudais por pagamentos de tributos. Nessa perspectiva, cabe observar que o comércio se constituiu, também, em importante atividade econômica.

“O mercado agrícola, geralmente semanal, se mantém, porém nas cidades se desenvolve um mercado diário. À possibilidade de obter e comprar produtos de outras regiões faz com que surjam

os mercados anuais celebrados em data Fixa e que recebem o

nome de Feiras. Os mercados anuais aparecem regulados em nu-

merosos Foros, porém estes dedicam especial atenção ao mercado semanal de caráter meramente regional ou da coma rca e em alguns casos somente os urbanos, que têm como missão oferecer alimentos aos habitantes da c idade e dar saída aos pro-

dutos artesanais (...)

O mercado periódico não pode realizar -se sem garantias de

Sa

a

À PENÍNSULA IBERICA

tranquilidade e paz não só em lugar estrito de celebração senão também no percurso, pelo que se chega a crer em um direito particular. À monarquia se transforma em protetora dos mercadores, faz com que se sancione maiores penas aos delitos cometidos no mercado, proíbe o uso de armas, ordena que não se

prenda ninguém em dia de mercado (...) Os produtos comercializados podem

agrupar-se em quatro

grandes aparatos: de origem animal, vegetal e minerais, e artigos manufaturados. Entre os primeiros Figura o pescado, em que se incluem sardinhas, trutas, pescado, ostras, peixes de rio, en-

guias, barbos (...)

Em todos os lugares pesqueiros se observa um claro protecionismo tendente a favorecer aos vizinhos, que pagam um imposto

inferior ao dos forasteiros (...) um dos produtos mais apreciados

e caros é a truta e entre os mais baratos figuram as lagostas, enquias e ostras, se julgarmos pelo encargo que se impõe às portagens [imposto cobrado aos produtos que vinham de Foral conhe-

cidas.” (MARTÍN, JOSÉ LUIS, op. cit., págs. 534 e 535.)

A instabilidade política em Portugal não abalava o status quo da nobreza, apenas representava a luta pelo poder sem significar qualquer pretensão de eliminação dos laços de vassalagem ou qualquer mudança mais radical das práticas feudais. Era, no entanto, a disputa entre portugueses € castelhanos que apontava em direção às mudanças. Dessa forma, no transcorrer do reinado de D. Fernando, último soberano da dinastia de

Borgonha, manteve-se uma política de conflito com Castela. Outra guerra entre os dois reinos (1372-1373) fez crescer as tensões sociais. Tais

conflitos trouxeram grandes prejuízos para o comércio, o que afetava basicamente a burguesia em formação, além de criar uma situação de inseaté pois s, pobre os para ial espec em ação, popul a toda para gurança Lisboa foi atacada e saqueada pelos castelhanos.

A burguesia havia sido amplamente beneficiada, entre outras coisas,

lã. de tação expor e ução prod à tivo incen de a ômic econ tação pela orien

Tal política, além de beneficiar também os grandes senhores feudais em

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

cujos domínios se destacava a criação de gado ovino, em detrimento daqueles que viviam exclusivamente da agricultura, fora iniciada visando criar condições para a aquisição de produtos de luxo consumidos pela nobreza.

Dessa forma, o conflito de interesses econômicos entre as duas parcelas da nobreza permitiu a composição de alianças políticas de aproximação entre os produtores de lã e a burguesia comercial. Entretanto, sendo

a lã um produto também de exportação do reino castelhano, sua comer-

cialização no mercado externo esbarrava nos interesses da burguesia de

Castela, o que se apresentava como mais um ponto de conflito entre os dois reinos. Não obstante uma política econômica que aparentemente podia representar maior oferta de produtos no mercado português, tendo em vista que era uma estrutura que se especializava na produção para exportação como meio de se obter no exterior a variedade de produtos cuja demanda interna exigia, não se pode esquecer do fato de que grande parte da população se encontrava excluída da capacidade de consumo. Isso fez com que, devido à excessiva exploração decorrente das relações feudais de produção, então predominantes, esses excluídos identificassem os senhores de terra como seus principais inimigos, o que justificou a posição política adotada na Revolução de Avis. Somada a essa conjuntura de belicosidade, Portugal, assim como praticamente toda a Europa, sofreu, no século XIV, os efeitos da peste negra e outras epidemias, o que representou significativa diminuição tanto da produção quanto da oferta de mão-de-obra. Em 1383, D. Fernando morreu, deixando o trono de Portugal para seu neto, filho do rei de Castela com D. Beatriz, filha única do soberano português. Tal sucessão acarretaria a união dos dois reinos. Enquanto o neto de D. Fernando não pudesse ocupar o cargo, Portugal seria governado por D. Leonor Teles, na condição de rainha e regente. Seus estreitos laços com

a nobreza castelhana geraram descontentamento por parte, principalmen-

te, da burguesia. A esse segmento da sociedade não interessava a união dos dois reinos, sobretudo pela incerteza da manutenção das concessões de comércio, e pelo risco da perda da soberania nacional. Os rebeldes aclamaram como rei D. João, o Mestre de Avis, irmão de D. Fernando, prontamente apoiado por grande parte da nobreza. Os caste lhanos reagiram, mas

foram definitivamente derrotados em 1 385, na batalha de Aljubarrota.

=

re

À PENÍNSULA IBÉRICA

De forma violenta, a participação popular de apoio à rebelião contribuiu para algumas mudanças no reino. Contudo, o assassinato do bispo de Lisboa ou a perseguição aos judeus, acusados da prática da usura, são exemplos do descontrole da situação por parte dos líderes, membros da nobreza e da burguesia. Foi necessário a intervenção de D. João para acalmar a população.

“A violência popular se fez sentir em outros momentos. Aproveitando-se do clima geral de revolta, os artesãos resolveram expulsar ou dominar os seus antigos senhores. Na cidade ce Évora, 05 'pequenos' venceram os nobres e até mesmo os chefes burgueses. Surgiram líderes populares na cidade, como o pastor Gonçalo Eanes e o alfaite Vicente Anes, que assumiram temporariamente o controle da comunidade. Em Vila Viçosa, a população aprisionou o senhor da comunidade, Vasco Porcalho. Nas proximidades da cidade de Beja, os camponeses revoltaram-se contra João Mendes de Vasconcelos, acusando-o de apoiar a Rainha. Chefes populares, como Goncalo Ovelheiro e o escudeiro Gonçalo Nunes d'Alvellos, passaram a governar a localidade. Dessa Forma, apesar de a Revolução de Ávis não ter brotaco das camadas populares, recebeu o seu apoio. Em nome ca nova ordem que se tentava instaurar, a gente-miúda procurou alterar o quadro de dependência em que vivia, vendo nos antigos senhores

os

RIVAIR,

primeiros

inimigos

a

atacar.

(MACEDO,

JOSÉ

Movimentos populares na Idade Média, São Paulo,

Editora Moderna, 1983, págs. 63 e 64.)

Apesar do apoio popular, a Revolução de Avis representou efetivamente os interesses tanto da nobreza quanto da burguesia. Às camadas populares, contudo, conquistaram alguns direitos: participação na administração da comunidade; representação no conselho do reino; a garantia de

que a cobrança dos impostos isentaria os mais pobres e corresponderia proporcionalmente à riqueza de cada indivíduo.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

A participação popular na revolução possibilitou a alteração no curso do processo, obrigando as elites política e econômica a renunciar a alguns

de seus privilégios, mesmo que isso tenha sido ainda muito Pouco para alterar a estrutura de poder e as relações de exploração vigentes. Mesmo

assim, demonstrou a existência de forças renovadoras com relativa capacidade de mobilização.

2.2 . À SOCIEDADE PORTUGUESA os séculos XIV e XV Portugal, assim como o restante da Europa, vi-

[E sob o sistema de produção feudal, em que a posse da terra e o regime de exploração camponesa, baseado na servidão, eram condições fundamentais à reprodução ampliada desse sistema, Dessa forma, contro-

lando o principal meio de produção — a terra —, os senhores feudais dominavam a sociedade portuguesa também politicamente, assumindo, assim, a posição de classe dominante. Por outro lado, técnicas e relações de produção arcaicas, bem como a extrema exploração a que estavam submetidos os camponeses, mais a concentração de rendas e a posse territorial, levavam a maioria da popu-

lação que vivia na área rural a condições de extrema pobreza.

À estrutura feudal de produção, em Portugal, encontrava-se, no en-

tanto, fortalecida, apesar da luta contra os leoneses e os árabes. Valendose das relações de servidão, a nobreza engajava os servos em tais lutas, utilizando-se de uma das obrigações feudais, a prestação de serviço mili-

tar. AO mesmo tempo, as terras conquistadas aos árabes provocaram O fortalecimento das relações feudais, pois se constituíam em doações teritoriais tanto aos nobres quanto à Igreja.

Nesse contexto, em Portugal se delineavam duas classes fundamentais: a dos senhores feudais e a dos servos. A classe dos senhores englobava

nobres com posse territorial, nobres de título e o alto clero. A existência de uma nobreza de título decorria de um processo de divers ificação de

formas de feudo. Diante disso, este não se constituía unic amente como bem imóvel ou de base territorial: “Frente a uma opinião muito estend ida, os bens concedidos em feudo nem sempre — nem qu içá principalmente — consis-

À PENÍNSULA IBÉRICA

tiam em bens imóveis. Devemos recordar que o auge do regime Feudal Foi simultâneo à grande fase de crescimento econômico que conheceu a Europa entre os séculos X e XIII. De alguma maneira, o Feudo foi uma Forma de redistribuição dos benefícios da expansão entre os membros da classe dominante. Por isso, 0 Feudo pode consistir, além da terra (...) em qualquer tipo ce rencas: talhas (...), dízimos eclesiáticos, peagens, direito de aduana, cireito de cunhagem de moedas, direito de justiça (...) Inclusive pocia ocorrer — e neste caso se observa com frequência já em meados do século Xl em regiões economicamente avançadas como Catalunha ou Normandia — que o Feudo não tivesse nenhuma base territorial: era então um 'Feudo de renda” ou um “Feudo de bolsa” lo Feudo de câmara”, segundo Às Partidas de Afonso X), consiste unicamente em um soldo pago pelo senhor a seus vassalos (...).” (BONNASSIE, PIERRE, Vocabulario Básico de la Historia Medieval, Barcelona, Editorial Crítica, 1983, págs. 97 e 98).

Os servos, apesar de suas variações, constituíam basicamente os trabalhadores rurais, os responsáveis, então, pela produção no setor dinâmico da produção, pelo menos até o século XV. Contudo, quando, a partir desse

século, a elite portuguesa implementou a política de conquistas ultramarinas, motivadas principalmente pela cobiça pelo ouro do norte da África e a pretensão por novas posses territoriais para OS senhores feudais, abriramse espaços para alterações na rígida estrutura social lusa. Os mercadores, que detinham o capital comercial, e os banqueiros, que controlavam O capital usurário, vislumbraram a ascensão social, na medida em que a contrução naval e a pesca, além de atividades urbanas, como O comércio e o artesanato, assumiam cada vez mais importância na estrutura econômica. Entretanto, o grupo mercantil, apesar de importante economicamenpaesse ndo fica r, pode de a utur estr na aque dest de l pape ava ocup não te, to pos com o grup le aque o send mo Mes ais. feud ores senh dos pel a cargo exclusivapredominantemente por judeus, estes não estiveram ligados mente à atividade comercial.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“Q cultivo de videira é importante entre os judeus. Prova isso a menção que os documentos fazem à posse e usufruto de vinhas,

de lagares e adegas (...) À par da vinha temos o aforamento ou a doação de quintas e pomares (...) À quinta, em geral, continuação

da casa, ou situada perto dela, produz uma variedade de culturas que vai dos cereais à horta, englobando a vinha, os soutos e os pomares. (FERRO, MARIA JOSÉ, Os judeus em Portugal no sécu-

lo XIV, Lisboa, Guimarães & Cia Editores, 1979, pág. 109.)

Diferentemente de outras regiões da Europa, e objetivando fixar os ju-

deus à terra, o monarca os obrigava, principalmente a partir de D. Dinis, a adquirir propriedades e desenvolver esse tipo de atividade.

“D. Dinis, na sua política de desenvolvimento da agricultura, obriga os judeus de Bragança a comprar propriedades (...) Cremos que o rei não está somente

interessado nos seiscentos marave-

dis anuais que estes judeus são obrigados a pagar, mas também na possibilidade de os Fixar ao solo e de incrementar a agricultura nesta região transmontana. É prova disso o fato deles estarem proibidos de os vender e de os alienar.” (FERRO, MARIA

JOSÉ, op. cit., pág. 108.)

Mas era nas atividades urbanas, como o artesanato e o comércio, que

Os judeus mais se destacavam, embora alguns, para sobreviver, tivessem de se empregar como assalariados.

Diante da preferência pelo comércio, os judeus ocuparam lugar de destaque na economia portuguesa, na medida em que essa atividade conver-

teu-se em importante fonte geradora de recursos. Nesse sentido, além de comerciarem vinho, sal, frutos secos, peixe SECO, azeite, panos etc., como

ocorria na comuna do Porto, dedicavam-se igualmente ao comércio de

mel, cereais, frutas, gado, bem como à agiotagem, Parte dos judeus vivia de outros tipos de atividades urbanas. Eram ferreiros, alfaiates, sapateiros e ourives, sendo as duas primeiras profissões as mais procuradas.

À PENÍNSULA IBÉRICA

Observa-se, desse modo, que os judeus, apesar de constituírem uma das minorias étnico-religiosas, tal qual os mouros, na formação social

portuguesa, encontravam-se integrados econômica e politicamente por ão alaç inst a até m, fora estes os, guet em dos niza Orga io. itór terr o todo

dos tribunais da Santa Inquisição, protegidos pelo monarca, o que permitia aos judeus contatar desde a família real até a arraia-miúda. Com o êxodo judaico em direção a Portugal, após a unificação dos reinos de Aragão e Castela e a posterior adoção da Inquisição nesse novo elea icou impl tano lusi o rein no us jude de ero núm do o ent aum o reino, o. laçã popu da ria maio à eram que ãos, crist os com es dest s vação de conflito

“É certo que um dos primeiros atos de D. João |, quando aclamado, fora proibir que judeus e sarracenos exercitassem ofícios públicos e fossem arrematantes de direitos reais (...) Os requerio ico mit per se fos não s lhe que a par 0, 149 de tes Cor das tos men exercício de cargos públicos, denotam que as determinações do Mestre de Avis e seu filho continuavam a ser tão pouco atenci-

te ces o cid nas o ent tam ten con des o 9, 144 em es, ant Já (...) das

puos a eli imp ia ânc gan a que a sos abu dos e leis das zo pre des blicanos desabrochara em tumultos, fatais aos hebreus, e que só de o tig cas O . uou zig apa es dad ori aut das ta len vio ão enç erv int a em s, aze rap uns a r ica apl r edo reg Cor o pel o ad nd ma s, ute aço aia arr a ou ign ind am, sav pas que eus jud em tar tra mal por , Lisboa que ece Par (...) ia iar jud a ou alt ass as, arm o and tom , que miúda co0, 149 em ois dep 4, 148 em ram eti rep se es ant elh sem motins .” (...) boa Lis de ara Câm à ias Rég tas Car das ige col mo se es, ues tug por os nov osstã cri dos ia tór His O, CI LÚ J. (AZEVEDO, ) 19. . pág 5, 197 a, tor Edi ca ssi Clá ia rar Liv , boa 22 ed., Lis

Percebe-se, desse modo, nhores feudais lusitanos e a la abastada, evitou durante Entretanto, tal postura não

que o entrelaçamento de interesses entre secepar sua a al eci esp em a, aic jud de da ni mu co bom tempo à adoção da política anti-semita. foi possível de ser sustentada em sua plenitu-

s. uê ug rt po o on tr ao o, os ur nt Ve O I, el nu de quando da ascensão de D. Ma 69

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Quando o rei Venturoso se casou com a princesa de Castela, em 1495, viúva do príncipe D. Afonso, iniciou a conversão forçada dos judeus ao cristianismo, após a tentativa de conversão voluntária. Em 24 de dezem-

bro de 1496 foi decretada a expulsão dos judeus de Portugal. Suas op-

ções de fuga eram bastante restritas: por terra mostrava-se impossível, tendo em vista o fechamento das fronteiras espanholas; e por mar havia

a dificuldade de um governo que não oferecia meios adequados para embarque. O que se seguiu a essa situação foi a prática do batismo forçado

daqueles que aguardavam o momento da partida. Contrariamente à postura adotada em 1496, mas objetivando tornar a transição dos convertidos ao cristianismo mais fácil, um ano após essa data D. Manuel I determinou que, no espaço de vinte anos, não houvesse inquirição sobre procedimentos religiosos. Isso demonstra, pela pouca vontade do soberano em tornar plenamente efetivo o êxodo dos judeus do reino, os interesses que estavam em jogo. À economia portuguesa tinha no comércio importante fonte de renda, dada a sua especialização em produzir para o comércio exterior. Isso impunha a obrigatoriedade de estabelecimento de ativo intercâmbio internacional, tanto para importar do mercado externo o necessário para o abastecimento do mercado interno, quanto para exportar, condição fundamental para obtenção dos recursos necessários à manutenção de uma nobreza que se tornara parasitária. Diante disso não somente os géneros primários assumiam relevância econômica, como também o perfil agrário calcado na produção extensiva se reforçava.

“À economia e a sociedade portuguesa dos séculos XIV e XV

têm muitos pontos de contato com a de Castela. Países emi-

nentemente agrários até o século XI|| e dominados pela nobreza

laica ou eclesiastica, ambos se incorporaram nos últimos séculos da Idade Média às correntes comerciais européias, primeiro

como exportadores de matérias-primas e importadores de obje-

tos manufaturados e de artigos de luxo, mais tarde como trans-

portadores cujas frotas chegam ao Med iterrâneo (...) Se bem que lacça aba por se observar] uma alta de preços dos produtos indus-

triais como consequência do exce ssivo luxo de nobres e burgue-

mi

À PENÍNSULA IBÉRICA

ses, que competiam economicamente pelo prestígio social com

o consequente endividamento ou ruína de uma parte da população; efeito igualmente desta competência pode ser a preFêrencia dada à produção para o exterior por imposição dos propietários que buscaram manter suas receitas à um nível sufi-

ciente para manter seu modo de vida. (MARTIN, JOSÉ LUIS, op. cit., págs. 831 e 832.)

, til can mer po gru do vel erá sid con te par m ha un mp co eus jud os Como estava aí o entrelaçamento de interesses que levou D. Manuel I a tentar l qua do mo, cis oli cat do s cia gên exi das nte dia var cur se é, Isto conciliar. de extraía a essência de seu poder político, mas cedendo à necessidade manter ativa a economia e inalterada a estrutura social. inras mei pri as de des que al soci se clas uma r sce cre fez ão iaç cil Essa con cursões dos navegantes portugueses ao Norte do continente africano u sce cre e giu sur to men seg o nov e Ess . ros neg os rav esc os tir: exis a passou

devido às exigências do capital comercial que, então, assumia importante papel na estrutura econômica lusitana.

“(.) O comércio reagirá mais ou menos sobre os grupos que cele

trode r valo O para ão duç pro a á ntar orie ele s mai vez a cad m; ipa tic par ca, porquanto os meios de subsistência e de gozo dependerão cada vez mais da venda e da utilização. Ele aumenta a circulação do cinheiro. Ele não absorve mais simplesmente o excedente da produção; comina pouco a pouco a produção inteira. Mas este efeito depende muito da

seo únic o é se , ial erc com tal capi O (.) or dut pro po gru do za ure nat vinvol dese seu em; hag pil de a tem sis um , anto port a, ent res rep , nhor o com de ida igu Ant da tes ian erc com os pov nos s, aliá o, cad mar é mento

esde ma, íti mar em hag pil de o, açã ast dev de os, ern Mod pos nos Tem

WER d apu L, KAR RX, (MA ” (..). nias colô nas idão serv de cravidão e

ed., 12º il, Bras do a óric hist ão maç For , ON LS NE RÉ, NECK SOD 51.) pág. 7, 198 il, Bras nd tra Ber a tor Edi iro, Jane Rio de

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Dessa forma, fruto do processo de fortalecimento do poder real que por um lado tornava a nobreza parasitária e, por outro, como resultado

da visão patrimonialista da elite portuguesa, permitia ao soberano a ado. ção de políticas de concessão de monopólios, o grupo mercantil desfruta.

va de privilégios, mas sem condições de um crescimento autônomo, por-

que era dependente, tal qual a nobreza, dos favores do rei. Mesmo que a sua presença tenha sido fundamental para impor alterações na estrutura social portuguesa, com a introdução de novos elementos, estes não tive-

ram força suficiente para alterar a correlação de forças sociais no reino. À incapacidade do grupo mercantil de alterar a estrutura social e de poder no reino português decorria de sua íntima relação e dependência para com essas estruturas. Esse grupo havia surgido e se consolidado por se constituir em peça importante da lógica econômica lusitana. Nesse sentido, grupo mercantil e senhores feudais não representavam oposição, mas sim complementaridade.

CAPÍTULO 3

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

3.1 . O SENTIDO DA EXPANSÃO COMERCIAL esde o século XI, o comércio com o Oriente era um dos pólos mais dinâmicos da economia européia. Este intercâmbio favorecia principalmente os mercadores árabes e italianos. Os primeiros eram responsáveis pela introdução dos produtos orientais no circuito mediterrânico. Dai em diante, eram os mercadores italianos que monopolizavam a distribuição dos produtos orientais nas principais praças comerciais da Europa. A idéia de eliminar intermediários e atingir o Oriente através de uma rota alternativa amadureceu em função das novas tendências econômicas

em curso, da própria reestruturação política da Europa, favorecendo a formação de estados centralizados e, em certa medida, das condições impostas pela expansão otomana. da o crític nto mome o do passa mico, econô o iment cresc do ada retom A crise do século XIV, ocasionou uma inflexão positiva para O comércio euroades bilid possi novas abria lenta, o mesm a, ráfic demog o eraçã recup À peu. precio s metai de entes cresc s idade quant e sempr exigia que o , econômicas suficientes sos. As minas européias não supriam a demanda em quantidades

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

e a cunhagem de moedas era irregular e insatisfatória. Na verdade, o esgotamento dos metais na Europa ligava-se ao desequilíbrio mercantil entre o

Ocidente e o Oriente, já que, com o decorrer do tempo, ouro e prata se tor-

naram os únicos produtos interessantes para os mercadores levantinos. Diante da precariedade de metais preciosos, percebemos por que a busca dos mesmos foi um dos motores mais poderosos da idéia expansionista.

À necessidade de expansão dos mercados — consumidores e produto-

res — foi também um dos fatores decisivos para a arrancada ultramarina

A avidez mercantil emergiu da crise do século XIV com toda a determinação necessária para levar adiante um projeto tão fabuloso, uma vez que as possibilidades de lucro eram animadoras. Assim, não faltavam elementos da burguesia dispostos a investir diante de um negócio tão promissor Dentre todos os produtos orientais, foram as famosas especiarias que passaram a catalisar boa parte dos investimentos europeus. Com a Peste Negra, o consumo destes produtos acabou se difundindo entre as camadas que antes não tinham praticamente nenhum acesso a eles, aumentando a demanda e a potencialidade comercial dos mesmos. Uma fábula da baixa Idade Média conta que a “Gula ia para a Igreja, assistir à missa e confessar -se, prome-

tendo nunca mais pecar, quando passou na porta da taberna, sen-

do chamada pelo cervejeiro; “Gula, tenho uma boa cerveja, quer

entrar e experimentar?” À Gula respondeu:' Não obrigada, vou pa-

ra a Igreja... mas... pensando bem, tens aí alguma coisa picante? . Quando o cervejeiro descreveu o inventário de sua despensa — pimenta, alho, orégano — a Gula desistiu da confissão e decidiu-se pela taberna.” (RITCHIE, CARSON 1. A, Comida y Civilización, Madrid, Alianza Editorial, 1994, pág. 107.)

Às especiarias eram utilizadas tanto na cozinha quanto na farmacopéia

— acreditava-se que possuíam poderes afrodisíacos —, sendo principalmente úteis na conservação dos alimentos. Alguns usavam-nas para envelhecer o vinho, outros para tornar mais comestíveis as carnes e um alimento que passou a popularizar-se no fim da Idade Média: o peixe seco. Devese admitir que a difusão de muitas das especiarias — notadamente à pimen-

14

ta — funcionou essencialmente como um subproduto do consumo de carne, nada desprezível nas cidades medievais, segundo Jacques Le Goff. O preço das especiarias — passível de variação em função das guerras e/ou questões naturais — sempre fora questão fundamental para os mercadores que atuavam em um eixo de comércio intercontinental. Lidar com a imensidão do espaço era lidar com o tempo, responsável também por bons ou maus negócios. Sabemos que alguns mercadores no Orienpredos a baix ou alta da -se irar inte para ios orre os-c pomb am izav util te civelo da vés atra ios, rsár adve Os er venc do uran proc ias, ciar ços das espe dade de informações. Portanto, podemos concluir que não faltavam motivações econômicas para financiar o projeto expansionista. A configuração política da Europa Moderna condicionou-se a partir da Os que da medi à res, pode de ento ocam desl de esso proc um de efetivação particularismos feudais iam sendo superados pela estruturação dos estados aos am onar orci prop al feud crise da os ent ram dob des Os s. zado rali cent apro a es, tent exis as stic diná casas as muit das uma de es tant esen reis, repr priação de recursos fiscais e militares, antes a cargo dos domínios feudais, acarretando a ocupação, por parte dos monarcas, dos espaços vazios criados no decurso da crise. Os segmentos burgueses, interessados antes de tudo na normalização do comércio, na supressão das barreiras alfandegárias e consequentemencena ar apoi a eram tend o, icad unif rno inte ado merc um de ção te na cria tralização. Inclusive, muitos elementos da burguesia atuaram no campo andaadministrativo e no financiamento da solução centralizadora em eleo com ção xima apro esta a ir-se refer a ou cheg Elias ert mento. Norb a e entr l iona func ncia endê rdep inte de esso proc um de mento integrante al, feud eza nobr ria próp A . nsão asce em s amba a, rqui mona a e a burguesi s caso os muit em , nios domí seus os e sobr rana sobe a únic anteriormente rei. ao as ulad vinc ões sdiç juri de rede nova uma abriu espaços para e ntes late s lare popu sões pres as er cont ria pode Agindo desta maneira, refoi não ação situ Esta ios. ilég priv seus iar, ampl mo manter, ou até mes de representantes ão inaç elim a ia ssár nece s veze as muit o send gra geral,

auto sua de es ador tion ques ou a Coro à de casas dinásticas pretendentes a expansão eza, nobr a para , geral a form uma de m, assi ridade. Mesmo posndo abri o, rein ao s terra s nova de ação rpor inco poderia representar a de postos-chaves. ação ocup e s tare mili as uist conq para sibilidades

ERES:

PrATUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

O processo de centralização política foi, portanto, fundamental para »

expansão ultramarina, já que possibilitou a reunião de interesses em torno de um projeto que requeria múltiplas habilidades. Coube ao rei Otganizar as forças dispostas a atuar na expansão, potencializando suas características específicas e concentrando-as em benefício do Estado. Favorecia-se, assim, a dilatação do reino, dos negócios e das conquistas. Concretizava-se O império, os lucros e as glórias. O compromisso com a difusão do Cristianismo — bem ao espírito cru-

zadístico — foi parte integrante da epopéia ultramarina, indissociável dos

aspectos políticos e econômicos. Muitas vezes tendemos a considerar à

expansão marítima como um capítulo do avanço linear do racionalismo sobre a religiosidade medieval. Não podemos esquecer, entretanto, que

a religião era um elemento fundamental de percepção e de ordenação do mundo neste período, estando intimamente ligada à estrutura do poder estatal. Sendo assim, a luta contra os muçulmanos, arraigada durante séculos na Península Ibérica, foi fundamental para reforçar o caráter cruzadístico e missionário da expansão. O papado, por sua vez, referendou esta orientação a partir de uma série de bulas no decorrer do século XV, in-

centivando a dilatação da fé cristã e conferindo, ora a portugueses, ora a espanhóis, primazia sobre a colonização das almas.

Partindo do prisma religioso, a visão que os europeus tinham do Oriente era estimulante. Visto como um manancial de riquezas, encontrá-lo era também achar a própria salvação. Afinal, durante a Idade Média, foram inúmeras as representações idílicas do Mundo Oriental. Espaço da criação e da redenção, era encarado como o verdadeiro Éden terrestre. Mais tar-

de, a América acabaria tomando do Oriente esta representação, vindo a se transformar, por algum tempo, no novo paraíso na Terra.

3.2 . AS ETAPAS DA EXPANSÃO COMERCIAL PORTUGUESA

3.2.1 . O PIONEIRISMO PORTUGUÊS

R expansão marítima nasceu na Península Ibérica, bem como os maio-

o plant avament desencr O e ei tário, expressão de Pierre Chaunnu, efetivou-se a partir de embarcações;

saídas de Lisboa, Palos, Cádiz e outros port os igualmente importantes, 76

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

que desbravaram as dificuldades impostas pelo Mar Oceano. As condições determinantes para a viabilidade do processo expansionista encontravamse consolidadas na Península Ibérica e assim explica-se a posição dianteira assumida por portugueses e espanhóis nas viagens atlânticas. Portugal foi por quase um século o mais importante pólo irradiador da expansão marítima européia. Com pouco mais de um milhão de habitantes e aproximadamente 89 mil quilômetros, o diminuto reino luso foi pioneiro no ciclo das navegações que promoveram à transformação de um “mundo plural em um mundo singular”. Esta arrancada portuguesa no processo ultramarino europeu pode ser caracterizada a partir de quatro pontos básicos: a precoce centralização política; a existência de interesses mercantis agenciadores da expansão; a posição geográfica prívilegiada e o desenvolvimento das técnicas náuticas.

A) CENTRALIZAÇÃO POLÍTICA consolidação do poder real em Portugal evidenciou-se a partir da de Avis, conflito gerado após a morte do rei Fernando, da dc dinastia de Borgonha, que deixou o trono para sua filha Beatriz, casada com o soberano de Castela. Uma boa parte da nobreza portuguesa concordava com a manobra que transformaria o país em território tutelado pelo — distante — rei castelhano, uma vez que buscava alternativas políticas para superar os efeitos causados pela própria política borgonhesa, pela desvalorização monetária e pela crise do século XIV, que assolou violentamente O país. Opondo-se à política pró-Castela encontravam-se burgueses, artesãos, nobres ligados às ordens religiosas e à arraia-miúda. Grupo heterogêneo, este partido nacional português apoiava a consagração do mestre da solu quer qual do itan reje o, mort rei do o ítim ileg o irmã , Avis de Ordem ção que se aproximasse de um acordo com Castela. ra guer a , dido inva s uguê port o rein rio próp o o send , 1383 em Iniciada s anti merc des cida is cipa prin das a uesi burg da ação a e durou dois anos nos. elha cast os e sobr ria vitó a para al ent dam fun foi as portugues s luso s uese burg os Pais, ro Álva nte rcia come e ual lect inte Instruídos pelo a para s sivo deci , eses ingl s eiro arqu de ção rata cont pela foram responsáveis Fernando, D. de ardo bast o irmã do ação oniz entr a foi o ltad resu O ria. vitó 0). 158 85(13 Avis de stia dina a do ran ugu ina 1, João D. que se tornou

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Após a Revolução de Avis concretizou-se uma reorientação na política portuguesa, favorecendo a aproximação entre a burguesia, interessada nas possibilidades de controlar as rotas comerciais adjacentes, e o próprio

Estado, sempre disposto a aumentar seus poderes com a ampliação terrj.

torial do reino e arrecadar mais impostos advindos com o crescimento comercial daí resultante. À nobreza, há muito favorável à ampliação dos limites do reino, estaria presente com a sua experiência militar, coman. dando as expedições, angariando glórias, postos administrativos e terras. Desta forma, a Revolução de Avis acabou fornecendo a base política adequada para O processo expansionista, superando a crise do século XIV em Portugal e reunindo interesses diversos ao fornecer crédito político e ad-

ministrativo para o empreendimento marítimo via oceano Atlântico.

B) INTERESSES MERCANTIS Dm a Terceira Cruzada (1189-1192), ao se tornar um dos pontos de passagem para o Mediterrâneo, Portugal, notadamente Lisboa, contava

com a presença de mercadores oriundos de áreas vizinhas. A Guerra dos Cem

Anos, ao dificultar a passagem nas rotas comerciais que cortavam as planícies francesas, entre elas a famosa rota de Champagne, favoreceu a escala nos por-

tos atlânticos, que se transformaram em entrepostos dos produtos orientais para o norte da Europa, beneficiando o segmento mercantil português.

É importante perceber que, à medida que o comércio afluía para os

portos lusos, acentuava-se a presença de mercadores de outras regiões; 08 italianos, por exemplo, intensificaram suas relações com Portugal e muitas casas comerciais florentinas, venezianas e genovesas instalaram-se em Lisboa. À própria esquadra cabralina contava com uma embarcação, à Annunziata, armada por mercadores italianos. Convém ressaltar que à idéia de que o litoral africano poderia ser contornado, possibilitando O

contato com o Oriente, já havia sido colocada pelos irmãos Vivaldi, de origem genovesa, no final do século XIII.

C) LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA Ás

localização geográfica possibilitou a Portugal fazer parte do cir cui-

mercantil das especiarias, assim como já havia acostumado seus

A

ne

E

ciais

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

homens a usufruir dos recursos pesqueiros do Atlântico (arenque e sardinha) e do mar do Norte (bacalhau). O conhecimento dos marinheiros, quanto às correntes e ventos, foi indispensável para o sucesso dos pilotos que mais tarde se lançaram ao desconhecido do Mar Oceano. À convergência atlântica portuguesa foi um trunfo que contribuiu para tornar O projeto expansionista uma empresa viável € adequada aos interesses econômicos daqueles que já viviam em função do mar. Segundo Fréderic Mauro, concorreu também decisivamente para o pioneirismo ibérico.

“a vantagem de se encontrar entre 428 e 358 graus de latitude norte, ou seja, entre o ponto em que começam a dominar os ventos de oeste para os regressos à Península e aquele em que têm raiz os alísios que sopram do Nordeste para as grandes partidas em direção ao Atlântico Sul. (MAURO, FRÉDERIC, 4 Expansão Européia, Lisboa, Editorial Estampa, 1988, pág. 42.)

D) DESENVOLVIMENTO TÉCNICO navegação atlântica só foi possível em função do aperfeiçoamento e da invenção de embarcações e instrumentos náuticos, assim como dos por s ico nôm eco s pólo dos um foi al tug Por . fica ográ cart ica técn na s avanço excelência desse desenvolvimento e acabou se transformando em um espaço privilegiado no processo expansionista, em grande parte graças à esta siadistig inve ica prát pela veis onsá resp dos um foi ado Est rio próp O ão. tuaç va da técnica náutica, aglutinando elementos ligados à navegação € incenalaem te men ior ter pos m are orm nsf tra se de s ívei pass as ert cob des ndo tiva vancas para ganhos econômicos e geopolíticos. Não podemos esquecer que o desenvolvimento da técnica náutica deve ser inserido na valorização cres as ênci exig às da liga te men ima int já , tiva tita quan de ida tal men uma cente de mercantis e às necessidades militares e burocráticas do Estado Moderno. — al tug Por em us jude de e dad uni com ra spe pró uma de ia tênc A exis — luso o rein o para am for tos mui a, anh Esp na 1, 139 de re após o massac

pora ist ion ans exp eto proj ao nar cio por pro de ido sent foi importante no cartográfino o com co ômi ron ast po cam no o tant cia, riên expe a tuguês co, que os judeus possuíam.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Além dos judeus, deve-se mencionar que à contribuição italiana e a he-

rança árabe também favoreceram o desenvolvimento náutico português. Quanto à colaboração italiana nos descobrimentos portugueses, pode-se

datar, no início do século XIV (1317), o acordo entre o rei D. Dinis e um genovês da família Pessagno, transformado em almirante-mor da co-

roa lusa, como um momento emblemático da presença italiana em Por-

tugal. Devemos lembrar que, mais tarde, o próprio Colombo levaria seu

projeto de atingir El Levante por el Pomente à coroa portuguesa. Dentre as inovações técnicas da época destacou-se a caravela, expressão de origem controversa, possivelmente oriunda do árabe — cayabo —

pequeno navio. À novidade desta embarcação consistia na combinação

do jogo de velas redondas e triangulares com a própria superfície do velame, possibilitando a navegação contra o sentido dominante do vento, o que dispensava a alteração de rotas, como era a prática anterior. No processo ultramarino português, o desenvolvimento de uma verdadeira indústria naval não pode ser menosprezado. Inúmeras obras atestam a dedicação lusa a esta empresa — Livro primeiro de architectura naval, de João Batista Lavanha; o Livro da fabrica das naus, de Fernando

Oliveira — e sua importância no universo cultural de Portugal. Na Ribeira das Naus de Lisboa, atuavam especialistas em diversos oficios. Eram mestres de navio, carpinteiros, calafates, somando mais de mil trabalhadores. A complexidade desta empreitada material e técnica — conhecimentos aritméticos, geométricos e astronômicos — não nos autoriza, entretanto, a separar o conhecimento puramente racional dos tesouros coletivos, e muitas vezes anônimos, a respeito dos saberes da natureza.

“Mas embora estivesse entre os maiores e mais complexos engenhos construídos até então pela indústria humana, a mediação do trabalho não separava o navio das determinações naturais. Seja pela madeira de que dependia para sua construção,

seja pelos caminhos do mar em que navegava — orientado pelo mapa do céu —, sujeito a ventos, correntes e marés, o navio também tirava da natureza suas Formas estruturais. E foi, quem sabe, na esperança de vê-los Flutuar, como gaivotas, embalados

sobre, as ondas de mares revoltos, que os construtores navais aca-

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

baram assemelhando a proa dos navios aos peitos das aves oceânicas. (MICELLI, PAULO, O ponto onde estamos, São Paulo, Editora Scritta, 1994, pág. 85.)

A cartografia, responsável pela matematização do espaço, definiu as distâncias e registrou as descobertas, transformando-se em técnica severamente vigiada pelo Estado, preocupado com o vazamento de informações sigilosas. Até o fim do século XVII, os cartógratos portugueses foram pontos de referência em toda a Europa. Mesmo com a vigilância estatal, o declínio ibérico contribuiu para a difusão das técnicas € dos próprios mapas, sendo o eixo da produção cartográfica deslocado para O Norte da Europa. Apesar disso, a influência da arte de fazer mapas lusa tornou-se tão considerável que foi um português — o visconde de Santarém — que criou, no século XIX, o nome cartografia. A bússola, já integrada à navegação mediterrânea desde o século XI, ao

que parece, foi acoplada à rosa-dos-ventos pelos nautas portugueses é 2 partir daí amplamente utilizada. Sua aplicação liberava os nautas de complicados cálculos astronômicos e sua importância prática já foi comparada à precisão do relógio mecânico. Na verdade, a imposição da bússola de ncia tendê na drada enqua ser pode ação naveg de o ument instr como superação de supersticiosas influências medievais que O ciclo das navega-

ções propiciou — sempre restritas aos sábios em terra e aos pilotos e co-

àsque os s pouco eram não , tempo algum te Duran mar. no mandantes a agulh uma como , Afinal s. Sataná de anhas artim às a bússol à sociavam poderia encontrar sempre o Norte: A própria origem da palavra contri-

buiu para esta idéia, uma vez que

no lia ita do iva est sug a tur mis a um de iva der a jul Brú ol nh “o espa

bissola (bússola) e do murciano

brujería (bruxarial” (SALE,

Jorge o, eir Jan de Rio o., aís par do a st ui nq co A K, IC KIRKPATR Zahar Editor, 1992, pág. 57.)

8]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

2.2.2 . O PÉRIPLO AFRICANO ão é seguro afirmar que desde o princípio do processo expansionis-

H ta houvesse um projeto sistemático para se atingir o Oriente, É importante caracterizar que a expansão ultramarina portuguesa teve diver-

sas fases, definidas em função das áreas de atuação e dos objetivos mais específicos. Assim, podemos destacar quatro fases básicas do expansionismo: a ofensiva no norte da África, a ocupação das ilhas atlânticas, a ex-

ploração do litoral africano e o projeto oriental propriamente dito.

À expansão marítima portuguesa teve seu marco inicial com a expedição em direção a Ceuta, ponto de partida de piratas que incursionavam no lIitoral português e praça árabe no norte da África e cabeça de rota de diversas caravanas oriundas de áreas vizinhas do Magreb. Privilegiadamente lo-

calizada, esta praça abria-se a quatro mundos econômicos: a Europa, o

Mediterrâneo Levantino, o Marrocos Atlântico e o Sudão. Ceuta foi toma-

da em 1415 e sua conquista acabou representando exemplarmente uma das características cruciais da atitude expansionista portuguesa; a combinação do espírito mercantil com a prática cruzadista. O papa Martinho V concedeu ao rei D. João I, em 1418, a bula Sane Charissimus, conferindo à ação portuguesa no Norte da África o status de cruzada. Apesar da euforia da conquista, Ceuta acabou não se consubstanciando em um ganho econômico duradouro. As caravanas que para ali se dirigiam foram desviadas para outras praças, onerando a manutenção da-cidade. Às

incursões muçulmanas dificultavam o pleno estabelecimento dos portugueses. Passou-se a cogitar o abandono desta — um conselho real chegou a ser reunido para discutir o assunto —, o que acabou não se efetivando.

“Portugal adotou a dupla política de conservar Ceuta, ao mes-

mo tempo que avançava e comerciava ao longo da costa atlân-

tica da África. Muitos elementos da população portuguesa favo-

reciam esta política: mercadores que desejavam prosseguir O

comércio; os corsários, incluindo muitos de elevada posição social, que queriam deitar mão ao comércio muçulmano; os aven-

tureiros que queriam descobrir o que existia ao longo da costa da Africa; os jovens guerreiros que queriam atividade; os zelosos 82

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

que exigiam que o Infiel Fosse atacado na sua própria terra; e a política régia que procurava a expansão do Reino.” (DIFFIE, BAILEY W. e WINIUS, GORGE D, 4 fundação do Império Português 1415-1580. Vol.1, Lisboa, Editora Vega, s/d, pág. 71.)

Se o Norte da África pode ser considerado o primeiro momento da expansão portuguesa, as ilhas atlânticas — Madeira, Porto Santo, Açores € Cabo Verde — viriam em seguida. Nestas ilhas, chamadas adjacentes, verdadeiro laboratório para processos de colonização posteriores, os lusos implementaram cultivos diversos (principalmente a cana-de-açúcar € alguns cereais panificáveis), além de obterem madeiras € desesenvolverem a criação de gado. A esta altura foi fundamental a presença do filho infante do rei, pee ino amar ultr to proje do dade inui cont pela l nsáve respo , ique Henr D. la reunião de uma autêntica corte nos moldes renascentistas, com navegantes, cosmógrafos e instrumentistas, em Sagres. estro regis ce mere ano, afric l litora pelo lusas ns viage das unto conj No pecial a ultrapassagem do cabo Bojador (bojador, em português arcaico, significa saliente), considerado por muito tempo intransponível pelos navesuces sem -lo, passá ultra aram tent es diçõ expe sas Diver ses. ugue port s gante so, é chegou-se a considerá-lo um limite dos mares navegáveis. O cronista

oficial das viagens portuguesas nos tempos do Infante — Gomes Azurara cor“as que o mand afir dor Boja pelo cidas ofere s ulade dific as u reve — desc rentes são tamanhas, que navio que lá passe, jamais poderá tornar”. peão rcaç emba uma com e te, Infan do ço servi a , Eanes Gil 1434, Em

medo e de clima o rar queb u egui cons , ticos atlân ões padr os para quena a aram pass ses ugue port os á-lo, super Ao cabo. o via envol mistério que

dos tos amen tion ques os aram inici e ca técni da ços avan nos acreditar mais conhecimentos geográficos herdados da tradição ptolomaica. ram orre perc lusos es gant nave os or, Bojad do m A partir da ultrapassage diversos pontos do litoral africano, explorando nômicas. O caráter cruzadista, entretanto, não dente em 1437, quando D. Duarte organizou car a cidade moura de Tânger, com resultados tugueses. 83

suas potencialidades foi relegado, ficando uma expedição para desastrosos para Os

ecoeviatapor-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Em 1443 foi encontrada a ilha de Arguim, importante ponto militar e comercial para Os interesses lusos na região. Nesse momento foi Utilizado

um padrão que mais tarde seria implementado no Brasil; o sistema de fej.

torias combinado com a prática do escambo. À feitoria era um armazém fortificado, ponto de apoio em uma área desconhecida, cuja utilidade

maior era consubstanciar uma exploração muitas vezes temporária. A prática do escambo possibilitava a obtenção de mão-de-obra para determina-

dos serviços, assim como para o conhecimento e obtenção de riquezas de uma determinada região. Costa do Ouro, do Marfim, da Pimenta, dos Escravos; os portugueses batizavam alguns lugares em função da disponi-

bilidade econômica que apresentavam. Sabemos que o mesmo fariam com

o Brasil posteriormente. A obtenção de escravos ligava-se à queda demo-

gráfica do século XIV, transformando-se, com o decorrer do tempo, em um dos mais importantes motores econômicos do eixo atlântico.

(..) levando em conta o custo de produção e de reprodução do homem, a importação de adultos em plena força produtora constituiu a mais vantajosa de todas as operações econômicas concebíveis. À necessidade imperiosa e um certo costume — adquirido no curso dos séculos de coabitação com o Islã — explicam o êxito desta operação paradoxal.” (CHAUNNU, PIERRE, Expansão européia do século XIII ao XV. São Paulo, Livraria Pioneira Editora, 1978, pág.108.)

À exploração do litoral africano trouxe ganhos fabulosos para o reino

português. Fonte inesgotável de recursos, o além-mar tornava Portugal centro de mercadorias raras e viabilizaria a busca crescente de novas riquezas em regiões mais distantes. Em 1456, Cadamosto, navegante italiano à serviço de Portugal, penetrou no rio Gâmbia, tornando acessível o ouro

transaariano. Logo depois, em 1458, D. Afonso V promoveu o ataque à

cidade marroquina de Alcácer-Ceguer, dentro dos moldes cruzadistas já mencionados. Em 1469, uma jazida de ouro foi descoberta na Serra Leoa.

Treze anos mais tarde, ergueu-se aquele que seria um dos mais importan-

tes estabelecimentos portugueses na África: o forte de São Jorge da Mina. As estruturas do império marítimo começavam a ser montadas. Monopó-

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

lios reais foram estabelecidos, sendo o mais significativo de todos aquele que

regia as transações com ouro. As moedas passaram a ser obrigatoriamente cunhadas na Casa da Moeda. Um pouco mais tarde foi criada a Casa da Mina, tornando-se responsável pelo comércio africano. Contratos com particulares foram assinados; concessões, delegadas, e feitorias, estabelecidas em

pontos considerados importantes. O papado contribuía à sua maneira, tendo referendado a primazia espiritual da Ordem de Cristo ao sul do Bojador,

através das bulas Romanus Pontifex (1454) e Inter Coetera (1456). O contato com outras humanidades, possuidoras de outras línguas, OUtros deuses, enfim, outras vidas, foi um dos fatores que gerou nos portugueses um comportamento mais cético em relação ao hermetismo cristão refesias fanta veis possí as dar abran para tal amen fund a iênci exper medieval, rentes ao desconhecido dos descobrimentos. Como afirma Sérgio Buarque anos ta oiten de mais — ica Amér a com to conta em r entra ao de Holanda,

depois do início da expansão ultramarina —, os portugueses não produzihóis: espan os am uzir prod como s” hosa avil “mar tão es essõ ram impr

el ráv epa ins se qua , IO ÉR ST MI DO E A LH VI RA MA DA O “9 GOST

maos nt me ri ob sc de s nde gra dos era na s gen via de a tur da litera qui os rit esc nos do uzi red e ent arm gul sin aço esp pa ocu rítimos, a que por Ou do. Mun o Nov o re sob es ues tug por dos s nhentista to tra o ídu ass o e no ea Oc Mar do es çõ ga ve na das a tic prá longa sen a es nel o cid rte amo e ess tiv já has ran est tes gen e das terras ca ain e ent Ori do io cín Fas o que por ou o, tic exó o a par sibilidade 2 em rg ma xar dei sem os, dad cui s seu os a si ma de em absorvesse exos i aqu , tam uie inq os não que é e dad ver a , sas maiores surpre UE RQ UA (B ” es. del nça era esp a m ne , tos ten por traordinários

São , ção edi 5? o, aís Par do ão Vis , IO RG SÉ DE HOLANDA, 1.) . pág 2, 199 se, ien sil Bra a tor Edi Paulo,

3.2.3 . A DIVISÃO DO ATLÂNTICO s ha il as a av nç ca al s uê ug rt po a st ni io ns medida que o processo expa OS r re or oc à m va ça me co , ca ri Af da ao e avançava no norte r a di pe im a er l pa ci in pr e ss re te in jo cu a, imeiros choques com Castel =

q

pr

85

4

da

.

-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

ofensiva imperial lusa. O primeiro atrito entre os dois países envolveu 0

arquipélago das Canárias, gerando uma primeira partilha do Atlântico entre as partes em litígio. Os castelhanos não aceitavam O monopólio

português nas Canárias, base privilegiada para operações na África, e passaram a questionar a política do Mare Clausum adotada pelo infante

João, futuro rei D. João II. As disputas agravaram-se com a questão dinástica espanhola (uma vez que Afonso V de Portugal ambicionava o trono castelhano), culminando

em guerra entre os dois países. Após cinco anos de conflito (1474-1479),

a paz foi assinada na cidade de Toledo, determinando uma divisão do oceano Atlântico em sentidos paralelos — hemisfério sul pertencendo a

Portugal e hemisfério norte pertencendo à Espanha —, tendo como referência as Canárias. É importante perceber como a política do Mare Clausum nasceu atrelada às exigências do exclusivo colonial, condição primordial para levar adiante o projeto imperial português. O tratado assinado em Toledo garantiu aos portugueses a hegemonia na África e o monopólio da rota para o Oriente. A viagem de Colombo a serviço dos reis espanhóis colocaria em xeque o acordo dimensionado em 1479-1480 no Tratado de Toledo. Para o monarca português D. João II, Colombo havia tocado em terras contidas no hemisfério ao sul das Canárias, portanto, pertencentes a Portugal. À guerra entre os dois reinos parecia, àquela altura, uma questão de tempo. Esquadras das duas potências começaram a fazer manobras no Atlântico, preparando-se para a batalha iminente.

À intermediação do papa Alexandre VI deu-se através da publicação da

bula Inter Coetera (1493). A solução papal, proposta para acabar com O conflito, previa a divisão do Atlântico entre os dois reinos a partir de um meridiano a 100 léguas do arquipélago de Cabo Verde, cabendo à Espanha

a parte ocidental e a Portugal a parte oriental. Considerada tendenciosa a favor da coroa espanhola, já que o papa era aragonês, a proposta não

foi bem recebida no reino português. Novamente a tensão entre os países ibéricos chegou ao nível de um encaminhamento bélico.

Um novo tratado foi assinado na cidade de Tordesilhas — agora sem in termediação papal —, transladando para 370 léguas de Cabo Verde o mer diano proposto na bula Inter Coetera. Um dos principais representantes portugueses em Tordesilhas era o humanista Duarte

Pacheco

Pereira, au

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

tor do Esmeraldo Situ Orbis, obra que descrevia as descobertas portuguesas a partir do infante D. Henrique. Corretamente informado, Duarte Pacheco abriu caminho para a estruturação das bases do império lusoafro-brasileiro, se bem que apenas a afirmação documental da política do Mare Clausum não fosse suficiente para garantir plenamente o monopó-

lio português nas duas margens do Atlântico. O documento, denominado *Capitulación de la partición del Mar Oceano”, não levou em conta os interesses dos outros reinos e por isso mesmo foi desafiado por navegantes de outros países, notadamente os da França. O Tratado de Tordesilhas deve ser encarado também como um dos momentos mais significativos da revisão ptolomaica iniciada após as pri-

meiras viagens atlânticas. Aludir a possibilidade da dilatação do limite Ocidental além das Ilhas Afortunadas era redimensionar toda a concepção geográfica estabelecida por Ptolomeu no século II, e por tanto tempo res-

peitada na Europa Medieval. A experiência vai substituindo a tradição € tornando-se, bem ao espírito da Renascença, mãe de todas as coisas.

3.2.4 . RUMO AO ORIENTE

ão resta dúvida de que a morte do Infante (1460) representou uma paralisia nos rumos até então tomados pela coroa portuEl

guesa. A expansão foi retomada pelo príncipe D. João — em breve D. João

II — responsável pelas primeiras tentativas sistemáticas de atingir o Onente. Nesse momento, a expansão dos turcos otomanos — vencendo as dinastias sarracenas do Oriente Próximo — já havia se transformado em um obstáculo significativo para a plena continuidade dos negócios italianos, afetando determinantemente a distribuição dos produtos orientais pela

Europa. Com a expansão otomana, o preço das especiarias elevou-se pa-

ra algo em torno de 800%, uma vez que as taxas cobradas pelos “pedáia Caben das. eleva nte basta eram — as atóri obrig então até rotas — gios” foraos ão relaç em a dênci depen esta ar quebr s guese portu aos navegantes euo ômic econ eixo o cando deslo arias, especi das is ciona tradi ores neced diretaropeu do mar Mediterrâneo para o oceano Atlântico e atingindo

mente os centros produtores. de ia idé à te sen pre ava est is rea nos pla nos que ar erv obs É interessante lío st po su o, Joã ste Pre de no rei io dár len o mo co atingir tanto as Índias 87

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

der de uma comunidade cristã separada do Ocidente pelo Islã e Possível

aliado contra os muçulmanos.

Expedições foram enviadas com

destino

aos dois lugares: Pero de Covilhã partiu em direção à Abissínia, em busca de Preste João, enquanto Bartolomeu Dias navegou em direção ao ex-

tremo sul da África, ultrapassando os marcos deixados por Diogo Cão, descobridor da foz do rio Zaire. De Covilhã sabe-se que atingiu a corte de um rei na Abissínia e lá viveu até a morte. Quanto a Bartolomeu Dias,

ficou conhecido como o desbravador do cabo das Tormentas, considera-

do anteriormente uma viagem intransponível. Sua travessia foi fundamental no sentido de provar a ligação — e a navegabilidade — entre o Atlântico e o Índico. Quando Bartolomeu Dias retornou a Lisboa, em dezembro de 1488, Cristóvão Colombo estava na cidade, tentando convencer a coroa portu-

guesa da viabilidade de seu manteria o plano do périplo ção das novas tensões da D. João II. Só mesmo com o projeto seria efetivamente

projeto ultramarino. Portugal, entretanto, africano atrasado temporariamente, em funEspanha e da morte prematura do rei a entronização de um novo rei, D. Manuel, retomado.

Vasco da Gama, cerca de dez anos depois da viagem de Bartolomeu Dias, partiu de Lisboa com o objetivo de atingir um ponto nas Índias onde pudessem ser travadas relações comerciais e religiosas. Sabemos que o acesso direto aos centros produtores de especiarias liberaria os portugueses da tradicional dependência em relação aos comerciantes italianos. A escolha do

comadante da expedição baseou-se em critérios não propriamente ligados à navegação. Não foi indicado um piloto experimentado, conhecedor dos inúmeros segredos do Mar Oceano. Na verdade, diante da expectativa da missão, optou-se por um nobre ligado ao Estado, com suficientes habilida-

des militares e diplomáticas. Vale dizer que o mesmo procedimento seria adotado na escolha de Pedro Alvares Cabral, alguns anos mais tarde.

Vasco da Gama comandava uma pequena armada, com quatro embar-

cações e cerca de 170 homens, contando com alguns dos melhores pilo-

tos de Portugal. A viagem até o sul da África foi feita à custa de inúme-

ras dificuldades para a tripulação, em função do surto de escorbuto. Chegando até Melinde, já na costa oriental africana, Vasco da Gama con-

seguiu contato com um piloto muçulmano conhecedor do caminho pe-

lo oceano Índico. Em maio de 1498, os Portugueses chegavam ao por-

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

to de Capocate, na cidade de Calicute. É interessante perceber como os portugueses acreditaram estar diante de cristãos, uma vez que os nativos não poderiam ser muçulmanos, já que cultuavam imagens religiosas. Mesmo sendo estátuas bem diferentes dos padrões ocidentais — possuíam vários braços, dentes salientes —, os navegantes as veneravam como se fossem cristãs. Na verdade, buscava-se no desconhecido traços que pudessem ser associados ao mundo conhecido. Apesar de Vasco da Gama ter sido convidado ao palácio do Samorim (rei das montanhas e do mar) e ter conseguido diversos produtos rentáveis durante sua permanência na cidade, as relações entre os portugueses e os hindus não foram das melhores. Na partida, alguns disparos foram trocados com os barcos do Samorim. Não se pode afirmar, portanto, que contatos sólidos tenham sido realizados. À viagem de volta apresentaria também terríveis problemas, sendo que boa parte da tripulação não resistiu aos rigores da travessia. A chegada a Lisboa foi marcada por uma grande excitação para os mer-

cadores locais. Um comerciante italiano chamado Sergini foi responsável pela transmissão da notícia a sua terra natal, abalando o mercado das especiarias nas principais cidades italianas. A viagem alcançou os resultados esperados, gerando lucros altíssimos e grande prestígio político para a coroa portuguesa. D. Manuel, sentindo a importância da realização de Vasco da Gama, relata ao Cardeal Protetor em 1499:

“.. esteveram em huma cidade chamada Quelecut principal escapulla de mercaderia da Yndia donde nos troxeram toca maneira de speçearia a saber: Canela, cravo, pymenta, noz moscada, benjoy, ambar, almisquere perlas, rrobbys e todo outro genero de pedreria e mercaderias preciosas .... 3.3 . A CHEGADA AO BRASIL

m função da viagem de Vasco da Gama, uma nova expedição, a maior já eaid alc , ral Cab s are Alv ro Ped a da fia con foi , lusa oa cor a pel ta ci E in

Rd

E

pni vo eti obj o com ha tin ra uad esq A te. mon Bel de hor Sen e a rar Azu de mor

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

mordial aprofundar os contatos iniciados em Calicute. Reunindo 13 embar-

cações e aproximadamente mil e quinhentos homens, partiu de Portugal

com alguns dos mais experientes navegantes da época, como Bartolomeu

Dias e Nicolau Coelho. O subcomandante da esquadra era um fidalgo cas-

telhano, Sancho de Tovar, perseguido na Espanha por ter matado um juiz,

mas já perfeitamente enquadrado na hierarquia de poderes em Portugal. No dia 9 de março de 1500, uma grande despedida foi organizada na praia do Restelo para a esquadra cabralina. Diversos membros da família real, e até mesmo D. Manuel, estavam presentes.

Após cerca de quarenta dias de viagem, em que um barco se perdeu, a

expedição aportou no litoral da Bahia, em Porto Seguro. No Brasil, a es-

quadra permaneceria por um breve tempo antes de seguir viagem para o Oriente. O comandante chamou a terra encontrada de ilha de Vera Cruz. Posteriormente o nome foi alterado para Terra de Santa Cruz. Três documentos foram redigidos pelos membros da expedição cabralina: a carta do escrivão, a carta do Mestre João e o relato do piloto anônimo. O mais significativo a respeito da permanência na ilha de Vera Cruz é efetivamente a carta ao rei D. Manuel, de Pero Vaz de Caminha, escrivão da frota e de uma futura feitoria a ser instituída em Calicute. Revestida de grande importância histórica e etnológica, a carta é um

elemento fundamental para se avaliar a dimensão das expectativas lusitanas em relação à expansão marítima, além de descrever, a partir da ótica européia, é claro, as impressões do encontro inicial entre os índios tupi-

niquins e os navegantes portugueses. Refletindo basicamente sobre a na-

tureza € os homens, narrando os episódios mais relevantes do contato com a nova terra e sua gente, Caminha é um dos que inauguraram a visão paradisíaca do trópico em consonância com o nativo belo, nu e inocente, como fora concebido antes do pecado original. Foram coletadas pelo escrivão diversas informações a respeito da po-

tencialidade econômica da nova terra, dentro das perspectivas mercantis portuguesas (no aspecto prático, missão dada aos degredados que vieram

com a esquadra). As referências em relação aos metais preciosos não foram animadoras:

“Até agora não podemos saber g se há ou ro ou prata nela, ou

outra coisa de metal ou ferro.

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

Quanto às possibilidades de comércio com os nativos, as observações do cronista também não foram positivas, uma vez que sugerem a inexistência de excedentes, ainda mais comercializáveis:

“Eles não lavram nem criam. Não há aqui boi ou vaca, cabra, ovelha ou galinha, ou qualquer outro animal que esteja acostumado ao viver do homem. E não comem senão deste inhame, de que aqui há muito, e dessas sementes e frutos que a terra e as árvores de si deitam.” Apesar das carências existentes, Caminha, sugere a utilização da área como escala valiosa para o Oriente e suas riquezas, assim como espaço privilegiado para a aplicabilidade de atividades agrícolas:

“ter Vossa alteza aqui esta pousada para essa navegação de Calecut (...) Contudo a terra em si é de muitos bons ares... Em tal maneira graciosa que querendo-a aproveitar dar-se-á nela tudo. -

Mesmo não tendo sido feita nenhuma referência ao pau-brasil na carta, sabe-se que um barco retornou a Portugal com a notícia do “achamento”. Esta expressão utilizada por Caminha reveste o sentido de intencionalidade quanto ao desvio da rota original e, consequentemente, à previsibilidade da existência de terras na região. À embarcação, comandada por Gaspar de Lemos, levou algumas amostras da madeira que mais . terra à vo niti defi e nom o daria ns, algu de s esto prot dos ar apes tarde, a u alto ress s gena indí aos ção rela em a inh Cam de A primeira referência e a cios minu foi a físic o riçã desc A ade. nuid inge à a ciad asso logo z, nude calcada em notável tolerância estética:

de so ca is ma m ze fa m Ne . ma gu al a ur rt be co “andam nus, sem smo de e qu do s ha on rg ve as su as ir br co en encobrir ou deixar de o tã os rp co ) (... a ci ên oc in de an gr de o sã o ss di trar a cara. Acerca limpos e Formosos a não mais poder. Te

n

a

91

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Mas imediatamente atribuiu-se a higiene à vida errante, sem moradias de.

finidas e, pior, sem cidades. No âmbito político, o escrivão, subordinado ao

aparelho estatal português, dirigindo-se diretamente ao rei D. Manuel, ob-

servou a inexistência de poder instituído entre os indígenas:

“ não por o conhecerem por senhor, cá me parece que não entendem nem tomavam disso conhecimento.”

Estes fatores contribuíram para que, a partir do universo de referências dos navegantes europeus, os indígenas fossem comparados aos negros da Guiné. Ausência de cidades, carência de poder político e a tão bem-vista ingenuidade dos nativos foram encarados de forma a valorizar o âmbito missionário que a expansão ultramarina possuía. A suposta inferioridade in-

dígena representava a possibilidade de assimilação dos valores cristãos. Sabemos que mais tarde os jesuítas compararam os índios a folhas em branco, como fez o padre Manoel da Nóbrega, ou a estátuas de murta, como afirmou o padre Antônio Vieira. Após mais de um mês em terras brasileiras, intervalo em que duas missas foram rezadas, Cabral decidiu partir para cumprir sua missão primordial. No entanto, após completar a viagem, chegando com apenas seis barcos, os contatos em Calicute não foram amistosos. Diante do quadro, os portugueses procuraram explorar as rivalidades existentes entre as ci-

dades hindus, bombardeando Calicute e aliando-se ao rajá de Cochim. Feitorias foram instaladas na região, possibilitando um contato comercial

favorável aos lusitanos. As expedições seguintes iriam aprofundar a influência lusitana no Oriente e assegurar o abastecimento das especiarias e outros produtos. Em breve, D. Manuel, já chamado de “o Venturoso?”, receberia o pom”

poso título de Senhor da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e India. Fica claro que o interesse português estava voltado para a riqueza oriental.

Como avaliar corretamente a dimensão do aporte cabralino no Brasil

diante do conjunto ultramarino português? Para Francisco Carlos Teixeira

PORTUGAL E A EXPANSÃO COMERCIAL

“(..) Portugal procurava consolidar o seu poder em ambas as mar-

gens do Atlântico, monopolizar a rota do cabo (o novo caminho para as Indias) e garantir a exclusividade da exploração das riquezas africanas. O Brasil, então Terra de Santa Cruz, era um ponto estratégi-

co (...) Nesse sentido, (...) nada mais foi do que um episódio das na-

vegações portuguesas em direção ao Oriente.” (TEIXEIRA DA

SILVA, FRANCISCO CARLOS, “Portugal — das origens agrárias às grandes navegações”, 17 Revista Ciência Hoje, Vol. 153, nº 86.

SBPC, 1992.)

Parte 3 À SOCIEDADE DO ESCRAVISMO COLONIAL

CAPÍTULO 1

EXPLORAÇÃO, ESsCANIBOS E FEÍTORIAS

período imediatamente posterior à chegada portuguesa ao Brasil em 1500 caracterizou-se pelo envio de expedições costeiras a mando da coroa, com o objetivo de explorar e conhecer os segredos do novo território incorporado ao império colonial luso. rêO , ezas riqu às ia tang que no io, itór terr o e sobr to men eci onh O rec levo, a população indígena e o clima, permitiu que Portugal dinigisse com maior segurança o seu projeto colonizador, delimitando com clareza as etapas a serem seguidas para a plena ocupação da região. m vera esti a ues tug por a coro da res olha os o, ent mom eiro prim um Em exa e as Índi das ias ciar espe de io érc com o ativ lucr o para ados direcion a Portugal ável invi e ou-s torn a, form a Dess . cano afri al litor do ação plor

uma sem il Bras do io itór terr o para ens hom e os navi , rsos recu ir sfer tran

o, ent mom e ness , tava esen repr il Bras O ra. ncei fina ão efetiva compensaç ira do pau-brasil. made da aída extr ura tint € icos exót os frut papagaios, ias. ciar espe de rcio comé do os lucr aos ado par com co, Muito pou

dos Esta os outr de e ress inte o ou atiç il bras paudo No entanto, o lucro

paira made da do ban tra con o ndo visa ça, Fran a europeus, especialmente ra O continente europeu.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

A importância que esse comércio atingiu durante o início do século

XVI foi expresso no próprio meio ambiente, pois:

“esse comércio foi tão intensamente efetuado que no próprio sé-

culo XV, já muitas Florestas estavam devastadas e algumas regiões

já desprovidas de suas árvores. (MARCHANT, ALEXANDER, Do escambo à escravidão, São Paulo, Companhia Editora Nacional, Coleção Brasiliana, Vol. 225, 1980, pág. 15.)

Com o objetivo de patrulhar o litoral brasileiro, combater os contrabandistas e explorar a geografia, Portugal enviou expedições para garan-

tir o pleno domínio sobre o território e conhecer a sua nova possessão.

lais expedições ficaram conhecidas como as expedições guarda-costas. À preocupação portuguesa em garantir o seu controle sobre a região estava vinculada ao desejo de implementação do monopólio luso nas relações comerciais, dentro da ótica mercantilista em vigor na Europa. Além da repressão aos rivais dos portugueses no comércio colonial, as expedições procuravam mapear o litoral brasileiro, indicando as condi-

ções climáticas, a vida natural da região, a amabilidade ou a beligerância das tribos indígenas etc. Evidentemente, o custo dessas expedições e a proteção do território tinham de ser compensados financeiramente. O desejo imediato português de encontrar ricas jazidas de ouro e de outros metais preciosos esbarrou

na inexistência de minas na faixa litorânea.

Restou à coroa investir na realidade mais imediata: a exploração do pau-brasil. Para reduzir os custos, Portugal utilizou a própria mão-de-

obra indígena através do escambo. Mas o que foi o escambo? Embora no senso comum persista a idéia de que escambo significa “troca direta de mercadorias, sem interveniência de moedas”

(FERREIRA,

AURÉLIO BUARQUE DE HOLANDA, Dicionário Básico da Língua

Portuguesa, Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1988, pág. 261), no caso português, houve o interesse em trocar mercadorias, leia-se espelhos, colares, pentes e ferramentas, por trabalho.

Dessa forma, as populações indígenas aprenderam, no contat o com 08 portugueses, que

EXPLORAÇÃO, ESCAMBOS E FEITORIAS

“não podiam obter miçangas ou camisas apenas por derrubarem e desgalharem uma árvore na mata, mas só ao entregarem a madeira na feitoria, em Forma apropriada ao embarque. No que concerne aos indígenas, recebiam as cobiçadas

bagatelas e miuçalhas em troca da entrega aos portugueses de certos objetos materiais, pau-brasil ou (como no caso dos Guarda-Costas) víveres e outros produtos.” (MARCHANT,

ALEXANDER, 02. cit, pág. 33.)

A necessidade de armazenamento das mercadorias a serem levadas para Portugal levou ao estabelecimento de armazéns fortificados, ocupados por mercadores que garantiam os contatos comerciais com os índios e esperavam os barcos que levariam os produtos até a Europa. As duas principais feitorias encontradas no litoral brasileiro foram em

Cabo Frio (cuja concessão foi depois transferida para Itamaracá, em Pernambuco) e São Vicente. Aliás, não foi por acaso que os primeiros agraciados com a escolha de capitanias no Brasil, Martim Afonso de Sousa e seu irmão Pero Lopes de Sousa, escolheram São Vicente € Itamaracá, respectivamente. No entanto, a primeira feitoria foi construída em 1504, pelo mesmo grupo mercantil que obtivera o direito de comércio do pau-brasil, e lopor ado lider , grupo Esse a. abar Guan da bafa da ilha uma em calizava-se O el, Manu D. rei pelo 1502 em do rata cont foi nha, Noro de Fernando

Venturoso. Caberia ao grupo “mandar seis navios por ano e explorar por r, mante e ruir const de além , costa de s légua ntas treze anualmente 16.) pág. cit, 07. , DER XAN ALE , ANT RCH (MA ”. forte três anos, um

, Fernando coroa à ados prest ços servi pelos 1504, de ano No próprio doação, como esma Quar da ou João São de ilha a beu rece de Noronha

ES

EE

EE



o

e —

ial. Colon Brasil no a itári hered ania capit ira prime a ilha tornando-se essa

de a foi XVI o sécul no zadas reali A última das grandes expedições deivos objet s algun tinha que 32), 0-15 (153 a Sous de Martim Afonso ex, leiro brasi tório terri o sobre sa ugue port posse finidos: garantir a conhecio ar ampli l; litora do esas franc rias feito e s barco pulsando os iexped a que rar lemb (cabe o regiã da mento cartográfico português apovo o ar inici e te) inen cont do sul no Prata ção chegou ao rio da

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

mento do Brasil através da fundação de uma vila, a de São Vicente, em 1532, que foi inicialmente

parte de sua tripulação.

povoada

por Martim

Afonso

de Sousa e

A partir desse momento, a coroa portuguesa começava a estruturar um

projeto de colonização permanente através da imigração de portugueses ao Brasil e da sistemática exploração econômica

quadros da política mercantilista.

98

da região dentro dos

CAPÍTULO 2

POR QUE À FNPRESA COLONIZADORA? 2.1 . AS RAZÕES DETERMINANTES

sa

de Cabral e a consegiiente posse das terras do Brasil por

Portugal não foram acompanhadas, de forma imediata, de um projeto de colonização e exploração das riquezas da terra. A leitura do relato da expedição de Cabral realizada pelo escrivão da armada, Pero Vaz de Caminha, não deixa dúvidas:

“Nela até agora não pudemos saber que haja ouro, nem prata,

O, nem coisa alguma de metal ou ferro; nem o vimos.” (CASTR Edi , gre Ale to Por a, nh mi Ca de Vaz o Per de ta SÍLVIO, A car tora L&PM, 1985, pág. 97.)

a de d a g e h c da to la re o tr ou um em a ad A mesma impressão foi pass o im ón an to lo pi do o çã la re da ho ec tr te in ; Brasil. Vejamos o segu

E Cabral ao St r te ta es “N : il as Br o m co o çã di pe ex da o at nt que descreve o primeiro co m qualquer outro metal, e a lenha cortam co ra não vimos ferro e nem

) 3. 10 g: pá ; cit . op , IO LV SÍ , O pedra.” (CASTR

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

O projeto colonizador encontrou, portanto, o seu primeiro obstáculo visível: a ausência de uma mercadoria que sustentasse e justificasse à pre: sença lusitana nas terras do Brasil. Além disso, os lucros auferidos com a

rota das Índias, isto é, o comércio de especiarias do Oriente, demandava a maior atenção do reino português. Portugal, no século XVI, contava com uma população que não era

“muito mais de um milhão de habitantes, menos certamente de um milhão e meio”. (FONSECA, CÉLIA FREIRE DE A., O realismo da colonização portuguesa no Brasil, nos séculos XVI e XVII, Recife, Tese de concurso para provimento da cadeira de História do Brasil no Colégio Estadual do Recife, s.d., pág. 12.) Faltavam porém a Portugal recursos monetários e humanos para tamanho empreendimento: colonizar o Brasil e manter regular o lucrativo co-

mércio com as Índias. O descaso inicial português para com o Brasil refletiu essa realidade. À ausência de ouro e de outros metais preciosos, no litoral também atuou como um fator que desestimulou a colonização portuguesa do território. Seria preciso esperar cerca de trinta anos para que tivesse início o processo colonizador português no Brasil. As constantes ameaças de fun-

dação de feitorias francesas no litoral da colônia, juntamente com a redução dos ganhos da coroa no comércio das Índias, provocaram uma reviravolta na política lusitana no Brasil. A partir desse momento, explo-

rar O território brasileiro passou a ser uma meta desejada. Além disso, a empresa colonizadora ultrapassou uma etapa meramente mercantil, baseada na instalação de simples feitorias que armazenavam

produtos comercializáveis, para um empreendimento colonizador, isto é,

fundado na montagem de uma estrutura de produção de mercadorias

que obtivessem elevados lucros no mercado europeu.

À empresa colonizadora portuguesa no Brasil estruturou-se dentro

dos modelos impostos pelo mercantilismo. Uma rápida conceitualização do mercantilismo implicaria apontá-lo como uma prática

“segundo a qual a riqueza de um Estado reside na maior ou

menor quantidade de metais preciosos que possui. Na época, es-

ses metais estavam representados pelo ouro e prata. Para evitar a evasão, os Estados que dele dispunham promoveram severas

———

POR QUE A EMPRESA COLONIZADORA?

medidas

com

relação

ao comércio

externo.”

(AZEVEDO,

ANTONIO CARLOS DO AMARAL, Dicionário de nomes, termos e conceitos históricos, Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira. 1990, pág. 263.)

A colonização européia nas Américas representou uma etapa no contex-

to mercantilista em que o rígido controle sobre a economia colonial permitiu o acúmulo de metais preciosos para a metrópole. “A colonização européia moderna aparece, assim, em primeiro lugar como um desdobramento da expansão puramente comercial” (NOVAIS, FERNANDO

A..

Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1608), São Paulo, Editora Hucitec, 1981, pág. 67.) A empresa colonizadora atendia a um caráter comercial de uma economia em franca expansão. A Europa rompia suas próprias fronteiras, integrando-se ao jogo de trocas do mercado mundial. Nesse contexto, coube às colônias a tarefa de produzir gêneros agrários tropicais, além do fornecimento de ouro, prata e pedras preciosas, que atendiam às próprias demandas de um mercado que se encontrava em franca expansão. E como garantir o controle sobre esse mercado? Como ter certeza de que as mercadorias chegariam ao seu destino final, a metrópole? Para garantir que seus objetivos fossem realizados, foi organizado um sistema econômico baseado no controle do mercado colonial por parte da metrôpole. Estruturado em torno de uma relação baseada no exclusivo comercial, o sistema colonial procurou garantir às metrópoles européias a possibilidade da acumulação de capital através do comércio colonial. moo garantiu que Colonial, Pacto chamado o ado organiz foi Assim,

nopólio metropolitano sobre o mercado colonial e tornou a existência econômica da colônia mero apêndice dos interesses metropolitanos. Segundo

as as práticas do Pacto Colonial, cabia à colônia produzir

comerÀ europeu. mercado no aceitação larga teriam que mercadorias os comeriários, intermed de cargo a ficava ias mercador dessas cialização através colônia a com comércio de direito o recebiam que ciantes reinóis, de régia concessão.

a entre l comercia ligação da o efetivaçã a reinóis Cabia aos comerciantes

colônia e os outros países, negociando os produtos coloniais € reven101

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

dendo-os com preço elevado no mercado europeu, além de vender mercadorias necessárias à sobrevivência da colônia, dentre as quais, panos, pólvora, armas, ferramentas. O comércio colonial tornou-se peça importante no processo de acu-

mulação de capital, permitindo à economia européia modernizar suas estruturas produtivas através do ingresso da máquina na produção. Logo,

deve ficar claro que a montagem do sistema colonial não pode ser dissociada das transformações socioeconômicas vivenciadas na Europa a partir da crise da sociedade feudal em sua passagem ao capitalismo. Embora vinculado ao mercado externo, o sistema colonial não se manifestou coeso em toda a América. À terminologia originada no século XIX, que distinguia colônias de exploração de colônias de povoamento, re-

presentou uma percepção de modelos coloniais diferenciados de colonização que marginalizavam as áreas sem efetivos atrativos ao processo de acumulação de capital. Nesse contexto, as colônias de exploração caracterizavam-se pelo clima tropical, que favoreceu o cultivo de produtos agrícolas não encontrados na Europa. Some-se também o predomínio de ricas regiões mineradoras de ouro € prata. As colônias de povoamento eram as encontradas em áreas de clima similar ao europeu, o que inviabilizou a estruturação de uma ativida-

de econômica que se enquadrasse no processo de acumulação de capital. Dentro desse quadro, a colonização portuguesa no Brasil caracterizouse pela montagem de um sistema baseado na atividade agro-exportado-

ra, sob rígido controle fiscal, em que pontificava a imposição de um mo-

nopólio sobre o mercado colonial.

2.2 . A EXPEDIÇÃO DE MARTIM AFONSO DE SOUSA E”

3 de dezembro de 1530, partiu de Lisboa uma expedi ção composta por cinco navios e cerca de quatrocentos homens, sob o comando de Martim Afonso de Sousa. A expediçã o tinha como missão:

Rai

do Brasil de norte a sul, avaliando as condições climáti-

cas, | O relevo e a existênc | ia de r1OS caudalosos que possibilitassem reservas

de água seg s; a analisar as Potencialidades ec caura utel onômicas da terra; e contatar as tribos indígenas, verificando Sua possível hostilidade

Além disso, a expedição tinha ordens de gara ntir o domínio português 102

E So o.

POR QUE A EMPRESA COLONIZADORA?

cos na es ues tug por não cos bar os do an ur pt ca e do en at mb co na região, ção edi exp ,a 31 15 de o eir jan de 31 em o, mpl exe por ta brasileira. Assim,

pau de ada reg car is qua das a um , sas nce fra s õe aç rc ba em capturou duas

nas das sta avi s nau s dua ras out te men ior ter pos o uid seg per brasil, tendo

). co bu am rn Pe ual (at o nh ti os Ag to San de bo Ca do proximidades

de so on Af im rt Ma de ção edi exp da or mai a ci ân rt po Entretanto, a im do ão zaç oni col a tiv efe a ela m co do cia ini se ter de o fat Sousa residiu no as m co a ad ar mp co se , ção edi exp ta des o açã Brasil. De fato, a diferenci etobj o óri rit ter do to en im ec nh co re o que de o fat anteriores, estava no poum de ão daç fun a a par o iad opr apr se fos vou encontrar um sítio que voado no Brasil. redeg de o íli aux el máv sti ine O m co tou con nso Afo Para isso, Martim mara tac des s ele re Ent o. eir sil bra l ora lit no os dados e náufragos encontrad que ia, ané Can de el har Bac O € , ru mu ra Ca o a, rei se Diogo Álvares Cor

eci onh rec no e ios índ Os m co o tat con no ção muito auxiliaram a expedi mento das potencialidades do território. que ião reg a um u ro nt co en nso Afo im rt Ma 2, 153 Em fevereiro de m, se as up oc a ns me ho s seu que o nd na de or , considerou segura e aprazível cedendo-lhes

o Sã de a ilh na a vil a um Fez e as nd ze fa m re ze fa a “terras par

rio um de a rd bo na ão rt se o pel ro nt de as gu lé ve no ra Vicente e out o ri iá “D S, PE LO RO PE , SA OU (S ” a. ng ni ti ra Pi a que se chamav a, ic or st Hi a nt me nu Mo na ta si Lu e en ic ul Pa in: , de Navegação” rPo te ne bi Ga al Re do ão aç ic bl Pu , oa sb Li ), 00 vol. 1 (1434-16 ) 3. 50 g. pá , 56 12 o, ir ne Ja de o Ri do a ur it Le de tuguês

. il as Br no s uê ug rt po to en am vo po de eo cl nú ro Assim foi fundado o primei

CAPÍTULO 3

M E G A T N O M A A R Í E R A C U Ç A A S DA EMPRE

32.1 . RAZÕES DETERMINANTES

das te an di ia ár ss ce ne -se fez s se ue ug rt po s lo pe do Brasil A a iv et ef a e nt me so e qu am úí gi ar e qu s se ce pressões de ingleses e fran

ra. ter à o it re di u se ia ir nt ra ga io ór it rr te no a lus presença ins o era s poi ca, íti pol o çã ta no co a um u mi Assim, ocupar o Brasil assu

. sil Bra do ra ter a e br so sa ue ug rt po e ss po a va ma ti gi trumento que le

viati a um de ão uç tr ns co à te an rt po im ser a ou Ao mesmo tempo, pass

s ro ad qu s do ro nt de a ni lô co da ão rç se in a se is it rm pe e qu a dade econômic

nme pi da io rc mé co do se cri da cio iní o m Co u. pe do mercantilismo euro

na rea ol nh pa es ia nc rê or nc co da o ut fr , as di Ín às ta que ligava Portugal

m va ja se de e qu os an lm çu mu os m co gião e dos constantes confrontos s va no ar sc bu o os ri pe im e -s ou rn to , ão gi re a e br so le ro o seu cont manter

s. no ta si lu os in ar am tr ul os ni mí do aos o nt ju a nd re de es font

iefe O iu rt su o nã ro ei il as br l ora lit do o ng lo ao ias tor A fundação de fei de

ão aç or rp co in a u to en es pr re o nã s poi s, uê ug rt po o in to desejado pelo re

ou lt su re m ne e s; io ga pa pa e il as br upa de io rc mé grandes lucros com o co sa. le ng -i co an fr ça bi co da te an di ra ter da e ss po da a ez rt ce a iv na efet

a”

4

s

|

P

0

q ano:

05

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Some-se o fato de as comunidades indígenas não representarem um

espaço capaz de garantir o fluxo de trocas mercantis devido à ausência de um significativo excedente produtivo, e encontramos a explicação para a necessidade de um projeto de povoação da colônia que avançasse a ocu-

pação através das feitorias.

Além disso, a dimensão do território brasileiro, sua variedade geográfica

e a generosidade da natureza, com grandes rios e imensas áreas favoráveis

ao plantio, estimulavam os interesses econômicos da coroa portuguesa,

Encontrar uma atividade econômica que atendesse aos interesses mer-

cantilistas passou a ser a opção portuguesa. A inexistência de jazidas de ouro e prata no litoral acabou por indicar a atividade agrícola como a de-

positária das expectativas da coroa portuguesa. Claro, seria necessário um produto que encontrasse larga aceitação no mercado euro peu e fosse va-

lorizado como mercadoria de troca. Foi a chance do açúcar. Mas por que o açúcar? A opção pelo emprego da lavo ura de cana-deaçúcar no Brasil colonial foi o resultado do soma tório de diversos fatores. Podemos destacar dois pontos importante s: + O prévio conhecimento lusitano acerca das técnicas utilizadas para o cultivo da cana em virtude de sua util ização nas ilhas atlânticas, isto é, Açores e Madeira: * O elevado valor do açúcar no mercado europeu. O produto era considerado uma especiaria, e o cultiv o em larga escala permitiu sua difusão pelo mercado europeu.

Para os donatários, O aç úcar tornou-se a o pção O lólóggiica e cedo eles compreenderam que E mi

106

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

“o açúcar era o único produto (pois lhes era vedado pelas suas car-

tas de concessão o comércio de pau-brasil) que podia atrair à terra colonos suficientes, ou produzir riqueza bastante para lá os con-

servar.” (SERRÃO, JOEL e MARQUES, A. H. DE OLIVEIRA,

Nova história da expansão portuguesa. O Império lnso-brasileiro. 1500-1620, coordenação de Johnson, Harold e Nizza da Silva,

Maria Beatriz, Lisboa, Editorial Estampa, 1992, Vol. 6, pág. 240.)

O litoral tornou-se a área propícia para a montagem da empresa açu-

careira devido ao fato de que a

“casta tinha todas as condições climatéricas e ambientais necessárias a uma indústria do açúcar florescente. Em primeiro lugar, em muitas localidades entre a Paraíba a norte e Santos ao sul, havia grandes extensões de terreno de barro vermelho negro conhecido por massapé, que era perfeito em nutrientes e em componentes para a cultura da cana. O solo era tão rico que os fertilizantes se tornavam desnecessários; a cana podia crescer

continuamente ano após ano.” (SERRÃO, JOEL e MARQUES,

A. H. DE OLIVEIRA, 0p. cit, págs. 240 e 241.)

Além disso, o litoral trazia uma importante vantagem geoestratégica que não podia ser desprezada: a “maior proximidade em relação ao continente

europeu e as vantagens do meio natural”. (BUARQUE

DE HOLANDA,

SÉRGIO (org.), op. cit. pág. 202.) A expansão de novas edificações urbanas, como, por exemplo, Salvador e Recife, somada à fixação de uma bu-

rocracia real na colônia, reforçando a defesa do território contra Os corsáros franceses e indígenas hostis, tornou-se um fator decisivo para O ingres-

so de portugueses dispostos a explorar a atividade açucareira.

No entanto, a expansão da lavoura açucareira no litoral brasileiro co-

brou um preço extremamente caro ao meio ambiente: a progressiva des-

truição da Mata Atlântica para dar lugar a novas áreas de cultivo, o que provocou desequilíbrio ambiental e resultou no desgaste prematuro do solo, além de implicar o lento deslocamento das tribos tupinambás para

PS

107

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

o sertão, em busca de terras e alimentos abundantes que Barantissem q sobrevivência de sua comunidade.

3.2 - O ENGENHO

(+

termo engenho refere-se diretamente ao

“maquinismo do engenho onde a cana-de-açúcar era moída, mas a palavra acabou por designar todo o complexo do engenh o

(caldeira, terras e construções) que hoje se poderia designar co mo

plantação, mas que nunca foi assim chamado no período colonial.”

(NIZZA DA SILVA, MARIA BEATRIZ (org.) , Dicionário da história da colonização portuguesa no Brasil, Lisboa, Editora

Verbo, 1994, pág. 291.)

Dessa forma, O engenho tornou-se o centro pulsante da vida social nas regiões marcadas pela lavoura açucareira, Nele conjugavam-se os três setores-chaves da economia colonial: a produç ão de cana, a fabricação do açucar € a ex

portação para o mercado europeu. Além disso, a montagem do en genho permitiu que os portugueses € seu E s descen É dentes ocupassem mi Itarmente a maior parte do litoral brasiEa so retudo O nordestino, Pois os senhores de engenho eram obrigaOs a construir fortificações e a fornecer armas para a defesa da colônia. So me-se

à ISSO O papel religioso, na me dida em que a capela do en genho tendia a se tornar um pólo de a mo tempo em que o senho r de en econômica do pároco.

TT

Fica claro, assim, o papel cial da vida colonial. O enge

108

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

“casa de caldeiras, com suas Fornalhas; casa de purgar, onde ce recolhe o açúcar nas Fôrmas; caixaria, onde se pesa e encaixa o açúcar, com quatro balcões ou grandes tabuleiros que, sobre rodas e trilhos, saem com o açúcar ao sol para secar; 0 sobradinho ou palanque, de onde o mestre do açúcar assiste e superintende o cozimento (...)” (FERLINI, VERA LÚCIA AMARAL, A civilização do açúcar. (Séculos XVI à XVIII), São Paulo, Editora Brasiliense, 1988, pág. 30.)

a pel ido mov era que , real o enh eng o o: enh eng de os tip s doi Existiam Os que s ore mai ões ens dim a suí pos e ent alm ger e rio um de a águ força da ee7ng o com ido hec con ém mb ta s, alo cav de ou bois de o outros; e o engenh os, rav esc dos a o sm me ou , mal ani ção tra da ça for a ava liz uti que nhoca, embora o deslocamento dos negros da lavoura para o engenho fosse considerado pouco produtivo. a par s, ente corr os enh eng os: enh eng os m ava ign des bém tam mos Outros ter os movidos a energia hidráulica; engenhos moentes, para OS movidos por tração os, enh eng os uen peq os a par , hes pic tra ou s oca enh eng e ; mal ani ou ana hum que se ocupavam principalmente da produção de aguardente e de rapadura. Um engenho real podia produzir cerca de dez mil arrobas de cana (145 toneladas), embora a média dos engenhos ficasse em mil e setecentas arrobas anuais. Claro que os custos para a produção de dez mil arrobas não eram pequenos. Dessa forma, a busca por maiores produções nos grandes engenhos reais demandava grande soma de investimentos de capitais, O que acabou limitando a expansão destes grandiosos complexos açucareiros. Frederic Mauro, em seu livro Portugal, le Brésil et VAilantique am XVIlême Siécle, calculou tais custos em 48.000 cruzados portugueses, soma considerável na época e que levou a coroa lusitana a incentivar Os proprietários de engenhos a procurar fontes de financiamento junto à banqueiros e comerciantes.

A contínua necessidade de capitais estreitou ainda mais os laços comer-

ciais entre Portugal e os mercadores holandeses, que passaram a financiar diretamente a construção dos engenhos, sendo que, em alguns casos, se

apresentaram como sócios do empreendimento, como no engenho de São Jorge dos Erasmos, fundado por Martim Afonso de Sousa em São

e.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Vicente. Além da participação flamenga, contavam-se investimentos Originários de cidades italianas e alemãs que, através de Portugal, procuravam

participar da empresa colonial no Novo Mundo, visando fortalecer seus ganhos monetários.

No geral, os engenhos eram localizados junto a um rio ou riacho navegável, permitindo de forma mais fácil e eficaz o transporte de materiais, além do embarque do açúcar até o porto, de onde era encaminhado para Portugal. Claro que a existência do curso d'água facilitava a construção dos engenhos correntes, ampliando a produtividade da lavoura açucarei ra.

Nos engenhos onde inexistiam cursos d'água navegáveis utilizavam-se

ça; O que era possível, mas menos eficiente e caro.” (SERRÃO,

E

JOEL e MARQUES, A. H. DE OLIVEIRA, op. cit., pág. 241.)

mn

“bois para mover o mó do engenho; e se este se localizasse longe de um curso de água, tudo tinha de ser transportado de carro-

“Os lavradores, pois, não constituíam grupo social qu e ombreasse com os senhores de engenho, mas uma gama variada de colonos, de diferentes condições econômicas e sociais: desd e

grandes proprietários, estes sim, bastante próx imos dos detento-

res de engenho, até roceiros e artesãos que se aventuravam nos negócios

do açúcar.” (FERLINI,

VERA

LÚCIA AMARAL,

“Pobres do açúcar: estrutura produtiva e relações de poder no Nordeste colonial”, 7: SZMERECSÁNYI , TAMÁS (org.), História econômica do período colonial , São Paulo, Editora HUCITEC, 1996, págs. 30 e 31.)

Os lavradores de cana ficavam obrigados à mo er sua s tarefas de cana no engenho do arrendador da terra, cons tit uindo a chamada cana-obrigada, além de um percentual pago após a moagem:

no



Estes não eram camponeses, mas sim arrendatários, que, detentores de alguns recursos, podiam participar do plantio de pequenos lotes de terras.

a

Na região açucareira também existiam os chamados lavradores da cana.

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

“o terço”, caso se tratasse de terra Fértil ou próxima ao engenho, ou o quarto”, quando tais condições não ocorriam.”

(FERLINI, VERA LÚCIA AMARAL, 0p. cit, pág. 32.)

Para os engenhos, os lavradores garantiam o suprimento de cana ne-

cessário para que fosse atingida a totalidade da sua capacidade de moa-

gem. Em um momento de escassez de recursos e de investimentos, os la-

vradores asseguravam ganhos aos senhores de engenhos, independen-

temente de sua própria capacidade produtiva. Em relação ao trabalho empregado no interior do engenho, conviviam tanto o trabalhador livre quanto o escravo, embora o segundo fosse reconhecidamente a maioria da mão-de-obra empregada pelo senhor de engenho. Mas o que significava ser um trabalhador livre no interior da sociedade açucareira? Para compreendermos o significado dessa categoria social, devemos lembrar a contraposição ao escravo. Um só poderia ser percebi-

do como livre na medida em que existissem trabalhadores compulsórios. No geral, o trabalhador livre era o que se vinculava a uma tarefa mais técnica, demandando maior grau de habilidade e dominando o seu ofício com um requinte desconhecido pelos escravos em uma tarefa indispensável ao fabrico do açúcar. Entretanto, com a solidificação da lavoura reira, essas tarefas foram lentamente alienadas dos trabalhadores de qualificação, passando a ingressar o domínio tecnológico do mundo genho, o que resultou na passagem do domínio destas técnicas para

açucamaior do enserem

executadas “por trabalhadores menos hábeis, com menor remuneração, ou

por escravos”. (FERLINI, VERA LÚCIA AMARAL, 02. cit., pág. 52.)

Destacavam-se as seguintes funções, também ocupadas no engenho

por homens livres: a) Feitor-mor — apresentava-se como uma espécie de gerente moderno ou capataz do engenho. Cabia a ele o controle sobre o conjunto de trabalhadores escravos ou livres vinculados ao processo produtivo. Suas tarefas tornavam-se imprescindíveis durante o período da saíra, pois era ele quem verificava as ferramentas e apetrechos, orientava os lavradores, cuidava do transporte da cana e controlava a disciplina dos escravos, en-

tre outras tarefas. A crise que marcou a lavoura açucareira após o século

Mi

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

XVIII refletiu-se diretamente em seus ganhos, resultando numa acentua-

da diminuição dos valores pagos pelo proprietário rural. Assim, o seu So lário variou de “110.000 réis, na primeira metade do século XVII, a

60.000 réis no século XVIII”. (FERLINI, VERA LUCIA AMARAL, op. cit, pág. 52);

b) Caixeiro do engenho (ou da cidade) — era o agente comercial do se-

nhor de engenho na área urbana. Recebia o açúcar em caixotes e providenciava O seu armazenamento no cais do porto. Além disso, tratava da venda e do embarque do açúcar a Lisboa. Sua remuneração oscilava en-

tre 28 mil e 90 mil réis;

c) Cobrador de rendas cobrava a moagem de cana-obrigada junto aos

lavradores, além das rendas devidas pelos arrendatários. Ganhava cerca de 40 mil réis por ano; d) Mestre-do-açúcar — assumia o papel de um engenheiro de produção, sendo o cargo de maior especialização entre os trabalhadores do engenho. Comandava a totalidade dos processos técnicos empregados para a feitura do açúcar, pois cabia-lhe o controle do funcionamento da cozinha, impedia o cozimento excessivo e evitava o azedamento do caldo, entre outras tarefas. Sua remuneração, assim como a do feitor-mor, variava entre 170 mil e 120 mil réis ao longo dos séculos XVII e XVIII. Além desses, também eram trabalhadores livres os purgadores (que clarificavam O açúcar), os barqueiros, os levadeiros (controlavam a força d'água e a moenda), o escrivão, O solicitador (procurador do engenho nas

questões relativas à posse ou conflitos jurídicos com os lavradores), O ct

rurgião, O caldeireiro de escumar (limpava o caldo durante o processo de

decoada) e O banqueiro (auxiliar direto do mestre, que o substituía na su-

pervisão noturna do trabalho). Apesar da diversidade de funções desempenhadas por homens livres, à produção açucareira dependia do trabalhador escr avo. Não sem razão, Antonil, em 1711, afirma, em sua obra se tornou posteriormente um que clássico, Cultura e opulência do Brasil, que os “escravos são as mãos € OS pés do senhor de engenho, porque se m eles no Brasil não é possível fazer, E

ANDRE JOÃO,

,

engenho corrente”. (ANTONIL,

Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas, São Paulo, EDUSP e Editora Itatiaia, 1982. ná

TZ

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

ra. Atuavam em todo o processo de produção e organização do engenho

e da lavoura. O engenho representou um dos primeiros espaços da pro-

dução, caracterizando-se pela divisão de tarefas com os trabalhadores or-

ganizados em seu interior de acordo as demandas do processo produtivo e efetuando atividades repetitivas e contínuas em uma sequência de insa-

cueto obj o mer um em avos escr os ava orm nsf tra que e, dad aci ciável vor a. físic e dad aci cap sua de aste desg O com va ota esg se r jo valo

Apesar do nítido empobrecimento produtivo com o emprego de escrade rva rese vel erá sid con uma de or disp uiu seg con ra arei açuc a our vos, a lav em e idad ativ uma de as and dem uas tín con às dia aten que ra, -ob -de mão

no rir inse se por bou aca ro rei neg ico tráf O po, tem mo mes Ao expansão. contexto de acúmulo de capitais no interior da economia européia.

3.3 . A MÃO-DE-OBRA ESCRAVA

A) AS ORIGENS DA ESCRAVIDÃO NA HISTÓRIA escravidão foi conhecida pela maioria dos povos e culturas do mun-

pai

Originalmente, representou a necessidade do emprego de uma

mão-de-obra complementar, que aumentasse a produtividade lho familiar e doméstico. No entanto, o escravo passou a ser empregado em todos os economia, representando, ao ser utilizado pelo proprietário, um nor que o de qualquer outra mão-de-obra similar disponível. uma significativa instituição econômica e histórica, a escravidão tou o reconhecimento da

do traba-

setores da custo meEnquanto represen-

“Falta de laços com a família, os parentes e a comunidade que Finalmente distinguiram os escravos de todos os outros trabalhadores.” (KLEIN, HERBERT S., 4 Escravidão africana. América

Latina e Caribe, São Paulo, Editora Brasiliense, 1987, pág. 12.)

Essa realidade implicou dizer que os escravos eram elementos não-in-

tegrados à comunidade e totalmente dependentes das vontades e desejos de seus proprietários.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

O período medieval assistiu à redução progressiva do número de escravos na Europa cristã ocidental. O uso de escravos ficou relegado ao trabalho do-

méstico, pois no campo empregou-se cada vez mais a mão-de-obra servil. No correr dos séculos X-XI, ocorreu novo incremento no comércio de escravos, utilizando-se principalmente os eslavos, que eram capturados e

negociados pelos muçulmanos. Aliás, a difusão da escravidão de eslavos foi a responsável pela formação da palavra escravo, que derivou do uso

indiscriminado do termo slave, que tanto designava eslavo como escravo. Ao mesmo tempo, os muçulmanos haviam incorporado o norte da África aos seus domínios no século VIII, o que implicou o controle do

lucrativo e ancestral comércio de escravos, que eram levados do centro-

sul do continente ao norte mediterrânico em caravanas. Esse comércio,

ativo desde os tempos pré-romanos, acabou sendo controlado por mercadores muçulmanos, que deslocavam caravanas para a Península Arábica e portos no litoral oriental do oceano Índico. À conquista muçulmana do Mediterrâneo europeu manteve a escravidão como uma atividade significativa, principalmente na Espanha, onde

Os escravos eram utilizados nas manufaturas e na própria agricultura. O mundo muçulmano passou a controlar e direcionar para o atendimento de suas necessidades o tráfico caravaneiro no território africano, transpor tando escravos negros do interior para o litoral mediterrânic o e daí para as suas possessões ibéricas. O avanço português pelo litoral aí ricano a partir do sécu lo XV representou um importante marco para o comércio escravista de negros. O

início do cultivo de cana-de-açúcar nas ilhas da Madeira e de São Tomé (litoral africano) permitiu o afluxo de escravos que anteri ormente se dirigiam para as ilhas mediterrânicas, o que representou o ingresso port uguês nesse lucrativo comércio. Foi justamente a experiência das ilhas que motivou Portugal a iniciar a plantação de

açúcar no litoral brasileir O. Além disso, os portugueses já se encontravam firmemente estabel ecidos no tráfico negreiro, competingro para designar trabalhadores de xemplo, negros da terra, que designav a OS Portugueses, desde a Idad e Média, 4

E

O peso do trabalho escravo de africanos nos territórios portugu eses pode ser medido pelo uso do vocábulo ne

a

do com os rivais muçulmanos.

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

“a palavra 'negro' tornara-se quase um sinônimo de escravo,

e com certeza no século XVI ainda tinha implicações de servilismo.” (SGCHUARTZ, STUART B., op. cit, pág. 57.)

B) O INÍCIO DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL:

O EMPREGO DA MÃO-DE-OBRA INDÍGENA grupo social utilizado pelos portugueses como escravo foi o das comunidades indígenas encontradas no Brasil. A lógica inio cust o e al, litor ao o junt dos liza loca vam esta os índi os les: era simp cial era pequeno, se comparado ao trabalhador originário de Portugal ou mesmo o escravo negro, enfim, uma solução simples no contexto do projeto colonizador português. A opção pela mão-de-obra escrava se inseria nos quadros do antigo ststema colonial, em que

(O

“as atividades produtivas não resistiriam ao assalariamento, pois os custos seriam muito altos e impediriam a exploração colonial. Sem contar com a mão-de-obra livre, os colonos produziriam para o seu consumo, aniquilando as potencialidades de um comércio internacional.” (RAMINELLI, RONALD, op. cit, pág. 14). No entanto, rapidamente ocorreu um declínio no emprego do trabalha-

dor indígena. Quais as razões para tal fato? Ao utilizarem escravos índios no trabalho da lavoura canavieira, os proprietários portugueses passaram à contar com a ferrenha oposição dos jesuítas, empenhados em catequizar OS nativos, associados à virtude e à sinceridade ausentes nos colonos.

O ingresso do escravo africano em detrimento do indígena não ocor-

reu só pela resistência jesuítica. Esta nova realidade também atendeu a outros interesses. O tráfico negreiro representava um aumento dos lucros da coroa junto ao comércio colonial. Melhor dizendo, o tráfico assegu-

rava a segmentos da burguesia a possibilidade de ampliar os espaços da acumulação de capital, pois

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“o apresamento de indígenas era um negócio interno da Cola.

nia. Os ganhos provenientes desta atividade permaneceriam com os colonos. (RAMINELLI, RONALD, op. cit., pág. 15.)

Além disso, a dificuldade de captura dos índios no interior e a brutal

diminuição da população indígena, como resultado direto dos maus-tra.

tos, da fome, da violência e da própria escravidão, criaram dificuldades para a continuidade do uso de índios em um setor em franca Exp ansão e necessitado de grande demanda de trabalhadores.

A chegada do europeu às Américas foi também acompanhada do in-

gresso de patógenos, germes capacitados a produzir doenças até então desconhecidas na região, e sobre as quais os nativos não possuíam resistência natural. Nesse ambiente, o Novo Mundo, os patógenos se reproduziam a uma taxa superior à de seus hospedeiros europeus, assumi ndo proporções catastróficas. A rapidez da propagação das doenças e o percentual quase absoluto de mortalidade que provocaram levaram historiadores ligados ao estudo do meio ambiente a afirmar que

“Foram os germes — e não os imperialistas em si, a despeito

de toda a sua Ferocidade e desumanidade — os principais responsáveis pela devastação dos indígenas e pela abertu ra das

Neo-Europas à dominação demográfica.” (CROSBY, ALFRED W.; O imperialismo ecológico. A expansão biológica da Europa: 900-1900, São Paulo, Cia. das Letras, 1993, pág. 175.)

m dizimidas com as epidemias de varíola que afe-

taram Salvador (1561-1563) e São Vicente (1565 e 1599). As brutais condições de vida a que foram subm etidas as populações indígenas, e pos teriormente os negros, favoreceram à propagação da praga nesses grupos.

To

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

C) A ESCRAVIDÃO AFRICANA demanda contínua de braços para as atividades econômicas, em especial a lavoura açucareira, somada à redução demográfica da potráfi do rota da nto ame loc des o r rece favo por bou aca , gena indí ção pula co de negros africanos para o território brasileiro. amAo mesmo tempo, o tráfico revelou-se importante fonte de lucros,

pliando o interesse por sua continuidade. Pode-se afirmar que

“ontre 1502 e 1860, mais de 9 milhões e meio de africanos se6 o com ra Figu il Bras o e as, ric Amé as a par s ado ort nsp rão tra maior importador de homens pretos. O século XVIII detém o recorde de importação: as Américas coloniais fizeram vir a elas 6 milhões e 200 mil escravos durante esse período (...).” (MAT-

São il, Bras no o rav esc Ser S, RÓ EI QU DE A TI KÁ , SO TO Paulo, Editora Brasiliense, 1990, pág. 19.)

Podemos afirmar que, após o século XVIII, acentuou-se a participação m ava ort nsp Ira . eiro negr ico tráf no ra ilei bras de eda pri pro de cos de bar tabaco e cachaça produzidos no Brasil para a compra de negros, retornando diretamente aos portos brasileiros. No caso brasileiro, o traficante foi um agente do comércio local e dispunha de quantias que movimentavam O mercado interno colonial,

o que representou um fortalecimento da iniciativa privada e a formação de uma brecha dentro de um contexto de economia monopolizada pe-

la coroa. A empresa privada garantiu ao tráfico maior autonomia € fle-

xibilidade que

“nermitirão sobretudo o estabelecimento de uma corrente co-

mercial direta entre Brasil e África, escapando dessa maneira ao esquema clássico do comércio triangular praticado pelos outros

países colonizadores e suprimindo-lhe a etapa européia. (MAT-

TOSO, KÁTIA DE QUEIRÓS, op. cit., pág. 32.)

/

x

17

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Os principais portos de comércio de negros na Africa sob 0 controle português foram Cabinda, Benguela e Luanda. Inicialmente os porty. gueses fixaram-se no litoral, negociando com os próprios africanos à aquisição de novos escravos.

Em Angola, ao longo do século XVII, Portugal iniciou a estruturação de uma organização centralizada em torno de um núcleo urbano, São Paulo de Luanda, o que a diferenciou das demais regiões afetadas pelo tráfico de escravos sob controle europeu, onde imperou o estabelecimento de feitorias que intermediavam com as lideranças locais o suprimento regular de negros interioranos para o comércio negreiro. O crescimento do comércio negreiro para as Américas alterou profun-

damente o continente africano. Além da sangria de milhões de pessoas

embarcadas à força para a América, assistiu-se à eclosão de cruentas guerras internas que tinham como objetivo central a escravização dos vencidos e a posterior venda dos mesmos aos comerciantes do litoral. O historiador Jaime Pinsky, após analisar diversos estudos sobre o tráfico negreiro para o Brasil, apontou os seguintes dados estatísticos:

negros

apresados

mortos

mortos nos | mortos no a

mortos na

primeiros | porto de seis meses | embarque

8.330.000 | 3.300.000 |

travessia

r

os quai o

primeiros anos de

[sobreviventes

Brasil

600.000

2.000.000 | 2.000.000

Fonte: PINSKY, JAIME, À escravidão no Brasil, São Paulo, Editora Contexto, 1988, pág. 28.

prioridade para o tráfico negreiro.

|

Embarcados no litoral africano nos chamados navios negreiros, OS escra-

vos iniciavam um cotidiano de violência e humilhações, ve rdadeira antecipação do que seria imposto pelo colonizador. Em uma viagem que dur cerca de 35 dias, de Angola até Pernambuco, o negro encontrava-se acoava r-

==

"8

-—

= ==

Doo

rentado em um minúsculo porão, sujo pelos dejetos, co mprimido em nau-

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

até ou ) uês tug por tim gan ber um (em os ent duz ros out m co r odo do seabun

. io) nav nde gra um em s ado arc emb sem fos so (ca ros neg s setecento

nas uma sub ões diç con das nte dia ade lid rea uma foi a vad ele de ida tal mor A em , que se taedi Acr ro. rei neg io nav do or eri int no os rav esc vividas pelos ões por nos s ado nto amo os rav esc de al tot do 20% de ca cer m ria média, mor

tum mo co s ido hec con m ara fic s, ice índ os alt tes des dos navios que, diante

que de ção cep per a a seri a tiv ima est a est a orç ref que os peiros. Um dos dad “ma taxa de mortalidade superior à média de 20% levaria 2 pro com am ari fic s to en im nd ee pr em dos ros luc os que admitir

DE A TI KÁ , SO TO AT (M s.” gen via das a ori mai metidos na QUEIRÓS, op. cit, pág. 48.)

s ulo séc dos go lon ao ros neg de e qu ar mb se de de Os principais portos

de Rio e s Luí São ém, Bel or, vad Sal , ife Rec de os am for XVI e XVII

dente ame tiv efe que s iõe reg em os zad ali loc ão est tos Janeiro. Esses por omia on ec a um rir sup a par os rav esc de uso do de ida ess nec à am av mand vinculada ao mercado externo.

deransi (co a eri ent dis a ho, bal tra de ga car ada pes a ão, taç men ali má A

ban o e s) lto adu os rav esc os re ent de ida tal mor de nte age pal nci pri o da

O e ica Áfr à re ent sia ves tra a e ant dur só não os rav esc zo (que afetava os

Brasil) explicam uma expectativa de vida em torno de dez anos para O €scravo que realizasse os trabalhos mais pesados. Os escravos nascidos em cativeiro chegavam aos 23 anos de idade, que, nati es est s poi , res liv ns me ho dos à a elh par a av nh mi ca xa, bai de apesar O to an qu en s, ano 27 dos xa fai a , XIX ulo séc do al fin do ta vol por m, gia

branco norte-americano já alcançava a expectativa dos quarenta anos des-

de cerca de 1850. est das ia méd à dia pon res cor il ant inf de ida tal mor de a tax a pri pró A mativas das crianças escravas no Brasil, em que, no século XIX,

“um terço de todas as crianças do sexo masculino morria antes de chegar a um ano, e pouco menos da metade morria antes dos cinco.” (KLEIN, HERBERT S., op. cit., pág. 179.)

-

< mia

9

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

As regiões econômicas sob domínio francês, holandês e inglés foram

caracterizadas por uma política de miscigenação entre os negros africanos, visando impedir uma maior articulação política que resultasse em rebeliões, além da obrigatoriedade de adotar a língua dos brancos para se

comunicarem entre si. À saída encontrada pelos escravos para preservar mínimos mecanismos culturais distintos do mundo dos proprietários brancos foi a formação dos dialetos crioulos. Era um amálgama lingiístico que incorporava expressões das diferentes comunidades africanas, indígenas e dos brancos, e se tornou a linguagem da comunicação entre os escravos, além de ser ininteligível para a aristocracia branca. O ingresso de escravos angolanos trazidos pelos portugueses para 0 mercado brasileiro, caracterizando maior aproximação na identidade tribal e o papel de catequese assumido pela Igreja na colônia, resultou no uso do português como língua corrente no Brasil por parte dos escravos e em maior integração cultural junto ao colonizador lusitano. A catequese tornou-se importante elemento para a manutenção da ordem escravocrata, pois visava, através da obediência à doutrina cristã,

(VAINFAS, RONALDO, 1 deologia e escravidão. Os letrados e & sociedade escravista no Brasil Colonial, Petropólis, Editora Vozes, 1986, pág. 114.)

No entanto, surgiu entre os escravos um forte sincretism o religioso, que acomodou crenças e rituais de origem africana, tais como o acotun-

dá e O candomblé, aos santos católicos, e que no período pós-abol ição

pôde se desenvolver livre da clandestinidade e de maiores perseguições,

as coloniais. No Brasil, em contra-

posição ao sul dos atuais Estados Un idos, havia maior interesse por €5cravos homens, o que implicou um r eduzido número de famí lias negras 120

e

preservar a hierarquia entre brancos e negros, mas canalizar os conflitos para o interior da “Família crista" sob o arbítrio divino.”

SS

“manter as relações de dominação entre senhores e escravos,

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

a par ns me ho tos mui am sti exi al, ger Em . ais constituídas nas áreas rur madas. for as íli fam as cas pou am er o iss por , es er lh mu cas pou das tuí sti con as íli fam das te par or mai à que se uto ta ns co so, Além dis

daali nat a o, ant ret Ent . iro ive cat no os cid nas os rav esc era organizada por nos te en lm pa ci in pr a, vad ele il ant inf e ad id al rt de continuou baixa e a mo cinco primeiros anos de vida.

rural, or set no te en lm pa ci in pr os cad alo am for sil Bra no os Os escrav viser no e car açú do ão uç od pr da pas eta as as onde trabalhavam em tod ram mi su as os rav esc os s, ana urb as áre Nas de. ran a-g ço doméstico da cas

, es or ed nd ve mo co io rc mé co no e nt me ta re di tarefas domésticas, atuando . ais oni col tos por nos es dor iva est e s ro ei nh ri ou mesmo como ma gade os rav esc dos ão aç rm fo a ém mb ta u re or Nos centros urbanos oc um de o nt me ga pa o te an di me s, rio etá pri pro s seu de hos, que recebiam mo co , rua na a pri pró ta con por har bal tra a par ão zaç ori salário diário, aut elh mu as e , es nt la bu am es or ed nd ve ou s iro ate sap alfaiates, carpinteiros, res muitas vezes como prostitutas. esdo a foi al oni col sil Bra no ho bal tra de ça for pal nci Na prática, a pri uod pr a tem sis ao o ad or rp co in no, ica afr o gr ne cravo, principalmente do tivo colonial mediante o emprego da violência.

3.4 . A RESISTÊNCIA NEGRA E AD ID AL RE GA AR AM A E AS IR NT ME S CE DO AS A)

nedo ção iza rav esc a pel ão opç a r nta ese apr am um st co s ore aut uitos do an nt me gu ar io índ do io sór pul com ho bal tra ao gro em substituição

ser o negro mais dócil. Afirmam inclusive que o índio resistia de todas as maa em nd fe de a, tid par tra con Em . har bal tra a va usa rec se ia, fug , ava lut : ras nei saman va ita ace il, dóc e o ad od om ac s mai va tra mos se ro neg o que idéia de a sustentar mente a sua condição de escravo. Esses autores chegam mesmo

os rat s-t mau a ebi rec não o rav esc o que , sil Bra no o idã rav esc a e que era doc

roco , dos ica apl do an qu os, tig cas os que m ra ve se As do proprietário branco.

em m ita hes o Nã ro. neg o rav esc do o nt me ta or mp co u ma do riam em função

a sav pen dis os rav esc de s rio etá pri pro dos a ori mai a que de difundir a idéia

bom tratamento aos negros e de que constituíam exceção Os brancos responsáveis pelas severas punições eventualmente impostas àos escravos.

2

tai =

. 1

4.

É

Es LE

Wo

F

ã

*

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Essas e outras afirmativas semelhantes são falsas. Representam, de fato

mentiras apresentadas como verdades pela história oficial. Representam

concepções embasadoras da idéia da democracia racial, um dos Mitos mais

arraigados no ensino da história do Brasil. Na realidade, o negro escravizado lutou desde o início para libertar seu

corpo da violência a que era submetido. Muitas vezes recorria até mes.

mo ao suicídio para se libertar. Preso a grilhões de ferro, jJogava-se ao

mar, morrendo afogado, mas livrando-se do sofrimento de ser arrancado

da sua terra, separado da sua comunidade e dos horrores da escravidão.

severa vigilância e frequentes castigos, a resistência esteve sempre presente. Tanto isso é verdade que uma Ordem Régia, de 7 de fevereiro de 1740, enquadrava como quilombo o agrupamento de cinco ou mais negros reunidos em uma floresta ou mata. Aliás, a palavra quilombo é de origem africana e significa povoado. Menos comum é a denominação de mocambo para designar esses povoados de negros fugitivos. A fuga era uma das expressões mais comuns da revolta dos negros. Geralmente ocorria à noite, quando, individualmente ou em pequenos Srupos, os negros escapavam dos engenhos, das fazendas ou dos locais

onde eram tratados como animais. O fugitivo, ou fugitivos, procurava se internar pelas matas. Por vezes, fugia para cidades distantes, onde tinha

a possibilidade de viver como liberto.

Caso fosse capturado, era submetido à bárbaros castigos. Poderia re-

ceber bolos de palmatória ou ser açoitado com o bacalhau, um chicot e de couro com tiras finas, que cortavam à pele. Em muitos casos, o casti-

80 era agravado pelo uso de sal ou vinagre derramado sobre os lanhos

abertos pelo bacalhau. Por vezes, o castigo implicava a utilização de anjinhos. Estes eram anéis de ferro que aper

tavam os dedos mediante o emprego de chaves de pa rafuso.

Máscaras de ferro ou de couro também eram usad as. Cobriam todo O rosto da vítima,

+0 bronco, instrumento de madeira onde o escravo fi cava preso pelos pés ou pelo pescoço;

122

O

Ainda que trazidos para uma terra por eles desconhecida, submetidos a

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

es vez às do ten s, elo noz tor nos das oca col ro fer de tes ren , as peias, cor

pesadas bolas de ferro;

s; elo noz tor nos tas pos ro fer de s ola arg s ada pes as, , as calcet o; coç pes ao sa pre ro fer de a eir col ra, hei , a gangal

o escravo a ndi pre se l qua à te, pos um em a ad eg pr «a golilha, argola

pelo pescoço; enoz tor e s lho joe os re ent do oca col pau de ço , O pau-de-arara, peda

entre do oca col € ado ant lev era a, uid seg em os; los, amarrados € flexionad xo; bai a par eça cab m co e sa pen sus ima dois suportes, o que deixava a vít

; NA JO FU ou O JÃ FU lia se de on to, pei , a placa de ferro no ão. fuj de F, ra let à to ros no car mar a par . O ferro em brasa

os e qu e rt fo o tã a er e ad rd be li à or am O Apesar de todos esses castigos,

re, os ad er sp se de s, ze ve Às a. lt vo re a su a negros escravos não diminuíam opr O ou or it fe O r ta ma em m va ta si he corriam ao suicídio. Ou então não . os ond la ha un ap ou os ond na ne ve en o, prietári

A NG JA A L O G N A A , ES AR LM PA . S O B M B) OS QUILO IH

ni pu 2 , em ss sa as ac ir Se m. mu co is ma a rm fo a as à fuga constituía do ou ho extraí ol um r Te s. do ra st ca ser am di Po l. ue cr ção era mais

de , ha el or a um de z, ri na do o nt me pa vazado a ferro. Ou, ainda, o dece uma das mãos ou de um dos pés. iltomqu s no am vi vi e qu , os tr ou a e -s am av nt ju o, ss ce Caso tivessem su iav cr es a r: io ma a ci ên ol vi da res liv s bo om il qu de bos. Houve centenas ro de ei im pr O . ia or ad rc me s le mp si de ão iç nd co à dão, que os reduzia : 75 15 em a, hi Ba na u ti is ex as ci tí no m te se e qu de a ni ta pi ca na o ad tu si , es ar lm Pa de o é No entanto, o mais conhecido

inicial foi eo cl nú u Se s. oa ag Al de do ta es l ua at do as rr te Pernambuco, em nie or a ad ap ch na ta ma a ra pa m ra gi fu e qu os gr ne formado por quarenta

ipl ex o çã na mi no de ta Es . es ar lm Pa de ão gi re tal da serra da Barriga, na a ou eg Ch s. ra ei lm pa de ia nc dâ un ab de an gr ea ár ca-se porque existia na

gra € ne ão id av cr es à o çã ta es nt co ra cla em s oa ss pe l mi 31 reunir de 20 a ao sistema colonial existente. que, desde o final consideram Filho, Alves Ivan como autores, Diversos es. mar Pal de ião Reg na -se vam tra cen con es eld reb os rav esc do século XVI,

123

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“(...) um refúgio ideal, de uma espécie de fortaleza defendida pela mata e pelas montanhas. À caça, a pesca, os frutos, plantas e raízes garantiam a sobrevivência do grupo, que lançava de tem. pos em tempos destacamentos contra os engenhos próximos em busca de armas e instrumentos de trabalho. E esse “Ninho de

Águias, para retomar a expressão do grande poeta Castro Alves,

Foi se tornando um pólo de atração e ponto de referência para os escravos das plantações em uma área muito extensa.” (ALVES FILHO, IVAN, Memorial dos Palmares, Xenon Editora e Pro-

dutora Cultural Ltda., Rio de Janeiro, 1988.)

bo de Palmares, os historiadores concordam quanto ao número inicial dos organizadores do núcleo libertário e quanto 20 local onde se estabeleceram. Com o aumento da população palmarina, a partir de 1630, a agr icultura tornou-se a principal atividade econômica dos quilombos. Planta vase milho, feijão preto, mandioca, batata-doce, cana-de-açúcar e legume s.

À propriedade da terra era coletiva, assim como os instrumentos de trabalho, as oficinas artesanais e as casas.

“Somente no Final da existência do Qu lombo, quando se desarticularam seus sistemas militar e produt ivo, os palmarinos se voltaram

novamente

para a economia

extrativa e de subsistência.

(ALVES FILHO, IVAN, op. Cit. , pág. 13.)

Havia ainda o plantio de árvores frutíferas, a caça, a pesca e a metalurgia do ferro. Esta permitia a produção de utensílios domésticos, facões do mato, martelos, foices e outros objetos, 124

a e

cerca de quarenta escravos buscaram a liberdade, internando-se nas matas, e foram viver na região dos Palmares. Ainda que existam controvérsias a respeito da data do início do quilom-

ai

de escravos. Aproveitando-se do caos provocado pelo ataque holandês,



Em diversos documentos da época, existem referências ao desenvolvimento do quilombo de Palmares, desafiando as autoridades coloniais e as relações escravistas de produção. Muitos historiadores consideram, no entanto, que a invasão holandesa, em 1630, criou condições para a fug a

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

“A produção se destinava fundamentalmente ao consumo da a da iga obr ava est a íli fam a ess po, tem o sm me ao , mas a, íli Fam odep nte ede exc um e, dad uni com a com o, amb moc entregar ao se nte ede exc O la. ade cid da tro cen no o uad sit l paio em citado improduaos e os ret -di não s ore dut pro dos to ten sus ao destinava ancri os, viç ser de es dor sta pre s, iro rre gue fes che tivos em geral:

atin des nte ede exc um da, ain se, iaduz Pro s. nte doe , ças, velhos

erext s que ata , gas pra as, sec o com as, nci rgê eme do a acudir os, rav esc dos rra gue a es, mar Pal O, CI DÉ , nos.” (FREITAS ) 37. . pág 4, 198 , gre Ale to Por , rto Abe Mercado

ocavam tr te en em nt ue eq fr os in ar lm pa os e qu de s Existem informaçõe sal s, do ci te as, bal s, ma ar mo co , os ut od pr os tr Ou parte dos excedentes por s jo re ga lu de s re do ra mo os m co se aav iz al e pólvora. Esse intercâmbio re e engenhos próximos a Palmares. rerep de s te en ci ns co s ma , do me do s te en rr Tendo rompido com as co rmas no s ida ríg m ra ce le be ta es , ais oni col ões uiç tit ins das sentarem a negação lté adu o o, ub ro o , ão rç se de à o, içã tra a o, di cí mi de comportamento. O ho ões aç vo po 11 s Sua e. rt mo de na pe a m co s do ni pu am er o rio e o estupr fase da saí ou a ad tr en A . as lh di ma ar e sos fos , das iça eram cercadas por pal

is. dea car os nt po os o nd gu se s do za li ca lo s õe rt po ro zia unicamente por quat da ni mu co as , ão ns te ex de s ro et ôm il qu 0 36 de ca cer Em uma área de enh co m ra ca fi s õe aç vo po as Ess s. õe aç vo po 11 nas am des palmarinas vivi . fes che s, ei ív um es pr ou s, vo ti ec sp re s seu de me no o pel cidas “Esquematicamente (...) estariam assim organizados:

a) Macaco, centro político e administrativo, b) Subupira, campo de treinamento militar;

bi, Zum s, oca Tab , ene tir Ace , une alt Aqu e, tud qui ala c) Amaro, And

de s ma no tô au es dad uni s re no me ras out e ga an ag br Osenga, Dani .) 75 g. pá . cit op. , AN IV O, LH FI ES produção.” (ALV

bus que os rav esc s igo ant , ros neg de era a ori mai a , ões oaç Nessas pov

s. ano hum es ser mo co ade nid dig sua da ta uis onq rec a e ade erd cavam a lib

1% | A

a E

MP

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Também havia muitos não negros: índios, mulatos e mamelucos. Os do-

cumentos indicam ainda a presença de muitos brancos. Era um verdadei ro núcleo de deserdados da sociedade colonial. Qual a origem desses brancos? A mais diversa possível! Havia antigos sesmeiros que se sentiam sufocados pelos efeitos da concentração de propriedade rural. Sol dados que desertavam durante as guerras contra os holandes es ou contra Palmares, a Angola Janga, ou Nova Angola, no dizer das autoridades coloniais quando se referiam ao local onde viviam os mimigos de de ntro. Que organização política existia em Palmares? Para alguns historiadores, uma república. Outros afirmam ser um reino. Concordam os historiadores que o principal dirigente palmarino era eleito pelos chefes dos diversos quilombos. Era o maioral de todos os palmarinos. Era o Ganga Zumba, título qu e significa grande senhor ou grande chefe. Foi ele a que os portugueses chamaram de rei.

4.) a este têm por seu Rei e senhor de todos os mais, assim naturais dos Palmares, como vindos de Fora; te m palácio, casas da sua Família, é assistido de guardas e oficia is que costumam ter nas casas reais. E tratado com todos os re speitos de Rei e com todas as honras de senhor. Os que ch egam à sua presença põem os joelhos no chão (...).” ( Relação das guerras feitas nos Palmares de Pernambuco no tempo de govern ador D. Pedro de Almeida, de 1675 à 1678. Citado por CARNEI RO, EDISON, in O Quilombo de Palmares, Comp anhia Editor a Nacional, São Paulo, 1988.)

usavam armamentos diversos:

lanças, arco S, flecha s, armas de fogo. Como tática, utilizavam a guerrilha e consta ntes incu

rsões aos engenhos e povoa-

126

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

dos vizinhos. Nestas incursões, realizavam pilhagens, carregando animais, víveres, armas, pólvora, fumo... ou então raptavam, aliciavam, seguestravam ou libertavam escravos das redondezas.

Em caso de emergência, todos os homens válidos participavam da luta. “Folga negro Branco não vem cá

Se vié O diabo há de levar

Folga negro

Branco não vem cá Se ele vié Pau há de levá.” (Do folclore alagoano. Citado por FREITAS, DÉCIO, op. cit. pág. 27.) s, çõe edi exp duas am iar env es dad ori aut as o, Filh s Alve Ivan o und Seg entre 1596 e 1630; mais quatro, no período de 1631 a 1654; 31, de 1665 a 1694; e, finalmente, 29, de 1695 a 1716.

Como se vê, foi uma guerra sem quartel contra o núcleo de resistência negra e de negação das estruturas coloniais existentes. Até mesmo os holandeses, durante o governo do conde João Maurício de Nassau, organizaram duas expedições contra os palmarinos, comandadas pelo capitão Rodolfo Baro — a primeira — e pelo capitão João

Blaer, a segunda. Após a expulsão dos holandeses do Nordeste, a coroa portuguesa intensificou os ataques a Palmares. Distribuiu títulos, forneceu dinheiro, organizou regimentos, ofereceu riquezas, prometeu prêmios diversos, criou Os capitães-

do-mato ou capitães das entradas, contratou bandeirantes vicentinos. Em 1677, Fernão Carrilho chegou a afirmar que sua incursão pusera

fim a Palmares. Era uma afirmativa incorreta, mas muitos haviam sido

aprisionados ou mortos, Ganga Zumba sofrera ferimentos e mocambos haviam sido destruídos. Já no ano de 1678, Ganga Zumba aceitou negociar com as autorida-

des coloniais: todos os que se rendessem e tivessem nascido em Palmares teriam liberdade, terras e direitos.

x

ar

abjá ta

127

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Contra esse posicionamento, levantou-se forte oposição liderada por Zumbi, que se decidiu a manter viva a resistência neg ra. Ganga Zumba

foi deposto e, pouco depois, morreu envenenado. Verdadeira lut a fratricida ocorreu entre os partidários de Zumbi, também conhecido como Zambi, e O reduzido : grupo de fiéis de Ganga Zumba.

e em símbolo da resistência negra e de todos aqueles que lutam pela dignidade do homem, livre e senhor dos seu s atos, sem abdicar de direitos iguais para os demais homens. Zumbi converteu-s

“Deslocou mocambos inteiros para lugares estrategicamente mais seguros. Incorporou às milícias e submeteu a adestramen. to todos os homens válidos. Multiplicou os postos de vigilância e observação na orla das matas. Despachou agentes para reu ni-

nições. Reforçou as fortificações (...) Decretou a lei marcial contra quem tentasse desertar (..).” (FREITAS, DÉCIO, op. cit., págs. 115 e 116.)

rem

armas

e mu

Essas e outras medidas se impunham porque, após a expulsão dos ho-

landeses, intensificaram-se os ataques a Palmares. O elevado número de negros que lá viviam era um atrativo e uma necessidade devido à crise da economia açucareira. A concorrência do açúcar produzido nas Antilhas provocara a queda dos preços de venda do produto no mercado internacional. Em consegiiência, diminuíram os lucros dos propri etários de engenhos. Desse modo, dispunham de menos capital para comprar os escravos sem os quais não haveria produção açucareira. Uma alternativa seria aprisionar Os negros que viviam em Palmares.

Além do mais, existiam muitas terras nas vizinhanças do Ninho de Águias, como o poeta Castro Alves denominou Palmares. Essas terras haviam-sé despovoado em consegiiência das incursões feitas pelos palmarinos. Eram

terras boas para O cultivo e/ou criação do gado. Po deriam ser incorporadas às gran

des propriedades açucareiras. Ou então oferecidas como prêmio aos

que se dispusessem a destruir o foco de liberdade negra, ameaça presente

milhado, explorado e escravizado.

128

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

Foi assim pensando que o governador Pedro de Almeida contratou os serviços de Domingos Jorge Velho. Era o chamado sertanismo de contrato, prática da colonização portuguesa no Brasil, garantindo a continuidade da colonização, assegurando o enriquecimento de muitos bandeirantes

e a destruição de núcleos de liberdade aos que fugiam à escravização. Domingos Jorge Velho — “um dos maiores selvagens com que tenho topado”, como afirmou o bispo Francisco de Lima — havia organizado

numerosa força composta por brancos, índios e mamelucos (mestiços de brancos e indígenas). Esse bando de homens estava poderosamente armado de arcos, flechas, arcabuzes e peças de artilharia. Mas a ofensiva, que resultou na destruição de Palmares, acabou sendo

retardada por algum tempo. Durante quase três anos teve de lutar contra formidável coligação indígena, liderada pelos janduís. Tendo aprendi-

do a cavalgar e a usar armas de fogo, os janduís se revoltaram contra a ocupação de suas terras e a escravização de sua gente pelos brancos do Rio Grande do Norte. Corria o ano de 1687 e os sertanistas de contrato atacaram os índios a ferro e fogo. Milhares de cabeças de mulheres, homens e crianças foram cortadas. Foi a chamada Guerra dos Bárbaros, ou Confederação dos Cariris (estes haviam se unido aos janduís). Somente em 1692, Domingos Jorge Velho acampou nas cercanias de Palmares. Em um primeiro embate, sofreu fragorosa derrota. Outras se sucederam. As baixas cresciam e a resistência negra se mantinha firme sob a liderança de Zumbi. Os atacantes chegaram a construir uma cerca rodeando as fortificações palmarinas. Desse modo, os canhões teriam melhor proteção e poderiam abrir brechas nas muralhas que protegiam Palmares, o que permitiria a invasão e destruição dos mocambos. E foi o que aconteceu. Abatidos a tiros, talhados a golpes de armas brancas, submetidos à degola, os negros lutaram heroicamente até a morte. O ano de 1694 chegava ao fim e com ele terminava O sonho da liber-

dade de milhares de antigos escravos. Mas Zumbi conseguiu escapar e, com reduzido número de sobrevi-

ventes, se refugiou na serra Dois Irmãos, onde buscou reorganizar a re-

sistência negra.

A 20 de novembro de 1695, o pequeno número de quilombolas foi

cercado por sertanistas de contrato comandados por André Furtado de

129 44

.

Psi

UIT

As

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Mendonça. Mesmo apunhalado no estômago, Zumbi comb

morte. Em triunfo, seu cadáver foi levado até Porto Calvo.

ateu

até

À

“O exame cadavérico acusou quinze Feriment os à bala é UM sem

trado e o pênis enfiado na boca; haviam lhe arrancado um olho e decepado a mão direita.” (FREITAS, DÉCIO,

Op.cit., pág. 167.)

E

número de golpes de arma branca; depois de morto (...) fora cas-

Contudo, as autoridades coloniais acharam que era pouco. Era preciso destruir a esperança de liberdade aind a existente nos corações e mentes de muitos negros que acreditavam ser Zumb i imortal! da em um chuço em uma das principais praç as da cidade. sava sonhar com a liberdade e a igualdad e dos homens!

Mesmo assim o sonho de Zumbi não morreu! Sobreviventes de Pal-

mares fugiram para a Paraíba ou se inte rnaram pelas matas palmarinas. Novos quilombos se organizaram. No vos líderes negros se destacaram. É assim continuou a ocorrer enq uanto a escravidão negra existiu na sociedade brasileira.

a extensão de seus domíni os,

exercendo um rígido controle sobre todos

à sua volta, seus escravos, seus filhos ou sua esposa. O model

o familiar regido nessa sociedade era o patriar cal, em que O aprendizado era o da obediência, da submissão, especialmente para as mulheres. Seguramente O autoritari

Bo

E

À cabeça de Zumbi foi cortada e enviad a para Recife, onde foi espeta-

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

dos ção cria da ão, taç men ali da do dan cui lar, do o ent iam enc ger de fa a tare

filhos, do corte e da costura.

to êni mog pri o do sen do, man do do iza end apr o , ens hom os filh Aos

preãos irm seus to uan enq o, enh eng do o and com uro fut o a par o educad paravam-se para O sacerdócio ou uma vida acadêmica, geralmente o bacharelado de Direito em Coimbra. A vida sexual era marcada por dois extremos: as mulheres brancas ensina-

er, das a pensar o ato sexual com seus maridos não como uma fonte de praz

gera de o clar e to dire vo eti obj o com al oni rim mat ção iga mas sim uma obr

adlhes que ica míst na eter uma de es font as, negr as to uan enq os; filh ção de dos jos dese dos s ore çad agu são ver per e ade lid sua sen de jetivava atributos filhos, seus e hor sen O para er praz de s eto obj o com as izad util m era s, nco bra as tra con al sexu a ênci viol à a siv mis per de ida tal men uma a dando origem il. Bras no e fort hoje a aind s, ora had bal tra ses clas das ias inár orig es mulher de dos edi Imp ão. lus exc da o era a zal sen da do mun o , lado Por outro aescr os o, esc ent par de e ais trib s laço seus de ados isol lia, famí rem tuí sti con poÀ s. urai cult mo mes e es liar fami as utur estr suas der per por am bav vos aca ligamia típica da cultura africana foi substituída por ligações múltiplas e pasa. negr e dad uni com na e dad ali nat de s taxa as baix ava lic imp que o , sageiras À senzala foi

“construída à moda do cárcere, retangular, térrea, sem outra

mobília que os catres de palha suja, recobertos de trapos, pou-

cos tamboretes e baús.” (FERLINI, VERA LÚCIA AMARAL, op. cit, pág. 85.)

Violência, trabalho pesado, má alimentação e roupas em farrapos. Este

era o cotidiano dos escravos na sociedade açucareira. Mas não eram OS

únicos a viver uma situação extremamente difícil. Todos os que não detinham a posse da terra, ou mesmo um arrendamento, eram obrigados a se assalariar para sobreviver. Tornavam-se agregados nos engenhos, vivendo sob a proteção e a autoridade do proprietário. Na prática, forma-

vam uma legião de excluídos, os desclassificados do açúcar.

À origem desses pobres do açúcar encontra-se em um projeto colonial onde a

31

AAA E PEC : .

po » )

A =

=

lo

à

A

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“concentração da propriedade da terra objetivava não ape-

nas a harmonização às determinações mercantis da colonização, mas também a exclusão política da população livre da posse da terra e do controle do poder local e dos direitos de

ter vínculos com o Estado, sedimentando uma arraigada estru-

tura de privilégios.” (FERLINI, VERA LÚCIA AMARAL, op. cit, m: Szmrecsányi, Tamás, op. cit., pág. 21.)

Privilégios que criaram uma sociedade hierarquizad a, mesmo entre os br ancos livres, na qual a elite econômica tudo fazia, com um único limi-

te a seus mandos e desmandos: a obediência estrit a aos anseios e desejos da coroa portuguesa. Uma sociedade na qual o ap arelho estatal passou a ser visto como um patrimônio de uma minoria que de tinha o controle da economia. Não lhe parece similar ao Brasil contem porâneo?

3.6 . À UNIÃO IBÉRICA E A NOVA HOLA NDA

A) A HOLANDA NA IDADE MODERNA ()

que hoje conhecemos como Países Baixos (Bélgica e Holanda) formavam, no final da Idade Média, duas regiões socioeconômi cas distintas. Os Países Baixos do Sul eram formados pe los condados da Flandres, Namur, Ha

inault e Artois, pelos ducados de Brabante, Luxemburgo e Limburgo, pelo senhorio de Malines e pelos bispados de Liege e Cambrai. Os Países Baixos do Norte eram constituídos pelas províncias da Holanda, Zelândia, Frísia, Utrecht, Groningen, Gelderla nd, Drente e Overijse.

Nos Países Baixos do Sul desenvol veu-se, desde o século XI, uma intensa atividade manufatureira, acompanh ada de expressivo renascimento urbano. Sem dúvida, esta era à região ma is urbanizada da Europa Setentrional. No início do século XV I, algumas de suas cidades — notadamen-

32

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

cio internacional era integrado à produção manufatureira. A agricultura e

ndese ante bast es idad ativ íram titu cons bém tam eiro leit o gad do ção cria a volvidas, tornando-se expressivas fontes de lucros para a burguesia local.

Os Países Baixos passaram ao domínio espanhol no início do século

XVI, com a ascensão de Carlos V. Este monarca, entretanto, garantiu a autonomia das províncias através da Convenção de Augsburgo (1548). Sendo chamadas de 17 Províncias, os Países Baixos — cuja capital passou a ser Bruxelas — poderiam ter 7m soberano, sendo que cada província seer). houd stat do ama (ch r ado ern gov ou e nent r-te lyga um por a lad ria contro A difusão do calvinismo nos Países Baixos do Norte tornou a domina-

Sul do os Baix es País nos mo Mes vel. lerá into mais vez cada ola anh ção esp — ainda católicos — o controle espanhol passou a ser repudiado. Com a Os e entr ões tens as , 1556 em , nhol espa o tron ao II pe Feli de ascensão Países Baixos e a Espanha foram intensificadas, já que o novo monarca relio essã repr a tuar acen a e os ost imp gos anti ar cobr a ou pass nhol espa giosa. A Inquisição atingiu uma brutalidade desconhecida até mesmo na Península Ibérica. A oposição política e a oposição religiosa encontraram em Guilherme de Nassau, denominado o Taciturno, uma liderança contra os espanhóis. Felipe II enviou o duque de Alba para reprimir Os revoltosos e controlar a situação. Apesar da aparente vitória das forças espanholas, a insurreição não fora completamente sufocada. Em 1572 os combates recomeçaram € a rê-

pressão assumiu proporções até então desconhecidas. Chegou a ser criado um conselho — denominado Conselho Sangrento — para julgar os ca-

sos de insubordinação. Além disso, o desgaste econômico dos Países

Baixos do Sul foi avassalador. Os moinhos de tecer de diversas áreas meridionais foram completamente destruídos. O saque de Antuérpia — rea-

lizado pelas tropas que não recebiam os soldos — deixou marcas profundas em todas as áreas do Sul. Este momento foi marcado pela liderança

da Holanda na luta contra os espanhóis, mas também na conquista das potencialidades econômicas, antes nas mãos das Províncias do Sul.

“Os holandeses permaneceram senhores dos mares e a ruína das

Províncias do Sul deixou-lhes as mãos livres para penetrarem comercialmente nos mares e oceanos do sul. Não só tiraram partido da situação como deram uma ajuda aos acontecimentos. Uma vez

:

+

|

=]

!

i !

=

=

'

b E

a

33

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

que os Países Baixos do Sul estavam agora sob dominação espanhola e a guerra continuava a lavrar, os holandeses bloquearam os por-

tos do sul e Fizeram o que puderam para atrasar a reconquista das Províncias do Sul.” (CIPOLA, CARLO M, História Económica da Europa Pré-Industrial, Lisboa, Edições 70, 1975, pág. 296.)

Os Países Baixos do Sul foram mantidos sob domínio espanhol. Elemen. tos da elite local resignaram-se com a dominação espanhola, meio de evitar uma insubordinação popular incontrolável. Afinal, eram católicos e feudais e temiam o calvinismo e a liderança burguesa. As Províncias do Norte con-

tinuaram a guerra, tendo o reconhecimento da independência consumado pela Espanha em 1609. Politicamente soberanas e religiosamente livres, estas províncias formaram a República das Províncias Unidas, verdadeira potência marítima e comercial, sob a forma de uma república patrícia. Amsterdã tornou-se grande centro financeiro, favorecido pela imigração de fu-

gitivos do Sul — chamados valões —, representando entrada de capital hu-

mano e investimentos diretos. Os Países Baixos do Norte entraram em sua

Idade do Ouro — alguns falam em um Milagre Holandês — capazes de disputar áreas coloniais até mesmo com o poderoso Império Espanhol.

B) OS NEGÓCIOS E AS GUERRAS DO AÇÚCAR (O

s investimentos holandeses na produção açucareira do Brasil representaram muito bem a capacidade de empreendimento eco-

nômico dos comerciantes flamengos. O financiamento dos engenh os,

O refino € a comercialização do produto na Europa estavam a car go dos holandeses. Por volta de 1605, algumas das principais refi narias européias encontravam-se em Amsterdã, sendo que o valor do refino atingia a terça parte do valor bruto. Mesmo necessitando da autorização do monarca português e da obrigatoriedade do pagamento de impostos em

Lisboa,

os comerciantes flamengos

parcela dos lucros do açúcar.

conseguiam

a mais

expressiva

A União Ibérica representou um empecilho para a plena continuidade dos anegócios hoe landeses no10 Br Brasil. Com a união das coroas, a Es panha proibiu as relações come

rciais entre luso-brasileiros e holandes es. Na Vet”

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

dade, a Espanha jamais conseguiu reprimir totalmente os negócios entre o Brasil e os holandeses. À situação foi normalizada para os investidores holandeses durante o período entre 1609-1621, quando vigorou uma

trégua (a Trégua dos Doze Anos) entre a Espanha e a República das Províncias Unidas. Neste interregno, as transações comerciais dos holan-

deses no Brasil tenderam a crescer, sendo um período próspero para a obtenção de informações sobre a nova colônia da Espanha. O projeto de ocupar áreas produtoras de açúcar amadureceu após o fim deste período de trégua. Na verdade, os planos para a invasão do território brasileiro ligavam-se à tentativa holandesa, em âmbito g/ohal, de

enfraquecer o poder da Espanha, fator que representaria a possibilidade de quebrar os monopólios espanhóis e dilatar as oportunidades de lucros para os comerciantes flamengos. Paralelamente, os teóricos holandeses

difundiam a doutrina do Mare Liberum., em oposição à doutrina do Mare Clausum., defendida pelos ibéricos. Nesse sentido, o papel das Companhias de Comércio foi fundamental, reunindo capitais de diversos financistas e agilizando as oportunidades comerciais e militares que se apresentassem nesse momento de fortalecimento externo do Estado. Ainda no final do século XVI, várias associações de mercadores já tinham sido formadas com o intuito de penetrar nas brechas dos monopólios espanhóis. Essas associações foram motivadas pelo Alvará de 1591, editado

pelo monarca Felipe II, proibindo o comércio de navios estrangeiros nas áreas do Império. Uma das mais importantes destas pré-companhias toi a Compagnie van Verre (Companhia para o Lugar Distante), fundada em 1594, com o objetivo de conquistar áreas do comércio oriental. Em 1602, com o objetivo de suprimir as disputas e concorrências entre as pré-companhias, foi fundada a Companhia das Índias Orientais, responsável

por

inúmeras

conquistas

em

diversos pontos

do império

espanhol: Ilha Maurícia (1598), Molucas (1609), Cabo Verde e Costa do Ouro (1624) e muitos outros.

“A luta político-religiosa da autonomização das Províncias se-

tentrionais dos Países Baixos, desdobrando-se em concorrência

econômica, tornou, com o tempo, cada vez mais difícil aquelas

regiões prosseguirem nas suas fainas de carrying trade e as estimulou à procura de contatos com as fontes diretas do comér-



ei

Bs

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

cio oriental. À Constituição (1602) da Companhia Holandesa das Índias Orientais Foi um momento dos mais significativos nessa

transição; tal empresa organizou-se com uma forma mais mo.

derna e racional, apontando já para a sociedade de ações (socie-

dade anônima, em que muito cedo se transformaria), e esta mo-

dernidade Foi certamente o fator preponderante do seu êxito na

tarefa de substituir os ibéricos no comércio rendosíssimo das, Indias.” (NOVAIS, FERNANDO A., op.cit., pág. 35.) O êxito da Companhia das Índias Orientais inspirou a criação de uma

companhia que atuasse nas áreas ocidentais, notadamente no Atlântico

Sul. É sintomático que essa companhia — a Companhia das Índias Oci-

dentais ( West-Indische Compagnie -WIC) — fosse criada em 1621, logo após o fim da trégua. O principal idealizador desta companhia foi o mercador Willen

Usselincx, cujo objetivo era não só dominar as fontes produtoras de açúcar, como também deslocar os conflitos com a Espanha para as áreas ultramarinas. Apesar de os interesses tradicionais terem sido ameaçados

— hão na sua totalidade — pela União Ibérica, não podemos menos-

prezar, entretanto, os interesses de novo grupo de comerciantes, ansioso

em estabelecer seus investimentos nos espaços coloniais. Nesse sentido,

a invasão do Brasil pela WIC deve ser encarada como uma forma de equilibrar os interesses tradicionais — apenas parcialmente afetados pela União Ibérica — e os empreendimentos dos grupos mercantis em as-

censão, evitando um choque econômico entre setores da burguesia holandesa. C) OS HOLANDESES NA BAHIA

B6

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

nhou ao mi ca en o , ck be cr Mo s rie And Jan or, aut Seu es. ant nto qua isto 0 . ais Ger s ado Est aos e ge an Or de príncipe

“(.) Desta terra do Brasil podem, anualmente, ser trazidas pa açú de xas cai mil ta sen ses das buí tri dis ou as did ven i aqu e ra cá de te par ça ter uma em e, ent alm atu , as sm me as car. Estimando-se

|

uma tere o ad av sc ma car açú de te par ça ter uma , nco açúcar bra

|

xas cai mil ta sen ses as sm me As (...) ela pan de car açú ça parte de maoxi apr , pra com ada cit a me for con , sil Bra no de açúcar custam

a hi an mp Co a que o, our de das ela ton mil co cin e damente as trinta com te, par or mai sua em ar, pag erá pod das Índias Ocidentais po€ to cen por nta tri os men ao , isto com mercadorias, lucrando, to cen por nta tri com as ori cad mer s sua bem der ven dendo, ainda, ulta res de Don . rar cob a tum cos al tug Por que o re sob de vantagem ce das ela ton dez de al anu ro luc um da ain á ter a que a Companhi e Doc S, VE AL NÇ GO SA EL , NI CI AN AV im: ouro.” (Citado

|

) 37. . pág 1, 199 a, tor Edi al Atu lo, Pau São o, ern inf

r impo o ad rm fo , s) re to re Di 19 ou X XI n re ee (H X XI O Conselho dos orser a ri ve de ue aq at um e qu u di ci de a, hi an mp co da portantes acionistas o sm me ao l, cia ini o et oj pr No . te es rd No do s ganizado às áreas açucareira O ia ser sil Bra do l ita cap a — a ad um ns co se fos a st ui nq co a e qu tempo em napor s do ma to am ri se ém mb ta ica Áfr na s to os ep alvo principal —, entr

, va ti ra st ni mi ad ão aç tu si sua r po a id lh co es foi a hi Ba A a. hi an mp co vios da sexi a st po su a pel e il as br upa de ão aç tr ex a pel e ar úc aç pela produção de esa. tência de cristãos-novos, possíveis aliados na ofensiva holand

a. hi Ba a ar ur pt ca de vo ti je ob o m co a ad nt mo foi ra ad qu es Poderosa

ns me ho mil s trê de is ma e go fo de s ca bo 0 45 , os vi na Composta de 26 n Dorth deVa l ne ro co O . yn He t Pie e s en ek ll Wi b co Ja de o nd ma sob co tura fu da or ad rn ve go mo co o ad gn si de a for já e r ita mil o nd ma tinha o co

sas fal s õe aç rm fo in ar lh pa es am ar ur oc pr C WI da s re to possessão. Os dire anet tr En . ra ad qu es sa ro de po tão de l rea vo ti je ob o ar fl mu ca tar ten para m se a, ric Ibé a ul ns ní Pe à am ar eg ch sil Bra ao ue aq at um de as to, as notíci a exatidão do local. Em maio de 1624, a esquadra invasora chegava à seu á

*

|

B7

E

4 |

i

b

Ed

E

a

a*

A

i

a

4

ae

la

;

ÉE

q E

o

e 4 É abr

f

p i

destino, dominando os pontos-chaves de Salvador em u m br CVíSsimo es. paço de tempo. O governador, sem conseguir Organiza * UMA efetiva pe. sistência, foi preso e enviado para a Holanda. Os homens bons, refugiados em fazendas pr óximas, confiara

de governador ao bispo D. Marcos Teixeira. Ao me smo tempo,

ganizadas companhias de emboscadas, ta mbém chamadas de

for am or.

Descalços, cujo objetivo era tocaiar o inimigo e impedir a expansã am as emboscadas

dos colonos, mas sim a própria reação da Coroa Espa nhola. Para os port ugueses, a perda da Bahia significava a perda do Brasil. Desta forma , 0 conselho portuguê s passou ao rei Felipe IV a idéia de que os holandeses fariam da Bahia uma base naval para ataques à América Espanhola e até mesmo para a interceptação dos barcos que vinham do Oriente. Estes fa. tores fora

m suficientemente fortes para mobiliza r a Espanha para a reconquista do território perdido.

ibéricos com o intuito de retomar o controle da Bahia. Inúmeros nobr es apresentaram-se como voluntários para a missão, conhecida como Jornada dos Vassalos. Comandada por D. Fadrique de Toledo Osório, era formada por 52 navios e 12 mil homens. Algumas destas embarcações fora m enviadas para outras áreas do Brasil, ameaçadas de eventual in vasão. Para o Rio de Janeiro remeteu-se um navio, comandado por Salvador C orreia de Sá e Benevides, que aca-

bou dando combate a expedições holandesas, na altura do Espírito Santo. No início de maio de 1625, a Ba hia voltou para as mãos dos luso-espanhóis, sendo co nsumada

38

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

feitos de o açã ulg div de a tur cul a eir dad ver uma a ém mb ta mas conquista,

tique em ag im a am tav oje opr aut s ese and hol os mo co a marítimos, maneir s. ore had bal tra e s ado tin obs , dos ina erm det , sos ajo cor : mos nham de si mes

“As Façanhas navais constituíram tema mais cifuncico entre pin-

tores, gravadores e até artistas decorativos, como prateiros, pintores de azulejos e vidreiros. Não é exagero dizer que o heroísmo na-

a tinh soa pes em ali r esta ia pod não m Que (...) éia plat uma a tinh Val naras ças gra es bat com dos nte ame ari vic r ipa tic par de a sensação rativas completas publicadas pela incipiente imprensa holandesa, que oferecia ainda magníficas gravuras descartáveis, mostrando os lances culminantes e os heróis do momento. (...) Além disso, os e res ula pop s ada cam às m cia ten per e ent alm ger ais nav heróis não 3 aristocracia, ou pelo menos assim se pensava. (SCHAMA, SIMON, O desconforto da riqueza, a cultura holandesa na Época de Ouro, São Paulo, Companhia das Letras, 1992, pág. 248.)

D) A NOVA HOLANDA NA ZUIKERLAND decisão de invadir novamente o Nordeste foi tomada no final de 1628. toros men ião reg o, buc nam Per de nia ita cap a ia ser o alv o vez Desta O era que já te, men ica nom eco nte ssa ere int s mai e l ita cap a tificada que a principal centro produtor de açúcar do Brasil — sendo por isso chamad es açõ orm inf as ers Div . car Açú do ra Ter ou d lan ker Zwi de s ese and pelos hol sobre a capitania foram obtidas durante a curta permanência na Bahia, am for ue erq uqu Alb de ias Mat r ado ern gov do tas car o sm me até ndo qua interceptadas. Além disso, contavam os holandeses com muitos informantes, fundamentais nos momentos cruciais da invasão.

Os preparativos da esquadra montada pelos holandeses, contando com 67 navios, chamou a atenção na Europa, sendo conhecida pelo monarca ibérico, Felipe IV, que pouco pôde fazer para impedir a inva-

são, a não ser comunicar à capitania de Pernambuco, remanejando Matias de Albuquerque para organizar sua defesa. Portanto, não era sur-

presa para ninguém, em Pernambuco, a invasão holandesa, chegando a figurar até no sermão de um frade dominicano:

É

da

9

De Olinda a Holanda não há aí mais que a mudança de um j em a. Esta Vila de Olinda se há de mudar em Holan

da,

E



de

ser abrasada por os holandeses antes de muitos di as: porque pois

Falta a justiça da terra, há de acudir a do cé u” (BOXER, C R, Os holandeses no Brasil — 1624-1654, São Pa

Editora Nacional, 1961, pág. 50.)

ulo,

Companhia

O comando da expedição foi entregue a He ndrick Corneliszoon Lo nca, e suas Instruções — datadas de 8 de agosto de 1629 — previam que, em caso de may sucesso na tentativa de tomar Pernambuco, fosse conquistada a cidade do

Rio de Janeiro ou mesmo Buenos Aires. Matias de Albuquerque não cons eguiu montar uma resistência à altura das forças holandesas, limitando-

se a or ganizar uma tropa de defe sa

com Os parcos recursos de que dispunha , chegando a improvisar navios mercantes para a batalha iminente. Com o desemb arque holandês orga-

nizado em duas frentes, Matias de Albuquer que não teve outra alternati

va a não ser fugir de Recife, sem antes de struir todas as caixas de açúcar que estavam armazenadas no porto. Neste momento, a desorganização da economia açucareira contribuiu para a fuga em massa de escravos, favorecendo a formação do Quilom bo de Palmares. Portugal ainda organizou uma expedição para tentar resgatar a capita-

nia antes da instalação definitiva dos holand eses, sendo a armada lusa derrotada nas águas da Bahia. À resistência organizada por Matias de Albuqu erque teve no Arraial de

Bom Jesus um ponto de apoio na guerrilha contra os holandeses. O his-

toriador Evaldo Cabral de Mello chamou este tipo de guerrilha (16301632) de guerra lenta, já que procurava impedir a ex pansão para o interior e aguardar a ajuda de uma expe dição naval metropolitana.

Durante os anos segu;

landesas, mantendo

E

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

“O sistema de defesa que Matias de Albuquerque aplica con-

tra os holandeses de 1630 a 1636 é um sistema misto, pelo qual

as Forças convencionais estão concentradas em uma praça forte, o Arraial, guarnecida pela artilharia e pelas tropas regulares

e situada à retaguarda de uma linha de postos avançados, as essole os negr os, índi de res gula irre as trop por as pad ocu tâncias, s adra esqu as am vag , ncia estâ a outr e uma e Entr a. terr dados da

s. sore inva os ltam assa e am osc emb e ent uam tin con que ntes vola nestâ as ica, atég estr ão funç uma nche pree ial Arra o to Enquan

co.. téti nte ame pur tivo obje um têm ntes vola ras uad esq as e cias de Rio da, aura rest nda Oli , LDO EVA LO, MEL DE (CABRAL Janeiro, Editora Forense /Edusp, 1975, pág. 217.)

am rn Pe de or eri int O am ar st ui nq co s ese and hol Nos anos seguintes os do de an Gr Rio o , 33) (16 acá mar Ita de a ilh a as: inh viz s nia buco e capita raest ião reg a um de o ni mí do do m alé , 34) (16 a aíb Norte (1634) e a Par fiava nsi ofe de o íod per e est e nt ra Du o. nh ti os Ag to San de bo Ca tégica, o y as Roj de z Lui D. de o nd ma co O sob a, ric ibé ra ad qu menga, nova es Borba, foi fragorosamente derrotada pelos holandeses. maum de s avé atr — ar ulg div ou ur oc pr a hi an mp co a a, lut à Durante es et bm su se que s ele aqu ir uir adq am ri de po que s en ag nt va as nifesto — sem ao domínio holandês: respeito à propriedade e liberdade religiosa. va nsi ofe da te an rc ma o nt po um foi us Jes m Bo do l aia Arr A queda do holandesa. Este episódio é conhecido em função da prisão € do enforcamento de Domingos Fernandes Calabar, comerciante de Porto Calvo s ono col ros out tos mui mo co — s ese and hol aos via ser que, desde 1632,

luso-brasileiros —, mostrando-lhes os acidentes geográficos € O sistema de defesa de Pernambuco. Durante muito tempo a historiografia discu-

pos mai a ger não e hoj que o stã que r, ido tra um não ou era r aba Cal se tiu lêmica entre historiadores, no que diz respeito à análise do período ho-

landês no Brasil.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

E) NASSAU E O APOGEU DO DOMÍNIO HOLANDÊS O

om a conquista de uma ampla área acima do rio São Francisco, . E É . : . 1 5 .

3

Companhia das Indias Ocidentais decidiu substituir o Conselho do

Governo, composto por cinco membros, por um sistema centralizado

semelhante ao utilizado no quartel general da Batávia, coordenado pela Companhia das Indias Orientais.

A companhia decidiu contratar um elemento para promover a centrali-

zação política no Brasil holandês e empresariar a conquista. O escolhido para assumir O Governo Geral do Brasil Holandés foi o conde alemão João

Maurício de Nassau-Siegen, homem de prestígio e primo do stadthoudsr Maurício de Orange. Favorecido por um vultoso salário, por uma substancial ajuda de custo e por verbas de representação, Nassau não perderia seu posto militar nos Estados Gerais, inclusive o soldo. Nassau chegou ao Brasil em 1637, sufocando os últimos focos de resistência dos colonos luso-brasileiros. A queda da fortaleza de Nazareth — no Cabo de Santo Agostinho — pode ser considerada o final da fase de guerrilha, uma vez que impossibilitava, por parte dos senhores, a exportação de açúcar para Portugal e o consegiiente autofinanciamento da guerra. Na verdade, o sistema fluvial pernambucano e a existência de inúmeros portos naturais impediam o pleno controle holandês sobre as ex-

portações. É nesse sentido que o controle do Cabo de Santo Agostinho foi decisivo para o domínio holandês.

Nassau procurou ampliar as conquistas holandesas, além de organizar

uma expedição — que acabou adiada — para tomar Buenos Aires. Por ou

tro lado, o governador-geral da Nova Holanda não esqueceu da Perspechavr Atlântica — controlando as praças fornecedoras de escravos na África, fun-

damentais para a reprodução da economia açucareira. Nassau efetivou várias conquistas militares no Nordeste (sul de Pernambuco, Ceará) e na Afri ca

(Fortaleza de São Jorge da Mina e Angola). Uma expedição, frustrada, air

da tentou tomar a Bahia em 1638. O rio São Francisco passou a ser a divi sa entre o domínio holandês e a ocupação luso-b rasileira.

O governo geral na Bahia pouco podia fazer para desestabilizar a do” minação holandesa. Os reinos ibéricos, por sua vez, envolviam-se eM

hostilidades crescentes na Europa, não conseguindo dar conta de várias frentes de guerra simultâneas.

42

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

O padre Antônio Vieira, como muitos portugueses de seu tempo, de-

um de a, Bahi na iu, duz pro s, esa and hol s sta qui con as com estimulado de as arm das sso suce bom pelo mão Ser — s mõe ser seus mais eloquentes Portugal contra as de Holanda.

“Despertal Por que dormes Senhor? Ergue-tel não nos desampa-

05 ras ter as sm me as est dar s vei iná erm det Se (...) pre res para sem

esagr m era to uan enq tes des não s lha que por piratas de Holanda, gena est o feit tem vos os viç ser tos Tan ra? ago ão sen as, ult inc tes e s seu por cé ro mei pri tes das man nos que ta, sta apó e a te pervertid

as os arm fic edi lhe a par ras ter as mos rar lav lhe a par aposentadores, es? ard reg ent s lha das eci iqu enr e s ada tiv cul de cidades, e depois balhos tra dos Fé da os mig ini e s ege her os rar log de hão se Assim lem e o dig só Mas (..) ? cos óli cat dos res suo dos portugueses e dos

desfara ago que o sm me es est que , hor Sen , ade est Maj sa bro a Vos que e dia, um alg is ira que os que ser e pod vós, de s çai lan e voreceis

.) 155 e 154 s. pág cit, op. R., C. , ER OX (B .” (..) s hai ten os não

O tra con es çõ di pe ex s dua da ain s da za ni ga or m ra fo , na Na fase nassovia de oru gra o tal so, cas fra em do an lt su re s ba am , es ar lm Pa de Quilombo iráf nog ico s õe uç od pr cas úni das a Um . os in ar lm pa do r ganização milita nom te se que de a, nci stê exi sua e nt ra du , es ar lm Pa de bo cas do Quilom Bar ar sp Ga de ia, sil Bra im m nu ni te oc per m ru Re a obr na e ec ar tícia ap

t. Pos nz Fra por ada str Ilu a. es nd la ho ão aç up oc da tas nis cro dos léus, um remostra um mapa de Pernambuco, retratando a região com duas rep de ; car açú de o nh ge en um o, lad um de as; siv res exp te tan bas ões sentaç outro, o Quilombo de Palmares que ão ns me di à ere sug que vez a um a, ic át em bl em é t Pos de a A gravur

aria lic exp só si por que o s, nco bra dos io ár in ag im no ra mi su as Palmares

|

tra O con es çõ di pe ex 66 do to ao m ra fo , nal Afi o. í-l tru des a par o o esforç

coos it mu a par e, dad ver Na s. sa ue ug rt po e as es Quilombo, entre holand

a pri pró a que te an rt po im s mai ia ser o içã tru des sua s, iro ile ras lonos luso-b

expulsão dos holandeses. Garantida a ocupação do território, tratou Nassau de reorganizar a vida econômica, retomando a atividade açucareira. À companhia facilitou

ea

“Al Fo

ye

dE;

43

a concessão de créditos para os senhores, já que estes Ne Cessitavam Fe parelhar seus engenhos e ad quirir escravos. Os impost os cobrados teriormente fixados pela WIC NH em 10% sobre o açúcar e 2 0% Sobre q; transportes — foram abrandado s, concedendo-se mais tempo para o pa. gamento dos mesmos. Os m embros da companhia aPos tavam que fácil contar com o suporte Seria político dos proprietários sintonizados c OM ocupação holandesa. Ness q

e sentido, foram vendidos pub licamente genhos daqueles senhores que não retomaram suas proprieda des, buindo para a formação de um se gmento senhorial não só li gado

landeses como plenamente depe ndente dos mesmos.

OS en-

ContridaOs ho-

“Ainda no plano econômico, N assau coibi rantia real e 18% sem ela » O Que agradou os proprietário s rurais luso-brasi

leiros e os co merciantes estr angeiros. Para o abastecimento da população, retomou a prática dos governos portug ueses, de obrigar o cultivo da mand ioca, a fim de baratear o preç o da Farinha. Junto à Compan hia,

vidas de al

Dê Ntante triplicado

sete anos

: depois.

a A companhia

alhlda alcançava rendimentos co a m o monopólio do tráfico de escravos, d a exploração do pa

u-brasil e

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

Nassau assumiu o controle do Supremo Conselho Secreto, responsável pelas funções executivas, tendo supremacia nas decisões tomadas no Brasil. A Câmara dos Escabinos (Schepenen) foi implementada no Brasil, inserindo o modelo administrativo holandês nas cidades nordestinas dominadas.

“A mesma reforma de 1636 instituía a Câmara dos Escabinos, em substituição às Câmaras Municipais portuguesas, e colocava à Frente de cada sede municipal um Esculteto. Este Funcionário presidia as Câmaras dos Escabinos, fiscalizava a cobrança de tributos, cheFiava o policiamento dos núcleos urbanos, agia como representante comercial da Companhia das Índias e tinha também as atribuições

de promotor da justiça (..) Diferentes dos Conselhos Municipais

portugueses, das suas decisões somente cabia recurso ao Conse-

lho Político sediado em Recife.” (ALBUQUERQUE, MANOEL MAURÍCIO, Pequena história da formação social brasileira, Bão de Janeiro, Edições Graal, 42 edição, 1986, pág. 195.)

Os holandeses permitiram que os senhores escravistas participassem das decisões municipais, abrindo-lhes espaço político na Câmara dos Escabinos. No campo religioso, as atitudes de Nassau são geralmente consideradas um exemplo expressivo de tolerância. O governador concedeu liberdade de culto para os católicos, o que muitas vezes irritava os calvinistas menos tolerantes, como os predikants. Os jesuítas, entretanto, não obtiveram per-

missão de instalar-se no Brasil holandês, tendo sido expulsos nos primórdios da ocupação flamenga, aspecto não alterado durante a fase nassoviana. Os judeus sofreram algumas restrições, no que diz respeito à liberdade religiosa, tendo se constituído em um segmento fundamental nos

contatos entre holandeses e senhores. Além dos recursos econômicos, os

judeus eram bilíngiies, fator crucial no Brasil holandês, uma vez que não houve nenhum esforço sistemático dos holandeses no sentido de dominar o idioma luso. À comunidade judaica no Brasil holandês era forma-

da por elementos de origem hispano-portuguesa (s:phardim) e também germano-polonesa (ashkenazim), não havendo diferenciações de trata-

mento pelos estatutos do Brasil holandês — o que contrastava com O procedimento na Holanda.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Residiam eles (os judeus), na sua maior parte, em uma rua do Recife que passou a ser denominada de Jodenstraat (Rua dos Judeus), tendo ainda um cemitério privativo, fora da cidade. Nomes ilustres da comunidade de sfardi da Holanda transferir amse para o Recife, como foram o Rabino Isaac Aboa d Fonseca (1605-1693), que aqui esteve de 1642 a 1654 (...) De Aboad da Fon. seca é a primeira obra literária israelita escrita na América: o seu poema hebraico Zekher asiti leniflaot E] (Erigi um memorial aos milagres de Deus), composto em Recife em 1646” (Citado 17: MELLO, J.A. GONÇALVES DE. O domíni o holandês na Bahia e no Nordeste, História Geral da Civili zação Brasileira, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1989, pág. 249.)

A administração ções culturais, bem te não agradava os trouxe da Holanda

de Nassau ficou marcada por um conjun to de promoao espírito do mecenato renascentista, o qu e geralmendiretores da companhia. Administrador rígido, Nassau diversos artistas, cientistas, poetas, cartóg rafos e arqui-

tetos, sendo o próprio governador holandês inclinado à arquitetura.

atuação dos pintores, proibindo temas de fundo religioso e conduzindo-os aos temas paisagísticos, Natureza morta e representação de personalidades. Nassau incentivou também

os talentos locais, atraindo-os paem contato com os pintores já renomados. aram sendo dispersadas — muitas vezes pre-

senteadas pelo próprio Na ssau — por diversos países europeus.

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

tal era te an ss re te in is ma a , te an lh me se pinturas que tiveram fim ma nu , io íc ur Ma ão Jo o ad at tr re ia hav t ou kh Ec e qu em la vez aque

) 5. 21 g. pá , cit op. R., C. , ER OX (B ” s. ia pu ta roda de

cMar ge or Ge , mão ale sta nti cie m ve jo um a ian sov mas te cor Figurava na

ra e da flo da udo est um er olv env des a s ore aut ros mei pri dos um ve, gra

nla Ho na s ada lic pub am for s sõe res Imp s sua de s ma gu una brasileira. Al s também ada rat ret são e ond , iae sil Bra lis ura Nat ia tor His ulo da sob o tít

ncie es açõ erv obs ras out e co bu am rn Pe de as as condições meteorológic

ômi ron ast es açõ erv obs s sua as pel da ain se ouliz abi tíficas. Marcgrave not toto en am nt va le o pel e , lua da e sol do es ips ecl rar ist reg a cas, chegando gipe, puSer e te Nor do de an Gr Rio o re ent nea orâ lit xa fai da ico ráf pog nao tr Ou . gis Bel ei par te par qua a sth Bra me no ivo est sug blicada com o res a s udo est xou dei ém mb ta r, ne ge Wa ias har Zac , me no re de sta turali peito da fauna e da flora do Brasil. O Dr. Willem Piso — médico pessoal de Nassau — destacou-se pelo seu estudo sobre as doenças brasileiras, tendo sido autor de um texto —

De Medicina Brasiliense — importante referencial na sua área até O sécu-

lo XIX. Recife recebeu diversos melhoramentos durante a presença de Nassau,

tendo sido chamada de Cidade Maurícia (Maurisstad) — notadamente O

bairro localizado na ilha de Antônio Vaz. O projeto arquitetônico, sob O controle de Pieter Post (que, aliás, nunca esteve no Brasil, planejando a ci-

dade na Holanda) incluía drenagem, abertura de canais (os moradores

aprenderam a usar barcas para a locomoção), construção de pontes, ruas

e prédios. O palácio de Friburgo — residência de Nassau — foi erigido nesta época, sendo hoje denominado palácio do Campo das Princesas, sede do governo pernambucano. À cidade — contando com seis mil habitantes — transformou-se em

um referencial (geo)político, militar e econômico. À grande quantidade de alemães, franceses, italianos, escoceses, ingleses — muitos dos quais,

ao

o

da companhia — faziam da cidade um centro cosmopolita.

guns mapas da época contavam os graus de longitude a partir de Reoci te, e esta pode ser considerada a ci| dade maisIs im 1 portante da costa antica americana no século XVII.

P.-

“.

5 3

47

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

F) À INSURREIÇÃO PERNAMBUCANA Restauração Portuguesa (1640), com a entronização de D. João Iv õ ) conde de Bragança, representou um momento impo rtante no moyi.

mento organizado pelos senhores de engenho para a expulsão dos holandeses, “Em data não sabida com exatidão mas, provavelment e, em 1641, alguns dos Futuros líderes da Insurreição Pe rnambucana,

Francisco Berenguer de Andrada, Bernardim de Ca rvalho, Antônio

Cavalcanti e João Fernandes Vieira, dirigiram um a carta a D. João IV Felicitando-o pela sua ascensão ao trono, na qual se vislumbra

a esperança de que não Fosse Pernambuco esqu ecido pelo Rei,”

(Citado im: MELLO, J.A. GONÇALVES DE, 0p. cit, pág. 251. )

Na Europa, Portugal e Holanda assinavam um a trégua (1641-1651), que não foi respeitada no ultramar, já que os holandeses atacaram postos coloniais portugueses na África e no Ma ranhão. As hostilidades dos colonos luso-brasileiros contra os holandeses começaram ainda antes da partida de Nassau — com a retomada do Maranhão, em fevereiro de 1644 —. demitido de seu

O respaldo ideológico do catolicism o foi fundamental para unir os colo nos luso-brasileiros contra o inimigo calv inista. Nã | denominada pelos próprios senhores de Guerya da Liberdade Divina.

À chegada de três novos representantes da companhia (Hendrick Hamel,

Peter Bas e Adriaan Bullestrate) marcou uma virada nas relações dos holandeses com os senhores de ter cravos somente à vista, a umentarem o S Preços dos fretes e o valor dos impostos. Em seu Testamento po lítico, das dívidas dos senhores, advertindo Nassau pedia cautela na cobrança

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

traàs io apo deu a, Silv da es Tel o ôni Ant il, Bras do l era r-g ado ern gov O

tuPor er met pro com o, ant ret ent , sem s sta oni eci urr ins es hor sen dos mas to à Holanda, pois os portugueses não pretendiam enfrentar um jun al £ guerra em estavam já que vez uma flamengos, os com direto o t n o r conf

com os espanhóis. m a i t e m s o e r t n p e m t o n c o s c e s r e o o d h t n n e , a s o os u enq Nesse moment

os tra con pas tro es ant ort imp s dua as zad ani org am for e, r-s ela reb se em holandeses. Antônio Felipe Camarão, nome cristão do índio Poti, e Henrique Dias — chamado Governador dos Negros — comandaram seus ho-

mens, formando um contingente numeroso na insurreição. Os holandeses trataram de fazer contatos com os tupis (chamados por eles de brasilianos), entretanto, como estes eram aliados dos portugueses — como Felipe Camarão, por exemplo —, transformaram os taputas em seus c07%1panheiros de guerra. A política dos holandeses em relação aos indígenas assumiu uma objetividade relacionada com a própria segurança do projeto flamengo no Brasil. Um fragmento do Relatório de Nassau aos diretores da WIC, em 1644, deixa bem claro o rumo a ser adotado em relação aos índios:

“(...) da amizade dos índios depende em parte o sossego e a conservação da colônia do Brasil e que se tendo isto em vista deve-se-lhe permitir conservar a sua natural liberdade, mesmo aos que no tempo do rei de Espanha caíram ou por qualquer meio Foram constrangidos à escravidão, como eu próprio Fiz libertando alguns. Devem-se dar ordens, também, para que não sejam ultrajados pelos seus 'capitães”, ou alugados a dinheiro ou obrigados contra a sua vontade a trabalhar nos engenhos; ao

contrário deve-se permitir a cada um viver do modo que entender e trabalhar onde quiser, como os da nossa nação (...).” (Cita-

do in: AVANCINI, ELSA GONÇALVES, 02. cit, pág. 60.) as

dos primeiros combates vencidos pelos senhores em Pernambuco

insur atalha do Monte das Tabocas (1645). As principais lideranças da sda reição eram André Vidal Negreiros e João Fernandes de Oliveira,

Seral

q

senhores

de engenho. Estes receberam auxílio do governador-

Antônio Teles da Silva e de Salvador Corrêa de Sá e Benevides.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Depois de algumas vantagens iniciais dos insurrecionistas, os confli. tos estacionaram. Os holandeses dominavam o mar, mas não conse

guiam avançar por terra, onde os inimigos estavam sitiados: Hing uém entrava ou saia de Recife. Neste momento, a estrutura militar que a compan hia havia montado no Brasil mostrou sinais de deficiência. Os mercenários cont ratados pela companhia exigiam pagamento em dia e as alianças fei tas com os índios não eram absolutamente mobilizáveis de uma hora para outra. Devemos lembrar que os holandeses nunca implementaram um projeto colonizador — no sentido de transferência da população — no Brasil, estando

restritos aos litorais e portos, atuando basicamente na esfera comercial. O próprio Nassau chegara a sugerir a utilização de colo nos arruinados na Guerra dos Trinta Anos para a implementação da colo nização, não sendo atendido pela companhia. O padre Antônio Vieira, importante artífice da política da Restauração Portuguesa, destacou-se neste período, procurando res olver o impasse

que se apresentava para Portugal. Vieira apresentou (164 9) uma proposta conhecida como Papel Forte, voltada para a manutenção da paz com a

Holanda. O jesuíta propunha a venda para a Holanda das áreas nor destinas ocupadas pelos holandeses e a conquista de Buenos Aires co mo com-

pensação. O documento — considerado maquiavélico por muitos historiadores — representava o primor do oportunismo políti co de Vieira.

Desta maneira damos Pernambuco aos holandeses, e não dado, senão vendido pelas conveniências de paz, e não vendido para semH

a

pre, senão retroaberto, Pdra O tornarmos a toma r com a mesma fa-

cilidade, quando nos virmos em melhor Fo rtuna.” (WEHLING,

ARNO e WEHLING e MARIA JOSÉ C. DE, op. cit, pág. 132.) Os acionistas da companhia pass aram

uma de de ida val a r ona sti que à ais oni col as áre nas , rra gue com Portugal, uma vez que o comércio do sal )

>

para as atividades

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

os para dad sol mil co cin de ca cer com ção edi exp uma a iad env Foi . iros sile

alha de Bat ra mei pri a a vad tra foi to tex con te Nes s. ese and hol os dar aju

), eda úlv Sep s Deu de o Joã a ída ibu atr a tur pin na a Guararapes (imortalizad ca. éri num e dad ori eri inf nte gra fla da sar ape s, sta oni eci urr vencida pelos ins ludos a óri vit ra out u rre oco ar, lug o sm me Menos de um ano depois, no

so-brasileiros. O impasse continuava, sendo Recife dominada pelos holan-

deses e as áreas do interior controladas pelos senhores de engenho.

A situação foi alterada com a eclosão de um conflito entre Holanda e

Inglaterra, em função da decretação dos Atos de Navegação por parte da fltima, exemplo significativo da disputa pela hegemonia marítima € co-

mercial entre os dois países. A guerra fez com que a Holanda direcionasse seus recursos para a Europa e ainda contribuiu para a ampliação das condições materiais (dinheiro, armas, munições) dos insurrecionistas, auxiliados pelos ingleses. O último lance da insurreição foi dado pela coroa portuguesa. Enviando uma frota para o Brasil, D. João IV procurava participar diretamente da rendição dos — já exaustos — holandeses, ocorrida no início de 1654.

“Não interessava ao governo português, contudo, apenas uma vitória momentânea sobre os holandeses, passível de ser revertida. Assim, os diplomatas portugueses procuravam conseguir a paz definitiva com as Províncias Unidas, no quadro de uma

aliança contra a Espanha. Após prolongadas negociações com

a mediação inglesa — a Inglaterra já firmara um tratado com Portugal e fizera a Paz com os holandeses —, foi assinado o

Tratado de Haia, em 1661.” (WEHLING, ARNO e WEHLING

e MARIA JOSE C. DE, 0p. cit, pág. 133.)

| Pelo Tratado de Haia ficava estipulado um pagamento — a título de Indenização — de quatro milhões de cruzados aos holandeses pela perda do Nordeste. Esta indenização, aliás, foi repassada sob a forma de imposto ao Brasil, sendo cobrado até a Independência. Angola, libertada do domínio

holandês por uma expedição

enviada

Imp Ed Corrêa de Sá, também foi oficialmente reintegrada ao o Português pelo Tratado de Haia. Já determinadas áreas orien-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

tais, as Molucas por exemplo, passaram às mãos holandesas, o que afetou o comércio de especiarias em Portugal e incentivou a exploraç do das drogas do sertão. Após a expulsão, os holandeses dirigiram-se à região das Antilhas (Suriname e Curaçao), produzindo açúcar com base em estrutura mais racionalizada, com uma cana-de-açúcar de qualidade mais elevada. Esta

produção concorreu decisivamente com a produção dos senhor es nordestinos, onerando a coroa e prejudicando seus interesses mercantilistas em plena luta pela Restauração. Vale acrescentar que um pequeno número de holandeses — contando com muitos judeus — instalaram-se na América do Norte, no pequeno povoado de Nova Amsterdã, futura Nova York.

3.7 . À ECONOMIA COMPLEMENTAR: TABACO, CACHAÇA, GADO E PRODUÇÃO DE SUBSISTÊNCIA [ER

eos à produção açucareira foram desenvolvidas outras ativi-

dades que a complementavam. Essas atividades atendiam à demanda

do mercado interno, da própria lavoura açucareira, além de também se

inserirem no contexto do comércio de exportação.

Dentre os produtos que coexistiam com o açúcar, o fumo assumi u uma singular importância. Tal fato decorria da sua participação no co-

mércio de exportação, sendo superado apenas pela do açúcar.

A área de produção tabaqueira centrou-se no Pará, Maranhão, Minas Gerais, Pernambuco e, principalmente, na Bahia, na região de Paraguaçu, próxima de Cachoeira. A produção atendia a dois mercados diferenciados entre si: o mercado europeu e a África, onde o fumo era utiliz ado como moeda para a obtenção de escravos.

O tabaco era cultivado em propriedades que, em su a grande maioria, possuiam menos de dois hectares, utilizando o trabalho famili ar, ou en tão em fazendas que

ultrapassavam a casa de dois hectares, mas raramente empregando mais do que vinte escravos. Além disso, o baixo custo da lavoura do fumo (em torno de um terço da cana) permitiu à Participação de portugueses e brasileiros com baixos recursos financeiros. O percentual de

baco aço foi 10] se reduzindo. » até E brancos com lavoura de e “té QUE “por volta de 1780, mulatos é negros Ji152

À MONTAGEM DA EMPRESA AÇUCAREIRA

yres já constituíam cerca de 30% dos produtores”. (NIZZA DA SILVA,

MARIA BEATRIZ (ORG.), 0p. cit, pág. 778.) Diferentemente do açúcar, o tabaco procurou combinar-se com a cria-

ção do gado, pois o esterco era utilizado comumente para a adubagem

do solo arenoso, típico da área de cultivo do fumo. Tal combinação di-

versificava a capacidade de investimentos do produtor de tabaco.

O crescimento do comércio de tabaco estimulou, como contrapartida, o

a Junt a , 1674 em , criou a coro a , ncia egiê cons Em uto. prod do ndo raba cont da Administração do Tabaco, que procurava assegurar o monopólio régio sobre o comércio do fumo. Além disso, criaram-se superintendências que afe-

riam a qualidade do fumo junto aos principais portos exportadores. Para Lisboa eram encaminhadas as melhores partidas do produto, enquanto “o tabaco inferior ou refugado era enviado principalmente para a África. Sendo o tabaco inferior pintado com melaço para Facilitar a sua torção em cordas, o seu doce aroma e gosto fizeram-no particularmente procurado como mercadoria no comércio de escravos.”

(NIZZA DA SILVA, MARIA BEATRIZ (ORG), 0p. cit, pág. 778.)

Ão longo do domínio português no Brasil, o tabaco manteve-se como importante e rentável produto nas exportações, principalmente após a

Abertura dos Portos, em 1808, favorecendo o comércio direto com mercados europeus, eliminando a intermediação de Portugal. Embora inexistam provas concretas, pode-se afirmar que a produção de cachaça no Brasil iniciou-se simultaneamente ao cultivo da cana-de-

açúcar. A cachaça é um subproduto da refinação do açúcar, sendo obtida através da destilação do melaço. Utilizada como bebida pelos escravos, a cachaça criava uma sensação de reconforto diante da fadiga resultante do trabalho pesado, além de

aquecé-los face ao forte frio das regiões das minas. Além de sua utilizasão como fonte complementar da alimentação dos escravos, a cachaça Passou também a ser consumida pelos portugueses em substituição ao vinho, cujo preço era bem mais alto. : Geograficamente, as principais regiões produtoras de cachaça eram

ampos e Parati, no Rio de Janeiro. No entanto,

53

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“o alambique fazia parte de toda a paisagem do Brasi] colo-

hial, sendo encontrado no campo, nas cidades, no litoral e nos centros de mineração do interior.” (NIZZA DA SILVA, MARIA

BEATRIZ, op. cit, pág. 33.)

Sua aceitação no mercado interno tornou-a um a rtigo importante na produção dos pequenos engenhos, auxiliando-os a elevar os valores da renda obtida com o cultivo da cana, princi palmente em períodos de retração do mercado externo no comércio açucareiro. O crescimento do mercado interno e à aceitação da cachaça no mercado português, ameaçando os ga nhos dos produtores de vinhos portugueses, levaram a coroa a proibir a exportação de cachaça e a tentar , sem na colônia. Apesar da oposição da coroa, Os mais importantes produtos comerc ializados no mercado interno coloni al. Em 1534, Ana Pimentel, esposa de Martim Afonso de Sousa, introduziu O gado na capitania de São Vicente. Desta, foi Tomé de Sousa. Inicialmente, o gado encontravalado à produção açucareira, c sobre os rebanhos.

hos í

ER

-

154

1

o TES aPÇA “= l

na

&

=

,

L

A

a"

E

À

À MONTAGEM DA EMPRESA ACUCAREIRA

Diante dessa realidade, a carestia nas cidades € vilas era uma realidade

tangível, forçando as autoridades portuguesas a tomar medidas legais pa«a reduzir tal penúria. Assim, a coroa portuguesa decretou a obrigatorie-

dade do plantio de mandioca proporcional ao número de escravos, o que

na prática não foi efetuado.

A mandioca, uma raiz tropical conhecida como cassava e aipim, tornou-se a principal fonte de alimentação na colônia, em especial para os es-

cravos e colonos portugueses empobrecidos. Para atender ao mercado interno, surgiram zonas especializadas na produção da mandioca, como, por

exemplo, Maragogipe, Jaguaripe, Cairu e Camamu, localizadas no litoral e nos recôncavos baianos, que abasteciam Salvador e cidades próximas. Apesar disso, a fome fez parte do cotidiano da população no Brasil

Colônia. Visando reduzir os gastos com a alimentação dos escravos, alguns proprietários liberavam uma pequena parcela da terra para que os mesmos cultivassem alimentos para si. À chamada brecha camponesa permitiu aos escravos produzirem alimentos para a sua subsistência e também um excedente negociado no próprio engenho, ou mesmo nos mercados urbanos. Os ganhos arrecadados pelos escravos permitiam a compra da liberdade. A própria Igreja encorajava “a compra da liberdade pelos negros, com o que poupassem vendendo excedentes. O dinheiro recebido era empregado na compra de outros escravos”. (CARDOSO, CIRO FLAMAR-

ION SANTANA, Escravo ou camponês? O protocampesinato negro nas Américas, São Paulo, Editora Brasiliense, 1987, pág. 100.) Os principais produtos negociados em mercados na beira do cais (nas cidades litorâneas) ou na praça central das cidades do interior eram o mi-

lho, a mandioca, o peixe salgado e seco, o feijão, O arroz, a carne de por-

Co € O charque, além de outros produtos. À necessidade de centralizar e

ordenar o comércio urbano levou a Câmara de Salvador a criar, em 1785, um celeiro para o armazenamento de seus produtos. Lentamente outras cidades procuraram seguir o seu exemplo. J ELO às grandes cidades, nos subúrbios, surgiram chácaras que se es-

Pecializaram na produção de frutas e verduras, como, por exemplo,

Praia Grande, no lado oposto ao Rio de Janeiro na baía de

Guanabara (...). A Facilidade e o baixo custo do transporte por

barco da Praia Grande para as praias com mercados no Rio con-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

tribufram para que aquele município se especializasse em horti.

cultura no fim do período colonial.” (NI ZZA

MARIA BEATRIZ, (ORG.) 02. cit., pág. 3.)

DA SILVA,

Uma outra atividade de considerável importância no período colonial foi a pesca da baleia no litoral brasileiro. Desde O século XVII, a coroa havia autorizado a pesca no litoral baiano. O declínio da pesca na regi ão, fruto da pesca predatória, trouxe a atividade para o sul da colônia (Rio de Janeiro e Santa Catarina). Em 1741, Tomé Gomes Nogueira obteve o direito da pesca de baleia s

(ORG.), 0. cit, pág. 93.) À empresa procurou apro veitar ao máximo o rendimento dos animais com o objetivo de suprir a carência d e azeite e de espermacete (substância extraída do cérebro da s baleias e e

mpregada na fabricação de velas) na “m disso, exploravam o âmbar, que tieuropeu, juntamente com as barbata-

nas € com a carne da baleia para a tender ao mercado interno colonial. Uma análise mais detalhada do il irá

56

CAPÍTULO 4

O

GOVERIHO

DOS

BRAIICOS

4.1 . AS CAPITANIAS HEREDITÁRIAS E OS DONATÁRIOS Aco de Martim Afonso de Sousa (1530) marcou o encerramento da etapa pré-colonial. Foram os resultados dessa viagem, em conjuBação com a nova conjuntura oriental e a presença estrangeira no Brasil, que

acarretaram a implantação do sistema de capitanias hereditárias. À partir de 1530, a coroa portuguesa empenhou-se efetivamente no

sentido de garantir a posse do território brasileiro, estruturando um sistema administrativo adequado à situação do reino na época e implementando uma modalidade econômica rentável dentro dos interesses mer-

cântis europeus. Era fundamental, portanto, atacar simultaneamente os

dois problemas capitais que se apresentavam para Portugal naquele momento: a presença incessante dos franceses no litoral brasileiro, ameaçando por completo a soberania lusa na região e o controle do Atlântico Sul, é a necessidade de uma compensação econômica para suprir as deman-

das, cada vez mais insustentáveis, do comércio oriental.

À ocupação da terra, baseada em um suporte mercantil suficientemente lucrativo para atrair os recursos disponíveis na faixa atlântica européia,

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

uma vez que a coroa não possuía meios de investir na colonização, Con. su

mou-se como forma de solucionar as dificuldades existentes, acabando por promover a inserção definitiva do Brasil no circuito do ANTIgO sistem, colonial. Além disso, as descobertas espanholas no continente,

NOtada. mente a conquista de Tenochtitlán po r Hernán Cortez, tenderam à Va. lorizar ainda mais a América e acalen tar o velho sonho da descoberta de jazidas de metais preciosos no território brasil eiro. Inaugurava-se no Brasil uma nova mo dalidade de exploraçã na produção direta, pois até então, com exceção da exp

atlânticas, praticara-se apenas a come rcialização dos artigos já produzidos nas possessões ultramarinas, atua ndo » Portanto, na esfer a da circn. lação de mercadorias. com o fim da União Ibérica. A; Saragoça com a Espanha, os gemonia tanto no Oriente quanto na rota do Cabo. Definia-se no tratado, uma primeira reformulaç ão de Tord esilhas, a dominação lusa das Molucas (ou Ilhas

das Especiarias) em troca de uma indenização em ditorno de 35

nheiro — algo em 0 mil ducados — € O respeito à política do Mare Clausum no Atlântic o meridional.

Remediado um choque m aior com os espanhóis

Ba st os ficav am a cargo dos donatários Foram distribuídos 15 lotes . desiguai S de terras entre 12 donatários, do litoral até o estipu lado em Tordesi lh as. Logicamente,

58

esta marcação era

O GOVERNO DOS BRANCOS

Quanto aos donatários, estes eram componentes da

apenas presumível.

corte lusa, notadamente representantes da pequena nobreza; alguns vitoriosos no Oriente, outros do funcionalismo dependente do reino, e alguns outros de inclinação burguesa, inclusive associados a cristãos-novos. Não existia entre os donatários nenhum elemento da alta nobreza, já que, sem

dúvida, estes estavam mais vinculados ao lado oriental do Império. As cartas de doação e os forais, documentos ligados aos tempos da

Reconquista,

estabeleceram

os primeiros

vínculos

jurídicos

entre

metrópole e a colônia. Estipulavam a própria concessão da capitania —

a

aspectos da hereditariedade e demais cláusulas jurídicas — e os direitos e deveres dos donatários e colonos.

Diversas vantagens foram conferidas àqueles dispostos a enfrentar as

adversidades da empresa e investir nas terras brasileiras. Tratava-se, ob-

viamente, de incentivar a ocupação das terras, revestindo-se os donatários de amplos poderes. Dentre eles, podemos destacar:

+ a concessão de sesmarias (lotes de terra) a fim de estimular a vinda de colonos; ao contrário da capitania, onde o donatário não era proprietário, apenas usufruía os benefícios que dela pudessem ser extraídos, a sesmaria

era propriedade de quem a recebia. Aliás, as sesmarias dariam origem à formação de latifúndios, tão marcantes na história brasileira daí em diante; * a participação em alguns privilégios fiscais da coroa (a redízima das

rendas reais, a vintena do pau-brasil e a dízima do quinto sobre os me-

tais preciosos); * O comando militar e a representação da alta e baixa justiça; * O monopólio sobre os engenhos, moendas d'água, marinhas de sal; . além de escravizar um certo número de índios, os donatários tinham O direito de vendê-los anualmente para a metrópole.

É evidente que a Coroa Portuguesa precisou conceder vantadens à quem se dispusesse a vir para o Brasil. Mas essas vantagens nada mais Foram do que as contingências lógicas do exer-

cício da tarefa colonizadora.” (LOPEZ, LUIZ ROBERTO, História do Brasil Colonial, 7% edição, Porto Al egre, Mercado Aberto, 1993, pág. 28.)

f

i

at

a

LEA

ar

[o

a

o, a

A?

. UM

e 4”

= é

A

B9

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Quanto aos deveres dos donatários estavam: a obrigatoried

tar O quinto em relação aos metais preciosos, determ inado * MOnopólios reais (pau-brasil, drogas e especiarias) e outras vant agens fisc ais da Co roa. As cartas de doação e os forais expressam nitidame nte à Posição dos

donatários perante o sistema: delegados reais exercendo o hérculeo esfor. ço de lançar as bases da colonização em meio a tantas dificuldades.

Não seria grande surpresa a postura ne gligente de alguns donatários dian.

te das capitanias. Apesar do sucesso de São Vicente, o próprio Martim Afonso de Sousa, por exemplo, participante pr ivilegiado dos preliminares da im. plantação do sistema, não chegou a assumir suas capitani as, delegand o-as a prepostos. Preferiu o cargo de capitão-mo r da Armada d as Índias. Analisar as capitanias hereditárias co mo estruturas feudais foi tendéncia de diversos autores, partindo de componentes que indubitavelmente sugeriam semelhanças entre os dois si stemas: questão da distribuição de terras como gênese do processo e à descentralização política. É importante perceber que o heneficium medieval não se r eproduzira no Brasil,

uma vez que o sistema de capitania s tinha de se subordinar à cen tralização

política do Estado português e sua ad equação à nova realidade ultrapartes envolvidas na concessão de terras,

bem diferente dos velhos tempos da Reconquis ta, havia se deslocado da esfera suserano-vassalo para a de rei-súdito, implic ando por si só uma di-

ferenciação significativa da parcela de poder nas mãos do donatário, se comparado com uma relação feudal clássica . Nota-se também que o Estado centralizado,

ci

Os, tendente à subsistência. Al ém

disso;

Pr lonização do Brasil fund amenodução no sistema feudal, ao passo que a cO” tou-se na mão-de-obra escrava negra.

o

160

O GOVERNO DOS BRANCOS

“Não havia no sistema brasileiro nem o feudo nem o vínculo de vassalagem, triturados ambos pela economia mercantil, derreti. poder do s dono Os DO, MUN RAY , ORO (FA ar. açúc pelo dos Vol 1, 82 edição. Rio de Janeiro, Editora Globo, 1989, pág. 13.)

As deficiências da experiência do sistema das capitanias, uma vez que as buíd atri ser em dev a, coro pela dos era esp tos efei Os s todo iu duz pro não

a diversos fatores, sobretudo porque: a grandiosidade da empresa era inos. tári dona dos e part or mai da es idad ibil poss às rior supe e ent tam eni Alguns donatários não se interessaram pelas terras, não havendo nem mesmo tentativas concretas de colonização. Outros chegaram a implementar um projeto inicial de ocupação, mas foram engolidos pelo isolamento (inclusive no que diz respeito aos contatos com mercadores europeus), O que permitia maior oposição dos índios. Foi esse o caso de Francisco Pereira Coutinho, donatário da capitania da Bahia: após resistir a ataques indígenas por quase uma década, naufragou nas costas da ilha de Itaparica e terminou em um ritual antropofágico tupinambá, causando grande indignação na corte lusa. Caso expressivo ocorreu com a capitania do Maranhão — pertencente ao famoso historiador e humanista João de Barros —, onde a tentativa colonizadora de seus prepostos fracassou em função da resistência dos potiguares. O donatário chegou a lamentar-se de suas dificuldades em sua obra Décadas da Ásia. Pero de Góis, donatário de São Tomé, como alguns outros, decidiu queixar-se diretamente ao rei:

“(.) tudo nasce da pouca justiça e pouco temor de Deus e de

Vossa Alteza que em algumas partes desta terra se faz e há, por onde se, de Vossa Alteza não é provida, perder-se-á todo o Brasil antes de dois anos.”

| Já o caso de Pero do Campo Tourinho, donatário de Porto Seguro,

dústra exemplarmente a própria complexidade do processo de colonizasão, sujeito a inúmeros interesses e prioridades muito mais que simplesÉ

M

da

sf

E

PA

16]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

mente distintos, às vezes excludentes. A capitania de Porto Seguro, ão contrário de várias outras, havia sido objeto de grande interesse por Dar te de seu donatário, que chegou a vender seus bens no Minho e transfe. rir-se pa

ra o Brasil com cerca de seiscentos co lonos, inclusive famílias, ; fim de ocupá-la. Em pouco tempo, os

obstáculos iniciais foram Supera. dos, a produção de açúcar engati nhava e os resultados colonizado res eram amplamente favoráveis, princi palmente se

comparados com o con junto das donatarias. Em 1543, en tretanto, acusado de blasfêmia e desrespeito aos di

as santificados, Pero do Campo To urinho foi preso pela Inquisição, transferido para Lisboa e julgado. Mesmo absolvido, não lhe foi permitido o regresso ao Brasil. Laura de Mello e Souza analisou 0 » Preocupada não tanto com o sis. tema administrativo das capitanias, mas com a questão da religiosidade popular nos primórdios da colonizaçã o.

“Falsas ou verídicas, as acusações que os colonos fizeram contra o Donatário refletem traços caracter ísticos da religiosidade popular nos primeiros tempos de co] onização, quando era Fregiente 0 hábito de blasfemar, ironiz ar os dogmas da Fé, desacatar o cleFo, Os santos e até Deus (..) da Procissão de Corpus Christi, teria dito que era inadequada a épo ca de sua celebração: ao sul do am diferentes, e seria melhor pasSar este dia santo para outubro, quando aqui era quase verão. Reto

rquiu-se-lhe que só o Fapa poderi a Fazer tais alterações: 'eu Sou papa', teria respondido o Uonatá rio (...) Para ele, Bispos e Ace-

OS aos donatários pelo sistema.

Eta

te me nte respaldado pela descenona ã | | ientemente, tampouco enc Ontra va-se imune à J ustiça vig ente em Portuga l.

RC

162

O GOVERNO DOS BRANCOS

çou me co não s osa igi rel e tis can mer des ida ess nec as re ent ste O contra vos No aí. por ou in rm te não e ro gu Se to Por de com o caso da donataria antes da ent res rep e s ono col do en lv vo en m, ra de ce su se as put debates e dis sen do os lam rec aos to an Qu xa. ple com s mai vez a cad ma Igreja de for m co te men rta (ce e del à -se tar jun am iri s ita sfe ati ins ES tenciado, outras VOZ ação ort exp de a our lav da ção ura rut est da er orr dec o m co mais cuidado)

al. oni col a tem sis igo ant do ras reg às o açã e a integr

con s nia ita cap s dua nas ape II, o Joã D. por o id ed nc co l cia Do lote ini

a er ov om pr e s nte ste exi s ulo tác obs OS e nt me ta re nc co r era sup seguiram a da tiv ini def ão aç up oc a mo co im ass s, ore dut pro s leo núc de em ag mont secon que as e ent tam jus m ra ra pe os Pr . co bu am rn Pe e e ent Vic terra: São guiram articular a produção à engrenagem mercantil européia, diversifi car a atividade agrícola com algodão e tabaco e partir para o próprio abastecimento de gêneros de subsistência.

A) SÃO VICENTE artim Afonso, quando da expedição de 1530, se ocupou em dar

combate aos franceses e promover a fundação de vilas. Em 1532,

foi fundada na área litorânea a vila de São Vicente, considerada o primei-

ro núcleo de povoamento branco do Brasil. A escolha do local para esta fundação pode parecer um pouco paradoxal. Afinal, como explicar o es-

tabelecimento de uma vila em uma área tão meridional e, consequente-

mente, tão distante da metrópole?

“A eleição de um lugar mais ao sul (...) muito mais distante da

Europa que as zonas do nordeste, não foi ocasional. As explora-

ções do litoral haviam mostrado que as 'terras austrais prometiam Fácil acesso ao coração do continente e ao Fabuloso Peru.

Segundo o historiador português Jaime Cortesão, Dom João III

não desconhecia que a região marítima de domínio luso mais pró-

xima da bacia platina era São Vicente. Deste modo, ao enviar Martim Afonso, pretendia valorizar as possibilidades de abarcar no âmbito da soberania portuguesa toda a área do Prata, incluindo, portanto, o Paraná — do qual o Tietê é afluente — e o Paraguai,

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

este último 'o Fabuloso rio dos jubilosos tesouros de ouro e pra-

ta.” (QUEIROZ, SUELY ROBLES DE, São Paulo, Editorial Mapíre, Madrid, 1992, pág. 50.)

Na expedição de Martim Afonso estava presente seu irm ão, Pero Lopes de Sousa, que descreveu a viagem no seu Diário de N av egação, documento muito importante para a análise do período e perme ado, como seu antecessores, de uma visão otimista das terras brasileiras. Vale acrescentar que esta visão não resistiria quando os pe rcalços da colonização se tornassem mais concretos. A partir daí, na óti ca européia, a Améyica paradisíaca perderia espaço para a América diabólica. Nesta região, a produção de açúcar teve um começo auspicioso. Merece destaque o engenho adquirido pelo holandês Erasmo de Schetz, O primeiro a ser erigido no Brasil. Foi esse um dos fat ores que concor-

reram para tornar O porto de Santos (povoamento fundado pel o escudeiro de Martim Afonso, Brás Cubas) uma movimentada área com ercial. À região vicentina, apesar da arrancada favorável, acabou se estabe lecendo de forma secundária no circuito mercantil europeu. A fertilidade

das terras vicentinas não era das melhores, como pa reciam indicar as primeiras experiências agrícolas. Faltava a esta terra a capa cidade produtiva dos massapés do Nordeste.

Este dado, entretanto, não pode ser considerado sem se levar em conta outra importante questão. Em umá época em que os fretes maríti mos eram

caros, as longas distâncias só poderiam ser superadas mediante a certeza de

lucros altíssimos. À medida que o Nordeste — favorecido por condiç ões

geoclimáticas amplamente satisfatórias — despontav a como pólo produtor de açúcar, possibilitando gastos bem mais reduzidos com o transporte, além da maior segurança, o litoral Vicentino seria relegado a um plano inferior em relação a semelhante atividade nordestina, Em 1542, a vila de São Vicente

164

O GOVERNO DOS BRANCOS

esas min das o açã lor exp da mo rit o pri pró o ém, por ra, dos Escravos. Ago panholas contribuía para O seu incremento.

nal pla do to en am vo po o ceu ore fav l ora lit do nto ame azi esv vo ati rel O

imFoi a. ôni col da o unt j con no ar gul sin aço esp um ou up oc que a to, áre

os pel do era sid con to mui o, alh Ram o Joã go fra náu do o açã atu a te tan por

fez o que o , aná gui fe che um de ha fil a m co ado cas era que já , nas indíge tráno ém mb ta ou atu o lh ma Ra o Joã fe. che de ém mb ta assumir atributos paio apo de to pon e ant ort imp mo co nar cio fun de m alé os, rav esc fico de ticado ra os colonizadores, apesar de muitas vezes ter sido duramente cri

pelos jesuítas, notadamente pelo padre Manuel da Nóbrega.

Em 1553, fundou-se no planalto a vila de Santo André da Borda do

Campo. No ano seguinte, os jesuítas lançaram as bases da cidade de São

Paulo. Até o final do século XVI, esta área planaltina foi o núcleo de povoamento mais afastado do litoral, representando uma exceção ao modelo colonizador português de até então. Palco de interesses contrastantes e atitudes singulares de seus habitantes, a região em questão foi chamada paradoxalmente de La Rochelle por uns

(sugerindo impenetrabilidade e consequentemente isolamento) e Celeiro do Brasil por outros (significado o sentido de integração). Percebe-se que as condições estavam dadas para a consolidação da área como espaço favorável ao engendramento da atividade bandeirante.

B) PERNAMBUCO D

uarte Coelho, veterano nas Índias, chegou a Pernambuco em 1535, acompanhado de sua mulher, pertencente à família Albuquerque, marcante nos destinos da capitania. Duarte Coelho teve que enfrentar

Muúmeras dificuldades no seu propósito de estabelecer na região uma Nova Lusitânia. Sua correspondência com o rei, datada de dezembro de 1546, apresenta diversas questões referentes a uma das principais barrei-

tas encontradas pelo capitão-mor da dita capitania: a incompatibilidade “tre a produção agrícola sistematizada e a dispersiva exploração do pau-brasil, fi mi

RO E pain também foi ameaça constante ao projeto se a e da capitania, atacada diversas vezes pelos nati)

ada por Duarte Coelho, também sofreu ataque dos

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

indígenas. Não podemos esquecer que, nesta fase, a reação dos í ndios deve ser vista como resposta à própria violência colonizadora, ma rcada pela escravização dos nativos e pela ocupação de suas t erras. Afonso Gonçalves, homem de confiança do donatário, foi incumbid o de Manter a proteção de Igaraçu, ao que parece, localizada e m uma área que Or igi. nalmente havia sido uma aldeia dos caetés. Hans Staden, náufrago alemão que deixou registros sobre o Bras il

quinhentista, relatou que a ameaça indígena parecia capaz de destruir o projeto colonizador naquela região. Inclusive, o próprio — € interminh-

vel — título de sua obra, publicada em 1577, ilustra suas impressões a respeito dos índios:

Descrição verdadeira de um país de selvagens nus, ferozes e canibais, situado no Novo Mundo da América, desconhecido na terra de Hessen, antes e depois do nascimento de Cristo, até que, o

CR



*

há dois anos, Hans Staden de Homberg, em Hessen, por sua pró-

pria experiência, o conheceu,”

Em função das condições adversas, O próprio Duarte Coelho decidiu Viajar para Portugal, objetivando obter maior apoio do rei ao seu em-

preendimento. Ao que tudo indica, estava interessado em resgatar escraVOs africanos para a lavoura açucareira. Superando os vários obstáculos existentes , os Albuquerque conseguiram

desenvolver a capitania e promover à consolidação da empresa açucareira.

Podemos considerar que as relaçõ es com os índigenas seguiram o padrão geral de cooptação e alianç as com determin ados grupos como forma de

S terços da mão-de obra era formada por 1”

» denomin ado s negros da terra. Já os escravos negro S

eram comumente chamados d é negros da Guiné. Percebemos clar amente 166

O GOVERNO DOS BRANCOS

que, para os portugueses, à palavra negro era praticamente sinônimo de es-

s cano afri os bra, de-o mãoà ão relaç em o, temp do cravo. Com o decorrer maagro na ria ritá majo alho trab de força a do pon com logo seriam trazidos, is sáve spen indi os, negr avos escr de ença pres me enor A r. açúca do nufatura

ao processo produtivo em curso, levou o padre Antônio Vieira a declarar

com sua habitual retórica: “Sem negros não há Pernambuco.”

Já no século XVII, a epopéia de Duarte Coelho e dos Albuquerque foi retratada por Bento Teixeira em sua obra Prosopopéia, dedicada especialmente ao capitão e governador de Pernambuco Jorge de Albuquerque Coelho. De caráter bajulatório, inspirado em parte nos Lusíadas, o poema pode ser considerado a primeira obra literária produzida na colônia. 4.2 . O GOVERNO

GERAL

instalação do governo geral ligou-se diretamente ao desempenho do sistema das capitanias hereditárias, tanto pelas dificuldades da maior parte delas como pela experiência bem-sucedida das de São Vicente e Pernambuco. Enquanto o sistema das capitanias, descentralizado e pouco convidativo, não proporcionara todos os objetivos esperados. Os franceses continuavam a rondar o litoral. A lavoura açucareira, de for-

ma localizada, alcançava bons resultados, a ponto de se fazer urgente uma reformulação administrativa nas terras brasileiras. Acrescente-se que Portugal vivenciava um período de intensa crise do comércio ultramari-

no, sendo inclusive necessário o abandono de diversas praças onerosas:

Santa Cruz do Cabo de Gué, Safim, Alcácer Ceguer, além da feitoria portuguesa em Flandres. Diante das circunstâncias, na verdade um agravamento de uma situa-

são Já anunciada em 1530, a corte portuguesa sentiu ser indispensável reafirmar a soberania sobre suas terras americanas. Contribuiu também para este redirecionamento administrativo a descoberta espanhola das minas de Potosí, fonte de esperanças renovadas em relação à possibilida-

Ge de serem encontradas riquezas metálicas no Brasil. Isto porque, como E

A dep alguns autores, na cartografia da época, o Peru en-

sma faixa geográfica da colônia portuguesa, alimentan-

do c onstantemente O sonho dourado dos colonos luso -brasile leiiros e do go-

Vverno de Lisboa.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

A) O GOVERNO DE TOMÉ DE SOUSA (1549-1553) omé de Sousa, fidalgo da Casa Real, destacado em Missões o Hentais T africanas e primo de Martim Afonso, foi no meado 80Vernador.

geral através do regimento expedido em dezemb ro de 1548. Extrema. me

nte minucioso — há quem o tenha chamado de primeira Constituição —, O regimento tratava, nos seus 45 parágrafos ou capítulos, de Inúme-

ras questões referentes aos problemas que compet iam à nova autoridade

€ seus auxiliares próximos: combater os corsários, fazer alianças com tri. bos amigas, fiscalizar a exploração do pau-brasil, explorar o sertão, percorrer as capitanias, estabelecer feiras nas vilas e povo ações. As demais autoridades coligadas ao governador- ge ral — capitão-mor (defesa), provedor-mor (tributos) e ouvidor- m or (justiça) — receberam seus próprios regimentos, reguladores de sua s atribuições específicas. Apesar de todas as dificuldades existentes, a Co roa portuguesa não pretendia abandonar o sistema das capitanias he reditárias. Dizia o regimento de Tomé de Sousa que um dos objetivos pri mordiais era exatamente o de

“Conservar e enobrecer as capitanias é povoações nas minhas terras do Brasil”. Al

iás, muitos dos próprios donatários pediram in sistentemente so-

corro ao monarca. Na verdade, o que a coroa preten dia era dar um senti do de unidade à dispersão inicial. Ficariam as donatarias, daí em diante, como uma divisão subordinada à nova estrutura político-administrativa. Caberia a Tomé de Sousa à fundação de São Salvador, primeira capital da

colônia, na capitania da Bahia. Os incidentes envolvendo o donatário

facilitaram o resgate da capi

+ à localização, entre as duas que obtivera m sucesso (“que fosse como coração no meio do corpo”):

+ O fácil acesso (“

+ a fertilidade (“

oleiros, carreiros, Car vociros etc.

nador-geral. Muitos índios ch e

168

O GOVERNO DOS BRANCOS

mu ra Ca o s, are Álv o og Di de ça en es pr a pel cidade, fato este favorecido . nas íge ind os re ent do gia sti pre te tan s bas uê ug rt po go ra uf ná igo ru, ant Tomé de Sousa — ao que parece com instruções vindas da metrópole a eir Per o sc ci an Fr de on ião reg na de da ci da o açã tal ins — não optou pela Coutinho havia se fixado, denominada Vila Velha ou Vila do Pereira. Salvador enquadraria-se na velha tradição portuguesa da acrópole fortificada (o que se traduzia nas cidades alta e baixa), combinada com uma “espontaneidade anárquica”, na expressão de Arno Wehling, traço marcante de várias cidades coloniais brasileiras. Bem diferentes seriam as cidades da América espanhola: favorecidas pela maior disponibilidade de recursos materiais, foram rigidamente tra-

cadas e delimitadas. A questão, que na verdade envolve outros aspectos, foi magistralmente tratada por Sérgio Buarque de Holanda:

“Já à primeira vista, o próprio traçado dos centros urbanos na América Espanhola denuncia o esforço de vencer e retificar a fantasia caprichosa da paisagem agreste: é um ato definido da vontade humana. Às ruas não se deixam modelar pela sinuosidade e pelas asperezas do solo; impõôem-lhes antes o acento voluntário da linha reta (..) O traço retilíneo, em que se exprime a direção da von-

tade a um fim previsto e eleito, manifesta bem essa deliberação (...)

no plano das cidades hispano-americanas, o que se exprime é a idéia de que o homem pode intervir arbitrariamente, e com sucesSO, no curso das coisas e de que a história não somente “acontece”, mas também pode ser dirigida e até Fabricada.” (BUARQUE DE

HOLANDA, SÉRGIO. Raízes do Brasil, 172 edição, Rio de

Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1984, págs. 62-64.)

Tomé de Sousa organizou a missão punitiva contra os responsáveis pe-

lo massacre de um dos fidalgos do rei: os tupinambás. Na verdade, preMUnciava-se

a instituição da Guerra Justa — vigente de fato em 1570 —,

que serviria como pretexto para a escravização de inúmeras tribos indíirei E hostis ao portugueses. À medida que O processo de a terreno, este contingente crescia. Nessa hora, a fal-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

ta de uma unidade indígena mais consistente foi fundamental Para a do. minação branca. Diversas vezes os tupiniquins foram coopt

os pelos portugueses na luta contra os tupinambás. Aproveitavam-se osadeuro peus das rivalidades entre tribos, aumentando as tensões existentes e efetivar. do alianças temporárias e oportunistas, como o próprio regimento do

governador sugeria. Entretanto, a relação entre colonizadores e índios, nessa fase, não se esgota na questão bélica, indo muito mais longe.

“À primeira ou as duas primeiras gerações de invasores portugueses haviam dependido totalmente dos conhecimen tos indígenas sobre a Mata Atlântica. Os tupis caçavam, plan tavam e cozinhavam para os expedicionários, além de curar suas doenças. [ão dependentes eram os portugueses que, de quando em quando, tinham de se rebaixar a trocar seus estoques de facas e anzóis não por bens comerciais ou escravos, mas por mandioca (...) Durante esse período, os invasores raramente ousaram

penetrar na Floresta em busca de escravos; em ve z disso, eles os adquiriam por meio de negociações com os nativos, a quem aplicávam O mesmo nome que empregavam em seu terr itório afri-

cano: pombeiros' — referindo-se aos pombos que são soltos para atrair outros a voltarem para o viveiro” (DEAN, WARREN, A ferro e fogo: a história da dest rui ção da mata atlântica, São

O GOVERNO DOS BRANCOS

tou a ren enf al er -g or ad rn ve go ro mei pri O o, açã str ini adm sua Ainda na a ida sua a te en em nt ta lu re s opô se que , resistência de Duarte Coelho do a nci erê ing não a pel u to op que rei, ao ou eg ch a Pernambuco. À querel ntes age Os . nia ita cap da di ce su mbe na s are ili aux s seu e l governador-gera des o nd ce re me xo, bai de s nia ita cap as nas ape ndo ita vis reais acabariam

taque à construção do forte de São João de Bertioga, em 1553, estrate. tos San e e ent Vic São a o im óx pr o, zad ali loc e nt me gica

o rn ve go re ent , sa io on rm ha re mp se m ne o, açã rel da ro Indicativo cla tra mos ho el Co te ar Du e sa Sou de mé To re ent ito atr o s, nia ita geral e cap

zação e a própria dificuldade da Coroa em equilibrar o incentivo à coloni

a centralização política, ambas fundamentais para a rentabilidade da empresa ultamarina.

Tomé de Sousa foi responsável pela abertura de caminhos, pela cons-

trução de um pequeno estaleiro e pela introdução do gado em terras da Bahia. Trazido do arquipélago do Cabo Verde, o gado foi inicialmente utilizado como pagamento de soldos. É bastante conhecido o caso de Garcia D'Ávila, elemento que conseguiu prosperar ao receber algumas

poucas cabeças a ponto de se transformar, certamente, no maior criador

do século XVI no Brasil. Bahia e Pernambuco foram, daí em diante, as

principais áreas de irradiação da pecuária no Nordeste.

A ORIGEM DOS COLONOS té agora, em relação aos europeus que se transferiram para o Brasil,

falou-se muito em donatários, governadores e demais autoridades liBadas à metrópole. Não podemos esquecer que uma leva de colonos foi

formada pelos desenraizados portugueses, ou seja, aqueles que não pos-

suiam acesso à terra na metrópole. É possível, inclusive, identificar as re-

Bi0es portuguesas que mais forneceram colonos ao Brasil, destacando-se

Lisboa, as áreas do norte de Portugal, as regiões entre os rios Minho e

Douro e as ilhas atlânticas. Sabemos, inclusive, que, em meados do século

XVI, a própria coroa já mostrava interesse em trazer açorianos para o Brasil.

is

lembrar também o conjunto de degredados no processo de

Nização. Algumas considerações importantes devem ser feitas quan-

to a este grupo. N

sua

a

A

. à visão dos próprios contemporâneos, o Brasil: era consider ado uma

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

terra de degredo. Nesse sentido, é bastante ilustrativo o depoimento

um colono pernambucano ao Tribunal do Santo Ofício: «

e

deste Brasil sabia muitas artes e manhas porque era gente deCgraedadaSenteJ Reino por maus feitos (...).”

Esta imagem ganhou projeção após a edição do alvará ferindo os degredados de São Tomé para as terras brasil e iras. Nesse periodo, muitos réus eram também mandados para as galé S. Com as novas determinações reais, e o deslocamento do degredo para a América, o próprio caráter da pena seria transformado. Afinal, lo ngo caminho separava a ilha atlântica da colônia americana E consequen temente, inúm eros perigos apresent avam-se nessa longa travessia marítima, Em Portugal, nessa época, fazia muito sucess O uma literatura especializada em naufrágios — dando origem às histórias trágico-marítimas, Entretanto, desde a Antiguidade a relação do s homens com o mar era tratada com respeito e... medo. A tradição bí bli ca contribuiu para promover uma imagem desconhecida dos oceanos, ressaltando-os como um prolongamento do caos e como um privilegiado instrumento da ação punitiva, consubstanciada no Dilúvio. Dessa forma, como demonstrou Lauta de Mello e Souza, o degredado acabava pass ando por processo de purifi-

cação, um exílio ritual, que começava com a própria viagem oceânica.

Foi no século XVII, entretanto, que o Brasil pa ssou a receber um número bastante expressivo de degredados. A questão estava diretamente ligada à própria força da Inquisição portuguesa e ta mbém às necessidades da colonização:

“Esta mudança parece indicar, em Portugal, a passagem de uma

política de aproveitamento dos desclass ificados sociais e dos marginais

em trabalhos Forçados (comum e m grande parte da Europa

nos séculos XV e XVI) para uma política de ap roveitamento destes

O GOVERNO DOS BRANCOS

tricon , am av nt me le mp co se fé e lei , tes len iva equ m era ado pec Crime e buindo para aumentar O número de transgressores no reino português. tão a dut con de s soa pes m era não to, tan por s, ado red deg Boa parte dos

desclassificante, se comparados com outros reinos, à mesma época.

Outra questão importante, nos primórdios da colonização, foi a carência de mulheres brancas, fato comprovado por inúmeros historiadores. Nesse sentido, são famosos Os pedidos do jesuíta Manuel da Nóbrega à coroa portuguesa. Não é surpresa, portanto, que a miscigenação tenha se

transformado na saída natural para tal problema.

B) DUARTE DA COSTA (1553-1558) io

de Tomé de Sousa, apesar de empenhado nos seus propó-

sitos administrativos, Duarte da Costa deixou a marca de uma gestão

não só sem o brilho do predecessor, mas também do sucessor, Mem de Sá. Ganhou destaque o atrito com a Câmara de Salvador e com o bispo, D. Pero Fernandes Sardinha. Esta segunda questão foi valorizada ainda

mais em função da ritualizada morte do religioso (vítima da cultura antropofágica dos caetés) após o naufrágio, no litoral baiano, da embarcação em que regressava ao reino para ter uma audiência com o monarca. Nesse período explodiram as primeiras tensões entre jesuítas e colonos a respeito da escravização indígena, questão tão comum daí em diante. O governador-geral, por sua vez, não conseguiu equacionar o problema, contribuindo para a insatisfação praticamente geral.

Durante o governo de Duarte da Costa, os jesuítas fundaram um co-

légio, origem da cidade de São Paulo. Os desencontros com os colonos

no litoral os levou à procura de contingentes indígenas no interior, espeCialmente os carijós (nome dado muitas vezes aos guaranis) do Paraguai.

Chefiados pelo padre Manoel de Paiva, no dia 25 de janeiro de 1554 emPreenderam a construção do colégio. “Em carta a Inácio de Loiola descrevia Anchieta o colégio de

São Paulo como uma simples casa, 'a qual terá 14 passos de comprimento e 10 de largura, que nos serve de escolas, dormitório, enfermaria e cozinha e despensa'. Atraídos pela construção rude e modesta, os índios foram levantando habitações ao seu re-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

dor. Assim, a princípio, o pequeno assentamento teria um Forte componente indígena, que só se atenuaria com aq decorr er do tempo.

(QUEIROZ,

SUELY ROBLES

DE,

0p. cit., pág.

55.)

Foi no governo de Duarte da Costa que os fran ceses, capitaneados por Nicolau Du

rand de Villegaignon, instalaram-se na baía da Guanabara Entusiasmado pelas condições favoráve is descritas pelos contemporâneos e apoiado por figuras proeminentes da corte fr ancesa, inclusive pelo próprio

rei, além de diversos mercadores, o comanda nte francés ocupou a ilha de Serigipe, construindo um forte e fundando uma colônia, lo go denominada ousadamente de França Antártica. No mesm o período, os huguenotes tam. bém ins: alaram-se na Flórida, onde pretendiam criar a Nova França. Durante a experiência da França Antártica, fo ram produzidos dois preciosos relatos a respeito da paisagem brasileira e dos hábitos dos nativos: As singularidades da França Antártica, ed itado em 1558, de André Thévet, e Viagem ao Brasil, editado em 1578, de Jean de Léry. Estes dois livros são fundamentais para a análise do período em questão e fontes permanentes para novas interpretações históricas e etnológicas. O governador-geral Duarte da Costa, impossibilit ado de dar combate à nvergadura, deixou O cargo sem organizar uma consistente Oposição aos inv asores. À corte portuguesa, por sua vez, nada conseguiu com Os insistentes protestos diplomáticos às autoridade s competentes francesas.

C) MEM DE SÁ (1558-1572) Su conselheiro do rei, Mem de Sá assumiu O cargo de terceiro governador-geral com imensas responsa bilidades pela frente, qué iam desde a obstinada mora l “zação da colónia até o combate a decidi da

presença francesa no litoral brasileiro, Nomeado capitão-mor, Bartolomeu de Vasconcelo



O GOVERNO DOS BRANCOS

Mem de Sá chegou em 1560 à baía da Guanabara, onde recebeu os reforços oriundos de São Vicente. A ação portuguesa foi favorecida pelas próprias dissidências e rivalidades existentes entre os franceses instatados na baía. O projeto antártico havia sido planejado e anunciado como um espaço religioso livre das tensões que grassavam na Europa na

segunda metade do século XVI. Os huguenotes receberam garantias,

por parte dos organizadores da empresa, que a tolerância religiosa seria

uma das características fundamentais da futura colônia tropical. Na realidade, durante a presença no Brasil, o próprio Villegaignon passou à hostilizar abertamente os calvinistas. A partir daí, muitos protestan-

tes, desencantados com a tão almejada tolerância, abandonaram o forte e migraram para o continente, onde fundaram Henryville. Paralelamente, Villegaignon ia perdendo boa parte de suas bases na corte, o que contribuiu para determinar o seu retorno, ainda em 1558, para a França, onde se filiou ao partido ultracatólico dos Guises. No seu lugar, tentando a4ministar as tensões, ficou seu sobrinho Bois-Le-Comte. Na verdade, o sonho da França Antártica terminava antes mesmo de começar. Nesse período, merece destaque o episódio conhecido como Confederação

dos Tamoios, ligado não só à resistência indígena contra os brancos, mas

também ao ciclo de lutas pela afirmação da soberania portuguesa na par-

te meridional do Brasil. Tratava-se de uma aliança de diversas tribos — tupinambás, aimorés, goitacases — contra a presença e ações dos portugue-

ses. Algumas dessas tribos mantinham contatos intensos com os franceses.

“Ão contrário do que se costuma dizer, ela não Foi uma aliança de tribos tamoios. Não havia tribo alguma com essa denominação (...) a palavra tamoio (tamuya) quer dizer, em tupi, o mais

velho do lugar. E quando assim era para ressaltar a condição chegaram primeiro à terra, os da dos brancos. Por isso é que

O mesmo

significado

se chamavam os da Confederação de serem os mais velhos os que que a habitavam antes da chegaa Confederação dos Tamoios tem

de Confederação

dos Nativos (...).”

(NADAI, ELZA E NEVES, JOANA, História do Brasil, 163 Edição, São Paulo, Editora Saraiva, 1995, pág. 58.)

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Localizada originalmente em Iperoig (correspondente à atu al Ubaty. ba),

a Confederação dos Tamoios passou a ocupar um plano b em defini. do nas prioridades colonizadoras. Durante os conflitos, os jes Uítas atua.

ram decisivamente, agindo como embaixadores dos brancos. Nesse senti. do, o

padre Manoel da Nóbrega, em 1561, transferiu-se para São Vicente, acompanhado de José de Anchieta, já conhecedo r da língua ty.

Pi, aspecto fundamental para o contato com os nativo s. Anchieta conse. guiu uma

trégua com os tamoios, minando a aliança desse contingente com os franceses. Este fator foi fundamental para a posterior vitória por-

tuguesa. À trégua, nunca plenamente respeitada pelos traficantes de es. cravos, foi esquecida, abrindo uma nova frente de hostilidades entre tn. digenas e portugueses. Em sua plenitude, a Confederação dos Tamoios durou um pouco mais de vinte anos (1554 -1575) » Sendo destruída com extrema violência no governo de Antonio Salema . + São Sebastião do Rio de Janeiro

No decurso das lutas contra os franceses foi fund ada a cidade do Rio de Janeiro, concebida como um ponto de apoi o contra os invasores. O próprio Tomé de Sousa havia sido imbuído da missão de fundar um forte na área, não o fazendo por absoluta falta de recurs os. O controle da baía da Guanabara era indispensável para a hegemonia po rtuguesa da ro-

ta das Índias — ainda que em retrocesso — e para viabil izar possíveis incursões à área platina.

Mem de Sá conseguiu uma primeira vitória contra os franceses ainda em 15

60, quando o forte Coligny foi tomado e seus oc upantes tiveram de

deixar a ilha, transferindo-

S franceses contra os portugue ses; O

(hoje, praia do Flamengo). À total inexistência de u m proje to colonizador, após a vi tória parcial, por parte do governadorgeral contribuiu para a cont inuidade dos fran”

176

O GOVERNO DOS BRANCOS

dios ín s, se ue ug rt po s no lo co — e nt ce Vi o Conseguindo reforços em Sã

temininós € tupiniquins € também

alguns mestiços —, além do jesuíta

a, ar ab an Gu da ía ba na ou tr en Sá de o ci tá Es José de Anchieta, em 1565 e rt Fo do a ai pr e, oj (h ar úc Aç morro do Pão de

desembarcou próximo ao a en qu pe a um de ão uç tr ns co a ra pa de São João, na Urca) e deu ordens

do o iã st ba Se o Sã de de da ci da s to en povoação. Lançavam-se 08 fundam Rio de Janeiro.

uoc s se ce an fr os s: ca si bá s sa is em pr as du a u de A escolha do local aten

to li do e rt pa de an gr s, na ge dí in s do s vé ra at os pavam, OU tinham contat dos ra tu al à sa fe de de s õe iç nd co ar nt se re ap a ri ve de ral; a região escolhida o nd se l, ve sí es ac te en lm ci fi di ea ár a um a ci futuros combates; de preferên . ía ba da ão aç iz al su vi de e nc ca al de an gr indispensável também um

de m Me € es nt ta ns co m ra s fo na ge dí in e s se ce an fr m co Os confrontos ibr so u se a de ci ên st si re r à sa os gr en ra pa da ma Sá chegou a enviar uma ar OS ra nt co ue aq at de an gr do um za ni ga or i o fo ir ne ja nho. No dia 20 de s, sa ue ug rt po as ri tó as vi er úm in m m, co ra de ce su s se to li nf co franceses. Os apesar da morte de Estácio de Sá. O comandante luso foi alvejado no , rho po al rv Ca o de ad lg De ra Pa o. st ro da no ha ec fl a um r po ta lu meio da

tanto, “as setas do escudo da cidade não representam, pois, somente às do martírio de São Sebastião”. Foram tomadas várias posições francesas na baía: Leripe — atual Glória — e Paranapuã — atual ilha do Governador. Destacou-se a atuação de

Araribóia, chefe temininó, tribo que havia sido anteriormente expulsa da

am er ed s nc se co ue ug rt , po sa os en mp co . re ás Em mb na pi s tu lo pe ão gi re lhe uma sesmaria, na atual Niterói. Após inúmeras derrotas, os franceses

se retiraram para Cabo Frio, onde permaneceram por um bom tempo. Após a morte do sobrinho, Mem de Sá empenhou-se pessoalmente na

do na mi no is de , po io de ár nu Ja o Sã o de rr mo o ra de pa da ão ci aç da transl Castelo (destruído em 1922, restam apenas resquícios da ladeira que li-

Sava o monte à igreja e ao antigo Hospital da Misericórdia), considera-

do mais seguro e favorável ao desenvolvimento da cidade.

A nova localização da cidade pode ser considerada excepcional: pro-

Ea vista abrangente da baía, encontrava-se próxima do Ho a e boas águas — e era servida por planícies féreis, Ri turos celeiros da cidade. A segunda fundação da ddade netas ged ão do Rio de Janeiro ocorreu em 1º de março de

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

1567, dois anos exatos da fundação original. Não POF ac aso, passou a ser chamada daí em diante de cidade velha. Vendo as bases da cidade instaladas e as revoltas indí S enas ao redor da baía devidamente controladas, Mem de Sá partiu para à Capital da colo. nia em 1568, deixando no governo mais um sobrinho: S alvador Correia de Sá. Inaugurava-se assim a hegemonia desta família n O Rio de Janeiro, que passou agora a ser uma capitania real, não mais li g ada administrati. vamente a São Vicente.

4.2.1 . AS SUBDIVISÕES ADMINISTRATIVA S

A) AS CAPITANIAS REAIS C

om o estabelecimento do governo geral, a co roa portuguesa decidiu criar as capitanias reais, controladas por um capitão-mor. Já sabemos, porém, que as capitanias hereditárias continuaram a existir. A primeira capitania real a ser criada foi a da Bahia, resgatada — através de indenização aos familiares — pela coroa após o incidente desastroso com o donatário Francisco Pereira Coutinho. Ainda no século XVI, foram criadas outras capitani as reais, notadamente em áreas onde as investidas estrange iras eram uma ameaça. São elas: a já mencionada capitania real do Rio de Ja neiro, a da Paraíba, a de

Sergipe e a do Rio Grande do Norte. No século seguinte, à medida que avançava a ex pansão territorial, Ceará, do Maranhão, de Perna

|

bordinada a um juiz Ouvido r.

Gidas em

unos,

equivalentes aos atuais municípi os, governados pela Câmara Municipal ou Sena do d ind ass

a Câmara e pelo alcaide. Os termos, po!

Sua vez, eram ainda subdivididos em fr eguesias, administrativamente su” bordinadas ao juiz de vintena. e

O GOVERNO DOS BRANCOS

B) A DIVISÃO EM DOIS GOVERNOS sucessor de Mem de Sá, Luís Fernandes de Vasconcelos, não conseO, guiu chegar ao seu destino, sendo atacado por corsários huguenores. Em 1572, após a morte de Mem de Sá, chegou ao Brasil Luís Brito de Almeida, novo governador-geral. Sua jurisdição territorial foi bastante limitada, se comparada com a de seus antecessores, em função da decisão me-

tropolitana de dividir a colônia em dois governos. Afinal, a coroa por-

tuguesa tinha dois objetivos básicos pela frente: promover a expansão na

parte norte do litoral brasileiro e garantir a hegemonia na região sul, onde a presença estrangeira era uma ameaça ao domínio português.

Já nos referimos várias vezes às investidas francesas no litoral brasileiro. Não devemos negligenciar, entretanto, a ação espanhola, principalmente ao sul de São Vicente. As manobras do governador do Paraguai, Alvaro Núfiez Cabeza de Vaca, pretendendo estabelecer uma província — a Província de Vera — entre Assunção e o Atlântico, deixam isso bem evidente.

“À ameaça espanhola Foi, do ponto de vista dos interesses portugueses, tão ou mais grave que a francesa, pois significou a ten-

tativa de dominar toda a região ao sul de São Vicente. Às discretas referências Feitas na historiografia brasileira a essas tentativas espanholas do século XVI, especialmente entre os historiado-

res do século XIX, devem-se ao temor de que sua valorização estimulasse reivindicações territoriais dos Estados Platinos, sobretudo numa época em que as Fronteiras ainda não estavam com-

pletamente demarcadas.” (WEHLING, ARNO e WEHLING,

MARIA JOSÉ C. DE, op. cit. pág. 73.) Entre

1572 e 1578, portanto, o Brasil foi dividido em duas regiões

administrativas:

+ O Brasil do Norte, de Pernambuco até Porto Seguro, com a capital em Salvador, governado por Luís de Brito e Almeida. Além dos conflitos

com Os indígenas, o período foi marcado pelas tentativas malogradas de conquistar o litoral de Sergipe e da Paraíba.

* O Brasil do Sul, a partir da capitania de Ilhéus, com a capital no Rio

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

de Janeiro, governado por Antônio Salema. Além das disputas com q gy? . $ franceses e indígenas em Cabo Frio, foram realizad as entradas, Chegando até Minas Gerais, sem obterem maiores sucessos.

Após 1578, o Brasil foi reunificado, sob a autoridade de

Lourenço da Veiga, mantendo-se como capital Salvador. Entretanto , as ofensivas estrangeiras não cessaram. Ampliaram-se cada vez mais, e SPecificamente com a investida francesa na região do Maranhão. Por outro lado, nunca seriam totalmente desfeitas as esperanças de descobrir minas na região sul. Em função destes fatores, entre 1602 e 1612 , já durante a União Ibérica, nova divisão administrativa foi efetivada:

+ O Estado do Brasil, com as mesmas delimitaçõ es do chamado Byasil do Norte, com capital em Salvador. Interessante no tar que, neste período, alguns governadores passaram mais tempo em Pernambuco — principal pólo econômico — do que propriamente na Bahia; + a Repartição do Sul, com as mesmas delimitações do chamad o Byasil do Sul, com capital no Rio de Janeiro. Novas entradas fo ram organizadas, sem maiores consegiiências.

Em 1612 ocorreu nova reunificação, restabelecendo-se a cap ital em

Salvador. Nove anos mais tarde, entretanto, ocorre u uma terceira divisão,

“(...) em decorrência direta da Fundação da Cidade de Santa Maria do Belém do Pará, na Foz do Amazonas. À fu ndação des-

sa vila decorreu do medo da Espanha face à possibilidade de pirat as ou colonos holandeses, penetrarem pel o Amazonas até O

Peru, junto às minas de prata.” (LINHA RES, MARIA YEDDA L. Organizadora

do Atlântico, sem conseguir chegar, como previsto, ao Norte do Brasil. I80



. História Geral do Brasil, 32 Edição. Rio de Janeiro, Editora Campu s, 1990, pág. 42.) Devemos lembrar que Os contatos entre o Norte e o Sul da colônia sempre foram muito ou dificeis, principalmente em função do regime de | à area setentrional. Era muito com um que um bar co, proveniente do sul, ou mesmo da Bahia, fo sse arrastado para o melo

O GOVERNO DOS BRANCOS

s: va ti ra st ni mi ad es ad id un as du em do di vi di ficou (ou do Grão-Pará), do Ceará ao Pará, sediaBelém; ex o é at e t r o N o d e d n a r jurisdição do Rio G

De 1621 até 1775 0 Brasil “o Estado do Maranhão m e a r o s i u L o ã S m e a or do , o Estado do Brasil, comvador. l a S m e o d a i d e s l, Su o trem

C) O VICE-REINO gade tou tra IV o Joã D. 0, 164 em a, ues tug Por ão raç om à Restau hos gan ar tiz cre con de fim a a, ôni Col a re sob le tro con or (Corantir mai s mo de po o Nã a. ric Ibé ão Uni a ros ast des da s re do sa en mp econômicos co 8. 166 até rra gue em ram ive est a nh pa Es e al tug Por que esquecer tex con te nes se rauad enq no ari ram Ult ho el ns Co do o açã A própria cri to, como sugere o decreto real de 14 de julho de 1642:

“Pelo estado em que se acham as coisas da Índia, do Brasil, de Angola e demais conquistas do Reino, e pelo muito que importa conservar e dilatar o que neles possuo e recuperar o que

se perdeu em tempos passados (...).”

A centralização acarretava o fortalecimento dos governadores, sendo que estes passaram a ser chamados de vice-reis. A escolha do título foi in-

fluência dos anos de contato com a administração espanhola. Às atribui-

ções do vice-rei estavam ligadas à segurança do território, à fiscalização das autoridades subordinadas (capitães-mores, provedores), às questões

Judiciárias (bem ampliadas em relação aos governadores-gerais) e, logicamente, às econômicas, devendo prestar contas ao Conselho Ultramarino.

O primeiro a ser chamado de vice-rei no Brasil foi D. Jorge de Mascarenhas, na linha sucessória, 18º governador-geral. O título, entretanto,

foi aplicado com certa irregularidade, pelo menos

até 1720, quando

Oo

Brasil foi oficialmente transformado em vice-reino. O poder dos vice-reis aumentou com a transferência do governo para o Rio de Janeiro, medida

correlacionada ao sentido de unidade dado pela administração pombalina.

Em 1808, com a transferência da corte para o Brasil, o sistema foi abolido.

apo

et

181

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

4.3 . AS CÂMARAS MUNICIPAIS E OS HOMENS BONS esde o início do processo colonizador, a coroa D promover a fundação de vilas e povoamentos, b usca ndo garantir a ocupação da terra, a defesa, a exploração econômica e sua CONSegiiente arrecadação fiscal. As grandes vilas — especialmente a S loca lizadas no li. toral — acabaram transformando-se em pontos fundam entais da base ad. ministrativa metropolitana, do controle político dos senhores de engenho, além de ocupar a função social de reunir os moradores próximos em momentos considerados especiais. Com o intuito de operacionalizar um mo delo administrativo sediado

nas vilas, aplicou-se no Brasil a organização munici pal portuguesa, cujas

raízes remontavam ao direito romano. O principa l organismo do poder municipal era a Câmara Municipal (também ch amada de Senado da Câmara, Câmara dos Vereadores ou ainda Conselho de Vereança) secundado pelo alcaide, este na verdade sob controle do do natário da capitania, Além da administração de suas próprias rendas e de seu patrimônio, podemos destacar como principais funções do órgã o:

+ abastecimento de gêneros comestíveis, principalmente da farinha e

da carne; * regulamentação do pequeno comércio, fiscalizando as licenças de vendedores ambulantes, quitandeiras e feirantes de uma forma geral;

+ regulamentação dos preços cobrados pelos arte sãos (ferreiros, catpinteiros, alfaiates e outros) 3 * Organização das festas religiosas mais importantes; * Organização de expedições para capturar índios: . + conservação dos chafarizes, dos canos e das bicas, já que a questão da água era fundamental para Os colonos; * CONStrUução E conserva

ção das ruas, dos caminhos e pontes; * regulamentação dos | ocais para despejo de lixo; o distribuição das

terras

municipais e fiscalização da construção dos edifícios.

182

O GOVERNO DOS BRANCOS

tre os en os id lh co es do an qu — ra ma câ da s ro mb me A formação dos

iele mo co am av ip ic rt pa e qu de es, colonos — era feita através de eleiçõ pro-

s de an gr a, sej ou s, bon ns me ho os ad am rores e elegíveis apenas Os ch tavam

exes , es çõ na de Or as o nd Segu prietários de terras e de escravos. € us de ju , os ad ed gr de , ios rár ope s, cluídos do processo eleitoral os mecânico -

pu im , ra ma câ da ar ip ic rt pa ra Pa es. peõ outros QUE pertenciam à classe de a até — o nd na mi ri sc di , ue ng sa de za re pu da nha-se também a obrigação

e qu ro cla É o. ur mo e u de ju de e nt de en sc sexta ou sétima geração — O de

. os gr ne os ra pa ém mb ta a ri le va ão aç in +al determ

de e ão nh ra Ma da s Luí o Sã o, eir Jan de Rio do s ra “Ac Câma um e ess tiv que um er qu al qu am ar gn pu im re mp se São Salvador mui am er s to la mu se e, ra neg a raç a m co te, den vínculo, mais evi le be ta es de o rç fo es o óri not um se iafaz s, do ti mi ad e nt me ra ra +o s do na mi ri sc di não , ios índ m co ia ár in ag im a ci ên nd ce as a cer um

” s). ono col os pel s ore eri inf os ad er id ns co a or mb (e ão aç sl gi pela le (LINHARES, MARIA YEDDA L. (org.), op. cit., pág. 36.)

Podemos concluir que o próprio caráter da câmara, assim como suas múla-

eplas funções, representavam os interesses tanto da elite local como dos repr

sentantes da coroa. Aí está a razão principal para as tensões futuras que envolveriam as câmaras e as determinações metropolitanas. Enquanto os interesses reinóis coincidiram com os interesses dos senhores de engenho não ocorreram

maiores problemas nas atribuições e poderes das câmaras. Entretanto, a situa-

ção mudou quando apareceram os primeiros desencontros, quando, a partir

da Restauração, a coroa apertou os cintos da elite colonial.

Podemos apontar diversos momentos em que estas tensões vieram à

tona: assim foi no caso da escravidão indígena, envolvendo os colonos

paulistas e as câmaras de São Paulo. No Rio de Janeiro, os vereadores

voltaram-se contra o governador Salvador Correia de Sá e Benevides. No Maranhão, houve envolvimento dos vereadores na Revolta de Beckman,

Sa

)

piada

o mesmo ocorreu na Guerra dos Mascates.

a, ocorreu o chamado Motim do Maneta, desta vez

co m tendências Ânci populares — representadas atravésé do Juiz do Povo — contra o aumento do preço do sal.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

No século XVIII, a política pombalina retirou das câmar

boa Parte de sua autonomia. À prática de eleições locais foi substituída,às quas e

integralmente, pela coroa. Entretanto, apesar do esPAziamento po ms tais estruturas administrativas não desapareceram. Como armou e Fausto, graças ao seu enraizamento na sociedade, as Câmaras e :

:

Municipais

foram O órgão que sobreviveu por inteiro, e até se reforçou, apó » 4PÔs a Independência. “ni único

Aro

ã

:

184

CAPITULO 5

À PECUÁRIA

5.1 . O GADO: CRIAÇÃO E EXPANSÃO [pesso no Brasil Colônia pelos portugueses, o gado bovino assumiu inicialmente o papel de um produto complementar à cana-de-açúcar, +



=

como força de tração e alimento. Em consequência, o rebanho encontra-

va-se localizado no interior do engenho, com o senhor de engenho acumulando a posse das reses e o controle sobre o latifúndio.

À necessidade de grandes extensões de terras livres para a exp ansão da

lavoura da cana acabou, por volta do século XVII, promovendo a expul-

são do gado das áreas litorâneas e a sua fixação no interior da colônia.

Objetivando regulamentar a atividade criatória, em 1688 a coroa portuguesa decretou alvará proibindo a criação de gado em uma área de dez

léguas do Recôncavo Baiano. Essa determinação demonstrava a força política dos pro

dutores de cana junto às autoridades coloniais portugues as,

da medida em que garantiram para si as terras livres pró ximas ao litoral, delas afastando a criação bovina. Sem

Outra alternativa, os criadores de gado passaram a ocupar as ter-

Tas Interioranas da região açucareira nordestina. Em virtude da reduzida

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

tecnologia utilizada pela atividade criatória, o aumento dos re banhos

era

correspondente à ampliação das áreas pastoris, alargando o m “Pa geográ. fico da ocupação do gado. Dia nte disso, dilatou-se a distânci

d Entre O li.

toral e o sertão, com o contato comercial entre ambos se e St ruturando em torno das feiras, apontando O caráter efetivamente merca ntal qu e passou a ter a pecuária. Uma das consegiiências imediatas desse processo foi o da

“Formação, por parte dos colonizadores, de uma vastíssima rede de propriedades: as fazendas de gado.” (TEIXEIRA DA SILVA, FRÂNCISCO CARLOS, “Pecuária, Agricultura de Alimentos e Recursos Naturais no Brasil-Colônia”, in: SZMRECSÂNYI,

TAMÁS. História econômica do período colonial, São Paulo, Editora Hucitec e FAPESD, 1996, pág. 123.)

Junto com esse processo, ocórreu a intensificação das guerras contra Os índios e a ampliação do emprego da mão-de-obra escrava indígena, atendendo à demanda dos latifúndios que se organizavam.

Similar à estruturação da empresa açucareira, as fazendas de gado sutgiram através das doações de sesmarias de

vastas extensões de terras recém-conquistadas ou por conquistar, principalmente em remuneração ao serviço mili tar prestado contra os índios, concedidas com limites e extensão incerw

-—



'

tos. (TEIXEIRA DA SILVA, FRANCISCO CARLOS , 02. cit , pág. 123. )

Na prática, as autoridades portug uesas concederam terras ainda desco” nhecidas dos colonos, | gerando não só monopólios fundiários nas mão dos que rec 4 ! ebiam as t “ras, como também a “la 1 Õ fortes a



to

x

"

A

conflitos sociais junt

aos colonizadores que,

Às tentativas da coroa - , Portuguesa em disciplinar a ocupaç ão das ua esbarrou na intransigên

cia dos grandes proprietários que, de Salvador,

186

$

À PECUÁRIA

o nçã ute man a iam ant gar , isso com e, is oria cart ros ist reg OS am lav tro con

de seus latifúndios no sertão nordestino.

não firas mei pri As ais. curr e as end faz re ent nça ere dif a r alta ress Cabe ras out er olv env des o end pod o, gad de o açã cri à e ent cavam restritas som

enobt a ava ili aux que o , aco tab de o tiv cul o te men pal nci atividades, pri

pon o era r cria de a end faz A . rio etá pri pro ao os ent dim ren s bon de ção ina dom pre qual na as, cerc de a uíd tit des , rta abe em sag pai “de ro central

ANCISCO FR VA, SIL DA IRA IXE (TE ”. gas tin caa € pos cam Os vam CARLOS, op. cit, pág. 148.) Já os currais constituíam, antes de tudo, o espaço para a reunião do gamal, do e onde se fazia O ferro, ou a marca (símbolo tatuado na pele do ani aess nec am rav ont enc se não ais curr Os ). rio etá pri pro seu o qual ndo indica

riamente próximos às fazendas e se caracterizavam pelos baixos investimentos efetuados pelo proprietário, geralmente relativos à compra de escravos. Além dos currais, existiam as fazendas de engorda ou invernadas, onde as boiadas eram engordadas em pastos especialmente preparados para esse fim, após o que eram negociadas no mercado. Ficavam próximas das feiras ou das charqueadas, e seus proprietários compravam a boiada cansada e emagrecida por um preço mínimo, revendendo-a, após a engorda, por um valor acima do investido. Também era natural a existência de pastos comuns, as chamadas terras indivisas, onde as boiadas de diversos criadores permaneciam misturadas.

Quando os animais estavam prontos para serem negociados nas feiras,

eram recolhidos para a formação da boiada, originando o período das juntas. O uso comum do pasto fazia com que na época das juntas ocorresse a possibilidade da incorporação de gado pertencente a outra boiada.

Como a marca que identificava o proprietário do animal só era efetua-

da em etapa posterior, nos currais, para evitar tensões e disputas, passou

à ser comum a anotação dos animais para “posterior

indenização,

troca

ou

permuta,

sendo

ponto

de

honra para o vaqueiro o correto trato com o animal alheio, característica geral da sociedade agrária brasileira.” (TEIXEIRA

DA SILVA, FRANCISCO CARLOS, 02. cit, pág. 130.)

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Em alguns casos, eventos eram realizados para acertar a troca

No Ceará, as juntas acabaram dando origem ao festejo da vaques

de r eses.

ada,

Quan-

do vaqueiros confraternizavam e acertavam a correta posse dos animais acordando os valores correspondentes às cabeças de gado mistura das.

Da Bahia e Pernambuco, duas grand es regiões açucareiras do Nordeste

partiram as

“grandes correntes de penetração no interior: a baiana, pel os sertões de dentro' (Ceará, Piauí, Maranhão), e a pernambucana ,

pelos sertões de Fora' (Paraíba, Rio Grande do Norte, parte do

Ceará e Piauí).” (MARANHÃO, RICARDO: MENDES JR. ANTONIO e RONCARI, LUÍS. Brasil história. Texto e consulta. Colônia, São Paulo, Editora Brasiliense, 1976, pág. 150.)

As áreas ocupadas não constituíam necessariamente grandes fazendas

de gado. As terras poderiam estar arrendadas, ou então divididas em uma

diversidade de currais. O controle de diversos currais por um único proprietário tornou-se comum, assim assegurando o seu domínio sobre extensas áreas de pastos, águas e outros recursos naturais, como os refrigê rios encontrados no sertão do Piauí, que se caracterizavam pela existência de cactáceas, fundamentais ao gado em períodos de secas prolongadas. |

Geralmente, o gado caminhava seguindo o curso dos grandes rios, pois desse modo garantia-se água para o rebanho, além de fixar-se junto das barreiras de salinas encontradas junto ao rio São Francisco e no litoral do Ceará e do Rio Grande do Norte, formando os lambedonros para as reses.

À medida que o gado avançava pelo sertão, novos povoados eram criados, O que permitia aos vaqueiros um local para descanso e reabastecimento de Vi“STS, &O MESMO tempo em que movimentavam um pequeno comércio ge

rado para atender às necessidades dos rebanhos. Localizados a certa distán-

188

j

À PECUÁRIA

DO A RI MA L, RA AB (C e”. ant ner iti € a iv ns te ex ia à expansão da pecuár SOCORRO COELHO, Caminhos do gado, conquista e ocupação do sul .) 105 . pág , 92 19 a, cm Se s õe iç Ed s, Luí são do Maranhão, s iá Go e s in nt ca To de ião reg na o ad ci go ne Do Maranhão, o gado era am rn pe a eir car açu ião reg a m co , X) XI ulo séc do (principalmente a partir te, sal ao sso ace o ia mit per que O á, Par O m co bucana € principalmente nci pri o m, lé Be de s avé atr os ad ci go ne re e os cidos e ferragens importad edo gr se O a. ôni col da te es -O ro nt Ce do e e rt No do l ti an rc pal centro me

idev ado cri do ga do e ad id al qu na va ra nt co en do sucesso maranhense se a, à eir rag for nte ele exc o ad er id ns co e, est agr m pi ca do do à “existência A RI MA L, RA AB (C . .)” (.. as águ das de da ni re pe à «menidade do clima e

DO SOCORRO COELHO, op. cit, pág. 153.) acri ade vid ati na el pap te an rt po im u mi su as ba aí rn Pa rio do ião A reg tória, menos pela comercialização do rebanho e muito mais pela função

À ia. uár pec de as áre ras out as e ant do ta en es pr re do ga de rio ató erv res de memória popular ainda hoje lembra a cantiga que diz “o meu boi morreu, que será de mim, manda buscar outro moreno, lá no Piauí”, refor-

cando a imagem dessa região como fornecedora de reses para a criação em outras áreas da colônia. Mas como o gado chegou ao Brasil? Sabemos que O gado vaum não

era conhecido pelas tribos indígenas. A sua origem vinculou-se ao início da

efetiva colonização portuguesa das terras do Brasil.

O gado fora introduzido no Brasil em 1534, na capitania de São Vicente,

por Ana Pimentel, esposa de Martim Afonso de Sousa. Atendendo ao consumo interno, em uma capitania onde a produção açucareira jamais atingi-

ra O mesmo nível da nordestina, o rebanho dos campos picentinos só adqui-

riu maior importância com a descoberta dos metais preciosos na região das

Minas Gerais.

Por sinal, a região das Minas tornou-se a principal consumidora do gado que não vinha somente dos campos vicentinos, mas também, dos camPosgoitacases no Rio de Janeiro (que atendia ainda ao consumo da cidade o Rio de Janeiro). A introdução do charque (carne salgada em mantas) a E E nei entre a região mineradora e Os centros pecuaristas, rcado interno e a circulação de mercadorias na colônia. )

A expansão da população colonial e a ocupação das terras que ultra-

passavam o limite de Tordesilhas pelos portugueses favoreceram a expan-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

são da criação de gado em áreas tão díspares como a ilha de Matajó e 0 atual Rio Grande do Sul. O desenvolvimento da criação na ilha de Marajó evidenciou o Cresei.

mento de Belém como núcleo urbano na região amazônica, em grande

parte devido à extração das drogas do sertão, de elevados valores no mer.

cado europeu.

Além da região da ilha de Marajó, a pecuária des envolveu-se,

por vol-

ta do final do século XVII, na região do Rio Branco, próxima a Roraim a, abastecendo os povoados e postos militares portugueses ao longo do rio Amazonas, principalmente Manaus, Obidos e Santarém.

No Rio Grande do Sul a pecuária atingiu o seu auge no período colo:

nial, sendo facilitada pelos vastos pastos formadores dos pampas € cruzados por grandes rebanhos de gado selvagem. A origem desses rebanhos ainda é marcada por controvérsias na historiografia brasileira. Alguns afirmam que o gado foi

“introduzido pelos espanhóis, outros pelos portugueses; outros Finalmente acham que a origem deve ser procurada nas missões jesuíticas que se localizaram nas margens do Rio Uruguai.”

(BUARQUE DE HOLLANDA, SÉRGIO (org.), História geradal civilização brasileira: a época colonial, Tomo 1, Vol. 2, pág. 225.)

Diferentemente do que ocorreu em outras regiões da colônia, no Sul

O gado se desenvolveu sem que ocorresse a atividade criatória, correndo solto pelas campinas, atiçando o desejo de portugueses e espanhóis, que sonhavam em capturar e domesticar aqueles vastos rebanhos. n a E a Durante o período de enfrentamentos dos reinos ibéricos, disputand a colônia do Sacramento,

Ó

os rebanhos selvagens serviram para O abaste ”

cimento das tropas mili tares aí; aquartel adas. Lentamente, Sacrament 0 (Ornou-se um centro migratório no sul, atraindo paulistas interessados em domesticar os reb Deve

Catarina) Santa atual (na na Lagu por ando interiior, explorando » oPass e pelo inter Planalto Curitibano, o que permitia a ligação

com Goiás e Mato Grosso, onde se desenvolveu forte setor mineradot:

À PECUÁRIA

pa es e ss po va ti ni fi de a m ra ta er ac Com os acordos diplomáticos que s no se rxa fi r po m ra ta op s ta is ul pa nhola da colônia do Sacramento, Os s re da E eN RR TA s ES ro et am pr e os -s do an rn to , de an Gr planaltos do Rio a, ni ta pi ca da a ne râ to li a ix fa a am av up oc e qu s no lo co os ri óp pr Os gião. a portuguesa (recebenda o iv nt ce in o b so am ar gr mi e qu s no ia açor am ar ss pa , o) iv lt cu ra pa as rr te e do inclusiv I I V X lo cu sé o “n e qu do mo l criação, de ta DE E U Q R A U B ( . a” ni ta pi ca na estâncias cit, pág. 226.)

coro a trocar as plantações pela já havia mais de quinhentas HOLANDA, SERGIO, 07.

à u ce en rt pe e 60 17 em iu rg su ra ei A criação de charqueadas — a prim o Sã de de an Gr o Ri no s, ta lo Pe em se José Pinto Martins, tocalizandodeia ár cu pe da ão ns pa ex a iu nt ra ga — l) Su Pedro (atual Rio Grande do O ra Pa a. ni lô co na o ut od pr do or id um vido à ampliação do mercado cons das a ri io ma na : na ti ro a su u ro te al o nã e qu ar criador, o surgimento do ch en e) qu ar ch O a av ar ep pr se de on al oc (l vezes, a estância e a charqueada em rg ma a m si as do an nt me , au io ár et ri op pr o ic contravam-se sob um ún de lucros da criação. ém mb ta s ma o, rn te o in ad rc me ao só o a nã di en at ho O charque gaúc

de ém al , ba Cu , em na va Ha ra o pa ad ci go ne o nd se o, rn te o ex ao mercad e qu ar s ch õe do aç rt po ex as X, XI lo cu sé o. No ir ne Ja de o Salvador e Ri

gaúcho correspondiam a seiscentas mil arrobas por ano. pe e, rt pa o, em ad ic pl ex a e er qu ar ch o ra o pa ad rc o me nt do me O cresci o çã ta en te im al en na on te mp an co rt po im ca mo se co ern ão ca aç da la utiliz

| e qu r e po is cr da ém io l, al ár ra ru et ri op pr o ra o pa st o cu ix os ba a av cr es s do gião re u a lo so as e qu ca o se da ad lt su , re se en ar ce do ga o de çã ia cr a a passav entre 1790 e 1794. Essa crise favoreceu o comércio gaúcho com o próan ig rl te in m, lé Be m co I, II XV lo cu sé l do na fi a do lt prio Ceará, e, por vo

do um extremo ao outro da colônia. No entanto, não foi somente o gado bovino a ser criado nos pampas s, senia nc tâ es s r te na ga an lu rt po ou im up ém oc mb lo ta va s. ca O ho úc ga

do, no entanto, negociado na própria região. Bem diferente do que ocorreu com o rebanho de muares que atendia diretamente Minas Gerais, on-

mente da ta no vo le re um es de ad ld cu fi di as er nc ve ra o de era empregad pa l, Su do de an Gr o Ri ; Do lo va el ca ív ao on sp an tr in s, ze ve Su A a av iz al re se de on o, ul Pa o Sã , em ba ca ro So é at Na (eae ea . is ra Ge s na Mi ra pa s do va le am er í Da a. nd ve para a

AS,

19]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

5.2 + O SISTEMA DE TRABALHO

O contrário do que comumente se afirmava, a mão-deObra dom. Amante

no sertão pecuarista foi a escrava. A crença do pe SO do traba. lho livre deve-se, entre outros fatores, à liberdade existen te

para o Vaqueiro, que levava o rebanho por grandes extensões do ser tão. À crença no peso maior da população indígena como mão-de-obra na pecuária também foi derrubada por recentes pesquisas. Muito ao contrário, em algumas regiões, como no São Francisco, co ns tatou

da população índia e, muito claramente, um es forço d

-se “reduz;-

capatazes em expulsar, e mesmo chacinar, tribos inte DA SILVA, FRANCISCO CARLOS, op. cit, pág. 137.) A chacina de tribos indígenas objetivando ampliar as terras livres para O pasto

reforça a constatação do emprego de escr avos negros como tra-

balhadores na pecuária, ainda que sob um regi me de menor controle social, se comparado com a grande lavoura açucar eira. Além disso, a romantização do vaqueiro, pe rpetuada pela historiografia

tradicional, generalizou a completa compreensão da sua real posição dentro da so ciedade do gado. O vaqueiro era um home m

livre, com uma im-

portante posição no interior das unidades produtivas , diferente dos homens com quem trabalhava. Seus auxiliares, os “ camaradas, cabras ou fábricas ocupam uma posição suba lterna, inferior, e não tratam diretamente com O proprietário”. (TEIX: IRA DA SILVA, FRANCISCO CARLOS, 0p. cit, pág. 138.) O vaqueiro era um gerenciador das atividades econômicas das fazendas, recebendo como ma era conhecido co

dade do vaqueiro, e somente para ele, montar o seu próprio rebanho OU, ainda, arrendar terras para o cultivo. A partilha implicava pagam

i

192

À PECUÁRIA

guisse a est e qu ra pa da ia bo a m va ca to e qu , es ov zendas, como OS tanged a coav nt se re ap se ho al ab tr O , res liv ns me ho s te es ra Pa o. nh se seu cami ob ia it rm pe s lhe e qu os rs cu re de o ul úm ac e de ad id il ib ss po l mo uma rea

. ia nc tê is bs su de a ur lt cu à ra pa io sít ter pequeno

ação rm fo a ra pa s ha ec br as en qu m pe va ra nt co en ém mb ta os av cr Os es s da vé ra at a ri or oc o Iss e. ad rd be li a r te ob ia it rm pe s lhe e qu o de um pecúli alEm . te en em vr li ar ci go ne am di po s ele e qu , criação de cabras € galinhas de gao ul úm ac o va ta en es pr re e qu o s, lo va ca guns Casos, O escravo criava nhos significativos na comercialização.

De qualquer forma, o cotidiano do escravo na pecuária implicava um

o ad ar mp co se , res liv ns me ho m o ad co iz qu ar er hi e do gi rí s convívio meno s mo ar er id ns co te se en lm pa ci in , pr ra ei ar uc a aç ur vo la e da ad id al re com à

uma predominância de caboclos e mulatos entre os auxiliares do vaqueiro.

=.3. A IMPORTÂNCIA DA PECUÁRIA NA SOCIEDADE COLONIAL (O

maior significado da pecuária no Brasil Colônia foi representado

pelo alargamento das fronteiras do território pelos portugueses. Esse processo resultou no genocídio de inúmeras tribos indígenas, garantindo a transformação de áreas florestais ou de cultivo de tribos indíge-

nas em grandes pastos para o gado circular livremente. À utilização dos grandes rios sertanejos do Nordeste e a ocupação dos pampas gaúchos foram conseqiiências diretas da expansão dos rebanhos. Além disso, o gado acabou por vincular-se às demandas de um incipiente mercado interno, no que tangia à produção de couro, à comercialização da carne e à venda de charque nas terras do Brasil. À sua utilização como força motora nos engenhos que não possuíam águas para girar a moenda

representava a aceleração do tempo de produção, além de poupar escraYOs nesse setor, impedindo eventuais prejuízos ao grande proprietário.

qe

prat

193

CAPÍTULO 6

AS DROGAS

DO SERTÃO

6.1 . O DOMÍNIO ESPANHOL E A COMPETIÇÃO INTERNACIONAL ET

ano de 1499, partiu do porto de Palos, na Espanha, o navegador Vicente Yániez Pinzón, com o objetivo de continuar o empreendimento exploratório junto às terras descobertas por Colombo. Em

seus relatos, Pinzón afirmou ter encontrado um imenso mar de água do-

ce, por ele batizado de Santa Maria de la Mar Dulce, e que, acredita-se, correspondia à foz do rio Amazonas. Seguindo as margens do litoral, Pinzón alcançou as Antilhas no início de 1500. Dois anos depois, outro navegador espanhol, Diego de Lepe, alcançou

um grande rio, por ele batizado de Maraiion, sem, no entanto, ter iniciado a efetiva exploração da região. Cerca de 22 expedições foram patrocinadas pela coroa espanhola na região, principalmente após a queda do império inca, com o objetivo de descer o Maranôn, ligando o Pacífi-

co ao Atlântico. | Em 1539, saiu de Quito o navegador Gonzalo Pizarro, irmão de FranCisco Pizarro, o conquistador do império inca. Sua tarefa consistia em

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

atravessar os Andes e tomar posse da lendária região do EI dorado, a fim

de obter canela para o comércio com a Europa.

Após atravessar as cadeias montanhosas dos Andes os exploradores de. frontaram-se com um “mundo surpreendente de floresta densa e de

águas abundantes”. (BUARQUE DE HOLANDA, SÉR GIO (org, “História

geral da civilização brasileira”. Tomo 1, 4 época colonial. Volume

1, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1989, pág. 257.) Apó s atingir um tre.

cho banhado pelo rio Coca-Napo, a expedição foi dividida , e um grupo,

sob o comando de Francisco Orellana (15112 -1546), partiu em busca de alimentos, terminando por desembocar nas águas do Maraiion. Avançando rio abaixo, Orellana chegou, em 24 de agosto de 1542. 40 oceano Atlântico, após ter atravessado um grande rio. Este foi inicialmente batizado com o nome do próprio explorador e, mais tarde, como nome de Amazonas, devido à crença de que os gru pos indígenas combatidos pela expedição na região de Nhamundá fossem as lendárias tribos das amazonas, mulheres guerreiras de acordo com a mito logia grega Nos relatos de frei Gaspar de Carvajal (15042-1584), os pró prios índios alertavam os espanhóis sobre as amazonas é sugeriam que fossem

“ver as amazonas, que na sua língua era coniupui ara, o que

significava grandes senhoras, mas que prestássemos atençã o no que fazíamos, porque éramos poucos e elas muitas, para que não nos matassem.

Que

não

parássemos

nas suas terras,

porque eles mesmos nos dariam tudo o que necessitássemos.”

(CARVAJAL, FREI GASPAR DE, Relatório do novo descobri-

mento do famoso vio grande descoberto pelo capitão Francisco de

Orellana, São Paulo, Editora Scritt a, 1992, pág. 47.)

196

S DROGAS DO SERTÃO

nho so io pr ró “p ao do vi de o an ic er am a exploração européia do continente s ze ve as nt ta r ia gu de há io ér sf mi he do o st re de riquezas fabulosas, que no , A D N A L L O H E U DE Q R A U B . ( )” .. u (. pe ro or eu ad os passos do conquist 59, 19 a, or it o Ed pi ym Ol sé Jo o, ir ne Ja de o Ri o, ís SÉRGIO, Visão do Para

aim o a € os lh vi ra ma o a, ic ér Am a “n e r qu ma ir s af mo de pág. 3.) Assim, po ano foi, ic o er os am lh vi ra ma o do nd m. fu ra O di ci in as co ez qu ri s da m ge s te an . aj O M Vi R E L L I U I, G CC ” IU o. (G ic ôm , te on en ec quase exclusivam 13). . pág , 92 19 , as tr Le das . Cia o, ul Pa o Sã o, os lh vi do mara pre de jo se de , o as ad in ag im in as ez qu ri r po a sc bu a do si a nh Talvez te

ra mb le e qu ras ter , pa ro Eu da es nt re fe di tão s en ag is pa de ras senciar ter

vam o Paraíso, O principal elemento que motivou a leva de expedições se Es a. ic ér Am da or ri te m in o ra va ra sb de I, XV lo cu sé do o ng que, ao lo s desbravar assumiu componentes de uma obra épica, com os espanhói

atravessando a selva desconhecida para conquistá-la, submetendo-a ao jugo da coroa imbuídos da crença de que eram membros de uma 7vaça eleita, que tinha recebido de Deus a tarefa de sobrepujar e catequizar os povos ameríndios. Não foram eles os únicos a se atreverem a desbravar o interior da Amazônia. Além dos espanhóis, que em 1560 realizaram nova expedição sob o comando de Pedro de Ursua, ingleses e holandeses também procuraram marcar presença no território amazônico através da fundação de feitorias na região das Guianas, que serviram como ponto de partida para O avanço em direção ao interior, garantindo a exploração de urucu e madeiras para pequenas companhias sediadas em Londres e Amsterdã, en-

tre outras cidades.

A junção de Portugal e Espanha durante o período da União Ibérica (1580 — 1640) favoreceu a penetração lusitana mais intensa na região. Em 1615, após a expulsão definitiva dos franceses de São Luís do

Maranhão, foi entregue ao capitão Francisco Caldeira de Castelo Branco

O comando de uma expedição composta por cerca de 150 homens com o objetivo de fundar um estabelecimento fortificado junto à foz do Amazonas. Assim, foi fundado em 12 de janeiro de 1616, nas margens da baía de Guajará, os

o Forte do Presépio, ponto de partida para a formação de por cuguesa: Santa Maria de Belém do Grão-Pará, que se tor-

para o domínio português na região amazônica. Cabe ressaltar que o avanço português na região apresentou o nítido inO

ge

197

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

teresse de “marcar os pontos extremos das coroas ibéricas

» MESMO

n

ja

dição de unificadas, como então ocorria.” (BUARQUE DE HOLAN E

SÉRGIO (org.), 0p. cit. pág., 259.)

Em 1617, ocorreram os primeiros choques com as tribo S Tupinambás que viviam na região. Comandados por Guaimiaba, mai s c Onhecido Como Cabelo de Velha, os tupinambás não consegui ram imp

edir o Crescimento populacional de Belém e a formação de expedições d irigidas ão Interior da Am

azônia. Somente em 1619, os portugueses

CONseguiram

destruir as duas principais aldeias que resistiam ao domínio luso Nas proximidades de Belém: Iguape e Guamá. Os conflitos com as tribos tupinambás podem ser explicados pela pressão dos colonos portugueses em favor da util ização da mão-de-obra indí. gena

como escrava. À criação do sistema de capitães de aldeia, em 1611,

permitiu o controle sobre o trabalho indígena at ravés do emprego forçado de índios mediante o pagamento de baixos salári os. Os capitães de aldeia representavam também a autori dade judiciária, que exerceria a fiscalização do pagamento do salário aos índ ios, atuando ainda como juízes criminais e civis. Além disso, pode riam organizar tropas

de resgate para realizar escambo junto aos indígenas aliado s e efetuar a guerra justa, quando a acusação e comprovação de atos desumano s, co-

mo a antropofagia, ou a resistência à autoridade col onial portuguesa justificavam o ataque militar às aldeias e a escravização dos cativos.

A partir desse momento o conflito com os tupinambás passou a ter CO

mo eixo central o domínio do interior do Amazonas. Destacou-se nesse

período a expedição de Pedro Teixeira, entre 1637-1639, que gar ant iu à conquista lusa do sertão amazônico através da “fu ndação do povoado d | Noag o | E Franciscana, na junção do Solimões e Aguarico, marco da futura posse| 1

=

As

*



É

sa na região.” (MARANHÃO, RICARDO: MENDES JR., ANTÔNIO; » LUIZ, op. cit. pág. 157.)

cais, que, coordenadas in icial ram disposição de luta pa ra c ombater os rivais europeus dos portuguese Entre 1616 e 1648 os po Tugueses efetivaram uma guerra sem 198

5.

|

ÀS DROGAS DO SERTÃO

ni lo co os e qu a áre a e br so m va ça an av e qu , aos Seus adversários europeus aEst do , te en lm ia ic in , te an gr te in mo co do ni fi de am zadores lusitanos havi

as pel do ma or (f ão nh ra Ma do do ta Es , do te en rm io er st po e, sil do do Bra os ad ot rr De ). 52 16 e 21 16 e tr en á, Par e á ar capitanias do Maranhão, Ce an in lm cu o, ic ôn az am e val o pel ço an av O se uholandeses € ingleses, inicio ra nt co : tos fli con s vo no em I II XV do cio iní e II XV do em fins do século posse som sua va ca di in iv re a, ric Ibé o iã Un da fim o ós ap e, qu s, ói espanh

, na ie Ca r po do en sc de e, qu s, se ce an fr Os ra nt co e s, sa hre as terras portugue a o, id nt ra ga o ni mí do o m Co . pá ca Ma de le ro nt co desejavam obter O região. da ica nôm eco o açã lor exp a zar ati tem sis cou bus a ues tug por coroa

AS EZ QU RI S VA NO DE A SC BU A E IA ÔN AZ AM 62 . A necessidade de estimular o ingresso de imigrantes portugueses na Amazônia, somada ao resultado do Tratado de Haia de 1661, que resultou na perda de grande parte das suas possessões nas Índias Orientais para a Holanda, levou a coroa a incentivar a extração de cacau, gengibre, pimenta, algodão silvestre, salsaparrilha, baunilha, sementes olea-

ginosas, anil, madeira de lei, além do cultivo de produtos similares ao cravo e à noz-moscada. Todos esses produtos eram denominados generica-

mente de drogas do sertão. Com o objetivo de garantir a exploração das drogas, o reino de Portugal procurou criar incentivos através da concessão de privilégios fiscais e isenções tributárias. Além disso, na medida

“em que implicava um pequeno investimento de capitais e um

reduzido número de indígenas utilizados tempo, a extração de drogas do sertão cipais atividades do Norte do Brasil.” MARIA BEATRIZ (coordenação), op. Além

por um curto espaço Ce tornou-se uma das prin(NIZZA DA SILVA, cit., pág. 271.)

da atividade extrativista das drogas, a Amazônia conviveu com a

organização de bandeiras que avançavam em direção ao interior em bus-

ca de ouro, prata e pedras preciosas, recheando a presença portuguesa na

região com lendas de cidades cobertas de ouro e minas perdidas junto a

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

tribos hostis na selva. Dentre as diversas bandeiras o

Antônio Raposo Tavares foi a que mais impressionou Por seu carát er épi. co. Partindo de São Paulo em 1648, Raposo Tavares dirigiu seus homens rumo ao extremo oeste. Castigada por tro pas espanholas, a bandeira atra. vessou o sertão do Mato Grosso, avançando em direção ao Amazonas Sofrendo com a fome e as doenças, a ex pedição conseguiu chegar, em 1651, com alguns sobreviventes, ao forte de Gurupá, junto à fo Z do Ho Xingu. Após rodar pelo sertão amazônico por cerca de três anos € Meio,

Antônio Raposo Tavares e seus homens puderam regressar a Sã O Paulo, onde o bandeirante morreu, em 1658, debilitado pelas doenças contraídas durante suas inúmeras bandeiras.

6.3 . AS FORMAS DE OCUPAÇÃO DA AMAZÔNIA Í nicialmente, a ocupação do território amazônico revest iu-se ter militar, com a formação de núcleos urbanos em torno de fortes ao longo do rio. Isso ocorreu com Belém (fundada com Manaus, que surgiu após a fundação do forte de São

de um caráda fundação em 1616) e José do Rio

Negro em 1669. A ocupação militar da região assegurou a presença € à posse lusa sobre a Amazônia, além de ter ampliado as fronteiras da colônia, rompendo com o mapa desenhado por Tordesil has em 1494.

Simultaneamente, a Igreja Católica também marcou a sua presença no processo de ocupação da Amazônia através da catequização das popula ções indígenas, o que garantiu a submissão destas à autoridade colonial

portuguesa. Dentre as ordens religiosas que aí se instalaram, as principais foram a dos carmelitas (que chegaram em 1627) e dos jesuítas (chegados em 1636). Diante da imensidão do territ ório amazônico, da diversid aduns : e de . À » a

*

E

Ta

o

Aos

A

.

E

!

da magnitude do ambiente florestal à sua volta, os missio nar

a



à

os

das ISSO Não foram poucas as fugas € revoltas A nadas nas missões, que reagiam contra à imp balho diferenciado do que realizavam.

ÀS DROGAS DO SERTÃO

de omã de ão aç rm fo na ou lt su re s õe ss mi nas os di ín O aldeamento dos s õe ns te as u vo ra ag e qu em o mp te o sm me ao a, ad ic m qualif

obra mais be

s re do ha al ab tr de ez ss ca es a m co m ia fr so com os colonos portugueses, que € ja re Ig so, dis ém Al . tão ser do as og dr das ão aç tr nativos na lavoura é na ex pa, ro Eu a a par as og dr das or ad rt po ex io rc mé co colonos disputavam O a. ic ôn az am ão gi re da os rs cu re de e nt fo l pa ci in pr à mantidas como ir rv te in a a ad am ch foi e qu em s ze ve as rs ve di s na A coroa portuguesa, em ex r po , mo co s, no lo co aos o oi ap o ic át em st si na disputa, optou pelo

e qu o , 84 16 em e 61 16 em ão nh ra Ma do as ít su je s do plo, na expulsão

o ad iv pr le ro nt co o ra pa s õe ss mi das os di ín s permitiu a rransferência do dos colonos. paO u mi su as s, to li nf co € as tic crí b so e qu a nd ai , ja re Ig a a, rm fo Dessa ica atrapel de auxiliar direto do Estado na empresa colonizadora amazôn vés do aldeamento dos índios nas missões.

CAPÍTULO 7

ENTRADAS,

SOCIEDADE WiTO

BAIIDEIÍRAS

E A

DA MINERAÇÃO:

E REALIDADE

7.1 . O PLANALTO

SUPERANDO

O LITORAL

povoamento luso da área vicentina começou ainda antes da chega-

da de Martim Afonso de Sousa, donatário da capitania. Na verda-

de, a região era um entreposto para os traficantes de escravos índios, sendo, por isso mesmo, conhecida como Porto dos Escravos.

João Ramalho, considerado o primeiro habitante português do Brasil

meridional, chegou à localidade vítima de um naufrágio, representando

um dos pioneiros do processo de colonização acidental. Mantendo con-

tatos amistosos com os indígenas tupinambás, seu prestígio perante os

nativos era muito grande, sendo capaz de reunir grandes contingentes para batalhas contra grupos rivais. A partir daí se explica como este ele-

mento envolveu-se no tráfico de escravos, sendo um importante elo de ligação nas relações luso-indígenas que marcaram o período.

Recebendo a capitania de São Vicente do rei D. João III, Martim Afonso de Sousa não se fixou na região. Apesar disso, as vilas que fundou tiveram um papel importante, visto que por volta de 1560 já existiam dez en-

genhos — de pequeno porte — em São Vicente. Mesmo com esta arran-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

cada, a expansão da cana-de-açúcar no Nordeste su perou co mp le tam as tendênênci cias agroexportadoras da regi Ent g ão vicentinna. À fronteira c OM a ser S do Mar e a distância em relação ao mercado curopeu foram fatores funda mentais para acarretar a estagnação da lavour a açucareira vicentina. Em função das condições geoclimáticas adversas da regia dO

litorânea

q serra do Mar foi superada e o planalto vice ntino — chamado de planalto

de Piratininga — foi invadido pelos colonos. Em Pouco te mpo, transformou-se em impo

rtante núcleo colonizador, principalmente à partir da

fundação do Colégio de São Paulo, em 1554, pelos Jesuítas. A existência de uma planície fluvial (rios Tietê, Pinheiros, Tamanduateí e afluentes) fa-

voreceu a penetração pelo interior, pois, me smo possuindo alguns trechos não-nave

gáveis, esta rede hidrográfica transfor mou-se em via de desloca. mento e fonte de subsistência para os colono s. Além disso, convém acres: centar que o clima do planalto era mais atraen te para os colonizadores europeus do que o clima litorâneo. Organizou-se na região uma economia que tendia à subsistência, caracteri zada pela prod ução de diversos gêneros

agrícolas — baseada na grande propriedade rural — e na criaçã o de gado. Entretanto, um fator fundamental contribuiu para explicar o interesse pelo planalto: a existência de numerosos grupos indíge nas, elementos que poderiam ser utilizados como escravos na própria região ou mesmo ven-

didos para outras áreas. Este fator representava importante altern ativa para a precariedade da economia picentina. Desta maneira, podemos compreender por que os moradores do planalto de Piratininga voltaram-se pa-

ra as áreas do interior (chamadas genericamente de sertão, expressão

oriunda de desertão), onde as tribos nat ivas eram um rentável atrativo € à possibilidades de se encont ra

r metais preciosos, infinitament a e maiores. E Esta região, portanto, tornou e s a Ds -se o núcleo irradiador da |atividade bande tante, ou se , preferirmos, verdadeira capita l do bandeirantismo na colóni a.

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

72 . O BANDEIRANTISMO APRESADOR “sdicionalmente, a historiografia denomina o primeiro momento de cus entre os índios e os colonos estabelecidos no planalto paulista de bandeirismo defensivo. De fato, nas três primeiras décadas de sua existência, a vila de São Paulo da Borda do Campo de Piratininga sofreu constane ant Dur ão. ruiç dest de da aça ame te amen seri ndo esta s, gena indí tes ataques

estes conflitos, os paulistas, que aproveitaram prisioneiros de guerra como

mão-de-obra escrava, passaram à ofensiva, organizando expedições pelo in-

rerior em busca de cativos, chamadas de bandeiras de apresamento.

Representando uma das atividades econômicas mais dinâmicas do planalto paulista, a bandeira era, na verdade, um empreendimento militar organizado por várias famílias. Algumas destas expedições — conhecidas na época

como entradas, tropas ou armações— chegavam a contar com o apoio das autoridades régias. O sétimo governador-geral do Brasil, por exemplo, D. Francisco de Souza (1591-1602), interessado mais diretamente na descoberta de metais preciosos, foi um dos agentes incentivadores das bandeiras paulistas, enquanto permaneceu no cargo durante a União Ibérica. O armador da bandeira — também denominado chefe — era um homem de prestígio na vila. Branco (geralmente) ou mameluco, tornava-se responsável pelo desempenho da expedição e comandante absoluto de seus integrantes. Seus familiares eram importantes na composição da bandeira, sendo as mulheres responsáveis pela administração da casa enquanto os homens estavam em marcha. Podemos caracterizar a participação social das mulheres, administrando a casa e gerindo o patrimônio familiar, na região em questão, bem mais ativa do que nas áreas nordestinas vinculadas à atividade agroexportadora. A presença imprescindível de um capelão na bandeira foi notada por diversos historiadores. Se os jesuítas acabaram tornando-se inimigos dos bandeirantes, outras ordens religiosas — notadamente os carmelitas e O clero secular — frequentemente participaram das expedições, seja na organização ou mesmo no decorrer da marcha. Assim como os colonos, os

religiosos também estavam sujeitos à precariedade material do planalto,

Precisando encontrar no sertão o remédio para sua pobreza. * Podendo contar com centenas de homens, ou mesmo com 10 ou 15 integrantes, a bandeira continha uma minoria de homens brancos, sendo

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

formada majoritariamente por indígenas, escravizados o u Mesmo aliados fazendo guerra contra os inimigos. Os ín dios eram responsáveis pelo car

regamento de provisões, armas e outr os produtos necessários à sobreyi vência na mata (machados, enxós, foices, redes de Pescar). Artigos espe. cialmente reservados para o escambo com os nativos também faziam parte do carregamento dos bandeirantes: pois, afinal, como afirmavam hipo. critamente, os amigos de hoje podiam torn ar-se os escravos de amanhã Na realidade, o papel destes indígenas era muito mais importante do

que o mero transporte de provisões ou me smo contingente militar para o combate. Os índios foram fundamentais co mo guias, mas, principal mente, como mestres na dificil tarefir de sobr eviver na selva.

O colono paulista foi o elemento que mais vivenciou o contato com grupos indígenas, aprendendo suas habilidade s e adaptando-as a seus interesses próprios.

A) O CAMINHAR NO SERTÃO OQ

movimento bandeirante utilizou, além das próprias tri lhas indíge-

nas, muitos dos métodos de sinalização dos nativos, como a prá -

tica de marcar caminhos e de obter informações a partir dos rastros dei-

xados por animais ou outros viajantes, A capacida de de representação gráfica dos índios legou ao bandeirante

conhecimentos

a respeito do

terreno a ser percorrido. Eram comuns as indicações de aciden tes geo"

gráficos que poderiam causar dificuldades para a tribo, como cachoeiras

e saltos. Por outro lado, a tradição indígena indicava possibilidad es de

sobrevivência no interior.

)

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

ou iz il ut o nã e nt ra ei nd ba o , ol nh pa es or ad st ui nq piferentemente do co cos, le mp si a eir fil em , ço al sc de e nt me el iv ss po cavalos, marchando a pé, alr po a ad iz il ut — s ia ál nd sa de o eg pr em O s. io nt ge s do to mo era hábi O ém mb ta s ma , pés s do ão eç ot pr a e nt me so va gumas tribos — não visa as lh pa de to fei o, ad lç ca o s, so ca ns gu al Em o. despistamento do inimig . ha rc ma da o rs ve in o id nt se no ro st ra um a av ix de , as trançadas ou folh tas res Flo das o erm no que s, ssa ave às pés dos ia mal ano “A S0o égi vil pri de r ece par e dev , ões uiç seg per de var pode preser com bem E . ços adi ust ass e s ejo and os pov re ent l ura nat hre Fre com ado oci ass gir sur o égi vil pri e ess de o fat o l íve preens

Ão . ica mág ça for de s ada dot as gic oló mit des ida ent a quência

curupira, por exemplo, cujo poder se estende a toda a vasta área onde dominaram povos de língua tupi e cuja missão específica é proteger as matas e as caças. (BUARQUE DE

HOLANDA, SÉRGIO, 02. cit., pág. 30.)

Durante a marcha, a indumentária bandeirante era muito mais rústica do que muitas vezes se imagina. Obrigatoriamente, fazia parte de sua ves-

timenta o esculpil, gibão acolchoado de algodão que absorvia as flechas do inimigo — impedindo-as de ricochetear — e que podia servir também como almofada na hora do sono. B) O PÃO NOSSO DE CADA DIA Pra

de água sempre foi um problema de grandes proporções

para os bandeirantes. O saber indígena — acostumado a identificar

água pela temperatura do vento — possibilitou o conhecimento das foz-

ves vegetais: cipós, árvore-fonte (denominada samaritana do sertão), umbuzeiro e o caraguatá, entre outras. Havia que se evitar as poças e rios, possivelmente pestilentos, recorrendo em alguns casos extremos ao sangue de animais, último recurso para vencer a angústia da sede. O mel era um alimento fundamental para os bandeirantes, transfor-

mando -se em um recurso para os períodos de fome. Alguns índios eram especialistas em identificar as colmeias, sendo chamado meleiros.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“Acompanhando com olhos atentos a pequenina abelha Silvestre

tão pequena ds vezes como um pequeno mosquito, o índio e NContra

muitas vezes os favos cobiçados, depois de buscá-los pelos atalhos da Floresta. Tal importância chegou a assumir esse tr abalho para » vida do selvagem que alguns, interpelados sobre o moti vo que os le. vara a arrancarem sobrancelhas e pestanas, prontamente respondiam que assim o faziam para melhor acompanharem as ab elhas em

vôo.” (BUARQUE DE HOLANDA, SERGIO, op. cit. pág. 43,

O índio ensinou muitas de suas técnicas de caça e pesca aos bandeiran-

tes, principalmente as armadilhas e a utilização de armas brancas envenenadas. Os bandeirantes acabaram tornando-se hábeis no uso do arco € flecha, instrumento mais prático que as armas de fogo, já que podiam ser construídos durante a marcha, possibilitavam o disparo indireto, e não eram suscetíveis a variações climáticas. O recurso de envenenar os peixes — utilizando algumas plantas tóxicas que paralisavam o peixe sem destituir suas qualidades comestíveis — já era conhecido pelos portugueses, mas foi adaptado na colônia de acordo com os saberes indígenas.

Os bandeirantes aprenderam a ingerir diversas iguarias indígenas, CO"

mo , cobras, lagartos, sapos, ratos e até mesmo formigas. O mais curioso

é que alguns destes alimentos passaram a ser consumid; os na vila de Sãão Paulo, como a formiga saúva.

» Utilizadas por expedições futuras, ou mesmo se apropriassem Ê roç: as de trib2.os derrotadas.a No primeiro caso, destacou-se o milho com = 1.

j

E

das

alimento básico de plantio, superando até mesmo a tradicional mandio10Cd. c

“Há a hipótese, muito convincente, de que a grande difusão

de milho na área de influência paulista se deveu sobretud o à facilidade com que se podem transportar os grãos do cereal nas

longas jornadas. As ramas da mandioca, ao contrári o, se ri am muito mais incômoda

s Para Carregar, e a demora das vi agens al-

teraria em muito sua capacidade ge rminativa.” (MELLO É

0

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

via : ia nc tê is ex de s ia ór is ov pr s ma or “F sOUZA, LAURA DE, ações”, ic if rt fo nas e as ir te on fr nas , os nh mi da cotidiana nos ca

ulo, Pa o Sã 1, me lu Vo , sil Bra no a ad iv pr da vi da in: História

.) 48 g. pá , 97 19 , as tr Le s da a i h Compan

E T N A R I E D N A B E C I D N E R C A E A I C) A FARMACOPÉ fos er qu as, enç til pes de ie sér a um m va ra ge tão ser o pel s longas marchas smo me ou — s eto ins te en lm pa ci in pr — s ai im an os pel as id it Á em transm anh mi ca da des lda icu dif das das iva der s re ta decorrentes das carências alimen o it mu era não ra ei nd ba a um e nt ra du s ça en do as da. A maneira de se tratar uso e s õe aç or , ces ndi cre a: ni lô Co a a tod em s ado liz uti s do diferente dos méto

. ras neg e s na ge dí in s, nca bra ões diç tra das tir par a na, fau da e da flora m co te en lm ia ic in s do ra ca en m ra fo ios índ os pel os ad iz il ut os Os remédi , ras cob de as ud ca de se mía tu ti ns co , nal Afi . us pe ro eu os pel ça an fi on sc de bido e uá nd ma ta de s ha un á, mb ga de as ud o, ca nh pi es orc po de ras ped cho-preguiça. Com o decorrer do convívio, tornaram-se métodos cura-

tivos muitíssimo empregados pelos bandeirantes e pelos demais colonos de São Vicente.

As orações eram levadas — em um cordão — pelos bandeirantes e invocadas nos momentos mais difíceis. Muitos depositavam uma fé infinita nesses amuletos, último recurso quando as possibilidades se esgotavam.

Em um território muitas vezes hostil, vivendo uma situação adversa, só restava voltar-se para a intervenção divina.

“O espetáculo de uma paisagem diferente, em um mundo ci-

ferente, onde o próprio regime das estações não obedecia ao almanaque, deveria sugerir aos espíritos curiosos um prodigioso

laboratório de simplices [ingredientes que Figuravam na compo-

sição de medicamentos). Não Faltava, é certo, quem se limitasse a discernir nessas formas inéditas as imagens de algum modelo remoto e quase relegado da memória. Assim é que na mandioca, vinham procurar o honesto pão de trigo; no pinhão da araucária, a castanha européia; no abati, o milho, milho alvo do

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Reino; na própria carne de tamanduá, a de vaca (.. ) na jabutica-

ba, a uva ferral ou a ginja [espécie de cereja] (...) Ma s, às vezec interrompia-se o cortejo de visões Familiares. E então er a preciso acreditar no milagre, promessa de outros milagres.” (BUAR-

QUE DE HOLANDA, SÉRGIO, op. cit., pág. 82.)

O excremento e a urina, principalmente de determinados animais, eram muito utilizados na farmacopéia bandeirante. Na verdade, tais procedimen. tos já eram utilizados na Europa, pelo menos desde a Idade Méd ia. Não po-

demos esquecer que os excrementos eram usados como adu bo, tendo simbolicamente uma função revitalizadora. O método de mistur ar urina e fumo, segundo relatos de bandeirantes, salvou a vida de muitos del es no sertão. A pólvora foi também aproveitada com função curativa: par a cauterização de feridas. No século XVIII, durante uma epidemia de mal -de-hicho, peste que atingiu o sertão, a pólvora foi utilizada fartamente como remédio, juntamente com outros ingredientes fortes: a caninha, a pim en-

ta e o fumo. No imaginário bandeirante (e popular), quanto mais violen-

ta fosse uma droga, maior sua função curativa. Introduzidas pelo ânus, estas misturas com pólvora — chamadas de saca-trapos — tiveram aplicação até o século XIX contra diversas doenças, entre elas o maculo (nome espanhol) ou, como era chamado pelos lusobrasileiros, mal do cu.

7.3 - EM CHOQUE COM OS JESUÍTAS IH

ão tardaram a ocorrer choques expressivos entre os bandeirantes €

eo

senas. Muitos vestiam-se de padres com O

Os Jesuítas, frutos dos diferentes projetos em relação aos indígenas.

intuito de atrair futuros cativos, Outros atraíam indígenas para algum €8* cambo, apresando-os em seguida. Uma vez conclu ído o apresamento, tratava-se de camuflar a escravidão com expressões do tipo administra” dos, serviço pessoal ou servos de administração

210

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

Em São Paulo, invariavelmente, o preceito da guerra justa, como já foi

de ão enç obt a para exto pret o com do oca inv era estudado anteriormente, como gena indí ão avid escr a iam end def s ono col uns Alg vos. novos cati

tra a pel o ad id ol ns co já a, sej ou o, ri ná di tu ue ns co o eit uma espécie de dir . e m u t s o c o l e p € o diçã

s e m o s s i r , o a p n e e g o í ã d d n i i v a r c s e o a ç d a l p a s p e i c n i r p o i o o f l u a P o ã c o, ant ret Ent . ítas jesu aos -se ram use rep sob tes ran dei ban os e ond mo a região

%as yaz as I XVI ulo séc do cio iní do tir par a e ond is, ona idi nas áreas mer am enfor s ore mai s ulo tác obs os, rav esc os nov m ava cur pro bandeirantes contrados e, muitas vezes, superados.

s sõe mis às , iais fluv € s tre res ter vias das s avé atr , sso ace ham tin tas lis pau Os

ana Par e açu Igu , aná Par rios dos go lon ao das buí tri dis s jesuíticas espanhola que vez uma te, aen atr te tan bas área uma era ai agu Par do cia vín pro A . panema contava com um número de missões (ou reduções) bastante elevado. A União Ibérica facilitou a penetração luso-brasileira em áreas antes espanholas, muitas vezes estreitando os laços entre as autoridades para-

guaias e os colonos vicentinos. Estas incursões começaram, em 1619, vi-

sando as Reduções do Guairá, comandadas por Manuel Preto. Com O decorrer dos confrontos, as vitórias bandeirantes empurraram os jesuítas

para a margem ocidental do rio Uruguai. Merece destaque, nesta fase, O

bandeirante Antônio Raposo Tavares, figura emblemática do bandeirantismo, em função da multiplicidade de ações em que se envolveu.

“Foi o grande destruidor das Reduções jesuíticas, valendo-lhe

prear grupos sem conta e a conquista de terras nos atuais Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso, incor-

porando-as ao Brasil (..) Subiu tanto o Rio Paraguai, cerca de três

anos, que chegou a combater os espanhóis no Peru. Depois, desceu em jangadas o Rio Madeira, entrando no Rio Amazonas até O

Pará.” (IGLÉSIAS, FRANCISCO, Trajetória política do Brasil

1500-1964, São Paulo, Companhia das Letras, 1993, pág. 48.)

As autoridades civis espanholas, temendo o poder jesuítico, incentiva-

ram e apoiaram as incursões bandeirantes às missões da região meridional. Esta situação ficou nitidamente delineada no caso do governador do

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Paraguai, D. Luís Céspedes y Xeria, que facilitou a ação bandei

áreas missioneiras. Este rios da capitania do Rio cravos para a produção troca de interesses com

governador, ligado familiarmente aos Proprietá. de Janeiro, estava interessado na obtenção de esaçucareira de seu engenho, estabelecendo uma os bandeirantes. Mais tarde chegou a ser julgado

pela coroa espanhola, sendo impossibilitado de exercer cargos públicos e obrigado a pagar uma indenização. Mesmo assim era tarde demais: o ca. minho estava aberto aos bandeirantes. O apresamento indígena viveu sua fase áurea durante o dom ínio ho: landês no Nordeste, uma vez que o tráfico de escravos foi duramente atingido pela ação flamenga nas áreas abastecedoras africanas: São Jorge da Mina, São Tomé e São Paulo de Luanda.

“Com os impedimentos colocados pelos holandeses ao abastecimento de negros para os vários pontos da costa brasileira, logo se Fez sentir a falta de mão-de-obra, revalorizando-se, em consequência, o escravo indígena, natural da terra. Nessa conjuntura especial, os paulistas se viam estimulados a fazer um grande negócio da preia e venda dos índios para as regiões que sofriam de

Carência da mercadoria, passível de ser explorado em condições

muito Favoráveis e em uma escala razoável, dada a existência da ótima Fonte de abastecimento de indígenas representadas pelas

Missões.” (DAVIDOEE, CARLOS, op. cit., pág. 46.)

rentaram uma grande bandeira composta por ce n

te7 nas de paulistas — entre eles Raposo Tavares — e milhares de índios e pis). Apesar da desvantagem nu mérica, o conflito terminou co m a vitória guaranítica em Mbororé, às marg A ens do rio Uruguai. Considerada por mui”

tos historiadores o final do sertanismo de apresamento, a batalha, sem dúvi da, representou novo panorama no jogo de forças das áreas missioneiras. 212

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

» 4 . O SERTANISMO DE CONTRATO « bandeiras não foram encaradas de forma homogênea pelas autorida-

antiv ince s veze as muit as, urad cens do sen s veze tas À ces coloniais, mui

il Bras do o açã str ini adm na s ave -ch tos pos am pav ocu que das por aqueles codes rida auto as e entr ção liga a hor mel tra ilus a nad o, ant ret Ent Colonial. juncon o que tes ran dei ban os e — l gera ma for uma de e elit a loniais — e . rato cont de mo anis sert o com e ent cam eri gen s ida hec +o de atividades con — na íge ind o com o tat con o pri pró do to fru — ão sert do r edo hec Con era e capaz de reunir um número expressivo de guerreiros, o bandeirante ina dom à cia stên resi de s foco ruir dest para o tad ili hab mais to o elemen

ção branca. Muitos bandeirantes foram então contratados como sertanis— as terr de a troc em e ent alm ger — iços serv seus m dia ven , seja tas, OU para reprimir tribos indígenas e quilombos. Um dos primeiros episódios desta natureza ocorreu logo após a expulsão dos holandeses, quando o governador-geral Francisco Barreto contratou bandeirantes para reprimir as ofensivas de índios rebeldes em Ilhéus. O mais expressivo exemplo de sertanismo de contrato no Brasil Colonial envolveu o bandeirante Domingos Jorge Velho, no final do século XVII. Em 1697, os índios janduís rebelaram-se contra a dominação branca em Pernambuco e no Rio Grande do Norte, e foram chamados para reprimir

a rebelião Domingos Jorge Velho e Matias Cardoso de Almeida. Em seguida, caberia a Domingos Jorge Velho atacar o Quilombo de Palmares, principal foco de resistência à escravidão do período colonial. Contando com mais de mil homens — dos quais oitocentos eram índios frecheiros —, este bandeirante valorizou bastante sua ação militar contra o quilombo, procurando extrair o máximo de vantagens, através de capitulações assinadas com as autoridades. Vale referir-se a uma das cláusulas destas capitulações: perdão por quaisquer crimes anteriores!

“Um acordo relativo ao destino dos cativos e das terras pal-

marinas foi estabelecido entre o bandeirante e o governador Souto-Maior visando à destruição do quilombo. Como comandante-em-chefe das expedições, Domingos Jorge Velho reivindicou a maior parte das presas de guerra, segundo o preceito,

A

re

213

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

corrente na época e derivado do Di reito Romano: luste possidet qui auctore praetore possidet [é lega l possuir aquilo que foi ob.

tido pelo comando militar.” (REIS, J OÃO JOSÉ e GOMES

FLÁVIO DOS SANTOS. Organizadores, Liberdndo bo r um fio, São Paulo, Companhia das Letras, 1996, pág. 32 .)

O relato do bispo de Pernambuco, um dos con tatos com os bandeir an. tes, sobre Domingos Jorge Velho, é bastante int eressante no sentid o de identificar as diferenças entre os paulistas e os colonos nordestinos. Segundo o bispo, o bandeirante era um selvagem, uma VEZ que capturava ín dias para o exercício de suas torpeza e s índios para o grangeio de seus inte resses.

Na época da mineração, bandeirantes ainda foram contratados para reprimir outros quilombos, como foi o caso de Bartolomeu Bueno, responsável pela destruição do Quilombo do Rio das Mortes, se bem que o

sertanismo de contrato já estivesse em fr anco declínio. 7.2 - O BANDEIRANTISMO PR OSPECTOR

S pesquisas em torno da obtenção de metais precio sos ocorreram desAF

Os primórdios da colonização na capitania de São Vicente, chegando a ser realizada uma mineração inci piente na região. Nessa fase inicial, O Soverno português não incentivou decisivamente as expedições, uma vez

que, em fase de centralização administrativa, temia que o processo escapassé dO seu controle. Mais tarde foi estabe lecida uma rígida legislação em reO Regimento das Minas, de 1603. Em meados uma Casa da Moeda em São Paulo, valendo-

deiras de apresamento não s

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

uséc do l fina no ram rre oco só sil Bra no o our de as As grandes descobert anret Ent so. ces pro te nes l ita cap ura fig a um lo XVII, sendo O bandeirante

dos to fru mo co nas ape sil Bra no ção era min à r ara enc s mo to, não pode ia, lôn -co ole róp met o açã rel da o eix no , te en am rn te Ex agentes coloniais. prôÀ . ras cto spe pro ras dei ban as ceu ore fav configurava-se uma situação que

a ós ap , sa ue ug rt po a ro co a va ra nt co en sé pria situação de crise em que equ es s mo de po o Nã s. so io ec pr is ta me de a sc União Ibérica, incentivou a bu

en fr en a ou ss pa te es rd No do ra ei ar uc aç ão uç od cer que, neste período, a pr

ra pa os st po im de o çã da ca re ar a do in nu mi di a, an lh ti tar a concorrência an esso oc pr em ou tr en o nt me sa re ap de mo is nt ra ei nd ba o ri óp Portugal, e o pr . os av cr es de o ic áf tr do to en im ec el ab st re o m co io de declín a os sal vas es ess sse oca col Rei o que al ent dam fun era , sim “Ac

nime hec con seu de em ass liz uti se s ele que de fim a o, seu serviç to do interior do Brasil e de sua técnica de penetração no sertão para descobrir riquezas. Para atingir este intento, O Monarca era aconselhado a usar determinadas estratégias: para os paulistas mais valiam honrarias do que riquezas. O Rei era aconselhado a oferecer, em troca das peregrinações, títulos e mercês. Fara conseguir-lhes a adesão era importante estimular-lhes a vaidade. Com esse intuito, o Rei D. Afonso VI escreveu cartas de próprio punho aos bandeirantes mais Famosos.” (VOLPATO, LUIZA, Entradas e bandeiras, Rio de Janeiro, Editora Global, 1991, pás. 91.)

As bandeiras prospectoras angariaram condições estruturais diferentes

das bandeiras de apresamento. A desmilitarização foi não só uma necessiagoa Vali es. idad ativ s nova das a ênci eqii cons uma bém tam dade, como sim mas os, heir frec os índi de nte inge cont um ter não eira band uma para ra elementos com alguma experiência na prospecção, principalmente no que diz respeito ao ouro de aluvião, obtido no leito dos ros.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

7.6 «- UMA NOVA SOCIEDADE:

A) A CORRIDA DO OURO conjuntura da segunda metade do século XVII fo; amplamente favo. aa à busca de metais preciosos no Brasil Col onial - À concorrênci a do

Á açúcar antilhano e o declín da io mineração na América espa nhola foram fatores decisivos para que funcio

nários da coroa fossem enviados à re gi ão vicentina no intuito de incentivar incursõe s prospectoras, estímulo que foi muito bem rece

bido pelos colonos, uma vez que a prea ção dos indígenas refluiu com a normalização do tráfico negreiro. Se muitos receavam que a liberdade vicentina pudesse acabar com a investida me tro politana, o desejo de encon. trar ouro falo u mais alto. Bandeiras prospectora f s oram então organizadas. Às primeiras descobertas remont am à úl tima década do século XVII, atribuindo-se tradicionalmente o feito a um tal de Antônio Rodrigues Arzão,

paulista de uma família de respeitáveis sertan istas. Sabemos, entretanto, que na verdade ocorreram várias descobertas simu ltâneas, entre 1693 e 1695.

Às notícias das descobertas espalharam-se ra pidamente, arrastando uma vaga humana

para a região e gerando conflitos pelos direitos da exploração. Os documentos da época denunciam que até mesmo soldados chegaram a

fugir de Santos, de modo semelhante ao ep isódio ocorrido no Rio de

Janeiro, tomando o rumo da área mineradora. Estima-se que por volta de

» Vilas, recôncavos e sertões do Brasil, vão brancos, pardos e pretos e muitos Índios, de que os paulista

s se servem. À mistura é de toda a condição de Pessoas: homens e mulheres, moços €

216

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

A corrida do ouro estimulou até mesmo a vinda de portugueses, e há

quem afirme que a emigração deixou algumas regiões em Portugal pratica-

o unf Tri o — o ger exa o cert um de as cad cer mo mente despovoadas. Mes fize cias notí tais —, fora se já al tug Por o mei que rma afi Eucarístico de 1 734

a para ção gra emi a ndo ita lim , ias ênc vid pro e ass tom am com que a coroa tacon já is Gera as Min de a tani capi a II, XVI ulo séc colônia. Em meados do aultr 6, 177 de a volt por e, s nte ita hab mil e vint e os ent duz de va com cerca não ero núm este que r alta ress e ant ort imp É mil. tos zen tre dos casa a passava . ção era min da ínio decl o s apó mo mes lo, sécu do l fina o até parou de crescer Poucos autores duvidam que tal fluxo de portugueses tenha sido o fa-

ulo séc no do rri oco co áfi ogr dem to men sci cre do e ant tor mais import era min ião reg da em sag pai a te, gen ta tan de a gad che da nte Dia II. XVI ima que de o mer -nú sem o e o-s and tac des s, çõe era alt s sca bru dora sofreu

das — muitas vezes incontroláveis — com o intuito de promover a limpeza do terrenos para as atividades econômicas necessárias, notadamente a mineração, mas também a agricultura e a criação de animais domésticos. Os arraiais mineiros, separados por ladeiras e declives, dariam origem às cidades, quando unidos por escadarias íngremes € ruas tortuosas, características marcantes da urbe na área da mineração. À espontaneidade da urbanização foi a característica dominante das cidades mineradoras, podendo ser apontadas como exceções Mariana e Diamantina, mais zeticuladas em suas áreas centrais. Surgidas geralmente como en-

troncamento de regiões auríferas, as cidades da mineração receberiam toda a estrutura burocrática metropolitana, tornando-se centros multi-

funcionais, caracterizadas por atividades econômicas, político-administrativas, religiosas e culturais.

B) A COROA APERTA O CERCO enint to mui foi a dor era min ião reg a com a ues tug por ão paç ocu pre

sa, sendo o fisco — em relação ao ouro, aos diamantes e ao conjunto de mercadorias comerciadas na região — o aspecto determinante da atuação metropolitana frente à ampliação das descobertas. À regulamen-

tação das atividades mineradoras remontava ao século XVII, entretanto

Só no século XVIII ganhou os limites que marcaram a ação fiscal do au-

ge da mineração até o fim do período colonial. Vale acrescentar que Por217

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

tugal ainda demorou certo tempo, mais de uma década, para dimens nar exatamente o potencial econômico da região mineradora.

O documento que definiu a linha mestra do sistema f s cal foi o Regimento dos Superintendentes, Guarda-Mores e Ofi ciais para as Minas do Ouro, editado em 1702, estab elecendo a Intendência das Minas, pólo administrativo e special da região

a

Minerador Deputados Criação da Minerado-

ra, ligado diretamente ao Conselho Ultram arino, em Lisboa. O Regi. mento previa que cada capitania aurífera co ntaria co m uma. As funções da Intendência eram bastante amplas:

+ responsabilidade pelo policiamento na região mineradora, ou seja, a atri

buição de fiscalizar e regulamentar as exploraçõe s. Qualquer achado de. veria ser comunicado imediatamente, sendo a re gião delimitada e dividida em datas. Seguia-se a distribuição, sendo as duas pr imeiras pertencentes ao descobridor do veio aurífero e a terceira, à coroa. O minerador deveria pos-

suir escravos, sendo este um fator fundamental para dete rminar o tamanho

da data a que teria direito (proporção de duas braças quadra das por cativo) ) + cobrança de inúmeros tributos » principalmente o quinto (quinta parte de todos os metais extraídos) - Imposto que na época colonial recaiu sobre vários produtos. Na região mineradora atraiu à ira dos colonos — daí a expressão quinto dos infernos. Na verdade, durante a época da mineração, a coroa por tuguesa reformulou inúmeras vezes a cobrança de impostos, de aco rdo com a variação da quantidade extraída. Tentou- se estipular a cobrança equivalente ao número de escravos atua ndo nas lavras

ou através de uma quota fixa (sis-

tema de fintas) e até mesmo sobr e cabeça de escravo maior de 12 anos, mesmo sobre aqueles utilizados em outras atividades (sistema de capitação).

as, ele incidia sobre todos e quaisquer opulação de baixa renda, tornando-se ram bem-sucedidos na ext ração (o » MARIA BEATRIZ, op. cit., pá g. 130.)

218

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

I, XVI ulo séc do al fin no ado liz uti já ão, diç fun de as cas de a O sistem an-

ger 9, 171 de ta vol por sa ue ug rt po foi «evitalizado pela administração ). tos San dos ipe Fel de a olt Rev a de (vi s re do ra ne mi do revolta dos

fun , ção era min à vas ati rel cas ídi jur es stõ que as pel e , Responsabilidad s. cia tân ins ima últ e ra mei pri de al bun tri mo co «ionando forO contrabando foi combatido com rigor, mas nunca foi evitado de

con m era os inh cam Os a. ues tug por oa cor da ma satisfatória, aos olhos

autoridades tas mui o, ant ret ent s; ido pun es, tor ven tra con os e trolados

um mo co ção ula pop na da ina sem dis ava est a tic prá a e s eram conivente ensaint ou cul cir — do nta qui não — pó em o our o que s mo be Sa o. tod aând esc uns alg o, ant ret Ent r. ula reg ca tro de a ed mo de do vin mente, ser Jos tornaram-se famosos, como a descoberta, em 1731, de uma fundição

Fer za Sou de cio Iná por a ad nd ma co , eba aop Par de ra ser na na sti clande reira, chegando a envolver até mesmo elementos na corte. Na Bahia, um pouco mais tarde, o conde de Sabugosa mandou que dois falsários fossem queimados na fogueira. “(...) o contrabando de ouro e a falsificação de ouro em barras continuaram por todo o resto do período colonial, mas parecem

ter alcançado o ponto mais alto da maré durante os trinta cos setecentos. Foi nesse período também que a produção ilícita ce

diamantes provocou reações punitivas brutais por parte das autoridades. Por muito severas que tivessem sido as medidas to-

madas pela Coroa para evitar o contrabando e a falsificação do

ouro em Minas Gerais, foram elas de muito excedidas pelas For-

mas rudes com que se controlava a mineração de diamantes. Se os contrabandistas de ouro eram castigados com o chicote, os castigados com escoril, Bras no o Our do de Ida 4 R, S. RLE CHA , XER (BO s.” piõe contrabandistas

de

eram

diamantes

São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1963, pás. 182.)

TO a

219

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Além dos impostos diretos, Portugal procurou taxar o S Produtos que entravam ou saíam da região mineradora. Foi amplament € Utilizado q S igtema de contratadores, prática tributária típica do Antigo Regime, Trata. va-se de conceder a alguns potentados o direito de recolh imento dos dé. bitos, sendo estes obrigados a repassar um valor f ixo, estipulado pe la coroa. O excedente ficaria nas mãos do contratado r , que devia

comple.

sem o valor aco rdado Vos eram postos fiscais dores taxavam pesso as

e até mesmo animais.

C) O DESPERTAR DA INTEGRAÇÃO necessidade de abastecimento da região mineradora acarretou um incremento significativo na economia da colônia. Devido ao crescimento demográfico e a sede do ouro — que desincentivava a produção de gêneros de subsistência —, a so brevivência na área da mineração condicionou "Se aos centros produt ores de alimentos e à capacidade de comerciali zação dos mesmos. Por outro lado, além de alimentos, eram necessários também animais de carga, manufaturas e escra-

VOs, produtos indispensáveis para as novas condições de vida advindas com a mineração. Muitos comerciantes enriquecer am abastecendo a

região das minas, transacionando produtos circunvizinhos ou vindos de bem longe.

Dentre as grandes conse qu ências da mineração, merece destaque a articulação econômica de re giões até então dispersas, juntamente cora , formação de um mercado interno. O deslocamento do eixo econômico do Nordeste para o Centro Sul foi

acompanhado de diversas medidas ad-

para O Rio de Janeiro, asp

Rm “CtO relacionado também ao interesse portUguêsA na colônia do Sacram ento. destinados à região minér râneos: o , gado muar. Apro » Munido de cascos resistente e com um A s +

4

E mae

q

ar

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

coas id uz od tr in m ra fo es ar mu de pas tro as , as an ru pe cedor das minas da as nd ma de das tir par a al ni lo Co mo sistema de transporte no Brasil mineração. “O tropeiro passou à dominar a paisagem do eixo Sul—Minas Gerais,

taolu abs era que o , os nh mi ca os pri pró s seu o nd ia cr e co fis do fugindo deum xou bai sa ue ug rt po oa cor a do an qu , 33 17 mente ilegal a partir de

ensf tra a m co o ad ul an só as, rad est s va no de ra tu er ab creto impedindo a

pei tro ser sa, igo per es vez tas mui e ad id iv At . sil Bra o a par e rt Co -ência da e (qu s mai ani os ir uz nd co de efa tar na de da li bi ha de an gr a ro requeria um

o a nd ma ru ar s, ro et ôm il qu de es har mil por ) os ri óp pr s me no am bi rece

tirús te en lm ra ge so, pou de ais loc os do en lh co es e o bri ilí carga com equ

cas palhoças de pau-a-pique.

“Q pouso era rude, desconfortável, mas era sempre um abrigo contra a inclemência do sol ou da chuva, uma defesa contra o orvalho das noites Frígidas do Brasil Central. Dizia Burton que só

com a pele curtida dos tropeiros era possível dormir em um cesses lugares, dado o enxame de vermes estranhos e grosseiros 'que enfiam pelas carnes e fazem suas moradas sob as unhas... Já se vê que a reclamação é contra o nosso muito conhecido bi-

cho-de-pé (Tunga penetrans), que aliás mereceu referências ce

quase todos os cronistas do Brasil de ontem.” (GOULARI, JOSÉ ALÍPIO, Tropas e tropeiros na formação do Brasil, Rio de Janeiro, Conquista, 1961, pág. 129.)

| Muitas regiões de passagem de tropeiros deixaram as marcas desta atividade nos seus próprios nomes: Pouso Alto, Passo Alegre, Passo Fundo, Passa Três, Passa Quatro, Passa Vinte. Em São Paulo, Sorocaba se tornou um importante centro de distrnbui-

ção de animais, gerando fortunas que mais tarde seriam investidas no café. Em muitos casos, as mulas levavam couros a serem comercializados

nas Minas Gerais, ou mesmo em Portugal, dinamizando ainda mais a

cconomia do Rio Grande.

221

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“As tropas em geral eram preparadas em Agosto e S etembro, chegando aos Campos Gerais em Novembro e De zembro, onde

invernavam por 3 ou 4 meses, seguindo depois Para a feira de

Sorocaba (...) O negócio exigia a reunião de grandes Capitais,

sobretudo em metal, onças de ouro e moedas de prata, e os seus lucros distribuíram-se na proporção dos Cap itais emprega.

dos e do trabalho nas lides com a tropa.” (NIZZA DA SILVA, MARIA BEATRIZ, op. cit, pág. 802.)

A região mineradora ganhou intensa impo rtância como mercado de escravos, in

centivando o tráfico e exigindo novas espe cificidades. Além do incremento na produção de fumo (princip almente na Bahia e em Pernambuco) e aguardente (destaque para Para ti, no Rio de Janeiro), com a especulação dos preços dos negros, o tráfic o interno ganhou relevância. Desenvolveram-se novas oportunidade s para pequenos traficantes (chamados tratantes), que intermediavam Os es cravos do litoral até as regiões mineradoras. Em um plano mais amplo, a grande característica em relação ao tráfico de escravos foi o crescimento ex pressivo do número de

traficantes residentes no Brasil, em alguns mo mentos superando os de outras nacionalidades.

w

Ão que tudo indica, com a crise do ouro e dos diamantes à a

a

toucinho e carne salgad valiado POr suas exportações de reses, : à. (FLO Costas negras,

RENTINO, MANOLO, Em

Pão Paulo, Companhia das Letras, 1997, pág. 39.)

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

O N I T N A M A I D O T I R T S I D D) O e ta pra ou cur pro s Pai s Dia não Fer te ran dei ban o 8, 167 de ta or vol

s ado ult res os r ngi ati sem a, nh ho in it qu Je rio do no tor em s PP ismeralda am for ros ífe aur os vei 3, 171 em de, tar s mai s da esperados. Algumas déca mo co a id ec nh co ve bre em , ião reg ta des es ad id im ox pr nas encontrados arraial do Tejuco (em tupi, lama). iativ a est e ant dur que do sen do, raí ext foi o our o o mp te m gu al Durante m alé do, ran ont enc s, rio dos tos lei dos ho cal cas O iam olv rev dade os escravos da s nte ita hab os pel is sta cri s ple sim das era sid con de ouro, pedras cristalinas,

ar am ch sem , dos tea car nos has fic mo co s ada liz uti am er ras ped região. Tais

sicio pre a o nt me mo er lqu qua a s poi da, ica del era ão a atenção. Esta situaç , cia nte aco não o iss to an qu en o, lad ro out Por a. ert cob des ser dade poderia bastava que algum conhecedor — alguém que estivera no Oriente, por uir seg con a par o, red seg sse rda gua e l, sta cri o dit o se es ec nh co re — o exempl acumular considerável riqueza. Reza a tradição que tal situação chegou à ocorrer, envolvendo até mesmo o próprio governador de Minas Gerais, D. Lourenço de Almeida, que teria amealhado considerável fortuna antes de comunicar à coroa a descoberta, já que esta fugira do seu controle. Após o anúncio oficial da descoberta de diamantes na região, em 172,

a mineração de ouro foi suspensa — tendo as datas sido canceladas. À ex-

tração de diamantes foi considerada monopólio da coroa, sendo constituído o Distrito Diamantino, sediado no arraial de lLejuco. A vigilância sobre a região foi extremamente rígida, uma vez que era foi impossível quintar o diamante, como se fazia com o ouro. Em 1730, criado o primeiro Regimento para extração e distribuição de diamantes. anorm nsf tra s, te an am Di dos ia ênc end Int a ada cri ia ser o Em pouco temp do o intendente em plenipotenciário no distrito, com tantos poderes

quanto os do vice-rei na Bahia. Era proibida a instalação de lojas e barracas na região, excetuando-se situações especiais. Os frades foram termi-

nantemente proibidos de por ali transitarem, uma vez que eram acusados

de contrabando. Os contemporâneos que percorreram a região anotaram

que a legislação portuguesa era seguida com eficácia, ao contrário de outras áreas, onde a frouxidão das leis era corrente. Os exploradores clandestinos eram chamados de garimpeiros, persona-

a adi ous da ção fun em es, ild hum s mai dos ia pat sim a am ar nh ga gens que 223 E.

1

a

a

E

"

F4TrSiSo ato dt E

a

E

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

e da coragem que demonstravam contra os poderosos. Muitos

feitos acabaram virando lendas, ao sabor da imaginação popula

de Seus

O ga-

rimpeiro era invariavelmente um homem pobre, geralmente and ando bando — cujo chefe era chamado capitão — e caracterizado p Or um

em

tÍ-

gido código de lealdade para com o companheiro. A relação co Mm os quilombolas era intensa, ambos às margens do sistema social vigen te, mas de certo modo envolvidos em suas malhas.

No decorrer da década de 1730, a extração de diamantes tornou-se tão frenética, que os preços chegaram a cair na Europa. Ainda que culpasse os judeus de Amsterdã, considerados responsáveis pel a queda dos preços, a coroa portuguesa decidiu proibir a extração dos diamantes por alguns anos, até a recuperação dos valores anteriores. Em 1740, foi estabelecido um sistema de contrato, determinando que o direito de exploração fosse vendido para um concessionário, que passaria a explorar exclusivamente os diamantes pagando a captação por escravos utilizados, que não poderiam exceder o número de seiscentos. Tal medida visava impedir o contrabando, apesar de o escravo trabalhar sobre severa vigilância, praticamente seminu.

“Os escravos tinham que trabalhar curvados, de Frente para

seu capataz, de rar para Fora o tes. Tinham que outros, a Fim de

Forma a peneirar o cascalho nos alguidares e atireferido cascalho enquanto apanhavam diamantrocar de lugares, Frequentemente, uns com os impedir o encontro de diamantes que pudessem

ter escondido num monte de pedras ou na terra. Mesmo assim,

eles sabiam muitas vezes identificar 0 lugar exato onde haviam ocultado um diamante, e voltar protegidos pelas sombras da noite, para recuperá-lo, À primeira coisa que os trabalhadores velhos, entre os escravos, ensinavam aos molequ es, ou recém-chegados, era a Forma de roubar diamantes. 'A cujo Fim os exerci tam

com feijões, ou grãos de milho, os quais atiram de longe para à boca, e

deste modo se habituam a receberem-no nela pa ra os engolirem'.” (BOXER, CHARLES R.

224

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

O desembargador João Fernandes de Oliveira, em parceria com Francisco Ferreira da Silva, foi o primeiro contratante do Distrito Diamanti-

no, mantendo a concessão por muitos anos, período em que acumulou

fortuna e poder, conseguindo a desgraça de seu concorrente, o contratador Felisberto Caldeira Brant. Entretanto, a maior parte da fama de João Fernandes de Oliveira deve-se a seu envolvimento com a negra Chica da

silva, e de como realizou seus desejos, como a construção de um lago ar-

cificial e uma embarcação, em plena Gerais.

Os poderes de João Fernandes de Oliveira chegaram a chamar a atenum — 1771 de partir a — ceu estabele que Pombal, de ção do marquês

novo sistema de administração: a Real Extração. O principal objetivo era

punir o contrabando e estabelecer normas repressivas para aqueles que descumpriam as determinações da coroa.

E) A DIFÍCIL REALIDADE DA MINERAÇÃO da mineração acarretou importantes transformações sociais Asa na colônia, uma vez que possibilitou o surgimento de novos grupos sociais, incrementando a camada intermediária entre senhores e escravos, até então inexpressiva. Tipicamente urbano, este novo segmento social era formado por comerciantes, artesãos e profissionais liberais, cujos serviços eram cada vez mais procurados na região mineradora. Vejamos alguns deles: + advogados — necessários diante dos constantes litígios entre poten-

tados, ou mesmo exploradores de menor porte, envolvendo disputas territoriais e dispositivos da administração portuguesa;

+ artesãos — a demanda de bens manufaturados incentivou a formação de um contingente de artesãos, em muitos casos mulatos, destacando-se os ligados às artes plásticas e os especialistas em ourivesaria, ativi-

dade capital da ostentação e do fausto, fundamental no universo de va-

lores do Brasil Colonial.

“Nas ruas de Vila Rica podiam-se encontrar lojas de sapatei-

ros, Ferreiros, tanoeiros, joalheiros, carpinteiros etc., a ponto de surgirem ali, como nos outros núcleos mais importantes, ruas “especializadas' em um tipo de artigo ou serviço. Mesmo

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

na periferia rural, não poucos se dedicavam a Fazer sabão

1 Pre. parar doces ou carnes de porco defumadas, produzir Queijos,”

(MARANHÃO, RICARDO et a/li, op.cit, p ág.

260.)

Quanto à ourivesaria, devemos ressaltar que a coroa Portugu esa aca. bou coibindo sua prática, já que suspeitava dos joalheiros e de Suas liga. ções com os sonegadores de impostos. + Comerciantes — responsáveis pelo abastecimento, tornaram-se in. dispensáveis diante do crescimento demográfico da região. Os Pequenos comerciantes vendiam gêneros de subsistência no dia-a-dia (farinha, charque, cachaça, peixe seco e outros ), sendo que suas tendas , tavernas, vendas e quitan das transformaram-se em espaço s para encontros sociais, muitas vezes para prostituição (casas de comer). + Médicos — presos ainda às tradiç ões dos primeiros séculos da colonização, utilizavam-se fartamente da flora medicinal e dos costumes in. dígenas. Muitos medicamentos ut iliz ados ficaram genericamente conhecidos como remédios dos paulistas, as em relação ao conhecimento bandei rante, embora muitos religiosos também desempenhassem funções médi cas. Em 1738, foi criada a Santa Casa de Misericórdia de Vila Rica , responsável pela assistência médica na região mineradora, embora, vez por outra, atuasse também como casa de crédito, já que não existi am bancos na colônia.

226

ENTRADAS, BANDEIRAS E A SOCIEDADE DA MINERAÇÃO: MITO E REALIDADE

afic ssi cla Des o livr seu em za, Sou e lo Mel de ra Lau crática. À historiadora dos do ouro, atacou tal proposição de forma original, afirmando que pensar em democracia na mineração, só admitindo que um maior número de pes-

soas dividia a pobreza.

Quanto ao processo de alforrias, é comum a apresentação de uma si-

tuação em que o escravo conseguia acumular, através de recompensas ou da ocultação do que extraía, O necessário para comprar a liberdade. Enrretanto, as alforrias, de uma forma geral, não podem ser atribuídas a es-

tas práticas, mas sim à impossibilidade de o proprietário manter a escra-

varia em momentos de crise.

É inegável que a sociedade mineradora apresentou índices expressivos

de violência, a começar pela própria escravidão. Este dado é reforçado

quando se leva em conta que um escravo era explorado até a exaustão no

trabalho das minas. Alguns senhores não esperavam mais que 12 anos de vida útil de um cativo, embora alguns cronistas falem em apenas sete anos, à partir do início do trabalho. Para muitos deles, a única saída era tentar fugir ou esperar a possibilidade de comprar a alforria, contentando-se com uns goles da moça branca, como chamavam a cachaça.

e

1

à Ho

Ee

221

CAPÍTULO 8

A ULTRAPASSAGEM

TORDESILHAS

DE

8.1 . A NEUTRALIZAÇÃO DE TORDESILHAS eralmente tem-se a idéia de que a fronteira é uma linha que separa um país de outro ou de outros.

Na realidade, a linha que separa um país de outro ou de outros é o li-

mite, obedecendo a critérios geográficos. A fronteira deve ser entendida sob uma noção mais ampla, pois é a zona ou região que engloba tanto o limite geográfico como os aspectos políticos, econômicos, jurídicos e históricos.

Antes mesmo da chegada de Pedro Álvares Cabral ao litoral do Brasil, as fronteiras da nova colônia portuguesa já haviam sido determinadas pela Capitulação da Partição do Mar Oceano. Mais conhecido como Tratado

de Tordesilhas, esse documento foi assinado, em 7 de junho de 1494, por

D. João II de Portugal e Fernando de Aragão da Espanha, e estabelecia que uma linha imaginária que, passando 370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde, dividiria o mundo entre os reis de Portugal e da Espanha, Sabedor do acordo entre as coroas ibéricas, Francisco I, rei da França,

afirmou, com ironia, a diplomatas portugueses que gostaria de ver a cláu-

sula do testamento de Adão gara ntindo o domínio

marinos às monarquias reinantes em Lisboa e Madri. Esse meridiano, segundo se convencionou,

passaria Pelas te

Todavia, esse meridiano fanta sma — Porque imaginário —. Nunca fo; . fixado. Por conseguinte, as l fronteiras entre os domínios amer; Espanha e de Portugal não chegara m a ser claramente dete

Quando Portugal foi conquistado pela Espanha de Felipe II, após derrotar milita

rmente os partidários de D. Antônio, Prior do Crato — a chamada União Ibérica (1580-1640)

—. as fronteiras, que na prática, nã o existiam, tornaram-se legalmente letra morta, porque o Brasil e as colônias espanholas pertenciam a um mesmo soberano: o rei da Espanha.

À ULTRAPASSAGEM DE TORDESILHAS

ouro de lavagem) são do século XVIII, simultâneas e posteriores à diminuição dos rendimentos do grande ciclo do ouro e integradas no ciclo do gado, atividade econômica que, com a agricultura, possibi-

litou e fixou o povoamento.” (VIANNA, HÉLIO, op.cit., pág. 199.)

A criação do gado possibilitou a interiorização do povoamento por

ervada vo culti o te rtan impo foi ém tamb onde terras do atual Paraná, mate, cuja comercialização tendeu a crescer no século XVIII. No Rio Grande do Sul, desde inícios do século XVII, bandos de paulistas dedica-

ram-se a caçar indígenas e gado selvagem. A domesticação e criação do gado permitiram lucrativa atividade, sobretudo a partir da descoberta do ouro em Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás, cujos territórios estavam

além do meridiano fantasma de Tordesilhas.

A interiorização da colonização multiplicou povoados, vilas e cidades em terras que legalmente pertenciam à coroa espanhola. Razões políticas e econômicas explicam o avanço da colonização pela

Amazônia, onde as drogas do sertão resultaram na fundação de missões pelos jesuítas, carmelitas e capuchinhos. Nelas, eram concentrados índios que, desculturados pela catequese, tornavam-se mão-de-obra forçada.

Desses centros originaram-se muitas vilas e cidades amazônicas. Tropas de resgate igualmente adentravam pela Amazônia, visando o apresamento de

indígenas para convertê-los em trabalhadores forçados.

Por outro lado, a presença de holandeses, ingleses e franceses explica a cria-

ção de capitanias reais, como a de Costa do Cabo Norte, doada a Bento

Maciel Parente, em terras do atual Amapá (1637), bem como de diversos for-

tes na região, como o forte de Macapá, o Forte de São Joaquim e outros mais.

“Com o término da União Ibérica, a paz entre Portugal e Espanha foi concluída pelo Tratado de Lisboa (1668). Nesse tratado também Ficou estabelecido que os limites coloniais americanos daqueles

Reinos Ibéricos seriam os já alcançados pelas duas Coroas antes da guerra de libertação de Portugal.

(..) A fraqueza da Espanha, cuja decadência incapacitava-a de resistir à pressão diplomática de Portugal, apoiado pela Inglater-

231

a A A DAP is RAE LÃ Ds DAP

UMA

CISIUNIA

ra, explica o novo Tratado de Lisboa (168]). Por este E

Tratado, a spanha reconheceu o direito de Port ugal conservar a Col ônia do Sacramento.” (AQUINO

, R.S.L. DE «+ al, pág. 14] +)

A colônia do Sacramento,

fundada em

terras da

atual Repúb lica

Uruguai no ano anterior (1680), visava criar do uma base de OPeraçõ es de con. trabando na Bacia Platina. Atendia aos in teresses de Po rtugal, m as Principal. mente aos da Inglaterra, além de estimular à colonização dos pampa s gaúchos. Aliás, a Igreja católica contribuíra para refo rçar as p retensões de Por tugal,

Pois não acabava a Santa Sé de dar nova sanção legal ao mesmo intento com a bula Romani Pontificis Pastoralis Solici-

tudo, de 22 de novembro de 1676. que, ao criar o Bispado do Rio de Janeiro, lhe atribuía, como território diocesano, toda a costa e O sertão correspondente que vai da Capita nia do Espírito Santo

até o Rio da Prata (usque ad Flumem de Plata)?” (BUARQUE DE HOLANDA,SÉRGIO, op. cit., pág. 327. )

8.2. DE UTRECHT A BADAJÓS

O contrário do que comume nte se pensa, o fim da U nião Ibérica (1580-1640) não

se fez pacificamente. No século XVII, a decadência da Espanha tendeu a se agrava r. À o tinuação da guerra contra a A

A

.

Dr

É

ração visando a indepen d encia (1641). Mais grave foi a revolta d Catalunha (1640-1652) » QUE contou com o apoio da França. Foi nessa conjuntura g A

.

que explodiu a Revolta de Portugal, liderada P 232

a

À ULTRAPASSAGEM DE TORDESILHAS

lo duque João de Bragança, recém-nomeado governador militar do país.

ndo toma rei, se amouprocl , feudal za nobre da parte maior Apoiado pela

o título de D. João IV, e durante 28 anos sucederam-se combates até que

a Espanha reconheceu a independência de Portugal pelo Tratado de Lis-

boa (1668).

João D. ha, Espan a com to confli o eguia pross que tempo Ao mesmo

TV viu ampliar-se a conquista holandesa no Brasil.

“Estava o Rei disposto, caso fosse necessário, a fazer o sacrifício

de Pernambuco: mas não podia permitir a perda da Bahia, pois a perda da capital da colônia acarretaria inevitavelmente o colapso do que ainda lhe restava desta última. Sem o açúcar do Brasil, não teria Portugal com que pagar os exércitos incumbidos de deter os espanhóis ao longo da Fronteira; e, consequentemente, a perda do Brasil envolveria o desaparecimento de Portugal como nação independente. Mesmo aqueles que advogavam o que se poderia chamar a paz com a Holanda a qualquer preço" perceberam isso muito bem; assim, Foi, com a aprovação do Padre Antônio Vieira (senão, em verdade, por sugestão sua), que D. João |V resolveu (...) enviar à Bahia a Armada Real

do Mar Oceano (..).” (BOXER, C.R., op. cit., pág. 261.)

Desse modo, existia também uma guerra contra os holandeses, que, durante a União Ibérica, haviam conquistado parte do Brasil e outras colônias portuguesas na Ásia e na África. O governo tentou negociar com a República das Províncias Unidas, ofere-

cendo elevada importância em dinheiro pela restituição do Nordeste do

Brasil, Angola e São Tomé. Não teve sucesso, porque a Companhia das Índias

Ocidentais exigira uma importância nove vezes maior somente pelo Brasil. Os problemas portugueses acumulavam-se, sendo que, entre 1647 e

1648, embarcações holandesas afundaram cerca de 220 navios lusos no Oceano Atlântico. Ainda que a Holanda sofresse pesadas perdas ao ser derrotada pela Inglaterra (1652-1654), voltou a exigir indenizações do Boverno português, que se aproveitara da Guerra Anglo-Holandesa pa-

ra reconquistar o Nordeste do Brasil e Angola, na África. O porto de

Lisboa chegou a ser bloqueado por uma esquadra flamenga. 233

AULICUMUC

DRAVILLINA.

UMA

MISTUNIA

À crítica situação em que se encontrava o Estado Português assinatura do Tratado de Haia, concluído em 1661.

explica q

“Foram as seguintes as cláu sulas principais do tratad 0 em questão: Portugal devia pagar às Províncias Unidas, dent o do prazo de 16 anos, a indeniz ação de 4 milhões de cruzado S pela

perda do Brasil Holandês (...) Aos ho landeses era assegu direi

r a d o o to de comércio e de residência em Portugal e suas c Olônias ultramarinas, e em condiç ões idênticas às que desfru tavam ox ingleses no presente, ou viess em a desfrutar no Futuro (...) À

Fim de facilitar o pagamento de colossal indenização (...) instituiu o governo português uma t axa especialmente para esse Fim, metade da qual devia ser arre cadada no Brasil (...) Sob este ou aquele pretexto, até 1830 pagava m-na ainda os brasileiros (BOXER, C.R,, 0P. cit., pág. 358.)

Esse tratado, firmado por pressã o inglesa, evidenciava a subordinação

da Holanda à Inglaterra, em clara as censão no plano internacional.

cas para os holandeses, a dinastia de Bragança buscou o apoio da Inglaterra em troca de sucessivas concessões. Em 1642, em Londres

alfandegários sobre prod utos i mportados. Em 1652, novo trata do ob rigou o governo de Lisboa a pagar pesada indenização em dinhei ro e e ntregar mercadori as levadas a portos Iusita nos pelos partidários de : Carl Os II. Este vivia no exíl io devido à Revolução Puritana que levara ao po de r Oliver Cromwell.

Em 10 de julho de 1654, Foi c oncluído, em Westminter, no vo Convênio entre o Protetor da Inglaterra!

que conferia aos ingle ses os seguinte em Portugal e nas suas colônias (...)

3 privilégios (...) a) — comerciar

b) — nomeações, por Cromwell,

À ULTRAPASSAGEM DE TORDESILHAS

de Cônsules e de Juízes ingleses, em Portugal e nos seus domínios

(..) co) — nenhum súdito da República podia ser preso por autoridade

portuguesa (...) d) — o aludido tratado (...) assegurou aos britânicos,

domiciliados em Portugal ou em seus territórios, a liberdade de cons-

ciência(...).” (PEREIRA DOS REIS, PAULO,op. cit., pág. 36.)

Ainda que houvesse radical mudança no poder político na Inglaterra — onde a República foi suprimida e os Stuart voltaram a reinar —, as

concessões portuguesas prosseguiram.

Em 1661, a princesa Catarina de Bragança foi dada em casamento ao soberano inglês Carlos II. Como dote, o governo de Lisboa pagou oito-

centas mil libras de ouro e cedeu Tânger, na África, e Bombaim, na Índia,

duas colônias do já reduzido Império Ultramarino.

Quando a Espanha uniu-se à França no início do século XVIII, rompeu-se o equilíbrio europeu, sendo Portugal arrastado pela Inglaterra à denominada Guerra de Sucessão da Espanha (1701-1714). Mediante pressão diplomática, promessa de proteção militar contra invasão estrangeira e até mesmo elevadas propinas, lesivo tratado foi concluído entre os governos de Londres e de Lisboa.

O Tratado de Methuen (1703), assim denominado porque o represen-

tante britânico que o negociou chamava-se John Methuen, isentava tecidos e outros manufaturados ingleses do pagamento de impostos alfandegas de Portugal e franqueava o mercado inglês à importação vinhos portugueses. Acontece que estes vinhos eram produzidos por

os nas de in-

gleses que viviam em Portugal. Esse intercâmbio resultava em crescente saldo negativo na balança co-

mercial, porque os produtos importados pelo Estado português tinham

preços mais elevados do que os vinhos exportados para a Inglaterra.

Para cobrir esse déficit comercial, o governo português lançou mão do

Ouro extraído no Brasil. Nessas condições, a sociedade portuguesa aumentou cada vez mais sua

dependência à Inglaterra.

235

B) A GUERRA DE SUCESSÃO DA ESPANHA E SUAS

REPERCUSSÕES NA AMÉRICA DO SUL

conflito entre Espanha e França contra a Gran de Ali () culada pela Inglaterra, qu ea se uniu a Portugal, Holanda e Á Ustria — resultou em ataques de corsário s franceses ao Brasil. Fo tam as incyr. sões de Jean Duclerc (1710) e René . Du

guay-Trouin (1711) contra a a

dade do Rio de Janeiro.

Além disso, os espanhóis tomar am a colônia do Sacramento ao s portugueses.

Em 1713, a França firmou com Portugal um tratado pelo qual os franceses renunciavam a suas pretensões sobre territórios integrantes naquela época do atual estado do Amapá. Além disso, re conheciam o rio Oiapoque, também conhecido como Vicente Yáfiez Pinz ón, como fronteira entre o Brasil Colônia e a Guiana Francesa. Amplamente apoiado pela Inglaterra — interessada em ter uma base

de operações comerciais no Rio de Prata —, Portugal recebeu da

Espanha a colônia do Sacramento, segundo decidiu o Tratado de Utrecht (1715).

Curiosamente, as coroas ibéric as se omitiram quanto às áreas que, pelo Tratado de Tordesilhas, integravam domínios esp anhóis, mas vinham

sendo ocupadas por brasileiros e por tugueses.

Que áreas eram essas? As situadas na Bacia Amazônica — onde à bu s; ca de drogas do sertão estimu lava a fundação de vilas, fortalezas e mo sões, aldeando indígenas — e re

giões do atual Centro-Oeste brasileiro,

que vinham sendo devassadas pelos apresa dores de indígenas e pela cor rida do ouro, além de terras sulinas, onde se expandia a criação de gado.

C) PORTUGAL DERROTOU A ES PANHA EM MADRI

divez esse título pa reça estranho a você, tanto mais que exercitos espanhóis n “.

]

A

ão Fora m vencidos por tr opas portuguesas: nem estas ocupar am a capit al da Espanha. 236

À ULTRAPASSAGEM DE TORDESILHAS

i? dr Ma em a ad ot rr de a nh pa Es a o tã en foi Como A resposta está no Fato de que os diplomatas espanhóis curva-

es nt ta en es pr re s lo pe os ad nt va le os nt me gu ar s -am-se diante do . as an ic er am oer ib as ir te on Fr s o da it ós op pr s a do Reino Portuguê

r po os ad nt se re ap os m ra Fo s? se es m ra fo os nt me gu ar E que

urt Po va ta en es pr re e qu ro ei il as br e dr pa , ão sm Gu de e Alexandr i ua in nt co s, ue ss po mo Co : as id nt ma es çõ sa er nv co gal nas longas L. S. R. O, IN QU (A .” s) ti ea id ss po in possuindo (Uti possidetis DE, ct. al, op.cit., pág. 142.)

ibérioas cor as m ia un is ia on im tr ma os laç de a nci stê exi a s, Além do mai

Rei VI, o nd na er “F na. ita lus ia ac om pl di da o ess suc o tou ili fac cas, o que âni seu o re sob e al, tug Por de Rei V, o Joã D. de o de Espanha, era genr ia Mar D. ha in Ra a a nci luê inf ra do na mi do a rci exe o lut eso mo fraco e irr

.) 324 e 323 s. pág ., cit op. O, LI HÉ A, NN IA (V .” ça an ag Br de a Bárbar

, 50) (17 os ric ibé nos rei s doi os pel o mad fir ão ent ri, Mad de o Pelo Tratad em e, a nh pa Es à to en am cr Sa do a ôni col a ia ced al tug Por que e u-s decidi mas a, nh pa Es à tes cen ten per os óri rit ter re sob o ni mí do seu ia ant gar ca, tro ocupados pela expansão luso-brasileira. ter em ng ra ab , sil Bra do a ic bl pú Re à s ado egr int e hoj os, óri rit ter es Ess , ras dos atuais Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná

á, ap , Am as on az , Am ia ôn nd , Ro ins ant Toc ás, Goi , Sul do so os Gr Mato Roraima e a maior parte do Pará. O tratado em causa também estabeleceu que as fronteiras entre os do-

mínios portugueses e espanhóis na América adotariam o curso dos nos s rra gue ais ntu eve que da ain ou Fix is. íve und onf inc is ura nat s ite como lim entre os dois reinos na Europa não justificariam conflitos armados no continente americano.

D) O TRATADO DE EL PARDO ANULOU A VITÓRIA PORTUGUESA s, çõe rea as ers div s mai as ou voc pro ri Mad de o tad Tra do o açã divulg tanto na América como na Europa.

Sacrado ia colôn na tinha que ndo, raba cont ao os ligad ntes rcia Come

23/

mento base de operações, começaram a se articular e ad PrOtestar, Porque tiveram dificultadas as suas atividades. Dificuldades foram criadas por autoridades es pan holas e Port ugues que consideravam traição a troca de territórios que haviam PrO VvOcado muitas guerras pelo seu controle. Além disso, m ui tas dessas A UtOridades perderam fontes de renda porque também est a

vam envolvi das com q

contrabando.

ra metade do século XVII.

Em consegiiência, revoltaram-se os indíge nas, liderados por Sepé Tiaraiu na chamada Guerra Guaranítica (17561757). Tropas luso-espanholas infligiram sucessivas derrotas aos índios rebe lados, tendo Sepê Tiaraiu sido morto em combate.

“Os encontros posteriores não Foram melhores para os ín-

dios, que, usando técnicas aprendidas nas pr óprias aldeias,

quando se preparavam para enfrentar os bandei rantes, tentaram

impedir (...) a entrega dos núcleos onde vivi am. Em São

Miguel, lançaram Fogo ao lugar (...) O grosso da multidão gentia

refugiava-se nas matas, parecendo preparar-s e para uma gran-

de ofensiva, ou para operações de guer rilhas.” (BUARQUE

238

À ULTRAPASSAGEM DE TORDESILHAS

rma ao e ub co o sã ci de a Ess s. sa ue ug rt po ras ter centenas expulsos das tiva para tal vioica tif jus a Um I. é Jos D. de ro st ni mi , al mb Po quês de lência foi

que a rebelião indígena ocorrera estimulada pelos jesuítas.

i. dr Ma de o ad at Tr o ou ul an 1) 76 (1 Além do mais, O Tratado de El Pardo

E) MAIS UM ACORDO IBÉRICO: 7) 77 (1 O S N O F E D L I O T N A S DE O D A T A R T O a segunda metade do século XVII, a rivalidade franco-inglesa agravounos rei os ndo asa arr am bav aca que s rra gue as nov ou lic imp se, o que

H ibéricos.

na tes nan rei n rbo Bou os ndo uni a, íli Fam de to Pac do a nci stê exi À França e na Espanha, contrapunha-se o crescente poderio econômico, na-

a, err lat Ing à te men ica nom eco ado cul vin al, tug Por ês. ingl al val e coloni viu-se, então, colocado em campo oposto à Espanha, o que era complicado pelas disputas coloniais a respeito do controle de territórios no sul do Brasil e região platina. Apesar da conclusão do Tratado do El Pardo, permaneceram tensas às relações diplomáticas entre os reinos ibéricos.

“Ocorrendo a Guerra dos Sete Anos (1756-1763) em que Portugal e Espanha se colocaram em campos opostos, os espanhóis tomaram a Colônia do Sacramento e ocuparam parte do Rio Grande do Sul.”

(ALBUQUERQUE, MANOEL MAURÍCIO, op. cit., pág. 205.)

No entanto, o Tratado de Paris (1763), concluído com o fim da Guerra

dos Sete Anos, determinara que as colônias portuguesas na América ocupadas

pelos espanhóis deveriam ser restituídas ao governo de Lisboa. Em consequência, Portugal recebeu os territórios que os espanhóis haviam dominado. Novo

conflito explodiu com

a Guerra da Independência das Treze

Colônias Inglesas na América do Norte (1776-1783). Enfrentando os norte-americanos, a França, a Espanha e a Liga de Neutralidade Arma-

à a contr ugal Port r apoia de s içõe cond teve não nica britâ a da, a coro agressividade do governo de Madri.

239

= a

OE Pa

ND,

o

ts

tw to

Wmm

TODOS

TETE Tr ETrES

Em conjuntura favorável, os espanhóis atacaram à ilha de San A. : ;

na, ocuparam a colônia do Sacramento e invadiram terras do atu d e Grosso do Sul. a Mato Para agravar ainda mais os probl emas, ocorreu em Portugal ; A :

da Viradeira.

d Chama.

É o que foi a Viradeira? Uma profunda altera çã o no poder e Nas trizes políticas de Portugal. Com a morte de dire. D. José I, subiu D. Maria I (177 dO

7), que, representando os seto res tradicionais, marquês de Pombal. Tudo isto explica a celebração do Trat ado determinando ficarem a colônia do Sacr ament

trono

demitiu 0

Novamente Portugal e Espanha entraram em guerra na Europa: 0 primeiro mantendo tradicional aliança com a Inglaterra, ao passo que o segundo aliou-se à França. A notícia da chamada Guerra das Laran

jas — porque o principal combate se deu em Laranjal — provocou, nã América, a invasão e conquista pelos luso-brasileiros dos Set e Po vo s das Missões. Como o Tratado de Ba dajós (1801) Português, foi omisso que pôs fim , » quanto às nquis| tadas Laranjas, os Sete Pov o c as rr te e os da S Missões permaneceram dro.

a ao conflito durante a Guerra as

? corpor in ados ao en-

CAPÍTULO 9

A ÍGREjA CATÓLICA, A

RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

9.1 . A IGREJA E A COLONIZAÇÃO D

urante todo o ciclo das navegaçõesa Igreja Católica acompanhou e legiti-

mou as incursões européias, promovendo a luta contra os inimi-

gos da cristandade e incentivando a dilatação da fé. Já tratamos da importância da Igreja em alguns dos momentos cruciais da expansão ultramarina portuguesa. Entretanto, para além das determinações pa-

pais, a presença de sacerdotes era fundamental nas próprias embarca-

ções, já que a religiosidade estava fortemente presente no universo dos

marinheiros. A confissão, por exemplo, era uma prática quase obrigatória antes de

cada viagem. A bordo, o capelão celebrava missas — sábados, domingos, dias santos — e adquiria a velha função de médico das almas, imprescin-

dível para o equilíbrio emocional dos marinheiros. Na verdade, muitos sacerdotes acabavam atuando como enfermeiros quando o número de doentes era muito grande. À imagem das forças maléficas que cercavam as práticas náuticas al-

cançava intensidade bem expressiva, não só entre marinheiros incultos.

Os religiosos, portanto, eram elementos fundamentais Para lidar co dia-a-dia no mar e todas as suas incertezas.

E plo, vigiar os tipos proibi » POr exem. dos de lazer. À prática a do n não era bem-vista pelos religiosos , embora MESMO assim se dese Muitas vezes, os jogadores chegavam . a ser durame nte castigados, Nvolvesse As Pros. titutas, quando embarcadas, tornavam -se motivos de inúme ros Problemas sendo constantemente censuradas pelo zelo rel Igioso, Pr eocupado em astidade a bordo. Em al. uns cas =

-

os, as mulheres suspeitas eram isol adas o As leituras proibidas — Jjpyos desone stos —

especial a comemoração da ultrapassa gem da linha do equador e de outros pontos onde a superstição ainda impera va. Além destes eventos, o próprio calendário ofic

ial cristão era oportunidade para sair da monotonia. Festa religiosa e profana se intercalavam, confundiam-se, gerando uma preo cupação especial por parte dos clérigos, ciosos de suas atribuições moralizantes.

ou Contra-Reforma, vinculou-se aos efeito s gera

ta às novas Posições reli gi Mundo, ponto alto do Movimento catóZli a co, nã-o era um a luta contra Os -

E Protestantes, apesar de ter sido, como outr Ati. as produções da Igreja Catô ca da época, incentivado por ela.

242

;

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

Espanha, em função dos próprios processos históricos destes países quesa aria sintetiz Vieira o Antôni padre O is. imperia » de suas realidades tão, ressaltando a excelência da vocação missionária portuguesa:

“Ns outros homens, por intuição divina têm só obrigação de ser católicos: o português tem obrigação de ser católico e de ser apos-

tólico. Os outros cristãos têm obrigação de crer a fé: o português

tem obrigação de a crer e mais de a propagar.”

Aliás, desde o início da expansão marítima os portugueses procuravam converter os povos descobertos, considerando o processo expansionista uma forma de compromisso religioso.

Dentro desta perspectiva, não é surpresa perceber como muitos autores do período colonial, até mesmo leigos, atribuíram à realização divina a chegada ao Brasil. Não podemos esquecer que a primeira impressão que os europeus tiveram do Novo Mundo foi a de uma visão do paraíso. Assim, a catequese seria um desdobramento da vontade superior a ser seguida pelos homens.

A ação colonizadora portuguesa no Brasil coincidiu com este contexto marcado pelas tendências da contra-reforma. Enquanto o Concílio de Trento definia suas normas, os jesuítas chegaram às terras brasileiras, com o primeiro governador-geral. Um pouco depois criou-se um bispado em Salvador. O alvará de 12 setembro de 1564, referendado pela coroa portuguesa, encampava as determinações do Concílio de Trento e estipulava sua aplicação no país. E importante frisar que, se o espírito religioso marcante na colonização

portuguesa foi produto da Igreja pós-tridentina, muitas das determinações normativas do concílio nem sempre foram adotadas integralmente no Brasil. Não foi fácil a observância, na colônia, das determinações con-

ciliares, em função do desregramento do clero secular e da própria difi-

culdade dos colonos em lidar com o delicado equilíbrio entre fé e vida. Muitos missionários conscienciosos perceberam isso com muita clareza, adotando uma postura híbrida, misto de pragmatismo e plasticidade

diante da diversidade religiosa do Brasil.

Além disso, é fundamental para compreender a inserção da Igreja colo-

nial no contexto da Contra-Reforma caracterizar os limites dados pelo sis-

E

ie AS

243

OUOCILUAVE BRASILEIRA. UMA MISTURIA

tema de padroado vigente em Portugal, responsável POr Inúmeras part cularidades na relação entre os clérigos, o monarca e d Cúria Romana

Podemos citar, como ponto de tensão entre os propósitos do Co

de Trento e a realidade tropical, o caso dos bispos brasileiros, já que n;

era muito comum sua permanência na diocese, o que contrastava O

tamente com as determinações tridentinas. Quando isso era obedecido surgiam outros problemas, ligados aos padroado.

9.1.2 . OS JESUÍTAS D

e todas as ordens religiosas que atuara m no Brasil, não resta dúy;. da de que foi a dos jesuítas a mais impo rtante. A Companhia de Jesus esteve presente no desenrolar da coloni zação, atuando nos mais diversos campos, não só naqueles ligados à cate quese e à educação. Membros da companhia estiveram presentes na fundaç ão das mais importantes cidades coloniais. Além disso, o comprometi mento da ordem com uma vasta produção literária, gramática e artística (esc ultura, música, arquitetura e pintura) foi um dos aspectos marcantes da cultur a colonial. Também foram jesuítas alguns dos principais teóricos do período, assim como alguns dos homens que gravitaram em torno do pode r, influen-

ciando diretamente os monarcas portugueses.

É muito comum apresentar-se a Companhia de Jesus como um supor-

te ideológico para a legitimação da colonização, não considerando seus projetos particulares, muitas vezes anta gônicos aos propósitos do Estado e dos colonos.

À primeira leva de jesuítas que chegou ao Brasil vinha sob o comando do

padre Manoel da Nóbrega e logo desenvolveu enormes expectativas da to à catequese. Nas cartas trocadas entre os membros da Companhia ALR . a

Ma

E

o

l

:

Ss

a

Jesus admitia-se uma inclinação dos indígenas à fé cristã, pois mostravam : , -

;

beresse pela doutrina, Teperam as palavras e os ã £ rituaisÉ do culto. Nóbr ega co siderou o indígena “Essa terra é nossa e

e



-

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

medida que se percebia não serem os nativos desprovidos de religiosidade.

Contudo, à conversão ao cristianismo, aparentemente tão fácil, era artificial

em sua s lema prob s deste s algun expôs ega Nóbr . itiva e simplesmente repet Neste 1557. de volta por ida redig o, genti do rsão conve à sobre obra, Diálogo

escrito, O jesuíta definiu uma estratégia para a catequese, considerada bem

mais complexa do que parecia inicialmente, uma vez que o simples diálogo não era suficiente para a conversão. Para ele, só a vigorosa repressão aos cos-

rumes mais perniciosos e a concentração em aldeamentos administrados por jesuítas poderiam salvar Os índios do estado em que se encontravam.

“A transferência dos índios (para os aldeamentos) se realizaria por meio de guerras. Os ataques portugueses promoveriam a destruição total das comunidades e a consequente perda de au-

tonomia dos silvícolas. Desse modo, os 'selvagens tornar-se-iam carentes e prontos a aprender as coisas da fé.” (RAMINELLI, RONALD, op. cit., pág. 73.)

Os projetos de Nóbrega não eram fáceis de ser materializados. O projeto jesuítico teria um fortíssimo rival nos colonos, que tinham oxtros planos para os indígenas. Pura e simplesmente, visavam sua escravização, pois

os consideravam seres inferiores. Por diversos momentos esses intentos entraram em choque, com resultados finais diferenciados, geralmente ar-

bitrados pela coroa. Em 1640, os atritos foram sérios na região de São

Paulo. Um pouco mais tarde, o mesmo ocorreu no Maranhão. Percebese, portanto, que a missão jesuítica era grandiosa, esbarrando em inúme-

ras barreiras. Além dos percalços da evangelização, a Companhia de Jesus

tinha de enfrentar os interesses escravistas e, muitas vezes, a rivalidade de Outras ordens. Diante de tantos obstáculos, poderíamos perguntar como

ser devem pontos Dois tas. conquis suas de tantas uiram conseg jesuítas OS

ressaltados: a base material adquirida pela Companhia de Jesus € a estratégia evangelizadora adotada. A Companhia de Jesus conquistou apoio material excepcional, apre-

sentando-se à coroa, desde o início da colonização, como dotada de cer-

ta superioridade e, portanto, como a mais importante responsável pela catequese e pelo bom andamento da religiosidade colonial. 245

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“À relativa superioridade dos Jesuítas, onde ela eXistia, é F áoi de explicar. Eram mais rigorosos com os noviç 25, Qu

e tinham u m

período de ensino mais longo e estavam di opostos a FeCusar aqueles que não atingissem o nível desejado. O seu sistema educativo era justamente admirado por amigos e Inimigos, pelo me.

nos até o princípio do século XVIII. Por isso, conseguiram atrair para suas escolas e colégios os melhores e os mais brilhantes pu pilos, principalmente no Império Português, onde a sua inFluência, poder e prestígio era ainda maior do que em Espanha (..)” (BOXER, C. R, 4 Igreja e a expansão wérica (144 0-] 770), Lisboa, Edições 70, s/d., pág. 91.)

Quando de sua chegada ao Brasil, Nóbrega cr iticou duramente a licenciosidade do clero secular. Por isso, nesse sentido, sugeriu a criação de

um bispado, instituído em seguida. Paralelamente, além da virtude e dn boa moral, os jesuítas conseguiram criar respeitável patrimôn io, suporte indispensável para as ações religiosas, através de diversos expediente s: + receberam sesmarias da coroa, como outras ordens;

+ as rendas do Estado destinadas às questões religiosas privilegiavam

Os jesuítas. No final do século XVI, a coroa gastava com os três colégios

Jesuíticos o mesmo consumido com toda a estrutura do clero secular

Isso pode ser explicado a partir do seguinte dado: o Colégio da Bahia, à

partir de 1564, passou a ter o direito à redízima, descontada de todos 08 dízimos e direitos da coroa. Entretanto, no decorrer do século XVI, O benefício acabou sendo estendido a outros colégios;

+ receberam, ainda, privilegiadas concessões régias;

E

+ desenvolveram atividades de crédito e até mesmo o tráfico de escravo:

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

uríc cur o or, eri sup e or eri inf , ões seç as du em do do século XVI. Dividi

lo não primava pela praticidade, priorizando o aspecto literário e retó-

«ico, além da ênfase ao latim, ao grego e ao vernáculo. Talvez por isso

o perfil de aluno que frequentava os colégios jesuíticos fosse, principalnre ap de al usu do to mé O m. de or na so es gr in o ao at id nd ca do o mente, con de te an ss ce in o çã ti pe re na e rea a fér lin cip dis na o ad lc ca era do za di am ar ix de ica uít jes l na io ac uc ed a tic prá da os nt me reidos. Alguns mo hin ag im no e o — eir sil bra co gi gó da pe so es oc pr s no da un marcas prof

nstra o, pl em ex por na, ati sab À o. mp te o it mu r po — es nt da vio dos estu a ov pr do a an iz al tu , ri os un al os a par ão ns te o de nt me mo se em aav rm ro de conhecimento. O espírito repressor do ensino pode ser detectado em suas regras básicas, como; “Os [professores de Filosofia] que forem inclinados a novicades ou demasiadamente livres em suas opiniões deverão, sem hesitações, ser afastados do magistério. Livros que se devem dar aos estudantes — Nas mãos dos estudantes de Teologia e Filosofia não ponham todos os livros mas somente alguns, aconselhados pelos professores com o conhecimento do Reitor: a saber, além da Suma de Santo Tomás para

os teólogos e de Aristóteles para os filósofos, um comentário para consulta particular. Todos os teólogos devem ter (...) um exem-

plar da Bíblia, cuja leitura lhes deve ser Familiar, Evite-se a novidade de opiniões — Ainda em assuntos que não apresentem perigo algum para a Fé e a piedade, ninguém intro-

duza questões novas em matéria de certa importância, nem opi-

niões não abonadas por nenhum autor idôneo, sem consultar os superiores; nem ensine coisa alguma contra os princípios Funca-

mentais dos doutores e o sentir comum das escolas. Sigam to-

dos de preferência os mestres aprovados e as doutrinas que, pe-

la experiência dos anos, são mais adotadas nas escolas católicas. (MARTINS, WILSON, História da inteligência brasileira,

Volume 1 (1550-1794), 43 edição, São Paulo, T. A. Queiroz Editor, 1992, págs. 26 e 27.)

OOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Durante seis anos (classe inferior) estudava-se retórica, hu mani dáa gramática. Em seguida, em mais três anos (classe superior), md

filosofia — expressão utilizada para a abrangência da lógica, moral E

matemática e metafísica — sempre condicionada à te ologi a Muitos ao

colégios jesuíticos também possuíam cursos de artes

Os jesuítas, estendendo uma rede de colégios — que no século XVII chegavam a 21

pe

estabelecimentos —, praticamente monopolizaram à edu.

cação no período colonial. Os prim eiros colégios jesuíticos a serem fi n. dados no Brasil foram os de Salvad or, São Vicente, Espírito Santo, São Paulo e Rio de

Janeiro. Além dos colégios, os Jesuítas cont rolavam escolas, denominadas escolas de ley, escrever e cont ar, frequentadas por indígenas e por filhos de brasileiros e de portugue ses, não interessados em ngres

sar na Ordem. As atuações evangelizadoras dos primeiros je suítas brasileiros estavam imersas em uma visão bem particular da Améric a , antagônica com as impressões dos primeiros viajantes. Assiste-se, nesse momento, à desconstrução do mito paradisíaco e a dura realidad e do inferno ameri-

cano. Um dos seus difusores foi o padre Acosta, missionário na América espanhola, responsável pela teoria de que Satã escondera-se no Novo

Mundo quando Cristo começou sua pregação na Terra. Suas idé ias as-

sumiram grande projeção entre colonos e religiosos que vivenciaram 08 rigores da colonização. A própria Natureza, antes encarada como pro-

va da edenização da Terra, passou a ser vista como um emaranhado de armadilhas diabólicas, espaço privilegiado para a ocultação das forças maléficas. Admitia-se até a existência de uma Igreja diabólica, localizada nas ter| A ? «às americanas. Logo difundiu-se o tema de uma corte infernal, gs

pelos indígenas. A idéia central desta representaçã o foi compartilha

atenção às guerras indígenas, po

í.

» COMO Práticas bestiais, O incest o €, P a :

Jesuítas voltaram-se contra elas, considere” amental para a vitória sobre as forças do mê” 248

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

A antropofagia americana recebeu atenção de muitos viajantes e humaaliás de nistas europeus. Montaigne foi um dos que se dedicou ao tema, forma original, contrastando com a visão geral de prática bárbara. Juntanlha bri mou cha se que o — s ado red deg e gos fra náu uns alg mente com sido os ham ten ez talv ítas jesu os —, tal den aci ão zaç oni col temente de

primeiros à descrever mais minuciosamente

o ritual antropofágico.

Nóbrega já o apontava em um dos seus textos iniciais, redigido poucos meses após sua chegada à colônia, Informação das terras do Brasil:

“Quando uma corda pal ou qual porco, até do polegar em postas

cativam algum, trazem-no com grande Festa com pela garganta e dão-lhe por mulher a Filha do princioutra que mais o contente e põem-no a cevar como que o hajam de matar (...) E morto, cortam-lhe o ceporque com ele tirava as frechas, e os demais fazem para comer assado ou cozido.”

Durante o processo da catequese, os jesuítas trataram de convencer os indígenas de que qualquer ritual que invocasse os mortos poderia trazer

forças malignas. As autoridades leigas agiram de outra forma: os gover-

nadores-gerais inauguraram a prática de punir as tribos antropófagas, primeiro com a destruição, depois com a escravidão. Os colonos, interessa-

dos na escravidão, muitas vezes incentivavam as guerras tribais, promovendo, por tabela, a vingança antropofágica.

Até plista forças — A

bem pouco tempo atrás, era muito comum a interpretação simda antropofagia indígena como uma forma ritualizada de captar as do inimigo. Graças ao trabalho do sociólogo Florestan Fernandes função social da guerra na sociedade tupinambá —, sabemos O

quanto a guerra e o ritual antropofágico eram importantes para a manu-

tenção da cosmologia indígena, assim como eram responsáveis pelos mecanismos de reprodução social. O processo de catequese jesuítico no Brasil adquiriu, no decorrer do

tempo, uma peculiaridade que pode ser comparada — apesar das condi-

ções bem diferentes — com a missão da Companhia no Oriente. Nos dois casos, para se obter algum sucesso, era necessário partir para a evan-

gelização com conhecimentos da outra cultura, ali penetrando (pelo me-

249

Pa

a

a a

a

a

RE A

aham

O

O

APR

OIT IRA

Nesse sentido, no Brasil quinhe ntista, destacou "Se José de Anc por sua ação evangelizadora origin

al, permeada por

sões e adaptações, de acordo com o seu público.

Isto fica evidente a partir da linguagem e dos temas

“Molestam-me os virtuosos / irritando-me muitíssimo / os seus novos há

bitos / Quem os ra? / Eu somente / nessa zendo-a seguir as minhas

terá trazido / para pre judicar no ssa teraldeia estou / como seu guardião, / faleis / Daqui vou longe / visitar outras al-

deias. / Quem sou eu? / Eu sou o conceituado / sou o diabão assado

, / Guaixará chamado, / por aí afamado TT

PP

Ue enfurecer-se, andar matando, / comer um ao outro, prender tapuias, / amancebar-se, ser desone sto, / espião adúltero, / não quero que o gentio deixe / Para is so/ convivo com os índios, / induzindo-os

a acreditarem em mim. / Vêm inutilme nte afastar-me

/ os tais padres agora,/ apregoando a lei de Deus.”

à linguagem jesuítica “ Princi palmente, os valores cristãos do poema, € mo a figura de um di ab .

.

.s

'

R

.

!

ão)

“No caso luso-bra sileiro,

à ponte entre a vida simbélica dos tuPis e o Cristianism o acabo Use fazendo gr aças ao caráter mais sensível, mais dúc ti]

* Mais terrenal do Catolicismo po rt uguês Se ritanismo ingl ês ou holandês domina nte nas

O-

h IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

colônias da Nova Inglaterra. À devoção popular ibérica não dispen-

cava O recurso às imagens; antes, multiplicava-as. Por outro lado, divina e Fiel o entre s neira media s figura das ssimo muití se valiadade, como os anjos bons e os santos, os quais são almas de mortos que intercedem pelos vivos. (BOSI, ALFREDO, Dialética da colonização, São Paulo, Companhia das Letras, 1992, pág. 72.)

Anchieta criou homologias bem assimiláveis, formando nova representação do sagrado, o que o próprio Bosi chamou de mitologia paralela: o Deus cristão correspondeu a Tupã; Igreja transformou-se em tupãóka, casa de Tupã; Alma correspondeu a a1ga, equivalente a sombra ou a espíritos antepassados; finalmente, Demônio, foi traduzido por anhanga,

correspondente aos espíritos errantes e perigosos. Anchieta chegou a publicar uma gramática tupi — Arte de gramática da língua mais usada na costa do Brasil —, além de ser considerado o primeiro poeta lírico-religioso da colônia, ou, mais amplamente, primeiro intelectual militante do Brasil. Como muitos outros religiosos de seu tempo, Anchieta alternou uma visão do índio como vítima das forças malignas existentes no Brasil com

a visão antagônica do indígena cúmplice destas mesmas forças. Geralmente, as tribos aliadas representavam — e eram enquadradas — no pri-

meiro caso, € as tribos inimigas no segundo. A conhecida observação de que os índios não pronunciavam as letras F, L e R (correspondentes a fé, lei e rei) era utilizada para legitimar ambas as visões. Em carta ao superior Diego Laines, datada de abril de 1563, Anchieta

chegou a escrever como agir com uma tribo que não se deixava batizar: “para esta espécie de gente não há melhor maneira de pregar do que com a espada e a vara de ferro.” Não por acaso, os jesuítas se autoproclamaram soldados de Cristo. Como

os aldeamentos litorâneos não foram bem-sucedidos, no final

do século XVI, os objetivos jesuíticos concretizaram-se na formação de aldeamentos no sertão, chamados missões, reduções ou aldeias. A razão

da formação de aldeamentos no interior ligou-se a diversos motivos: era

uma forma de fugir dos colonos escravistas; o contato com os brancos provocava, além dos maus costumes, grande mortandade dos índios em

função de doenças que desconheciam:; as tribo S do litora l Praticame tinham sido exterminadas, tendo algumas es a n; c pado para o Interior Os aldeamentos jesuíticos objetivavam controlar a vida do ;

lico, retirando-lhe gradativamente as heranças tribais €, sempre que sível, pr omovendo seu aproveitamento

econômico.

Pos. As aldeias, entretanto, guardaram ou tros si gnificados, que re es pr Cs

Crista na colônia.

enta-

vezes permeados por castigos co rporais públicos. Nesse sentido, pode admitir uma espécie de racionalid ade jesmítica: * racionalização do tempo, uma ve z que os indígenas não tinham hpra para nada, o que dificultava a di sciplina evangelizadora: + racionalização do espaço, já desorganizado, sem divisões, nativos e suas práticas: * racionalização do próprio corpo, aliás, preocupação dos religiosos desde os primórdios da evange lização. A nudez, a antropof agia, os objetos deformadores e o in

cesto deviam ser abandonados, moldando no va relação — repleta de interdiç ões — dos índios com o se u próprio cotpo

252

A IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

a a par is áve eci apr ais eri mat os ent dim ren cia ore fav que em mo tempo s. u s e J e d a i h n a p m Co

Nas missões, mesmo alguns momentos de lazer eram utilizados pelos

jesuítas para O processo de catequese. A música, por exemplo, era um elemento muito importante da pedagogia jesuítica. Em um primeiro momento, mesclavam-se os instrumentos indígenas com os europeus. À par-

tir daí, ocorreu um processo de seleção, onde alguns dos instrumentos

indígenas — principalmente os de percussão — perderam espaço. Den-

tre os que se destacaram, merecem menção os instrumentos de sopro,

que vinham perdendo influência na Europa da Contra-Reforma para os instrumentos de corda, considerados mais suaves e menos propensos a acalentar as perigosas paixões humanas Foi o canto, entretanto, que ganhou projeção toda especial dentro da estratégia musical jesuítica. Já em 1549, logo que chegaram ao Brasil, os jesuítas introduziram o canto gregoriano em latim e tupi. Em breve surgiram os nheengaribas, meninos músicos que viajavam com os missioná rios. Muitas vezes — como mostrou o filme A Missão, de Roland Joffé

— a musicalidade era utilizada pelos jesuítas como prova da vocação cristã— e humana — dos nativos. Um dos grandes núcleos missionários na América situou-se em áreas no sul do Brasil (atuais estados do Rio Grande do Sul e do Mato Grosso

do Sul) e em terras dos atuais Uruguai e Paraguai. Nestas regiões, a atua-

ção do jesuítas espanhóis foi muito intensa. Pela concentração indígena existente, estas missões sofreram violentamente com os ataques dos apre-

sadores de índios: muitas chegaram a ser remanejadas; outras, destruídas, como nos casos das missões de Tape, Guairá e Itatim.

À Amazônia transformou-se também em grande foco missionário, ten-

do várias ordens religiosas atuando na região. Os jesuítas aproveitaram economicamente o trabalho indígena no extrativismo das drogas do sertão. Nesta região, os aldeamentos também foram atacados por apresadores interessados em escravizar o indígena. Merece destaque a atuação do padre

Antônio Vieira, um dos mais importantes nomes não só da Companhia de Jesus, mas de todo o mundo luso-brasileiro, no século XVII. Dono

de retórica inexpugnável, Vieira teve uma carreira fascinante:

pregando na colônia, influenciando decisões reais, tocando em temas

253

proibidos, agindo diplomaticamente, palestrando e m Roma, Produzi ndo vastíssima obra

escrita, enfrentando a Inquisição, e n f i m, vivendo sempre com sucesso, as exigências e as tensões de REM UM Império e M cris e de uma Igreja em erupção.

e

panhi

de Comércio do Brasil, nos moldes das companhi Inglaterra.

à Geral

A trajetória de Vieira no Brasil foi significativa. Gr

dças a sua influén. cia junto ao rei D. João IV, Vieira obteve con cessão que garantia o mo.

do, em 1661. Mesmo tendo os je suí pois regressado à área, o episódio dem onstrou a complexidade e a vio: lência da questão. A Companhia de Jesus enfrentou sua mais ex pressiva crise na segun-

da metade do século XVIII, durante à Era Po mbalina. Objetivando a racionalização e a centralização administrativa, Pombal atacou a autono-

mia das ordens religiosas, atingindo não só os jesuít as como também os mercedários, ordem bastante ativa na Amazônia. A expuls ão dos jesuítas de Portugal e das colônias Ocorreu após a tentativ a de assassinato do rei D. José I, em 1758, quando alguns integrantes da or dem foram acusados de envolvimento com o incidente. O alvará real de 21 de julho de

1759 decretou a prisão e à expulsão dos jesuítas do Brasil. Nas áreas

missionárias do Sul do Brasil fo; necessária uma força militar de grandes

proporções para concretizar as decisões pombalinas, uma ve z que os je suít as resistiam — com apoio indígena — às decisões metropolitanas. y sistema educacional da colônia sofreu uma rees truturação, aliás deficitá-

ria, enquanto os índios passaram para o controle secular. a

« Às propriedades Jesuiticas, Jique muito interessavam a elementos da a te colonial, foram expropriadas e leiloadas. ,

Ls

os comunicações entre Je su it as ' obras consideradas mal

Passaram a ser proibidas

e portugueses, e queimadas determin“maadas

ignas, como os textos do padre Antônio Vieir Em contrapartida, m uitos A

ei

à:

os tempos, Durante nove anos à re lação entre Portugal e a Cúria Roma à ? ficou seriamente abalada.

A IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

“(...) Foi o conflito com Pombal que deu início ao processo que levaria ao Fim dos jesuítas. Eles encontraram uma pessoa capaz de lhes fazer Frente em um Ministro poderoso e implacável, que não tolerava dissidências, para quem a raison d'état era a política suprema e que não hesitou em agir quando desafiado. Que a disputa em Portugal tenha servido como catalisador para a expulsão

dos jesuítas da Espanha e, mais tarde, da França, deveu-se muito, claro está, à receptividade às ações de Pombal pela opinião européia esclarecida, à complexidade da política da Igreja e à aquiescência diplomática dos monarcas católicos. Mas por si só a opinião européia não teria sido necessariamente suficiente para destruir uma Ordem religiosa tão poderosa como a dos jesuítas. Os monarcas católicos Foram rápidos em seguir o exemplo de Portugal, é certo, mas não se sabe se algum deles teria agido dessa forma se Portugal não o fizesse primeiro.” (MAXWELL, KEN-

NETH, Marquês de Pombal, paradoxo do Iluminismo, Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 1996, pág. 94.)

9.1.3 . A INQUISIÇÃO Inquisição foi criada, no século XIII, pelo papa Gregório IX, em

função do crescimento das heresias, principalmente a dos cátaros no

Sul da França. Concebida como tribunal religioso, a princípio a cargo

dos dominicanos, sua missão era investigar aqueles que transgrediam os dogmas religiosos e morais do cristianismo. Uma vez identificada a transBressão, o tribunal inquisitorial entregava o réu à justiça civil, responsá-

Vel pela execução da pena.

Na Idade Moderna ressurgiram tribunais nos moldes das instituições medievais. Foi com a contra-reforma que as práticas inquisitoriais assu-

miram postura muito mais repressora e amplitude muito mais considerá-

vel. Entretanto, as práticas inquisitoriais, inscritas secularmente na pedaBogia cristã, não estiveram restritas aos países católicos, impregnados pe-

lo espírito contra-reformista. São bastante conhecidos os casos de feitiça-

ra na França, Inglaterra e reinos protestantes alemães, além da própria

postura repressiva do consistório calvinista, em Genebra.

QOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

À Inquisição portuguesa, criada em 1536, no reinad o assumiu posições bem particulares. O 7éy modelo dos tribun ais | rRais portugueses — assim como na Espanha — foi O “IStãO novo , Judey obrigatoriamente convertido e, por isso, para as au toridades INQuisito riais, suspeito em potencial de trair o cristianismo. Na Espanha, em 1492, seguindo o curso da ce ; da unificação territorial, foi imposto aos judeus o s tismo ou o exílio. Quem não quisesse se converte » Sendo

de Aragão e Castela. Mediante as pressões estatais, muitos judeus residentes em Portugal

transferiram-se, principalmente, para a Holanda. Ap esar do prazo dilatado dado pelo rei D. Manuel, dez meses, mais que o dobro concedido pe-

los Reis Católicos, não era tão fácil deixar Portugal: a única fronteira terrestre estava fechada e só o porto de Lisboa foi autorizado a permitir o êxodo, com a clara intenção de dificultar o embarque . Não seria correto,

portanto, encarar esta decisão real como uma opção dada aos judeus. Se alguns conseguiram sair do país, entretanto, a maioria esmagadora per-

maneceU no reino. Encerrado o prazo, os que ficaram foram chamados de cristãos-novos e, se teimassem em reeditar sua antigas práticas religio sas, eram considerados traidores da religi ão e do rei. A instalação da Inquisição em Portugal, portanto, vinculou-se à nec es

sidade imediata de vigiar os cristãos-novos: alegava-se (a influência Er e nhola foi mui

to forte) que estes não eram cri stãos de fato. O processo ç

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

mente, muitos judeus, na Península Ibérica, estavam ligados diretamendestacauês, portug caso No s. manuai ofícios com e te com à produção

vam-se os ferreiros, alfaiates € sapateiros. assumieira, financ prática à e cio comér ao s ligado os, os-nov Os cristã

ram papel econômico fundamental em Portugal na Idade Moderna, inclusive nas articulações mercantis com o ultramar. Esses elementos eram

alvos dos inquisidores pela impureza que representavam, pois pouco adiantara a conversão forçada, uma vez que os preconceitos existentes em

relação aos judeus permaneceram. À prática judaizante, se acusada, verí-

dica ou não, possibilitava rendimentos materiais que podiam ser adquiridos pelo tribunal.

Nesse sentido, a Inquisição prejudicava os plenos negócios da burguesia cristã-nova, limitando seus rendimentos, tolhendo suas iniciativas e vi-

giando seus passos, o que contribuía para a saída de muitos homens de negócio (também chamados de gente da nação) do reino português. Neste contexto, muitos cristãos-novos se transferiram para o Brasil. O método de ação da Inquisição portuguesa comportava diversas fases. Quanto aos tipos de crimes, eram divididos em crimes contra a fé, considerados mais graves (judaizar, criticar os dogmas etc.) e crimes contra os costumes e a moral (bigamia, sodomia, bestialidade etc.).

+ À denúncia — O início do processo inquisitorial baseava-se em uma denúncia, que podia ser anônima. A credibilidade do denunciante ficava a cargo dos inquisidores e o acusado não podia saber quem o denunciara, nem o tipo de crime de que era acusado. + À prisão — Caso a denúncia fosse considerada legítima, os funcioná-

rios da Inquisição encarceravam o acusado e vedavam o acesso a sua casa, procedimento que geralmente antecedia o confisco dos bens.

+ Ointerrogatório — Os inquisidores interrogavam o réu, visando não

só a confissão, mas também novas denúncias, que pudessem implicar ou-

tros culpados. Não por acaso considerou-se a Inquisição uma fábrica de Judeus. As sessões de tortura, ao arbítrio do inquisidor, eram aplicadas

com o fim de extrair uma confissão completa, tudo aquilo que os juizes queriam ouvir. A prática da tortura não era exclusiva da Inquisição, sendo procedimento comum na justiça civil na Europa Moderna, tendo re-

motas ligações com os ordálios medievais, vinculando a inocência ou a

257

MDa O

a

a im a LE Ma O nam DD RETO

RAT

EUA TUIAIA

culpa do réu ao suplício físico. Na Inquisição Portuguesa, do; tortura foram estabelecidos pelo Regimento de 1640: o Potro ea O potro era uma espécie de cama, onde o suplic: Polé, apertados — ou não — de acordo com o é um guincho que levantava o corpo até d sem deixar cair no chão. + A aphcação da sentença — Quando o libelo da acusação era anun ciado, o réu podia apresenta r sua defesa, tentando nega r a veracid acusações. Um advogado, no meado pelo tribunal, defend ia o acusado sem, entretanto, ter acesso ao processo nem o direito de aco mpanhar o tórios e as torturas era terminante mente proibido. Mesmo já i nocentado, quem o fi

zesse era considerado herege, pod endo voltar às malhas do tribunal. As sentenças da Inquisição eram lidas em cerimônias, geralmente ab

ertas ao público, conhecidas como autos-de-fé (Atos de Fé). O típico auto-de-fé era uma grande festa popular, cercado de enorme pompa, anunciado e preparado com várias semanas de antecedência. Incentivava-

Sé O comparecimento do povo, dandose ao espetáculo um caráter indulgencial. Na praça pública, os representant es da sociedade se encontravam, compartilhando os momentos mais pios da cerimônia e a exaltação

promovida pela vitória sobre o inimigo. No século XVIII, Voltaire consi-

o-de-fé, ainda em prática na P e n í nsula Ibérica, uma bizarra mistura de missa e carn aval. Mb a hcias espirituais, passando pelo açoi:tamen toa

do até a morte na fogueira. Neste caso,

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

Em áreas onde não existia um tribunal próprio, multiplicavam-se os funcionários que trabalhavam pela causa inquisitorial, imunizados de

possíveis críticas e limitações no exercício do cargo. Os comissários podiam ser considerados, praticamente, inquisidores locais, chegando mes-

mo a ter o poder de prender suspeitos. O visitador das naus era uma es-

pécie de censor, responsável pela papelada que chegasse à colônia. Entretanto, no amplo leque de funcionários (ou, como preferem alguns auto-

res, milícia voluntária) que a Inquisição possuía, eram os familiares os

mais dedicados e leais serviçais. Camuflados no corpo social, realizando

suas funções habituais, os familiares se comunicavam diretamente com a

Inquisição, denunciando culpados que deveriam ser investigados.

A primeira visitação de um representante do Santo Ofício ao Brasil ocorreu no final do século XVI. Entretanto, sabemos que nos primórdios da colonização, um donatário já havia caído nas malhas da Inquisição. Durante boa parte do século XVI, antes portanto das Vi-

sitações, o bispo assumiu funções inquisitoriais, trabalhando indiretamente para o tribunal. O primeiro visitador, Heitor Furtado de Mendonça, chegou ao Brasil em 1591, devassando a vida colonial durante quatro anos. Agiu no Nordeste: centro político e área economicamente mais rentável da colônia. Foram visitadas as seguintes capitanias: Bahia, Pernambuco, Itamaracá e

Paraíba. Seu poder não era ilimitado, podendo penalizar aqui mesmo determinados crimes, mas sendo obrigado a remeter os casos mais graves para a metrópole. Esta visitação deve ser inserida no amplo leque de ações do Tribunal lisboeta nos territórios ultramarinos (Madeira, Açores e Angola), no final da era quinhentista.

À população recebeu a notícia da chegada do inquisidor com grande

pânico. Houve fugas para O sertão € para as capitanias do sul, demonstrando o impacto no imaginário popular que a Inquisição causava. Muitos colonos lembravam-se da força do Tribunal no reino. Alguns te-

riam vindo para o Brasil em função das antigas perseguições. Os tribunais da América espanhola, apesar da distância, volta e meia produziam algu-

ma notícia impressionante para o mundo colonial brasileiro. A prática da delação, incentivada pelo tribunal, tornava a colônia um es-

paço de desconfiança, de apreensão e de medo. Os colonos, em transe, re-

lembravam seus pecados e ensaiavam desculpas, caso fossem inguiridos. 259

a mi

O

ia

O

RS

SO HS em DT

O

RETA

OA

RAPIDO

“À simples chegada dos visitadores, as solenida des da Convo. catória ao povo, os monitórios e os pregões logo ge Fivam Uma

mosfera de culpa e acessos de culpabiliz ação. S por vezes, notáveis mecanismos de defe sa indivi

at.

vos: Fugas, pactos de silêncio, rein venção de história S à Serem contadas (...) Mas antes de

estimular cumplicidades o U

Fesistên. Cias, as inquirições e visitas minava m as So lidariedades , arruinando lealdade

s Familiares, desfazendo amiz ades, rompendo laços de vizinhança, afetos e paixões. Desperta vam rancores, Feavivavam inimizades, atiçavam velhas desaven e para a sociedade em geral.” (VA INEAS, RONALDO, Trópico dos pecados, moral, sexualidade e inquisição no Brasil, Rio de

Janeiro, Editora Campus, 1989, pág. 226.)

A fixação do Edital da Fé, procedimento ad otado por Heitor Furtado de Me

ndonça, no sentido de incentivar confissões e delações, não esta-

belecia nenhuma discriminação para permitir acusações. A Inquisição anunciava-se

como instância suprema, acima de qualquer outra, fosse

uma relação pessoal ou institucional. Até mesmo escravos poderi am fazer

» perfazendo a maior parte dos réus.

contou com o espetáculo do na nação que cercava seu espírito pose chegou, entretanto, a organizar as procissões

: b

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

rece, mais três ações inquisitoriais teriam ocorrido na primeira metade do sé-

culo: duas em 1627, em Pernambuco e nas capitanias do sul; e uma última, sob a forma de auto de inquirição, em 1646, na Bahia. Possivelmente, os

efeitos da Restauração portuguesa, gerando gastos monumentais, contribuíram para minimizar uma direta influência inquisitorial, neste período.

O apogeu da ação inquisitorial no Brasil ocorreu no século XVIII, li-

gado ao desenvolvimento da exploração aurífera. No século XVIII, também merecem menção a visitação à Paraíba (1729-1736), onde formara-

se uma comunidade cripto-judia, e a visitação ao Pará, Maranhão e Rio Negro (1763-1769). A área mineradora, entretanto, foi a que mais chamou a atenção do inquisidores, por toda a pujança que representava. O Rio de Janeiro foi incluído no circuito inquisitorial por sua posição na ordem política e econômica da colônia. Ainda no início do século XVIII, portanto bem an-

tes de ser transformado

em

capital, trezentos elementos, na maioria

cristãos-novos, da cidade foram parar nos cárceres lisboetas.

No Brasil, o número de elementos da Igreja presos pela Inquisição foi muito alto, comparado com outras áreas. Isto ocorreu muitas vezes porque, na colônia, não era incomum que cristãos-novos pertencessem ao clero ou militassem na Companhia de Jesus.

“À primeira estratificação social na colônia brasileira se fundou na cor da pele. Pela cor da pele se distinguiam os senhores de escravos. À estratificação étnica correspondia exatamente a

estratificação social (...) Segundo a legislação, cabia ao cristão-

novo, no quadro social, o mesmo lugar que o negro, distinguidos ambos dos cristãos-velhos pela impureza de sangue. O Fato porém de ter a mesma pigmentação de pele do cristão-velho per-

mitiu-lhe utilizar suas habilidades para fazer parte deste grupo, à que o negro de Forma alguma podia atingir.” (NOVINSKY, ANITA,

Cristãos-novos na Bahia: a 1 nquisição, São Paulo, Edi-

tora Perspectiva, 1992, 22 edição, pág. 59.)

Ao contrário do que se afirma, as reformas pombalinas não acabaram com

a Inquisição em Portugal. Na verdade, Pombal secularizou a Inquisição,

26]

QULICUALC DAASILCIRA: UMA HISTORIA

atrelando a força do tribunal a interesses ce ntralizadores. Sen de Carvalho, foi transformado em inquisidor-g eral, ENQUanto as pr. dades confiscadas pelo tribunal passaram para o Estado. Apesar Prop rie.

var O espírito inquisitorial, as re formas aboliram OS autos-de-fé

lratado de Aliança e Amizade, firmado com a Inglaterra. En tretanto em Portugal, continuaria a encarcerar e Inquirir até 1821, quando fo i term. nantemente abolida pelas Cortes. =

a

=

=

=.

*

)

2. 1.4 . O CLERO SECULAR E AS DEMAIS ORDENS RELIGI OSAS

do bispado de Funchal deu um alento substanc ial à estruturação do clero colonial, a formação eclesiástica cont inuou sendo, por muito tempo, bastante deficitária, já que as oportunidades de educação limitavam-se aos colégios dos jesuítas. “Seminários episcopais nos moldes tridentinos só Foram cria-

dos no Rio de Janeiro (1739), Minas Gera is (1748), Pará (1749) e Pernam

buco (1800). Além disso, as Frequentes vacâncias da s sés tumultuavam a Formação dos sacerdotes, ou adiando a ordenaGo por muitos anos, ou obrigando o candidato a procurá-la em

outro bispado — às vezes

Editora Verbo, 199 4, pág. 171.)

| A

*

269

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

A situação econômica do clero secular era determinada pela coroa,

que, através do padroado, tinha o direito de arrecadação dos dízimos. Estes eram redistribuídos à Igreja, nem sempre integralmente e nem os bispos e vigários, a situação ainda era um sempre pagos em dia. Para

pouco melhor; entretanto, para o baixo clero, a saída era buscar alterna-

tivas para a sobrevivência. Daí a necessidade de desempenhar atividades econômicas leigas, cultivando a terra com mão-de-obra escrava ou mesmo explorando lavras de ouro e diamantes. No dia-a-dia, as ofertas rece-

bidas pela sacramentalização (batismo, casamentos, confissão etc.) eram

findamentais para a manutenção dos clérigos. Atuar como capelão para algum potentado — mesmo que episodicamente — era uma possibilidade de ganhos econômicos sempre interessantes. Em alguns momentos, a autoridade religiosa do clero foi bastante questionada pelos colonos, que, como já vimos, tinham choques também com os jesuítas, mas pelo menos os consideravam mais sérios € mais bem formados. Na verdade, eram alvos de críticas os clérigos que viviam como leigos, fosse pelas atividades econômicas que desempenhavam ou mesmo pela prática do concubinato. A oposição a este tipo de clérigo ficou bem delineada nas obras produzidas por leigos, mesmo em períodos diferentes, como no caso de Gregório de Matos € Cláudio Manoel da Costa.

Já em 1576, quando foi criada a prelazia do Rio de Janeiro, desmem-

brando o bispado brasileiro, as tensões entre clérigos e colonos ficaram bem evidentes. A prelazia não foi bem recebida pela população do Rio,

acostumada à liberdade de costumes. Nos cingienta primeiros anos de sua instalação, dois prelados foram envenenados e alguns outros se retiraram em face da resistência dos colonos. À organização de dioceses foi extremamente lenta, sendo que até 1676 SÓ existia a diocese de Salvador. No mesmo ano foram criadas as dioceses do Rio de Janeiro e Pernambuco. No ano seguinte, foi criada a diocese do Maranhão. No século XVIII, foram fundadas as dioceses do Pará

(1719), Mariana (1745) e São Paulo (1745).

O sínodo de 1707, realizado na Bahia, foi um momento importante

na história da Igreja colonial. Suas determinações foram reunidas em

uma verdadeira legislação eclesiástica: Constituições primeiras do arcebisZado da Bahia. Decidiu-se pela uniformização das práticas sacramentais,

O Di MadiMr ar

DT

PCT

RPERADA

COLA RFO

pelo fortalecimento da própria instit uição eclesiástica e das leis canônicas à realidade bras ileira. Muitas recomend

tas aos padres, para que não cometessem atos do mau y a mo

Pp ela

Adaptação

ral e, principalmente, a castidade.

“No conjunto, o clero secular do Bras il Colônia Constituía u ma "ategoria muito diversificada, cujo traço comu m mais distinto permanecia sendo a ausência daquela discipli na interiorizada que caracterizou a Contra-Reforma ca tólica n a Europa (..) No entanto, uma parcela de seus membro s, mais | nstruída e melhor Formada, não deixou de integrar uma el ite cultural, que participou ativamente dos movimentos po líticos do Brasil, desde mea. dos do século XVIII até à Independênci a.” (DA SILVA, MARIA BEATRIZ (org.), 0p. cit., pág. 175.)

ordens religiosas no Brasil. O choque entre o ócio proporcionado pela religião e a sua negação, fundamental para o aumento da produção que a engren agem

mercantil requeria, iria encontrar soluções variadas de

acordo com situações específicas. De qualquer forma, prevaleceram, segundo

as ordenações reais — e q vontade de quase todo s, principal: mente nas cidades —, determinadas datas em que o trab alho era terminantemente proibido, fosse por veneração religi osa ou por alguma ct-

lebração ocasional. Presume-se, genericamente, que este total tenha

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

“Do Quinhentismo, com as suas duas tendências paralelas,

Classicismo Renascentista e permanência da tradição medieva-

lista, projetam-se no primeiro século de nossa Formação o gosto da crônica histórica, o teatro popular e o modelo camoniano. O Seiscentismo comunica-nos o Barroco, com as suas duas coor-

denadas literárias, o Cultismo e o Conceptismo, a partir de certo

momento apoiadas pelo Movimento Academicista. O século XVI

lança raízes temáticas, o seguinte, mais do que o primeiro, suge-

re linguagem e Formas literárias.” (CANDIDO, ANTONIO e

CASTELLO, J. ADERALDO, Presença da literatura brasileira: das origens ao Romantismo, São Paulo, DIFEL, 1968, pág. 13.)

O termo trnoso e de quitetura e se opôs ao

barroco, por muito tempo considerado sinônimo de qno7%smau gosto, era empregado apenas em relação à escultura, arpintura. Hoje se admite ser também um estilo literário, que classicismo greco-romano.

“OQ Barroco se define libertador, amante da Força, voltado para a paisagem e apegado ao espírito pagão, intensamente diná-

mico (...) A preocupação da elegância, o poder criador da imagi-

nação exaltada, o predomínio da idéia abstrata, a valorização

dos sentidos, a temática preferida, desde as trivialidades até aos temas eternos, determinam as características principais da lin-

). , ELLO CAST e NIO ANTO , DIDO (CAN a.” barroc guagem

ADERALDO, 02. cit., págs. 16 e 17.)

Durante o período colonial, a produção literária foi realizada por autores geralmente nascidos em Portugal ou, quando brasileiros, formados no reino. À vigilância da Inquisição, centrada no Tribunal do Santo Ofício, em

Lisboa, além da visitação, visando apurar crimes de heresta, € do controle censorial exercido pelas autoridades portuguesas, representava sérios entraves às manifestações literárias. Enquanto em outras áreas americanas de colonização européia admi-

tiu-se o funcionamento de universidades e da imprensa, somente a pre-

265

OOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÚRIA

sença da corte portuguesa no século XIX permitiu instituições que favorecem a produção literária.

culo XVIII tem-se notícias de algu mas raras e ricas bibliotecas

E són

século XIX encontramos autore 0 s brasileiros aqui formados e Pr oduzindo para o mercado local. “Aliteratura informativa do colonizado r português é represen.tada, no primeiro século da nossa Form ação, por Pero Vaz de Caminha, Pero Lopes de Sousa, Pero de Magalhães Gandavo e Gabriel Soares de Sousa, contando-se esse s dois últimos como

verdadeiros cronistas.” (CASTELLO, JOSÉ ADERAL DO, 4

literatura brasileira: manifestações literárias da Era Colonial (1500-1808/1836), São Paulo, Editora Cultrix, 19 65, pág. 33.)

A carta de Caminha, O diário de navegação, de Lopes de Sousa,

História da província de Santa Cruz a que vulgarmente ch amamos de Brasil, de Gandavo, Tratado descritivo do Brasil em 1587 ou Not ícia do

Brasil, de Soares de Sousa, são produções informativas do Brasil no século XVI. Segundo José Aderaldo Castello, op.cit, pág. 32, representaram hteratura de fora para dentro, conforme definiu Afrânio Peixoto. “O que consideramos nos limites do século XVI como literatura

informativa dos jesuítas pode muito bem ser exemplificado e lite-

rariamente valorizado através das obras dos padres Manuel da

Nóbrega, Fernão Cardim e José de Anchieta.” (CASTE LLO, JOSÉ ADERALDO, op.cit.. pág. 40.)

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

lião iç bu ri nt co A . il as Br do a st co na a ad us is de gramática da língua ma

nero ingê no s do ra ad qu en s ho al ab tr ês tr a se umi su re im rerária de Card

formativo sobre a terra € OS habitantes do Brasil.

ou-se ic bl , pu os di ór im pr us se s no go lo , II XV lo cu sé lo do pe an Adentr

nhe in qu ao o es pr is ma a nd , ai ra ei ix Te o nt Be a, de o poema Prosopopéi . do en ec al ev pr ou ab ac e qu o, oc rr ba lo ti es ao e qu do s uê sismo portug an rn io Fe ós , br sa Am ue ug o rt çã po za ni lo co a da ic ít cr o sã Com uma vi de a rm fo a b so il as Br s do za de an gr s os da og ál Di os ou or ab des Brandão el

scri ro um ei im pr o o nd o, se ni dô an Br o e an vi e Al tr os en ad av os tr og ál di

r. to au o ri óp pr e o nt me el av ov pr o nd gu se o é vo no tãoVicente Rodrigues Palha, nascido na Bahia e mais conhecido como frei cri de , on il as Br ia do ód st cu ia da ór st os Hi -n ou ix , de or ad lv Sa e do Vicent tica a política colonizadora de Portugal e afirma que, futuramente, à corte seria obrigada a viver na colônia. Embora nascido em Portugal, o padre Antônio Vieira (1608-1627) passou dois terços de sua vida no Brasil, onde faleceu. Orador renomado, contrário à escravização dos índios e crítico da Inquisição, desempenhou missões diplomáticas a serviço de D. João IV. Foi autor de inúmeros trabalhos, como Sermões, Arte de furtar e Cartas. “Senhor, os Reis são vassalos de Deus, e, se os Reis não cas-

tigam os seus vassalos, castiga Deus os seus. À causa principal

de se não perpetuarem as Coroas nas mesmas nações e Famílias é a injustiça, ou são as injustiças, como diz a Sagrada

Escritura: e entre todas as injustiças nenhumas clamam tanto ao céu como as que tiram a liberdade aos que nasceram livres

e as que não pagam o suor aos que trabalham (...)

As injustiças e tiranias, que se têm executado nos naturais

destas terras, excedem muito às que se fizeram na África. Em

espaço de quarenta anos se mataram e se destruíram por esta costa e sertão mais de dois milhões de índios, e mais de qui-

nhentas povoações (...).” (Carta ao vei D. Afonso VI, em 20 de abril de 1657, apud. CANDIDO, ANTONIO

JOSÉ ADERALDO, op. cit., págs. 66 € 67.) 267

e CASTELLO,

OOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Na poesia, o nome mais destacado é Gregório (1633-1695), conhecido como Boca do Inferno po r

sarcástico, o que lhe valeu ser exilado para Angola. P

Or Muitos

u Cstilo

COnside rado o principal representante do estilo ba rroco, est vasta produção poética, de caráter religioso, sa baiano egou-n; tírico €E am oroso.

“Entre os demais poetas, podem-se assina] ar Bernardo Vieira Ravasco

(...) Gonçalo Soares da França e João de Brito Lima. 0 mais apreciado Foi Gonçalo Soares da Fr ança, que tentou imitar Camões no seu Panegírico do Rei D. Pedro | |. Fundador da Academia dos Esquecidos, Foi um grande la tinista e compôs diversas

obras, com Brasília e uma dissertação sobre a História eclesiástica no Brasil. Estes poetas são considerados um pouco fazendo parte da Escola Baiana, onde se encontra também o jesuíta Fran-

cisco de Sousa (1628-17007), autor de Oriente Conquistado (...) Outro sacerdote, João Álvares Sousa da França (1676-?), per tencente à Academia dos Esquecidos, redigiu sonetos em espanhol e 72 discursos morais e políticos. Uomingos Barbosa (163 2-1685), jesuíta, redigiu também poesias latinas, principalmente Passio servatoris Jesu Christi. Por Fim, Pedro Gomes Ferreira de Ca stilho pu-

blicou sátiras, elegias e sonetos. Todos estes escritor es, ou quase todos, eram letrados que se apoiaram essencialmente na rel igião

e no Brasil para redigir os seus poemas. O espírito dos seus escritos era mais moralizante do que verdadeiramente li terário.” (SERRÃO, JOEL er alii, Nova história da expansão portug uesa: O império brasileiro (1620-175 0), Lisboa, Ed itorial Estampa, 1991;

págs. 448 e 449.) ,

e

DS

Ain da no século, VII, o baiano Manoel Botelho de Oliveira comP” as Música do Parnaso e A Ilha de Mare, em que sobressai o cará:ter encom jás-

tico e que foram os primeiros

Já no século XVIII, tanto

li

:

4

ido no Bi

A IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

Bahia em 1724 e 1725. À ela pertenceram os irmãos Bartolomeu, Alexandre e Lourenço de Gusmão, sendo o primeiro conhecido como Padre Voador, por ter inventado aerostatos. À ela também se ligou o baiano € historiador Sebastião da Rocha Pitta, mais conhecido por sua

História da América Portuguesa, desde o ano de 1500 de seu descobrimenso até 0 de 1724. Mais bem estruturada e congregando cerca de quarenta

sócios foi a Academia dos Renascidos, também funcionando na Bahia.

Houve cerca de quarenta academias, mencionando-se a Academia dos Felizes (1736-1740) e a Academia dos Seletos (1752), ambas na cidade

do Rio de Janeiro. À última pertenceu Feliciano Joaquim de Sousa Nunes, autor do Tratado político-moral. Também na cidade do Rio de Janeiro, em fins do século XVIII, funcionou a Sociedade Literária do Rio de Janeiro, que reuniu inúmeros participantes da Conjuração do Rio de Janeiro. Obra polêmica foi escrita pelo baiano frei Manoel de Santa Maria Itaparica: chama-se Eutásquidos, tendo sido publicada em Lisboa, em 1769.

O Compêndio narrativo do peregrino da América, da autoria de Nuno Marques Pereira, redigido sob a forma de diálogos, proporciona inúme-

ras informações sobre o Brasil no século XVIII.

De capital importância, pela riqueza de informações históricas, é a

obra Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas. Editada em

1711, logo foi recolhida. Seu autor chama-se André João Antonil, per-

tenceu à Companhia de Jesus e nasceu na Itália.

Na segunda metade do século XVIII desenvolveu-se novo estilo lite-

rário: o Avcadismo. Representou uma reação contra o Barroco, sobretudo na poesia, e constituiu uma transição para o Romantismo, tanto que em sua segunda fase suas manifestações são pré-românticas. A denominação prende-se à Arcádia Lusitana, criada em Portugal (1756) e concentrando as manifestações arcádias, claramente influencia-

das pelo Neoclassicismo e pelas idéias da Época das Luzes.

Como focos de produção intelectual, continuaram a existir academias ou

sociedades, então

denominadas

arcádias.

Inegavelmente,

Ouro

Preto e

Rio de Janeiro constituíram os principais centros do Arcadismo no Brasil.

Em Ouro Preto, conviveram Cláudio Manoel da Costa, Inácio José

de Alvarenga Peixoto e Tomás Antônio Gonzaga, os três envolvidos na Conjuração Mineira.

269

VOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

No Rio de Janeiro, avultou Manoel Inác i O da Silva Alvar dor da Sociedade Literária do Rio de Ja nei ro € líder da C Rio de Janeiro.

Cnga

cê» flnda

Outros dois poetas mineiros fora m José Basílio da Ga Uraguai e Obras poéticas, e frei José ma, dUutor de 0 de Santa Rita Durã épico Caramuru. 9, Com q Poema

“Os poetas indicados agruparam-se em líricos — Cláudio Man oel da Costa, Tomás Antônio Go nzaga, Alvarenga Peixoto e Si lva Alvaren —

ga , em épicos — José Basílio da Ca ma, Santa Rita Durão e Cláudio Manoel da Costa —, obse rvando-s

cultivo da sátira em todos eles é que representam expressivos das

e aj nda, entre eles, o

e do teatro ( em verso). O que m ais ressaltaremos o pensamen to crítico e o aspecto de suas obras, de fato inovações na temática e no s processos manifestações literárias do Brasil Co lônia.”

(CASTELLO, JOSÉ ADERALDO, op.cit., págs . 135 e 136.)

À segunda fase do Arcadismo apresenta manife stações pré-românticas,

antilusitanas e coincide com a instalação da cort e portuguesa, acelerando

a independência de 1822.

2.3 . À CRIAÇÃO MUSICAL

A) A MÚSICA E A DANÇA INDÍ GENA Embora a músÉ icq a dos ;indí4 genas prat.icame nte nã3o deixÍ asse vestígios em nossa música, constituindo até hoje um fenômeno bt

exótico,

Portugueses que por aqui passaram ou aqui

Edos primór diga am. (ITER B., ER, Himn do múico o Hraslr = ira dios no

Movimento,

; nício do sécul o XX,

1982, pág. 9.)

Porto Alegre, Edito ra

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

A carta de Pero Vaz de Caminha menciona como a música e a dança

estavam associadas à vida dos indígenas.

“E depois de acabada a missa, assentados nós à pregação, levantaram-se muitos deles, tangeram corno ou buzina e começaram a saltar e a dançar um pedaço. (Carta de Pero Vaz de

Caminha a D. Manuel I, rei de Portugal.)

diA música estava presente nas festas, nos enterros e em cerimônias hos, versas ocorridas ao som de flautas de bambu ou de osso, de chocal

de maracás, de trombetas e instrumentos de percussão. Como já estudamos, foi a música usada pelos jesuítas como importante instrumento da catequese. “Em carta de 1549 — constitui talvez o mais antigo documen-

to referente à introdução da música européia no Brasil —, o padre Manoel da Nóbrega relatava ao padre Simão Rodrigues que seu colega Aspilcueta Navarro — o primeiro de todos os jesuítas a aprender a língua dos índios — visitava ora um, ora outro lugar da cidade e à noite ainda faz cantar aos meninos certas orações

que lhes ensinou em sua língua deles, em lugar de certas canções lascivas e diabólicas que dantes usavam.” (TINHORÃO, J. R., op. cit., págs. 10 e 11.)

Esse depoimento evidencia a desculturação da música indígena. Para

OS jesuítas, que haviam acompanhado o primeiro governador- geral, em 1549, a música e a dança dos primeiros habitantes do Brasil eram mani-

festações demoníacas. O próprio fato de diversos instrumentais indígenas

serem feitos de ossos reforçou ainda mais essa visão preconceituosa dos

Sacerdotes europeus. Em consegiiência, os jesuítas empenharam-se em ensinar aos indígenas como tocar instrumentos europeus, como o cravo, O órgão e o fagote.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“Com o aprendizado des ses instrumentos a estr u tura Natura) da música dos indígenas, ba seada em escalas diferentes da eu. ropéia e, portanto, g eradora de um esqu ema harmônico igual. mente diverso, perdia sua razão de ser, reduzindo -5€ O SOM griginal da música da terra à marca ção de um ou to de percussão, ainda pe rmitido — no acompanham ento de umas poucas d

anças julgadas inofensivas pe la severa censura dos jesuítas.” (TINHORÃO, J.R,, Op. cit., pág. 11.)

Já em 1556, Cristóvão Gouveia, visitador jesuíta, ordenou que a ca tequese deveri

a ser acompanhada do ensino do cant o aos meninos das al. deias e das escolas de ler e escrever.

Lembremos que, para facilitar a comu nicação, os jesuítas empregaram a língua indígena, como aconteceu com os versos seguintes dedicados à

Virgem Maria:

“O Virgem Maria, / Tupan ci etê, / aba pe apra póra / oicó endê iab. Traduzindo para o português, esse cântic o fica assim:

“O Virgem Maria, / Mãe do Deus verdadeiro, / , Os homens deste mundo / Sentem-se tão contentes convosco.

272

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

o. uc po o it Mu ? na ge dí in ca si mú da ou st re E o que

cia ên iv ev br so a a ri ve ha ru ru cu do e tê re te ca do as nç da as “N cada o mp te ao as ít su je s lo pe a ad it ve ro ap de uma coreografia

da , ia as nt Fa mo co , ão aç it im a s no ba ur s ai av rn ca s no e; es tequ os cl bo ca e s na pe de os cl bo ca s no s na ge dí in s do em ag im a ri próp s ho in cl bo ca de os up gr s no e , fe ci Re do s tu ca ra de lança dos ma os ri vá em os lt sa s ao am il sf de je ho a nd ai ue (q ou cabocolinhos

e it no na e nt me al ci pe es , co bu am rn Pe em e, pontos do Nordeste al ni mo ri ce o r la pu po ão igi rel na ): al av rn Ca de segunda-feira de

mére o e cá ra ma ca to jé pa um de on a, ic ôn az am a da pajelanç

aam ch a ad iç it fe en m ge ra be be a um é s te en cr s ao o dio oferecid

.) 25 e 24 . gs pá ., cit op. .., J.R O, RÃ HO IN (T .)” da puçanga (..

cen ten per não es, ues tug por s nte gra imi os que er uec esq e Não se pod do a gad che a de Des s. ica mús s sua e ças dan s sua m ra xe ou tes ao clero, tr la. ape e-c s-d tre mes dos o açã atu a u sai res sob l, era r-g ado ern gov ro mei pri

oigi rel ou gos lei s, ico mús Os la? ape e-c s-d tre mes es ess am E o que for l sos, que nas igrejas dirigiam os cantores e organizavam à parte musica do culto religioso. Muitos deles receberam licença das autoridades para abrir escolas de música.

B) A MUSICALIDADE DOS NEGROS D

esde a segunda metade do século XVI, os escravos negros que eram

arrancados da África e, à força, transportados para O Brasil, trouxe-

ram consigo seus batuques e danças.

cosociedade na culturais hábitos novos À primeira referência a esses

1610. em ia Bah na eve est que al, Sav de ard Pyr s ncê fra ao s mo ve de lonial :

Trinta e cinco anos depois, em Pernambuco, frei Manoel

ur.

Ê

Calado ouviria alguns dos instrumentos tocados então pelos neO, RÃ HO IN (T . es. aqu tab e tas flau s, ina buz (..) gros: eram J.R., op. cit., pág. 37.)

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Na segunda metade do século XVII, quando sur mandades religiosas de negros, que também admiti Biram as Prime Iras ir. am a pr Csença de mu. latos, as procissões e outras festas urbanas foram e ANquecidas co

tuques e o gingar de escravos negros. Lembrem OS que batugn

M os Da-

nominação genérica dada pelos brancos às mú sicas dos negros. é Eta de. Em

suas canções, invocavam a proteção dos orixás ou ento cos melancólicos, dançando o caxambu, de origem a: ricana e Com ritmo marcado por tambores, também denominados de c axambus, Já em fins do século XVIII,

“a dança musicada dos negros era o lundu — dança erótica,

culminando com a 'umbigada”, oriunda do ri to de fecundidade na

África. O lundu, descendente direto do batuque af ricano, era o elemento de desafogo emocional dos escravos para am enizar o exílio.” (REZENDE, M.C., 4 música na história de Minas Colonial, Belo Horizonte, Editora Itatiaia, 1989, pág. 221. )

Com o crescimento da vida urbana, tornou-se comum o emprego do escravo negro como músico. Até mesmo na área rural os grandes pro: prietários permitiam a organização de grupos de tocadores de charamelas, os chamados charameleiros ou coromeleiros. E o que era a charamela? Consistia em um instrumento de sopro, de

som estridente e áspero, do qual descendem a clarineta, o oboé e o fagote.

“À notícia mais antiga relativa aos 'choromelleyros” no Recife

é encontrada na documentação da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e data de 1709. A charamela era utilizada não só nas 'músicas' militares (ou bandas, como diríamos hoje), mas também em outras ocasiões (...). Entre os instrumentos tocados pelos negros figurava também a marimba.

(KIEFER, B., op.cit., pág. 15.)

A

Não se pode esquecer que os negros e mulatos, livres ou escravos; foram

bastante talentosos

dO associar Seus orixás aos

274

s

antos da

AlicaIgreja Catól

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

em de da li ca si mu a su ar as av tr ex te en lm ci fa Desse modo, poderiam mais

o. tã is cr ou il civ io ár nd le ca do as st fe as procissões € outr

pato ex et pr m bo um ía tu ti ns co do tu , II XV lo cu “A partir do sé

so as , as mb ri ma as su m co as ru à em ír sa os av cr ra 05 negros es

reext s na a ad ch Fe e s io íc if or m co a ar qu ta ou a an (c ás bios, cang

ustr (in as mb cu ma e s ue aq ab at , s) mo go midades pelos próprios nme ia ar ss ce ne a nd ai ca si mú a um do in uz od mentos de raspa), pr

.) 47 g. pá . cit op. R., J. O, RÃ HO IN (T te tribal.”

cla s seu m co , res ita mil as nd ba am av gr te in ém mb ta Mulatos e negros

rins, tambores e outros instrumentos marciais.

e ad id iv at ro, bei bar ao e ub co na ba ur l ca si mu a vid na te Papel importan e trabaent alm Ger ho. gan de ou res liv ros neg por da rci exe pre sem quase m ha un sp di do an qu as odi mel s sua am av to en ão ent ou do tan lhavam can de tempo entre um freguês e outro. “Em 1816, uma das primeiras impressões registradas pelo Fran-

cês negociante de algodão L. F. Tollenare na cidade do Recife fora o 'movimento contínuo de negros que vão e vêm, carregando

fardos e se animando mutuamente por meio de um canto simples

e monótono”. Vira ainda o mesmo Tollenare negras com cestos &

cabeça vendendo lenços e tecidos, e 'seus pregões se misturavam aos cantos dos negros carregadores.” (TINHORÃO, J.

R., op.cit., pág. 96.)

Desse modo, a participação dos negros na criação de músicas, danças, festas e crenças foi significativa, ao contrário da contribuição indígena. O contraste pode ser explicado a partir do fato de que os negros, diferen-

temente dos indígenas, foram incorporados ao sistema de trabalho imposto pelo branco colonizador.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

C) A MÚSICA ERUDITA ahia e Pernambuco, até o século XVIII, foram as can;

B prósperas, sendo suplantadas somente por Minas Gera mineração do ouro e dos diamantes. Por isso, Salvador e Recife fora m destacados centros de Criação mus;. cal, perdendo essa posição para as cidades mineiras no século XV III Foi em Salvador que surgiram as primeiras manifest ações de Música erudita na sociedade colonial. Fo i na então capital da colônia qu e a coroa criou o cargo de chantre, ou se ja, de dirigente do coro da cape la da Sé Era O distante ano de 1551. Posterio rmente, instituiu o cargo de orga-

nista da mesma igreja, cujo repe rtório musical centrava-se no cantochão, além de música renascentista.

Paralelamente, os setores populares br ancos cultuavam o fado, de origem portuguesa, e a fofn, originária da própri a Bahia, com criação marcadamente negra, considerada “dança desonesta e dos redutos de prostituição”. Poeta, recitador e cantor, o baiano Gregório de Mattos Guerra (16331696), a quem chamariam Boca do Infern o,

“cultivava predominantemente, ao lado das glosas e cantigas, coplas e chansonnettes, os romances, que lhe permitiam contar, no estilo popular-tradicional das redondilhas maiores, ora Fatos engraça-

dos ora acontecimentos variados, sempre com Fundo de acompa-

nhamento à viola.” (TINHORÃO, J. R., História social da música

popular brasileira, Lisboa, Editorial Caminho, 1990, pág. 47.)

Em

Pernambuco,

também

desde o século XVI, existem notícias de

mestres-de-capela em Recife, Olinda e Igaraçu. Dentre outros, aa tam-se os músicos Inácio Ribeiro Nóia e Luís Álvares Pinto. Este, aliás, compôs um Te Deum e uma Salve Regina. laEssa manifestação cultural erudita da res, da mesma forma que criações populaelite chegou às camadas poP ; çres foram assumidas pelas lê

276

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

«) desenvolvimento da atividade musical em Minas Gerais ocorreu paralelamente 3 construção dos primeiros arraiais e de suas

capelas de taipa (..) O Fator solidão juntamente com o auspicioso

eso com e am-s ugar conj (...) vilas as vári de imultâneo-nascimento

pírito religioso e supersticioso do aventureiro que recorre a Deus,

cantos e santas, pedindo sua clemência e proteção.” (BUARQUE

.) 127 e 6 12 s. pág ., cit 0p. , IO RG SÉ A, ND LA DE HO

A riqueza, proveniente da mineração do ouro e dos diamantes, inega-

a. eir Min la Esco a mad cha da l ica mus ão los exp a para u bui tri con velmente iexpl e ent alm igu s ano urb ios méd tos men seg de ia tênc exis a Além disso, ca este surto musical. Curiosamente, muitos desses músicos eram mulatos livres. Existem informações de que atingiram mais de 250, fossem leigos ou sacerdotes.

“Um minucioso estude dos livros das irmandades conduz-nos imediatamente à descoberta do 'mulatismo musical”, se assim

podemos chamá-lo.” (BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO, 0p.cit., pág. 129.)

A cidade de Vila Rica do Ouro Preto, então capital da capitania, reuMU significativo núcleo dessa explosão musical. Nela existia a Casa da Opera, atual Teatro Municipal de Ouro Preto, onde se apresentaram dra-

Mas, comédias e até óperas italianas e portuguesas.

ms Net

a fund

COMIDOMIEORES re gentes que viveram em Vila Rica, des. a e José Joaquim Emérico Lobo de Mesquita, Marcos Coelho

O (pai e filho) e Inácio Parreiras Neves.

o del Rei também constituiu importante centro de produção ca erudita, nela existindo até hoje a Orquestra Lira Sanjoanense,

ada em 1776, e a Orquestra Ribeiro Bastos, criada em 1790.

27]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

9.4 . AS ARTES PLÁSTICAS FE

rtes plásticas são manifestações de realizaç ões imaginárias ou de re. rea de formas da natureza através d € m a

diversas, como a pintura e a escultura. Sem levar em conta a produção artística indí mente, interessa-nos diBoscutir as artes plásAbe tica s dos europeus.

teriais e Maneiras



anterior

Durante algum tempo essa produ ção permaneceu restrita aos c entros urbanos litorâneos,

Pernambuco, que,

com destaque para O complexo Re cife- Olinda,

em

“alimentado pela Fartura do ciclo do açúc ar, se complementa com Alagoas, Paraíba e Rio Grande [do Norte) ; a Bahia, também fica e representando a capital da administ ração e da Igreja, magnetiza toda a vida social e artística contida pelo grande arco do São Francisco. Foram as primeiras sedes cent rais da criação na Colônia, e dividem pacificamente encargos e esplendo-

res da Função até que o Rio de Janeiro, tornando-se em 1763 a sede do Vice-Reino, possa expandir e multiplicar a sua pr ópria arte que, embora em escala mais modesta, se desenvolvia desde os primeiros tempos, quando sua esfera de influência ia do Espírito Santo a São Paulo” (BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO, História geral da civilização brasileira, tomo I, vol. 2, 0p. cit., págs. 109 e 110.)

ra é

é

jeraam e Portugal, e sua produção era complementar às construções arquite Até o século XVIII, os pintores e escultores, em grande parte,

nicas realizadas sobretudo por encomenda da s diversas ordens relígios Eram basicamente artes decorativas. . E

Muitos desses pintores, escultores anonimato. Quem sabe foram leigos o religiosa os artistas que esculpiram as tetos das igrejas e os entalhadores que

218

no e entalhadores perna E ou pertenceram a alguma Of imagens do culto, Os pintores doso executaram belíssimos retábu

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

am “As exigências daqueles que encomendav aos artesãos

ções não permitiam

as suas produ-

e artistas especializarem-se

olt cu es o, mp te o sm me ao , am er m si as em uma Só atividade e

isart es ss de os it Mu ) (... os af gr nó ce € es or nt pi , res e arquitetos +as eram pardos e mesmo negros e raramente saíam da sua e qu as ri óp s pr ca ti ís er ct ra ca as í da e da vi a su da ou a ni ta pi Ca ém Al s. ta is ul pa ou os ir ne mi s do s, no ia ba as st ti ar distinguem os m lava ha al ab tr a rr te da s to en em el e s ói in re s to en em el os so, dis

.) 489 . pág ., cit op. i, ali et EL JO O, RÃ ER (S ).” (... o lad do a

care frad os, Mat de o ébi Eus foi s ido hec con stas arti ros mei pri dos Um

melita que pintou, na Bahia, diversas telas representando temas religiosos.

Mas o criador da chamada Escola Baiana foi José Joaquim da Rocha, autor do forro da nave da igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia. Em fins do século XVII viveu, também na Bahia, um dos mais criativos artistas em trabalhos esculturais em madeira. Seu nome é Francisco Chagas, o Cabra. Dentre suas marcantes criações, destacam-se as imagens de São João e Nossa Senhora das Dores, na igreja de Nossa Senhora do Carmo, São Benedito, na Matriz de Santana, e o famoso Cristo da Coluna,

“cujo atormentado pathos pode tocar à quase-demasia ex-

pressiva sem afetar a segura capacidade de convicção comuni-

cativa. Este artista não criou, contudo, escola direta ou indireta;

seus sucessores, como Manuel Inácio da Costa, farão paralelo à

linha de ecletismo Formal.” (BUARQUE

SERGIO, op. cit., pág. 115.)

mae

ad

DE HOLANDA,

da Coluna é uma escultura em madeira policrômica, com ru-

do Museu no do admira ser pode e sangue, de gotas esentando

0, em

Salvador.

, Piedade da nho Agosti frei inos: benedit dois aram destac se Também pi

discípulo, seu e Bahia; na barro, em s imagen várias E autor de

turas d OA

esculsuas por ido conhec Agostinho de Jesus, que ficou

€ cabeças de anjos.

E



E

il

F



eh dê

2

ae:

219

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Foi no século XVIII que as artes plásticas mate rializaram s ua Pro dução mais significativa, não sendo estranha a prosperid ade decorrent e ração do ouro e dos diamantes. As Minas Gerais COnverteram -se em cen. tro de criação de templos, que rapidamente ev ol uiram de sim ples COnstry. ções de barro para ricas e majestosas edificaçõe S OCtogonAais , redondas ovais, com uma única porta de entrada e gera o u l mente com du as torres,

Se o exterior era nu, que con traste quando se transpunha uma das po

rtas: “então uma orgia de ouro, todo um delírio, uma pletora de sonhos que se desencadeiam , um desre gramento de

riquezas, um escoamento de cores suntuosas, uma imensa sinfonia de sombras e de luzes força ndo quem entra à refugiar-se

no êxtase ou a mergulhar na oração'.” (SE RRÃO, JOEL ez alii,

0p.cit., págs. 433 e 434.)

O pintor português Antônio Francisco Pombal, de sde 1736, realizou, em estilo barroco, a decoração interna da Matriz de No ssa Senhora do Pilar, em Ouro Preto.

Contudo, o ponto máximo, em quantidade e qualidade, ocorreu na

segunda metade do século, quando criações extraordinárias se concretizaram, sobretudo nas Minas Gerais.

Em Mariana, funcionou uma espécie de escola, onde se ensinava escultura, pintura, carpintaria, olaria e serralheria. Ali estudaram, dentre ou-

tros, Manoel da Costa Ataíde e Antônio Francisco Lisboa, mais conheci do como Aleijadinho. Ambos eram mulatos. Ataíde inspirava-se na Bíblia e missais para pintar seus qu adros, ou ç

corar o teto e altares de inúmeras igrejas. Seus personagens são abrast e

rados, com traços físicos claramente mestiços e rústicos. A Santa Cria é

uma das suas obras-primas. A ele também se atribui O Dilúvio, pinturé existente no teto da nave da igreja de São Francisco de Assis, em A O Aleijadinho é conhecido sobretudo pela beleza dos Doze Após ri também cham

ados de Os Profetas, esculpidos em pedra-sabão para O à ,

do Santuário de Bom Jesus de Matozinhos, em Congon has do gi Existe a hipótese de que o Aleijadinho, apelido atribuído por causã A

doença desconhecida que deformava seus pés e mãos, qui s associa” 280

à

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

ufig 66 as são as im ss lí Be a. ir ne Mi ão aç ur nj Co da s nte Profetas à participa lirea o nh di ja ei Al . cra -sa via a do in uz od pr re a, ir de Ea esculpidas em ma y . de aí At m co s ho al ab tr us números a ur lt cu es da ce ápi o r ta en es pr re te an st ob o É importante lembrar, nã , io íc ur Ma : pe ui eq em va ha al ab tr o nh colonial mineira, que O Aleijadi ori sua de ar es Ap s. are ili aux € os av cr es s seu am er io ár nu Ja e o nh ti Agos

ginalidade criativa,

Lis sco nci Fra l noe 'Ma , pai o as en ap m ra Fo não “cous mestres s me Go ão Jo e s, ra ob e-d re st me so, gio sti pre eto boa, arquit no r uto rod int e o tad uin req a ist enh des , hos cun de r ido Batista, abr e nt me el av ov pr ém mb ta (...) s ncê Fra to gos ou ilo est país do novo Francisco Xavier de Brito e José Coelho de Noronha, que se dis-

tinguiam então nas obras de escultura e de talha nas igrejas mineiras”, começando hoje a figurar como os principais responsáveis pelo estabelecimento de um padrão local de decoração entalha-

da.” (BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO, 0p.cit., pág. 120.)

Também se destacou na segunda metade do século XVIII o pintor Teó-

filo José de Jesus, autor da pintura do teto da igreja de Nossa Senhora da Graça, em Salvador.

Contemporâneos do Aleijadinho em Minas, os pintores João de Car-

valhais e Bernardo Pires da Silva, e o entalhador Jerônimo Félix Teixeira

foram alguns artistas que, em estilo yococó, executaram belos trabalhos em Congonhas do Campo.

Não se pode esquecer a existência da Escola Fluminense, que teve co-

“o berço o mosteiro de São Bento, onde frei Ricardo do Pilar e frei Domingos da Silva empreenderam fecunda produção artística. Os painéis

da Capela do mosteiro foram pintados por José de Oliveira, que também foi tesponsável pelas decorações do retábulo da igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência. A decoração em talha da nave foi execuE

por Simão da Cunha e José da Conceição, dois destacados artistas

à Escola Fluminense.

281

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“A Árte

religiosa

no Brasil

é Fruto

de

UMa

atividade Col etiva

Arquitetura reli Ê, gio.

sa sem se levar em cont a, ao mesmo tempo, q traba lho dos es. cultores e entalhadores, dos pintor es e imagi nários, dos Ourives e marceneiros. (..

.) Ão lado de uma Arte religi 0Sa e x t r emamente desenvolvida, mesmo a nível part icular com a S Capelas de oraté. rios das casas rurais ou mesmo urbanas, h

para o profano, sobretudo na pintura. Recordemos o baiano Antônio Joaquim Franco Vela sco, retratista de personagen s sem nome; a pintura anônima da Bata lha dos Guararapes (...) uma outra pintura anônima represent ando 4 visita dos Governadores à Capela da Graça: as pinturas qu ase Fotográficas de João Francisco Muzzi, que se encontra hoje na Fundação Castro Maia do Rio de Janeiro e representam o incêndio do Recolhimento de Nossa Senhora do Parto em 1/89 no Ri o de Janeiro (...) e, Final. mente, os seis painéis atribuídos a Lean dro Joaquim, conserva-

dos no Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro.” (SERRÃO, JOEL, et alii, op. Cit., pág. 493.)

9.5 . À ARQUITETURA NO BRA SIL COLONIAL E

da Arte no Brasil, abstraindo-se a produção artística dos in-

digenas, expressada sobretudo na cerâmica e na plumária, está liga

da à implantação da cultura européia.

“É Frequente o uso indiscriminado das de finições Colonial, Bar-

roco e Jesuítica quando se fala da Arte desenvolvida no Brasil Colonial. A palavra Colonial exprime, antes de mais na da, a situa ção política do país durante determinado período. A Arte Colo nial Brasileira, particularmente a Arquitetura, expresso u-se de várias tilo Barroco Foi uma delas. Jesuítica, por sua vez, É o termo empregado para classificar todas as at ividades culturais ou influências da Companhia de Jesus.(...) Foi na Arquitetura

282

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

o tant que, Arte uma de ução evol a nota se or melh que religiosa na

colônia

como na metrópole, ligou-se ainda ao Barroco.” (Arte

, vol. V. Abril icas Amér nas e opa Eur na oco Barr O : s o l u nos séc .) 4 8 2 1 e 3 8 2 1 . s g á , Cultural p

Começapa. tai e cal ra, ped em tas fei am for es uçõ str con ras mei As pri

edi de os tip tro qua eu ec nh co or vad Sal de ade cid a e ond ia, am na Bah

s muara câm as, dei (ca os lic púb s dio pré os a, adi mor de as cas as es: ficaçõ nicipais, palácios governamentais, tribunais), as fortificações e os prédios es se uçõ str con as Ess . os) égi col € s to en nv co s, eja igr as, pel (ca s oso igi rel multiplicaram à medida que avançou a colonização portuguesa. Inegavelmente, foram as igrejas as mais belas construções arquitetônicas. A princípio eram bastante simples, para isso muito contribuindo o conservadorismo e a severidade da Companhia de Jesus, de marcante 1nfluência na cultura colonial.

“A disciplina Férrea dos jesuítas determinava

que todas as

construções da Companhia dependessem de uma autorização do Geral da Ordem, e que mantivessem como padrão a Igreja

de Gesú, edificada em Roma (...) À tradição jesuítica uniformi-

zou a Arquitetura das edificações da Companhia no Brasil (...) sempre Fiel ao padrão estipulado: nave única com capelas laterais. (Arte nos séculos: O Barroco na Europa e nas Américas,

op. cit., pág. 1285.) Foi em Salvador, sede do governo geral e primeira capital da colônia, que se realizaram as primeiras manifestações da arte colonial, sendo por-

prisa, Sou de é Tom m Co es. tor pin e s eto uit arq ros mei pri Os es WUgues

Meiro governador-geral, vieram o arquiteto Pedro de Góis, o mestre-pe-

dreiro Diogo Peres e o mestre-de-fortificações Luís Dias. A igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, de 1549, e a mais

iNtiga do Brasil, foi projetada em Portugal, de onde também vieram Os

dr

:

cos, entalhes, molduras e o calcário.

283

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Os jesuítas começaram a construir as prim eiras ob

teriais duradouros. Em 156], teve início a cons truçã O da Igreja do Colégio de Salvador, seguindo-se a do Colégio de Olinda, depois

a do Rio de Janeiro e a de Santos, no final do século XVI. A ip. vasão holandesa,

na primeira metade do século KVII, fez dimi.

nuir o ritmo das construções, principalmente as de caráter reli. gioso. (idem, pág. 1284.)

Outras construções religiosas foram erguidas pelos sacerdotes da Ordem dos Franciscanos e da Ordem dos Beneditinos. Coube ao beneditino-arquiteto Bernardo de São Bento Correia de Sousa projetar impo-

nente

trabalho

em

1589,

na cidade

do

Rio

de Janeiro:

à igreja do

mosteiro de São Bento. Sua construção prol ongou-se até o século XVIII é, contrastando com a simplicidade do exterior do templo, o interioré ricamente ornamentado e dourado.

“Os trabalhos de entalhe Foram realizados por José da Con-

ceição e Simão da Cunha que tão bem esculpiram as imagens.

Algumas das suas lâmpadas de prata foram desenhadas pelo famoso

Mestre

Valentim.

Os

quadros

nas

paredes

laterais da

Capela são de Frei Ricardo do Pilar. primeiro pintor europeu a tra-

balhar no Rio de Janeiro.” (shidem, pág. 1287.)

Multiplicaram-se as construções dos beneditinos, sendoa primeira é igre ja e convento de Nossa Senhora das Neves, em Olinda. E um conj” to que inclui a casa de Oração, O claustro, a capela, o adro e o cruzeiro a teiro. Às obras começaram em 1585 e se prolongaram até o século XvIh. “Mas Foi a partir de 1650, mais ou menos, que se definiu plena-

mente o esplendor dos conventos Franciscanos graças a uma série de redecorações,

reconstruções e novas construções (...) Há, evi

dentemente, um padrão fundamental orientando a generalidade dessas construções, CUja massa sempre encontra seu núcleo cen 284

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

os iv it os sp di s lo pe s do la ês tr de o tra] em um claustro que, cercad propriamente

conventuais,

conclui-se,

na quarta

fase,

pela

igreja

(.)” (BUARQUE DE HOLANDA, SERGIO, História geral da «ivilização brasileira, tOMO I, 2º volume, 02. cit., pág. 113.)

to en nv co o e -s am ac st de , as an sc ci an fr s Como exemplos de edificaçõe

em a, ad ur Do la pe Ca mo co a id ec nh co é la pe de Santo Antônio, cuja ca ori te ex s do ar es ap e, qu , or ad lv Sa em o, sc ci an Fr o Recife, e a igreja de Sã

ns Co . ro ou m co do ra co de te en am us of pr res simples, possui um interior

rroco. ba ilo est do ão aç st fe ni ma ta en es pr re , 87 15 em ída tru hia e Ba a s ma s, lo mp te os ic íf gn ma e -s am er gu er a ni lô co à Por toda

eigr de ro me nú lo be is ma e o ric is ma r, io am ma ar nt se re Minas Gerais ap jas e conventos, particularmente no século XVIII. is o ma e çã za ni ba ur r io ou ma it il ib ss o po çã ra ne mi , a is ra Ge s Nas Mina circulação de riquezas. A riqueza que se desenvolveu estava subordinada ao barroco mineiro, denominação genérica aplicada às artes materializadas, no século XVIII, na capitania das Minas Gerais.

Já então o barroco deixara de predominar no continente, mas segmentos da sociedade mineira enriquecidos pelo ouro, pelo comércio e pelos

diamantes criaram manifestações magnificentes e belíssimas na construção de conventos e sobretudo igrejas. Estas se caracterizaram principalmente pelo emprego em larga escala de talhas de diferentes cores, sendo amplamente empregado o revestimento de ouro; pela rica decoração interna das igrejas; pelo realismo das imagens; pe-

la curiosa e contraditória combinação de elementos religiosos € profanos.

Tendo sua origem nos oratórios criados pelos bandeirantes, as igrejas

o çã za ni ba ur a e qu da di me ão à aç nt te os s m da co uí tr ns co m ser ra a ça me Co

s to en gm se os e qu 50 17 de tir par a i Fo m. ra ve ol nv se : à miner ação se de

eigr s la be is ma das ão uç tr ns co a am er nd ee pr em Sociais mais enriquecidos

as barrocas mineiras em Ouro Preto, Mariana, Congonhas do Campo, São João del Rei, Sabará, Serro, Diamantina € Catas Altas.

Muitas

dessas igrejas foram consagradas à Virgem Maria, especialmen-

té à Nossa Senhora da Conceição, e incluíam laterais destinadas ao culto “Ssistido pelos mais pobres. es Eid

285

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Podem ser mencionadas as igrejas de Nossa Se

Nossa Senhora do O, em Sabará;



nhora

da

Conc

Cição

e

Nhora do Carmo, em Mariana e em São João del Rei: Santa Efigênia, Nos Sa Senho.

, as três em Ouro Pret o; Nossa ra do Rosário dos Pretos, em Sabará; Santo Antônio, Noss a Sen

Rosário e São João Evangelista, em Tiradentes.

Senho.

hora do

A maioria dos arquitetos não foi registrada pela história, se ndo ções

Tomás de Maia Brito, Domingos Moreira de Oliveira, Ravier Carneiro e Manuel Francisco Lisboa.

EXce-

Francisco

A necessidade de proteção contra incursões de piratas e corsários, be m como de ataques de indígenas hostis, estimulou a arquitetura militar, re . presentada por fortificações de pedra. Eram edi f icações imponentes, localizadas principalmente nas cidades do litor al. Geralmente possuíam rígidas formas geométricas, e se calcula que f oram construídas 350 fortifi cações, destacando-se os Fortes de Monte Serrat e de São Marcelo, ambos em Salvador, erguidos desde o século XVIL Quanto à arquitetura não religiosa e civil,

“examinando a documentação de fins do Período Colonial, Maria Beatriz Nizza da Silva afirmou que a casa térrea era a mais comum

de Norte a Sul do Brasil, e o domicílio rural não raro se assemelhava à maloca indígena, espaços indivisos, ausência de portas, o fogo a arder e cozinhar no interior da habitação. Em um deles, ob-

servado no agro de Minas Gerais (...) habitavam cerca de trinta pessoas, homens, mulheres e crianças, à moda indígena. Noutro caso,

em Rio Grande, extremo Sul da Colônia, a casa se compunha de uma sala virada para a rua — com o quarto no interior, sem divisão — e da cozinha ao ar livre (..) O mesmo pode se constatar para às Casas dos pobres mineiros no século XVII!” (MELLO E SOUZA, LAURA DE, org., História da vida privada no Brasil, São Paulo,

Companhia das Letras, 1997, vol. 1, pág. 226.)

Entretanto, também existie ram moradias com dois ou trê,s and enare s; ! | o do muitas vezes balcões de ferro ou madeira na face que dava para à ! a Em seu conhecido Culty GRE ogas * ra e opulência do Brasil por suas arg 286

À IGREJA CATÓLICA, A RELIGIOSIDADE E A CRIAÇÃO

Minas, João Antonil chama a atenção para a prática da dupla moradia. Este fenômeno era comum entre PropnetANOS rurais que viviam em ca-

«as mais modestas, embora,

por vezes, com vao: prédios e localizadas

. livres s dore alha trab e vos escra ia, famíl a com m, vivia na área rural. Nelas

dise e cios negó r fecha para iam onde des, cida nas das situa Para as casas

os, ment pavi dois ou um com s caçõe edifi iam vertir, OS proprietários ergu

muitas vezes usando pedra importada. Antonil criticava esse hábito por

o. ic ôm on ec o ci dí er sp de ro ei ad considerá-lo verd

“Ectilisticamente, as obras conhecidas pertencem ao Rococódo bra som uma alg e a-s erv obs ndo qua em vez De mo. cis ssi Cla

estilo barroco; mas este Fato não altera a situação estilística geral que é a do Rococó-Classicismo. À expressão Barroco Mineiro, de uso corrente, não tem, portanto, cabimento no caso da música. Que essa expressão tenha validade no caso das Artes Plásticas ou da paisagem urbana no mesmo período, está Fora de

qualquer dúvida.” (KIEFER, B., op.cit., pág. 37.)

À chegada da corte portuguesa, em 1808, provocou importantes inovações e criações, que estudaremos posteriormente.

287

CAPÍTULO 10

REBELÍÕES, S A M R E T N I S A R GUER E REPRESSÃO 10.1 . POR QUE OCULTAR A VIOLÊNCIA? A

a r lta ocu a cur pro sil Bra do ia tór His de ros liv dos a maiori

violência, sobretudo das autoridades, contra reivindicações das camadas populares, visando projetar a imagem do brasileiro cordial.

Essa visão da história oficial criou-se no século XIX quando, em meio à formação do Estado Nacional, se desenvolveu a idéia de não-violência na sociedade brasileira, ao contrário da violência imperante nas demais sociedades latino-americanas, caudilhismo predominavam,

onde

a guerra pela independência

e O

Tem-se passado uma imagem distorcida da nossa história, na qual se

dis O sar pas em ão paç ocu pre A s. iai soc s sse cla as re ent to fli con oculta o curso da unidade nacional, na realidade, atende aos interesses das classes

dominantes e coloca a história a serviço dos detentores do poder

ia tór His de cos áti did ros liv o sad pas ulo séc do al fin no já ) “(.. do Brasil repetiam a História produzida entre nós pelo Instituto

Histórico e Geográfico Brasileiro e por um dos seus mais ilustres

sócios, Francisco Adolfo Varnhagen (...) a História Oficial seria 289

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

compreendida como a única História ve rídica (...) Tamb ém d pe. : ; riodização passa a ser exclusiva mente | igada à História Po líti e Ad

ca ministrati d o B r a s p i l, rivilegiand sempre a Co va ncepção de o História, como His tória dos govern ( a A n BUD, KATIA t e s , ” MARIA, “O livro didático e a popularização do sa ber históri. co?, im: SI

LVA, MARCOS

A. (org.),

Rio de Janeiro, Editora Marc o Zero, 1

Repensando

q história,

284, pág. 83.)

Não podemos continuar a aceitar a tr adicional visão da história oficial claramente enquadrada na conhecida declar ação de José Maria Alkmin, velho

político mineiro: “Em política o que import a não é a verdade, mas a versão.”

10.2 . O PORQUÊ DOS CONELITO S processo colonizador português, na medida em que se desenv olveu,

(ore

a contradição entre os interesses metropolitanos e coloniais. À coroa, setores metropolitanos e seus representantes no Brasil VIsa

explorar ao máximo as riquezas naturais ou produzidas em terras brasileiras. Esses objetivos acabavam se chocando com os interesses dos colonos, port

ugueses ou seus descendentes, qu ; tar -St e também qu er ia m ap ro ve it dessas riquezas . O rigorismo das prática s m ercantilistas, a voracid ade da política ento a prepotência das autori a dades coloniais, a corrupçãE m o €e O e m perrar da máquina burocrática Sos após o fim da Uni ão Ibé

,

290

q

tica fiscal,

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

da e à Espanh

a, somente concluídas com o Tratado de Haia (1661) e o

+

|

. rratado de Lisboa (1668) Embora à paz fosse restaurada, nem por isso os gastos diminuíram. A

feis sõe ces con s nte sce cre as e s ese and hol aos a pag colossal 'ndenização de o nçã ute man à s ada som es, les ing aos , udo ret sob tas 408 flamengos €, ica portuguesa, explicam por que nôm eco e cris à e ia tár asi par rte uma CO

a re sob ido ríg s mai le tro con um r rce exe a sou pas ça gan a dinastia de Bra tridos ão daç eca arr da or rig o ou ent aum e economia colonial brasileira il. Bras no iam viv que s ono col aos os butos impost ulexp a s apó e cris em a rar ent a eir car açu Ora, acontece que a produção

pal nci pri do o açã ort exp da da que a E te. des Nor ão dos holandeses do rea s mai da ain a uzi red o, lad um por se, al, oni col ia nom produto da eco ceita do Estado português, por outro lado diminuía os +os da sociedade colonial em uma conjuntura marcada Em consegiência, multiplicaram-se revoltas contra cas da política colonial portuguesa. Essas revoltas são

lucros de segmenpelo arrocho fiscal. diretrizes específigeralmente deno-

minadas de nativistas porque nelas ainda não havia o projeto de independência do Brasil, mesmo porque inúmeros dos seus participantes € até líderes eram portugueses.

Contudo, houve também conflitos entre grupos ou classes que disputavam o predomínio político de uma região ou capitania, assim garantindo a exploração das riquezas nelas existentes.

10.3 . O HOMEM QUE NÃO QUIS SER REI (1641) m dos incidentes mais insólitos da sociedade colonial ocorreu

tanliber a, ênci pend inde sua r pera recu para va luta ugal Port quando

do-se do domínio espanhol.

guerra de libertação, liderada por D. João IV, recém-proclamado a tugal, houve manifestação de rebeldia na capitania de São Vicente. teque as nhol espa ias famíl eras inúm tiam exis o Paul São Na cidade de em ados ress inte os grup a aind a Havi s. légio privi € s terra Suas mn suas atividades, inclusive mercantis, até o Rio da Prata. a Juan Rendón e Francisco Rendón de Quevedo y Luna dia m movimento que, em ato de franca rebeldia e de caráter sepa-

Ro

Fatista » Aclamou vei a Amador Bueno de Ribeira. pi

ço

29]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Mais conhecido como Amador Bueno, era ho

gio na sociedade vicentina. Embora de origem Mem de espanhola terna, Amador Bueno recusou a honraria e se re fugiou no

grand

€ Presti.

beneditinos.

Era o dia 12 de abril de 1641.

Com o apoio daquele que se recusou a ser rei, as aut Oridades po rt. guesas rapidamente recuperaram o cont role da capitania e impuseram q reconhecimento do governo de D. João IV. Buscando garantir a legalização do anterior at o de expulsão dos jesu ítas pela Câmara de São Paulo, esta resolveu expo Fr OS acontecimentos e, para isso, enviou missão oficial a Lisboa, sendo u m dos seus membros filho daquele que se recusou a ser rei.

10.4 . A REVOLTA DA CACHAÇA (1660 - 1661) E mbora ligado aos espanhóis por laços de sangue, pois descendia pelo

lado materno de família espanhola, Salvador Correia de Sá e Benevi des, nomeado governador do Rio de Janeiro pela terceira vez (16591660), desfrutava de grande prestígio, tanto assim que também recebeu a jurisdição sobre toda a costa do sul. Em

consegiiência, seus poderes

não ficavam subordinados à autoridade do governador-geral residente na Bahia. Sá e Benevides era um oligarca típico, grande proprietário, e con tra ele existem inúmeros depoimentos negativos.

Logo nos primórdios de sua administração solicitou ao Senado da

Câmara a criação de um imposto predial. À receita proveniente pcs

tributação visava atender despesas com o aumento da tropa, subordina :

ao governador. Além do mais, a receita apurada também se destinava à En

2 atrasos no pagamento da guarnição, o que ocorria com frequência. o Como ainda hoje acontece, apareceram propostas de isenção ao 1 Posto em discussão, sendo tal benefício concedido às ordens religi dos jesuítas, dos carmelitas e dos beneditinos. Diante das controvérsiaa s surgidas, como ovou E

a

.



;

10SaS

alternativa, a Câmara apr

a cobrança de imp ostos sobre a venda a s s e a ç a h c e . a d c ne Ora, r e e a d c o ã ç a t tribu indire ta atingia os setores p o p u lares da sociedade, ã que o imposto pred Guls a

=

:

:

ial incidia apenas sobre os prop rietáriosE de IM

Todavia, após alguns Meses, permanecia baixa a arre cadação com

as

a co”

|

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

indiretos sobre a cachaça e a carne, o que levou O al. predi sto impo o o lhid reco e foss ém tamb que nar overnador à orde

coicar verif de fim a o, Paul São de a tani capi à para iu part ida segu Em ? de eia Corr é Tom ado deix o tend , mo andava à mineração de ouro

a par e nt re pa o tr ou o ad gn si de e lo ítu ti bs su a par o, Alvarenga, Seu prim . ra ma Câ da do na Se O presidir ôni Jer por da era lid a, olt rev a iu od pl ex 60 No dia 8 de novembro de 16 Rio o a ar rn ve go e qu a, rr ze Be ho al rb Ba s mo Barbalho Bezerra, filho de Luí . es es nd la ho os ra nt co a lut na a ar ac st de se e de Janeiro (1643-1644) Por que a revolta? jun se o iss A . da ci le be ta es ão aç ut ib tr da so Basicamente por causa do pe

s sta ivi arr , es nt re pa s seu e nt me ta er ab r ce re vo fa +ou o fato de o governador de e to la cu pe de a, ani tir de o ad us ac o nd se e sem escrúpulos, ele próprio Sá os s, mai do ém Al o. jog de as cas de s no do m co s manter ligações escusa foram ti is ex is qua os ra nt co as, uít jes os s do ia al mo co am nh ti s e Benevide tes animosidades porque eram defensores da liberdade dos índios. nta Sa de eza tal for à o es pr o id lh co re e o st po de foi no ri te in or ad rn ve go O o. nt Be o Sã de ro ei st mo no lar asi se de a iv at nt te sua sar cas fra Cruz, após

Em meio ao tumulto, realizaram-se eleições para escolha de novos integrantes do Senado da Câmara (ou Câmara Municipal) não vinculados à família ou à clientela dos Benevides. Nomeou-se governador Agostinho Barbalho Bezerra, irmão do líder dos sublevados (8 de novembro de 1660).

Contando com o apoio da guarnição militar, Os revoltosos enviaram para Portugal muitos dos aliados do governador Salvador Correia de Sá

e Benevides. e, Sá de a ei rr Co dos s ei óv im r ea qu sa a ou eg ch a ad lt vo re o çã la A popu quando o Senado da Câmara descobriu manobras conciliatórias do recem-eleito Agostinho Bezerra, destituiu-o do cargo e assumiu O governo da cidade, em fevereiro de 1661.

Contudo, Salvador Correia habilmente retornou ao Rio de Janeiro,

aa

pôde contar com a ajuda de forças militares vindas do reino. De

Mpresa, invadiu a cidade e reconquistou o poder em abril de 1661.

De imediato, designou o desembargador Antônio Nabo Pessanha pae rg Jo e a rr ze Be ho al rb Ba mo ni rô Je s do ta on ap o nd se ta abrir devassa, olta. O primeiro foi condenado à Ferreira Bulhões como chefes d aaç aç r P Pr je ho lé, e hoj a é, Pol a do l o rg La no o Mortee, , a 10 de abrabri ad rc fo en , 61 16 de il

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

XV de Novembro. Em seguida, como prática usual da justiça c olonia decapitado a machadadas, tendo a cabeça ficado exposta no a

al foi

existente próximo à forca. dEinho Outros participantes da revolta foram p Ostos a ferros e ficar am por alguns anos em presídios em Portugal » até se Presos rem perdoados e Voltarem ao Brasil. À exceção foi Jorge Ferreira Bulhõ es, que, devido a Maustratos, faleceu na prisão de Limoeiro.

No entanto, a corte havia desi gn ado outro governador, e sua Cart a de nomeação

era dirigida a Agostinho Barbalho Bezerra (1º de julho de 1661), o que evidenciava o enfraque cimento político do velho Oligarca, Como Pedro de Melo assumiu o cargo some nte em 29 de abril de 1662,

“Salvador aproveitou esse prazo para realizar um dos seus pro-

jetos: a construção de um barco de grandes proporções (o maior

do mundo, diziam): o Padre Eterno — que deu nome à ponta do

Galeão”, na Ilha do Governador. Mas não ousou impor novamente Os tributos, e não conseguiu antes de alguns anos levantar o sequestro que fora imposto às suas propriedades pelos oficiais da

Coroa (...) Salvador nunca mais voltou ao Brasil (...) Mais tarde (..) obteve para os seus filhos a outorga de Capitanias na antiga de São Tomé (Paraíba do Sul); aí Fundaram-se as Vilas de São Salvador de Campos (hoje cidade deste último nome) e de São João da Barra. (BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO, História geral da civihzação brasileira, tomo I, 2º volume, op. cit., págs. 17 e 18.)

10.5 . À REVOLTA CONTRA O XUMBERGAS (1666) Se movimento de rebelião também é conhecido co É m

mação de ocis Co nj ur aç ã em uma pr cis a-

Nosso Pai, porque os rebeldes prenderam o governador são de extrema-unção a moribundos, conhecida como procis são de Nosso

Até parece que foi uma epidemia a se alastrar pela soci€ edade colon al;

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

s ga en mb Xu de o ad id el ap a Er . oa sb Li ra pa o ad em Recife, € deport

alch re ma do os do an it im a, av us e qu s do fa tu s de go bi os s vast nma co e qu ão em al l cia ofi g, er mb ho Sc de-campo Armand Friedrich von Br um,

. ol nh pa es o ni mí do do ão aç rt be li de ra er gu dara tropas portuguesas na assou em

que gr s ga xi be de ia em id ep e av gr a A palavra acabou designando capitanias. as tr ou a do an ss pa Pernambuco,

po em nt co aos u po ca es não mo co , tor lei ao “Que não escape

ou a hi Ba na al Ger or ad rn ve Go O o. ss ce su do e ad id ráneos, a grav am er não o ir ne Ja de Rio no ou co bu am rn Pe o Governador em

ens ele os, tod de os olh Aos ia. rég de da ri to au apenas a primeira

Por VI. so on Af D. or nh se do l rea e ad st je ma a pri pró a am av carn tares só s, te en ag s seu dos s do an sm de os em ss Fo que s re maio sua da e -s do an Fi , Rei E] a r xa ei qu se de o rs cu re o s vo po va aos à er orr rec de o eit dir 0 e iss ist ass s lhe e qu m se e, ad id im magnan deposição.” (CABRAL DE MELLO, EVALDO, 4 Fronda dos mazombos — nobres contra mascates: Pernambuco 1666-1715,

São Paulo, Companhia das Letras, 1995, págs. 19 e 20.)

Mesmo assim, as arbitrariedades e deslizes cometidos pelo Xumbergas

foram de tal monta que embasaram o ato de força praticado contra O Te

presentante da coroa. Em representação enviada a Lisboa, a Câmara de Olinda, inte grada pe-

la elite de grandes proprietários de terras e de escravos, levantou inúme: as acusações a contra o governador deposto. Afirmava que

“ele administrava como um tirano, interferia no funcionamento do Judiciário, executava dívidas, sequestrava bens, em especial

has Fábricas dos engenhos e nos partidos de cana, prendia e sol-

tava a seu talante, tudo em troca de dinheiro (...) O governador te-

ria embolsado um quinhão da receita do chamado donativo da Rainha da Inglaterra e paz da Holanda', imposto lançado para a satisfação do dote de D. Catarina de Bragança, irmã dEl Rei, ca-

sada com Carlos |l, e da indenização prevista no tratado de paz

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Bai ixos (1661). Infringindo o mono com os Faíses Ba pólio Comercial permitia o comérc c

io om Franceses e embarcar à P Or conta prá. j pria o pau-brasil pertencent e ao estanco régio. Violando Ou tra r galia ou privilégio da Coroa, recunhara moeda NO recesso da sus casa (...) quebrara imunidades eclesiásti cas, introduzira ilegalmen te um amigo no cargo de Ouvidor, de sobedecera decisões emana. das do Vice-Rei, Conde de Óbidos, e, cú mulo de atrevimento, man. comunara-se com o comandante de um a Frota Francesa, o Marquês de Mondvergue, para entregar a terra ao Re i Cr istianíssimo.” P-

(CABRAL DE MELLO, EVALDO,

As acusações procediam apoio de seus dois filhos e curou aumentar seus bens dor nomeado e colocar em

op. cit., págs. 20 e 21.)

na sua quase totalidade. Contando com o amigos a quem favorecia, o governador proe fortuna, não hesitando em prender o ouviseu lugar o Dr. Lourenço de Azevedo Mota,

a fim de desfrutar de maior liberdade para realizar vantajosas nego ciatas.

Sua impopularidade aumentou quando a capitania foi assolada por terrível epidemia de bexigas, que a crendice popular atribuiu à passagem de cometas € aos maus fluidos exalados do Xumbergas.

Contudo, a conspiração contra o governador envolveu importantes

membros da classe dos senhores de engenho, como João Fernandes Vieira

e André de Barros Rego, devido à cobrança de impostos atrasados, que 05 senhores de engenho não aceitavam pagar pretextando terem sido eles que haviam arcado com a maior parte das despes as para expulsar Os holandeses

Mendonça Furtado igualmente entrou em choque com O vice-Té!; conde de Óbidos, que talvez estivesse envolvido na cons piração, € e carga contra o governador junto às autoridades metropolitanas.

refletindo a satisfação popul ar.

“O Mendonça era Fu tado / Pois do paço o furtaram; / Governador governa do, / Para o reino o despacharam.

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

tuati a um nh ne m ra ma to o nã oa sb Li de s de da ri to au Curiosamente, às

reum ra nt co ão li be re ra cla de o nt me de contra OS envolvidos nesse movi ge en de es or nh se os e tr en de da li va ri a o, ud nt Co a. e da coro presentant s hae se ue ug rt po al ger , em es at sc ma os , e da in Ol em s do nho, encastela ”

+

c

. r e c s e r c u a o u n i t bitando Recife, con

) 4 8 6 1 ( N A M K C E B E D A T L 10.6 . À REVO moum o, anc est ro mei pri o se uce le be ta es 7 167 “No ano de ipro as, ori cad mer tas cer de io rc mé co O a av nc ta es que o nopóli a er ec rn Fo a eri pod oa Cor a e nt me So . res ula tic par aos o bindo-

e dad ivi lus exc à da ain do ten , ios lór ave e as Fac ro, fer , colônia aço iobr m era s ore dut pro os o, lad ro out Por e. gat res de io rc do comé gados a entregar todos os gêneros ao Almoxarife da Fazenda, que os indenizava de acordo com a lei. De princípio, a maior diFiculdade era que no Estado não havia numerário suficiente pa-

ra pagar os produtos

História do Maranhão,

Federal, 1981, pág. 79.)

estancados.”

(LIMA,

Brasília, Centro

CARLOS

DE,

Gráfico do Senado

O descontentamento se agravou quando, a 1º de abril de 1680, a coroa estabeleceu a liberdade incondicional dos indígenas, proibindo ta-

xativamente fossem escravizados. Além disso, confiou-os aos jesuítas, que passavam a ter a jurisdição espiritual e temporal das aldeias indígenas.

Visando solucionar o problema da mão-de-obra para as atividades

agricolas do Maranhão, o governo criou a Companhia do Comércio do Estado do Maranhão (1682).

Durante vinte anos a companhia teria o monopólio do comércio impor

tador e exportador do Estado do Maranhão e Grão-Pará. Cabia-lhe forne-

cer dez mil escravos africanos negros, à razão de quinhentos por ano, du“nte O período da concessão outorgada. Tinha também O monopólio do

fornecimento de tecidos e artigos necessários ao uso e consumo do Grão-

Pará e Maranhão. Toda a produção exportada para Lisboa seria realizada

POr navios da Companhia, que antecipadamente estabeleceria O preço de “ompra da baunilha, cacau, pau-cravo, cana-de-açúcar, algodão e tabaco.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

presa, teve como principal partic ipante Pedro ÁI vares Caldas, ri. co negociante de Lisb

oa. E como administrado ", n o Maranhão, Pascoal Pereira Jansen.” (VIANNA, HÉLIO » OP.cit., pág. 310.)

Ora, acontece que abusos e negociatas sucederam-se, c om os agentes da companhia frequenteme nte obrigando os produtor es a vender sua produção por preços vis, a fim de não terem prejuízo total. Em contra. partida, as mercadorias vindas do rein o ou de An gola eram oferecidas po r preços acima da tabela, Submetidos às limitações e à exploração da política colonial, os habitantes do Maranhão tinham agravadas as difíceis condições econômicas em que viviam. Vejam o retrato da sociedade maranhense traç ado pelo padre Antônio

Vieira em 1680, ou Seja, pouco antes da re belião:

“(...) exceto a cidade de São Luís do Maranhão, onde de poucos tempos para cá se corta carne algumas vezes, em todo O

Estado não há açougue nem ribeira, nem horta, nem tenda onde

se vendam as coisas usuais para o comer ordinário, nem ainda um arrátel de açúcar com que Fazer na terra (..) Na Ilha do Maranhão, responde muito mal a terra com O pão natural daque

las partes, que é a mandioca (...) As canas-de-açúcar não se plantam uma só vez como no Brasil, mas quase é necess ário que

htigamente tanta, que quase se al ontinuação com que se tem E

Os matos, está quas e extint a. E no peixe se 0 tem experim entã quase o me

smo, sendo n O princípio infinito.” (1a LIMA, CAR: LOS DE, op. Cit., pág. 75.)

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

is ma a nd ai am ar or pi , 80 16 em is ce fí di am er se as condições de vida já

la mp co a m co a av nt co e qu a, hi an mp co à os id ed nc com OS privilégios co

cência das autoridades.

Curiosamente,

o governador Francisco de Sá

l Pereira oa sc Pa ou aj vi e qu em o vi na o sm me no ís Lu Menezes chegou a São ão.

nh ra Ma no a hi an mp co da e nt ta en es pr re O Jansen, nomeado para ser

ro nt co en u se ao foi s, ze ne Me Sá e de qu ar mb se de Antes mesmo do

o çã ca di in iv re ar nt se re ap ra pa vo po es do nt ta uma comissão de represen . s e s n e h n a r a m es it el das

unass do tar tra am For que o pov do es ant ent res rep os mas ) “(.. to deixaram-se subornar por Pascoal Jansen que, com o apoio do Governador, deu ao Vereador Jorge de Sampaio Fazendas e gêneros, ao Juiz dos Órfãos Manoel Campelo de Andrade, a promessa do cargo de Procurador da Companhia, e a patente de Capitão de Infantaria ao Procurador da Câmara Antônio de Souza Soeiro. Ão suborno, seguiram-se as ameaças de prisão e deportação dos que

pretendessem resistir (..).” (LIMA, CARLOS DE, op. cit., pág. 80.)

As consegiiências da opressão dos governantes e da espoliação e abusos

da companhia não se fizeram esperar muito tempo. Manoel Beckman,

também conhecido como Bequimão, proprietário de terras e vereador,

Procurou reunir partidários para pôr fim às dificuldades vividas por muitos integrantes da sociedade maranhense. Natural de Lisboa, via-se prejudicado pela proibição de escravizar índios, necessários como mão-de-obra

dO engenho de açúcar que possuía.

Reuniões ocorreram e os projetos em andamento ganharam mais força

quando Os carmelitas, os franciscanos, o clero secular e até mesmo o bispo Gregório dos Anjos condenaram o monopólio dado à companhia. Somente

Os Jesuítas se calaram, o que era compreensível, já que haviam recebido o moMopólio da jurisdição das aldeias indígenas, concessão altamente vantajosa.

de fevereiro de 1684 explodiu a revolta. Aproveitando-se da nO a : governador, que tinha fixado residência em Belém, os revolei

)

ana

eram o capitão-mor Baltazar Fernandes, declararam deposto nador, expulsaram os jesuítas e determinaram a suspensão das ati-

Vidades da companhia no Maranhão.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Formou-se uma Junta de Governo, chamada de Três

por Inácio da Assunção, frade carmelita; Mano el BeÊ ckm dn e Eugé Ribeiro Maranhão, grandes proprietários: Francisc O Dias Deiró e Belquior Gonçalves, representantes das camadas populares À junta

S0Vetnaria at novas ordens da corte em Lisboa. é Para ajudá-la em sua missão, a junta ele geu três adjuntos: João de Sousa de Castro, Manoel Coutinho de Freit as e Tomás Beckm de Manoel Beckman.

an, irmão

Emissários foram enviados a Belém e a Lisboa, sendo designado Tomás Beckma

n para expor o ocorrido ao rei. Curiosamente, ao lado de medidas destinadas à garantir o sucesso da rebelião, a junta preocupou-se também em impor ridículas proibições, comoo uso de mantas de seda pelas mamelucas e o de fitas pelas mulheres em geral. Contudo, em Lisboa, Tomás Beckman foi posto a fe rros e embarcado no mesmo navio que trazia Gomes Freire de Andrade, no vo governador enviado com todos os poderes. Praticamente sem encontrar resistência, Gomes Freire dominou São

Luís e mandou prender e julgar os participantes da revolta.

“No dia 2 de novembro de 1685, na Praia do Armazém, ou da Trindade, Foram executados na forca Manoel Beckman e Jorge Sampaio, e, em efígie, por se encontrar foragido, Francisco Dias

Ueiró.” (LIMA, CARLOS DE, 02. cit., pág. 85.)

Belquior Dias Gonçalves foi cond enado

os de Africa, além de receber açoites pelas ruas de aSãodezLuían s. Tomás

o nã

o

a

mais

condenado à morte, teve a pena comutada para morte civ..+il, € Os e presos foram soltos após pagarem as custas do processo. > : 5 Os jesuítas puderam retornar ao Maranhão, mas a coroa suprimit.mit O nopólio concedido à Companhia do Comércio do Estado do Maranhão. x

10.7 . À GUERRA DOS EMBOABAS (1 708-1709) Fi

(mo

em

0c0 o foi ante rior es dos dife rentes to com características ”

=

territórios do atual estado de Minas Gerais. 300

a

rrido

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

a ad gr te in go lo ão gi re a um de o ni mí do lo pe l arte qu m se a jut Foi uma em da ia cr a ro co da a ni ta pi ca , ro Ou do s na Mi e o ul Pa o Sã de à Capitania o do an ut sp di s ro ei st ra fo e ra guerra entre bandeirantes 1709: Verdadei

int ce vi s lo pe s ta er ob sc de mcé re controle de áreas de mineração de ouro

. II XV lo cu sé do s fin nos ou bandeirantes em ou oc ov pr s ra fe rí au s da zi ja s ca ri A divulgação do descobrimento de equ ri en de e ad id il ib ss po la pe os íd ra at s ro ei st ra fo de a verdadeira corrid ntenas de

ce , al ug rt Po de até e , as ni ta pi cimento rápido. De todas as ca

rme co , os ir re tu en Av s. na mi s da pessoas começaram a afluir às terras te ar s, re do ga jo s, ta tu ti os pr s, õe dr la ciantes, homens livres, lavradores, , alos nh zi so am av eg Ch s. re do ra ne mi é at € s ta , sacerdotes, pecuaris sãos

. s a i l í m a f s a u s m o c s n gu

as su em ar ix de a os nt ta a u lo mu ti es ro ou do el “A cede insaciáv 05 são mo co s, ro pe ás tão os nh mi ca por se mre te me a terras, e me nú do a nt co dar rá de po se te en am os lt cu fi di e qu das minas, ro das pessoas que atualmente lá estão. Contudo, os que assistiram nelas nestes últimos anos por largo tempo, e as correram todas, dizem que mais de trinta mil almas se ocupam, umas em catar, outras em mandar catar nos ribeiros do ouro; e outras em pasó não er st mi há se e qu o o nd ra mp co e do en nd negociar, ve ra a vida, mas para o regalo, mais que nos portos do mar. Cada

ano vem nas frotas quantidades de portugueses e de estrangei€ os av nc cô re as, vil s, de da ci s Da s. na mi às em ar ss pa ros, para

sertões do Brasil vão brancos, pardos e pretos, e muitos índios ão iç nd co a a tod de é a ur st mi À . em rv se se s ta is ul de que os pa

de pessoas: homens e mulheres; moços e velhos; pobres e ricos;

nobres e plebeus, seculares, clérigos e religiosos de diversos institutos [Ordens], muitos dos quais não têm no Brasil convento

nem casa.” (ANTONIL, ANDRÉ JOÃO, op.cit., pág. 914.)

donados quando seus mor adores an m am ab o ia er log e rg dos su voa rt ouro. do busca Estes, a em emboabas. de demais aos chamavam nas S vicentinos ou paulistas capitanias. outras de ou reino do vindos à maioria, eram portugueses Po



=

u

l

1

301

.

=

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“Sabe você o que significa emboaba? Há co ntrovérsias a res. peito da palavra. Alguns historiadores a firmam

que emboaba é

corruptela de mbuab, nome de uma ave de pern as e pés cobert os de penas, isto porque os portugueses geralmente andava m de bo

tas altas. Outros autores defendem a idéia de que emboaba é «; nônimo de inimigo, estrangeiro ou Forasteiro” (AQUINO

RUBIM SANTOS LEÃO DE er alii, op. cit, pág, 125)

Desde que descobriram minas de ouro e, mais tarde 3 de diamantes, Os vicentinos consideravam caber a eles prioritariamente O direito de exploração daquelas riquezas. Tanto assim que, em petição de 7 de abril de 1700, a Câmara Munici-

pal da cidade de São Paulo solicitou à coroa fosse a concessão de ter ras de

regiões mineradoras feita exclusivamente aos habitantes da capitania de São Vicente. Assim pretendia reforçar o ato real de 18 de março de 1694, que garantira a posse das minas aos seus descobridores, desde que pagas-

sem o quinto devido à Fazenda Real. Contudo, o governo português não atendeu a tal solicitação e concedeu terras indiscriminadamente,

inclusive favorecendo claramente aos

portugueses. Tal prática descontentou os vicentinos, e os conflitos tenderam a se multiplicar. “O Fato de muitas datas, de início marcadas pelos paulistas, te-

rem sido desrespeitadas pelos que vieram mais tarde do litoral, quando os primeiros proprietários haviam abandonado suas lavras,

tangidos pela carestia de 1698 e 1700, não concorreu para conser-

var a harmonia entre os dois partidos (...) Fonte menos importante de discórdia foi criada pelos escravos. Os dos paulistas eram, ad

sua maior parte, ameríndios reunidos em bloco sob termo generco, mas pouco exato, de carijós e tapuias. Os dos emboabas —

quando estes puderam se dar ao luxo de tê-los — eram, quase in” variavelmente, negros. Ao que parece, esses dois grupos da população servil, não morriam de amores um pelo outro, tal como acor” tecia com seus senhores,” (BOXER, C.R., 0p. cit. páBs- 71e 72.)

302

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

li ip lt mu s e t n e d i c n i e , a i r maio e s m a r a n r o t s a b a o b m e Rapidamente os O u e c s e r c s ai qu os e r t n e d , s egado

h c m é c e r € s e r o d a r e n i m -se entre s ê u g u t r o p o a er s le de m U a. hi Ba s da e t n e d e c o r s p o u d í v i d n n G va o d a g r ia cr ra s pa e õ s s e c n o c s a Viana, que obteve ampl rfo se e u q s o b m o l i u q ir ru st mbater indígenas não submetidos, de s. ta Al s a t a C s na e e d a d e i P da rra se na o r u o de s a n i m r a r o l p de r ta ru sf massem € ex de a u o s s a p e o i g restí p u o h n a g , u e c e u q i r n e Em pouco tempo , e t n e m a d a s u o , e u q r o p m é b m a , t s a b a o b m e os e tr e en d a d i r a l u p o p grande . s a t s i l u a p s o r e m ú n i m o c a t r e b a ta lu m e a ar tr en s. a i r ó t s i h s a i r á v m a i r r o c a n a A respeito de Nunes Vi

a -l bê sa r po .) (.. a lh fi a um ou in “Uma delas é a de que assass a

a, tr Ou . ão iç nd co a ix ba de e e br po de relações com um rapaz la a um em s vo vi os ir ne io is pr € os de que mandava arrojar escrav s la pe s do ra vo de em ss fo e qu de m Fi à a, nd goa, perto da sua faze fo li da ue rq po a, nt ue nq Ci de me no o piranhas. Tal lagoa tomou cu sé do o ad me no s, to ul ad de as ir ve ca a nt ue nq ram retiradas ci

|

lo XIX. Uma fazenda da ganados e herdar-lhes

ia lh co re e qu de a é ão iç ad tr ra st ni si ra tercei Tábua, que se dizia mal adquirida, os doentes ricos da região, apressando-lhes a morte, à os bens.” (FRANCO, FRANCISCO DE

na sua desenfim de ASSIS

il as Br s do ta is an rt es se e nt ra ei nd ba io de ár on ci CARVALHO, Di

IV do ão ss mi Co o, ul Pa o Sã I. II XV e II XV I, s XV lo — Sécu

Centenário da Cidade de São Paulo, 1953, pág. 429.)

Ro

ém mb ta eu olv env que por da ain io sér s mai -se nou tor o sm O antagoni

fumo co o, um ns co lo amp de s igo art m co ão laç e a especu

es, ues tug por os pel os lad tro con , ino bov a aguardente e carne de gado

ados a baianos.

ereb de te sen pre pre sem eio rec o pel o sad pas per era o sm ni go ta an pe des de escravos. À ocorrência de assassinatos de dois emboabas deu margem 4º boato de 8. 170 de o eir jan em os eir ast for de re sac mas o que os paulistas iriam realizar q

e

.

*

à



à

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“Essa 'invencione diabólica" excito u OS ânimos,

guações uniram-se os forasteiros e decidiram ir alé

resistência

armada,

organizando

um

governo

º Proclamando Manoel Nunes Viana Governador de todas ac minas, com plenos poderes, devendo exer ; cer esse cargo até que sua Maje Stade providen.

classe a respeito. (BUARQUE DE HOL A N D A , S É R G I O op cit., págs. 302 e 303.)

|

Combates sucederam-se, sendo os paulis tas derrotados nos arra iais de Sabará e Cachoeira do Camp

o, que os obrigou a se retira r p a r a a região do rio das Mortes e até mesmo para a capitania de São Vicente, perdendo assim o controle de ricas áreas de mine ração

do ouro. Nesses embates, destacaram-se, entre os emboabas, Francisco de Menezes, frade português e contrabandista, e Be nto do Amaral Coutinho, carioca, sargento-mor e responsável por trágico epis ódio nesta guerra. Em

janeiro de 1709, suas tropas cercaram dezenas de paulistas nas pr oximidades da área onde mais tarde desenvolveu-se a cidade de São João del Rei .

Entregando-se, sob promessa de terem suas vidas poupadas, os pau listas

depuseram suas armas. Foram então impiedosamente massacrados. Para al-

gumas fontes, os mortos foram cinquenta, ao passo que outras elevam para trezentos o número de assassinados. | Esse crime atroz levou o local onde foi cometido a ser conhecido como Capão da Traição. , A Câmara Municipal de São Paulo aprovou a criação de uma força ps pedicionária, curiosamente chamada de Viagem para Mimas por NE a Pátria, integrada principalmente por indígenas e mestiços e comandá por Amador Bueno da Veiga. cado Durante quatro dias atacaram os emboabas que haviam se fort

: do

diante da notícia da aproximação de tropas saídas do Rio de Janeiro

)

próximo ao rio das Mortes. Contudo, os paulistas acabar am se Ee de

Na Rica de Nossa Senhora do Pilar do Ouro Preto (atual Ouro Preto. Era novembro de 1709, e es se episódio sangrento marcou O fim

Três meses depois a coroa cr iou a capitania de São Paulo é por pe de Ouro. Além disso, o gover no português procurou pacifi car Os à! A

E

Ina

304

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

em e s ta is ul pa e tr en as vr la de ão normas para à distribuiç o nd ce estabele da s ga ti an as su em os ls pu ex s ta is ul pa os do an inclusive reintegr

estabeleciam também o pagamento do quinto real co-

nma ra ia pa ar nt fa in as de hi an mp co de o vi en O s, ia das bate base a sme , os av cr es r po s ma ar de porte do o çã bi oi pr a e al ni lo co m rer à orde dade e capital da

ci de a ri go te ca à o ul Pa o Sã am ar ev el E tiços e indígenas. nova capitania da coroa (1709).

vila: de e ad id gn di a m ra be ce re os ir ne mi is ia Dois anos depois, três arra

r la Pi do a or nh Se a ss No de ca Ri la Vi , a) an ri Ribeirão do Carmo (a atual Ma mi no de o tã en , rá ba Sa e o) et Pr ro do Ouro Preto (hoje chamada de Ou . 1) 71 (1 rá ba Sa de o çã ei nc Co da a or nh Se a nada de Vila Real de Noss se o nã e nt ce Vi o Sã de a ni ta pi ca ga ti an Entretanto, os habitantes da

e qu s ra ei nd ba as , so is r Po . ro Ou de s na Mi de sentiam seguros nas terras s na m mi ra ri ob sc de , 18 17 em s e, io ór it rr te s vo no am organizaram buscar de ouro em Mato Grosso.

10.8 . A GUERRA DOS MASCATES (1710-1711)

A) ANTECEDENTES +

pa

entre os denominados

movimentos nativistas do Brasil Colô-

nia (aqueles em que predominavam idéias regionais, sem assumir O caráter de libertação do domínio colonial), a Guerra dos Mascates é apontada por diversos historiadores como a primeira rebelião colonial em que

houve propostas separatistas. Ocorrida na capitania de Pernambuco no alvorecer do século XVIII,

a dade entre a arstocracia: rural - s prendem-se àÀ crescente rivali S uas origen Pernambucana e o português que geralmente vivia do comércio.

A confrontação entre a loja e o engenho tendeu principalmen-

te à forma de uma contenda municipal, de escopo jurídico-insti-

tucional, entre um Recife florescente que aspirava à emancipa-

uma em lo têman ava cur pro que nte ade dec nda Oli uma de ção ponão a ist pal ici mun a had Fac a ênu ing Essa ta. alis Sujeição irre dia, contudo, resistir ao embate dos interesses em choque. Logo

305

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

revelou-se o que realmente era, o jogo de cena à essónide

luta pelo poder entre o credor urbano e o devedor rural (

TE

ra dos Mascates constituía de Forma nua e crua uma lies de o

ses. (CABRAL DE MELLO, EVALDO, OP. cit., pág. 3)

!

e

amengas € enriquecida pe.

lo desenvolvimento da atividade come rcial, permitindo o crescimento de

poderosa classe de comerciantes, sobretudo portugueses, chamad os pejorativamente de mascates, porque muitos deles viviam da mascateação. E o que vem a ser mascateação? E o comércio em que os ven dedores

são ambulantes, ou seja, levam seus artigos aos domicílios para vendê-los, trabalho desprezado pelos proprietários de terras e de escravos. Estes ain. da empregavam outras denominações depreciativas para designar os comerciantes de Recife: forasteiros, marinheiros e grumetes. Em contrapartida, eram chamados de pés-rapados pelos comerciantes de Recife. E por que esse apelido? Porque uma das conseqiiências da dominação holandesa foi que a luta contra os invasores desorganizara a pro-

dução açucareira. Muitas plantações haviam sido queimadas. Engenhos

foram destruídos. Escravos refugiaram-se em Palmares, somente destruído em fins do século XVII. A recuperação da produção açucareira era muito difícil porque enfrentava a concorrência antilhana no mercado internacional. Com isso, O Vo

lume da exportação caiu e, consegiientemente, diminuíram Os Jucros dos

produtores pernambucanos.

Para enfrentar essas dificuldades, a aristocracia rural per nambucanê

passara a contrair empréstimos com os comerciantes de Recife. Em cor sequência, o financiamento da produção açucareira dependia desses merciantes, que garantiam o capital de giro disponível até a colheita é chegada da frota anual que levaria o açúcar para Portugal.

Em poder desses forasteiros ou mascates residia todo o comércio; eles, portanto, eram os que supriam os engenhos e também 05 únicos que recebiam as caixas de açúcar. No fim das safras, cada a

E

m

306

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

o que e at sc ma ao el áv er id ns co ma so a um ia dev senho + de engenho inha suprido, e então este, inflexível credor, instantaneamente o lo dup o te uin seg ano no lhe arpag ou er lh co es a apertava, dando-lhe

, oba arr a cad s réi os nt ce ro at qu a ar úc aç O ar eg tr en ou ia, do que dev

à pa ro Eu na s te en nd po es rr co s seu aos a ti açúcar este que ele reme razão de 18400 réis.” (FERNANDES

GAMA, J.B., Memórias

s. pág , 44 18 42, . vol , ife Rec , co bu am rn Pe de históricas da província pág. 126.) , cit. op. , DO AL EV O, LL ME DE AL BR CA in 57 e 58,

des lda icu dif as ava ntu ace ais Ger as Min das o our ao a A própria corrid

. co bu am rn Pe em car açú de s ore dut pro os pel as tad ren enf

“9 Rio São Francisco servia de união entre Pernambuco, cujo território se estendia até as suas nascentes, e as zonas de mineração. Pelo rio e por outros caminhos por terra, caminhavam não só pessoas à procura de Fortuna como também o gado usado no abastecimento dos arraiais de mineração; a maior parte dos escravos

africanos era levada para o Rio de Janeiro e não para o Recife ou Salvador, como acontecera nos dois primeiros séculos de colonização. Enquanto o preço do açúcar baixava o do escravo subia, levan-

do os engenhos a uma situação crítica. Como os portugueses controlavam o comércio, naturalmente ajustavam os preços dos pro-

dutos aos seus interesses, com grande prejuízo para os filhos da terra” (ANDRADE, MANUEL CORREIA DE, Pernambnco imortal, Recife, Jornal do Comércio, 1995, nº 4, pág. 3.)

Para melhor avaliação do problema, calcula-se que o preço do escravo Vindo da África passou de trinta mil reais para cento e cingiienta mil reais. Os . ates masc e s ário riet prop e entr smos goni anta os h Esta Situação agravou

rsubo a com ar acab m java dese , ates masc s pelo s rado lide abitantes de Recife,

plei s veze as Vári da. Olin a iosa relig e dica jurí va, rati nist admi oe política,

O direito de concorrer à Câmara Municipal, cuja sede era em Olinda.

dos o biçã proi a u irmo conf 1705 de a Régi isão Prov uma Contudo, de Moradores de Recife usufruírem do direito invocado, sob a alegação

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

seus criados, seus cavalos, seus privilégios”.

Era uma violenta contradição entre uma Ol inda político da capitania, e Recife, com segmen t econômico hegemônico.

Alguns autores chamam de mazombos à aristocracia fundiária e escra vista pernambuc

ana. Mazombo tem um caráter de pr ec ia ti vo ao designar o filho ou descendente de português nascido no Brasil. É uma palavra equivale

nte ao cyiollo da América espanhola. Até mesmo quanto à população qu e vivia em Olinda e Recife havia grande di

sparidade. Em Olinda concentravam-se cerc a de dois mil a dois mil e quinhentos habitantes, ao passo que em Re cife viviam por volta de mil e quinhentas pessoas. Sem possuir sequer a categoria de vila, Recife permanecia subordinada

a Olinda. Diante disso, os mascates empenharam-se em reverter a situa-

ção, valendo-se de ligações com os grandes comerciantes de Lisboa, com

integrantes do Conselho Ultramarino e com os governadores da capitania de Pernambuco, sobretudo com Francisco de Castro Morais, que governou de 1703 a 1707, e com Sebastião de Castro € Caldas, que assumiu o governo em 1707.

B) O LEVANTE DA ARISTOCRACIA RURAL Fº

sob a administração de Castro e Caldas que acabou renato ; conflito, uma vez que seu comportamento era claramente favorê aos mascates de Recife. te utili A Câmara de Olinda acusou-o de realizar atividades comerciaisAfr zando-se de testas-de-ferro que tinham a proteção do governador. Aq mou ainda que favorecia abertamente os mascates nos contratos, pia cobrança de impostos, além de preenche r cargos da administração E quem melhor pagasse pela nomeação. O governador também era E vos

do de não respeitar a Proibição régia de permitir a venda de esc

Minas africanos para o Rio de Janeiro, onde eram revendidos para : Gerais. A Câmara protestava contra a proibição de os morador :

308

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

ue aq at um de o sc ri ao ce fa s ia ár ss olinda portarem armas de fogo, nece Dua

s oi nç ra -F an Je io ár rs co do ão rs cu aê. e s, como ocorrera com a in a anncê rpe a foi o cés, çã ai tr mo co o ad nt se re ap a e er Rio de Janeiro. E o qu = quando clerc aO fe ci Re em r ra co an ra pa sa ce fran missão dada a uma embarcação de ra er Gu na ça an Fr da s io versár ad s do ta Es OS e tr en va ta es al ug port “

l

. a h n a p s E a d o ã sucess

va

o

ro de i e r e v e , f a m o e b s i L e a d t o a fr e f i o c d e n R a v e l 9 e 0 o 7 r 1 b e d m nove , cae f i c o e R i o n d ô t n o t A n a S e Vila d do s te mi li os r ce le be ta es a ni ta pi da ca

o d n m a a r u a q r r i c s a o e S m i n Os â e d 9 1 a e d i g é a R t r e a x C u o r , t 0 1 17 e e d m o n o m o , c a l a i i v r e o d g à cate r do vi ou a € or ad rn ve go ao o bend novo município. r o d i v u u o i O u t i t s r b o u d s a n r e v , O go s e t a c s a m s o o a d a e g t i l n e m a r a l C s ao o ic át mp si o tr ou r po l, ra ru em exercício, que era ligado à aristocracia a aç pr na ho in ur lo pe o ar nt va le ou moradores de Recife e, à noite, mand se em go Lo s. de da ci e s la vi de o iv us cl principal de Recife, privilégio ex s no ca bu am rn pe is do r po a ad gr te in guida, instalou a Câmara Municipal, e dois portugueses. nco s ro ti a do ta en at um de ão aç iz al re a é at Em Olinda, a reação levou , do ta en at do s re to au os r ca fi ti en “d m Se . do ri tra o governador, que saiu fe o. nh ge en s de io ár et ri op pr os er úm in r de en pr u a ço me co or o governad imu o: çã ei rr su in à u ço me , co io ár tr bi o ar nt me ta Diante desse compor

ra pa am ar el ap € os av cr es us se am ar nd ma co o tos proprietários de engenh tes da aristocraen nd pe es de or ad vr la r as po ad gr te in am er e , qu as ci lí mi as cfe de , à ce do fa ci ue aq fr en o nd ve se e do ta en at vo do no en fr ia tural. So

ção das tropas que aderiram aos rebeldes, Castro e Caldas fugiu para Sal-

no de 7 a di o a . Er es at sc ma s s do re de lí ns gu al o r po ad nh vador, acompa vembro de 1710. a am ar ch fe , ho in ur lo pe O am ír ru st invadiram Recife, de nao nte ex am ar vi en e as ld Ca e ro st Ca de s , prenderam vários aliado cio stificando o ocorrido. riio a Lisboa, ju tóór SO reCllaat

iur lo pe do ão iç ru st de e [d o at o o rm “O grupo que levou a te

(...) ios índ m era que de são res imp a dar a par mas plu ra usa nho] A, ND LA HO DE UE RQ UA (B ” vel. visí era O espírito nativista

SERGIO, 0p. cit., págs. 388 e 389.)

309

OOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Além disso, pelas ruas de Olinda foi carregado um bo amarradas, representando o governador fujão, que, à semel d “ Mãos lhação de Judas, cada vez mais em desuso, era surrado. x; ança da ma. » XiNgado C, por fim, queimado. Foi então que os rebeldes oscilara e m ntre duas fórmulas pro Postas:

+ entrega do poder ao bispo D. Manoel Alves da Costa, Substituto eventual do governador, segundo anteriores instru ções da coroa: + conÉ stituição de um gda ovdaerno inde pendente de Portugal, s Ob a forma republicana, semelhante à existente em Vene za e na Holanda A última proposta foi formulada por Be rnardo Vieira de Melo, rico proprietário rural e de grande projeção na capi tania pelo seu passado como antigo governador do Rio Grande do Norte e como combatente contra o Quilombo de Palmares. Ele chegou inclusive a afir mar

ser melhor, em caso de desgraça, entregar-se aos polidos e guerreiros Franceses do que servir aos grosseiros, malcriados e ingratíssimos mascates.” (CABRAL DE MELLO, EVALDO, op. cit., pág. 274.)

Poucos acompanharam Vieira de Melo. Dentre outros, destacaram-se

André Dias de Figueiredo, Antônio Bezerra Cavalcanti, Manoel de Melo Bezerra, Antônio de Lima Barbosa, José Tavares de Holanda, Pedro o Ribeiro da Silva, João de Barros Rego e Leonardo Bezerra

A propósito dessa questão existem controvérsias. Uma corrente de A



e

x

.

Ê

toriadores rejeita a visão separatista da proposta de Vieira de Melo.

“A noção de República mantinha assim uma respeitabilidade

herdada da Grécia, de Roma e das cidades italianas da Idade Média que a experiência revolucionária da França ainda não com prometera aos olhos das camadas bem pensantes. Os raros Esta

dos que então a encarnavam eram considerados antes originali-

dades ou excentricidades institucionais do que focos de subver”

30

18-

p

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

são bém em

mta a ic bl pú Re a vr la pa a a, oc ép da s uê ug rt po popular (...) Em era empregada no sentido clássico de comunidade política .” ar ul ic rt pa em o rn ve go de a rm fo de as en ap geral, e não

) 1. 28 e 0 28 . gs pá ., cit op. , DO AL EV (CABRAL DE MELLO,

s io ár et ri op pr s do a lt vo re a e qu em nd fe de e Qutros autores discordam de a ci ên nd te m co s, na ta si lu ti an s õe rurais apresentou claras manifestaç visa es se ond ta ei Ac a. an ic bl pu re a rm fo proclamar à independência sob a s io ár id rt pa us se de ns gu al a e lo Me são, caberia à Bernardo Vieira de

. sa ue ug rt po al ni lo co o çã na mi do à primazia de pôr fim o rn ve go o ar eg tr en iu er ef pr l ra ru ia ac cr to Contudo, a maioria da aris o ss mi ro mp co o u mi su as e qu e o, st po de or ad ao bispo, hostil ao govern de apoiar as decisões tomadas pelos rebeldes. nia. ita cap da le ro nt co o am er iv nt ma da in Ol de os s se me e Durante set C) A CONTRA-OFENSIVA DOS MASCATES

riocor do be sou uês tug por o ern gov o 1 171 de iro ere fev em omente staassu m ara fic as tan oli rop met es dad ori aut As o. buc nam Per em do

das. A Guerra de Sucessão da Espanha prosseguia na Europa. Pouco andos rra Gue pela as nad sio vul con sido iam hav ais Ger as tes, as Min Emboabas, e os antagonismos ainda inquietavam as autoridades coloniais. iria não cês fran o ern gov o sabe m que c, ler Duc de ão urs inc a ra assa frac de intervir na capitania de Pernambuco apoiando os rebeldes: Visando evitar um confronto maior, que poderia levar a resultados desa coroa renunciou ao projeto de uma intervenção armada em e

a nas

Acre asdita-se adoqueques exme-essa anovogorgoveciernadradoAr r. ei de seus ali

Indicação ocorreu por interferência dos mascates €

tropolitanos.

os mascates empreenderam preparativos para reverter a um levante armado. Para financiar O movimento, lean € s civi es dad ori aut per rom cor a par ram usa que , tais capi los sobrerud amp O militares. en

31

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“Estando o regimento de Olinda bem como as or rais comprometidos com a nobreza [aristocracia r ural), restava aos mascates obter a adesão dos contigentes de H enriques e de Camarões, isto é, as forças auxiliares negras e a meríndias, du. rante a guerra holandesa.” (CABRAL DE ME LLO,

op. cit., pág. 331.)

EVALD

:

A soma apurada também foi usada para ad quirir estoques de alimen

tos, armas e munições para atacar os fortes em pode r dos rebeldes e 2 ra eventual cerco à cidade de Olinda. :

No dia 19 de junho de 1711 rebentou a contra-ofensiva arm ada dos mascates. Combates sucederam-se, com vitórias de parte a parte, sendo as forças militares dos mascates comandadas pelo capitão João da Mata.

Somente com a chegada do governador Félix Machado, em 10 de ou-

tubro de 1711, cessou o confronto armado.

D) A REPRESSÃO AOS PERNAMBUCANOS

REBELDES

“Tanto em Olinda como no Recife houve representações teatrais e banquetes a que o Governador compareceu, parecendo

equidistante dos dois grupos. Em breve, contudo, revelava-se par-

tidário, pendendo para os mascates. Alegando que descobrira uma conspiração contra sua vida, ativou a perseguição aos que estariam envolvidos na conjura. Foram presas mais de cento € em,

quenta pessoas. Cerca de quatrocentos refugiaram-se no sertão.

(BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO, op.cit., pág. 392.)

Contra os refugiados no sertão ou nas pr opr iedades, O governac” contratou um bando de 360 indivíduos chefiados por Mano el Gonçate

apelidado de Tunda-Cumbé, palavras angolanas que si gnificam se É 0 pessoa torta do corpo e da cabeça. Essa expressão foi generalizad Ric e &rupo porque seus integrantes comportaram-se com gran de nona eres crueldade, pilhando, incendiando, estuprando, assassinando mulh crianças e homens.

312

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

arm ra fo : da in Ol em os ad on si ri ap OS ra nt Não menor foi a violência co m re se é at os rr fe m co os es pr e as rd co dos em pelas ruas, amarra . as nt Po o nc Ci de a ez al rt Fo da s ra or masm os, es pr a nt te oi os ad vi en m ra fo , oa sb Li em , ro ei mo do Li

lo, Me de ra ei Vi é dr An o, lh fi u se € lo Me de destacando-se Bernardo Vieira

. io íd es pr no sa io er st mi que tiveram morte

preta en ss se de a rc ce de ão aç rt be li a só em 1714, a coroa determinou co, embora

bu am rn Pe de s ra or sm ma na m va ra nt co sos que ainda se en rio er st po o nd se , oa sb Li em m va ra nt co continuassem presos Os que se en ardo Bezerra m Leon co u ce te on ac m si As a. di Ín à ra pa s mente desterrado

. is ma os tr ou e , ão lc Fa ão Le a rr ze e seu filho, Leonardo Be go te ca à a ad ev el — e nt me va ti ni fi de z ve Recife foi de novo — e desta ên ol vi s da a nç ra mb le a s ma s, ói in re es at sc ria de vila. Foi a vitória dos ma a. ni ta pi Ca na s uê ug rt po ti an to en im nt se cias ocorridas reforçou o

10.9 . A REVOLTA DO SAL (1710) (Og

mais uma de vo ti mo era , ade ied soc na ade lid uti a pl am de o ut od pr

a. ôni Col sil Bra o re sob boa Lis de es dad ori aut das va ati oli diretriz esp

Sua extração era proibida em terras brasileiras. Segundo determinação

da coroa, devia ser importado de Portugal. Apesar disso, na Bacia do São

Francisco havia a extração ilegal desse produto.

A venda de sal no reino era monopólio de reduzido número de comerclantes portugueses, que arrematavam o contrato em Lisboa. O mono-

pólio obtido geralmente durava três anos.

Esses comerciantes reinóis associavam-se a negociantes que viviam na

colônia.

No início do século XVIII, a capitania de São Paulo abrangia terras de de Gran Rio e rina Cata a Sant ná, Para s, Goiá so, Gros o Mat is, Gera E 9 Sul. Seu governador era Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho,

utrib da ação aliz fisc or melh para o, raçã mine de ões regi nas mais Vivia due tação e do combate ao desvio do ouro.

de São Paulo, o sal era vendido em Santos e na cidade de Res ao ulo. Contudo, criavam-se mecanismos para elevar o preço da ven4

à, aumentando o lucro dos comerciantes beneficiados pelo monopólio. Uma das práticas adotadas era embarcar para à colônia quantidades 313

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

sistia em armazenar o produ to e forçar a sua alta de p Ora, essa especulação ocorria em ou tras Capitanias. A C4 de do Rio de Janeiro protestou à coroa, denunciando bres € cativos comem muitas ve zes sem sal” À coroa, contudo não mava qualquer providência. ss Em 1710 os especuladores forçaram exce ss iva alta de Preço na venda do sal, criand o uma situação insustentável.

omissão das autoridades. Esse paulista, que viv i ta em Jacareí e fora juiz Ordinári o e de Orfãos na cidade de São Paulo, armou numeroso grupo de negros, índios e capangas e, de surpresa , tomou a cidade de Santos.

Em seguida, arrombou os armazéns onde estava es tocada grande quan-

tidade de sal. O produto foi, então, vendido por um preço mais acessível aos consumidores, tendo os especuladores sido obrigados a ac eitar a importância fixada.

Carregando o sal necessário, a tropa partiu serra acima. No caminho,

pontes foram destruídas e árvores derrubadas na estrada, a fim de impe-

dir que autoridades santistas pudessem alcançar e aprisionar O grupo. Embora ao governador fosse pedida punição para o poderoso fazendeiro, o mesmo não tomou nenhuma providência. Ofício de 2 de novembro de 1710 foi enviado à Lisboa pelo desembargador Antônio da Cunha Sottomaior denunciando o ocorrido.

Ora, a atitude de Bartolomeu Fernandes de Faria, além de r E

tar um claro desafio às autoridades portuguesas, prejudicava Os

a

Ses de comerciantes de Lisboa e da capitania. Foram razões que levar al D. João V a enviar a Carta Régia de 28 de abril de 1711, determina do a prisão de Bartolomeu.

Porém Bartolomeu Fernandes tinha tido tempo de sobra, €nquanto a correspondência ia para Lisboa e voltava, para transfor-

mar sua Fazenda em uma praça de guerra, bem fortificad e a gua necida por abundante Força de capang as, escravos e índios, de Ndo a resistir

a todos os ataques que lhe foram di rigidos. Ele era af” 34

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

ta ul oc e, qu r la pu po ia at mp si la pe do ci re vo Fa da de alguma Forma s do a lut a st ne do la u se o ra pa er nd mente, não podia deixar de pe

ro Ch A., A, IZ (P es.” or ss re op es rt fo 05 ra nt co Fracos oprimidos Paulo,

o Sã o, ul Pa o Sã em sal do a ri sé mi a nicas dos tempos coloniais: iór st Hi o ut it st In do a st vi Re a, Ci & o Typographia Andrade, Mell ) 5. 28 g. pá IV, . vol 9, 89 -1 98 18 o, ul Pa co é Geográfico de São

de o ni tô An iz Lu l ne ro co o , 22 17 em e, qu até Muitos anos se passaram

rBa ar on si ri ap u ui eg ns co , os nt Sa de r ta li mi sá Queiroga, governador ssáce ne i Fo . em ha an It de o çã ei nc Co de la Vi tolomeu nas vizinhanças da

. ão nç te de da o ss ce su o ra pa r ta li mi te en ig nt co e rt fo rio o emprego de . ros fer a os nt Sa ra pa do va le foi e os an a nt te Bartolomeu tinha então oi al un ib Tr lo pe o ad lg ju ser de fim a , or ad lv Sa ra pa o ad Desta cidade seria envi da Relação.

en am lg ju do s te an do en rr mo ou ab ac a, íol var ou , ga Vitimado pela bexi que o lar, popu ção bui tri con pela do tea cus foi o err ent seu que a-se to. Cont evidenciava o apoio da sociedade baiana ao ato de rebelião do velho paulista. 10.10 . OS MOTINS DO MANETA NA BAHIA (1711)

por o id ec nh co ta, Cos do re ei gu Fi de ão Jo s uê ug rt po te negocian Maneta, teria sido o líder de dois violentos tumultos ocorridos em

Salvador, em outubro e novembro de 1711.

Essa informação foi dada pelo historiador Sebastião da Rocha Pitta,

em sua História da América portuguesa, publicada em 1730.

Posteriormente, Robert Southey a repetiu em sua História do Brasil, on-

Binalmente editada em Londres, em 1810. O mesmo ocorreu nos traba-

o mb Po a ch Ro da sco nci Fra é Jos n, ge ha rn Va de fo ol Ad sco lhos de Franci * Outros historiadores que aceitaram a versão de Rocha Pitta. neta Ma o ad nh cu al O que m ra va ro mp co es ior ter pos s do tu es Contudo, de o br tu ou de 17 em do ci te on ac m, ti mo ro ei im pr “Omente participou do

sa. Sou e s lo ce on sc Va de o dr Pe or ad rn ve go do se pos a s apó 1711, três dias no

Em sábado 17 de outubro se inquietou o povo dessa cidade sem 2»

a:

E

a

outro motivo ou causa mais que haver-se escrito dessa, que Sua 35

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Majestade, que Deus guarde, m andava lançar novos tributos, E inquietação se

renou com eu chamar o Juiz do Povo edizerlhe E não tinha ainda recebido todas a ordens de Sua Majestade Wi da Frota e me não constava a no vidade que o povo afirmava, Na 7 gunda-feira 19 passou a mais exce sso porque tumultuosamente x juntou na praça da cidade, o povo e alguma gente da Frota e o que é mais, soldados e oficiais destes T erços, chamando a gritos que não queriam tributos (...).” (Cor respondência de Pedro de Vascon -

celos e Sousa enviada, em 18 de novembro de 17 11,a Diogo de Mendonça, secretário de Estado, Bahia, Rev ista do Instituto Geographico e Histórico da Bahia, Bahia, Secção Graphica da Escola de Aprendizes Artífices, nº 55, 1929, pág. 359.)

Que tributos provocaram essa explosão popular noticiada pelo governador O imposto cobrado sobre os escravos trazidos da Costa da Mina e de Angola, respectivamente, de três e seis cruzados por cabeça, além de eleVar a taxa de sal de 480 para 720 réis e de exigir o pagamento do imposto alfandegário de 10% ad valorem sobre as mercadorias vindas do reino.

Esse afã fiscal da metrópole explica-se pela necessidade de cobrir gastos de-

correntes do envolvimento de Portugal na Guerra de Sucessão da Espanha

Segundo informações de Pedro de Sousa, os revoltosos, em grande

maioria portugueses, chegaram a afixar, em lugares públicos, “pasquins

insolentes em que ameaçavam reconhecer a vassalagem a outro senhor S não fosse suspensa a execução dos novos tributos”. O descontentamento popular era tão forte que os amotinados depre

daram as casas de três homens de negócios acusados de conivência com a tributação imposta. n Sem dispor de força militar para sufocar o motim, O governador = 7 de ceder, suspendendo a cobrança e concedendo a anistia geral aos P cipais amotinados. :

Contudo, a sobrecarga fiscal acabou sendo aplicada três anos depois, quer

do era governador D. Pedro Antônio de Noronha, marquês de Ange) A ae

É bem verdade que o governador Pedro de Sousa concluiu que e. de castigo dos delingiientes no Brasil tem ocasionado as desordens atua! AE mostra à experiência que a enfermidade que todo o Estado padece

tem

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

m u é e u q , o i r p ó r p e o n í u n e g o i d é m e r o r ca li ap se o ã decido por n o rã se o d o m te es r po só a € n u t r o p o o ã i rigoroso castigo na ocas ”. s a d i c e d e b o s e a d i r p e m t u n c e m l e v a i r ossa Majestade inva

r o d a v l a S a u o g e h c o d n a u q , m i t o m o v o n u o t n e b e r s i o p e d o i e Mês e m s cê an fr o i r á s r o c lo pe o r i e n a J de io R o d e d a d i c da o ã ç a p u c o da a ci a notí de a r r e u G da o t x e t n o c o n a d i r e s n i , o ã ç a p u c o l Ta . n i u o r T y a René Dugu e e d a d i c da m e g a h l i p a m o c s a uez q i r r e t b o a v a s i v , a h n a p s E da sucessão io r á s r o c o r t u , o c r e l s c i u o D ç n a r F n a e J o t vingar O misterioso assassina de

. 0 1 7 1 de ns fi m e e d a d i c a cara a t a o d n a u q o d a n o i s i r p a s cê an fr . a t e n a M u o o p i c i t r a p o ã n le tas, de o i r t a P de m i t o M o m o c o d i c e h Con

a m e u t n e m a d i p a e r s s a z i n a g r r o o d a n r e v o g O e u q m a i g i x s e o d a n i t o m Os a de o i R o d e d a d i c e à d a d r e b i l r à a r u força militar expedicionária para resta pa s n e b us m a se r e c e r e f s o o s r e v i m d a € r a Janeiro. Voluntários se apresent ta custear Os gastos necessários.

for a um de o çã za ni ga or a ar el ot pr u ui eg ns co Contudo, o governador ay gu Du ue rq po ir rt pa à ou eg ch o nã e qu , ns me ca militar de trezentos ho l mi z de e os nt ce is se de e at sg re o r be ce re rado após

Trouin havia se reti cruzados, cem caixas de açúcar e duzentos bois.

2 em ou, orm inf r ado ern gov o pri pró o o com ta, len vio foi A repressão

de setembro de 1712, ao rei D. João V:

“Mandei pelo Ouvidor do Crime tirar devassa no segundo motim,

ndo nde pre ou, cut exe ro ist Min dito o que , ade cid ta que houve nes os cabeças dele e os três principais motores, constou pela devasos ing Dom e fet Cha s Luí , ães mar Gui ta Cos da os ing Dom sa, serem

Gomes, os quais se sentenciaram agora, O primeiro para toda viseo o, açã Rel à a par os zad cru 300 e s ite aço da para Benguela, as a par rs. 0 008 1:0 e s ite ago , ola Ang a par gundo por toda vida

despesas e o terceiro por 10 anos para Angola, baraço e pregão € 800$00 rs. para as despesas (...).” (op.cit., pág- 362.)

ani

Da

pe

ici

traparti

m o c o o ri tó di ra nt co ou er id ns o Conselho Ultramarino co ou

ti is an a, uí ss po o nã e qu os it re di do governador: usurpando bem grave; em con-

ra fo to li de jo cu m, tu mo anus do primeiro o nd gu se no os id lv vo en s ao em relação

a, agiu implacavelmente

317

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

levante, causado por motivos justos, inclusive tendo havido o Ofere c; to de socorrer o Rio de Janeiro à própria custa e co

HH TISCOS de vida.

Men.

Em consegiiência, mandou novo governador co brar os tributos anteriormente fixados e emprega Ee instruções Para co. ndo a força Cont ra os que se recussassem ao pagamento devido, “com a Menor efusão de san. gue que fosse possível e só a que bastasse para ex emplo e terror dos mais?. (Parecer do Conselho Ultramarino, Op.cit. » Pág. 366.)

10.11 . A REVOLTA DE VILA RICA (1720) R

descoberta do ouro nas Minas Gerais provocou vi olento conflito en-

tre os paulistas e os forasteiros, chamados de emboabas. O gra nde afluxo de indivíduos atraídos pelas riquezas minerais e a violência da tr;-

butação pelo governo português contribuíram para manter instável a so: ciedade que vivia na então capitania de São Paulo e das Minas de Ouro,

Além do mais, terrível legislação repressiva em nada contribuía para pacificar os ânimos, onde a cobiça, a violência e o aventureirismo eram uma constante. Assim é que se proibiu a abertura de estradas ligando Minas a Goiás e Mato Grosso, vetou-se a presença de frades na capitania

vetou-se a existência de ourives naqueles territórios e outras disposições cuja violação acarretava a pena de morte.

=

No afã de arrancar o máximo de riquezas dos habitantes da capitania,

a coroa procurou aperfeiçoar o sistema fiscal, empobrecendo cada vez mais a população. Daí o violento contraste entre a abundância de ouro coexistindo com a apavorante miséria. O resultado foi a sucessão de revoltas então ocorri das desde a a da década do século XVIII. Todas essas revoltas foram contra o furor 1º cal e repressivo das autoridades. lho Foi o acontecido na Vila do Carmo, em 1712 ; no Morro ve e em 1715; no Rio das Velhas, em 1716; em São Francisco, em 1718;€ Pitangui, em 1719. Assim À repressão foi sempre violenta e com práticas realmente absurdas. a é que na Revolta de Pitangui, como Domingos Ro drigues do Prado, . 8 fu-

ro de Bartolomeu Bueno da Silva e principal líder da rebelião, ua sat gir, à Justiça colonial determinou fosse enforcado um boneco em seu 20. Sic

Mais conhecida é a Revolta 04 Sedição de Vila Rica, ocorrida em 17

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

Veja, à seguir,

e al ug rt Po a id me Al de el gu Mi o dr Pe de to en o depoim

o ul Pa São de nia ita cap à a av rn ve go e qu r, Assuma de de n o c ; s Vasconcelo a. Ric a Vil de a lt vo Re a u de e s o d n a - Minas de Quro qu

for se s paí te nes que m co do mo o e nt me ve e “(...) explicarei br s i a m a j s e t s E . a r t n e s e € o com que o povo nel 09 motins,

é a t s e e ; a l e d o i c n ê l i s r o i a m o n , e t i o n a i e m a «e fazem senão pel ões aç ev bl su s na m ne a, or ag m e n O povo, mam

bastante prova de que ex de is po de e, qu a nd ai e, -s ar nt passadas cuidou nunca em leva en st su o st go u se r po e qu ce re pa citados à Força pelos cabeças, lFo e r ra eg al se ra pa e qu o, lg vu do za re ta o tumulto. Tal é a natu rpo o, zã ra m se e de da vi no r se a st ba gar com seu próprio mal. e qu o do tu ir gu se , ho ic pr ca e de que tem, como por hombrida o nt me ci de ra ag 0 ra nt co e e ad ed pi a ra nt vem contra a razão, co

Se Ou is se r po m ti mo o ar rm fo a te (..). Começa-se ordinariamen ar os gr ne ta en ar qu ou ta in m tr a h n a p m o c a e qu , te mascarados a ou a , as ru s da s ca bo as ar up oc m ze Fa s mados, dos quais a un

ar as mb ro ar , re ab se o nã go lo de on e o, nd te ba ir am nd ma tros rté m ja se e rt pa r io ma la pe mo co e, qu s, re do portas dos mora tio as xã pu er em qu a, al ci qu ên st si a re uc po s de da e ta mi reas, li po o va Vi do — an it gr , e as ru m as si do as en rr Co s. xo ei us ra de se

arem Nánt me ri pe ex o nã r s, po re do ra mo os — a! rr mo o nã se vo, quele repente alguma violência na fazenda ou na vida, vão danos ós ap s, ha el ov de os nh ba re mo co , no da u se do passos em

po o do ma ar al m re te de is po De m. ra vo de as e qu s bo lo os mesm o, le nt me ta un aj te an lh me se é e qu ra pa o ra no vo, que ainda ig po u Me : ta al z vo em r ze di a ça me o, co e ad ar sc ma se um avant

m ze di o nã s do to se E ?. lo ui aq ou to is s mo vo, quereis que Faça que sim, os negros armados ou ferem, ou matam alguns dos que lhes

em em ír ca o nã r , po os tr ou os e qu é at o: mã à is Ficam ma

LLO E M ( .” as ar sc má os m ze di e qu no êm nv co , igual desgraça

a sube br so co ti lí po é o ic ór st hi so ur sc Di , DE A R U A É SOUZA, L e, nt zo ri Ho lo Be , 20 17 de o an no e uv ho s na Mi levação que nas

Fundação João Pinheiro, 1995, págs. 84 e 85.) pr

319

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Foi nessa conjuntura de descontentamento e de latente rebeliz

conde de Assumar trouxe instruções para aplicar tré “ÃO que o N isVila Rica de S Nos Medsa idas$ Que pro. vocaram a reação de habitantes da então Pilar do Ouro Preto: Enhora do + a notícia da criação de um

bispado na capitania, Visando coibir

comportamento dissoluto de elementos do clero regul tos dos quais envolvidos com contrabando, vivendo am ar € secular, mui. ancebados e praticando violências e delitos os mais diversos; + divulgação de Carta Régia de 25 de abril de 1720 , determinando a extinção de postos de oficiais de ordenanças onde não ho uvesse corpos militares organizados, além de reforçar o poder do governador, co locando à sua disposição um regimento de Dragões de Cavalaria.

Além disso, a coroa reiterou ordem de 1718, que já provocara a Revolta de Pitangui, para que fossem criadas Casas de Fundição. Para elas deveria ser levado todo o ouro extraído, a fim de ser moldado em barras, marcado e sofrer o pagamento do quinto real. A divulgação dessas medidas foi acompanhada de inúmeros boatos maldosos, a isso somando-se que

“muitos mineiros sabiam que teriam de viajar longas distâncias,

em caminho difícil, a Fim de alcançar a Fundição mais próxima, onde poderiam ter de suportar maiores demoras e despesas, ds

mãos de uma burocracia ineficaz e corrupta. Instigados pelos poderosos da terra e pelos frades renegados contra os quais 0 Conde de Assumar estava tomando, simultaneamente, medidas drásti-

cas, Os mineiros começaram a fazer demonstrações armadas €

distúrbios, em vários distritos. Os tumultos iniciais foram sufoca-

dos, pelos Dragões, sem muita dificuldade, mas outro movimento,

muito mais sério, estalou em Vila Rica, na noite de 28 para 29 de junho de 1720.” (BOXER, C.R., op. cit., pág. 175.)

: : ocar À data escolhida, dia de São Pedro, era conveniente porque O esp A de fogos, os festejos com danças e fogueiras eram elementos conveni

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

am chamar a atenção do movimentar dos rebeldes. Pretendi

s: ida med tes uin seg as r po im e or ad rn ve go O idor, expulsar

; ro fo do os ri lá sa s do e redução das custas judiciais a; ro co la pe o m u f do e e t n e d r a u g a da l, supressão do monopólio do sa

' anulaç +

s; re do ra ne mi aos os st po im am av br co se s ai qu s no xo dos registros po

. o d a g e d s o t a r t n o c , fim dos

opr s, ãe ar im Gu va Sil da l oa sc Pa a e ub co A liderança do movimento ém al , os av cr es l mi is do de is ma de e as nd prietário de duas grandes faze

sendo va ta es o, nt ta en no s, uê ug rt po o ric se Es de ricas lavras de ouro. s. ba ro ar nta tri de a rc ce de s da vi dí r po acionado pela coroa

opr OS , or ad rn ve go ao a rt ca r po u, io nc nu Seu filho, João da Silva, de

a ic ún A o. dr Pe o Sã de dia do s te an s dia s trê s re pósitos dos conspirado

s da a um nh ne r; do vi ou ao ia nc nú de art ca a ar nh mi ca providência foi en

. os ad ic pl im os r de en pr ra pa da di me er qu al qu o duas autoridades tomand

de e nd co , o os os ci di se r os ta en fr en ra pa te en ci fi su r ta li mi a Sem forç

ar nh ga ou ur oc pr o, rm Ca do ão ir be Ri va em ra nt co en se e qu r, ma Assu tempo, até reunir cerca de mil e quinhentos homens e invadir Vila Rica

no dia 16 de julho de 1750. Sabedor de que a rebelião brotava por toda a parte, mandou arrasar €

queimar a casa de vários cabeças do movimento. Ruas inteiras foram con-

sumidas pelas chamas, que arderam durante um dia. s do pe li Fi de a foi r la cu ta pe es is ma A r. re or oc a m ra ça me As prisões co o ad us s ac e re la pu s po da ma e ca nt das ta en es pr s, re uê ug rt , po re ei Fr os Sant ast ra ar , foi do ma ge o al ad € nt re or Ac a. lt vo re da or ad it ag r io ma o ser de do pelas ruas de Vila Rica em meio à soldadesca que o prendera.

a

a

de exemplo, o governador submeteu Filipe dos Santos à farsa

cabeça sua o, ad rc fo en foi e, rt mo à o ad en nd Co o. ri má su julgamento E 8º o, rp co seu é ca Ri a Vil de a aç pr l pa ci in pr da ho in ur lo pe no Eou “Xposta . as ad tr es das ra bei À as st po ex do di vi di foi e qu em quartejado, teve as partes

“Muitos em acordo com a lenda crêem que o ataram de bra-

ços e pernas a quatro cavalos, e estes O despedaçaram espantados pelas ruas o que daria ao caso o rubor ao menos das crueldades clássicas. À verdade, porém, é outra talvez mais repulsi32]

OOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Imprensa Nacional, 1948, págs. 201 e 202.)

+ a criação da capitania das Minas de Ouro , independente da capitania de São Paulo: + a protelação da criação das casas de fun dição, efetivamente implantadas em 1725. Novas rebeliões ocorreram no arraial do Brejo do Salgado ( 1736) é Montes Claros (1736), além da Conspiração do Curvelo (1775), evidenciando sempre o descontentamento da sociedade col onial.

10.12 . O LEVANTE DO TERÇO VELHO

(1728)

e 1720 a 1735, a capitania da Bahia teve como govern ante o vice-I DD Fernandes César de Menezes, titulado conde de pias ,

Foi então no dia 10 de maio de 1728 que ocorreu o Levante do

Ea

Velho da guarnição de Salvador. Terço era a denominação dada à E anpo de tropa reunindo seiscentos homens. Terço Velho por ser o mais tigo existente

na capital baiana. Geralmente é apresentado co mo a sublevação contra O ou vidor ger do crime a quem não queria m como auditor militar. E claro, contudo, que um levante armado de seiscentos miliJa tares tevea outras razões. Em

geral,

Se omite o desconte ntamento

322

da tropa cor

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

art fo à m a r a p u c o s o d a l e b e r s o d a d l o s os o i a m de 10 de AO entardecer art po O . ei -r ce vi ao s xa ei qu as su m a r a i v n e e a r o leza do Campo da Pólv Azevedo.

de o j ú a r A de o ã o J o p m a c e d e r t s e m O i fo o voz escolhid a op tr da o r t n o c n e ao ei -r ce vi ava, dirigiu-se o sabedor do que se pass

s do a t a i d e m i ão aç rt be li a : as ci ên ig ex s a v o n u o t n e s e r p a cublevada, que . r o d i v u o o l e p s o d a p o r t soldados aprisiona a d s o p r o c s o r t u o e s d o d a d l o o s d n a e u s q u o v a r O problema ag m a v a r r e b os ad ld so de s o d n a b , de da ci da as ru s la Pe e. nt va aderiram ao le e v e z A de jo aú Ar de ão Jo o p m a c e d e r t s e m no s va vi E Y AO PI OU morras 40 fa r se de o d a s u c a o lh Ve o rç Te do o d n a m o c do do uí it st de ra fo e qu , do vorável aos rebeldes.

Acuado, O vice-rei

ra st gi ma s, re ta li mi .) (.. os o tã en iu un Re “adotou outra tática.

eev Az o mp Ca e-d re st Me O ou oc nv co ; dos e pessoas de destaque a nd ai o rç Te do os ad ld so Os o. id ig ex ão rd pe do e comunicou o ica s da m so o 'a da ca ni mu co e ss fo o sã ci de quiseram que essa em s Ma . do di en at Foi ém mb ta e qu o , de da ci da as ru s xas' pela de e rt pa o: lh Ve o rç Te do o sã vi di a u no de or seguida o Vice-Rei o da ni tô An o nt Sa de es rt Fo os ra a pa ad oc sl de foi os ad seus sold as Barra, Santa Maria e São Diogo, e outra parte para ds Fortalez e-d re st Me O o. rm Ca do ém Al o. ni tô An o nt Sa de e ho al rb do Ba

o Sã de o rr Mo a do ez al rt Fo a ra o pa id er sf an tr foi o ed ev Az o mp Ca Paulo.” (TAVARES, LUIZ

HENRIQUE

DIAS, História da

Bahia, São Paulo, Editora Ática, 1979, pág. 108.)

; Secretamente determinou-se a abertura de uma devassa. A essa altura, S

. : Soldados já2 haviam sido desarmados.

“E Feito o sumário a vinte e três réus (...) se sentenciaram dez pre e aço bar com s rua as sem res cor que a s mai à morte e os icom com a, vid a a tod por la gue Ben de os red deg os gão, com

te nes do en ec ar ap l, ura nat te mor de iam nação de que morrer

am ar ed gr de se va, pro ta tan ia hav não em qu em uns Estado, e alg

OOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

para Angola e para o Presídio do Morro” (C arta de 13 d

de 1728, do vice-rei comunica ndo ao rei de Portugal 0 € julho

do Terço Velho. In: ACCIOLI, IGNÁCIO DE C

Levante

ERQUEIRA

e SILVA e AMARAL, BRAZ HE RMENEGILD O, Memórias históricas e políticas da província da Ba hia, Salvador, Imprensa Oficial do Estado, 19 19-1940, vol. 2, pág. 166.)

O cabo-de-esquadra Antônio Pereira, mula to mais conhec ido como Barriga de Aveia, e o soldado Anastácio Pere ir à, considerados ca beças do levante, foram enforcados.

À cada um deles foi destinada uma forca e, em cada uma delas, a cabe

ça e um quarto do corpo ficaram em ex posição. Os outros três quartos foram dependurados nas portas de São Be nto e do Carmo, bem como no Arsenal de Marinha. À propósito, as duas forcas foram levantadas à frente da entrad a do quartel do Campo da Casa da Pólvora, onde começou o levante. 10.13 . MAIS OUTRO

GOVERNADOR

DEPOSTO

(1732)

ouco depois dos ataques de corsários franceses ao Rio de Janeiro, aim a esta capitania o novo governador: Luiz Vahia Monti Era janeiro de 1725. Ele acabou sendo conhecido pelo apelido É Onça, o animal mais feroz das selvas brasileiras. A maneira inflexível e rude como atuou contra os magnatas da im — como ele próprio chamava aos poderosos e privilegiados que 28

impunemente — tornou o governador uma figura temida.

Com temor diziam os malandros das camadas populares é 0 tores das elites: “Lá vem o Onça!” “Cuidado com O Onça”

ntraven-

Uma das suas maiores preocupações foi com a defesa da cida de dopi Ro

tava de Janeiro, valorizada porque era através do seu porto que se ni as O Ouro extraído em Minas Gerais. Por isso, empenhou-se em me teção fortificações existentes e construir outras destinadas à melhor EE

contra eventuais ataques estrangeiros. Em Angra dos Reis, Parati e Macaé

ordenou

se erguessem

que, além de dificultarem desembarques de invasores, imp Ea 324

fo â

REBELIÕES, GUERRAS INTERNAS E REPRESSÃO

fossem eles assaltantes ou indígenas não submetidos. São de e ção cei Con da eza tal for na as feit rauração foram

. as op tr s da na li ip sc di a do en ec el ab st João, simultaneamente à medidas re ós ap , as br Co s da ha il na s õe aç ic if rt Além disso, lançou OS alicerces de fo | | s. no ti prolongado conflito com Os benedi

da ha il a o ad up oc am vi ha o nt Be o Sã de m Aliás, os monges da Orde

exs la de ; os av cr es r po os ad iv lt cu s re ma po e Cobras, onde tinham hortas abasteciam o convento. Considerando que a

rafam frutas e legumes que tu tí os ad nt se re ap m ra fo o nã ocupação pelos monges era ilegal, porque ao ha il à ou or rp co in ro ei nt Mo a hi los de propriedade daquelas terras, Va e lh rze fa à am ar ss pa s no ti di ne be os , so patrimônio da capitania. Com is nba ra nt co s lo pe as ad us as rt po s da a um a tenaz oposição, mas foi fechad . es ad fr s do ia nc vê ni co à m co am av nt distas, que co ia nd te es se e qu . ro mu um do uí tr ns co Desde governos anteriores fora ra ei ad rd Ve o. el st Ca do e o ni tô An o nt Sa de o, pelos morros da Conceiçã s da a us ca r o po id gu , er de da Ci da ro do Mu na mi no de , prática medieval o , os ad uz cr l mi m ce de is a ma n, ar st ui cu ro -T ay gu c Du invasões de Ducler e mas Vahia Monteiro considerou-o ineficaz. ão uç tr a ns id co a nd ee pr e em ss o fo e in qu ar am tr ho Ul el Propôs ao Cons ente lm ua at a — ud Aj da S. N. de r ma a o é at nh ai Pr e a sd l, de na ca de um

centro da cidade.

“Não tendo sucesso no seu projeto de defesa, que praticamente torna-

ra a cidade uma ilha, Vahia Monteiro acabou se envolvendo em outro conflito com os magnatas da terra: denunciou ao Conselho Ultramarias po li mí fa as a ir re fo as rr te de ão ss ce a s m do co ri s or vo oc ha no os conc

m ia à lv s vo vo en ha nc s co se Es . Sá a de ei rr o Co é rr za Pi os mo derosas, co os ad ri ra nt co ém mb ta l, pa ci ni Mu ra ma Câ Do membros da ma do s te mi li s do ra fo s da za li ca lo as rr te em as Muro E fes ição de moradi idade.

“Enquanto se não fizer o canal, que reduza a cidade a ilha, não

convém inutilizar o Muro e menos conceder-se licença para fazer

casas Fora dele (..) para prevenir este inconveniente no que está

Feito mande agora notificar a todos os que têm edificado as casas que falta termo de obrigação de demolir a sua casa.” (Carta de 5

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

de juRA lho de | 1729. Revi7 sta do Instituto Hi istôrico e Ceográfio 0 e Brasileiro, Rio de Janeiro, Imprensa Nacio

O governador empenhou-se ainda em rep Fimir O contrabando do ouro que vinha de Minas Gerais. Com energia p t ocurou acabar com o des caminho do ouro, não hesitando em prender e remeter para Lisboa os envolyi. dos co m fundições ilegais. Em carta de 14 de a gosto de 17 30, noticiava qu e

“depois de ter descoberto que se fundia ouro das Casas Reais da Fundição para Furtar os reais quintos, achei por único remédio evitar este roubo, enquanto V.M. não dava outr a providência

resolvi ordenar que nesta Casa da Moeda se fizesse asse nto de

todas as barras que entravam nela e que não se entregasse o dinheiro às partes antes de fazer uma conferência com os ditos

assentos e uma relação que mandei pedir aos Governadores das Minas Gerais e São Paulo (...) e escrevendo ao Governador de Minas Gerais ele deu logo a ordens necessárias e, com efeito, se remetem daquela Casa da Moeda todos os meses a relação pa-

ra a conferência (...).” (op. cit., pág. 613.)

. * É Contudo, o Conselho Ultramarino também rece bia correspo a:

ndência

dos inimigos do governador, dentre os quais o ouvidor € O P rovedos;, sendo este remetido preso para Lisboa .

Ema da coroa levantou contra si feroz oposição da Câmara Municip al,

dens religiosas, de magistrad os e de oligarquias locais. Não é de

de or-

Al (1732), espantar ter sido deposto pela Câmara Municip sofreu vindo a falecer no ano seguinte. Doente, estava afasta do quando um abalo cerebral após receber a com unicação de sua deposição:

CAPÍTULO 11

O D E S Í R C E U E G O AP SiSTEMA COLONIAL

11.1 . NOVOS

HORIZONTES

A) CRESCERAM OS ANTAGONISMOS COLÔNIA X METRÓPOLE E”

fins do século XVIII e inícios do século XIX a sociedade brasilei-

ra apresentava evidentes índices de crescimento populacional € de expansão da colonização portuguesa. | Embora haja divergências entre os autores, pode-se aceitar que, numeHcamente, a população andava por volta de três milhões de habitantes. À maioria continuava a viver próximo ao litoral, com predomínio de índios. e os tiç mes os, negr s, nco bra sem fos e, livr e em jov ção ula pop “ma

Predominava a grande lavoura de produtos tropicais, desenvolvida nas

áreas litorâneas, ao passo que, no interior, eram à pecuária e a mineração

“S atividades econômicas dominantes.

os mad cha OS e entr mo nis ago ant nte sce cre a havi al, soci Na estrutura

Sinôis — portugueses exercendo funções dirigentes na administração,

Na justiça, na Igreja e nos comandos militares — e os nascidos na colô327

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

nia. Esses reinóis, em geral, chegavam com Po uços Capitais e vi tada como transitória e capaz de possibilit ar uma àM vida opulent d sua a dO Tetor. narem a Portugal. Dentre a aristocracia branca, ainda que desce nd

ente de Prim itivos colonizadores, sobressafam os grandes proprietários. A urbanização

de incipiente e reduzida a núcleos populacionais » APEsar separados por Brandes distâncias, estimulava o crescimento de bran cos | Ivres, de COM Erciantes varejistas, de funcionários públicos, de sacerdot es e de art esãos integra-

dos às corporações de ofício.

“À presença de estrangeiros no Brasil, no Fim do Período Colonial, não se relaciona apenas com o grande comércio inter-

nacional ou com o comércio varejista de artigos de luxo. Provenientes de vários países, esses estrangeiros chegavam com ha-

bilitações profissionais variadas e objetivos diferentes (...) Uns vinham com propósitos bem definidos: “quer se empregar na marinha”, pertencer à Companhia inglesa”, “veio para ser criado-mor' (...) Havia artesãos de todo o tipo (...) como espingardei-

ros, Fundidores, mecânicos e religiosos. Também não faltaram Os artistas, como atores de teatro, bailarinos, cantores, músicos e compositores. E mesmo alguns profissionais liberais: ad-

vogados, arquitetos, engenheiros, médicos ou, ainda, naturalistas, professores

de

francês,

de

matemática,

de química.

(SERRÃO, JOEL ez alii, “O Império luso-brasileiro: 1750"

1822”, in Nova história da expansão portuguesa, Lisboa, Editorial Estampa, 1986, pág. 222.)

Desde 1763, visando a melhor fiscalizar a mineração do ouro E É E mantes, bem com

o ficar mais próximo das fronteiras me ridionais A fora face dos fregientes conflitos com a América espanhola —, à càP e deslocada de Salvador para a cidade do Rio de Janeiro. A partir a a inclusive no período de atuação do marquês de Pombal, Portuga o rou aperfeiçoar os mecanismos de exploração colonial. Estas a

mercantilistas também Visavam a compensar o crescente déficit c om

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

se a

com à Inglaterra, em plena Revolução Industrial, que repre-

implantação do capitalismo industrial e liberal.

da res seto es rent dife nos a fazi se uês tug por ado Est do a em as it fe , as nç ce li de o sã es nc co a e o d n a b a r t n o c o a r o b m e , al ni lo co o da no vi s ha ec br es nt ce es cr m se ís tu , consti benefício de comerciantes ingleses

vo. i s u l c x e e d a sistem

do de ta me a nd gu se na e ad id ns te in de m “Tais licenças cresce

o ri de po do ão ns ce as te an it om nc co à do en céculo XVIII, correspond

ma ti úl Em ) (... l ia nd mu la ca es em es es gl in s do naval e comercial a ss de a rç fo a m la ve re ra er at gl In à as it fe análise, as concessões o çã di ra nt co a a ci ên id ev em em põ o, mp te potência e, ao mesmo o. ri pé Im o st va m co o in Re o en qu pe s: uê ug rt Po o ri básica do Impé clu 'ex u se do e rt pa de o çã na ie al à u go ri ob o e qu Contradição essa

O, RÃ ER (S r.” ita mil ca ti lí po ão eç ot pr de a oc tr em , al ni lo sivo' co

JOEL et alii, op. cit., pág. 163.)

Outro fator de descontentamento da aristocracia e de segmentos mé-

dios da sociedade brasileira era o arrocho da política fiscal portuguesa. À infinidade, variedade e rigorismo da tributação visava a ampliar a captação de recursos para a metrópole, mas representava outra forma de exPloração do colonialismo português. Era tão abusiva tal tributação que,

mesmo após a reconstrução de Lisboa devido à sua destruição por um

terremoto, continuou a ser cobrado um imposto instituído em 1756. “Tanta exploração, somada à crise dos produtos de exportação — baixos preços do açúcar, declínio da produção aurífera — levou ao enfraquecimento do Pacto Colonial. os Os proprietários de terras e de escravos, até então Fiéis aliad a exportasobre stos impo dos amar recl a aram pass da metrópole,

ção do açúcar, do algodão, do couro e dos monopólios sobre a pes-

Ca da baleia e a exploração de pau-brasil, sal e salitre. As forças so-

Ciais desenvolvidas no Brasil já não podiam aceitar sem protestos

as proibições quanto à fabricação de tecidos e objetos de metal. À

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

elite da sociedade colonial não podia admitir a essa a ltura que a + vidade impressora foss e imped ida.

Mudanças

Se Nunca à (ALENCAR, CHIC O et alii, História d o sociedade brasileira de Janeiro, Editora Ao Li Ri vro Técnico, 1996, pá

HI

Si

a velha Europa, desde fins do sé culo XVII, novas idéias começaram a ser elaboradas por pensadores que, na sua maioria, perten-

ciam à burguesia, Esta classe, não obst ante seu crescimento numérico é aumento do poder econômico, permanecia fo ra do poder de decisão,

ainda monopolizado pelo setores feud ais.

O conjunto dessas idéias compôs a Época das Luzes ou Ilumin ismo, começado na Inglaterra, mas apresentando a França do século XVIII co-

mo principal centro produtor e propagador das nov as idéias. Foram idéias de contestação às instituições tradicionais € a defesa novas formas de governo, de organizaç ão e princípios econômicos, organização social. Predominaram idéias democráticas e sobretudo liberais, pregando 3 berdade econômica,

a liberdade de manifestação, a liberdade eo Co ciência, a igualdade de todos perant e a lei... Em suma, defendiamliberdades individuais.

Defendia-se o fim do absolutismo, do mercantilismo e de representasse feu .

o

dalismo. Pregava-se a imp lantação da rep ública . : ê

monarquia constitucional, com divisão de poderes de governo € P mínio

: E iç-

que á da red

Or

do parlamento, Combatia-se à censur do e de a, a imposição de uma reliRom gião de Esta privilégios baseados n o nasci mento € na tradição. bye Raynal, John Locke, Voltaire, M ontesquieu, Rousseau, os abades Ma bly

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

onáci lu vo re as éi id as nt le ti es | “p s da es or ns | fe de os tr ou € s ta is ed op cl ci 0 S en as su am sa vi ue — ug rt al po ni de lo da co ri to au a va m u ma ir o af m o c ”? — “ias . as an ic er am s ai ni lo co e s ia pé ro eu es ad ed ci so s la pe em ir nd fu di se s «a propos

, a i c s n a ê l d c , a a c i e n ô d s l o o o m t c o i e c s — c a n r o v c e “Novas pala

m a r a a a s c s i a l o p b — ã ú ç p u e l r e o , v , e e e b r t e , l n a p a i v r e ó l ce, Hist ô ç s a a m j o l s ) r A .. o (. i a a i z m c a e n d v ê a u c q s e o cer utilizad com fr

, a a i s r e á u n g o r i u c b u a l i o g v o e l r o o e d ã i s a d nicas, centros de difu cia n ê d n e p o e s d s n e . i e m c o d o v a i r r s p a O i um papel dec desempenh

) 84. . pág , cit. op. i, ali et O IC CH , AR NC LE (A ia nascendo.” tam er, rev esc e ler ia sab que a ori min a um a tas tri res ra bo Essas idéias, em deos pel das cra exe as obr das do ban tra con do s avé atr s ida und dif m bém era tentores do poder colonial. Somente em casos excepcionais existem notí-

cias de ricas bibliotecas na colônia, como a do cônego Luís Vieira da Silva,

a de Cláudio Manoel da Costa, a de Manoel Inácio da Silva Alvarenga e alguns poucos mais.

Outra forma de propagação, sobretudo do pensamento liberal, se rea-

lizou através de brasileiros que estudavam na Europa, sobretudo na Universidade de Montpellier, na França, e até na Universidade de Coimbra,

em Portugal. Deve ficar claro que os estudantes, quase sem exceção, pertenciam a famílias de grandes proprietários de terras e de escravos. Portanto, não é de espantar sua posição nos movimentos precursores da Independência de 1822: eram a favor de monarquias constitucionais e da continuidade da exploração do negro escravo.

Propostas mais radicais — de regimes republicanos e de supressão da

escravidão — eram mais facilmente encontradas entre segmentos de ca-

madas populares.

C) À INDEPENDÊNCIA DAS TREZE COLÔNIAS INGLESAS +

| Pftuência marcante foi exercida pelo sucesso da luta de libertação dos norte-americanos. Afinal de contas, o surgimento dos Estados Unidos Amér: a era um exemplo a ser seguid| o pelas demais sociedades deste da Améric

Continente,

E

E



=”

+

,



a

E

dd

oo

i

pr

E

lr

=

da,

4

ir

]

il

aUrir

EAAro

ECA

i

É

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

; rovi s: baianos, Cariocas nambucanos, além de outros brasilaeiros que eivi am nas demais É Per. integrantes do Brasil, não se acredi Capitan as tou ser ma

is fácil a luta contra Po Este estava decadente e tinha pequena dimensão. Já a Inglat erra EE rosa: possuía grande poder naval, tinha o maior império colonial do E do e amplos recursos econômico s. Mesmo assim havia sido errors ” Era preciso ousar, só assim seria po

ssível vencer

| É bastante conhecido o em penho de José Joaquim da Maia em conse. guir o apoio do embaixador do s EUA aos planos de independ ência do Brasil. E ta

l embaixador era Thomas Jefferson, u m dos líderes da guerra de libertação da exploração colo nial

inglesa, um dos Principais responsá . veis pela Constituição de 1787, qu e criou os EUA e, mais tarde, presidente da novel república.

Ainda que uma minoria tivesse acesso ao Sens o Comum e à Declaração de Independência, os princípios contidos em tais documentos eram discutidos em reuniões ocorridas em diversas capitanias . Veja, a seguir, como o abade Raynal apresenta trecho do Senso Comum: “À autoridade da Gra-Bretanha sobre a América deve, cedo ou tar-

de, ter um fim. Assim o quer a Natureza, a necessidade, o tempo. O governo inglês não pode, então, dar-nos mais que uma Constituição passageira (...) Se queremos assegurar a nossa felicidade, separe-

mo-nos. Se somos pais, se amamos nossos filhos separemo-nos. Leis e liberdade: eis a herança que nós lhes devemos (...) | Mas não o esqueçais, quanto mais a distância, mais 0 despotis

mo pesa (...) Pela lei das massas e das distâncias, a América só po

de pertencer a si mesma. Não há governo sem uma confiança mu

tua entre aquele que comanda e aquele que obedece.” (RAYNAL,

GUILLAUME — THOMAS FRANÇOIS [ABADE RAYNAL!), À revolução americana, Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 1993, págs. 93 e 94,)

332

Mu

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

A S E C N A R F O Ã Ç U L O V E R A D D) O IMPACTO on fr o as nd sa as ap tr ul ou ab ac s cê an io fr ár on ci lu movimento revo e br ia so nc uê fl da in un of o pr nd ce er ex € ça an Fr s da ai on ci na as ir re a ir di . ne as ma an De ic s er ia am ou pé ro eu as em el ss Fo . es ad ed outras soci e nt te e m is u e ex d te r er o a sa o bv ã ce ç su an u l Fr o v e R a , a t e r i d reta ou in . o v o o n d n u m m r u a e t d r marcou O despe

o ism min Ilu do s ore sad pen os pel s ido olv env des s pio ncí pri Com ela, os

ganharam maior popularidade. A liberdade, a igualdade e a

fraternidade

de s nto ime mov am tar men ali — ias nár cio olu rev em ord de as — palavr de ia ênc aus a e o ism til can mer o l qua no , ime Reg igo Ant ao ão taç contes e hoj a, hes sel Mar A . ais ion dic tra ões uiç tit ins m era is dua liberdades indivi hino da França, propagou-se como canção revolucionária. Ressaltaram-

ce conceitos como cidadão, tirania, apelo às armas! A aprovação de constituições assegurando os direitos fundamentais dos homens € dos cidadãos eram exemplos inspiradores de conspirações e de movimentos empenhados em pôr fim à exploração colonial e criar um Estado livre € soberano, fosse ele republicano ou monárquico. A grande participação popular, ainda que a burguesia sempre mantivesse a direção da Revolução, apontava à elite intelectual brasileira O caminho a ser trilhado a fim de romper a subordinação política a Portugal.

E bem verdade que a decapitação de Luís XVI e da família real, o confisco de terras da Igreja e outras realizações radicais provocaram o temor não só das autoridades coloniais. Também os grandes proprietários de

terras e de escravos somente radicalizavam quanto ao rompimento da doMinação portuguesa, mas não admitiam alterar a ordem econômica exisPs

Consideravam que somente um Estado livre poderia ter um co-

Ei q 5

Eram os segmentos populares — padres, militares, profis-

erais — que sonhavam com uma república democrática, sem

To-de-obra escrava. bo

po

subordinado ao capitalismo inglês, o Estado português

Cs

a

invasoras

pelas tro O arrastado c

a um conflito comia França.

aca-

Para escapar à prisão

francesas, a família real e muitos integrantes da

uguesa fugiram para o Brasil (1808).

ômeçava a inversão colonial!

Acelerou-se o processo de independência!

PSI

38

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

E) QUAL FOI O PAPEL DA INGLATERRA: no

final do feudalismo na Inglaterra oco TEU NO século XVI adentrarem

o século XVIII, os senhores feudais havi I L am perd . Ao poder político para a burguesia e segmentos da Ido 0 nobreza ligados a N

M çapitalismo nascente. O seu desenvolvimento econômico ca pPtava r ecursos externos na ex ploração do império colonial inglês, e m pleno processo de Expansão bem como nas concessões arrancadas a Portugal. 3 Este, para gar antir a re-

conquista da independência — a chamada Restauração de 164 O —, teve de enfrentar os exércitos espanhóis até 1668, quando o governo de Madri acabou reconhecendo o fim da Un ião Ibérica. Esse conflito er;

complicado pela divisão interna devido à sucessão de conspirações portuguesas favoráveis ao domínio espanhol. A Coroa portuguesa igualmente manteve um estado de guerra com a República das Províncias Unidas até a conclusão da Paz de Breda (1661), que mantinha o Brasil sob domínio português, mas os flamengos recebiam

amplas concessões no Extremo Oriente, polpuda indenização e o direito de embarcações holandesas praticarem o comércio em costas brasileiras. | Decadente, o governo português buscou a cobertura naval e diplomá tica inglesa, mas o preço pago foi a crescente dependência econômica ao capitalismo inglês devido aos tratados concluídos. A No primeiro deles, Portugal concedia aos ingleses o livre comércio não *

.

SO No reino português,

E

mas também

em

N

a

E

suas colônias, consequent

emen-

te, no Brasil. Corria então o ano de 1642. Novos tratados foram concluídos em 1654 e 1661, tendo o últimimo estipulado

“as condições para o casamento da infanta Catarina (filha de

D. João IV) com o referido monarca inglês (Carlos II]. Por esse

acordo, Portugal obrigava-se, além de pagar um dote de 800.000 libras de ouro, a ceder, à astuta Albion, Tânger e Bombaim € é metade do comércio de canela do Ceilão (...) Cediam também 0 lusitanos, à sua aliada insular, todas as possessões portuguesas

que os ingleses pudessem retomar dos holandeses.” (PEREIRA

DOS REIS, PAULO, op. Cit., págs. 37e 38.) 334

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

os s: sõe ces con as va lia amp n ue th Me de o ad at Tr O II, já no século XVI

tuPor em os iad nqu fra m era es les ing is ria ust ind s igo art recidos e outros tuPor em es les ing os pel s ido duz pro hos vin os que o mp gal, 20 mesmo te a. err lat Ing na rar ent a par s iro ane adu os ost imp de o nçã gal teriam ise Consumava-se

a. err lat Ing à al tug Por de a ic ôm on ec ão aç in rd bo su à

am bav aca al tug Por a par sil Bra do s ada lev as uez riq as em consequência,

indo pata à Inglaterra. E, dentre essas riquezas, destacava-se o ouro!

lie l ria ust ind ta lis ita cap ade ied soc da io ín om ed pr O Seu início marcou

beral na Inglaterra.

À medida que as fábricas inglesas aumentavam a produção de tecidos sucon os cad mer de ção lia amp a a sci cre s mai is, ria ust e outros artigos ind

midores externos. Esses mercados externos também eram importantes porque podiam fornecer matérias-primas necessárias à continuidade da produção industrial. Acrescente-se ainda a possibilidade de abastecer a Inglaterra com produtos alimentícios que a sociedade inglesa não produzia ou produzia em quantidades insuficientes. Igualmente poderiam funcionar como centros de colocação de capitais de empréstimos, com lucros altamente

compensadores.

Todos esses motivos levaram o governo inglês a encarar como necessário o relacionamento direto com o Brasil, sem a intermediação de Portugal. Afinal, o Brasil tornava-se cada vez mais povoado e, sobretudo, cada VEZ mais rico.

11.2 . ESPELHO E IMAGEM: AS CONJURAÇÕES

À) À CONJURAÇÃO MINEIRA (1789) ia un re I, II XV ulo séc do cio iní no ada cri , ais Ger s na Mi peida de uma sociedade cheia de contrastes. nes

da

Gem

ao fausto possibilitado pela mineração do ouro e dos diacanade o tiv cul ou do ga do o açã cri pelas extensas fazendas de

a

r, a miséria e a pobreza eram companheiras diárias de grande

população.

Em verdadeiras epidemias de fome, muitos chega-

er de se alimentar de ratos, formigas, gatos e cães. de os ad nt me na Or as. eir min as vil e s ade cid em s lo mp te os Ergueram-se ric 335

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

ouro nas paredes e nos altares, onde cálices e ba nde; cerimônias de culto assistidas por elementos os ma: Com uma população estimada em mais

década de 1770, constituía a maior co ncentração demo nia. E desses habitantes mais de 50% er am negros, ria vivendo como escravos. Ao mesmo te mpo, era a região

contrava o maior número de negros alfo rriados. Era

onde

SE en.

cante. Mas também existiam índios. Uns e outros lu

“Os numerosos bandos e cartas sobre a repres são aos quil

bos apresentam sempre a mesma terminolog ia para designar os malefícios advindos da ação dos quilombos; os negros aparecem aí como os grandes inimigos da ordem, do trabal ho e da liberdade (...) uma liberdade que não lhes cabia de direito, 'e scandalosa' quando por eles usufruída, pois era privilégio dos brancos e do seu mundo, do qual, diziam as autoridades, os negros a desejavam tolher.” (MELLO E SOUZA, LAURA, Desclassificados do ouro — À pobreza mineira no século XVIII, Rio de Janeiro, Editora Graal, 1982, págs. 109 e 110.) Além dos calhambolas, denominação dada nas Minas Gerais aos negros que viviam em liberdade nos quilombos, também indígenas, como 08 caiapós, combatiam para garantir sua liberdade. dad “O princípio da rebelião se respirava como o oxigênio no ambiente A Minas”, como chegou a afirmar o governador Brás Baltasar da Silveira é carta enviada a D. João V, rei de Portugal. E por que tal constatação autoridade colonial? Por causa da sucessão de levantes e outros conflito ocorridos na capitania. Aliás, já estudamos essa questão anteriorm 1

E

-

“4

.



]

ente.

“Em Minas Gerais Fala-se em levante por toda parte: nas ruâs, em estalagens, em ranchos de beira de estrada, envolvendo mens das mais diversas condições, mesmo as mais ínfimas Fi Manuscritos de teor crítico circulavam esboçando à tendencia

Fratura política da sociedade, mas nos critérios da crítica eram

336

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

es pr ex as en il Ch as rt Ca As s. ai nt me ta or mp ace ntuadamente co ca ti lí po a ci ni té po im de to en im nt se um , cavam, no acre da sátira

o a rr mo , rei o a viv do a iv os rr co te an de viés tradicional, uma vari aiv pr ço pa es , as tr Le s da a ic bl pú Re à mau governo” circunscrita de se as ix de to en am nt te on sc de o e qu o Nã tivo das elites locais. am er co ti lí po or te de ns ui sq Pa . is ca di ra se expressar em termos pu se e qu s le ue aq mo co , 80 de da ca dé da divulgados nas Minas do m me ho e ss fo que do tu e qu am zi di e qu e a, an ri ceram em Ma

da o çã du se “A , AN TV IS O, CS AN (J ” .). (.. er reino havia de morr lo cu sé do al fin no ca ti lí po o çã ta es nt co e o liberdade: cotidian

ulo, Pa o Sã , il as Br no a ad iv pr da vi da ia ór st Hi in XVIID, 0.) 40 e 9 39 . gs pá 1, . vol , 97 19 , as tr Le s da a hi an mp Co

enalm ger a tic poé o içã pos com a um são as len chi tas Car as , A propósito te atribuída a Tomás Antônio Gonzaga, embora também se aponte Cláuauseu mo co o xot Pei nga are Alv de é Jos cio Iná ou ta Cos da dio Manoel tor. Nesse poema, criticava-se a violência do colonialismo português € O comportamento das autoridades coloniais.

Todos três eram poetas e viveram em Vila Rica do Ouro Preto, então capital das Minas Gerais. Constituífam parte de uma elite colonial que so-

nhou em romper os grilhões da dominação colonial portuguesa. Ão longo do século XVIII a velha Europa fervilhava com a propaga-

ção de idéias revolucionárias. Apesar de todos os obstáculos Impostos pelos repressivos Estados absolutistas, um número crescente de indivíduos buscava com avidez se informar das mudanças que ocorriam ou que de-

veriam ocorrer. Livros eram publicados, burlando os mecanismos de cen-

SUra existentes, e rapidamente devorados por leitores que discutiam as novas idéias em festivos salões ou em furtivas reuniões onde se tramavam

Planos revolucionários.

|

Nesse contexto se encontravam jovens brasileiros, na sua maioria per-

tencentes a famílias de condição social capaz de garantir a conclusão de

cUrsOs em universidades européias.

QULICUAUVE DRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“Entre 1772 e 1785, 300 estudant e S brasileiros tin culado na Universidade de Coimbra. tudos em escolas Francesas ou matricularam

Faculdade de Medicina de Montpe llier, onde I5 brasi

ram entre 1767 e 1793 (...) Maia [José Joaquim

crevia poemas em que atacava “o monstro tismo' e que estavam povoados de uma conf róis, inclusive Rousseau, Vo ltaire, Locke, Pope, Virgílio e Camões, José Álvares Maciel, fi

lho de abastado fazendeiro e com erciante de Vila Rica, e contemporâneo de Maia em Coimbra, viajouà Ingl aterra, ali passando ano e meio. estud ando técnicas

sempre que possível, comprando re latos da Revolução Americana.

Ele discutiu a possibilidade da indep endência do Brasil com negociantes ingleses amigos.” (MAXWEL L, KENNETH, A devassa da devassa — A Inconfidência Mineir a: Brasil — Portugal — 1750-1808. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 1985, pág. 102.)

A maioria dos historiadores re jeita que os conjurados projetas sem Ê independência do Brasil. Nã

o concordamos com essa interpretação, Mesmo porque nos Autos da devassa, abertos pelas autoridades ja niais em 1789, consta que José Joaquim da Maia e Barbalho, paturo da cidade do Rio de Janeiro, estaria entre o grupo de estudantes a Sileiros que, na Universidade de Co imbra, haviam jurado dedicar E vidas à causa da independência do seu país. A vivência, na Eur ii ; : da que por curta duração, estimula va uma visão do espaço co e! a Al

ém disso, a luta dos colonos norte-amer icanos contra à o co | lonial inglesa e e que resultou na independência das Treze o zida el inglesas da América exerceu marc ante influência sobre a redu te “

intelectual brasileira. Maia chegou inclusive a buscar apoio norte-american aos ia o "

.

;

"

]

libertação de sua Pátria. Po r questões de segurança, usou O P E ador de Vendek nas cartas enviadas a Th omas Je +

at

*

jetos



U

,

fferson, então embaiX

quem acabou se encontrando. 2 de outubro de 17 86, assim se expressou:

338

|-

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

me ge ria pát a çad gra des ha min a que eis sab e o eir sil “Sou bra

em atroz escravidão, que se torna todos os dias mais insuportá-

ve] depois da vossa gloriosa independência, pois que os bárbaros

portugueses

nada poupam

para tornar-nos desgraçados com

medo que vos sigamos as pisadas, e como conhecemos que es-

ces usurpadores, contra a lei da natureza e da humanidade, não cuidam senão de oprimir-nos, resolvemos seguir o admirável exemplo que acabai de dar-nos, e, por conseguinte, quebrar as

nossas cadeias e fazer reviver a nossa liberdade, que está de to-

do morta e oprimida pela Força, que é o único direito que os europeus têm sobre a América.”

Como se vê, o sonho de liberdade estava nos corações e nas mentes de brasileiros que estudavam ou passeavam na Europa. E essas idéias, como muitos desses livros, ainda que proibidos foram trazidos para o Brasil.

“José Álvares Maciel, ao ser inquirido a respeito dessa matéria, confirma possuir a História da América Inglesa, do Abade Raynal,

tendo-a adquirido em Birmingham por dois shillings em um leilão, cuidando que tinha Feito grande compra. Mesmo em Lisboa esses

livros eram comprados e embarcados nas bagagens pessoais sem

maiores cuidados (...) Livros condenados eram acessíveis para

compra mesmo na Colônia quando faziam parte de espólios e eram nessa condição arrematados, ocorrendo sua circulação por tal via. Outra Forma de burlar os controles se dava pela compra de

impressos nos navios que chegavam da Europa, quer se tratasse

de livros, quer das gazetas cuja circulação era vedada pelo gover-

no. (JANCSÓ, ISTVÁN, op.cit., págs. 402 e 403.)

É importante consignar que não existia imprensa no Brasil. Em conse-

na

as idéias do Século das Luzes se espalhavam pela linguagem oral

Pelos livros e suas cópias manuscritas. Muitas vezes essas obras eram to-

Madas emprestadas e circulavam entre aqueles que sabiam ler.

339

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Colônia, sua biblioteca incluía cerca de oi tocentos | ivros. Ma;

de em latim. Muitos em francês. Ma s também em inglês, em italiano espanhol e até em português. Havia dicionários, obras de filosofia, É física, de teologia, de medicina, de geografia, das mais diversas ciê ncias é naturalmente escritos de Raynal, de Mably, de Voltaire, de Montesquieu de Diderot, de Verney e de outros autores criador es de visões

de um novo homem em um novo mundo o , nde a liberdade não seria apenas uma palavra ou uma utopia.

Outros envolvidos na Conjuração, como o advogado e poeta Cláudio Ma

noel da Costa, o padre Carlos Corrêa de Toledo, o capitão José de

Rezende Costa, o coronel José Aires Gomes, o magistrado e poeta Iná-

cio José de Alvarenga Peixoto e o tenente-coronel Franci sco de Paula Freire de Andrade, igualmente tinham suas bibliotecas, não tão ricas e va-

riadas como a do cônego Vieira, considerado o homem mais culto do Brasil daqueles tempos. Não se deve pensar, porém, que muitas pessoas da sociedade mineira

possuíssem livros, mesmo porque a maioria era analfabeta. Contudo, aponta-se a capitania das Minas Gerais como aquela onde houve ads

consumo livresco, especialmente em Vila Rica, Mariana e São João dei Rei, os principais centros urbanos daquela capitania. o fosse freque x nte, os livros circulavam mediante à P rática Embora não do empréstimo.

“Inácio José de Alvarenga Peixoto (...) relata que, em uma das muitas ocasiões em que foi à casa de Francisco de Paula Freire de Andrade, o Fez com o fito de tirar um livro para ler (.)0 Alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, era visto com

Frequência com livros Franceses e ingleses que provavelmente

não lhe pertenciam. Acercava-se de pessoas que dominavam €5 ses idiomas, pedindo-lhes que traduzissem trechos das obras.

JANCSO, ISTVÁN, op.cit., pág. 406.)

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

noa com vada agra fora ira mine e edad esa soci na te sten I €X o Ea inquietaçã a. am rr de ar a nç m s la ia ai ir ni lo s co de da ! r o t u ue as a

“cia de q ? a m a r r e d à a r e e u q o E

às sa ue ug rt po oa cor a pel o ad br co o st po im o era a am “A derr ulo séc No s. nte ita hab s seu re ent do da ca re ar e ) (... s capitania

o te en lm ua an ar pag a eri dev ais Ger s xvIII, a capitania de Mina

s, oba arr m ce de al tot um em do, raí ext o our do nto qui do imposto

por a ui rq na mo a pel os id lh co re os but tri dos te an rt o mais impo haa cad o, çã da ca re ar na ia nc dê ca de a iv ss re og pr a m Co a. ues tug too r ta le mp co a par ra ext a cot a um m co rar ent que ia ter bitante

tal exigido. Essa cobrança, em arrobas de ouro, extorsiva e excessiva, [ocorria] quando a arrecadação normal do quinto não dava para cobrir o montante do imposto.” (AZEVEDO, ANTÔNIO CARLOS DO AMARAL, 07. cit., pág. 137).

Acreditavam os conspiradores que a derrama seria o estopim que faria explodir a rebelião contra a dominação colonial. Em uma de suas reuniões criaram até a palavra de ordem para começarem a agir. “Tal dia fa-

ço o batizado” era a senha. E o que já haviam decidido? Dentre outras medidas, aboliriam os monopólios mercantilistas e adotariam a liberdade econômica; a fundação de fábricas necessárias ao

desenvolvimento econômico; São João del Rei seria a nova capital do

Estado independente; a eleição de parlamentares encarregados de fazer às leis; a criação de uma universidade em Vila Rica do Ouro Preto, a qual seria a primeira a funcionar no Brasil; a formação de milícias inte-

Btadas por cidadãos que teriam a obrigação de defender a pátria, quando necessário, assim terminando a existência do exército permanente; à “Ntrega de prêmios a mulheres que tivessem muitos filhos e de terras pa“à cultivo às famílias pobres; a confecção de uma bandeira em cor bran“à, tendo ao centro um triângulo vermelho rodeado do início de um Verso do poeta romano Virgílio, Libertas, quae sera tamem, que signifi-

“à Liberdade ainda que tardia. Houve muitas discussões a propósito de questões importantes. Foi O 34]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

caso da inscrição na bandeira, em que prevalece Ua frase latina. teve proposta vencida de se colocar a im agem d “ UM An

grilhões que o prendiam.

índio queb ontu a tando

os

federativa, seguindo o exempl o dos Estado Unidos. Mas ha via OS part dários de uma monarquia constitucio se

gui n a l , , | Questão polêms mica relacionou-se ài abolic, ã de-obra escrava. Provavelmente a escravidã

o

Rats

ês.

mente não mereceram atenção prioritári a. cionar:

+ O apoio de camadas populares, dando maior força ao movimento, que, em grande parte, ficou restrito a uma minoria de intelectuais é proprietários rurais;

+ à disponibilidade de armas de fogo, restritas às reduzidas forças mi-

litares comandadas por envolvidos na conjuração;

+ O envio de emissários a outras capitanias, ampliando a área que se su-

blevaria contra a dominação portuguesa. Existem indícios, como vere, 4 I ão e€Nmos no estudo da Conjur ação do Rio. de Janeir. o, de possível ligaçã tre os dois movimentos.

Todavia, os conjurados acabaram sendo denunciados ao nando Barbacena, governador da capitania de Minas Gerais. Fora m tt = a:

nunciantes, todos portugueses e conhecidos por anteriores

Ri

mentos condenáveis. Um deles foi o coronel Joaquim Silvério Esta , i f o i s t l a n f e o l s u o o l d s s é d o u e a a d a d s h de fr tac por tugue Pelaosr. autorida cad

“Joaquim Silvério dos R eis se casaria em 1791 Janeiro com Bernardina Quitéria, filha de Luís Alves node Farma E Belo. Outra de suas filh as, Maria Cândida, seri a Francisco de Lima e Silv a. Foi filho desta união Lima, o Futuro Duque de Caxias. E ste Fato deve ter

a esposa de Luís aa constranS'

)

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

e a ir ne Mi a ci ên id nf co In da to as autoridades imperiais à respei .” ro ei il as br to ci ér Ex do patrono

do o ti do o nt me ta or do comp

) 9. 26 g. pá , t. ci . 02 , H T E N N (MAXWELL, KE

de o rç ma de 15 a di no z vo va vi de ia nc nú de silvério dos Reis fez a

ar as nt se re : ap as ci ên ig ex as du e lh za fe en ac rb Ba de de on sc vi O 1789, mas , es nt de ra Ti o , er vi Xa a lv Si da sé Jo m ui aq Jo ir acusações por escrito € segu o. ir ne Ja de o Ri do de da ci à ra que viajara pa

“Espírito vivo e empreendedor, não se conformava com sua ia Hav . ial soc ão jeç pro e a tun For ava cur pro e a st de mo ão situaç de nia ita cap da pa tro na e u-s sto ali 1, 178 em e, e at cido masc Minas Gerais. Apesar dos serviços prestados e das missões de responsabilidade que lhe Foram confiadas, Tiradentes, na sua

carreira militar, só atingiu o posto de alferes, sendo sempre preterido nas promoções. Feio, de olhos esbugalhados, despre-

zado pelos poderosos, objeto muitas vezes de riso de seus con-

terrâneos, não tendo mesmo 'cumpadres” que lhe dispensassem

proteção, via desvanecerem-se os seus sonhos de glória. Tentou a fortuna na mineração, chegando a adquirir uma pequena pro-

priedade e quatro escravos (...) Não há dúvida, entretanto, que Tiradentes Foi o espírito propulsor da conjuração (...) Não hesitava em fantasiar os Fatos para atingir os seus intentos. Fazia parte de sua técnica revolucionária (...) O alferes não se limitou,

porém, a aglutinar em torno de sua idéia o descontentamento

popular. Hábil organizador, tentou constituir um núcleo com-

posto de elementos de projeção na capitania, núcleo que seria

O grupo dirigente do levante (..).” (BUARQUE DE HOLAN-

DA, SERGIO, 07. cit., págs. 396 e 397.)

Ra E

Nel E Cava

libero nt me vi mo do e ef ch o es nt deve concluir ter sido Tirade nente-coro-

te O i o fo t n e m i v o m do ça be ca o , ca di in do tu que

cisco de Paula Freire de Andrade, comandante do Regimento de úam in ar iz al re ia se nc dê si re ja cu em e is ra s Ge na a Regular de Mi

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

meras reuniões dos co njurados. Segundo o traidor Silvério dos R primeiro cabeça” Os era O poeta e magistrado

Tomás

acusação possivelmente ocorrida porque era inim:

Antônio

G

e]

“zaga

“Mto à Gonzaga, quentão, e poetando com o pse udônimo de Dirceu. Por seu lastro cultural e admi nistrativo, quem sabe O Verd adeiro cabe não foi o doutor Cláudio Man oel da Costa? A ele se atribui ter si j dos autores das leis que regeriam o nov o Est

residência que ocorreram as primeiras reu nio ainda mais reforça indícios do papel de real c é que teve no movimento . Preso no dia 25 de maio de 1789, dois dias após o início do seu interrogatório divulgou-se a notícia de sua mor te. Era o dia 4 de julho de 1789. E a versão apresentada pelas autoridades coloniais era que o Dr. Cláudio havia se suicid ado. O atestado de óbito afirmava ter sido morte por suicídio.

(...) O governador Falou no “suicídio! em outra correspondência,

datada de 15 de julho, que incluía o relatório dos médicos. Muito

mais tarde um destes médicos veio a declarar que em seu primeiro relatório não atestara a causa da morte como sendo suicídio —

e sim assassinato. No dia seguinte ao do exame, afirmou ele, o aju-

dante de campo do governador, Antônio Xavier de Resende, disselhe que seu relatório fora inadvertidamente destruído, aconselhando-o a elaborar outro que dissesse ter primeiro se matado. À morte de Cláudio Manoel da Costa na casa de Rodrigues de Macedo,

dois dias antes da chegada dos juízes do vice-rei, a estranha Cro” nologia da correspondência do governador e a Fuga de Fumar são muito suspeitas, Principalmente porque à época a História 9 cial mereceu pouco crédito: Foi, mesmo, rezada missa pelo a Falecido, um privilégio negado aos suicidas, sendo a despesa cod

ta pela Fazenda Real,” (MAXWELL, K,, op. cit., pág- 182.)

ça

Entretanto, lendo-se o referido atestado de óbito, fica evide dente qu A

morte de Cláudio Manoel

da Costa ocorreu de modo altamén te S

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

ho el jo um m co a, eir tel pra a um a o ad st co “Achou-se de pé, en

ouem ça for o nd ze fa o eit dir o aç br o e a del a bu tá a um firme em

rda ca de a lig a um o rn to em a ad ss pa va ha ac se l qua tra tábua, na alaç a um m co a nt po ra out a e a, bu tá a dit à o ad ço encarnado, at ha tin o e qu r, ve dá ca o dit do o oç sc pe no o ad it de o iç ed rr co da e nó res a do di pe im te en am ir te in r ve ha lhe por , do ca esganado e sufo

da ça For a m co fez lhe e qu to er ap de an gr do ito piração por efe va isa div se de on e, ing lar da or ri pe su e rt pa na gravidade do corpo m co ta fei ser va ra st mo que ão us nt co a en qu pe a do lado direito um

AS RB JA O, LH VA AR (C ).” (.. u re or oc do an qu o, laç o sm o me o udi Clá r do ga ar mb se de do o di cí mi ho “O , DE IO SERTÓR

de o fic grá Geo e ico tór His uto tit Ins do a ist Rev , ta” Cos Manoel da São Paulo, volume LI, 1951-1953, pág. 58.)

Será que você pode aceitar a versão oficial, que não hesita em afirmar

ter alguém se enforcado de pé e usando as pernas como alavanca para consumar o suicídio? Em 25 de outubro de 1975, em plena ditadura mi-

ltar, houve um caso semelhante: o governo noticiou a morte do jornalista, professor e autor teatral Vladimir Herzog em uma cela do Destaca-

mento de Operações e Informações — Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI-SP), em São Paulo. O preso político havia se en-

o eir jan de 16 dia no , ois dep es mes três de os men co Pou pé. de ado forc

de 1976, foi divulgado o suicídio por enforcamento, em circunstâncias idênticas e na mesma cela, do operário Manoel Fiel Filho. s ore ess opr s ime reg os o, and ord rec ou o, end end apr está ê voc mo Co polí sos pre de to ina ass ass o ir obr enc para as fars tar mon em do hesitam

OS considerados ameaçadores à ordem vigente.

cina s nte ade Tir do ão pris da s ante ram rre oco os ent cim nte aco s Esse d

se que , ério Silv dor trai do os orç esf aos ças gra a Rio de Janeiro

ara ao vice-rei Luís de Vasconcelos e Sousa. Ha as o 10 de maio de 1789 quando Tiradentes foi levado preso paeza da ilha das Cobras. T

ra

MUtilmente,

?

a , i a rca ne po Ag R V cm ad

mesm

E

P

foi

|

e

tugue por s pelo s feita am for es açõ del as nov o porque

der

O E

A

MALE

BALA AIEA

ses Inácio Correia Pamplona e Basíli o bos portugueses e conhecidos por se us inúmeras violações das leis.

Colônia. Todos, foi o que dissemos: Foi o caso de João Rodrigues de Macedo, ri dência houve diversas reuniões do s conjurados portamento ardiloso e corrupto, supõe-se tivesse sido subornado para livrar alguns dos envolvidos. Ainda que fossem abertos processos em Minas Gerais e na capital da Colônia, as autoridades metropolitanas determinavam que ficasse todo O caso submetido ao Tribunal de Inquérito Vi sitador, ou Tribunal da Alçada, criado na cidade do Rio de Ja neiro. Nesse mesmo ano de 1790, uma carta régia de 15 de outubro defi nia O que somente foi consumado em 1792:

1.) Os inconfidentes ativos deviam ser bani dos para Angola é Benguela , e os cúmplices e implicados para Moçambique. Gom uma só exceção: o pleno rigor da lei deve

ria ser aplicado ao pri-

sioneiro ou prisioneiros que, al ém de terem comparecido às tvi

niões, com discursos, práticas, e declarações sedici osas, assim em público como em particular procurassem em diferentes par tes... disseminar o movimento. Previamente, as diferentes po tes tinham sido definidas como sendo Mina s e o Rio de Janeiro. No entanto, nada disto era do conhecimento público, O as s€ preparava para conduzir um espetáculo. A Alça da e a procias mação secreta de clemência de viam se constituir em elemento . s É já

Mportantes de um cenário sofisticado e pla nejado. À carta ré9 de 15 de outubro

vis ava claramente — e somente — O feres AI Silva Xavier. - (MARWE LL, KENNETH, op.cit., pág: 21 5.)

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

o ad en nd co foi , es nt de ra Ti o , er vi Xa a E por que Joaquim José da Silv

to r mi su as a os ad ci di in s do o ic ún o o nd se ou ab ac ue rq Po o? mã te an de eef e qu l pe pa um ir bu ri at se em o nd ta si o ocorrido, não he fim pôr de o jet pro do or aut de r, líde de , eça cab O : era xo tiv

desconhece não s ivo ess opr s ime reg de oso udi est o rod É evidente que Por-

ores. sit opo uer isq qua tra con os ad eg pr em os processos de violência

ica pót des a tra con o açã jur con de os sad acu santo, é lícito supor que 05 uns do an us ac e do san fes con am ar ab ac dominação colonial portuguesa s. ido met sub m era que a as tur tor às os outros em meio

s. nte ade Tir foi m ué ng ni r te me ro mp co não a O único

pri O , ão aç ur nj co da s ça be ca e es ef ch os re ent que “Mostra-se da m ui aq Jo réu o foi a ic bl pú Re da ias idé as ou it sc su que meiro ala cav de foi que s ere alf , es nt de ra Ti o a nh cu al por , ier Xav Silva ha tin que o mp te to mui há l qua o s, na Mi de a ni ta pi ca ria paga da concebido o abominável intento de conduzir os povos daquela capitania a um rebelião, pela qual se subtraíssem da justa obediência devida à dita senhora, formando para este fim publica-

mente discursos sediciosos, que Foram denunciados ao gover-

nador de Minas, antecessor do atual, que então sem nenhuma ra-

zão foram desprezados, como consta (...) da devassa principiada nesta cidade (..) Portanto condenam o réu Joaquim José da Silva ão eg pr e ço ra ba m co que a ) (... es nt de ra Ti o a nh cu al por Xavier, seja conduzido pelas ruas públicas ao local da forca, e nela morra morte natural para sempre, e que depois de morto lhe seja cor-

tada a cabeça e levada a Vila Rica, aonde em o lugar mais público dela será pregada em poste alto até que o tempo consuma; O postes em os ad eg pr e s to ar qu tro qua em do idi div á ser po seu cor pelo caminho de Minas, no sítio da Varginha e de Cebolas, aonde O réu teve as suas infames práticas, e os mais nos sítios de maio-

res povoações, até que o tempo também os consuma. Declaram

s seu e os, doten os, net e hos fil s seu s me fa in e , me fa in ao réu

bens aplicam para o fisco e câmara real, e a casa em que vivia

347

al LA TH

LAMPADAS

UMA

MISOTUMIA

em Vila Rica será arrasada e salgada, e se edifique, e não sendo próprias, sera

E a sentença foi cumprida. No dia 21 de abril de 1792, Tiradentes fo; enforcado, sendo seu ca dáver levado para a Casa do Trem, hoje part e do Museu Histórico Nacional, na cidade do Rio de Janeiro. Ali foi esquar-

tejado, sendo as partes do corpo levadas para serem espetadas em postes co locados em localidades no caminho do Rio de Janeiro até Vila Rica,

onde a cabeça foi colocada em uma gaiola de ferr o pendurada em um poste existente na praça principal da cidade. Outros acusados foram sentenciados ao degredo. Cinco deles, todos sacerdotes, enviados a Lisboa e ilhas da África. Outros dezoito acabaram

sendo condenados ao degredo perpétuo ou por dez anos em Angola é Moçambique. Quase todos morreram no degredo, e somente quatrreo

tornaram ao Brasil: os padres Manoel Rodrigues da Costa e José da Silva de Oliveira e Rolim, o cônego Luís Vieira da Silva e José de Rezende Costa Filho. O primeiro chegou a ser deputado nas cortes de Lisboa, E 1821 e, posteriormente, representante da província de Minas Gerais

Assembléia Constituinte, dissolvida por D. Pedro I em 1823.

Outro dos retornados a continuar na política foi José de Reze

Costa Filho, preso quando tinha menos de vinte anos.

“Já na Regência de D, Jo ão, obteve emprego na es pública de Minas

e começou a participar da política loca l. o eleito para a bancada mineira que participou da Assembléia plo

tituinte, Frequentou outra ve z o prédio em que esteve p reso.

a estava em plena atividade p arlamentar, mas o local er a O niçia edifício da antiga Cadeia Velh a onde, trinta anos antes, es com o seu pa i ao tomar conhecime nto

da comutação

das pensê

de

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

de o Ri no u e r r o m o, lh fi a, st Co e d n e z e R , do ta ei sp re € e nt influe

anh so Os , E D Z I U L D R A G D , E S O R R A B ( Janeiro, em 1841.” o, ul Pa o Sã , 89 17 de a r i e n a i i M c n ê d i doves de Vila Rica: A Inconf ) . 5 5 . g á p , 9 8 9 1 , a r o Atual Edit

ha rc ma em ar est ou ci en id ev a ir ne Mi ão aç ur nj Co Embora fracassando, à da ar es ap , te Es s. uê ug rt po al ni lo co a em st si

um processo de desagregação do sre op a r ta es nt co em ss sa ou e qu os sistemática violência empregada contra pendência de in a e , os ad nt co s dia us se m co va ta es «iva dominação imposta,

. vo po um de e ad id al re à ar rn to se ra pa os deixaria de ser um sonho de pouc

B) UMA HISTÓRIA MAL CONTADA:

A CONJURAÇÃO DO RIO DE JANEIRO scon os nt me vi mo os os tod de o, eir Jan de Rio do o açã jur Con “A do o siv fen ino s mai o Foi a, nci ndê epe Ind da es sor cur pre s rio ató pir ponto de vista da ameaça à ordem estabelecida. Não se conseguiu apurar nenhuma medida de ordem prática, sequer esboçada. Tudo

Ficou em uma série de conversas entre intelectuais que purgaram na longa prisão os possíveis desabafos contra as autoridades.”

.) 406 . pág , cit. op. , IO RG SÉ A, ND LA HO DE UE RQ (BUA

Até que ponto estaria próxima da verdade a afirmação de ter sido O movimento mais inofensivo contra o sistema colonial? Na devassa, aberta por determinação do vice-rei conde de Rezende, foram ouvidas mais de duzentas pessoas, incluindo-se testemunhas, réus e delatores. inde o númer ido reduz a to restri ficaria o Até que ponto o moviment envolaos refere se s autore dos ia maior a telectuais — de letrados, como Vidos? Na verdade, a devassa também incluiu o depoimento de entalhador, de ourives, de sapateiro, de marceneiro, de torneiro € indivíduos não o. Janeir de Rio do ria Literá dade Socie à e ctual intele elite à Pertencentes Cona e ra Minei ração Conju a entre es ligaçõ a haveri não - Até que ponto enga, Alvar Silva da Inácio l Manoe que se Sabeo? Janeir ração do Rio de da Conjuração lsor propu centro — Preto Ouro do Rica Vila em Nascido

RAIA

3549

MULILUALL

LUNASILLINÃ.

UMA

MISTURIA

Mineira —, estudou direi to na Universidade de C oimbra te

completou seus estudos Inácio José de Al que mantiveram relacionamento de amizade .

onde

Será

;

BUlalmen, * “ONStando

ram limitados a Portugal? Afinal, ambos e studaram n dade, seguiram a mesma profissão e também foram poetas! Em Comb igualmente estudaram Tomás Antônio Gonzaga e Cláudio Manel Costa, participantes da Conjuração Mineira — ambos advogados e

ty

tendo o último composto o poema Vila Rica, encontrado entre os livros apreendidos na biblioteca de Manoel Inácio da Silva Alvarenga.

À propósito de Alvarenga, August o Victorino Alves Sacramento Blak e, em seu Dicionário Bibliographico Brasilei ro, editado pela Imprensa Nacional, no Rio de Janeiro, em 1900, volume VI, pá g. 100, afirma que nasceu em São João del Rei e não em Vila Rica, como a firmam vários autores. Será que não é lícito admitir-se terem ha vido ligações entre cariocas envolvidos na Conjuração Mineira com mineir os participantes da Conjuração do Rio de Janeiro? Nos dois movimentos anticoloniais as devassas constatara à pres m ença de idéias contidas nos escritos de dois pensadores franceses: Mably e Ra ynal. Gabriel Bonnot de Mably, mais conhecido como abade Mably (17091785), autor de várias obras defendendo a República e criticando as ins. tituições existentes no século XVIII, foi um vulgarizador das idéias do Iluminismo.

Por sua vez, Guilherme-Thomas-Franço is Raynal (1713-1796), g E nhecido abade Raynal, teve sua Histoire Philosophique des Indes invada na França, o que não impediu sua divulgação em mais de vint e edições : 2Ei ma* AFI Raynal repete todos os temas da propaganda o a despotismo, desconfiança em relação à Igreja, que peida u

dO

intimamente submetida ao Estado laicizado , elogio ao Liberais Econômico e Político.” (SOBOUL, ALBERT, 4 Revolução

-

Francesa, Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1964, pág. 57.) a

Sm viaj É público e Notório ter Joaquim or f e i t o vá ri as Vê José da Silva Xavier feito jce- rei,

gens ao Rio de Janeiro, onde acabou sendo preso por ordem do V em maio de 1789.

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

+ Joaquim da Maia e Barbalho, natural do Rio de Janeiro, estudou

Universidade de Medicina de Montpellier.

do es ant oci neg por do cia den cre o sid e ess tiv que el “É possív

, son fer Jef s oma [Th son fer Jef m co o tat con em rar ent a Rio par e ent elm vav Pro l. nça Fra na dos Uni s ado Est então embaixador dos iníno , que os eir sil bra s nte uda est de po gru do ele era membro

ajur e a mbr Coi em os mã as m ra ta er ap 0, 178 de ada déc cio da (...) al nat ra ter sua de a nci ndê epe ind da sa cau à ção ica «am ded É difícil identificar os comerciantes do Rio que se envolveram no a com eto dir io érc com um de l pro em o jet pro no ou o, cas

nFra com ver a o alg têm ias idé as (...) e ent elm siv Pos a. Inglaterr cisco de Araújo Pereira, pois ele é citado mais tarde como sendo um crítico franco dos métodos da administração colonial

(..).” (MAXWELL, KENNETH, op. cit., págs. 101 e 107.)

Outros integrantes do Grupo de Coimbra e de Montpellier foram José Joaquim da Maia, nascido no Rio de Janeiro, Domingos Vidal Barbosa e José Mariano Leal da Câmara Rangel de Gusmão, todos envolvidos na Conjuração Mineira, tendo o último nascido no Rio de Janeiro, e não

chegando a ser depassado, possivelmente pela corrupção dos magistrados, enquanto o primeiro teve domicílio na cidade do Rio de Janeiro.

| Mariano José Pereira da Fonseca (1773-1848), um dos réus da Con-

Juração do Rio de Janeiro, foi outro a estudar na Universidade de Coim-

bra, onde recebeu o bacharelado em filosofia.

Desse modo, a cidade do Rio de Janeiro, pouco antes elevada à condição de capital da Colônia e de sede do governo dos vice-reis, conheceu “res de mudanças propagados pelas Luzes do Século. Essas idéias se exE

ds

com a volta ao país de brasileiros que haviam estudado na

Eram também propagadas em livros que conseguiram escapar à

“Sa censura das autoridades coloniais. Foi nessa conjuntura de fervilhar de idéias que se fundou a Academia Científica do Rio de Janeiro. Era o ano de 1771, mas este centro de estu-

dos Somente foi inaugurado oficialmente a 18 de fevereiro de 1772, com

Presença do marquês do Lavradio, que ocupava o cargo de vice-rei. K É y E,

a

OUCIEDAVE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

gia, a de História Natural e a de Física cultura. Chegou a ter um horto botar: poucos anos. Deve-se-]

dCiaº e Agri.

se diziam todos o mora-

dores do Rio de Janeiro. ( ” BUARQUE DE HOLAND A, SÉR. GIO, op. cit., pág. 407.)

Mas o pontapé inicial fora dado, e os corações e men e outros integrantes da sociedade colo nial souberam dos norte-americanos para romper os gr ilhões da do minação inglesa. Afinal, os norte-americanos foram os pr imeiros colonos a conquistarem a sua independência! Não era um exem plo que deveria ser imitado) Por que não tentar pôr fim à subordinação a Portug al? Não era Portugal um Estado decadente, ao inverso da so cieda de inglesa, cujo pode-

rio econômico e naval a colocavam como primeira potência mundial:

Em 1786, intelectuais, vivendo na cidade do Rio de Janeiro, reuniramse sob a liderança de Manoel Inácio da Silva Alvarenga (1749-1814) e de

José Basílio da Gama (1740-1795), poeta mineiro que fora amigo de Inácio José de Alvarenga Peixoto, assim como Silva Alvarenga. Este É tornara

ao

Brasil em

1777,

fixando

residência

na cidade do Rio a

Janeiro. Era advogado, sócio de uma olaria e conseguira ser nomea

professor régio de retórica e poética. Fundou-se, até com a Mena do vice-rei D. Luís de Vasconcelos €

Sousa, a Sociedade Literária do Rio de Janeiro. O 24º artigo dos Estatutos da novel instituição afirmava: “Sendo o primeiro alvo da Sociedade o repartirmos

mente as nossas luzes cientistas, para com igual interesse Ea

trarmos em marcha pe la nova Carreira, que O nosso Ae ciências (...)." (Autos da

devassa: prisão dos letrados do Rijo j

Janeiro, 1794, Rio de Ja neiro, UERJ,

352

1994, pág. 219.)

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

das a nci luê inf a r uzi ded s no eit rm pe or eri ant to tex do o O exame crític

déias do Tuminismo, as chamadas /4zes do século, que inclusive valorizavam as ciências. ionamento nc fu de io sár ver ani ro mei pri do vo ti ra mo me co so cur dis Em

de, ida ent da e ent sid pre ão ent , íde Ata de é Jos da Sociedade, Joaquim

ados. oci ass os pel s ado liz rea s do tu es dos uns alg ou er enum

Lua da e ips ecl o e ra Ter da or cal O se rauda est , íde Ata m De acordo co

do tos vei pro e os dan os a, ioc Car rio do as águ as e m-s em 1787, analisara cu. uru do ta tin a er faz de do to mé um e te en rd ua ag e s uso de licore Contudo, secretamente os temas debatidos eram bem diferentes e,

nto incom certeza, a explosão da Revolução Francesa, cujo processame ani s, ana ric ame s ade ied soc as ém mb ta s ma , pa ro Eu a só não ou auenci mou essas discussões.

Quando a repressão se abateu sobre os acusados de conspirar contra à dominação colonial, dentre os papéis apreendidos na casa de Manoel Inácio da Silva Alvarenga foram encontrados os Estatutos Secretos da Sociedade Literária do Rio de Janeiro. Seus dispositivos eram profundamente políticos e sociais, destacando-se os seguintes:

“7, À boa-fé e o segredo, de modo que ninguém saiba do que se tratou na sociedade. « 2 , Não deve haver superioridade alguma nesta sociedade e será dirigida igualmente por modo democrático.

“3. O objetivo principal será a filosofia em toda a sua extensão, no que compreende tudo quanto pode ser interessante. “ 4 , Não só trabalhará somente sobre matérias novas, mas

também sobre as já sabidas, porque será útil conservar e renovar as idéias adquiridas e comunicá-las aos que tiverem falta

desses conhecimentos (...)

“ 5, Para ser admitido, qualquer novo sócio deve preceder boa informação de sua probidade e segredo e aplicação: de sor-

te que se possa esperar a utilidade da sua companhia e será re-

Cebido por pluralidade de votos.” (Autos da devassa: prisão dos letrados do Rio de Janeiro, 1794, pág. 137.)

Arabe RS

353

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

À

Na cidad Janeiro e a chegada à capital da Colônia de Tomásés Antôni o E

Rio de

Francisco de Paula Freire de Andrade, de Francisco Antônio de Zo de

Lopes, de Domingos de Oliveira Lopes, de Domingos Vidal de B sa de Inácio José de Alvarenga Peixoto, do padre José da Silva de go e Rolim, do cônego Luís Vieira e do padre Carlos Corrêa de Toled : eira volvidos da Conjuração Mineira, teve duplo efeito: o.

a

PrOVOCOU Q temor dos que discutiam as mais diversas questões políticas e levou ao fecha

Ultramarina, como a chamavam os portugueses (1790). E bem verdade que o conde de Rezende, novo vice-rei, cujo governo foi

tachado de o mais repressivo e violento de to dos os que desempenharam

funções dirigentes no século XVIII, acabou acolhendo denúnc ias feitas por frei Raimundo Penafiel da Anunciação, da Ordem dos Franciscanos, e de José Bernardo da Silva Frade.

Em consegiiência, o conde de Rezende, em 11 de junho de 1794, enviou ofício a Antônio Diniz da Cruz e Silva, desembargador-chanceler da Relação do Rio de Janeiro e que já atuara contra os acusados da Conjuração Mineira.

“Havendo chegado a mim, a notícia que muitas pessoas des-

ta cidade, esquecidas de si e da honra do nome português, que

até o presente consistia principalmente no amor e fidelidade aos nossos clementíssimos soberanos, se arrojam, não só em a particulares, mas ainda nos lugares públicos dela com a ocasido das atuais alterações da Europa, a alterar questões sobre 0 90º verno público dos Estados, e em que algumas das referidas pes s0as têm escandalosamente proferido: que os reis não SãO ne cessário; que os homens são livres e podem, em todo O

a

reclamar a sua liberdade: que as leis por que hoje se per, ; nação Francesa são justas e que o mesmo que aquela nação é

ticou se devia praticar neste continent e; que 05 franceses

Mi

viam vir conquistar esta cidade: que a Sagrada Escritura ; e a

como dá poder aos reis para castigar os vassalos, o dá 05 a

salos para castigar os reis; cujas proposições, e outras dese

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

smo de ém al , ão gi li re a em lv vo en é at e lhante natureza, em qu de as ri óp pr mo co e, er of pr as em trarem a pouca fidelidade de qu a do -l tá ar ap de e e, nt ra no ig o ic st rú vo po O r zi du se € r engana be so is ra tu na e s mo ti gí le us se s amor € Fidelidade que deve ao

re pa as el e qu m Fi do na da o m se as id er of ranos, ainda sendo pr

pos, te en es pr s no is ma o it mu e o, mp te o do to em , ar cem inculc aat ém nv co e qu s e sa go ri pe o s it mu ia nc uê eq ns co ir dem produz opr e qu , no de or ta es r po mo co S., V. a r na de or u lhar. Me parece á ir rv se em qu a a, ss va de da ão aç rm fo in a at ceda logo a uma ex , ro me o nú ad in rm te de m se , la o ne nd ta un rg pe , to li de de corpo de o e do ri fe re o o ud et br so r, ce re pa e lh e s qu ha un em todas as test la de e qu do a nt co o úd mi a me ond , da vo ti la re r fo la ne e qu mais s me or nf co is ma ar lg ju e as qu ci ên id ov pr as r da eu ra , pa ar result ao serviço de Sua Majestade, a quem dou parte desta minha resolução, e para escrivão da mesma informação ou devassa nomeio ao desembargador juiz do cível, João Manoel Guerreiro de Amorim Pereira, Fiando de V. S. que, em uma matéria de tanto

peso e delicadeza, se portará com cuidado e zelo que develm) as

obrigações em que constituem o lugar que ocupa. (Autos da devassa: prisão dos letrados do Rio de Janeiro, 1794, pág. 37.)

Às prisões sucederam-se, destacando-se as de Manoel Inácio da Silva Alvarenga, de João Manso Pereira, professor de gramática latina, de J sao

Marques Pinto, professor de língua grega, do médico Jacinto José da Silva Quintão, cunhado e sócio de Silva Alvarenga, de Francisco Antônio

Gaboa, de Francisco Coelho Solano da Silva, de João de Sá da Conceição,

de Antônio Gonçalves dos Santos, de João da Silva Antunes, além do

doutor Gervásio Ferreira, do estudante catarinense José Antônio de Almei-

da e do bacharel em filosofia Mariano José Pereira da Fonseca (1794).

Os réus foram enviados para as masmorras da Fortaleza da Conceição, do

Paço e de secretarias do governo, servindo estas apenas de prisões provisórias. Quem sabe o que passaria pelos corações e mentes dos acusados, ES que nesses locais haviam ficado encarcerados os envolvidos na Conju-

OOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Os pelo desembarga

O mesmo, aliás, que havia func ionado na Devassa de Mi nas Gerais! De que afirmavam em lugares pú

Dois envolvidos na Conjuração do Rio de Janeiro escaparam às garras da repressão: José Basílio da G ama, que fugiu para Lisboa qu ando come. çaram as prisões, e Ma

noel Arruda da Câmara, que era só cio cor

respondente da Sociedade Literária do Ri o de Janeiro, mas vivia no exteri or. Alguns autores consideram que o arra star do processo deveu-se à in:

fluência da Maçonaria, que se empenhou em salvar os companheiros caídos nas malhas da j ustiça colonial. O fato é que um ano após a prisão dos acusados nada de grave fora apurado, até porque recorrer am ao recurso de negar articulação contra o domínio português. Em geral admi tiam que suas reuniões eram marcadas por discussões filosóficas e científicas. Mariano José Pereira da Fonseca, possivelmente com ligações na corte,

à se cansara de enviar queixa Não ixas s à rainha pai D. Maria I contra a moro sida-

de do processo.

“Essas queixas foram afinal transmitidas ao vice-rei pelo ministro D. Rodrigo de Sousa Coutinho, em ofício de 1 de heve reiro de 1797, em que lhe comunicava que fora a rainha servida de determinar que, no caso em que aquela autoridade entendesSe que OS réus se não deviam soltar , os remetesse para d dino:

com Os autos por onde constassem suas culpas, ou que, acta do que est

avam suficientemente castigado s com à prisão, ' mandasse pôr em liberdade.” (Au tos da devassa: prisão dos eira dos do Rio de Janeiro, 1794,

pág. 30.)

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

ta or mp co seu r po a, en ac rb Ba de de on Recordando-se de que o visc

o na condução da devassa em Minas Gerais, fora severamente cen-

ara pelas autoridades metropolitanas, o conde de Rezende resolveu

epa

todos os que estavam presos. Em ofício de 21 de julho de 1797,

À D. Rodrigo de Souza Coutinho, comunicou a decisão tomada.

Certamente foi uma alegria geral.

a nh cu al la o pe id ec nh co a, ec ns Fo a da ir re Pe sé o Jo an ri o, Ma it ós A prop

ro de Biscoito ou Biscoitinho, continuou sua carreira política, sendo minist de o Ri a do ci ín ov pr a r pel do na se e, rd ta is ma e, 23 18 a em nd ze da Fa

Janeiro, recebendo inclusive O título de marquês de Maricá. Ao morrer, em 1848, com 75 anos, em sua sepultura foi colocado o seguinte epitáfio:

“Aqui jaz o corpo apenas / Do Marquês de Maricá. / Quem quiser saber-lhe a alma, / Em seus livros achará.”

C) A CONJURAÇÃO BAIANA (1798) om características bastante diferentes das Conjurações Mineira e do Rio de Janeiro, foi descoberto em Salvador, na Bahia, um movimento com um projeto nitidamente revolucionário.

“Enquanto em Minas era objeto de estudos por pessoas in-

Fuentes, não 'tanto para proclamar a República independente,

como para tentear qual seria a probabilidade da cooperação que

deviam encontrar se houvesse de se tomar tal deliberação”, na Bahia se efetuava na ação imediata para proclamar no Brasil a

República, sem distinção de qualidade, mas seleção de valores

(..) Na conspiração de Vila Rica, correu com verdade um misteioso embuçado que, noite alta, avisou todos os inconfidentes da Prisão de Tiradentes no Rio, sem que lhe fosse conhecida a iden-

tidade; na Bahia também figurou um enigmático inglês coxo que, Viajando em trânsito do Rio para Lisboa, se hospedou com o conspirador sargento Joaquim Antônio da Silva, confabulou com João de Deus e outros conjurados, esclareceu a situação militar

ST GAS]

357

OOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

do seu país, aconselhou os soldos ao exército r evoluci desapareceu com i

dêntica Facilidade do sem que ninguém lhe soube sse o nome ne

pessoa ou reencontrasse seu ra stro (...) “Nem mesmo o romance de a

cimentos de 89 deixou de Fron dej Salvador. Marília de Dirceu —

Fessor Francisco Muniz Barreto ga, elemento destacado na revolu cá

um hino à liberdade e à igualdade (...) “Procurando o auxílio dos Estados Unidos aos revolucionários mineiros, pratica o estudante brasileiro José Joaquim da Maia verdadeiros at os diplomáticos junto a Thomas Jefferso n, embaixador norte-americano em França: em 1797. Foi 3 Europa, enviado pelas

associações secretas, solicitar o apoio da França ao movimento

que se aglutinava na Bahia, Domingos José Martins, que se tornaria, em 1817, figura destacada na Revolução Pernambucana . (RUY, AFFONSO, A primeira revolução social brasileira (1798),

Salvador, Tipografia Beneditina, 1951, págs. 141 e 14 2.)

Foram diversos os pontos de semelhança entre os doi s movimentos pi a da Independência. Mas existiram grandes diferenças. Uma delas foi é E iai, luta pela independênci

a do Haiti, iniciada em 1791, sobre à pg

gro sobretudo quando se divulgou a no tícia da abolição da escravidão de njurados mulatos naquela colônia francesa, em 1793. Além disso, enquanto a organiza

de Minas Gerais, em geral, tomava m como modelo político a r epública nos Estados

sobreUnidos, na Bahia foi clara à inspiração da Revolução E Pre revolutudo nas idéias e concepções da Convenção sob , táriOS Gonários radicais que se fundamentavam nos princí pi os de mo cr ático -is contidos de Jean-Jacques Rousseau e de Jean Loui hegemonia dos) ae, E

s Carra, autor de textos ra

alisar 35 fon DO Orador dos Estados Gerais de 1789, Volt ar em os , mais adiante, à a?“as Afits tes ideológicas da Conjuração Baiana, também cham

ada de Revolta “Bit

de Revolução dos Alfrintes de Conspiração dos Alfaiates e de Revolta

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

nCo a e tr en a nç re fe di a tr ou ir lu nc co a z du in Essa denominação nos vi mo um is ma o it mu foi ta a. Es ir ne ão Mi aç ur nj Co à € na ia o Ba juraçã

da zi du re m co s, co an br s io ár et ri op pr r po e nt mento realizado basicame

os re nt de a, hi Ba da ão aç ur nj Co a Já s. re la pu po s to en em el participação de , os ad ld so s s, sei te ia fa al o nc , ci os av cr es 11 a vi s, ha do sa es oc pr 33 presos € o, um ir te in rp ca r, um so es of pr , um ro ei dr pe um s, ve ri ou is do is, «rés oficia

for ra era do ga ma a es ri io ma o. À iã rg ru ci um te e an ci go ne , um or ad bord

mada por 11 escravos € dez artesãos, quase todos negros ou mulatos. “Deve-se reparar, ainda, que alguns escravos são artesãos,

nos exemplos de Luís de França Pires, José Pires e do negro

Vicente, escravos e alfaiates; Luís Leal, escravo e sapateiro; João Pires, escravo e carapina [carpinteiro]; e Felipe Nery, escravo e cabeleireiro. Ademais, escravos de aluguel. Entre os depoentes, estão Funcionários a serviço da Metrópole, nos exemplos de Francisco Vicente Vianna, Coronel Dom Carlos Balthazar da Silveira e Francisco Gomes dos Santos, e comerciantes, nos exemplos de Manoel José Villela de Carvalho, Manoel Francisco

de Oliveira e Manoel José da Mata. As diferenças sociais entre

essas camadas não chegavam a erguer barreiras à cordialidade e ao convívio (...) E é assim que as Devassas de 1798 dão os exemplos

do almoço

em

casa

do Tenente José

Gomes

de

Úliveira Borges, com a participação do soldado Lucas Dantas,

do sargento Joaquim Antônio da Silva e do alfaiate João de

Deus; do batizado da filha de Lucas Dantas, com a presença do

tenente Hermógenes Francisco de Aguillar; das conversas de

Francisco Muniz Barreto de Aragão com Santos Lira; do cirurgião Cipriano Barata, um homem diplomado em Coimbra, com

vários soldados e artesãos (...) Mas a cordialidade e o convívio

agradável nada têm com as barreiras à ascensão social, que es“ds, sim, existiam e eram fortes.” (TAVARES, LUÍS HEN-

RIQUE

DIAS,

História da sedição intentada na Bahia em

1798 (A Conspiração dos Alfxintes). São Paulo, Livraria Pio-

neira Editora, 1975, págs. 10 e 11.)

trapo PRP

359

QOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Por conseguinte, a dife rença de classes entre os COnjJuurados rados diu fosse o m

ovimento levado avante. Mesmo ass nã o im Não se Pode Ob| scMpe. y. recer que o tenente Hermógenes Franc isco de Aguill ar P aNtoja Co Cirmr. gião e bacharel em filosofia Cipriano Jo sé Barata de Alm

sempenhado importante papel de li gação entre os

eida

dois

tenham de.

8rupos de cons. piradores: os associados aos Cavale iros da Luz e os elementos Popu lares (mulatos e negros, livres ou escravos).

Assim é que a loja maçô nica Cavaleiros da Luz não era freguentad pelos soldados, artesãos e dem ais elementos das camadas pop ulares O surgimento dos Cavaleiros da Luz dev; la-se à atuação do co mandante Antoine René Larcher, que chegara a Salvador em 30 de n ovembro de 1796. Seu desembarque o correu jun tamente com a sua família ad

ri

d

e mais seis

franceses.

Contudo, o historiador Luís Henrique Dias Tavares rejeita a tradício-

nal afirmativa de a citada loja maçônica, ali ás a primeira fundada no Brasil, ter surgido por causa do comandante Larc her.

“Em verdade, a questão não está em descobrir qual o navio fran-

cês que desembarcou 'uns livrinhos” no porto de Salvador e muito

menos em identificar algum particular francês orientando a organização de sociedades secretas (?) na Bahia de 1797-1798. Com outra amplidão, devemos considerar a época, que ainda é a da Revolução Francesa (..) Natural que todos estivessem preocupados 7

baianos que chegavam da Europa e baianos que liam jornais e li vos europeus; autoridades em Lisboa e autoridades portuguesas na Bahia — com a extensão do movimento revolucionário até Por-

tugal e suas colônias (...) À face francesa da sedição baiana aprésenta-se na perspectiva universal da revolução democrática bur-

guesa. Eclodira em França, em 1789, mas as suas grandes linhas. Os seus princípios de igualdade de todos perante a lei, de liberda-

de de criação, pensamento e palavras, e de fraternidade entre 9 homens, sem distinção de origem social, homens valendo homens ndo eram

exclusivamente

Franceses,

Em

verdade,

pertenciam

aquela época de profundas mudanças. Eram universais. Além dis

so, OS livros dos teóricos Franceses, Rousseau, Montesquieu € oe à

360

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

aeg ch ns, eti bol , sos avi as, fal s, so ur sc di s, go lo eó id dos traba lhos

” as ín Ru 'Às m co u ce te on ac mo co , al ug rt Po via a hi vam para a Ba

rbu rs te Pe de o is Av o e is ra Ge s do ta Es dos or ad Or de Volney, O

Ou . ão ag Ar de o et rr Ba z ni Mu o sc ci an Fr por oa sb Li de os go”, trazid s te an nd ma co e s re st me s do os mã s podiam entrar Facilmente pela ÍS LU , S E R A V A T ( .” .) (. or ad lv Sa dos navios que aportavam em

.) 86 e 5, ,8 84 . gs pá ., cit op. , AS DI E U Q HENRI

pri s seu nos s no me o pel , Luz da s iro ale Cav os ado egr E quem teria int

a, toj Pan ar ill Agu de sco nci Fra es en óg rm He e ent ten O mórdios em 1797?

O pa, gão Ara de o ret Bar z ni Mu sco nci Fra ina lat ica mát gra de sor o profes

|

|

aBar é Jos no ria Cip ião urg cir O s, me Go o nh ti os Ag sco nci dre e cientista Fra

seo lo, Mel e o red uei Fig de au isl Lad o Joã ico êut mac far o a, ta de Almeid nhor de engenho Joaquim Inácio de Siqueira Bulcão, O economista José da Silva Lisboa e seu irmão, o comerciante Domingos da Silva Lisboa. Não foi por acaso que a primeira reunião dos maçons dos Cavaleiros da Luz ocorreu no dia 14 de julho, ainda hoje data nacional da França. Nesse dia, em 1789, as camadas populares de Paris tomaram a Bastilha € começaram a destruí-la. Contudo, os baianos, que pretendiam inúmeras mudanças, reuniram-se na loja maçônica no ano de 1797.

Que mudanças foram projetadas pelos conjurados? Desde agosto de 1798, em igrejas e outros lugares públicos, apareceram panfletos manuscritos divulgando a proximidade da rebelião e a necessidade de engajamento da população de Salvador. Foram dez boletins, segundo a Devassa posteriormente apurou, qualificando-os de papéis sediciosos. O primeiro desses boletins, divulgado em 12 de agosto de 1798, é reProduzido

a seguir;

“A.

Aviso ao Povo Bahiense O vós Homens cidadãos: ó vós Povos curvados, e abandonados pelo Rei, pelos seus despotismos, pelos seus Ministros. O vós Povo

que nascestes para seres livres e para gozardes dos bons efeitos da liberdade, ó vós Povos que viveis Flagelados com o pleno poder

do indigno coroado, esse mesmo Rei que vós criastes; esse mes-

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

mo Rei tirano é quem se firma no trono Para Vos vexar, Para vos roubar e para vos maltratar. Home

ns, o t empo é che g a do Para à vossa ressurreição, sim, para ressusci tar des do abi smo da Escra.

vidão, para levantardes a Sagrada Band eira da Liberdade.

“À liberdade consiste no estado Feliz, no estado livre do aba. time

nto; a liberdade é a doçura da vida, o descanso do homem com igual pa

ralelo de uns para outros, Fi nalmente a liberdade é O repouso e a bem-aventurança do mundo. À França está cada vez mais exaltada, a Alemanha já lh e dobrou o joelho, Castela só as

pira a sua aliança, Roma já vive anexa, o Pontífice já está abandonado, e desterrado; o Rei da Prússi a está preso pelo seu próprio povo, as nações do mundo todas têm seus olhos fixos na

França, a liberdade é agradável para todos; é te mpo povo, povo o tempo é chegado para vós defenderdes a vossa liberd ade; o dia da nossa revolução; da nossa liberdade e de nossa felicidade es. tá para chegar, animai-vos, que sereis felizes para sempre.” (DEL PRIORE, MARY ez alii, 0p. cit., pág. 38.) Suas idéias principais envolviam o seguinte: + à França constituía o modelo a seguir; + O fim da escravidão:

* à separação entre Igreja e Estado: + O fim da dominação colonial; + à criação de uma república:

+ 2 igualdade de direitos, sem distinção de cor ou riqueza; + à instalação de um governo democrático;

* O pagamento de melhor soldo para os soldados;

Ô

+ à punição para aqueles que se opusessem ao movimento; os padres

refratários estariam sujeitos à pena de mort e; Ra

res de canã, * à garantia dos direitos dos comercia: nt es e dos plantado

de fumo e de mandioca.

2

4

&

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

da e qu sa o ar iz al re am av et oj pr os ad ur “Apurou-se que 05 conj

e ss Fo e qu do s, do to e tr en ão, iç bu ri st di ra pa , or ad lv Sa do de da ci

mora ri se o, nt me vi mo ao se is er ad o nã tomado; Se O Governador o nd de po s, ro ei st mo s do e s õe is pr s to: abrir-se-iam as portas da eint is Ma r. ze Fa m se es is qu o s to an abandonar os conventos qu tode ão iç ol ab da , as id ec ar ap ém mb ta ressantes são as idéias, do ão aç ar cl de da e , es nt ge vi a nd ai dos os preconceitos de cor, aon ci na as s da to de os vi na s ao co an Fr porto do Salvador como ) 3. 36 g. pá ., cit . op , O I L E H , A N lidades.” (VIAN

: as éi id s sa es am ar ag op pr se Como

De várias maneiras! Os te an di me m ra re or oc s ta Es . as it cr es s Uma delas foram as mensagen

es het bil e as rt ca m ra re or oc so, dis ém Al s. do papéis sediciosos, já menciona £70 s, se ce an fr os te en lm pa ci in pr , ros liv de as pi có s, re do entre os conspira as rm fo as tr ou e sos avi —, o et rr Ba z ni Mu r po s mas — como os composto de manifestação escrita.

sã da o lad Ao / ão raz da io rár sac No e/ ad rd be Li e de da “Igual 47 o, ret Bar iz un (M ” o. çã ra co u me m ha nc justiça / Pree

cio oln rev dos ias idé As , AS DI UE IQ NR HE ÍS LU TAVARES, nários de 1798, Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Cul-

tura, 1964, pág. 44.)

que s le ue aq m co ou os ad ur nj co os e tr en No entanto, a comunicação s ze ve as it Mu . al or te en lm pa ci in pr foi o nt me P etendiam aliciar para o movi tas Es . es iõ un re se mra de ce su ém mb ta s ma , is do a ic conversas or oc as uc po o Nã . is té ar qu s no o tã en ereto E casas dos conjurados ou . Disas éi id e -s am av oc Tr . rua na o sm me é at e ho al ab ea de tr cosa ém gu al de me no um de o çã ca di in a e -s va ra O dia do levante. Sussur e as ci tí no e br so e -s va sa er nv Co . os nt me Conversado. Trocavam-se docu reunião. va no a um se aav in mb Co . oa sb Li de Publicadas na Gazeta Enfim,

“q

a conspiração estava no ar!

pe

adro

363

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

simbologias materializadas em sinais cuja signifi vam o referencial da maioria das pessoas: antes, constituíam Formas de identificação entre os que seguia m uma mesma ideol o. gia, um mes

mo partido (...) Os revolucionários baia no s de 1798 usaram meios de se identificar, de comuni car sua Filiaç

ão parti.

dária, com estruturas simbólicas de uma linguagem especia] —

tanto sonora, como visual (...) Haviam os conjurados combinado

se reconhecerem por certos distintivos, entre os quais se sabe o

que consistia em uma argolinha em uma das orel has, barba crescida até o meio do queixo, um búzio de Angola na cade ia do relógio, conhecendo-se uns aos outros como os Franceses, ou ma is propriamente, os partidários das idéias novas. Costumavam empregar palavras especiais, em lugar das comumente usadas para designar certas coisas, sendo uma delas entes, em vez de ho-

mens, dietas em vez de assembléias” (...).” MATTOS, FLORIS-

VALDO, 4 comunicação social na Revolução dos Alfaiates, Sal-

vador, Universidade Federal da Bahia, 1974, pág. 88.)

= ão alarA divulgação de manifestos conclamando a população à revolução * mou as autoridades. Afirma-se que D. Fernando José de Portugal € a tro, desde 1788 governando a Bahia, fora alertado, em 1722, E pe to da “introdução dos princípios revolucionários que se au tos de vido na França”. Declarou-se ainda que o coronel Francis” E reu Matos Ferreira

e Lucena denunciara ao governador a ocorrenciê ortu niões em que se preparava uma sublevação contra a dominação P 10es guesa. Ma reu

como Em cobriu Desde

nio s a suprema autoridade da cap itania “considerava tal bebedeira e rapaziada”, n s princípios de 1798 à ão se des peão qual o culpado ão de ; o ano anterior

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

, ite aze do e ne car da sal, do ços pre de a alt à tra con o desco ntentament e -s ou eg Ch . nte sce cre a éri mis a e co fis do e dad aci vor complicada pela a. íci mil da te an nd ma co ao ada tin des ne mesmo a tirar, à força, a car ejas, de igr de s ede par nas os xad afi ns, eti bol dos o açã lic tip Mas a mul

apu em ar nh pe em se a es dad ori aut as ou lev as, nci idê res de e conventos rar O que se tramava. au o r se o de ad us , ac oa sb Li a lv Si s o da g n i m o te D en Foi preso o escrev nCo s. oso ici sed éis pap aos va lha eme ass se ra let sua ror dos boletins, pois

rou liv que o , eja igr a um em s do ra nt co en m ra fo s sto ife man os nov o, tud o acusado das torturas a que estava sendo submetido.

Em conseqiiência, o detido foi libertado, ainda que em sua residência as autoridades houvessem apreendido uma cópia do Orador dos Estados

”. sas nce fra ias idé tas len sti “pe as do en nt co os nt me cu do ros out e ais Ger As investigações prosseguiram e conduziram à detenção do soldado Luís Gonzaga das Virgens e Veiga. Contra ele existia o fato de serem semelhantes as letras existentes nos boletins às contidas em petições por ele feitas às autoridades. Submetido a interrogatório, negou com veemência

ser O autor das petições e dos boletins.

Contudo, o capitão Joaquim José de Sant'Ana, o forrador Joaquim

José da Veiga e o soldado José Joaquim Siqueira

“Fizeram denúncias ao Governador, comunicando-lhe que vi-

nham sendo realizadas reuniões suspeitas no Campo do Dique

do Desterro, próximo ao Convento de Nossa Senhora do Desterro. Delas participavam soldados, alfaiates, pardos, Forros, escravos etc. Vigiadas essas reuniões, puderam ser identificados os respectivos frequentadores que também se encontravam nas Cásas de alguns deles.” (VIANNA, HÉLIO, op. cit., pág. 362.) c E o que pretendiam nessas reuniões? Libertar o companheiro Luís

= An

o

das Virgens e Veiga, porque acreditavam seria obrigado a con-

. ados sion apri am seri os tod a, nci iiê seq con Em . dia ten pre se que O

que tal ocorresse, impunha-se precipitar o levante, a fim de “redu-

continente do Brasil a um governo de igualdade, entrando nele tâncos, pardos e pretos, sem distinção de cores, somente de capacidade

to Caldeira Brant Pontes, depois marquês de Ladislau de Figueiredo Melo, Joa quim Antônio da Silva (comanda nte do forte de Santo Antônio da Barra) » O pad re Francisco Agostinho Gomes, rico senhor de engenho Inácio de Siqueir a Bulcão, José da Silva Lisboa (fu turo visconde de Cairu) e muitos outros qu e nem sequer foram presos,

“À grande maioria dos acusados é parda (66%), sendo 31%

brancos e apenas um negro, este africano da Costa da Mina. Os

homens livres formam a maioria (59%), mas o percentual de escravos (31%) é significativo, sendo os restantes 10% Formados por libertos. A maioria dos acusados é solteira, os casados representando apenas 22% do contingente, cuja idade média é vinte É cinco anos, variando entre um máximo de quarenta e um míni-

mo de dezessete anos. Salvador é o local de nascimento da maior parte deles (66%), mas há os de outras Capitanias o Nordeste (16%), o restante sendo originário do Recôncavo (6%), do Sertão da Bahia (...) É de artesãos a grande maioria dos ou

sados (66%), seguindo-se os soldados pagos de linha (24%), além de quatro letrados, um lavrador de cana, dois suboficiais € doe

tenentes (..)” (JANCSÓ, ISTVÁN, Na Bahia contra o Império — História do ensaio de sedição de 1798, São Paulo — Salvador,

HUCITEC-EDUEBA, 1996, págs. 152 e 153.)

366

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

fossem os ad us ac os e qu ou in rm te de 98 17 de Carta régia de dezembro julgados pela Relação da Bahia.

“Bastaria esta ordem para tirar à Conjuração o caráter de inconfidência, visto que não seria submetida à alçada especial ca-acterística do gênero — o Juízo de Inconfidência.” (VIANNA,

HÉLIO, op. cit., pág. 363.)

Já no ano seguinte foi indicado como defensor dos réus o bacharel José Barbosa de Oliveira, cujos esforços para inocentar os acusados tornaramse inúteis. Em outubro, cumprindo determinações do governador D. Fernando José de Portugal e Castro, o desembargador Francisco Sabino

Álvares da Costa Pinto procedeu ao termo de conclusão da devassa.

Os alfaiates João de Deus do Nascimento, Manoel Faustino dos Santos Lira, os soldados Luís Gonzaga das Virgens e Veiga, Lucas Dantas do

Amorim Torres e Romão Pinheiro e o lavrador Luís Pires, considerados

cabeças do movimento, foram condenados à morte por enforcamento.

Todos eram mulatos ou negros e seriam levados com baraço e pregão pe-

las ruas de Salvador, até o local da execução.

Cumprido o enforcamento na praça da Piedade, os condenados tive-

ram a cabeça decepada e o corpo dividido em quatro quartos, os quais foram pregados em postes colocados em locais públicos. Luís Pires, que havia fugido e nunca foi capturado, conseguiu escapar do pior da justiça (2) colonial. Jamais foi aprisionado Pedro Leão de

Aguillar Pantoja, irmão do possível líder militar do movimento. IgualMente o soldado Romão Pinheiro também não foi enforcado e esquarte-

Jjado: sofreu a pena de degredo para a África, também imposta aos solda-

dos José do Sacramento e Inácio da Silva Pimentel e aos escravos Luís da França Pires, José Felix da Costa, Inácio Pires, Manoel José da Vera eram mulatos ou negros. Semelhante castigo receberam O rd Manoel Santana e o praticante de cirurgia José de Freitas Sacoe o » Ambos mulatos.

Excluíram-se 16 dos suspeitos, na maioria mulatos.

367

“Para os demais, as condenações se abra ndaram. José Com Hermógenes de Aguilar deveriam cumprir s EIS Meses de pris es p Professor Muniz Barreto, um ano, e do; 0 José Ra imundo Barata d passar três anos na ilha de Fernand everia o de No ronha. Cipriano Barata Foi considerado inocente “atendendo 5 ním ia debilidade da

(TAVARES, LUÍS HENRIQUE DIAS, OP. cit., pág. 9.)

Prova,

com veneno quando estava preso. Mais do que nunca se evidencia o interesse das autoridades coloniais na Bahia, em particular do governador, em minimizar a importância e alcance dos projetos libertadores dos conjur ados. Desse modo podemos melhor entender por que o relatório da Relaçã o da Bahia afirmava ter sido a Conjuração obra de “mestiços e pretos forros”, de “indivíduos da

mais baixa e ínfima ordem”,

Apesar dessas diretrizes visando a desvin cular a participação de ele-

mentos da aristocracia branca colonial, os documentos do processo con-

servaram precioso depoimento de Manoel Faustino de Santos ira, Lira, q que

tinha apenas 23 anos:

“Quando os olhos dos baianos / estes quadros divisarem, / e longe de si lançarem / mil despóticos tiranos, / que Felizes, e soberar

nos, / nas suas terras serão! / Oh, que doce comoção. / Experi-

mentardo essas venturas, / só elas, bem que futura s, / preencham

meu coração." (JANCSÓ, ISTVÁN, op. cit., pág. 187.) :

O sonho de liberdade não se apagou, não obstante a

:

,

Fracassou a Conjuração Baiana, contudo a crise do sistema co

colonial.

ni

ten

jal e 0? deu a se aprofundar em face do impacto da Revoluçãox IndustNê Revolução Francesa. Logo, a libertação da dominação colonial “] deixaria". de ser um sonho para Sé tornar uma realidade para O Brasil.

368

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

am rn Pe o çã lu vo Re na eu lv vo en se e qu , ta ra Ba Foi o caso de Cipriano

o nt me vi mo do il civ e ef ch ro ei ad rd ve no pucana de 1817 e se constituiu vw o. rt Po do o çã lu vo Re à o oi ap em , 21 18 em a, hi Ba na iu od que expl

já a, oj nt Pa ar ll ui Ag de o sc ci an Fr es en óg rm He Nessa ocasião morreu

o. dr Pe o Sã de te for do o nd ma co O o nd ce er ex e r jo ma de o no post s, me o Go nh ti os o Ag sc ci an Fr m co te en am nt ju , 21 18 de Ainda no ano outro participante

Baiana,

da Conjuração

Cipriano Barata, foi eleito

dis os ad am fl in ou ci un on pr es rt Co as ss Ne . oa sb Li de es rt Co às deputado

s ai qu as , sil Bra o ra nt co as ad ot ad es iz tr re di s va si es pr cursos contra as re s, paí o ss no ao do an rn to Re . 22 18 a de ci ên nd pe de in a do an er el ac m estava continuou defendendo as idéias liberais até a sua morte, em 1838.

D) A CONSPIRAÇÃO DOS SUASSUNA (1801) sse episódio do alvorecer do século XIX é pouco conhecido porque

documentos esclarecedores do movimento são escassos. Qual a razão dessa escassez?

Devem ter sido destruídos, uma vez que a conspiração envolvia ele-

mentos pertencentes à aristocracia rural pernambucana: os Cavalcanti de

Albuquerque e os Suassuna. “Sua

importância advém apenas do fato de comprovar que, já

no primeiro ano do século, a aristocracia rural pernambucana estava conscientizada da possibilidade de promover mudanças e de

tentar executá-las.” (ANDRADE, MANUEL CORREIA DE, 0p. Cit., nº 4,

pág.

9.)

o ism min Ilu do ias idé as al, oni col so ver uni no , que ar neg Não se pode no impacto da Revolução Francesa continuavam a estimular conspiras0€s e eventos de contestação ao sistema colonial. Não obstante a violência da repressão colonial, começava a desmorodar a dominação ibérica no continente americano.

Às elites coloniais igualmente eram estimuladas pelo sucesso da guer369

processo revolucionário europeu

sa atordoou

a todos, na Europa

ISTVÁN, op.c it., pág. 172.)

e na América” (JANCSÓ

belião no mundo colonial. Igualmente a cr iação de lojas maçônicas, verdadeir as caldeiras de difusão de idéias e eventos revo lucionários, serviam

para animar projetos de pôr fim à dominação colonial. Assim ocorreu na capitania de Pernambuco, quando, em 17 96, surgiu

O Areópago de Itambé, fundado pelo botânico Manoel Arruda da Câmara. Estudara filosofia e ciências naturais na Universidade de Coimbra, indo posteriormente para a Universidade de Montpellier, onde concluíra o curso de medicina. Estudos recentes, empreendidos sobretudo por José Antônio es salves de Mello, contestam a existência do Areópago, afir mando até q Arruda *

A

a

2

da Câmara não pertencia à Maçonaria.

“Parece, todavia, que essas sociedades, organizadas em forma de areópagos ou academias, não se enquadravam na estrutura das lojas maçônicas. Eram núcleos, necessariamente secretos, em Fa-

ce de sua Finalidade emancipacionista e da opressão do aparelho repressivo colonial, mas, sem apresentarem a configuração esp*”

Cífica das organizações maçônicas, tendo uma finalidade clara €

precípua, que era a da libertação nacional, a da extinção do colo

nialismo. Outro fato que veio contribuir para a propagação a 370

Ê

U

APOGEU E CRISE DO SISTEMA COLONIAL

is ró he de a ol sc 'e la ue aq , da in Ol de o ri ná idéias novas (..) Foi o Semi em ho in ut Co o ed er Az de a nh Cu da sé Jo D. o sp Bi lo pe a ad (..) fund

.” as ít su Je s do o gi lé co e ja re ig ga ti an na , 00 18 de o 16 de Fevereir

o çã za li vi ci da l ra ge ia ór st Hi in , O (QUINTAS, AMAR so es oc pr “O 1; . vol ”, co ui rq ná mo brasileira, tomo II: “O Brasil

de emancipação”,

BUARQUE

DE

HOLANDA,

SERGIO

) 9. 20 e 8 20 . gs pá , 62 19 L, FE DI o, ul Pa o Sã , (org.)

mafor ta jun a um por a ad rn ve go ão ent era co bu am rn Pe A capitania de po bis o pel , újo Ara de co bu Na m ui aq Jo é Jos r do ga ar da pelo desemb

in. ver Spe ro Ped a dr ua sq -e de eef ch o pel e ho in ut Co o Azered Na noite de 21 de maio de 1801, a junta governativa foi cientificada ou in rm te de e nt me ta ia ed Im . ime reg o tra con no pla um de a nci da existê

|

|

a prisão dos irmãos Luís Francisco de Paula e Francisco de Paula Caval-

canti de Albuquerque, pertencentes à aristocracia rural açucareira. O denunciante levara ao conhecimento de Antônio Manoel Galvão, juiz de

fora de Olinda e Recife, o que se tramava, o qual logo comunicara ao governo o ocorrido. Aberta a devassa, apurou-se que José Francisco de Paula Cavalcanti de

env iaLi sb em oa , re e si de nt e de nu doi nc s do ia s do s ir mã o Albuquerque,

ra correspondência noticiando vitórias da França e da possibilidade de Napoleão Bonaparte apoiar movimento de libertação em Pernambuco.

José Francisco conseguiu fugir para Londres, tendo mais sorte do que os

numerosos encarcerados em Pernambuco, que, além de presos, tiveram Seus bens confiscados € ficaram incomunicáveis. Por volta de oitenta pessoas foram ouvidas, mas O processo se encerpar To 4 sem que as denúncias fossem comprovadas.

“Dizem que o escrivão Fonseca [na realidade o Bacharel José Francisco Maciel Monteiro] foi subornado por quatrocentos mil réis, a Fim de destruir uma carta comprometedora. Acusa-se o padre português, José Laboreiro, de ter sido o intermediário e que em suas mãos haviam corrido “rios de dinheiro! (..) Uma reflexão sobre 05 Fatos nos leva a levantar a hipótese de que, ligadas aos irmãos

371

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Cavalcanti de Albuquerque, poderia estar

de pessoas de posses e de bom relaciona me nto Social e que estas pessoas tenham obtido os 'rios de dinhei ro do suborno e Conq uis. tado a simpatia das autoridades, a fim d e d ar

0 caso Por encerra .

IA DE, Op. cit . pág. 93)

Em consegiiência, em janeiro de 1802, o pr ocesso foi Ence rrado, os presos libertados e seus bens restituídos. No mesmo ano fechou-se o Areópago de Itambé; contudo, novas aca: cretas multiplicaram-se, com a Academia dos Suassuna. As idéias de liberdade, inde pendência e república continuaram a se expandir, culminando na Revolução de 1817.

CAPÍTULO 12

O Ã S R E V N I A DO SISTEMA

COLONIAL

12.1. E A CORTE CHEGOU: A PRESENÇA INGLESA apreda ain , XIX ulo séc do cio iní e I II XV ulo séc do s fin em perea, sentava um perfil socioeconômico findamentado em valores aristocráticos, fruto da postura parasitária de sua classe e estamentos feudais tesis ao a ost imp a ist til can mer o açã ent ori uia seg do ta Es O s. nte domina impulfil per e Ess . ole róp met à os urs rec ma colonial visando a assegurar liem , que , uês tug por al oni col o éri imp do ão aç ur ut tr es a a Slonou tod m co e ent alm eci esp mo, íti mar io rc mé co no e a-s eav bas has gerais,

as

ideb a a: nci ivê rev sob de e ol óp tr me a ver pro a par Índias, como condição

as de tom sin ros cla va nta ese apr sa ue ug rt po a ic ôm on ec ura rut est da lidade

decadência. Ou seja, diante da limitação de sua agricultura em satisfazer às demandas de seu mercado consumidor, a importação de víveres torlon ao ão, ans exp € o nt me vi ol nv se de o mo co m be dOU-se uma constante,

80 de seu processo histórico, de uma agricultura, priq ncipalmente de vi-

n t

idas

ão. aç rt po ex ra pa a ad lt vo ão uç od pr m ee oliveiras, co se do ão iç os sp di a s um mo ra nt co , en ca ti ís er Aliada a esta última caract

rural, O que não rio etá pri pro em r tui sti con se em s uê ug rt po Or mercantil o

A

.

3/3





e

A

OOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

somente tornava o espaço urbano uma simple s extensão da agrária, ao assumir prioritariamente funções merc antis ea dm

Omi

Dessa forma, as cidades portuguesas não se tornaram Areas ns

desenvolvidas as atividades industriais, ficando

é fossem

to realizado em pequenas e médias oficinas. Assim, percebe-se a e dependência dessa estrutura econômica em relação às grandes pois econ

ômicas da época, em especial à Inglaterra , responsável por atend às demandas do mercado português.

"

“À colonização ultramarina transformou-se em condição de

possibilidade para a existência desta es trutura. Como resposta

Feudal à grande crise por que passava a ec onomia e sociedade

portuguesas, a Expansão Marítima e a ulterior colonização mo-

dificaram a antiga sociedade lusitana para preservá-l a no tempo. Eis aqui o papel da transferência da renda colonial para a Metrópole: o surgimento e manutenção de uma estrutura parasitária, consubstanciada em elementos como a hipertrofia do

Estado e a hegemonia do Fidalgo-mercador e de sua contrapar-

tida, o mercador-fidalgo. “O Estado português surge como variável central para a reiteração deste panorama parasitário (...) Já desde o século XVI cerca de

65% da renda estatal provinha do tráfico marítimo, perfil que permanecia durante a segunda metade do século XVIII. Este dado denota que o Estado não se nutria da renda Fundiária que, por consequência, passava às mãos da aristocracia e do clero, reforçando à

agricultura tradicional.” (FRAGOSO, JOÃO e FLORENTINO; MANOLO, O arcaísmo como projeto: mercado atlântico, wi:

de agrária e elite mercantil no Rio de Janeiro, c. 1790-€. 1840, Rio de Janeiro, Diadorim Editora, 1993, pág. 26.)

cava Por Essa relação e estreita dependência ao mercado externo colo época; é tugal, portanto, na órbita da grande potênc ia econômica Ni encon” Inglaterra. Tal situação decorria do fato de a economia Jusitanê trar-se na fase mercantil em que a circulação predominava sobre à

produ

,

|

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

ção,

isa, st li ta pi ca se fa na va ra nt co en se já a es enquanto à economia ingl dução se sobrepondo à circulação.

erra não era at gl In o à çã la re sa em ue ug rt ão po aç in rd bo su de A posição sde ar de st fe ni ma se do a ça me co a vi ha a el I, II XV lo cu sé o isa de fins d

co

|

o ad at Tr o m co e nt te pa u co fi o çã si po sa es o tratado de 1654. Contudo, ipr r te a am ar ss pa os ic ân it br os ut od pr os do an de Methuen, em 1703, qu : s e u g u t r o p o d a c r e m o n vilégios de circulação

|

(..) o mercado metropolitano luso era franqueado aos panos

|

, ole róp met da s avé atr , luso al oni col o cad mer o o britânicos, com viaos o ead nqu fra era lês ing o cad mer o que po tem o sm me o

nhos que os ingleses Fabricavam em Portugal, tudo transportado em navios ingleses e, consequentemente, drenando para a Inglaterra o ouro remetido pelo Brasil. (WERNECK SODRÉ,

NELSON, Formação histórica do Brinsil, op. cit, pág. 142.)

Os laços econômicos entre esses dois países tendiam a se fortalecer cada vez mais em decorrência da conjuntura de fins do século XVIII: crise da produção aurífera e a Revolução Industrial. À crise, em especial, gerou a emergência de revoltas nativistas devido ao distanciamento dos interes-

ses da classe dominante colonial. Tal distanciamento é percebido princiPalmente em seu setor ligado ao engenho de açúcar, por colocar em evi-

dência, com a redução da produção de ouro, a difícil situação do açúcar que concorria com a produção antilhana.

Com a Revolução Industrial e a substituição da lã pelo algodão como

Matéria-prima utilizada pela emergente indústria têxtil britânica, intensi-

ficam-se ainda mais as relações comerciais entre Brasil e Inglaterra. O Produtor brasileiro pôde se beneficiar da situação, apesar da concorrênCia do similar norte-americano, ao mesmo tempo que aumentava à de-

Pendência da Coroa lusitana ao capital britânico. Nessa conjuntura, cres-

cam as pressões tanto de forças externas quanto internas para se pôr fim col, Brasi o o etid subm va esta que a l rcia come lio opó mon “O regime de MO forma de facilitar o acesso ao mercado da colônia.

Ficava claro, diante do quadro exposto, a frágil situação de Portugal "à passagem do século XVIII para o XIX. E se não bastasse, à França,

312

SULICUALO

DNAVILCIAA.

UMA

MOoTUNIA

uma recente república burguesa, bu scava se afirmar no co

peu fazendo frente ao poder econômico inglês, i mpondo

tmental através dos decretos de Berlim (1806 dos a essa conjuntura, havia, na composiçã grupos políticos: um, liderado por Antôni

Ai

dinente Curo. O Bloqueio

“(U8Al, dois

pois acreditava que dessa forma evitaria retaliações por parte desta, ten. do em vista que desde o Tratado de Methuen ( 17 03) a dependência da Coroa portuguesa vinha em processo crescente. Diante

desse

quadro

interno,

portanto,

a política externa lusitana

apresentou caráter ambíguo, o que permitiu a preserva ção da integrida-

de do Império até 1808, quando Portugal foi invadido pelas tro pas napoleônicas em resposta à fragilização da eficácia do Bloqueio Continental. Entretanto, precavidamente, a Coroa portuguesa, em 22 de outubro de 1807, assinou a Convenção Secreta de Londres concedendo grandes var tagens comerciais à Inglaterra, que, em troca, garantiria a transferência da Corte para o Brasil em caso de conflito desta com a França. “Por esse acordo, o Governo Inglês colaborava na transferên-

cia da Monarquia Portuguesa para o Brasil, ampliava suas forças

navais com unidades portuguesas, obtinha uma base militar ê Ilha da Madeira, um porto Franco na Ilha de Santa Catarina e privilégios comerciais no Brasil. À cláusula referente a Santa a rina inscrevia-se no projeto inglês de dominação

comercia! 0º

Rio da Prata e que já havia motivado duas tentativas de ocupe ção de Buenos Aires e de Montevidéu, em 1806 e no ano segui

te. (ALBUQUERQUE, MANOEL MAURÍC/ IO DE, 02: * 1 págs. 252 e 253.)

didos a a Essa convenção objetivava satisfazer aos interesses ingles es alu

pelo ministro britânico Pitt, o bservando que:

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

eBr ãGr a o tã en a, ic ér Am na al ug “Dolocado o trono de Port

e .) (.. o ri pé Im o ia ar nt me au , do ia al go ti ranha, junto ao seu an s ro ei ad rd ve us se s do e nt ra no ig ), il quando ele [o príncipe do Bras , ça an Fr da s ca fi cí pa s õe iç os op pr s interesses OU corrompido pela ar mb se de rá fa ta es , ha an et Br ãGr da s não anua às proposiçõe

rpa da a um ), ic (s rá Pa no a tr ou , il as Br no a um , es sõ va in e es qu r mais

ga lu e el qu na , te en po do e rt pa te do nascente, outra da ci ín pr o e qu el ív cr é o nã s Ma o. oportuno para mantença do tron

te en id ev o, an pl o im ss tí an rt po im ao r ui pe do Brasil deixe de an an rt po im se es e sd De .) (.. ha an et Br mente demonstrado pela Gra-

ha an et Br ãGr a e l Su do a ic ér Am da o ri pé Hesimo momento, o Im

um s ia nc tê po as du s ta es o nd ze fa e, ficarão ligados eternament , N O S L E N , É R D O S K C E N R E W d pu (A ” comércio exclusivo. ) 2. 21 e 1 21 g. pá ., cit op. , il as Br do a ic ór Formação hist

o, Joã D. ão, teç pro da ca tro em o ad rm fi do or ac ao do Assim, obedecen

ia rég ta car a um u ino ass s, uê ug rt po al oni col o ri pé príncipe regente do Im

res ia diz r teo o cuj ia, Bah na r rta apo ao , 08 18 de o eir jan de datada de 28

peito à abertura dos portos brasileiros às nações amigas.

l rea a nh mi à ir sub e est fiz e qu o çã ta en es pr re à o “(..) Atendend

des io rc mé co 0 so en sp su e do pi om rr te in r ha ac presença sobre se

a nh mi da e os al ss va us me dos zo uí ej pr e av gr m co a ni ta pi Ca ta as da ci ân st un rc ci as ic bl pú e as tic crí s da o zã ra em a, nd Real Faze

proma gu al eto obj te an rt po im e est e br so dar Europa, e querendo danos: s tai de o ss re og pr o ar or lh me de z pa ca e , ta on pr ia vidênc

con não to an qu en e, nt me ia or is ov pr e na eri int r na de or o sou servid ma s te an lh me se ule reg te en am iv et ef e qu al ger a em st si um solido térias, o seguinte. Primo: que sejam admissíveis nas Alfandegas s ia or ad rc me € , as nd ze fa s, ro ne gê r ue sq ai qu e s do to sil Bra do transportadas, ou em navios estrangeiros das potências que s€ em ou a, ro Co l Rea a nh mi a m co ia on rm ha e z pa em m va er ns co

por ro at qu e te vin a ad tr en por o nd ga pa , os al ss va us me dos ios nav

377

QULICUAVE BRASILEIRA. UMA MISTÓRIA

cento; a saber: vinte de direitos grossos,

estabelecido, regulando-se a cobrança de

das ditas alfândegas, ficando vinhos e as aguardentes e azeites do

ces, que se denominam molhados, pagando o do bro dos direi. tos, que

até agora nelas satisfazem. Segundo: que não s Ó

05 meus

vassalos, mas também os sobretidos estrange iros poss am expor. tar para os portos, que bem lhes parecer a benefí cios do comércio e agricultura, que tanto desejo promover , todos e quaisquer gê. neros e produções coloniais, à exceção do pau-brasil, ou outros notoriamente estancados, pagando por saída os mesmos direitos já estabelecidos nas respectivas Capitanias, Fica ndo entretanto, como em suspenso e sem vigor todas as Leis, Cartas Régi as, ou outras Ordens, que até aqui proíbam neste Estado do Brasil 0 recíproco comércio e navegação entre os meus vassalos e estran-

geiros (..)” (Apud CASTRO, THEREZINHA DE, História

documental do Brasil, Rio de Janeiro, Distribuidora Record de Serviços de Imprensa, 1968, págs. 98-99.)

Esse documento demonstra claramente a subordinação passiva da Coroa lusa ante os interesses britân icos em relação ao mercado pn

ro, ao permitir o ingresso neste de qualquer produto GpmebicoE e

país com o qual estivesse em paz e harmonia, pagando uma tarifa bém degária de 24%. Com essas medidas, D. João pretendia garantt; a NA

O suprimento de bens necessários à monarquia, tendo em ns É ar mento dos portos metropolitanos. Iniciava em 1808, na prátice; P

to, O rompimento do regime do Pacto Colonial para o Brasil.

NA

Nesse mesmo ano, dando prosseguimento à remoção dos a assicoloniai s como meio de atender às necessidades da Corte, D. e

nou, já no Rio de Janeiro, o alvará de 1º de abril, que conc dade para a indústria:

: Eu,

o Prínciape Regente, faço saber aos que O presente virem: que desejando promover e adiantar a riqueza: nac / i O]

ú

Alvveará

:

|

o

ia sendo um dos mananciais dela as manufaturas e a indústria:

3718

que

RB

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

multiplica

os ut od pr e s ro ne gê s ao r lo va is ma o dã e am or lh me e m

e qu o nd da o çã la pu po a am nt me au e s, te ar s da agricultur a e da fazer à muito

imu a ia nc tê is bs su de s io me do en ec rn fo e s braços,

vís ao m ia ar eg tr en se s le de ta Fal por e qu s, assalo e qu os ul ác st ob os s do to r ve mo re do in nv co E e: ad «cid

o id rv se u so s: to ei ov pr os os aj nt va o tã ar podem inutiliza r e Frustr ei sp re te es a a haj e qu o çã bi oi pr abolir, revogar toda e qualquer ore , os in ar am tr Ul os ni mí Do us me s no +o no Estado do Brasil e ass va us me s do er qu al qu a ito denar que daqui em diante seja líc o do to r ce le be ta es m, te bi ha e qu em ís los, qualquer que seja O pa tra us se o nd ze fa , ma gu al ar tu ce ex gênero de manufaturas, sem is ma e qu , em er nd te en mo co , de an gr balhos em pequeno, ou em o nc ci de rá va Al o ar og rr de m be r po lhes convém, para o que hei Leis r ue sq ai qu € o, nc ci e a nt te oi e os nt ce te de janeiro de mil se exe ss ze fi s la de se mo co m, da ci de o ri ou Ordens que o contrá

o ri rá nt co em Lei da o rg ba em m se , pressa, e individual menção

.) 96 g. pá ., cih 0p. , DE HA IN EZ ER TH , RO (.).” (Apud CAST

co ti lí po ro nt ce a ão aç ev el a com l Brasi Essa nova situação vivida pelo de nças muda -Jhe uxe tro uês tug por al oni col o éri administrativo do imp

cenário, pois iniciava aí o fim do período colonial, que oficialmente só ocorreria 14 anos mais tarde. Era uma região de poucos habitantes. Sua gição tra cen con cuja s, soa pes de s hõe mil três em da população era estima

tava em torno de 0,3 habitantes por km.

sonão ido duz tra o uls imp e fort um tou rre aca A transferência da corte

mente em maior fluxo comercial, mas também em aumento da popula-

São, pois somente com a transferência vieram para O Brasil entre dez e 15 à circulaa par , bém tam u, bui tri con ca íti pol a tur jun con a Ess s. soa oi pes

ção de novos padrões de comportamento e idéias. Houve,

com a ial itor terr ão ens ext sua em a partir de então, alteração

Uruguai. do al ent Ori da Ban da e sa nce Fra ana Gui da 9, 180 em Er do nde Gra Rio to, San to íri Esp o -se vou Norte mos administrativos, ele

as po

s ada cri am for o com bem , mas ôno aut s nia ita cap anta Catarina a

de Alagoas e de Sergipe.

instalação do corpo burocrático na cidade do Rio de Janeiro atraiu pa-

ai)

IR

e

QULICUAVE DARASILCINA. UMA FISTURIA

ra si um grande contingente de pessoas, fazend o co M que on 7 bitantes da cidade, em dez anos, saísse de cing

ienta mil para E

de ha.

O € dez mi,

na, no Rio de Janeiro, a camada Funcionári a e Faminta de em. pregos, sob o patrocínio do estado-mai or de domínio, reunindo explorados e exploradores no mesmo solo. O nascente antagonismo entre colônia e metrópole quebra-se so b a mole devora. dora de fidalgos, concentrando a soberania, a velh a e a emer.

gente, sob o trono. À nobreza burocrática defronta-se aos proprietários territoriais, até então confinados às Câmaras, em bus-

ca estes de títulos e das graças aristocráticas (...).” (FAORO,

RAYMUNDO, 09. cit., pág. 249.)

Era uma situação ímpar, que privilegiava o Brasil. A instalação da Corte obrigou a adequação da Colônia ao seu novo status, de fato € o de direito ainda, de centro do poder português. Faoro chama a atenção

para o caráter burocrático da nobreza, bem como a disposição de brecimento dos proprietários territoriais. | À transferência da Corte para a cidade do Rio de Janeiro deu, tam novo impulso ao porto, devido ao aumento da entrada de ne

eno é e E

plantando até mesmo o período da mineração. João Fragoso € ca dê Florentino estimam que entraram no Brasil, pelo porto aa

ndo te-

9.600 escravos, em 1808. Essa estimativa cresceu em 1802, ps

riam entrado cerca de 13.170, passando em 1810 a 18.700, Sd eem 1811 seu ponto máximo, com 23.200. A partir de 1812 P e atil

crescer para 18.330, em 1813 para 17.390. Em 1814 esse pa Blu apenas a casa dos 15.370 escravos. Se para a economia do Brasil o momento era de impulso i

â

enormemente aqueles que mantinham relações comerciais, O

se pode dizer da economia portuguesa. D. João preocupav””. ; ca Ita | bem da Corte, mesmo que isso representasse O benefício do

cap

0”

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

io rc mé Co de o ad at Tr o o, id nt se e ss Ne . al ug as em detrimento de Port

tara er at gl In à eu ed nc co do an qu ão de 1810 dá a real dimensão da situaç s no ta si lu os ut od pr os ra pa to an qu en rifa alfandegária de 15% ad valorem,

D. , da di me a ess m Co . 16 18 até m si as do en ec an rm pe %, 16 de a tarifa era com a assinatura do

a ri st dú in à do da o iv nt ce in O a ic át pr João anulou na

. 08 18 de il abr de alvará de 1º

l rea a li mí fa da a nd vi a e qu , ro ad qu e ss Podemos concluir, diante de

do ca ti lí po o çã pa ci an em de so es oc pr o ou para o Rio de Janeiro aceler à al ug rt Po de a ic ôm on ec a ci ên nd pe de de Brasil. Além disso, OS vínculos quado s re do ni fi de s re to fa s te an rt po im em Inglaterra constituíram-se

ar nt me au ra pa am ír bu ri nt co do la um r po se is po , dro político brasileiro

o sm me a, ni lô Co da o rn te in o ad rc me o fluxo de capital circulante no a um de ão aç rm fo a o id ib in a nh te ão Jo D. que a política econômica de m ra la ui iq an o tr ou r po a, ic ôm on ec o çã pa ci an em conjuntura favorável à s seu ar co es ra pa ço pa es is ma e tev o nã e qu , sa ue ug rt po a débil indústria produtos após a abertura dos portos, em 1808. ole róp met à , opa Eur na rra gue da fim o com o sm me Dessa forma, dição con à o orn ret o il Bras ao or imp de ões diç con e tev não portuguesa to Pac de ime reg do ção osi imp a nte ame nov va ica nif sig que o a, de colôni Colonial. A situação tendeu a favorecer mais ainda a emancipação polítide ão diç con à a par o eir sil bra tus sta o se oumud ca, quando, em 1815, Reino Unido de Portugal e Algarves. Com isso, passou à ser questão de

tempo o rompimento dos laços de subordinação a Portugal.

12.2 . A AMPLIAÇÃO DO IMPÉRIO PORTUGUÊS NA AMÉRICA À) A CONQUISTA DA GUIANA FRANCESA “Os homens pacatos têm suas veleidades belicosas. Escreveu

com sobeja razão Alphonse Daudet, ao delinear o seu típico Tartarin de Tarascon, que em todo homem coexistem O leão e o coeão iaç var na o: seg sos de to íri esp o e ras ntu ave das to tin ins lho, o s. nto ame per tem dos ão iaç var a r idi res e dev que é s çõe das propor

Não Fazia D. João VI exceção a essa regra psicológica e, o que

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

melhor é, com favonear [o mesmo que Favorec er] os desejos ré. gios da consorte, satisfazia ambos os sentimentos em conf] ito ín . timo: o prosaico, libertando-se da mege ra que O atormenta Va, E 0

idealista, realizando um velho sonho real port uguês, o de re Unir descobertas debaixo do mesmo cetro. Ássevera o espanh ol sas, pelo próprio Príncipe Regente posto ao serviço

as

Pre.

(...) que, afigurando-se-lhe perdidas as esperanças sequer da sol. tura do monarca legítimo, resolvera D. João apresentar a esposa as colônias espanholas e ao mundo como a nat ural herd eira da

Coroa de Don Fernando.” (OLIVEIRA LIMA, M. DE, D om João VI no Brasil (1808-1821), Rio de Janeiro, Tipo grafia do Jornal

do Comércio, 1908, vol. I, págs. 284 e 285.)

O severo depoimento anterior evidencia, em parte, um retrato cruel do

príncipe regente, o futuro D. João VI, e de sua consorte, a futura rainha

Carlota Joaquina. Espanhola de nascimento, era irmã de Fernando VII, rei da Espanha, que havia sido deposto e aprisionado por Napoleão Bonaparte, imperador dos franceses. ] No trono espanhol passara a reinar José Bonaparte, irmão de Napoleão, usurpando os direitos legítimos da dinastia Bourbon, desde 1701 reinante. Em guerra contra a França revolucionária, tendo a cobertura da pd dra inglesa, que até transportara a Corte para o Brasil, e MB circunstância de que o poder naval francês fora destruído na bat

EE

Trafalgar (1805), D. João pôde levar avante antigos projetos pi as fronteiras coloniais brasileiras ao norte e ao sul. Ania por Abstraindo-se discussões sobre questões de limites entre à Ra oitotuguesa e a Guiana Francesa, partiu do Grão-Pará uma EXPpapas

centos homens comandados pelo tenente-coronel Manoel en

s, apoia

dos por uma flotilha inglesa, que se apoderou da Guiana Francesa

Essa ação militar havia sido planejada, alguns anos ana

Londres, como parte de operações militares previstas Fs

e

deria ser usada para reconquistá-las aos ingleses, 09 qual> a Mdram com notícias sobre intensiva fortificação de Calend

JA

Napoleão: tendo a França perdido as suas Antilhas, à euro

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

era um ho, tin Cou a uz So or ad ix ba Em o ou lic exp mo déia inicial, co nFra a ôni col da s çõe ica tif for as r asa arr de do nti plano inglês no S€ do sen , que do mo tal de (...) s to la mu e os gr ne e d a l á i z a v s e , a s ce cas so en im tar gas em sse ita hes a est ça, ran F preciso restituí-la à

que o , ana Gui a te en am ic om on ec e ar lit i m r Ledais para refaze vi m u e d — á r e a t P n o e m a t a x e poderia livrar Portugal — ou mais lo pe a di en et pr e qu a ir te on Fr a zinho incômodo, garantindo-lhe e ia om on Ec , N O I R A M A L F O R I C Oiapoque.” (CARDOSO, rá Pa € sa ce an Fr na ia Gu s: ca ri sociedade em áreas coloniais perifé ) 4. 15 g. pá , 84 19 l, aa Gr s õe iç Ed (1750-1817), Rio de Janeiro,

e qu O , na ma se a um a se uzi du re Acontece qu e a resistência francesa e -s ou rn to sa ce an Fr na ia Gu a : is ia ic timulou a mudança dos planos in á. ar -P ão Gr do o rn ve go ao o id et bm su ritório des da ri to au as e, ns ne ia gu ia ac cr to is ar da o oi ap Visando a cooptar o e e ad ed ri op pr de o it re di o m ra ta ei sp re timularam o tráfico negreiro,

€s-

ter-

esde-

colônias m co ém mb ta s ma , sil Bra o m co só o nã io rc senvolveram o comé inglesas nas Antilhas.

coloniais: estruturas antigas as mantiveram-se suma, Em

da e st de su do € ra ei st co ão gi re à m va ta mi li “as plantations se

pees ss po ou es ad ed ri op pr as aí, o sm me , as ad ur colônia — mist

te es ro no l ora lit O do to to an qu en —, os quenas de brancos libert era domínio da pecuária extensiva e de uma agricultura parcelá-

N, IO AR AM FL RO CI , SO DO AR (C ” e. br po te ria extremamen op. cit., págs. 186 e 187.)

ar s o t u d o r p de , ão uç tr ns Co a ra estacava-se o comércio de madeir pa € ia nd -í da oav cr , fé ca u, ca ca o, dã go al , os rs ve di s ai im an e es av s, anai *

D

tes

1

&

»

*

a

Z



Urucum.

ci in pr no a ad se ba a n e i V E E 1817, cumprindo decisão do Congresso de Pio à sa ce an Fr a n a i u G a u ui it s st re uê ug rt o po eo à legitimidade, o govern Is XVIII, então reinante na França.

383

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

B) A CONQUISTA DA COLÔNIA DO S ACRAMENTO NI

ais complicada foi a incorporação da anti 8a colônia do Sac to, motivo de inúmeros conflitos entre as Coroas ibéricas. De longa data, os governantes de Lisboa consi deravam

Fâmen.

ilegal existia a ação e os produtos ingleses. Com

a incorporação de Mato Grosso e de re giões interioranas dos

atuais estados de Santa Catarina e do Paraná, au mentou o interesse luso pela livre navegação pelos rios platinos. Contudo, desde o Tratado de Santo Ildefonso (1778), a co lônia do

Sacramento ficou sob domínio espanhol, integrando o vice-reino do Prata.

A Revolução Francesa, porém, colocaria as questões platinas como fo-

co de interesses conflitantes.

Em plena Revolução Industrial, o governo inglês, em guerra contra à

Espanha então aliada da França revolucionária, por duas vezes tentou conquistar Buenos Aires e ampliar seu comércio no rio da Prata. Às forças inglesas foram derrotadas em 1806 e 1807. Entretanto, a deposição de Carlos IV e Fernando VII por Napoleão

Bonaparte abriu caminho para a rebelião dos platinos. Pretextando Ee lidade à dinastia Bourbon, os platinos depuseram o vice-rei espanho criaram uma junta de governo sediada em Buenos Aires (1810).

“Na Banda Oriental (Uruguai) (...) José Gervásio Artigas ga ao partido espanhol, à cuja testa se encontrava O comandante é guarnição e Montevidéu, General Elio, apoiado do Rio de Janeiro pé

la Princesa-Regente espanhola Carlota Joaquina (..) Artigas, que 00” (.) tava com a coop eração da recém-organizada marinha argent umã ; r pôde ganhar o controle do país. Mas os seus planos de adote rande —-

=”

|

E Forma: republicana de governo e dar 3 Banda Oriental DZ | de autonomia, não se coadunavam com as idéias de medida

inê

u

a

an

Aires, a qual, por sua vez, apelou para Carlota Joaquina, gs tando auxílio contra Artigas. Na guerra que daí resu ltou, (..) o Brasi! 2

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

, R E Z O D ( . 21 18 em na ti la sp Ci a ci a Banda «ob nome de Provín perspectiva

a m U — na ti La a c i r é m A , D N SONALD MARQUA

) 6. 20 g. pá , 66 19 P, US ED oob Gl a or it wistórica, POItO Alegre, Ed

s o n e u B de o n r e v o g do , a h n a Esp da I, VI o d n a n r e F de to es Houve prot m verdade

e b E . a d i t n a m i fo o ã ç a x e a an s a m a, ic ân it br a o r o c da e s Aire derados

li , is ta or im 33 os , 25 18 em que por pouco tempo:

por Juan

nco e nt me so a, ci ên nd pe de in pela ta lu à m ra ma to re a, ej ll va La Antônio quistada em 1828.

S I A R U T L S U E C Õ Ç A V O 12.3 . AS IN e ad ed ci so à es nt zo ri ho s vo no u ri ab instalação da Corte no Brasil r se m se as er id ns co os ad eg ch mbrasileira. Embora muitos dos recé mi s õe iç nd co r ia cr l ta en am nd fu a er provisória a estada na então colônia,

a da ga ri ob ra fo e qu s se ue ug rt po de a ss nimas para a vivência daquela ma . il as Br te an st di o ra pa ar aj vi e s ra ei rr ca embarcar às ind co s da s ua ág de r so vi di um e nt me al re O ano de 1808 representou il conas Br O , to fa de , ue rq po é at , ra ei il as br e ad ções em que vivia a socied 177e7-

a um te en am iv et ef i Fo s. uê ug rt po o ri pé im verteu-se em centro do o ad in rd bo e su -s ou rn to al ug rt , Po co ti lí po a st são colonial: do ponto de vi

neiro. Ja de o Ri do de da ci na a ad al st in à monarquia , al re a li mí fa à ar oj al ma le ob pr um i fo e a, st de Esta era uma cidade mo

da ia cr sa ro me nu e o er cl do s to en em , el os ri ná io nc figuras da nobreza, fu do al it ed te an di me es ar ul ic rt pa s ao s da -se casas, toma gem. Requisitaram o

ane

m va ta ns co al it ed e st Ne a. di ra mo pregado à porta principal da

ra bo em a, ru na se anh po mo co iu uz ad tr P, R., que o carioca

assem príncipe regente. cafi di mo € s do va no re s, ai ur lt cu s re lo va e es Os costum eine

= ie

se an tr es os tr ou s Ma s. se ue ug gimçãs de mais de dez mil port

O e tistas dieplomatas

am negombciémanthoeNãsuvo,e pagoriu-

ta s Ma s. re ta li mi “OS vieram bio ar l suími is do de is ma de de foi | so ca o | nos, como foi Cultores, , artesãos e até colo o. ir ne Ja de o Ri do do ta es l ua at no , Sos que fundaram Nova Friburgo

ma

a

a Do cosa op pn

Ros

DEE O

E

DO

E

O

NNE!

O crescente interesse pelas possibil idades do buiu para que se multiplicasse o nú mero de

das, Auguste de Saint Hillaire e tantos outros. De capital importância foi a inauguração da Real Biblioteca, atual Biblioteca Nacional, na cidade do Rio de Janeiro. A renovação ganhou no: vos impulsos com a abertura do Teatro São João e da Imprensa Régia, que daria início à publicação de livros e jornais ligados ao go verno. Assim

é que, em setembro de 1808, saiu a Gazeta do Rio de Janeiro, primei ro jornal publicado no Brasil. Mas a Imprensa Régia, futura Imprensa Nacional, também editou cerca de 1.250 publicações.

Ainda que seja dificil determinar sua influência sobre a sociedade Ta e

que sua circulação foi proibida —, deve ser citado o Correio Braziliens editado em Londres por Hipólito José da Costa. | aero

A multiplicação de tipografias pelo país incluiu a publicação api

de medicina, economia política, geografia, engenharia., dirpeleito,



filosofia,

agricultura, literatura...

Anfica ceu sua segunda fase, também conhecida como e pelo crescente antilusitanismo e clara influência do classicis

mar cá

greco”

das — car romano. Destacaram-se o padre Antônio Pereira de Sousa pe e Silva— rioca

e autor de Obras poéticas — e José Bonifá cio de Andra

santista que compôs Poesia s avulsas de Américo Elisco . Estudos importantes foram impr essos, como

brasilia, do

Corag dies aneuro é ams padre Manoel Aires do Casal, Me mórias históricas do Rio deJ es sartO €

Provincias anexas, do monsenhor José de Sousa Azevedo

Pizarr

à

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

s Luí re pad do , sil Bra do no vei do ia tór his à vir ser as para óri Araújo» Mem va Sil da é Jos e —, ca ere Per e dr Pa de o idad el ap — os nt Sa s do s ve al nç Go

ei -R El D' o rn ve go do cos íti pol s cio efí ben dos as ri das Memó

anh pa om ac , ão Jo D. te en eg -R pe ci ín Pr o “Vindo para o Brasil

os rs ve di o ir ne Ja de o Ri O ra pa te ram-no ou vieram posteriormen

m ui aq Jo es or nt pi os es el e tr en r, lo va artistas portugueses de

de s me no us se s Ao a. lv Si da sé Jo Candido Guillobel e Henrique o dr an Le sé Jo mo co , ís pa no os id sc na os vem ser acrescentados

ao ou eg ch 16 18 Em ) (... al ar Am do o dr de Carvalho, e Francisco Pe ebr Le n ui aq Jo -a va ia ef Ch ) (... sa ce an Fr a Brasil a Missão Artístic

uTa o ni tô An u la co Ni s te en on mp co is pa ci ton (..) Eram seus prin es , ay un Ta o st gu Au , es or nt pi s bo am , et br De a st nay e João Bati r, ie ad Pr n mo Si s le ar Ch o, et it qu ar , ny ig nt Mo de n cultor: Grandjea .” ta is nt me na or , ez rr Fe os rc Ma e ; ez rr Fe no ri fe gravador, como Ze ica, bl pu re e a ui rq na mo : il as Br do ia ór st Hi O, LI (VIANNA, HÉ São Paulo, Edições Melhoramentos, 1962, pág. 19.)

oel Man zi, Muz sco nci Fra o Joã se ament esc acr s, ore eri ant es nom Aos

Dias de Oliveira Brasiliense, apelidado O Romano, porque frequentou cursos em Roma, Leandro Joaquim e Caetano da Costa Coelho, todos pintores. nopal nci pri o do sen o, uls imp nde gra eu hec con e ent alm igu ica À mús foi que , cia Gar es Nun io ríc Mau é Jos a ioc car re pad e ato mul do o me mestre-de-capela na Capela Real. Graças à vinda da Corte, chegaram, Posteriormente, o compositor Marcos Portugal e O musicista e compositor Segismundo Neukomm.

As reformas inovadoras incluíram a Real Academia Militar, o Labo-

tatório Químico, o Real Jardim Botânico, a Escola Médico-cirúrgica €

Muitas outras instituições.

o Os ares de renovação reforçaram a conscientização de ser necessári

Satantir e ampliar essas conquistas, ainda que rompendo os laços com Portugal.

, icas prát à sa pre e e-s tev man ra ilei bras ade ied soc da a ori mai a Contudo, 1 :

; as

E

É

d

=

a

o"

À

dd

387

n

is

TEA

ATi

E |

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

costumes € instituições tradicionais. Assim é que os escr

“VOS expo Negros tinuaram como força de trabalho essencial da economia agro r Con. Os trabalhadores livres, brancos ou não, ficaram, como ata

“dora

tos e à margem do poder de decisão. Apenas a elite col "ARA e onial e Parte dos segmentos médios da sociedade foram atiga ngidas pelos ares de renovaç; ção,

12.4 . DO REINO UNIDO AO SONHO DA INDEPENDÊNCIA

A) MAIS UM PASSO PARA A INDEPENDÊNCIA: A ELEVAÇÃO A REINO UNIDO D

esde 1808, com a transferência da Coroa portuguesa para o Brasil, passou-se a adotar uma política que, visando a atender às exi gências econômicas da Inglaterra, correspondia na prática à eliminação dos monopólios comerciais mantidos pela metrópole lusa. Medidas como a carta régia de 28 de janeiro de 1808 (Abertura dos Portos), o alvará de

27 de março de 1810, que liberava a comercialização de qualquer mercadoria desde que pagos os devidos encargos; o alvará de 28 de setem-

bro de 1811, que ampliou ainda mais os direitos de comércio; a conceção de licenças, pelo Conselho das Fazendas, para o corte do pau-bra-

sil. Em 18 de junho de 1814 foi concedida a entrada de navios de qual:

quer nação no mercado colonial português, bem como a saída de navios nacionais a portos estrangeiros, e a 11 de agosto de 1815, decretou” O fim da proibição de manipulção e comercialização de obras de ouro é prata no Brasil.

Paralelo a essas medidas, o Bloqueio Continental na Europa, causado pela tentativa da França em obstar os produtos ingleses pela França, criob ambiente favorável à maior liberdade à principal colônia portugues

Brasil. Nesse contexto, o ato de elevação à categoria de Reino Unido À Portugal e Algarves, em 1815, estava intimamente ligado à derrota ; bser-

a Viena. de Congresso do reunião à e Europa na Buerra vando Fa SE“a à Conjuntura, quando se deu a reunião desse Congress o E or1815) sob a óptica da Coroa lusa, a medida adotada pelo tuguês decorreu de proposta de Talleyrand, representante governo jr da Frans Restauraç ão, a



visando a formar u m blo

co de países contrários a0 tos dos Quatro Grande s: Inglaterra, Rússia, Prússia e Áustria. /

Ari

$

projé

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

“Em 1815, a situação de Fato produzida em 1808 definiu-se ju-

caà sil Bra do ão vaç ele a pel l ona aci ern int ridicamente em nível tegoria de Reino Unido a Portugal e Algarves. Para essa iniciatide pe nci Prí do ão est sug À s. to en em el os ers div m ra gi er nv va co

Talleyrand, representante

da França

no Congresso

de Viena

depon to mui a ern int m de or de os nt me gu ar a se ou(1814), associ

lia amp a va ica nif sig a nç da mu à , ata lom dip ráveis. Para aquele For a cav bus d ran ley Tal . sso gre Con no al ção dos votos de Portug de es or ed nc ve dos nte dia o ern gov seu de o ralecer a posiçã a e a ssi Prú a , sia Rús a , nha eta -Br Gra a Napoleão, sobretudo ênpot de so cur con o lhe vassa ere int s õe iç nd co Áustria. Nessas paia ant gar a um era o vot de o eit dir o cuj s ma cias secundárias, r, ula tic par Em . nça Fra a tra con s era sev s mai s õe nç sa tar ra evi a a ti me ro mp co se d ran ley Tal II, XVI s Luí de e nt ta en es pr como re apoiar as pretensões portuguesas ao Uruguai e à solucionar a iolv dev se fos sa nce Fra ana Gui a do an qu ira nte Fro definição da da pelo governo português.

ele à a, ues tug por o çã na mi do da va cti spe per de os rm te “Em r edi imp a par o uçã sol a um era do Uni no Rei a sil Bra do vação movimentos de independência como ocorriam na América próO a ar nt me gu ar ém mb ta im ass o, tid sen e ss Ne Espanhola.

prio Talleyrand. Além disso, a instalação de uma Monarquia Absolutista na América agradava a ideologia reacionária que dominava o Congresso, na medida em que contrabalancearia O modelo republicano dos Estados Unidos e o dos projetos revolucionários hispano-americanos.

em sil Bra do o çã ma or sf an tr de ato o e, nt me al nt “Fundame Reino era o reconhecimento da sua dominância como centro

econômico, político e ideológico do Império Português e à solua par , sta ali oni col va cti spe per a um de tro den , da ua eq ad s ção mai assegurar a permanência da dominação portuguesa no espaço mais vital à sua reprodução.” (ALBUQUERQUE, MANOEL

MAURÍCIO DE, op. cit., pág. 305.) pd Ri]

389

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Associava-se ainda a esse jogo político o apoio de Talle

sões portuguesas sobre a Banda Oriental (atu

r

Yrand às Preten.

diante da onda conservadora reinante no Con STESSO, as potén péias não deixavam de ver ta 2º

—.

.

mbém com bons olhos a Possibilidade de 0 2

tabelecimento de uma monarquia absolu tista na América, poi viviam Os =

%

:

Cias

Cur

;

es

tempos da Restauração!

A conjuntura interna do Brasil, apesar de todas as mudan ças Oc orridas no período transcorrido entre

1808 e a morte de D. Mari a Tem 1816, viu as contradições de interesses entr e a elite local e a me

do. Mesmo com essa prática de titulação à elite local, esta não conseguiu evitar ações contrárias de alguns segmentos sociais brasileiros à tentativa da nobrez a e da burguesia portuguesa em retroceder o Brasil à condição de colônia. |

Com isso, diante da conjuntura de mudanças para o sistema colonial ibérico, que lhe impunha perdas de privilégios políticos e econômicos, nada mais natural que se processasse reação por parte da elite metropo-

litana. Isso permitiu que o perfil dos acontecimentos ocorridos em Por s tugal assumisse, como não poderianes deixar de ser, a tentativa de recup gra-

ção dos antigos privilégios.

B) MAIS UM SONHO DE INDEPENDÊNCIA SE FRUSTROU E

ão de 1817, também conhecida como Insurreiçãoões Perna e: os labncana, representou Mais uma tentativa abortada de romper

ços de subordinação a Port ugal. Dentre

seus antecedentes,

comerciantes e proprietári

encontramos

390

o

a crescente rivalidade

entre

Zn

j “

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

s do s, ro ei il as br es or ut od pr s do e rt pa r po o, “ora a contestaçã

de e ) (... s se ue ug rt po es nt ia rc me co s lo pe privilégios detidos nia rc me co s do os mã s na ro ei nh di crescente concentração de e qu s en ag nt va as am av br um sl vi il as Br do es or tes. (...) Os produt

as s da ea rc ce o, mp te o sm me ao , am vi o comércio livre oferecia:

ant va as ss ne ão nç te nu ma de até e o çã possibilidades de amplia na ca bu am rn Pe o çã ei rr su In 4 L., A YR AC GL gens.” (LEITE, .) 13 g. pá , 84 19 e, ns ie il as Br a or it Ed o, ul de 1817, São Pa

em a ri or oc ém mb ta s se ue ug rt po e s ro ei il as O antagonismo entre br Os r. de po de e ia qu ar er hi de es tõ es qu ia lv vo ambito militar, porque en desos, alt is ma os st po s do o li pó no mo o a ic át pr na am portugueses detinh s ro ei il as br aos o nd be ca m si as e s, re de po s re io se modo ficando com ma . ial soc o gi tí es pr r no me e os ad in rd bo su s re de po , os postos inferiores rei os ue rq po até , os ld so de de da al gu si de de an gr va Tudo isso representa ina bi s ca ro ei il as br aos e ha, lin de as op tr m as ha un mp co te en nóis geralm tegrar as tropas auxiliares. reisacerdotes entre rivalidade essa a sujeito esteve O clero igualmente ãnóis e sacerdotes nascidos no Brasil. Inegavelmente foi relevante a par

res pad nta que cin e es frad co cin 7: 181 de ção olu Rev na o cipação do cler

seculares, destacando-se o padre Miguel Joaquim de Almeida Castro (mais conhecido por padre Miguelinho), frei Joaquim do Amor Divino

vigá o, óri Ten sa Sou de ro Ped re pad o ), eca Can frei (0 eca Can e Rabelo

O a, Lim eu Abr de o eir Rib cio Iná José ote erd sac exo rio de Itamaracá,

o egr ten Mon o Mel de soa Pes o eir Rib o Joã re pad o a, Rom re pad o Chamad no ado bor ela foi ão eiç urr ins da o jet pro o que até -se rma “ OUtrOs mais. Afi seminário de Azeredo Coutinho. Comentava-se até que

a r da ra ag a par a at be até e osa igi rel se eev nt ma “a República

m: va ma la oc pr fe ci Re em tas fei s õe aç ch Pi plebe e os vigários".

rmo e a or nh Se a ss No a Viv cal óli cat ão igi rel a a viv e ria pát Viva a

de ia ór st Hi , IO ÁV FL , RA ER GU d. pu (A .” as at cr ram os aristo Pernambuco, Recife, Editora Massangana, 1992, pág. 80.)

ro,

MRS

PR

hi E

391

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Com razão, a Revolução de 1817 em Pern ambuco é ainda conhecid denominação de Revolução dos Padyes, pois dela participaram 32 gica Pela

Papel de relevo coube às lojas maçônicas, que fu ncionaram co Otes, Mo

cos de propagação das idéias liberais.

fo.

De há muito que nas lojas maçônicas se conve rsava e de cer. to modo se tramava sobre a independência do Brasil, dali passando para as reuniões constantes com adeptos, em casas de part

iculares, entre homens letrados, advogados, certas gentes rj. cas, nas sacristias

das

igrejas,

nos próprios

conventos etc,

Domingos José Martins, rico comerciante, há pouco chegado da Europa, onde se educara, e radicado em Pernambuco, estava sendo o polarizador daquelas reuniões no Re cife.” (GUERRA, FLÁVIO,

0p. cit., pág. 80.)

Temas de debates entre os conspiradores eram a Conspiração dos Suassuna, a evolução da Revolução Francesa e o processo, ainda em andamento, das guerras de independência da América espanhola. Houve

até a sugestão de armar um navio corsário para segiúestrar Napole ão Bonaparte, que fora banido para a ilha de Santa Helena. Evidentemente que o romantismo dessa proposta não se viabilizou.

Ainda com relação às Forças Armadas coloniais, a necessidade de

preenchimento dos seus quadros criava mais uma área de atrito entre às autoridades portuguesas e brasileiras. Os brasileiros eram recrutados de

maneira violenta. Separados de suas famílias, recebendo baixos sol dos e submetidos à severa vida da caserna, os rec rutados procuravam fugir, to"

nando-se desertores. Assim que podiam, retornavam aos locais onde V

viam e, como clandestinos, buscavam a proteção dos mais poderosos.

Os proprietários, quando necessitavam desses indivíduos CO mo orça de trabalho, ofereciam a sua proteção, fazendo surgir 6

=

Bo.

a

E

*

assim Uma relação de dependência. Os desertores, vivendo sob à ameaça de prisão, engrossavam os contingentes de subord inados desses senhores,” (LEITE, GLACY RA L., op. cit., pág. 29.)

392

a

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

coXIX lo sécu ao I XVII lo sécu do agem pass a , mico conô € No plano , o d u o t d e r b o r s a e, c ú ç s a l o do a ç n e o r i s p o c d a n o r ã e ç t a n z i i r o l u a e v nhec à u a armo o t e ã r ç r a a z c i e a l u a q i c r e m a o v a c i su t a a r c a u o l d a tã n , r o ã o r algod , seja das ita ove apr não ão ent até ras ter em a sej o, tiv cul de pliação de áreas

destinadas ao plantio da cana-de-açúcar. m ia nd pe de car açú de os to an qu o dã go al de Ora, tanto os produtores

ra mp co de ço pre do xa bai a am av rç fo e qu s, se ue ug rt dos comerciantes po

am av ot ad es nt ia rc me co es Est os. alt os eç pr a or eri para revender no ext bai a os rav esc os m va ra mp co os: rav esc de io rc mé co processo inverso no os. vad ele ços pre a ra ter de s rio etá pri pro aos m ia nd ve re xos preços e os

o nh ga de em rg ma a m co do an st ra nt co os, alt am er ros luc s Com isso seu

do produtor pernambucano.

es nt ia rc me co os pel ada liz rea a ói am tr a r ece lar esc io ár ss ce ne Torna-se ortaexp dos es nt ta en es pr re s ele am Er . da in Ol ou ife Rec em iam viv que

novam ica sif fal no, ica afr o rav esc o r be ce re Ao os. rav esc de s dores reinói

tas de venda, nas quais fingiam vender o escravo a baixo preço. Essas noven o rav esc o o nd se no, rei o a s par da ti me re am er ias tíc fic a nd ve de tas dido realmente a preços elevados.

Nessas circunstâncias, não é de espantar estarem endividados muitos

dos proprietários de terras e de escravos.

“Portanto (...) a produção e a comercialização do açúcar e al-

godão, os dois principais produtos de exportação de Pernambuco, eram atingidas por sérios problemas de ordem interna. Não podiam, assim, atender plenamente às solicitações favoráveis do mercado internacional.” (LEITE, GLACYRA LAZZARI, Pernambuco 1617: Estrutura e comportamento sociais, Recife, Fundação

Joaquim Nabuco, 1988, págs. 62 e 63.)

Por outro lado, desde fins do século XVIII vinha se acelerando O pro-

cesso de concentração das terras. Esta concentração era feita por compra, sesmaem s çõe doa s pela e s ida dív de nto ame pag de ma for o com a, anç her

cos pou de s mão nas ão duç pro de o mei pal nci pri do ção tra cen con A rias.

Contribuía para atingir muitos lavradores livres que viviam como posseitOs € praticavam uma agricultura de subsistência.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Vivendo em condições precárias, sujeitos à violência do

prietários, porque a maior parte deles não havia legalizado º Basrant des pro.

cultivavam, viam agravar-se O seu viver devido à grande seca E Que Para muitos, a saída era migrar para Recife ou Olinda em b bl

trabalho ocasional. “de um Era essa a conjuntura vivida por Pernambuco no início do século XIX e tudo piorou com a instalação da corte na cidade do Ri O de Janeiro, Para sustentar essa massa de recém-chegados, cobrir os gastos com as realizações feitas no Rio de Janeiro e a manutenção da administrativa, novos impostos foram criados pelo governo.

“Os tributos, que pesavam principalmente sobre a agricultura,

eram objeto de reclamações das autoridades locais.

“À má administração e à corrupção juntou-se, ainda, a prodiga-

lidade para com os recém-chegados. Essa prodigalidade criava ressentimentos entre os nascidos no Brasil e europeus, porque os beneficiados eram sempre estes últimos. Tal parcialidade em fa-

vor dos nascidos em Portugal não se devia apenas ao desejo de favorecê-los mas, também, ao temor de atribuir poder administrativo a elementos mais predispostos a contestar a ordem estabelecida. Eram sempre portugueses os designados para altos postos,

tanto civis como militares. Portanto, do ponto de vista da administração esboçava-se o conflito não só entre brasileiros e portugue-

ses, mas, também, entre o poder local e o poder sediado no Rio

de Janeiro.” (LEITE, GLACYRA L., 0p. cit., págs. 26 € 27.)

Pernambuco

era então governada pelo capitão-general Caetano Enf?

de Miranda Montenegro, mau administrado r, embora prepotente é e

bio. A seu respeito corria que era Caetano no nome, Pinto na falta de co

ragem, Monte devido à sua elevada estatura € Negro nas aç õe s. PONdtc denunciada a existência de um moviment o contra O govern? português,

sendo-lhe inclusive apontado o nome dos principais envor” dos. Imediatamente determinou a prisão de Domingos José Martins, do

Ea João Ribeiro

Pessoa de Melo Montenegro, de Antônio Gonçalve

a Cruz, do capitão Domingos Teotônio Jorge e outros mais.

394

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

“No quartel do Regimento de Artilharia, porém, Manoel Joaquim Barbosa (...) quando deu a voz Capitão José de Barros Lima, conhecido como o este desembainhou a espada matando-o com o

o comandante de prisão ao Leão Coroado, auxílio do seu

, IO ÁV FL A, RR UE (G ” is. cia ofi ros out e o ian Mar é Jos genro op.cit., pág. 81.)

O a par to vis pre ava est e qu o nt me vi mo o ir od pl ex Este incidente fez

s de an gr m se , os ad ev bl su os e iu, fug or ad rn ve go O mês de abril seguinte. dificuldades, tomaram o poder.

aegr int , co bu am rn Pe de a ic bl pú Re da io ór is ov Pr o Criou-se um Govern os ng mi Do e: ad ed ci so da s to en gm se o nc ci de es nt ta do por represen , s) te an ci er om (c s in rt Ma é Jos os ng mi Do s), are lit (mi e rg Jo Teotônio de oa ss Pe o ir be Ri ão Jo e dr , pa s) re to ul ic gr (a jo aú Ar Manoel Correia de

atr is ag (m ça on nd Me s Luí é Jos or ut do s) e te do er ac (s ro eg en nt Mo lo Me

dos). Esse governo foi eleito por 16 personalidades das mais notáveis da capitania, sendo negros dois dentre eles. Proclamou-se a República, elevou-se o soldo da tropa, adotou-se uma bandeira (azul e branca, repartida horizontalmente com um desenho simbólico), proibiu-se a saída de qualquer pessoa do território independente do governo português, aboliram-se alguns impostos, € oficiais que aderiram foram promovidos.

o Pro rn ve , Go o ial lon ico o ant nt me vi mo r o ia pl am do em ha en “Emp

Visório enviou emissários a outras capitanias: Paraíba, Rio Grande do m ra s fo oa ag Al em a e aíb Par e na nt me So ia. Bah s e oa ag Al á, ar Ce te, Nor

o e r ca en Al de no ia in rt Ma é Jos s. io ár on ci lu vo re os rn ve go dos tuí consti

padre Roma, enviados ao Ceará e Bahia, respectivamente, foram presos

ao desembarcar, e o último acabou sumariamente fuzilado.

hor sen o pel ado and com foi nto ime mov o te Nor do nde Gra “No Rio

de engenho André de Albuquerque Maranhão, e partiu de Cunhaú contando com o apoio de 50 homens enviados da Paraíba sob o comando do jovem oficial José Peregrino. Ele marchou sobre Natal, sem encontrar resistência e, ocupada a cidade, organizou uma

35

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Junta de Governo proclamando a Independência e a República ” (AND

RADE, MANUEL CORREIA DE, op.cit, nº 4, pág. 13 )

Além do mais, o governo republicano buscou apoio no estrangeiro, A

Hipólito José da Costa — fundador, direto r e redator do Correio Brazil nse —, que residia em Londres, foi oferecida a representação da novel Repúbji. ca. Antônio Gonçalves da Cruz, apelidado de Ca bugá, enviou-se aos Estados Unidos na condição de embaixador, e como tal buscou o apoio norte-

americano. Félix José Tavares de Lira, enviado ao rio da Prata, deveria bus-

car contatos com os paraguaios que defendiam sua independência. Às adesões cresciam em

Pernambuco,

destacando-se Antônio Carlos

Ribeiro de Andrada, irmão de José Bonifácio e futuro in tegrante da Assem-

bléia Constituinte, o conhecido dicionarista Antônio de Moraes e Silva e José Francisco e Luis Francisco de Paula Cavalcanti de Albuqu erque, irmãos

que anteriormente haviam participado da Conspiração dos Suassuna.

Os revolucionários contaram ainda com à adesão dos Regimentos de

Henriques, formados por negros e cuja denominação constituía uma homenagem a Henrique Dias, comandante de escravos e ex-escravos que haviam lutado contra os holandeses no século XVIL. | Essa participação, contudo, alarmou os grandes proprietários rurais,

que temiam fosse a questão da escravidão negra conduzida pelo caminho

da abolição, tanto mais que era bastante viva a lembrança do ocorrido nã

independência do Haiti e das rebeliões de negros na Bahia. À reação do governo sediado no Rio de Janeiro não se fez esperar. Uma esquadra bloqueou o porto do Recife, impedindo o recebi Mas, munição e outros recursos para os republicanos. Cerca dementquoáiopie soldados, incluindo esquadrões de cavalaria, batalh ões de infantaria € pa destacamento de artilharia, foram despachados para Pernambuco. Embora fosse adotada a tática da guerrilha, a sucessão de tra ições, à falta de armamentos e mu a ulnições, a dispari dade de forças militares ta

taram na derrota da Re pública.

“Neste ponto, Fatigado, vencido e desiludido com a derrota dos seus ideais, O padre João Ribeiro Pessoa de Melo Montenegro suicidou-se,

Vias depois,

O governo real mandou

396

exumar O

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

em as -l cá lo co e s o ã m as e a ç ceu cadáver para cortar a cabe lação.”

pu po da o t n e m a t n o r d e m a local público para escárnio e ) 4. g. pá 5, nº , t. ci . 07 , E D A I E R R O C L E U N A M , (ANDRADE ti ns co o nã al ni lo co a iç st ju ica da át pr sa es , o d i d n e r p a m e t Como você o. -l lá ti mu e r ve dá ca m u r ra nter se de o r b a c a m o r se o nã à , ruía novidade alg ju s ó p A . as ni ta pi ca as rs ve s di

da s o d n u i r o , os ir ne io is pr Houve 317 , s n i t r a M sé Jo s o g n i m o D , or ad lv Sa m e s, do la zi eu m a r o f o, mento sumári . a ç n o d n e M de ís Lu sé Jo € o h o padre Miguelin

ne Ge otã pi Ca e or ad rn ve Go vo no o r “No Recife, assumindo o pode áon ci lu vo re s do to en am lg ju 0 iu ral Luís do Rego Barreto, prossegu otônio Te os ng mi Do s re ta li mi 05 os rt mo tios, sendo sentenciados e o. ri nó Te a us So de o dr Pe e dr pa do além

Jorge e José de Barros Lima, vi mo no os ad ic pl im is se ma ti “Igualmente sofreram a pena úl áIn , ra ei lv Si da sé Jo o sc ci an Fr l ne ro mento da Paraíba, Tenente-Co a, ir re Pe o ni tô An e dr pa , ão nh ra Ma cio Leopoldo de Albuquerque rCa de el ci Ma o in gr re Pe sé Jo ns ve Amaro Gomes Coutinho e os jo , O I L É H A, NN IA (V .” lo be Re ue iq nr He o ni valho e Tenente Antô 0p. Cit., pág. 41.)

a c i l b u p e r as éi id as a, es Não obstante a violência da repressão portugu

ducon e o buc nam Per em s va vi nas, liberais e antilusitanas continuaram . 24 18 de r do ua Eq do ão aç er ed nf ziram à Co

A S E U G U T R O P O Ã S R E V E R DE C) A TENTATIVA

la pe ou lh pa es se ra do va er ns co da on a a, en Vi de o s s e r g n o C o pós flexos pará o Brasil. Apesar re xe ou tr e nt me el av it ev “n e Europa, o qu

en es pr re de o it re di o o, id Un o in Re de o ã ç i d n o c la pe o, id nt ra de ser ga co contribuiu para a me-

ou p em so is , sa ue ug rt po e rt co tação política na ito era re di e ss de o ci cí er ex O e u q r o p smo lhoria da situação brasileira, me do o rn to re no a ad ss re te in na ta ria lusi io ma a r o d a g a m s e la pe o ad af ab

Brasil à condição de colônia.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Entre outras coisas, um dos principais objetivos que : Conjunto das elites metropolitanas, e em especial seu segmento b TBUÊS, buscava er; na realidade, a tentativa de revitalização do merca ntili smo, que atu ) ava como importante

mecanismo gerador de recursos para o Estado port. guês e, por extensão, para sua nobreza parasitári a. Essa t entat

iva con. tribuía, dessa forma, para aumen tar o fosso entre interesses brasileiro s e lusitanos.

As pressões impostas pela elite da metrópole forçavam D. João VI a ado. tar uma política econômica de fortalecimento das at ividades portuguesas sem, contudo, na medida do possível, desagrad ar ingleses e brasileiros.

“O Alvará de 28 de setembro de 1818 declarou livre o comércio de quaisquer gêneros não vedados. Pouco tempo depois, a 19 de novembro, um decreto determinou que as embarcações que não pertencessem a portugueses, estabelecidos nos Estados portugueses, navegadas por mestre e três quartas partes de vassalos do Rei de Portugal, não seriam admitidas a importar nos portos de Portugal, Brasil, Ilhas dos Açores, Madeira, Cabo Verde, portos da Costa Ocidental, ilhas adjacentes sujeitas à Coroa, produções ou manufaturas da Ásia, China ou qualquer porto ou ilhas nacionais ou estrangeiras além do Cabo Esperança e mares do Sul (..) 0

Alvará de 25 de abril de 1818 resume (...) as contradições da política econômica de D. João VI. Alega a necessidade de melhorarà arrecadação e, para isso, começa por suspender todas e quais

quer liberdades e isenções de direitos pelo prazo de vinte anos. À seguir, estende a todos os gêneros brasileiros exportados, ainda

não taxados, um imposto de 2%. Suspende a proibição (..) de en-

trada de vinhos estrangeiros no Brasil, mas, ao mesmo tempo €=

tabelece tarifas extremamente Favoráveis aos pro dutos portugueses.” (COSTA, EMÍLIA VIOTTI DA, “Introdução ao estudo da emancipação política”, ix, MOTA, CARLOS GUI LHERME (org.), Brasil em perspectiva, 172 ed., Rio de Janeiro, Editora

Bertrand do Brasil, 1988, págs. 77 e 78.)

398

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

Um

outro Se

tor à ser beneficiado pela política de D. João VI foi a ma-

rinha portuguesa,

e)

quando o soberano

iros ge an tr es os ut od pr aos as tax das ão iç nu mi di e conced

anh ri ma por os id uz nd co e s se ue ug rt po ios nav em transportados

esios nav os que da ain la ipu Est s. se ue ug rt gem ou Capitão po

os do, Uni no Rei do as eg nd fâ al as s da to em , em trangeiros pagu

ouou o rt po m, ge ra co an , óis Far m, ge la ne mesmos direitos de to r ga pa a s do ga ri ob m re fo s se ue ug rt po os vi na os tro qualquer, que nos respectivos portos de onde saírem. VIOTTI DA, op. cit., pág. 78.)

(COSTA,

EMÍLIA

os ut od pr os er teg pro a o and vis s da di me as se amEm 1820 intensificar fado van eti obj 20 18 de io ma de 30 de so avi o so dis o pl em portugueses. É ex . ros gei ran est res ila sim os ou ax et br so do an qu , ite vorecer o vinho € o aze e, arv Alg de ou e/ s uê ug rt po sal ao as ad br co as tax as , ém mb Reduziram-se, ta

além de igual medida para os peixes vindos dessas regiões. Preocupação idên30 de o ret dec o cuj al, tug Por s em ada ric fab ens rag fer às da sa en sp di foi tica de agosto do mesmo ano dispensava de direitos de entrada os produtos.

Estas medidas de proteção dos interesses da burguesia portuguesa choca-

vam-se com os princípios do livre-cambismo predominantes na época. Assim, a coroa lusitana se encontrava em uma encruzilhada, pois o liberalismo aprea cotem sis do fim o gia exi l ona aci ern int o ad rc me no a err lat Ing a goado pel

lonial e seu regime de monopólio. Por outro lado, a aceitação da liberdade comercial implicava a destruição dos pilares de sustentação da própria coroa. Nessa conjuntura, o soberano português conseguia desagradar a tos sua que ta vis em o nd te es, les ing e os eir sil s, bra se ue ug rt po a: sej dos, ou

ego fol dar am ui eg ns co não sa ue ug rt po ia om on ec à ão eç ot pr medidas de

se. cri de ão uaç sit da as á-l tir co ou mp ta m ne s, ade vid ati s sua às e ent ici suf Ao mesmo tempo, acabava com grande parte dos privilégios comerciais eco ade erd lib à s çõe tri res a nh pu im mo co m be concedidos à Inglaterra,

Nômica que os brasileiros haviam recebido. o çã lu vo Re a 0, 182 em u, odi ecl que to ex nt co se nes Foi justamente Liberal do Porto, cuja liderança coube à burguesia comercial da cidade do

Porto. O movimento contou com o apoio de camponeses, funcionários 399

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

públicos e militares que destituíram a junta governativa fiada pelo militar inglês Beresford, exigiu o retorno de D.

João

VI

tugal, impôs a reunião das cortes e a votação de uma CO NStituição.

a Por.

“Até 1815, o estado de guerra na Europa atemorizará o tím ido

Regente que não ousa por isso retornarà pátria abando nada bora ela estivesse livre de inimigos havia seis anos, Vepois d

| EM. dque-

la data, já os interesses de boa parte de sua larga comitiva de fi.

dalgos e Funcionários estarão de tal forma ligados ao Brasil, que se formará entre eles um forte partido oposto ao ret orno (..) Muitas daquelas altas personagens terão adquirido propri edades no Brasil; outras casarão nas mais ricas Famílias da Colônia orgulhosas de se ligarem com grandes nomes da nobreza e da ad. ministração; boa parte organizará aqui definitivamente sua vida (..) Um dos mais influentes políticos portugueses da época, 0 Conde da Barca, que Foi Ministro de Estado e diretor geral da política portuguesa até sua morte, ocorrida em 1817, meter-se-á no Brasil em grandes negócios, adquirindo estâncias de gado no Rio Grande

do

Sul

e

(PRADO JÚNIOR,

envolvendo-se

no

comércio

de couros. CAIO, História econômica do Brasil, 20º

H

ed., São Paulo, Editora Brasiliense, 1977, pág. 130.)

Tal postura decorria, entre outras coisas, do crescimento

a

gerado não somente pela situação de centro político-administrativo o

Império português, mas também pelas circustâncias das ocilações E mercado internacional. A Revolução Industrial inglesa, grande co dora dessa oscilação devido à utilização do algodão como matéria-P Pedi produto tropical produzido também pelo Brasil, incentivou OS pe ais be-

—PENTOS Nessa atividade, o que impulsionou atividades paralelas que Sé neficiavam, no mercado interno, da elevação de preços do algodão. a

À

Ea

Na medida em que os preços se tornavam atraentes, várias

áreas brasileiras dedicaram-se > cultura do algodão, invadindo mes” mo as áreas de predominância açucareira. Valia a arroba em 1808.

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

5, 181 em s; réi 0 00 5$ 4, 181 em s; réi 0 00 4$ 3$400 réis; em 1813,

IO ÍL RG VI O, NT PI d pu (A s.” réi 0 00 68000 réis; em 1816, 8$

X”. XI lo cu Sé no as ic ôm on ec es çõ ma or sf an tr das ço an NOYA, “Bal in: MOTA, CARLOS GUILHERME

(org.), op. cit., pág. 132.)

aldo os eç pr os am ar in cl de do an qu , 18 18 até Esta cotação permaneceu ém mb ta e -s va ua eq ad a, sej Ou s. réi 0 50 4$ a godão, chegando, em 1821, ios

ár im pr os ut od pr is ma de s ao te en er in e is cr esse produto ao quadro de o dã go al de o ti an pl de ea ár — te es rd No brasileiros. Dessa forma, tanto o

com be , ra do ra ne mi ão gi re — ul -S ro nt Ce O e criação de gado — como

o, ic ôm on ec o nt me ci es cr io ár ec pr am vi vi e qu —, mo de criação de gado de s io ár et ri op pr s do o cr lu de as iv at ct pe ex deixaram de corresponder às nra st mo , es ss re te in de s to li nf co os m, si As s. ro ei il as terras e mineradores br am em to en am nt te on sc de am ar on ci or op pr , te en id ev is ma do-se de forma ro ei nc na fi o oi ap de ta fal a da da , al ni lo co ia ac cr to is ar plos segmentos da s. uê ug rt po o rn ve go lo pe a ad ot a ad ic ôm on ec ca ti lí po decorrente da de is ve ní s ao o im óx pr o dã go al do os eç pr s do a Impulsionada pela qued as de nç ra pe do es ta si po de a vi na ha ti es rd no te eli a e qu o em ut od , pr 13 18

ra à retorno à fase áurea do período do açúcar, crescia a insatisfação cont

à m co o, mp te o sm me Ao s. uê ug rt po do ta Es exploração imposta pelo de en et pr e ol óp tr me na s se ue ug rt po Revolução do Porto, os dirigentes a lt vo à am ir ig ex e a ni lô co de ão iç nd co à il as Br ram impor o retorno do es çõ di ra nt co s da o nt me va ra ag o a Er o. in re de D. João VI e da corte ao reinantes entre a classe dominante na metrópole e no Brasil. o sm ti lu so ab o do çã ra au st re na do an lt su re , VI ão Jo D. O retorno de nco fil per de ra do ui ss po a, nç ia Al a nt Sa da ão aç à do ma , so al ug em Port nma e de ad id il ib ss po im m a ra ra st mo o, ri ná io ac re o sm me servador e até ter o Brasil subordinado à antiga metrópole. Reforçando a conjuntura faa a nd ai a vi ha , al ni lo co a ci ên nd pe de de s ço la vorável ao rompimento dos Crescente pressão do capitalismo inglês para se manter O comércio livre € Acabar com o trabalho escravo.

es grand pelos ada lider forças de ão osiç comp a com xto, conte Nesse

dos to imen romp O para o ulaçã artic a vos, escra de e terras Proprietários de

apoio com nal, nacio inter plano no u, conto ca políti laços de dependência

daliber a ndo adota o mesm nte, riame adito Contr da burguesia européia,

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

de de comércio e organizando um Estado liberal n

riam inalteradas as relações de produção e de propri O Brasil, Permanece. edade, que COntinua. vam baseadas

no trabalho escravo e no latifúndio. À articulação da classe dominante br asileira com a burguesia européia já se mostrava evidente, pois, segund

o carta de D. Leopoldina, Esposa de D. Pedro, a seu pai — imperador Francisc o I da Austria —, datada de 22 de junho de 1822, relatava o moment o

de incerteza reinante no Brasil.

“Aqui tudo é confusão, por toda a part e dominam os princípios

novos, da afamada Liberdade e Independ ência. Estão trabalhan-

do para formar uma Confederação de Po vos, no sistema democrático como nos Estados livres da América do Norte. O meu marido que, infelizmente, ama tudo que é novi dade, está entusias-

mado, como me parece, e terá no Fim que espiar tudo (...) Quando tudo andar mal e tomar a feição de Revolução Fran cesa, irei com os meus filhos para minha Pátria (...).” (CASTR O.

THEREZINHA DE, 0p. cit., pág. 134.)

Esse relato demonstra claramente o rumo que estava tomando o cená-

ro político da época. Ressaltando as crescente s contradições existentes entre

a classe dominante do Brasil e a classe feudal de Portugal, demonstrava, também, as articulações político-familiares desta com a nob reza feudal européia, que reforçava a concepção de nacionalidade e absolutismo. Sendo assim, os acontecimentos se encaminhavam para a concrétização do ato de rompimento político que veio a ocorrer a 7 de setembro

de 1822, três meses depois da carta de D. Leopoldina.

D) E À REPRESSÃO PORTUGUESA CONTINUOU Revolução do Porto rep ercutiu entre liberais b rasileiros, tanto PAi capitania do G rão-Pará (1821), Filipe Alberto Patront Mei Maciel Parente, com adesão da tropa, depôs o governo e o substituiu tm

i

]

às mudanças ocorridas. Na Bahia houve o confronto

402

e

U

of

P dos

À INVERSÃO DO SISTEMA COLONIAL

e qu a nd ai , VI ão Jo D. r po ão iç sse jurada a Constitu fo iu ig ex e se avolto . 21 18 em da ta vo houvesse sido ns ti mo is do m ra re or oc o, an o sm me e ss ne s, to in st di m be s vo por moti

ird bo su in de os at os ar cl m co , os do 1º Batalhão de Caçadores, em Sant lso de o nt me au o nd ca di in iv re am ar nt va le se e qu , os ad in ot am s do o çã na lso s ao o çã la re em s se ue ug rt po s re ta li mi s do s en ag nt va s da dos € O fim

s e o r . i s e o l r i i s e a l r i b s e a r r t b n s e o s m o is dad n o g a t n a s o 1 2 8 1 e d s e t n a o m s e , m o t n Entreta do ia ár tr bi ar e ud it at a , co bu am am. Em Pern

portugueses já se manifestav air pa Já o. sm ni go ta an se es ou nt me au o et rr Ba go Re do ís Lu l ra ge otã capi ra nt co o sã es pr re ta en ol vi da a us ca r po va sério temor e descontentamento s do ma ei qu s, do za bu ca ar m ra fo os it mu os habitantes do Rodeador Bonito: rca de duzen-

ce s, te en iv ev br so s Do . fe ci Re em ia de ca vivos e arrastados à de a lt vo r po e , la go An em o ed gr de tas mulheres foram mandadas para O . 9) 81 (1 a ci ín ov pr da s ca ri as li mí fa e trezentas crianças distribuídas entr es gr la mi s lo pe os íd ra at , es çõ ti rs “Cheios de crendices e supe godo ns de or as ra nt co do la be re e -s am nh ti de uma falsa santa,

verno, enfrentando excesso verificado prender e trazer à de sem exceção e

O a. ad nd ma ra fo lá ra pa e qu r ta li mi a rç Fo a na povoação de Mimoso, quando mandou da li ca lo a el qu da es nt ta bi ha os s do to l ta capi s no os es pr os id lh co re m ra Fo fe ci Re no que

ua in nt co a av nd ma e qu as rr su Às .) (.. s mê um quartéis por quase ald so ra nt co é at e iv us cl in r, co de os ad ld so s no damente aplicar dos do batalhão dos Henriques. obris ze ve as it mu e el , do ta en ol vi o zã ra O povo sentia-se com s ra ob e s da a tr es em e ad nt vo a ra nt gava populares a trabalhar co

.) 87 s: pá ., cit op. , IO ÁV EL , A R R E U G ( .” públicas

mo co ve te e qu ão li be re a u ce re vo Essa situação fa

centro a vila de

oli da s to en em el m ra ga li se a vil À a. Goiana, vizinha à capitania da Paraíb tucional Sarquia açucareira

pernambucana

favoráveis ao regime

consti

en es pr re am nh ti am ar rm fo se e qu Português. Os batalhões patrióticos , os id ép tr s, In to la o mu r ad po gr te , in ia tr Pá : os da os av iv Br at ic if tantes sign negros. do in un re s, ha ec Br ant Mo e s, co an br r po formado

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Em

Goiana,

elegeu-se

o

Governo

Constitucional

emporário

Província, mais conhecido como Junta de Goiana, presidida por Franc da

de Paula Gomes dos Santos. Em junho de 1821, aclamou o

Es

regente D. Pedro imperador do Brasil. Contra esses antecipadores do : setembro, o governador Luís do Rego Barreto env iou forças militares e

sofreram sucessivas derrotas, tudo culminando

com

a Convenção d,

Beberibe, de 5 de outubro de 1821, em que foi expulso o último SOVvernador português de Pernambuco.

Mesmo antes de 1821 manifestações que e xternavam o descon tentame

nto das camadas sociais mais exploradas podi am ser vistas, de cert; forma

atuando como elemento propulsor às revoltas posteriores. Esse foi o caso do Cidade do Paraíso Terrestre. Corria então o ano de 1817 quando Silv estre José dos Santos, ex-solda-

do de milícias, chegou à vila de Bonito, na serr a do Rodeador, anunciando a vinda de D. Sebastião, rei de Portugal que desa parecera na batalha de Alcácer-Quibir, no Marrocos, em 1578. D. Sebastiã o ressuscitaria no Brasil e organizaria o Cidade do Paraíso Terrestre. No local foi en tronizada uma

santa que intermediava os diálogos entre Silvestre e D. Sebast ião. Cerca de mil pessoas se reuniram, acreditando qu e os pobres enriqueceriam, os negros se tornariam brancos e as mulheres feias embele zariam.

Era o mito do Sebastianismo, trazido para o Brasil no início do século

XIX e que surgira em Portugal no imaginário popular na esperança de tempos melhores.

No local criou-se a Irmandade do Rode ador, chefiada por Silves que tinha a ajuda de 12 auxiliares, chamados de Sabidos. Estes orienta”

vam e€ fiscalizavam os costumes dos Ensinados. Existiam ainda os Procuradores da Honest idade dos Homens e as Proc” radoras da Honestidade das Mulheres, incumbidos de ze lar pelos bons costumes, inclusive sexuais, da comunidade. A Esse movimento messiânico refletia o descontentamento de segm enmo o “bem?” “bem?

e, como Rei Guerreiro, comandaria seus fiéA:is na luta a P pará

derrotar o “mal”.

CAPÍTULO 13

? M E U Q E D A I INDEPENDÊNC

13.1. A POLÍTICA RECOLONIZADORA es çõ ma or sf an tr s da un of pr eu ov om pr do Porto de 1820 A ntra O co ta lu À . il as Br no s ti an rc me e is ra ru no interior das elites

absolutismo monárquico recebeu entusiásticos apoios no país, mas, na pores cort das tica polí da ções radi cont medida em que se clarificavam as

ão. tens de ser a ou pass dro qua o il, Bras tuguesas em relação ao em sa, ugue Port ão Naç da ais cion titu Cons | Desde a instalação das Cortes apon tana lusi a uesi burg da es ress inte os que o clar u fico , 1821 de iro jane era coeque O r, zado loni »eco eto proj do níti um tavam, em relação ao Brasil,

lemcabe — o Port do ção olu Rev da dor rente com o propósito vegenera € TES— s dore nera rege vam ina nom ode aut se 0 182 brar que os liberais de

pepros sua ugal Port em r lece tabe «res de a uesi burg a Pondia ao desejo dess DES MEN O; ARD RIC , HÃO RAN (MA ”. Nndade e grandezas perdidas

150.) R., ANTÔNIO; RONCARI, LUIS, 02. cit., pág: iare m seu s Antes mesmo de os deputados brasileiros inic

trabalhos nas

O r ra ad qu en re à vam visa que s ida med s uma alg cortes, foram acertadas

l ri ab de 24 de eto decr O . nial Colo ema Sist Brasil nos quadros do Antigo

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

foi um exemplo disso. Este decreto subo rdinava | os SOVEINOS provinc:iai a Lisboa, esvaziando a autoridade da corte no Rio de Janeiro buscando ) com isso suprimir a nova condição de Reino 0 Unido do Brasil dentro d quadro jurídico-administrativo luso. 9 Posteriormente, as cortes votaram a transferência para Lisboa de impor. tantes órgãos e cargos administrativos que, sediados no Rio de Janeiro, reforçavam o papel de centro político para o Brasil. Assim, foram transfer. dos o Desembargo do Paço, a Mesa de Consciência e Ordens, o Co nselh o dp Fazenda, a Jun ta do Comércio e a Casa de Suplic ação, além de Outras re-

partições que aqui foram instaladas por D. João VI. Claro que o maior interesse da burguesia lusitana

não era controlar o aparelho administrativo, mas sim reconquistar o monopólio do comércio com o Brasil. Embora lhe faltasse força políti ca para romper com a Abeytura dos Portos e simplesmente impor o Pacto Colonial, a burguesia procurou criar mecanismos que pudessem recompor seus privilégios mercantis na antiga colônia.

Em julho de 1821, foi aprovado um decreto que rompia com a pri ncipal cláusula do tratado de 1810 ao revogar a

Tesolução de 1814, estipulando que os panos de lã de outras ma-

nufaturas de lã britânicas, importados no Reino, paguem direitos de

30%, que sempre haviam pago.” (citado por VIOTTI DA COSTA,

EMÍLIA, Introdução ao estudo da emancipação política do Brasil, im, MOTA, CARLOS GUILHERME (org.), 09. cit, pág. 109.)

] a em Aind 1821, as cortes debateram um projeto fortemente roenizizado aa r

que podava o livre comércio entre o Brasil e à Inglaterra. Por este projeto, “permitido unicamente a navios de construção portuguesa, fa-

Fer O Comércio de porto a porto em todas as possessões portuguésas. Todos os navios de construção estrange ira que forem de propriedade portuguesa ao tempo do decreto, sã o considerados co-

mo de construção Portuguesal...)” (citado por MAR ANHÃO,

RICARDO ez alis, OP. cit., pág. 150.)

406

INDEPENDÊNCIA DE QUEM?

vio e ent cam uni ir sum con a sil Bra o da ain va iga obr o ret dec o sm me O

os ar ax et br so de ém al s, uê ug rt po o in re nho € O vinagre produzido no

as m co ia nc rê or nc co am zi fa e qu , es es gl in e -s ia le , os ir estrange produt os s. sa ue ug rt po as ori d a c r me elites as e tr en es çõ la re as e nt me va si ci de ou et af A política das cortes tava en es pr re o çã za ni lo co re a s, ro ei il as br brasileiras € Portugal. Para os

a m co s do ra gu se as os ic ôm on ec es ss re te in us se s ao uma ameaça direta

. s o t r o P a s o r d u t r Abe s de ambos o t i s r ó e p d o n r s o p o p a u s o à re A defesa do ideais liberais pass

ditra con r ece par sa pos ra bo Em s. rte co s na m va os grupos que se enfrenta a par a óri dit tra con era mo lis era lib do o çã ep rc pe a tório, cabe lembrar que os, eir sil bra os a par , to en om m ro ei im pr um Em s. asileiros e portuguese br

reliv as éi id às ão es ad a av ic if gn si o sm li ra be “, adesão ao li cer de jo se de o a av ic if gn si os an it ol op tr me cambistas; para os l, era lib ca íti pol a su por , que l rea r de po do s de da cear as arbitrarie A, ST CO DA I TT IO (V ” s. se ue ug rt po s se re te in prejudicava os

EMÍLIA, 07. cit., pág. 84.)

aatu os eir sil bra dos uta dep os que s sõe ten de dro qua se des Foi dentro

burgueda s sse ere Int os iar cil con , nte lme cia ini do, tan ten ram nas cortes

enpre com A . sil Bra no tis can mer s ore set os pri pró sia lusitana com os dos

partes as as amb à sse nde ate que o anj arr um de ade lid ibi oss imp são da O a par o inh cam o rto abe ava Est . sil Bra no o açã liz ica provocou maior rad Projeto emancipacionista.

13.2 . OS PROJETOS DE INDEPENDÊNCIA ros ei il as br s do ta pu de OS € s sa ue ug rt Po es entre as Cort A mo e ss de ir rt pa A . 21 18 de s se me atingiu seu auge nos últimos

o eix o com m zia tra que os jet pro de esa def a il Bras no u mento, cresce

saios, jet pro s nte ere dif OS re Ent al. tug Por de nte dia Central a separação s ore set dos s sse ere int OS e ass ent res rep hor mel Ha vitorioso aquele que agrícolas e mercantis.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

A agitação política marcou o Rio de Janeiro, e dois

INStrume

Ntos ram eficazes na tarefa de popularização do debate sobre a independén

fo.

os jornais e as lojas maçônicas. Sm Até 1821, à exceção do Correio Braziliense, editado em Londres e dis. tribuído

na clandestinidade, somente existia uma imprensa do Estado que, basicamente, divulgava os informes oficiais da Coroa Portuguesa, À transformação no campo político promov ida pela Revolução do Porto também repercutiu no plano cultural, abrindo aos brasileiros o direito de publicar jornais. Em abril de 1821, surgiu o Conciliador do Re ino Unido, propriedade do ex-censor do reino, José da Silva Lisboa, o visconde de Cairu Cabe lembrar que a censura era exercida, após 1808 » Pela M esa do Desembargo do Paço, que autorizava a impressão ou a im portaç ão e comercialização de livros no Brasil. O nome do jornal já apontava quais as propostas defendida s em suas páginas, resumidas na defesa da continuidade do Reino Unido, desde

que fosse preservada igualdade de direitos e prerrogativas. Na metade de 1821 surgiu o Revérbero Constitucional. De proprieda-

de de Joaquim Gonçalves Ledo, assumindo o papel de propagador das idéias dos liberais, defensoras da independência, e de uma representação política calcada nos preceitos do liberalismo.

Também em 1821 passou a ser publicado o Despertador Brasiliense; que se tornou O mais incisivo órgão de contestação e críticas às cortes portuguesas. Publicado com a impressão na Tipografia Nacional, a miu o papel de porta-voz da causa de D. Pedro e defensor das posições

do príncipe regente durante o conflito com as cortes portu guesas.

artigos e editoriais o tenso clima qu e envolvia o relacionamento entr 7 príncipe regente D, Pedro é as cortes portuguesas. Além dos jornais, a maço naria foi importante espaço para à pt aga A ção dos ideais emancipacionis: as. Mas o que é a Maçonaria? Podemo finir a Maçonaria, naqu ela ép Oca, como uma

——

O surgimento de diversos jornais permitiu maior difusão dos Gus emancipacionistas, ao mesmo tempo que estes passaram a refletir em

INDEPENDÊNCIA DE QUEM?

e o in ul sc ma o sex ao l ve sí es ac só o pi cí in pr em “fraternidade, geni os nt me ta or mp co ns gu al por m ca fi ti en id se cujos adeptos lqua m ne ão, igi rel a um m ne ta máticos. Maçonaria ndo represen os ed cr os s do to m co el ív at mp co o nd se o, fic quer sistema filosó O NI TO AN , DO VE ZE (A l.” tua iri ou com qualquer doutrina esp ) 0. 25 g. pá ., cit . 02 , L A R A M A O D CARLOS

e qu se aul lc ca s, ca ni çô ma s ja lo s da em ig or a a Embora seja controvers

, ês gl in lo de mo O a sej s la de o çã za ni o modelo predominante para à orga spo a su de ar es Ap . 17 17 em , ra er at gl elaborado pela Grande Loja da In ão iç os op e rt fo u to en fr en a ri na ço Ma a s, ja tura aberta em relação às Igre lito en am ns pe o m co o, zã ra m se o nã a, av ci so da Igreja católica, que a as beral e anticlerical. ão iç os op a foi ia pé ro eu a ri na ço Ma da De fato, uma das características , cos íti pol os nt su as em eja Igr da ia nc rê ge in a iv ss ao absolutismo e à exce assumindo a defesa do liberalismo em seu interior. uséc do tir par a va isi inc is ma a rm fo de u uo at a ri na No Brasil, a Maço

ntestação ao co de os nt me vi mo dos te en am iv at do an ip ic rt lo XVIII, pa O as loj as a, ci ên nd pe de In na ou lt su re e qu so es oc pr Pacto Colonial. No

s te ba de os ad or al ac de os lc e pa -s am ar rn to do la to os Ap o e e nt ie Or de Gran no te eli da s ro mb me OS re ent os et oj pr de que refletiam as difrenças

lato os Ap o ou nd fu va Sil € a ad dr An o de ci fá ni Bo é Jos o ri óp pr O . sil Bra

ene, tr es -m ão gr ro ei im pr seu o e -s do an rn to , 22 do, em 2 de junho de 18

. Ret e nt co Ar de ulo tít o u be ce re o, dr Pe D. e, nt ge re o e qu to quan a um m ra ta en es pr re o dr Pe D. a e it nv co o e do la to A fundação do Apos

ria óp pr da e s te ba de dos lar iso de o, ci fá ni Bo tentativa, por parte de José u mi su as e Est . do Le s ve al nç Go a o ad ul nc vi o up gr o ca íti pol participação npe de in à o oi ap no os id uz ad rr is era lib ais ide dos sa Nina intransigente defe diita ele te in tu ti ns Co ia lé mb se As a um de ão aç oc nv co da a id gu dência, se en am rl pa a ui rq na mo a um de ão uç tr ns co a se as nd re retamente e que refe eleitos peam ri se vo ti ra st ni mi ad ho el ar ap do es nt ta tar, na qual os represen . sa en pr im de e ad rd be li a en pl da ão oç ad a m co do an ro co la sociedade, proa, oc ép da s õe dr pa OS a par a ic át cr mo de Tal postura, extremamente

rios a qualquer rá nt co s re do va er ns co s ore set aos o nt YOcou temor ju

Posta que

incluísse

a participação

pro-

do povo. À existência de numerosa

409

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

mão-de-obra escrava e o temor da reedição de um movime

NtO similar 2

do Haiti, quando os escravos negros expulsaram os bran cos do territér: e proclamaram a independência e o fim da escravidão, levava esses Ei res a desconsiderar qualquer projeto vinculado às classes populares. ” Apesar dessas questões, a continuidade da política recolonizadora das Cortes,

que

buscava

podar

cada

vez

mais

a autoridade

do príncipe

regente, D. Pedro, na prática, o único representante do go verno portu. guês capacitado a fazer frente a essa iniciativa, explicitou a urgência de um entendimento mínimo entre os grupos conservadores e os libera is, de forma a constituir um compromisso que culminasse co m a independência,

Na prática, as elites no Brasil, que acabariam agregando-se a um grupamento político batizado Partido Brasileiro, não desejavam a ruptura dos laços com Portugal, mas sim a manutenção da liberdade de comér-

cio. À evolução do quadro de tensão política levou-os a apostar na emancipação, desde que se preservasse a base escravista e fosse garantida a unidade do território.

Ora, os membros do Partido Brasileiro apostavam na manutenção do seu status quo na sociedade brasileira e se colocavam contra os grupos que apre-

sentassem propostas de caráter popular. Aliás, a própria composição do Par. tido Brasileiro explica o conservadorismo de seus projetos: eram proprietaros rurais escravocratas e comerciantes nascidos no Brasil, entre outros. | O grupo liderado por Gonçalves Ledo assumiu a defesa de um liberalis-

mo radical com pequenas nuanças democráticas e, em alguns casos, republicanas, provocando, por isso mesmo, forte oposição dos setores conser vadores que viviam em volta de José Bonifácio e de seu irmão Antônio

Carlos de Andrada e Silva. Sua composição social era formada por e mentos urbanos (bacharéis em direito, professores etc.) e pequenos P E

prietários rurais. ; O ano de 1822 tornou-se decisivo no quadro de tensões. À a gência das Cortes Portuguesas impediu um arranjo que conciliasse os : teresses conservadores de membros do Partido Brasileiro. Diante dis , a independência passou a ser o único caminho a ser seguido. NO entar ; to, algumas

questões se apresentavam:

Quem

iria liderar O

gsso” Re

Como garantir a Manutenção do statws quo? Qual seria o projeto E so? O radical? O cons

ervador? Qual seria o papel de D. Pedro?

do ano de 1822 acabou Por responder a essas questões.

SI

q

rel

INDEPENDÊNCIA DE QUEM?

A I C N Ê D N E P E D N I E D S A R R 13.3 . DO IPIRAN GA ÀS GUE

O I A M E D 4 O A O C I F 4) DO DIA DO

nos o alt is ma o nt po u se u gi in at s sa ue ug rt po vadicalização das cortes

s co ti lí po s ço pa es de ia nc sê au a do en eb rc Pe . 21 18 eis enais de

interess ao o nd de en at s ta os op pr ar nt se re ap efetivos para que pudessem e ia lé mb se as la ue aq m ra na do an ab ses do Brasil, OS deputados brasileiros

l Ta a. ci ên nd pe de in da ol pr em ar on ci junto aos radicais passaram à se posi o id nd fe de al du a ui rq na mo da a em qu es do o postura era fruto do «fracass pelos brasileiros

nas

Cortes”.

(MOTA,

CARLOS

GUILHERME

e

, il as Br do ca ti lí po a ci ên nd pe de in A O, NI NOVAIS, FERNANDO ANTÔ

são Paulo, Editora Moderna, 1986, pág. 28.) o do in ig ex oa sb Li de o et cr de sil Bra ao ou eg ch , 21 Em outubro de 18 e nt ge re pe ci ín pr o o, ud nt Co s. uê ug rt po o in re regresso de D. Pedro ao

s da es sõ ci de as r ra no ig is ma z ve da ca a to os sp di 22 18 entrou o ano de Cortes Portuguesas, protelando seu retorno à Lisboa. ucr en a um em o dr Pe D. ou ix de e ol óp tr me da o No entanto, a pressã zilhada: obedecer e voltar, ou permanecer no Brasil, radicalizando e asJosé de o çã ua at À s. paí a do ci ên nd pe de in la pe o nt me vi sumindo o mo m ra , fo na di ol op Le D. e, nt ge re pe ci ín pr do sa po a es ri óp Bonifácio e da pr

cabeçar o movimento separatista.

qual lizou visua Pedro D. éia, europ a utist absol ção tradi da Herdeiro

de capaz forte, ança lider da o : curso em sso proce no papel seria O seu

escravista da base à com ra ruptu de riscos sem garantir a emancipação

sociedade, assim preservando a integridade do território do Amazonas até o Prata.

€ do aliza centr poder O quia. monar A o? prêmi seu o seria qual Mas poste nto mome um em de, ade bilid possi A exercido autoritariamente.

Eis ole. contr seu o sob dual a rqui mona da ção aniza reorg a rior, efetuar O que desejava D. Pedro.

e ntis merca s grupo dos ança lider ipal José Clemente Pereira, princ abaium izou organ ro, Janei de Rio do ra Câma da do Sena presidente do Xo-assinado contendo mais de oito mil assinaturas, em que se solicitava pelo grupo zados utili os ment argu dos Um . Pedro D. de a permanência 4!

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

foi o de lembrar ao príncipe “os perigos da difusão de um partido re

blicano”. (MOTA, CARLOS GUILHERME e NOVAIS, FERNANDO

ANTONIO, op. cat, pág. 29.) No dia 9 de janeiro, D. Pedro recebeu o abaixo-assina

do.

apoio de José Bonifácio e de D. Leopoldina, o príncipe ass umiu

Com

0

o desa-

cordo com Portugal ao afirmar, para a multidão reunida diant e do Paço

que não retornaria a Lisboa. Foi o chamado Fico, quando D. Pedro de mou: “Se é para o bem de todos e felicidade geral da Naç do, estou pron-

to, digo ao povo que fico.” Nos dias seguintes ao Fico, D. Pedro convocou um ministério de bra-

sileiros delimitando o distanciamento diante das Cortes Portuguesas e evidenciando um primeiro passo para um governo autônomo. José Bonifácio foi escolhido para chefiar esse ministério. Para os setores radicais, a hora havia chegado. Era necessário romper definitivamente com Portugal, aproximando o seu discurso ao do Partido Brasileiro e isolando ainda mais o projeto

dualista do Partido Português. À composição do ministério, no entanto, demonstrava de forma clara a estreita ligação de D. Pedro com o Partido Português, que detinha a maioria das pastas. No dia 16 de fevereiro, foi convocado o Conselho df Procuradores Gerais das Províncias com a tarefa de projetar reformas nê estrutura administrativa do país e discutir as medidas enviadas pelas cortes portuguesas. pe Em 4 de maio, mais um sinal inequívoco do processo emancipacion” ta: O decreto afirmando que as decisões das Cortes Portuguesas Sº gs

riam em vigor no Brasil após o Cumpra-se do príncipe regente. Era O E conhecimento da maior autoridade de D. Pedro. Evidenciava-se O “ lecimento de seu nome como o do condutor da independência. O po e Português, com o apoio explícito de José Bonifácio, agraciou oB a com o título de Protetor e Defensor Perpétuo do Brasil. A partir daí, o tê pimento formal dos laços com Portugal era uma questão de temp É

INDEPENDÊNCIA DE QUEM?

pos õe ns te s da ge au o ou rc ma , 22 18 de Dia do Fico, 9 de janeiro u-

rupt a ém mb ta u to en es pr Re s. sa ue ug rt líticas contra as cortes po ta lu A . ro ei il as Br o id rt Pa o am av ur ra entre os dois projetos que config e. ic áp u se o u gi in at is ca di ra as € ras

entre as correntes conservado

ti lí po o ri ná ce no s uê ug rt Po o id rt Pa do Após ter reforçado os espaços uar et ef de e ad id il ib ss po im da ca er ac o co do Brasil, e diante da percepçã , ro ei il as Br o id rt Pa do e ad id un a m se al a ruptura definitiva com Portug . ca ti lí po de s mo ni mí is na ca ns gu al D. Pedro optou por abrir aos radicais ju de 3 ra pa , te in tu ti ns Co ia lé mb se As Em especial, a convocação de uma sé Jo r po a ad ne ta pi ca s re do va er ns co s do o nho de 1822, apesar da posiçã es or ad ur oc Pr de ho el ns Co do o: çã ma Bonifácio, que defendia a transfor va ta di re ac , so is m o C . te in tu ti ns Co ia lé Gerais das Províncias em Assemb

re o nh cu de s ta os op pr r da po a do ta ci pa ca is o ma possuir um instrument

ru s io ár et ri op pr s de an gr s do r de po formista implicando diminuição do rais € mesmo da autoridade do príncipe regente. ca so en et pr O ar zi va es u ui eg ns co o ci fá Apesar de derrotado, José Boni

vo de ta os op pr a ar rt co te ao in tu ti ns Co ia lé mb se ráter democrático da As s. te in tu ti ns co s do o çã ei el a ra s pa te en ud to direto e definir critérios excl s se ue ug rt po Os ou il as Br no os id sc na Assim, seriam eleitores os homens Sa em ss be ce re o nã e qu e sd de , os an residentes no país, maiores de vinte dos de ia cr , os is ia rc me co s sa ca s da s ro ei ix ca s do o ário ou soldo, à exceçã

. as nd ze fa de s re do ra st ni mi ad os e maior graduação da Casa Real r classista e excluden-

te rá ca u se va ça ar sf di o uc po e qu ia lé mb Uma asse

ipl ex s, re do va er ns co es ss re te in s do r do ce re vo fa e, is ál an ma ti úl em e e, po go jo do va ti ia ic in a o id rd pe a vi ha

citou que “a facção liberal radical já

E N I E T L I U G S O L R A C , A T O M ( Ético em mosto, más decisivo (o)? 07. cit., pág- 31.) , O I N Ô T N A O D N A N R E E , IS VA NO e

24 às o st fe ni ma um ou vi en o dr Pe D. pe ci ín pr o , 22 18 de a Em 6 de agosto eaças levadas pelas cortes

ções amigas, afirmando que, diante das constantes am

e qu a nd ai , es is pa is do os e tr en co ti lí po to Portuguesas, só restava o rompimen to não deixava os Ag de o st fe ni Ma O . os mã ir os in re is do e mantivessem como a e, em ci ên nd pe de in de o nt me vi mo do r do za li dúvidas: D. Pedro seria o cana o. rn ve go de a rm fo mo co a ui rq na mo a ia Contrapartida, o Brasil adotar 40

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

À opção monárquica encarnava os arranjos políticos, na Me dida em

fonte de legitimidade continuava send o o Príncipe, com a perspectiva de uma Assembléia Consti tuinte. A monarquia cons.

que

titucional evitaria, assim, os perigos de uma república” (ibid id., pág. 31.)

Se o manifesto já apontava aos principais Estados euro Peus os motivos determinantes para rompimento, o 7 de sete mbro passou a encarnar a romantização da figura de D. Pedro, que, diante das medidas intervencionistas das cortes portuguesas, aceitou liderar o movimento pela emanci-

pação definitiva entre as duas sociedades. À imagem que permanece em nossas memórias foi a que retratou o pintor Pedro Américo em 1888, O grito do Ipiranga, exposta atualmente USP (mais conhecido como Museu do Ipiranga). co, assim como duas outras anteriores, lembra o

sobre o 7 de setembro sua magnífica obra de no Museu Paulista da À tela de Pedro Amériquadro do pintor fran-

cês Ernest Meissonier, 4 batalha de Friedland, exaltando a vitória de

Napoleão Bonaparte sobre as tropas da coligação austro-prussiana. À imagem é semelhante em ambas as pinturas: os dois imperadores co" mo figuras centrais da ação, um gesto marcial, altivo, típico de um íder

vitorioso. Às tropas, francesas em um quadro e brasileiras no outro, diante do líder, estão aclamando-o.

Pedro Américo foi seguramente inspirado pela obra de François ao

RA

Moreaux, que, em 1844, pintou a primeira tela com tema na pá mação da Independência. Neste quadro, D. Pedro repete O próprio A ;

to de Napoleão Bonaparte, erguendo o chapéu ao ar, saudan do a Vito o.

Em um quadro, Napoleão, contra austro-prussianos, NO a enPedro, proclamando a independência. O príncipe D. Ped ro está nº he tro da tela, o foco da ação. Ladeado pelos soldados da comitiva, co É O po vado atentamente por crianças e negros que acompanham a cenà. P ;

—) 88 Se apresenta, espectador passivo, é verdade, mas assim mesm

o elé

togravura inspirada em um esboço feito por pedro pula:

Américo. Nela, D. Pedro estava cercado pelos sold ados € Pº

INDEPENDENCIA DE QUEM€

an em es br po o m o c os ad at tr re e r p m e s — as ad ap rr fa es es com roupas s e g m U . a n e c a o d n a v r e s b o — r a l u p o p r e t á r a c o r a ç l a e r à a o d d n n i a a s i , v o ã m a arajos o d n e u g r e o r d e P . D e t n a f n u i r t o e , vo, à tropa em atenção ncia. ê d n e p e d n i a d o rad b o o d n a t l o s r a c n e m e e u q g a n o sem à espada, s r e p : s érico, alguns detalhe o )

a m u a v a No caso de Pedro Am i u g e u q o r i e c o carr m u de a i fo o r i e l i s a r b "ou à figura do povo ga de e m r o f i n u o d n a z i l i t u , a p o r t a ; a r i e d a m o d n parelha de bois carrega uma o d n a z i l a e r o ã n e , a d a r a p a m u m e ar il sf de a r a p a t n o é la, como que pr at s o t n a S va ga li e u q a

a serr o d n i b u s , a d i t a b a rr te e s i viagem extenuante, em ó r e h s o d r a h l o O u i Na tela, D. Pedro já assum

a cidade de São Paulo.

ao e u q a d n i a a ri vi e d a d r e b i l à e u q r a r a l c e d o d n e c e r a carrega a espada, p . da vi a i r p ó r p a su de o e preç u q s o m e r e v , o r d a u q do o d a c i f i n g i s al re O r i z u d a r t s Ora, se formo a u q e d a is ma o i e m , a l u m de s a p o r t m o c a av aj vi e t D. Pedro seguramen do m e g a m i a e u q o r a l C ços. al rc pe s e r o i a m m e s a rr se a do para vencer a. ic ró he o c u o p a ri ca fi a l u m de o b m o l m e o d n a j a i v r o d a futuro imper Otr a , a m r o f a s s e D os st ge s do o d a c i f i n g i s o r ça al re o i r á s s e c e n Seria pe ci ín pr O € , la ga de o t n e m a r a p o o d n a s u , l a i c r a pa em posição m ópr à € e d a d i s o i d n a r g a am v a c i d n i o ã z a l a o s o g o f m e do regente montado o it Gr no o s s e r p x e va ti ni fi de ão

ç a r a p e s de o at do e d a d i c i t a pria dram e s u o n r o t , x u a e r o M r po o d ta a r t e r m i s s a , a g n a r i p I do Ipiranga. O vale de te an di o at u se r po o d a v ele , to al no r o d a r e p m i o uma colina, com seus comandados. o ã ç a p i c i t r a p a r a i z a v s e de o t i s ó p o r p O m o c a r o p u o b Essa imagem, construíd a c a , a i c n ê d n e de indep l a u d i v i d n i o A ã ç a a d que rio, a da independência co mo fruto cri ar um mito próp e legira ei il as br a ui rq na o m la pe o d a r o p r o c n i e t n e m a d de D. Pedro, rapi l. ia ic of a i f a r g o i r o t s i h que, la pe , o i c á f timado i n o B sé Jo r po o d a l u c i t r a i fo a g n a r i p I jetiob s a p o r t ar sa prática, O Grito do vi en o d n ameaça , s a s e u g u t r o p s e t r o c ia c n ê diante do texto das d n e p e d n i da o ã ç a z i l forma à u o z i l a u s i v , o r d e P . r o d a v r e s n o c o p u vando enquadrar D. r g lo pe l ta ta es o h l e r a p a do e l o r t n o e l ci fá o t € a conquista do c n e m i v o m m u m e u o r u g i f n o c se o ã n o r b n o c , e d a d Entretanto, 7 de setem r e v a N . r fazer passa

a i r e u l q ia a i ic f a of r g o i r o t s i h o a m Pacífico co

re s í a p o d s o m u r nir os i f e d Té ra m pa a r e r r o c s o co ti flitos militares e polí

cém-independente.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

C) AS GUERRAS DE INDEPENDÊNCIA Declaração de Independência, mesmo sem ter ocorrido como resul E

de contradições no seio da classe dominante brasileira não r ul. uma decisão nacional e, tampouco, popular. Algumas Posturas à independência se manifestaram demonstrando atitudes em interesses regionais ligados à presença da burguesia comercial

tado presentou contrárias defesa de

3

Ê-

lusitana, ou mesmo pela incapacidade imediata do novo governo em im.

por sua autoridade a todo o país. Também contribuíram para esta situação os precários meios de comunicação e transporte, além da enorme extensão territorial do Brasil.

“(...) nenhuma área tinha ascendência absoluta sobre as outras, enquanto a classe dominante exercia ascendência absoluta sobre

as outras classes ou camadas. Isso não significou ausência de

contradições e de antagonismos (...).” (WERNECK SODRÉ, NELSON, Formação histórica do Brasil, op. cit., pág. 192.)

Assim, com o objetivo de eliminar as resistências à Independência, o

ministério presidido por José Bonifácio buscou criar condições concretas

para o estabelecimento da nova ordem em âmbito nacional. Para isso, tratou de adquirir armas e navios, bem como recrutar elementos das ca-

madas populares para compor e organizar os efetivos de baixo escalão do

Exército e reforçar os quadros da Marinha. Houve ainda a contratação

de estrangeiros, que tinham por função ocupar os postos de comando nº

epi o e, princip Ee almente, na Marinh 7 a, cujoÉ papel na repressão x aos q! e Exércit resistiram à Independência foi destacado. %

(..) E por isso que cabe à Marinha, então improvisada, levar à é

à



'

repressdo as zonas insubmissas, sob comando inclusive, as expedições punitivas, de chefes estrangeiros, autênticos mercenários,

cuja brutalidade nas ações policiais deixou um sulco profundo nº espírito de nossa gente (..)” (bid., pág. 193.)

416

INDEPENDÊNCIA DE QUEM?

ular ic rt sa de ro ei il as br o rn ve go vo no ao Essas medidas possibilitaram na ta si lu l ia rc me co a si ue rg bu da es ctência, Nos quais interess

nte se de o nt am po a av aç el tr en se l ca e lo nt na mi do se as cl da

à a ci ên nd pe de de es çõ la re as er nt ma rar estabelecer enclaves objetivando ão iç nd co a na ci ên an rm pe de o id nt se s no õe aç st antiga metrópole. Manife € e rt No s õe gi re s na te en lm pa ci in pr s da ca de colônia podem ser identifi . 24 18 e 2 2 8 1 e tr en , il as Br do Nordeste

l ta a pi iv ca at da tr is in dm -a co ti lí po e it el da e Exemplo disso foi a atitud

ust m po a r a t o d a s te s. Es no ta si e lu t r n e po m a i r a t b aiana, composta majori coprivilégios Os manter buscaram e ras de resistência à Independência não s, sa ue ug rt po as op tr s la pe or ad lv Sa a ad up Oc merciais que possuíam. én an rm pe la pe m, si as o, nd ta op , ro ei il as se reconhecia o novo governo br eint aos va da ra ag o nã o, ud nt co , ão aç tu si l cia à condição de col ônia. Ta ba ta e ar úc aç de s re to du PrO as, ist rav esc s io ár et ri resses dos grandes prop inos os lus es nt ia rc me co s de an gr s no m re te co do Recôncavo. Apesar de ão de aç rt po ex na to an qu os it éd cr de to en im ec rn fo termediários tanto no

O m co do en iv nv co , ão aç tu si tal do en nt ma m ia er ec an rm pe , seus produtos mo se des , am vi s io ár et ri op pr es Ess grande poder da antiga metrópole. o nt me ci ue aq fr en o ão gi re da s se ue ug rt po s re ta li mi s do do, na expulsão nco en se es est s poi , es nt ia rc me co s de an gr s do es da condição de credor res rep os rs cu re os pl am m co em ar nt co is ma o nã r po os ad iz il ag fr trariam SivOs garantindo seus interesses.

Com

s ada and com pas tro as er bat com de vo o objeti

por Inácio

ori aut 1 ro Ped D. a, nci ndê epe Ind a or imp im, ass e, lo Madeira de Mel

e are Lam de o ôni Ant o rig Rod por das fia Che ia. Bah zou a invasão da de divergênam rer sof as eir sil bra pas tro as t, atu Lab ro Ped de com apoio

ho sel Con O € t atu Lab l era gen O re ent ca égi rat est ão naç cias de coorde os, ári itr arb s ato de l era gen o es vez das eti rep sou acu ão órg e Est no. eri Int do o açã cri de ta pos pro a com os rav esc de a fug a lar imu est de bem como a ist bil imo e iva ens def a tur pos do umi ass ter de m alé batalhão de escravos, em do, tuí sti sub foi t atu Lab e, cris essa a o mei ante o avanço inimigo. Em va. Sil e ma Li de m ui aq Jo é Jos l one cor o pel o, mai de 24

417

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

“Madeira de Mello contou com o reforço de 1.300 soldad os vin. dos da Europa (...) Com essas Forças, Madeira de Mello ordenou

ataques à Ilha de Itaparica e à Barra do Paraguaçu, pontos Vitais para garantir o cerco da cidade do Salvador. Mas encontrou sem-

pre tenaz resistência; é na defesa da Barra do Paraguaçu que se

destaca Maria Quitéria de Jesus Medeiros, corajosa mulher que vestira farda de soldado do batalhão Voluntários do Príncipe (..) No dia 3 de junho, Lima e Silva ordenou ampla e severa ofensiva contra as posições portuguesas. Apertou o bloqueio da cidade do Salvador, que sofria, desde meses, restrições enormes no abastecimento: faltavam os gêneros principais.” (TAVARES, LUÍS HENRIQUE DIAS, História da Bahia, 6? ed., São Paulo, Edi-

tora Ática, 1979, págs. 135-136.)

À luta, no entanto, somente teve fim com a ocupação de Salvador, em

2 de julho de 1823, pelas tropas do almirante Lord Cochrane. Obrigado

à rendição, Madeira de Mello, junto com seus soldados e muitas famílias de comerciantes portugueses, retirou-se para Portugal. A propósito, o conflito entre partidários metropolitanos € nacionalis-

tas já vinha ocorrendo na região da Bahia mesmo antes de declarada a Independência. Exemplo disso foram os Motins de Manoel Pedro. Este

militar assumiu a liderança das manifestações populares de descontenta mento com o poder lusitano exercido por Madeira de Mello, em inicio do ano de 1822, cujo teor era a insatisfação dos segmentos sociais mé nos abastados com a situação do nível de vida inalterada, mesmo após à vitória sobre os absolutistas na Revolta Constitucionalista de 1821.

Entretanto, como preocupação geral e mais profunda da classe ArcÃ

vista, observava-se o risco de desestabilização das relações de pr oduçã? baseadas na força de trabalho escrava. A luta contra a resistência dai va O desvio de recursos para auxiliar a força militar oficial, agravando Ná da mais a crise vivida pelos grandes proprietários. Es Tal situação de beligerância abalava, portanto, a capacidade de rep são aos escravos. Provavelmente, foi esse um do s principais M jon ciengajamento da classe dos : grandes proprietários na luta pelo r€6 ne o

]

mento da Independência.

418

e

INDEPENDÊNCIA DE QUEM?

A í. au Pi no ém mb ta u re or oc te es rd No Resistência à Independência no

la m pe ia at mb co e qu s l ao ve rá vo fa o it mu foi o nã o, ud nt co í, au uta no Pi

, or ri te in no e l ta pi ca na , da na mi do e -s va ra nt causa brasileira: à região enco a nh Cu da sé Jo ão Jo ol in re o do nd ma co o b s. So sa ue ug rt po as por trop

en s se en ar ce s re ta li mi as rç fo as , po pa ni Je em , er nc ve a Fidié, chegaram

viadas, em 1823, para auxiliar OS piauienses.

a comersi ue rg bu a e as rr te s de io ár et ri op pr os de on , ão Já no Maranh

nte io íc in de ão aç tu si a , os ic ôm on ec cial lusitana tinham fortes vínculos unc ví is Ta a. ci ên nd pe de In à ra nt co m va ta deu favoravelmente aos que lu

o çã za li ia rc me co e ão uç od pr la pe , te en lm pa ci los eram estabelecidos, prin OS a, nd ai , se mva ma So . na vi bo em ig or de os ut od do algodão, além dos pr nfu e l ia rc me co tes eli s da s te an gr te in e tr eventuais laços de parentesco en o, ss di te an Di . ão gi re na ca ti lí po e ad id un à diária, o que contribuiu para ão aç ip ic rt pa el áv er id ns co m co ou nt co a ci ín ov pr a não só a resistência ness lue qu s ao o sã es pr re da ou ip ic rt pa ta es mo co l, ca lo e nt das classe domina tavam pela Independência no Piauí.

anent no , teve ão anh Mar do cia vín pro na ia ênc end dep -in A situação pró

rá Cea do uí, Pia do dos vin os orç ref , cia to, além das forças da própria provín Desta última, foi a esquadra do almirante Cochrane para com-

e da Bahia.

bater a resistência chefiada por Fidié, vencida a 27 de julho de 1823.

aMar do à r ila sim ão uaç sit e a-s rav Na província do Grão-Pará encont do tan ado é e ent cam iti pol e ica nôm eco a lad icu art e elit nhão. Com uma

, cia vín pro da va aii ern Gov ta Jun a a, nci ndê epe Ind à postura de resistência o éri imp do os ári tid par ios vár boa Lis a par ou ort dep e u nde pre 2, 182 desde

ense que ne, hra Coc nte ira alm o pel o iad env foi so, dis nte Dia brasileiro.

€suma ia, ênc ist res a er bat com a par ão, anh Mar do contrava na província de Belém, ade cid à cou cer que ll, nfe Gre e cho Pas n Joh por quadra chefiada

um s ore ced ven os com em lar icu art e m ere met sub se a s nói levando os rei

tal. esta co áti ocr bur ho rel apa do le tro con no os acordo preservando-

fun à ou lev que r ula pop o nt me vi mo u rre Paralelo a esse contexto, oco

talen vio ido rim rep , ajó Mar de ilha na ná, Mua de ica úbl Rep da ão daç

mente pelas autoridades, o que será visto no capítulo seguinte. goal, ent Ori da Ban pela a put dis a u rre oco to, tex con o sm me se nes Ainda das e ant and com ão ent , edo Mac de sa Sou de ta Cos da aro Álv vernada por passascia vín pro à que r edi imp em m ara enh emp se que as, ues tug por tropas se ao domínio do Brasil com a Independência em 1822. Sob o comando do 419

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

tenente-general Carlos Frederico Lecor, as tropas brasileiras bloquearam porto de Montevidéu e incorporaram a então chamada Província Celio Concomitantemente à conjuntura de lutas militares, vivia-se a Ho

de se organizar politicamente o novo Estado. Assim, em 3 de Maio de 1823 tiveram início os trabalhos da Assembléia Constituinte, CONVOcada

antes mesmo da declaração de Independência. A Constitu inte, porém, so-

mente passou a funcionar após cuidadoso afastamento dos políticos que

pretendiam submeter a autoridade de D. Pedro I à soberania popular. No entanto, a postura autoritária de D. Pedro I logo se estendeu a ersonalidades de seu próprio governo. Em julho de 1823 foi deposto o principal

articulador político do imperador, José Bonifácio de Andrada. Anunciava-se,

com essa medida, o rumo conservador e patrimonialista herdado dos portu-

gueses e que prevaleceu na direção política do regime, cujos critérios pessoais

e/ou sectários se constituíram no fundamento das articulações políticas. Dessa forma, restringiu-se a um pequeno grupo que se posicionava em torno de D. Pedro I a responsabilidade da organização jurídica do Estado brasileiro. Outorgada em 1824, a Constituição brasileira confirmava a tendência de centralização político-administrativa concentrada na Corte, sediada na

cidade Rio de Janeiro. A figura do imperador apresentava-se, assim, co-

mo essencial à unidade política, sustentada pelos desejosos dos favores do

poder. Esboçava-se a hegemonia da região Sudeste no cenário político nacional, sustentada, em grande parte, pela predominância da esfera mercantil, que agia como importante mecanismo de acumulação a partit, principalmente, da cidade do Rio de Janeiro.

“Em razão da importância política e econômica da Corte, é

possível estarmos Frente à mais importante Fração dominante do

país. Sua rede de atuação não se limitava somente ao Rio de Janeiro e, enquanto empresária, ela controlava grande parte dos

mecanismos de acumulação do Sudeste, com redes que se es tendiam desde os confins do Mato Grosso até o Rio Grande do

Sul, Santa Catarina, São Paulo, Santos e Minas Gerais. Possuía

também grande parte dos prédios urbanos e das unidades agf colas para exportação do Rio (..). (F RAGOSO, JOÃO e FLO” RENTINO, MANOLO, 0. cit., pág. 79.) 420

INDEPENDÊNCIA DE QUEM?

no e nt na mi do se as cl da to en gm se do e rt pa r po o sã es pr à a v a c i f me mo Isso justi co s õe aç rt po ex s da ão ns pa ex à , io rc o gran de comé

a o d a g i l l i Bras

co a nç la ba da e ol tr on sc de O er lv so re ra pa az ic ef canismo teoricamente pelas lutas mi-

o nt ta o nd va ra ag se a nh vi e ol tr on sc de l Ta . ís pa do mercial do ra tu er ab la pe to an qu a, ci ên nd pe de In da o çã ma ir af da litares em prol mente ao capitalismo estrangeira, ão aç tr ne pe à o rn te in mercado

especial

ias br io ór it rr te em as es gl in as rm fi as er úm in de o nt me ci inglês: O estabele du re à do vi de os ad rt po im utos od pr s do a ur oc pr de an gr leiro possibilitou s. da ia cr o çã za li ia rc me co de s de da li ci fa s da te en rr co de os ção de seus preç ga pa de a nç la ba da o ri íb il desequ o o ad lt su re mo co ve te Essa situação iba à e -s va ma so , ma le ob pr O mais a nd ai o nd va ra ag € o, ss di ém mento. Al . ão aç rt po ex de s o t u d o r p s xa nos preços do

l ra nt ce o rn ve go do t ci fi dé O u io nc na fi se o m o c a m r o F “(.) a . io mb câ de xa ta a e br so o sã es pr veio reforçar enormemente essa trangei-

es is ta pi ca de l ia nc ta bs su te en Na ausência de uma corr te o sã es pr à s, õe aç rt po ex s equada da

ros ou de uma expansão ad oov pr e qu o a, ed mo da a rn te ex o çã ia ve de resolver-se em deprec opr s do os eç pr s do vo ti la re o nt Forte aume cou por seu lado um .) 99 g: pá , t. ci . 02 , O S L E C , O dutos importados (...).” (FURTAD

ra ei il as br a ic ôm on ec e it el à ômica, on ec e ad id il ab st in de ro ad qu e Ness de ia nt ra ga À . es ss re te in us se de sa fe de se agarrou com unhas e dentes na presim ão iç nd co ía tu ti ns co do ta Es do controle do aparelho burocrático a-

st fe ni ma a bi fo no xe de es ud it at e, nt me Cindível. Tal fato gerou, não rara

das na Assembléia Constituinte. nas m de or va no a r po im ra s pa re ta li mi os st ga os o, mp te Ao mesmo na ti la sp Ci e á ar -P ão Gr , ão nh ra Ma províncias rebeladas — Bahia, Piauí, bem como agravavam o dese-

os im An s do o nt me ra ir ac o m ia — promov ca ti lí po ra tu un nj co à da ia al , ía bu ri nt quilíbrio financeiro. Essa situação co da

to en im ec nh co re de so es oc pr do s mo internacional, para definir os ru Independência.

421

CAPÍTULO 14

[HOonARQUIA LÍBERAL OU ABSOLUTÍSMO?

14.1 . A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO A) TENSÕES E PROJETOS (e

em 3 de junho de 1822 por D. Pedro, a Assembléia Cons-

tituinte iniciou seus trabalhos em 3 de maio de 1823, tendo sido ex-

Os am ti me ro mp co que is ica rad s mai s ore set os or eri int purgados de seu

projetos das elites agrário-mercantis. ipos dis das o nçã ute man a foi nte tui sti Con da s ato ros mei Um dos pri

sigções, regimentos, leis e alvarás herdados do período joanino, o que nificava dizer a manutenção de um modelo de Estado que, na prática, já funcionava sob o comando de D. Pedro. A vinda da Corte portuguesa, em 1808, representou a interiorização do Estado metropolitano no Brasil. À independência não implicou o deseapr se I ro Ped D. que em ida med na s, ura rut est tas des nto ame mantel sentava como continuador desse modelo administrativo. Um dos projetos para a construção do Estado brasileiro na Constituinte era o que expressava Os interesses da nobreza burocrática lusitana, 423

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

dos militares originados do exército colonial português e dos c OMercian. tes de origem portuguesa associados aos brasileiros. Para eles 4 O Estado manteria a base colonial, isto é, centralizada e autoritária, garantind unidade territorial, a escravidão e a coesão em torno de D. Pedro I E Contrários a este projeto, encontravam-se os proprietários rura IS, | que buscavam para si a hegemonia do Estado. Ora, ainda que defendess em A manutenção da integridade territorial, mediante o papel aglutina dor do imperador D. Pedro I, mostraram-se favoráveis a um modelo de Estado descentralizado, no qual o Parlamento representaria o Espaço político

por excelência.

Ão mesmo tempo, para o Rio de Janeiro, principal centro comercial

do novo país, a centralização do poder junto ao imperador impediria a

fragilização do Estado. Além disso, garantiria a construção, ainda que do

centro para a periferia, de um mercado interno capaz de absorver suas mercadorias importadas. Por sua vez, a Inglaterra atuou como elemento de pressão no interior da Constituinte, pondo-se contra os grupos que representavam uma ameaça separatista. Apostava mesmo na figura forte de D. Pedro I como o elemento capacitado a garantir o mercado livre para o ingresso dos pro-

dutos ingleses.

Para as elites, a estabilidade política do país era uma meta a ser con

quistada, e D. Pedro I se apresentava como o único capacitado a obtê-la

O preço a ser pago pelos diversos grupos seria o da afirmação de uma

monarquia forte, centralizadora e autoritária. A tão almejada estabilidade chegou a ser ameaçada diversas Vezes por motins e rebeliões ocorridos em diversas províncias, nos anos quê se St guiram à independência. Destacou-se o Pará como

tensões políticas.

importante foco de

À luta no Pará representou o desejo do imperador em ser reconhecido

como o legítimo governante do novo país. Entretanto, a forte pt Wa de portugueses ligados ao comércio e detentores do poder político o se tornou um empecilho ao rápido reconhecimento

de D. Pedro l.

O representante militar do imperador, o mercenário inglês John fase

Grenfell, acabou negociando um arranjo político com os portugueses, -

que a autoridade de D.Pedro I era confirmada mediante O controle da Junta Governativa pelos repr esentantes lusitanos

424

MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISMO?

e qu o et oj pr um de to en im rg su o foi rá Pa no Um fator para O acordo a vil da ão aç ev bl su a pel s da ta en es pr re encarnava as aspirações populares em , rá Pa no a ic bl pú Re a u mo la oc de Muaná, na lha de Marajó, que pr , ll fe en Gr e ho sc Pa hn Jo de as op tr 28 de maio de 1823. Derrotado pelas lie no ta si lu ti an to en im nt se e rt fo o movimento acabou por sedimentar beral na província. , 23 18 em a nd ai , am ir rg su á, an Como expressão da República de Mu Elas m. lé Be de s da la te ar Qu as ad am ch as com vagas periódicas até 1829, e qu já a, ci ín ov pr na s uê ug rt po ti an ento

representaram o crescente sentim

de ém al a, ic bl pú o çã ra st ni mi ad a € os lusitanos controlavam o comércio ocuparem altos postos militares. da ri to au as ra nt co m ra la be re se as op tr as Em 15 de outubro de 1823, ca di in o, rn ve Go de a nt Ju da te des constituídas, depuseram o presiden ou de 16 Em a. ci ín ov pr da ia ef ch à ram o cônego Batista Campos para z ve a um is ma os ad nd ma co s, no ta si lu s tubro, marinheiros e voluntário por Grenfell, retomaram o controle do poder. is era lib as nç ra de li 2 25 o nd ui cl in s, do la zi fu Os rebeldes foram presos e

em ig or o nd da , em rg vi cal m co o aç lh Pa ue ig assassinadas no porão do br or oc ns ti mo s vo no , 29 18 Em . o) br tu ou ao Massacre do Palhaço (22 de

s. ido rim rep e ent ilm fac o nd se ho, jul e o nh ju em am rer , provoia ôn az Am a a tod por am ir ut rc pe re m lé Be Os movimentos de

tre en , as on az Am rio do s ha in ir be ri s de da ci as rs ve di cando agitações em fam co s do na mi do ra bo Em ). 24 18 e 3 82 (1 elas Cametá e Monte Alegre ant se re ap se , tá me Ca de O te en lm pa ci in pr , cilidade, estes movimentos

m. ge na ba Ca da s õe aç it ag s da os ri ná io tam como embr

fea a nh pu ex , rá Pa do Os mo co s, re A eclosão de movimentos popula os av cr es de e nt va le um de s sa ro me te s, ti

rida das elites agrárias e mercan

npe a er do ta Es vo no do o çã za ni ga or à a, similar ao do Haiti. Dessa form € ial soc e o ic ôm on ec o ni mí do O co ris em sada de forma a não “colocar de produção (...).? (VIOTTI DA COSTA,

garantir as relações externas l ga le a rm fo r da de ia ar id cu ão iç tu ti ns Co EMÍLIA, op. cit., pág- 122.) A a este Estado excludente.

425

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

B) A CONSTITUIÇÃO DE 1824 +

o

o

ent

niciados os trabalhos da Constituinte, José Bonifácio procurou articu

lar em torno de si os propósitos dos setores conservadores, além de esvaziar radicais e absolutistas.

Na prática, José Bonifácio, auxiliado por seu irmão, Antônio Carlos, pre sidente da Assembléia Constituinte, procurou imprimir um projeto concilia. dor entre as pretensões centralizadoras e os anseios das elites rurais. O papel do imperador deveria ser destacado dentro da organização do novo Estado,

já que em torno de sua figura se construiria a unidade territorial do novo país Ora, nesse momento, tropas portuguesas ainda ocupavam o Pará, a

Bahia, o Piauí e a província Cisplatina. Uma real ameaça à construção de

um Estado nacional integrado. Dessa forma, era natural que os debates na Assembléia discutissem o poder centralizado do imperador. O próprio D. Pedro I deu o tom a este projeto quando, na Fala do Trono de 3 de maio de 1823, abrindo, portanto, os trabalhos da Assembléia Constituinte, afirmou esperar

“que a Constituição, que façais, mereça a minha imperial aceitação, seja tão sábia, e tão justa, quanto apropriada à realidade e civilização do povo brasileiro (...).” (D. PEDRO 1, Fala

do Trono, 3 de maio de 1823.)

ater ar carai de tuição Consti uma a Ao mesmo tempo, o imperador cobrav liberal, colocando

“barreiras inacessíveis ao despotismo, quer real, quer aristo” crático, quer democrático, afugente a anarquia, e plante a áivo” re daquela liberdade, a cuja sombra deva crescer a união, tran” quilidade, e independência deste Império, que será 0 assombro do mundo novo e velho.” (D. PEDRO 1, op. cit.)

deve irão s e O discurso apontava os limites do imperador: uma Constituição de o Jogo» — ador imper do idade autor a ir garant a forma de rada elabo ser ria

MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISMO?

mo is ot sp de o to tan r di pe im de ém al —, o çã ta ei «ecebendo a imperial ac

. ia ac cr mo de da cos ris os to an qu — to lu so ab r de po O e, a-s lei — rea] em e -s iu uz ad tr sil Bra o a par r do ra pe im do o et oj pr O e qu ro cla a Fic

aied soc da a ri io ma a a par ca íti pol na te en ud cl uma monarquia forte, ex

a u, pe ro eu ilo est no al on ci tu ti ns co a ui rq na mo a de. Em resumo, um

scon do ta Es de lo de mo o m co r ra mb so as a di en et pr ás, ali quem D. Pedro 1, o. iad cop ser a o pl em ex um mo co to vis ser a «ruído no Brasil e que deveri a rot der a um u to en es pr re do va ro ap o et oj pr O Apesar destas questões, etá pri pro s de an gr Os a par a óri vit a um e o ci fá ni Bo para O grupo de José

s: da va ro ap s da di me is pa ci in pr s na o ar cl u co fi «os de terras. Isso , indissolubilidade da Câmara;

de da li va ia ter só é, o ist , vo si en sp su r te rá ca ia ter r , veto do imperado até posterior avaliação da Câmara, ; dor era imp do não e ara Câm da le tro con sob m ava , Forças Armadas fic

que o no, rei ro out um r umi ass a sse vie o cas dor era imp , renúncia do

vável. no caso de D. Pedro I, herdeiro do trono luso, seria bem pro

ção dos za li ra tu na de os sm ni ca me Os va ita lim o jet pro o so, Além dis

menmo ro ei im pr um em us: gra s doi em es içõ ele as portugueses e definia

ta pu de os m ia er lh co es e qu s, do ia eg il iv pr to, eram votados os eleitores

víduos dos. O voto era censitário e excluía da participação política os indi de s re ei qu al ta en ii ng ci € o nt ce a e nt le va ui eq or val com renda inferior ao

ca io nd Ma da ão iç tu ti ns Co o rm te o so, dis te an Di . farinha de mandioca passou a popularizar o projeto.

e s do ta pu de m ia er lh co es e qu Os am ri se au gr Os eleitores de segundo

s de re ei qu al a nt ue nq ci € os nt ze du de ma ni mí a nd re am senadores. Tinh a nd re à r va ro mp co am vi de do ta pu de de o rg ca ao farinha. Os candidatos uei alq mil r, do na se de o rg ca o a par e, a inh far de quinhentos alqueires de

os , es br po s co an br ns me ho os e -s am uf cl Ex . ca io nd ma de tes de farinha luexc do ta Es Um os. rav esc os e es er lh mu às os, ert lib os mulatos, os negr dente e sob controle de uma elite minoritária € egoísta.

os, égi vil pri e os li pó no mo ar in im el ou sc bu o et oj pr o Na economia, ine, ad id al re na l, na io ac rn te in io rc mé co ao o eir sil bra o ad rc abrindo o me instia um mo co ão id av cr es à e nt me ca di ri ju eu ec nh co re glês, Além disso, . ões eli reb e as fug do in im pr re o, eir sil bra do ta Es o pel a id tuição a ser defend 427

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

A concepção deste projeto não poderia passar sem críticas do im

quad o acirrou I Pedro D. com Andrada irmãos dos dor. À ruptura

à

E dissolvid a foi Assembl a éia 1823, de novemb ro de 12 Em tensões.

imperador, prometendo

O

“ao povo uma Constituição duplicadamente liberal, a ser redi.

gida por um Conselho que nomeia seis ministros e quatro notabi.

lidades políticas.” (IGLÉSIAS, FRANCISCO, op. cit., pág. 1 37.)

À dissolução da Assembléia Constituinte reafirmou o caráter autoritário do monarca e o fortalecimento do Partido Português, principal defensor de uma monarquia forte e centralizadora. À Comissão Imperial, utilizando o projeto da mandioca como referência, entregou, em 11 de dezembro, novo projeto, digno de receber a imperial aceitação. Em 25 de março de 1824, a primeira Constituição do Brasil foi outorgada pelo imperador. Entre as suas principais disposições, destacamos:

+ Sistema censitário de voto ao fixar a renda mínima anual de cem mil

réis para os eleitores, quatrocentos mil réis para os candidatos ao cargo de deputado e de oitocentos mil réis para os senadores;

+ direitos individuais (pensamento, sigilo de correspondência, fim dos

açoites, da tortura etc.); + Senado vitalício com os senadores eleitos, sendo escolhidos de uma lista tríplice pelo imperador: + Criação um quarto poder, o Moderador, de uso exclusivo do imperador. Este poder podia dissolver a Câmara, nomear juízes, sancionar ou vetar eis,

nomear e demitir ministros, conceder anistia e convocar a Assembléia Geral + O catolicismo como religião do Império; eg

+ autorização de voto para os analfabetos, considerando que eo

ajor

parte da elite não sabia ler nem escrever.

E residia no Poder Moderador, A base do poder no Império

ivo do. na

imperador. Não que este fosse uma novidade na política, pelo con

nã sua origem remontava ao governo de Luís XVIII, monarca restaurado França após a derrocada de Napoleão Bonaparte. O jurista suíço Benjamif

MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISMO?

a a tod de ve cha a ser de az cap co úni o mo co r de po tal a Constant defender

deao ou pir ins se e nel nt, sta Con de tor lei 1, o dr organização política. D. Pe o iv ut ec Ex o e iss ant gar que al ion tuc sti con fender um modelo monárquico s. ca ti lí po s e õ ç a s da o r t n e c como o

u o l e d o m a se d a g r o t o u ã o ç i u t i t s A Con

. ção era mod de mas do, nça ava s mai de ia hav que no o “mã

l cipa prin Sua . ana ric ame tenor a não ia, opé eur a nci luê inf à Traduz fonte é a Carta de 1814, outorgada por Luís XVIII. O radicalismo

de 1789 Fora contido, é a vez da Restauração na França.”

(IGLÉSIAS, FRANCISCO, op. cit. pág. 139.)

em te, des Nor No . nte ame siv pas tão ita ace foi não ada org out ta A Car

de o nt me vi mo um 4, 182 de ano o pri pró no ou, our Pernambuco, est

frontal contestação ao imperador. Foi a Confederação do Equador

14.2 . A CONFEDERAÇÃO DO EQUADOR cria Ess e. cris em ava est co bu am rn Pe de cia vín pro a 3, 182 m fins de açuse decorria da redução dos rendimentos da venda da produção

careira e de outros produtos de exportação no mercado internacional. Os iess exc os but tri os tra con m ara olt rev se ém mb ta ras ter proprietários de

vos cobrados pelo governo central e provincial.

olu rev ma cli O e tev man se que er diz e e-s pod 4, 182 e 7 181 tre “En

cionário. Esse período correspondeu, na verdade, ao enraizamento

o. idã rav esc da fim o mo, lis era Fed o , ica úbl Rep a is: era lib ias idé das niolo rec os lus s sse ere int os o and ent res rep 4, 182 “A Carta de cia cra sto ari da e r ula pop o açã ent res rep a ndo ngi tri res e zadores

sto ife man O . ões diç tra con as em iss lod exp agrária, fez com que a est bem ece lar esc r ado Equ do ão aç er ed nf Co da es eld dos reb humaões uiç tit ins as as tod e leis as s, çõe tui sti Con 'as o: stã que

nas são feitas para os povos e não para elas.” (ALENCAR, CHICO

et alli, op. cit., pág. 121.)

429

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Em Pernambuco, era muito forte a penetração das idéias liberais, te 3 ALDdo como foco propagador o Areópago de Itambé, fundado pelo botân; co Manoel da Arruda Câmara. O liberalismo ganhou maior impulso co

a chegada da Franto-Maçonaria, cujas lojas e oficinas reuniam pessoas É

teressadas em discutir questões locais ou nacionais.

Essas idéias, bem como o projeto republicano, tinham suas raízes na

Conspiração dos Suassuna, de 1801, e na Revolução de 1817, de que vários dos envolvidos de 1824 haviam participado. Nesta sociedade pernambucana existia, de longa data, séria divergên-

cia entre os proprietários de terras província, e os comerciantes, na sua cala, nascidos em outros países. Entre essa minoria branca pairava número de negros e mulatos, livres

e de escravos, em geral naturais da maioria portugueses e, em menor esum constante temor perante o elevado ou escravos, que poderiam se revoltar,

como ocorrera no Haiti, onde os brancos haviam sido exterminados.

Desde antes da Independência de 1822, o governo de Pernambuco vinha se caracterizando pela instabilidade em decorrência dos problemas anteriormente citados.

Em 1823, o governo da província estava sob a chefia de Manuel de

Carvalho Paes de Andrade. Este havia sido eleito, e sua substituição por Francisco Paes Barreto, nomeado pelo imperador, acabou sendo O esto-

pim da rebelião pernambucana, porque as Câmaras de Olinda é Recife

não aceitaram a decisão do imperador e mantiveram no poder o gover nador eleito.

Ão tomar tal atitude, evidenciavam seu rompimento com O poder central

À 2 de julho de 1824, Manoel de Carvalho proclamou a Confederas

do Equador, em atitude de franca represália ao governo do Rio d Janeiro. Este chegara até a enviar uma força naval, comandada pelo E o

cenário inglês John Taylor, para bloquear o porto de Recife € garant! posse de Paes Barreto. Ls

Contudo, a notícia de que Portugal enviara uma esquadra para Fé

tO-

mar o controle sobre o Brasil levou D. Pedro I a chamar de volta à or ta de Taylor.

MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISMO?

“Pessado o bloqueio, Manoel de Carvalho aproveitou para alegar

Pernambuco Nordeste, do Províncias as abandonava Pedro que D.

o com apenas preocupando-se portuguesa, entre elas, à invasão

colonial sistema do volta a temia amedrontada, população, À cul.

Províncias as para correspondência enviou (..) Manoel de Carvalho a um em ar ent res rep m re ze fa se a s -a do an id nv co te es rd do No

ela o and vis , ife Rec no a ari liz rea se que te in tu ti ns Assembléia Co

EL NU MA , DE RA ND (A l.” era lib is ma ão iç tu ti ns Co borar uma

CORREIA

DE,

“Pernambuco

imortal:

Entre

mártires

e

5.) € 4 s. pág 5, . vol 5, 199 o, ci ér mm Co do al rn Jo , ife Rec , es” rebeld am rn Pe r? do ua Eq do ão aç er ed nf Co a m ia Que províncias compor

funo ) (... que is ma de as “e á ar Ce e, rt No do de an Gr buco, Paraíba, Rio

a er lec abe est que o rn ve go de a rm fo da o ix ba de , do in un turo se forem

Assembléia Constituinte.”

lesub OS a par os urs rec o nd va le s, goa Ala a as iad env s õe aç rc Duas emba

ais vados daquela província, foram atacadas € dominadas por navios imperi ar ili aux mo co o nd te h, ic ow tr Me o Joã — s te an nd ma co de guerra. Seus apriísiom ra fo — ro ei ur Lo va Sil da m ui aq Jo e , ffe cli Rat o rm he João Guil nados e enforcados no Rio de Janeiro. Como Ratcliffe havia liderado uma cor ou nd ma e est I, o dr Pe D. de e mã na, qui Joa a lot Car revolta contra D. al. tar a cabeça e as mãos do rebelde, enviando-as para Portug . co bu am rn Pe de es eld reb os tra con a ad nd ma foi o çã di pe Poderosa ex

for A . ne ra ch Co e rd Lo por a ad nd ma co era ios nav co cin A esquadra de o eir gad bri o pel da fia che era , ns me ho os nt ze du e ça terrestre, de mil pai do e o, ri pé Im do e ent reg te en rm io er st po va, Sil e ma Li de Francisco

futuro duque de Caxias.

a tuí sti con que ata mul e ra neg ção ula pop da io apo o ir Visando a garant

a maioria de Recife e da província, o governo Manoel de Carvalho deorga a itou ibil poss ida med Essa . avos escr de ico tráf do cretou a abolição hização de milícias populares integradas por negros, mulatos e brancos.

mexe a tos mula e os negr de ão evaç subl uma ra cont io rece o Mas refletia

ercom , 1823 em a, Bahi na que ecer esqu sem i, Hait no tido ocor do plo Clantes portugueses não haviam tentado provocar a rebelião dos negros

escravos contra seus proprietários brasileiros: 43]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Convém lembrar que as tropas portuguesas Mello, fiéis a Lisboa, somente depuseram as arma Ora, essa medida entrava em choque com os

do general M adeira de S e

m 2 de julho de 1823 Interesses dos proprietá. rios de terras e de escravos, bem como dos com erciantes env olvidos com o tráfico de escravos. Nessas condições, foi relativamente fácil a vitória das for a

ças imperiais,

cujas fileiras foram engrossadas com a participação de mercenários ingle ses e de milícias organizadas pelos proprietários rurais pernambucanos, li li

derados por Francisco Paes Barreto. Vários dirigentes da Confederação fugiram para o exterior. Recife, bloqueada por mar e por terra, acabou se rendendo. A resistência passou a ser liderada por frei Joaquim do Amor Divino Rabello e Caneca, da Ordem dos carmelitas, um dos ideólogos do movimento, propagando suas idéias republicanas e liberais nas páginas do jornal O Tífis Pernambucano. O jornal mantinha aceso o ideário republicano e liberal anteriormente defendido pelo Sentinela da Liberdade da Guarita de Pernambuco, fundado por Cipriano Barata, em 1823. Este velho lutador da liberdade fora preso e remetido para a capital do Império.

Veja, a seguir, algumas das idéias defendidas por frei Caneca nas Bases

para a formação do pacto social:

“(...) 42, À todo o homem é livre manifestar os seus sentimen-

tos e a sua opinião sobre qualquer objeto.

5º. Aliberdade da imprensa, ou outro qualquer meio de pu-

blicar estes sentimentos, não pode ser proibida, suspensa nem limitada.

6º. À igualdade consiste em que cada um possa gozar dos mesmos direitos. 7º. Alei deve ser igual para todos. recompensando ou punindo, protegendo ou reprimindo.

R

elementar é necessária a todos, e à o

ciedade a deve prestar igualmente a todos os seus membros.

t

MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISMO?

líou rn to se e 17 18 de o çã lu vo Re prei Caneca já havia participado da Pedro 1.

D. de as st ti lu so ab ências ol vi as ra nt co a lt vo re der da ti ns Co o sã vi Di a u zo ni ga or ca r a luta, frei Cane

Resolvido a continua á, ar Ce ao o çã re di em u ho rc ma e r do cional MM Confederação do Equa

ia. c n ê t s i s e r à r a u n i t n o c onde supunha

os z ve a um de is ma ou uz cr ha rc “Verdadeira epopéia, essa ma do de an Gr o Ri do a, íb ra Pa de atuais Estados de Pernambuco, ida, nc ve s ze ve às a, ad sc bo em a, ad rc ce Norte e Ceará, vai e volta,

en im nt ma m se , ua ág m se a, ad me às vezes vitoriosa, sempre ecFo s, rio do an ss ve ra at , as rr se o nd tos, varando terras estranhas, subi ão rt se lo pe o mp te is ma o it mu s, ta ma entrando pelos brejos, pelas se ha rc ma sa Es . es at mb co m se brabo, seco, quente, sem um dia ia ór st Hi à ra pa ar lv sa de z pa ca o, ria “por si só, dizia Rocha Pomb R A L I V O T R E B L I G , O H L A V R A a causa daqueles homens'.” (C .) 11 g. pá d, s/ , ês Tr a or it Ed o, ul DE, Frei Caneca, São Pa

Finalmente, em quais frei Caneca, que D. Pedro I os

Os re nt de s, te en iv ev br so os , 24 18 de 29 de novembro de sa es om pr na o nd ta di re ac , do en nd acabaram se re . a” ci ên em cl m co a ri be ce re Os e qu trataria “como pai

na e rt mo am er fr so os it Mu . da ri mp Apesar disso, a promessa não foi cu nhaso e qu os u ni pu e qu r, do ra pe im do o et cr tural, como consta no de Ceará, no os ad rc fo en m ra fo o nc Ci ral. ram em criar uma república libe ças

be ca os o nd se mo co , co bu am Pern em ve no e o ir ne Ja de o Ri no três do movimento.

apesar de to, ca ne Ca i fre ar rc fo en a -se Em Recife, o carrasco recusou o fuzilado nd se ou ab ac o, diss nte Dia os. ost imp igos cast e s aça ame as das a. ic bl pú a aç pr em o st po ex r ca fi € seu corpo deveria ca O am ar tr es qu se s da ça pu ca s en No entanto, pela madrugada, pessoa Carmo.

do to en nv co no o ad rr te en ele o nd se , dáver de frei Caneca

eci so da to en gm se um de io ár rt be li Assim terminou mais um projeto r a ta as sg de ra pa iu bu ri nt co o, nd sa as ac fr ra embo

dade brasileira, que,

imagem de D. Pedro 1.

433

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

14.3 . O PREÇO DA INDEPENDÊNCIA O

contexto internacional pós-independência era bastante desfavorável Ç

ao Brasil. Se por um lado a onda conservadora que imperava n

Europa continental, defendida pela Santa Aliança, ameaçava politicamente

a

o reconhecimento da Independência, por outro a expansão do Capitalismo inglês trazia consigo a iminência da subordinação econômica brasileira. Essa conjuntura era favorecida pelo fato de a autonomia política não ter promovido alteração na estrutura socioeconômica. A opção por um

projeto arcaico baseado na relação de produção escravista, grande propriedade rural com produção voltada para o mercado externo e na exclu-

são das camadas populares do direito de participação nas decisões políticas foram fatores que contribuíram para a subordinação econômica, no momento em que os interesses de uma pequena parcela da população prevaleciam sobre os interesses da maioria. À Inglaterra, que não integrava a Santa Aliança, buscou tirar proveito

da situação e garantir seus interesses na região. Nas negociações, O go-

verno inglês, que também representava Portugal, forçou D. Pedro Ià

aceitação do fim do tráfico negreiro e impôs o pagamento das dívidas portuguesas. Chegou até a exigir a quitação do empréstimo contraído

pela Coroa lusa para combater a própria Independência.

Além disso, estabeleceu que não haveria ingerência brasileira sobre as

áreas africanas fornecedoras de mão-de-obra pertencentes ao Império colonial português. Assim, o representante inglês, Charles Stuart, conse guiu o aval de D. João VI para o reconhecimento da emancipação poli tica do Brasil, em 1825, mediante uma indenização de dois milhões de libras, prontamente emprestados pela Inglaterra.

Nas negociações para o reconhecimento da Independência, havia ç

uesa em assegurar também Os interesses preocupis pação da Coroa portug econômicos de sua burguesia| comercial que permaneceu no Brasil.|, N Nes ses termos, o título de imperador concedido a D. João VI objetivava, jus” tamente, assegurar tais interesses,

1.) Assim é que, em 1825, D. João Vl reconheceu a Independência

do Brasil recebendo em troca o título pessoal de Imperador, cláusula que mantinha as vantagens da burguesia comercial portuguesa (.)

MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISMO?

“Desta maneira, juridicamente, a separação política do Brasil ada ent res rep , nia era sob de a nci erê nsf tra de r áte car O assumia naquele título pessoal concedido a D. João Vl. Nesta nova persde rei ro futu em | ro Ped D. de o açã orm nsf tra al ntu eve à pectiva, Portugal já era preparada em termos de reivindicação legal.

“A concessão de iguais direitos aos súditos de ambas as Nações

dos ra ncei fina e ica nôm eco a nci inâ dom da ia ênc man per a encobria

representantes da antiga Metrópole no Brasil, circunstância esta que, evidentemente, não se reproduzia em Portugal (...).” (ALBU-

QUERQUE, MANOEL MAURÍCIO DE, 0p. cit., pág. 324.)

os m are erv obs se ao as ues tug por ens tag van das ia ant gar a e ent pat Fica e al tug Por re ent o mad fir a anç Ali e Paz de o tad Tra artigos VI e X do

os cad fis con s ben dos ão uiç tit res a se vaina erm det VI, igo art No Brasil. dos lusitanos quando se deu a Independência. No artigo À, impunha-se ões naç s dua as re ent s iai erc com es açõ rel das o ent cim ele tab res nto pro o

nos moldes praticados antes da separação. Logo, diante da atitude da Coroa portuguesa, não restava aos países integrantes da Santa Aliança senão reconhecerem, em 1826, a Independência. No ano seguinte, a Inglaterra afirmava sua posição privilegia-

da no mercado brasileiro com a assinatura de um acordo que lhe garan-

pela o tad men ple com , 1810 de ado Trat do is rcia come s tia as vantagen cláusula exigindo o fim do tráfico negreiro até 1830. Nesses termos, a

deO para íram ribu cont a ênci pend Inde da to men eci onh rec o e afirmação

nco s re io ma tar ili fac a par mo co m be o, rn ve go sequilíbrio das contas do cessões econômicas à Inglaterra, O que significou a ampliação de sua pre-

sença na economia do Brasil.

a brami no to to en au im da ec nh co re lo pe ta lu to da ex nt e co ss a ne Aind Sileira, cabe destaque à participação dos Estados Unidos. Estes objetiva-

ram ampliar sua penetração no mercado interno do Brasil e, ao mesmo tempo, barrar as pretensões de recolonização do continente pretendida

pelas nações européias que integravam a Santa Aliança. Por essas razões, reconheceram, em 1824, o governo brasileiro.

De modo geral, o que se percebe é que a luta pelo reconhecimento da o naçã como l, Brasi do ção posi da o niçã defi na ltou resu Independência 435

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

autônoma, na divisão internacional do trabalho. A Posi ção de su

ção ao capitalismo inglês, portanto, decorria de sua

ca e financeira, resultado da permanência de uma es

bordina.

de poder arraigada no arcaísmo. Além disso, a conjuntura das Guerras de Indep en dência internas, qu e perduraram até 1824, onerou tanto os cofres do Est ado quanto a P rópria classe dominante. Esses fatores agiram em cons on ância com as Pre ssões externas, contribuindo, assim, para conduzir o país ao endividamento e à dependência econômica. 14.4 . O LIBERALISMO VENCEU: A) À ECONOMIA NO PRIMEIRO REINADO D

feeira, Na ra nos fonte longo

urante o primeiro Reinado, iniciaram-se signif icativas mudanças na estrutura econômica em virtude do avanço da lavoura ca-

embora fosse mantida a base agrário-exportadora. realidade, dentro do contexto da inserção da economia brasileiquadros da economia mundial, podemos afirmar qu e a principal de obtenção de ganhos por parte do Estado brasileiro “se ria, ao do século XIX, a renda alfandegária e os empréstimos externos”.

(COSTA, WILMA PERES, “O processo de construção do Estado no

Brasil (1808-1850)”, in: SZMRECSÁNY, TAMÁS (org.), Histór io econômica da Indepe ndência e do I mpério, São Paulo, Editora Hucitec,

1996, pág. 152.) Um outro dado de importância foi o papel central do Estado imp E

na manutenção da escravidão. Cabia ao Estado não só a tarefa de vigilân-

cia nas senzalas, combatendo as fugas, os quilombos e esmagando É

revoltas. O Estado efetuou também a legali zação do sistema escravist? mediante a instauração de uma ordem jurídica que, defensora da proprie

dade privada, não hesitava em definir os negros escraviz ados como obje”

tos da propriedade dos escravistas, portanto, proteg idos pela lei. No

entanto, o ingresso de escravos no Brasil se encontra va ameaçado,

em virtude de uma das cláusulas do Tratado de 1810, posterior me nteAc 1 ferendadas pelo Tratado de : em 1827, e que apont avam o interesse inglés ra ver extinto o tráfico n Cc egreiro. A diminuição do ingresso de novos &

436

MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISMO?

ered de o nt me mo um em s, paí do ia om on ec a ra ei an em br so ia vos afetar l. dia mun ia om on ec da to tex con no el pap seu de finição Na prática, a economia convivia com “a decadência da agricultura tradicional brasileira, determinada pela situação internacional e pela impotência interna em rees-

técni das o vaçã reno de ncia ausê ais, capit de truturar-se (falta cas, carência de mão-de-obra etc.) (...).” (PINTO, VIRGÍLIO NOYA,

“Balanço

das transformações

no século XIX”,

MOTA, CARLOS GUILHERME (org.), 0p. cit., pág. 134.)

mn:

e bas da ção ita lim a pri pró pela e u-s avo agr a eir car açu a our lav A crise da mar ade ied soc uma em a, ári but tri ão daç eca arr A . ado Est o nov fiscal do cada pela pobreza de seu mercado interno, era insuficiente para cobrir os em res ita mil tos fli con a, lic púb o açã str ini adm , rte (Co país o gastos do nov Pernambuco e na província Cisplatina). fran e es les ing os dut pro aos al ion nac o cad mer do ra rtu abe a o, diss Além ceses (após o Tratado de 1827) implicou a ampliação das importações em al. ion Nac o our Tes ido bal com já o ndo bra que es, açõ ort exp das o detriment tinuava con l, ona aci ern int o cad mer no xa bai em ço pre com , car açú O a representar o principal item da pauta de exportações no período entre

que tal bru uma à stiu assi que o, odã alg O l). tota do ,1% (30 0 1821 e 183

da nas exportações, em virtude da concorrência norte-americana — ex1821 em s saca 822 41. der ven a sou pas e 0 182 em as sac 619 portava 66. 6% —, ainda era o segundo produto em exportação, representando 20,

do total negociado no exterior no período entre 1821 e 1830.

jun con a ndo ita ove apr , cha mar sua a u cio ini café o po, tem mo mes Ao

tura internacional, que lhe era favorável (aumento do consumo

na

a tiv ica nif sig de ia ênc aus e dos Uni s ado Est nos te men pal nci pri e Europa cao , ado cit es ant o íod per mo mes no im, Ass o). cad mer no cia concorrên

fé já representava 18,45% do total das exportações do Brasil. inprov das o torn em ado entr conc , setor novo do nsão expa da te Dian

fiSul, do a aíb Par rio do vale no lo, Pau São de e o eir Jan de Rio cias do Cava claro que as tentativas de extinção do tráfico negreiro tornar-se-iam um violento foco de resistência. iadta pis

437

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Assim, apesar da expansão da nova lavoura, a economia

Primeiro Reinado pode ser caracterizada pelo alto grau a

a

"

4

durant

e

maior parte da população, que ainda mantinha, apesar das transforma ções em curso, marcante continuidade da economia colonial :

mu

.

:

de

Pobreza

?

da

À própria inserção no mercado mundial reforçou ainda mais O seu papel

periférico, centrado em torno da produção de matéria s-pri mas e alimentos.

B) À IMPRENSA E A OPOSIÇÃO AO IMPERADOR (+

desenvolvimento da imprensa no Brasil com o surgimento de no-

VOS jornais tornou-se elemento-chave para a comp reensão da gra-

dual perda de popularidade do imperador diante da sociedade brasileira. Já em 1823, após a queda do ministério dos Andrada, su rgiu um periódico que representava os interesses do grupo a eles vinculad o. Seu nome era O Tamoio, jornal de oposição ao imperador, circulando por pequeno período de tempo: fechou em novembro do mesmo ano. Representando muito mais as tensões palacianas, O Tamoio não conseguiu a abrangência que era esperada pelos Andrada. Suas críticas acabaram por assumir um tom revanchista e pessoal, impedindo uma maior articulação com os grupos que lutavam contra o autoritarismo do imperador.

O jornal não conseguiu disfarçar seu tom conservador e, na verdade,

questionava muito mais a demissão dos Andrada do que o autoritarismo de D. Pedro 1. Também

em 1823 surgiu o jornal O Tífis Pernambucano, de circula:

ção restrita ao Nordeste e dirigido por frei Caneca. Expoente das idéias

liberais, frei Caneca expôs nas páginas de O Téfis Pernambucano suas

idéias sobre a melhor forma de governo para o Brasil, e que acabou por influenciar o movimento da Confederação do Equador em 1824. Para conter as críticas divul gadas pela imprensa, o Estado passou à em

pregar dupla estratégia: punha obstáculos à aquisição de materiais IMP A



Es



Or-

tados, dificultando a produção dos o d n a g i n , a S a i r v u s a n v e jornais, e utiliza a c a co nter as publicações mais comb ativas.

f Assim mesmo, em 1826, surgiu A Aurora Fluminense, fun dada Ei Evaristo da Veiga e se constituindo no principal órgão dos liberais mº É o do jornal era clar -mperaa rados. O eix o. Combater tanto os excessos do IMP

dor, quanto os dos liberais radicais. Evaristo da Veiga cunhou a expres 438

MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISMO?

ue “Q o: od rí pe no s do ra de mo is era lib s do to en am que definiria o pens ON LS NÉ , RÉ OD (S ” o. çã lu vo re a os em er remos à Constituição, não qu

WERNECK,

a or it Ed o, ir ne Ja de o Ri , sil Bra no sa en pr im da ia ór st A hi

) 4. 12 g. pá , 6 6 9 1 , ra ei il as Br Civilização

mo a s o c ai rn jo m u e o o r ec t n o c n l e ca o di ã ra ç i s o p o , à Por outro lado 828 1 e tr a d en a c i l b u p i fo e , u a q c e s n o F s da e g r o Gazeta Parmbana, de B e 9 a 2 i 8 r 1 á ( n o i c u l o v e a R h l e b A a la d í pe e 1829, sendo então substitu

o, ir ne Ja de o Ri no o, ic bl pú Re O a nd 1830). Borges da Fonseca editou ai entre 1830 e 1831. de e ad id al on rs pe a foi ) 38 18 476 (1 ta ra Ba o Seguramente, Ciprian acr mo de ais ide aos o ic át mp Si do. o rí pe ca no ti ís maior importância jornal ção ei rr su In da e 98 17 de a n a i o a ã B ç a r u j n o C tas, participante ativo da da a el in nt Se A , 23 18 m , e u o d n u o f n a Pernambucana de 1817, Cipri o sm me o do r b m e v o n m e o . es o Pr c u b m a n r ta de Pe

Liberdade na Guari nSe A u o de n i m o n e d e qu al rn jo m u ia de ca r ano, continuou a publica na rFo a na es a Pr d e a c o a c t u A b m a n r e P a de t i r tinela da Liberdade na Gua o licaçã b u . p a À d i n u e a R e d a m r a A ç r o F m da e d r taleza do Brum por O

do

a z de e l a t r o F a a ra ci pa ên er sf an tr a u le va e jornal de dentro da prisão lh Santa Cruz, no Rio de Janeiro.

ida de os an 66 aos a ad al ab e úd Encarcerado até 1830, foi solto com a sa riGua na e Hloj , ade erd Lib da ela tin Sen À de. Apesar disso, voltou a editar outra so Pre os. Sant os os Tod de bia Ba na já ta do Quartel-General de Pira . 31 18 de il abr de 7 em I, o dr Pe D. vez, só foi libertado após a abdicaçã o de

no ar lt su re r po ou ab ac r do ra pe im A postura de criticidade diante do de 1830,

mbro ve no de 20 em ró da Ba ro be Lí ta is al rn jo do o at assassin mco se o nã de ar es Ap I. o dr Pe D. a mando de um juiz paulista ligado a do ão uç ec ex a ra pa m de or a e I o dr Pe D. re ent o çã provar estreita liga do de da ri to au a u ce ue aq fr en ró da Ba atentado, a morte de Líbero o sid m re te o nã os os in im cr OS de o imperador, principalmente pelo fat punidos.

A N I T A L P S I C A I C N Í V O R P C) A GUERRA NA re mp se na ti la sp Ci a ci ín ov pr a e br so Q controle do Império brasileiro urus do a ci ên st si re da e ud rt vi em s õe ns foi marcado por fontes te am iar anc fin es Air os en Bu de ros iei anc est os ric OS o, lad guaios. Por outro 439

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

grupos no Uruguai, entre os quais o de Juan Antonio de Lavalleja «

o objetivo de incorporar a Banda Oriental ao seu território. so Em 1820, uma das principais lideranças do Uruguai, o general Lay ls

foi encarcerado e enviado para a prisão no Rio de Janeiro. Eltreai E Lavalleja conseguiu escapar e, de Buenos Aires, organizou um grup j guerrilheiro que ficou conhecido como Los Treinta y Tres. Em

1825, Los Treinta y Tres atacaram a Cisplatina e, contando com ncia da Band a Orie ntal e

a sua incorporação às Províncias Unidas do R io da Prata.

Em 10 de dezembro de 1825, D. Pedro I enviou tropas para sufocar o movimento do s uruguaios e, percebendo a participação de Buenos Aires

no processo, o Brasil declarou guerra às Províncias Unidas do Rio da Prata

O conflito durou dez anos. A continuidade de uma guerra que exauria os já combalidos cofres do tesouro imperial pr ovocou uma mudança de posição entre os membros da sociedade brasil eira. Lentamente a emancipação da Cisplatina passou a ser vista com bons olhos. Em 1828, o Brasil e o governo das Províncias Unidas do Rio da Pr ata assinaram um acordo oficializando a independência de Montevidéu Para . Os ingleses, um posto mercantil que garantiria a livre-navegabilidade do Rio da Prata, o que aliás foi oficializado no acordo em que a Inglatera reconheceu o novo país. O resultado final do conflito enfraqueceu a autoridade do imperador.

Para os proprietários rurais, o Estado se ressentia de uma política exter-

na mais incisiva na defesa de seus interesses, principalmente diante da

Inglaterra. A proximidade do prazo final para o fim do tráfico negreiro a . |

tornou-os indiferentes à sorte de um imperador que era visto co mo frágil na defesa dos interesses da elite rural.

D) REBELIÕES INTERNAS (+

Primeiro Reinado foi ainda sacudido por dois movimentos de A beldia entre 1828 e 1830. O primeiro foi o chamado Motim

Mercenários, que eclodiu no Rio de Janeiro em 12 de junho de 1828.

À construção do exército nacional durante o perío do que adt 7 de setembro de 1822 foi caraçc os terizada pela contratação de s oldad ário sempregados com o fim das Guerras Napoleônic as. Estes mercenáric a

=”

'

y



É

MONARQUIA LIBERAL OU ABSOLUTISMO?

isind os ad er id ns co am er , os ar ng hú e es es nd la ir s, ãe em al a ri io ma a : em SU . os ld so os ad ev el de a st cu à e nt me ciplinados € controlados so

tado brasileiro contratou Es , O na ti la sp Ci da ha an mp Ca da «a Por cau o t € a r t n o s c o o d n a n a g n m e a r o o f d e n u q a tropas de 'rlandeses. Reclam am ar up oc e am ar in ot am se s io ár en rc me OS , so ra que O soldo vinha com at

o Rio de Janeiro.

eses foram nd la ir os , as ru s na s to li nf co s to en ol vi Após

. dá na Ca O ra pa s o d a t r o p e d € presos

an or rp co , in s a d a m r A as rç Fo o s ã da ç a r u O motim implicou a reestrut a eu ec al rt fo o, ss di ém Al s. da ci re vo fa camadas menos

do membros das an Fr ro ei ad ig br do r, ta li mi ho el ar ap do posição da liderança, no interior el no Ma ro ei ad ig br ém mb ta O o, mã ir u se cisco Alves de Lima e Silva e de da Fonseca Lima e Silva. am rn Pe em u re or oc o od rí pe no ão O segundo movimento de rebeli s, re la pu po o, ir re ve fe de 1º a di No . 29 buco, no ano de 18

pe re a, ic bl pú Re a , ma ir af se o nd gu se “em Afogados, vivaram,

est po , es el do in gu se a, uc oj Ip em , tindo-se o fato, pouco depois ou iz al re se de on s re mb Ci e o tã An o nt Sa riormente, para Vitória do

IO RG SE , A D N A L O H DE E U Q R A U B ( ” a dispersão geral. ) 7. 19 g. pá 2, l. vo , II . mo to , t. ci (org.), op.

oop da to en im sc na re um m va ta apon Diante dos acontecimentos que enviadas tropas para Recife, instau-

m ra fo , co bu am rn Pe em l ra be li sição na os id lv vo en os de da ri ve se m co r ni pu € rando-se inquérito para julgar chamada República dos Afogados. das direto iro herde era dos Afoga dos lica Repúb da o ment movi O em , do ra de li o nt me vi mo O mo co s, ações dos liberais pernambucano

tera bo em r, za ti re nc co se a ou eg 1827, pelos irmãos Roma, que não ch

íncia. ov pr na ão aç it ag da a c r a m nha deixado a

) 1 8 8 1 E D L I R B A E D (7 E ) A ABDICAÇÃO A

en ac se l ra ru ia ac cr to is ar da te an di r do ra da au roridade do impe I V o ã o J D. i re o , 6 2 8 1 m . a E s e u g u t ória Por

ss ce Su o ã t s e u Q a m o c tuou . l e u g i M D. e o I r d e P D. os lh fi us a se m ro a v co a a morreu em Portugal. Disput 44]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

À conjuntura política no Brasil, caracterizada pela crise ec ON ômica

pelo desgaste do imperador, impediu que D. Pedro I fosse co

r Oado

e

Mo-

narca português e mantivesse o controle das duas coroas. P dra OS brasi. leiros, o temor da recolonização se fazia presente.

D. Pedro I decidiu tomar a dianteira. Nomeou sua filha, D. Maria da Glória, herdeira do trono português e indicou D. Miguel como regente submetido ao controle da Constituição lusitana.

Mais do que o trono português, estava em jogo a política da Santa Ahança na Europa. D. Pedro I era apoiado pela Inglaterra, que deseja va contrabalançar a crescente influência austríaca na Europa continent al. D. Miguel, apoiado pela Santa Aliança, em especial pela Áustria, buscava restaurar o absolutismo em Portugal.

Em 1828, D. Miguel destituiu a futura rainha, anulou a Constituição

e assumiu o trono português. Os liberais portugueses se exilaram no Brasil, contando com o apoio de D. Pedro I para destituir o monarca absolutista. Iniciou-se, então, a Guerra Sucessória Portuguesa.

D. Pedro I tornou a Corte brasileira um foco de articulação dos libe-

rais portugueses na luta contra D. Miguel. Com isso, atraiu maior oposição no Brasil, já que era acusado de se interessar cada vez menos pelos assuntos brasileiros. Além disso, os recursos para a luta dos constitucionalistas portugueses eram obtidos do já combalido tesouro brasileiro.

Por sua vez, o imperador deixava os assuntos relativos ao Brasil nas

mãos dos membros do Partido Português, aguçando a tensão interna À suspeita de utilização dos recursos da nação para proveito próprio foi réforçada com a falência do Banco do Brasil, em 1828, resultado direto dos

empréstimos sem aval concedidos aos comerciantes portugueses no RO de Janeiro, não à toa, a base da sustentação política de D. Pedro E

Diante disso, liberais radicais e os moderados do Partido Brasileiro so

uniram no combate ao imperador. O assassinato de Líbero Badaró Es

çou a oposição. Em algumas províncias, como Minas Gerais, O apoio ? D. Pedro I praticamente desapareceu entre as lideranças políticas. »

Tentando conter a oposição e indeciso quanto a sua capacidade de EA

lizar efetivamente o exército como um aparato repressivo, D. Pedro

E

ciou uma visita a Minas Gerais em dezembro de 1830. A reação fria dos mineiros, que não esconderam a indignação com a morte de Líbero Badaró, provocou o imediato retorno da comitiva ao Rio de Janeiro: Dr

442



RT

O

O Ra a a La

a

TO E RS R ER

, 31 18 de o rç ma de 11 em o vã tó is Cr o Sã de o ci lá Pa ã0 ar eg Ao ch aqu o r ra vi de a iv at nt te a um m E a. ot rr de da m e p. Pedro I era a imag e m o c e d n a r g a m u r a z i n a g

dro de desgaste, moração NO dia lar não podia ser

or m a r i d i c e d s e s e u g u t r o p OS up o p o ã ç a e r À . r o d a r e p m i do 13 para saudar o retorno ei il as br € s e s e u g u t r o p e tr pior. Um violento conflito en

. s a d a f a r r a G s da e it No a d a m a h c a l, ta pi ca da as ru s na u ros explodi m. de or à er nt ma em r do ra pe im do de da ci pa ca in à te en id ev va Fica no de e ss po na ou lt su re o gi tí es pr u se de o ã ç i s o p m o c e r de a iv at nt Uma te ti lí po r po o ad gr te in s, ro ei il as Br s do io ér st ni Mi o d a m a h c o , vo ministério au a r ça ea am de s õe iç nd co m se , e t n e m e t n e u q e s n o c e, o sã es cos sem expr E r. do ra pe im do de da ri to re ra pa as op tr ar vi en em io ér st ni mi do sa cu re da te an di l, ri ab de 5 Em os do cargo e conuui it st de I o dr Pe D. s, re la pu po primir manifestações sre te in s do es nt ta en es pr re s, se ue rq vocou um novo, o Ministério dos Ma ses dos portugueses. pe s do ra de li s, re ta li mi os e l ra ru ia ac cr to is ar a e tr en o çã la cu ti ar a Um e qu , m) ui aq Jo sé Jo e l e o n a M ão los irmãos Lima e Silva (Francisco, Jo ma ar o nt me vi mo um em ou lt su re a, detinham grande prestígio na trop

do que cercou o Paço Imperial.

con am tar ten res ita mil 08 o, eir Jan de Apoiados pela população do Rio A intranos. eir sil Bra dos o éri ist Min O ta vol de mar cha a vencer o imperador ita mil aos são ces con er lqu qua va sigente posição do imperador, que recusa 1 em ro Ped D. de ção ica abd à co: íti pol o anj arr em res € ao povo, resultou

. uia arq mon da o nçã ute man da ca tro em s, ano co cin de o filh favor de seu por al eri Imp o Paç o xou dei as Fri de uel Mig or Assim, quando o maj , nte nde epe ind sil Bra do o ern gov ro mei pri o a dav fin e, oit a-n volta da mei ão mesmo tempo que se consolidava O Estado nacional.

CAPÍTULO 15

AÇÃO

E REAÇÃO

15.1 . AS DIFÍCEIS CONDIÇÕES DE VIDA posição do Brasil na divisão internacional do trabalho, como país de economia predominantemente agrário-exportadora, definia o espaço rural como principal cenário dos conflitos sociais. Essa posição foi reforça-

da pela situação das exportações brasileiras: só o volume de vendas do ca-

fé saltou, no decênio 1821-1830, de 3.178 sacas de 60kg, para 10.430 no

decênio subsegiiente. Enquanto o Maranhão, em 1821, exportou para a Inglaterra 26.364 sacas de algodão do total de 41.822 produzidas. Encontrava-se, assim, o país subordinado à lógica do grande comércio

mundial, onde a produção interna se submetia às exigências impostas pelas de-

mandas externas, o que aprofundava o fosso entre elite e camadas populares.

“(..) o comércio (...) submete cada vez mais intensamente a e a subprazer o que com Fazendo troca, de valor ao produção sistência dependam mais da venda do que do consumo direto dos produtos. Desse modo ele desagrega as antigas condições.

Ele aumenta a circulação de dinheiro. Ele não se limita simples 445

Ma LS Rs O

A

A is

a

O

lim DO A

RPA TRE O 0 Ma SO AREA

mente a se apoderar do excedente da produção, mas Pouco a pouco ele ataca a própria produção e coloca sob a sus depen dência

setores

inteiros

da

produção.”

(MARX,

KARL

Capital, Editions Sociales, Paris, 1957, T. VI, pág. 339.)

Le

À situação impunha uma concentração da propriedade fundiária, ten.

do em vista ser a terra O principal meio de produção no Brasil. Ou melhor, em uma estrutura econômica com fortes vínculos de dep endência ao mercado externo, exigia-se uma produção com perfil extensivo: a con-

dição básica para a sua satisfação era a grande propriedade fundiária

Nesse caso, então, a pequena propriedade familiar (minifúndio) que se expandiu desde 1822 quando D. Pedro I confirmou o fim do sistema de

sesmarias e possibilitou a existência, na prática, do regime de posse, constituía um entrave ao modelo agrário-exportador, pela incapacidade do minifúndio em atender à demanda externa.

Diante da profunda dependência ao mercado externo, o conjunto da

população brasileira encontrava-se à mercê das oscilações dos preços internacionais. Tais oscilações afetavam direta e principalmente o nível de vida das camadas populares, já que a classe dominante encontrava no Estado um forte mecanismo de proteção de seus interesses. Dessa forma, a queda nos preços dos produtos primários exportados pelo Brasil entre 1821 e 1850 implicou igual redução na renda per capita

da população. Em consegiiência, a capacidade de consumo encontrou-se retraída, impossibilitando a expansão do mercado interno. Aliada a essa si

tuação, não se apresentam condições históricas concretas para o desenvol

vimento dos setores industrial e de serviços, o que inviabilizou, igualmen”

te, a urbanização, além de não surgir alternativa que rompesse O ciclo de dependência e a especialidade de economia agrário-exportadora.

(..) Entre 182130 e 1841.50, o valor em libras das exportações de açúcar cresceu em 24 por cento, vale dizer, com uma taxé

média anual de 1,1 por cento; o das exportações de algodão Se

reduziu à metade; o das de couros e peles se reduziu em 12 por cento, e o das de Fumo permaneceu estacionário. Desses produ-

tos, o único cujos preços se mantiveram estáveis foi o fumo. 05

FRA

VA

Ms

E a

vaem is ma to cen por 24 r be ce re a par , ar úc aç export adores de o dã go al de os a; ad rt po ex de da ti an qu a am ar br do que lor, ma is rec ebera

to cen por 10 as en ap do an rt po ex or, val do de m a meta

de da ti an qu a am ar br do que is ma es pel e os ur co de os e menos,

nos xa bai À (...) or eri inf to cen por 12 em para receber um valor

No to. cen por 40 de Foi ) (... as eir sil preços das exportações bra s õe aç rt po ex das os eç pr de ice índ 0 s, õe que respeita a importaç os re ent , ice índ e Ess . ção ica ind boa a da Inglaterra constitui um l. áve est e nt me ta ei rf pe se eev nt ma , dos eri dois decênios ref do os rm te dos ice índ do a ed qu a que r ma ir af Pode-se, portanto,

UR (F ).” (... to cen por 40 e, nt me da ma xi ro ap de, foi intercâmbio

lo, Pau São , sil Bra do a ic óm on Ec ão aç TADO, CELSO, Form .) 108 e 7 10 s. pág , 80 19 , al on ci Na a or it Ed Cia.

o ad rc me no s io ár im pr os ut od pr ses des o eç pr do io O manifesto declín me mo co ão uç od pr da me lu vo o ar nt me au a par ía bu ri nt co internacional ácar de as olt rev às im, ass o nd . Se ão aç iz or al sv de o à ri tó canismo compensa

sédo de ta me ra ei im pr sa nes sil Bra do ia ór st Hi a m ra ua nt po e qu ter social

as pl am de to en im lv vo en O te en am st ju ca sti erí act car r po m culo XIX tivera , ão aç or pl ex sua de o nt me au o a tic prá sa nes m ra massas populares que vi

a dos ri io ma na s, iai s soc to en gm se os tr ou m to co en am aç el tr en o mo co m be casos. Dentre os vários exemplos podemos destacar a Cabanagem no Grão-

Pará (1834-1840); a Revolta dos Malês na Bahia (1835); a Guerra dos

uí Pia e ão nh ra Ma no da ia la Ba ); a 45 18 583 (1 Sul de an Gr o Ri no os ap rr Fa 8). (18 38-1841); e a Revolução Praieira, em Pernambuco (184

O envolvimento das massas populares em revoltas, que muitas vezes

uma mo co o id nd te en ser de po s, sse ere int s seu a r de en at não buscavam ão aç tr en nc co o, ic ôm on ec o nt me ci es cr re ent o ss pa om sc extensão do de nco en ns ite s ro ei im pr s doi Os . al on ci la pu po o de rendas e cresciment bra ia om on ec à e qu em o nt me mo no os ad on ci la re tam-se intimamente me Ou e. st de Su no va ça an av io nd fú ti la o e o an ao 8% Sileira crescia 0, ex ori rá ag lo de mo ao o ad ci so as , ia om on ec da lhor, o baixo desempenho o nt me au O , ão eç ot pr de o sm ni ca me mo co , ava orç ref portador adotado,

ca íti pol a pel s, ore fat os tr ou re ent , da ia nc nu de a nd re da ão aç tr en da conc de desvalorização

cambial.

447

RA

SULICUAVE DHASILCINA.

UMA MISTURIA

A adoção desta política cambial ao mesmo tempo, em

aqueles que tinham na exportação sua fonte de recursos » trazia Consigo q aumento das emissões de dinheiro. Em consegiiência, i ncentivava tanto q desequilíilíb brio financeiro interno q quanto o aumen lacão, ã afetando to da inflaç dessa forma, . as camadas populares da sociedade. Somava -s e à ISSO O fato d e a população crescer 1,5% ao ano.

Nesse caso, entende-se que a miséria au mentava em ritmo aritmético, pe nalizando um número maior de brasileiros tendo em vista o perfil concentrador do m

odelo econômico adotado

“Às emissões de papel-moeda. descarregadas sobre a moeda Falsa de cobre (30% da massa circulante), elevam-se de 9.171 con.

tos de réis, em 1822 (índice 100), para 13.3 91 em 1826 (nível 146)

e 20.350 em 1830-31 (nível 221), sem que, daí por diante, logrem paradeiro, com nível 43] em 1840. Simultaneamente, a taxa de câmbio parte de Cr$ 4,90, em 1822. para Cr$ 9,60 em 183], decrescendo, em 184], a Cr$ 7,92.” (FAORO, RAYMUNDO, Os Donos do Poder: formação do patronato político brasileiro, 9º ed., São Paulo, Editora Globo, 1991, pág. 325.)

Tal situação era acompanhada pela escassez de recursos internos para

O financiamento da produção agrícola voltada à exportação cujo volume

aumentava nesse período. Daí o fato de os primeiros bancos terem surgido a partir da década de 1830:

1836

no Ceará;

1838

no Rio de

Janeiro; 1846 no Maranhão; e 1847 na Bahia e no Pará. Essas casas ban cárias funcionariam, mais adiante, como a estruturação do sistema pro dutivo do país controlado pela alta burguesia exportadora.

(.) À ascensão cafeeira, no primeiro decênio (1821-1830), não

encontra na cidade créditos Fáceis, provocando a ebu lição inflaCionária, insuficiente para financiar as novas lavouras. Logo a Sêguir, com as exportações, canalizadas quase integralmente pelo porto do Rio de Janeiro, entram em cena, com papel cada vez

AÇÃO E REAÇÃO

o café se valoriza e toma as lavouras de subsistência —, de arti8.) .32 pág cit., op. , DO UN YM RA , RO AO (F ” (..). luxo de gos Outro fator que contribuiu para a tensão social em vários pontos do país, foi a política centralizadora predominante no período pósIndependência. Esta fora adotada com claro objetivo de favorecimento

dos interesses da classe dominante do Sudeste, representante, então, do núcleo dinâmico da economia. O crescimento da importância do café na balança comercial brasileira sus-

tentava tal política ao mesmo tempo que desconsiderava, na maioria das ve-

zes, Os interesses econômicos das elites de outras regiões. Desse modo, a cri-

se econômica instalada nas regiões em decadência repercutia de duas formas para o conjunto da população: fortalecia os mecanismos de dominação e exploração das elites sobre as camadas populares; e promovia uma relação de dependência e fidelidade das camadas populares para com a classe dominante. “Com isso, os direitos dos camponeses que viviam como agregados só eram reconhecidos como extensão dos direitos do fazendeiro, como concessão destes, como questão privada e não como questão pública (...) a relação era essencialmente a relação de troCa - troca de serviços e produtos por favores, troca direta de coisas desiguais, controlada através de um complicado balanço de favores prestados e favores recebidos. Nesse plano, a natureza

das coisas trocadas sofria mutações - pelo fato de viver e trabalhar autonomamente nas terras de um fazendeiro, um agregado podia retribuir-lhe defendendo o seu direito de se assenhorear de mais terras, de litigar com Fazendeiros vizinhos etc. Com isso, o agregado defendia também o seu direito de estar na terra do fazendeiro. Mas não podia defender o direito de estar na terra, sem Fazer dessa terra propriedade do seu Fazendeiro. À sua luta era lu-

ta do outro.” (MARTINS, JOSÉ DE SOUZA, Os camponeses e a política no Brasil, Petrópolis, Editora Vozes, 1983, págs. 35 e 36.)

Tal situação justificava o envolvimento, muitas vezes, das camadas poPulares em revoltas que não tinham como epicentro, ou mesmo a remo-

ODCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

ta preocupação, com questões relativas às suas condições de vamento das desigualdades sociais promovia, nesse caso, maior submis. são dessas camadas aos favores das elites.

15.2 . A ORGANIZAÇÃO DO PODER REGENCIAL A) O PORQUÊ DA REGÊNCIA Constituição outorgada em

1824 não deixava espaços para muitas

discussões. O Período Regencial, apesar de representar uma fase de

transição entre o Primeiro e o Segundo Reinados , deve ser considerado parte integrante do Segundo Reinado, já que a Cons tituição estipulava que, em caso de menoridade à época da sucessão, e sem a possibilidade de se contar com um parente maior de 25 anos para o cargo de Regente, o Império fosse governado por uma Regência eleita. Em caso de qualquer contratempo para esta eleição, a Constituição previa o estabelecimento de uma Regência Provisória. Quando D. Pedro I abdicou, em abril de 1831, O Brasil vivia um período de recesso parlamentar, sendo o governo assumido pelo brigadeiro Francisco de Lima e Silva, responsável pela convocação

extraordinária do Parlamento para a indicação do Regente Provisório. A escolha deste Regente demonstra claramente como o início do perodo caracterizou-se pela busca do consenso entre os elementos mode-

rados e pela exclusão dos radicais. Foram escolhidos como Regentes,

além do próprio Francisco de Lima e Silva, representante do Exército, 0 marquês de Caravelas, um dos responsáveis pela Constituição imperial, portanto, caracterizado pelo conservadorismo, e o senador Nicolau

Pereira de Campos Vergueiro, grande proprietário com interesses espec ficos em São Paulo e ligado ao grupo dos liberais moderados.

Comparando-se com o período anterior, marcado pelo autoritarism do o

imperador, não há dúvida de que o Liberalismo conheceu uma fase de avanços, com à anistia aos presos políticos e a reintegração do cham ado Ministério Brasileiro, dissolvido por D. Pedro I nos momentos críticos que

antecederam sua abdicação. Dentro da tropa, os estrangeiros que não tara a na m

turalização foram expulsos.

Em

junho

de

1831, à Lei

a

Regência estabeleceu que o Poder Moderador — constitu cionalmen” considerado exclusivo do imperador — ficaria nas mãos dos regentes; mes

450

;

a ni mo ge he a um o iv at sl gi Le ao o nd da es, çõ ri st re as er úm in m co m mo assi . do vi ol ss di r se a di po o nã e qu já a, nunca conhecid o l, ia nc ge re se fa da r de po de ro nt ce de an gr o ra ma Câ a do an er id Cons er lh co es a el a a ri be ca a, st ri ta en am rl pa io 4 configura um breve ensa

que j

e qu já o, id nt ma foi a lv Si e ma Li de o sc ci an Fr s. te en an «m pe os regentes as it Mu m. de or à ça ea am e nt ra ag ações da tropa representavam fl

as sublev vo si es pr ex ro me nú um m co ar nt co de vezes sem receber OS soldos, além rto se go lo a op tr da os iv et ef os , s) do de portugueses (mesmo naturaliza l. ia nc ge re o rn ve go o ra pa es çõ pa cu natam uma importante fonte de preo , al on gi re io ér it cr um de ro nt de os id Os outros dois regentes foram escolh o as

nd ta en es pr Re l. Su e e rt No e tr en as ci ên rg procurando superar dive

l Su o to an qu en z, ni Mu o li áu Br ão Jo o províncias do Norte, foi escolhid e. gr le "A nt Mo de s uê rq ma , ho al rv Ca a era representado por José da Cost

B) AS FORÇAS EM CONFLITO o od rí Pe o e nt ra du s vo si es pr ex is pé pa m ra mi su TJ rês grupos políticos as de to un nj co um a nh ti s paí O e qu r ta al ss re te an rt Regencial. É impo

o nã , ão aç lg vu di de al rn jo um o nd ui ss po te en lm ra associações políticas, ge nco o, nt me mo e ss ne co ti lí po o id rt o pa sã es pr ex da o us o o sendo própri

a da ad rd ia he og ol in rm te A . je ho de s dia s no do da o id nt se se o ond ra de si Revolução Francesa — direita, centro e esquerda — é, entretanto, adequada para a caracterização das forças políticas em cena. | Liberais Exaltado—s Em geral, pertenciam a segmentos médios da socledade:

militares,

jornalistas,

bacharéis

em

Direito,

sacerdotes.

ndo de po o nã l, ia nc ge re co ti lí po o ic sa mo do da er qu Representavam a Es

rama og pr um am uí ss po o nã e qu z ve a um s, no bi co ja os ad er id ns ser co

mco se te en lm pa ci in pr r, la pu po a ur st po da ar es ap , ial e soc eminentement

pa es , is ra de Fe es ad ed ci So nas os id un Re s. õe cç fa as parados com as outr

lhadas nas mais importantes províncias do Império, defendiam o final do

e do ef ch orr ca mo co o nd te , cio alí Vit do na Se do r e do ra de Mo r de Po das o çã ia cr a do en nd fe de o, sm li ra de fe ao a ci ên nd te Programa político a pu-

e re nt me ca an fr era a ri no mi a Um s. ai ci in ov pr as iv at sl Assembléias Legi

€ ta ra Ba no ia pr Ci a, ec ns Fo da es rg o Bo ni tô se An ond ui cl in a, an ic bl às roudo ga li e om (n as lh pi ow rr Fa de ém Al s. lo ce on Miguel Frias de Vasc eram ) oa sb Li de es rt Co nas ta ra Ba no ia pr Ci r po as ad iz il ut as pas rústic 45]

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

muitas vezes chamados de Jurujuhas (nome de uma Pra ta em Niterói; onde realizavam reuniões). Entre os principais periódicos, destacamos: O Adotivo; O Brasil Aflito; Brasileiro; O Bem-te-vi; O Buyyo Magro: À Bússola da Liberdade, O Cabrito; O Capadócio; O Cidadão Solda do : Democrata, Esbarra, Fado dos Chimangos, O Filho da Terra; A Formig ” O Grito dos Oprimidos, O Homem do Povo; O I ndigen a do Brasil: Turujuba dos Farroupilhas, À Malagueta; A Nova Luz Brasileira; Orfeu Paraense: Par de Tetas, O Paraense; O Pardo; O Povo; O Publicador Paraibano; O Recopilador Liberal, Republicano da Sempre-Viva; O Repúblico, A

Sentinela da Liberdade, A Trombeta dos Farroupilhas, A Voz da Liberdad e,

Restauradores — O nome é inequívoco. Representando a Direita, os restauradores eram favoráveis à restauração do governo de D. Pedro I, che-

gando a manter uma correspondência com o ex-imperador nesse sentido. Pertencentes à nobreza burocrática, ao clero, ao grupo de comerciantes

portugueses e a setores militares, reuniam-se em torno de uma associação denominada Sociedade Conservadora da Constituição Jurada no Império do Brasil, também chamada de Sociedade Militar. Esta associação ligava-se ao

antigo Partido Português e já se organizava politicamente antes da própria queda do governo do primeiro imperador. Entre as figuras centrais deste grupo estavam José Bonifácio de Andrada e Silva e seu irmão Antônio Carlos, redator do anteprojeto da Constituição da Mandioca, defendendo

seus ideais através de dois jornais: O Carijó e O Caramuru. Os restauradores tinham como principais jornais: L O Astro de Minas, Barbosa; O Caolho; O Caramuru; O Carijó; Cardo, O Crioulinho; Diário da Manteiga; O Diário do Rio de Jan es é

Inflexível, O Instinto; O I piranga; Lafuente; A Lima Surda; À Loja : Belchior, O Macaco; O Meia-Cara; Pai José; O Palhaço da Oposição; 0 Permanente; O Restaurador, Simplício da Roça; O Soldado Afuto; Tamoio

Constitucional,

O

Teatrinho

do

Senhor

Severo;

O

Torto

Artilharia; O Tupinambá Peregrino. Liberais Moderados — Principal grupo da fase inicial da Regén A Estavam reunidos na Sociedade Defensora da Liberdade € a À áIndependênci à Nacional e representavam basicamente a aristocracia 3 ibilidaria. Apesar de adeptos da Monarquia, temiam basicamente a possibi jsse de de um retorno ao autoritarismo, se D. Pedro II, quando assumi A

:

452

A

AÇÃO E REAÇÃO

contass

. 24 18 de ão iç tu ti ns Co a pel as id er nf co s va ti ga e com as prerro

es. içõ ele as a par ia ár it ns ce e bas da ão nç Defendiam à manute se e qu ave a um de e om (n s go an im Ch de es or it os op os pel Denominados am nh ti ), sil Bra do sul no m mu co , do ga do tas asi par e alimenta de carniça

figuras notórias como

Evaristo da Veiga, ligado ao jornal Aurora

o. od rí pe do s te an rt po im is ma s do um , Fluminense ó ij o Fe ni tô An o og Di e dr pa O o, up gr s do te an gr te is in pa ci in pr s do Um

caa, iç st Ju da ro st ni mi de o st po o ra pa l ia nc ge re o rn ve ri escolhido pelo go sil Bra no o rg ca o alt um ar up oc a o er cl o ix ba do to en so raro de um elem Imperial. Deputado paulista, Feijó havia sido um dos representantes brasileiros nas cortes em Portugal, como decorrência da Revolução do Porto, lu-

tando contra as tendências recolonizadoras e contra a intransigência dos deíti os pol ul rc cí o s id no ec nh co is a ma nd u ai co ó fi s. ij Fe se ue ug rt s po do puta te en lê lm po ve ta bi du da in di al, me ric to cle ba li ce do m do fi o en nd fe de cos

mica, atraindo opositores, mas também adeptos, principalmente os que nele viam uma barreira às tendências ultraconservadoras do clero e do papado. Durante a Regência, sua visão política foi extremamente importante paraa montagem de uma estrutura burocrática-militar de um Estado nacional.

Podemos assinalar como principais jornais:

Aurora Fluminense; O Brasileiro; O Carapuceiro; O Chronista; O Farol Paulistano; O Grito da Pátria; O Grito da Razão; O Homem e à América; O Independente; Jornal do Comércio; O Nacional; O Observador

Constitucional; O Observador das Galerias; O Observador Paulistano; O

Paulista Centralizador; O Parlamentar; O Propugnador da Maioridade;

O Paulista Oficial; O Raio de Júpiter; O Recopilador Mineiro; O Sete de Abril; A Voz Paulistana.

C) A GUARDA NACIONAL Á;

agitações promovidas pela tropa sacudiram a capital em julho de 1831,

iniciando-se com a insubordinação do 26º Batalhão de Infantaria, no morro de São Bento, controlada com rigor pela Guarda Municipal. Nesse Período, Feijó, ministro da Justiça empossado com plenos poderes, por

Precaução, já havia prendido líderes preeminentes dos Exaltados, mas alguns acabaram conseguindo fugir. Em breve, a agitação acabou se espalhando, chegando até o Corpo de Polícia, solidário ao 26º Batalhão.

453

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

Reunido no Campo de Santana, logo receberia a adesão de Populares e re. presentantes dos Exaltados. Quanto à Guarda Municip al , seria Im

possível desta vez controlar a manifestação. Corria o dia 14 de j u lho, data re pleta de simbolismos, o que certamente não passou desperce bido aos rev oltosos, Nessa noite, a cidade dormiu sem polícia, à mercê dos m anifestante s. Em seguida, um documento foi

re de exigências:

encaminhado ao governo, apresen tando uma Sé-

+ Reformas constitucionais a partir de uma Assembléia Constituinte.

+ Deportação de cidadãos, incluindo senadores e magistrados. + Destituição de portugueses de cargos públ icos e suspensão da im. gração portuguesa por dez anos. + Exoneração do ministro da Justiça.

Feijó procurou agir com energia, reformulando o gabine te e solicitando ajuda aos Batalhões de Infantaria de Minas e São Paulo. Me smo antes da repressão ser consumada, as tropas revoltosas retornaram aos quartéis, diminuindo o ímpeto da insurreição. Durante a indecisão e a insegurança reinantes, Feijó organizou um batalhão composto de oficiais e parentes de comerciantes e proprietários do Rio de Janeiro que ficou O: nhecido como Batalhão Sagrado e foi comandado por um jove m major — filho de um dos Regentes —, que mais tarde assumiria um papel crucial no Exército Imperial: Luís Alves de Lima e Silva. À situação parecia temporariamente controlada, sendo denominada posteriormente pela historiografia oficial como A Crise de Julho. etnia menor dúvida, seu principal saldo foi à aprovação de um projeto que já tramitava na Câmara: à criação da Guarda Nacional, co nsumada em 16

de agosto de 1831. | Substituindo as Guardas Municipais, a Guarda Nacional consis tia em uma força paramilitar, subordinada ao Juiz de Paz no pla no local € Ae

Ministério da Justiça em última instância . Composta de acordo com O térios censitários, estabelecia para os integrantes a renda mínima de oa

mil réis anuais nas grandes cidades e 100 mil réis em out iões a país. Admitia-se a eleição para os postos de oficiais, o que ras poderegser

siderado um aspecto bem singular para à época. O termo coronel es a ganhar popularidade a partir deste moment o, representando O che

ALAU E ACALAU

a mi su as e qu — io ár et ri op pr de an gr um te en lm ve ia ar olítico local — nv a. íci mil a n e nt te pa alta u ma cional é Na da ar Gu da o açã cri a do en nd fe de jó Fei de A argumentação s: do ra de Mo dos ial soc e ca íti pol ão vis da uma peça exemplar

os dã da ci l mi is se e qu r be sa ve de s do ta «A Câmara dos Depu

am ar am rr de o lh ju de 15 em e qu s do e armados, não da qualidad en es pr re e qu s oa ss pe l mi is se a consternação na Capital, mas e ca ri is ma a ss ma a i tu ti ns co e qu ram cada uma família e bens,

ina er fr so r de po is ma o nã o ad ar cl de populosa do Império, têm uca es lh e qu s zo uí ej pr e s do mo cô in os quietação e sobressalto, so l, ra Ge ia lé mb se As da a nç re fe di in a e qu sam os anarquistas, e é es lh s, ho ol us se de te an di am ss bre as calamidades que se pa O , IN ST GU AU T, NE ER (W .” el áv muito sensível e desagrad .) 35 g. pá , 82 19 a, or it Ed al ob Gl o, ul Pa o Sã Período Regencial,

da ar Gu a , sa ce an Fr al on ci Na da ar Gu na a Apesar de ter sido inspirad

les asi abr de 0 es 0c py um por ou ss pa l ia nc ge Re o od rí Pe Nacional criada no . al ci in ov pr o çã la is leg da s çõe ila osc as ramento, em função das própri os nt po os ers div a, nci stê exi sua de o ng lo , ao to an et tr , en er eb rc pe s mo de Po rea Um a. an ic er am ert no a íci mil d, de aproximação com a National Guar

o, lad um r po se as: íci mil s dua das a nci stê exi à ou rc lação fundamental ma , do zi du re to ci ér Ex do e nt ge in nt co o er nt ma a par do in acabaram contribu

de to fli con um u to en fr en do ta Es o do an por outro, enfraqueceram-se qu m a

co , os id Un s do ta Es nos o: rn te ex o ig im in um m co grandes proporções a m co o, eir sil bra o cas no e ; 12 18 em Segunda Guerra de Independência, Guerra do Paraguai.

rerno gove O que para al ent dam fun foi onal Naci A criação da Guarda

já que gencial controlasse as inúmeras revoltas que marcaram O período,

. bio túr dis em s iõe reg as pri pró nas os zad ili mob ser Seus efetivos poderiam goverao tou ili sib pos al ion Nac rda Gua a Do ponto de vista econômico, a ebi rec não dã ida a-c íci mil a est que vez no ter uma despesa mínima, uma totru ins , nto ame arm do tos cus os com nas ape ado Est o soldos, arcando

por me, for uni O s. ano ici mil os pel s res e alguns equipamentos utilizado

O que com o end faz , rda Gua da es ant egr int dos go car exemplo, ficava a 455

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

termo desfardado correspondesse a desertor, o que demonstra que my: tos consideravam participar da milícia um dever cívico à ser cumprido, É

interessante constatar como o Exército, no Perí odo Imperial como k todo, tinha dificuldades para recrutar os seus so ldados, uma vez que o E crutamento era visto como verdadeiro castigo. A primeira manifestação pública da Guarda Naci onal ilustrou bem o objetivo do s Moderados de estabelecer uma con otação cívica, representando a nação em armas.

O primeiro desfile da milícia cívica. depo is de sua Criação, é também a primeira manifestação pública da Guarda Nacional d O Rio de Janeiro, realizada no dia 2 de dezemb ro de 1832, aniversário de D. Pedro ||. Nela o jovem Imperador a ca valo e com farda da Guarda Nacional, dava uma demonstração de co nfiança e uma prova do prestígio dos participantes.” (CAS TRO, JEANNE

BERRANCE

DE,

Nacional de 1831 a 1850, Nacional, 1979, pág. 28.)

A

Milícia

São

Paulo,

Cidadã:

a Guarda

Companhia

Editora

Após dissolver as agitações promovidas pelos Exaltados e extinguir à guarnição do Rio de Janeiro, Feijó enfrentou as manifestações de rua promovidas pela Sociedade Conservadora, ligada a José Bonifácio, tut or do príncipe herdeiro. Na verdade, elementos ligados aos Restauradores Feu ram um golpe que chegou a contar com dois pequenos canhões do pal ácio,

utilizados como brinquedos pelos príncipes, sem a menor chance de suce” so. O Ministro da Justiça aproveitou a situação para pr opor à a fim da tutoria de José Bonifácio, aceito pela Câ mara, mas rejeitado o Senado, onde a influência dos Restaurado res era muito forte. Evaristo E Veiga e Feijó acreditavam cada vez mai que s

só um Executivo fortalech à

poderia conter as revoltas, € passaram a articular um golpe com o intuito

formar uma Assembléia Constituinte. Dentre as reformas a serem pe das na Constituição constava a unificação das regências, o fim do ro Moderador e

do Senado Vitalício e criação das Assembléias Legislativas. Jos

Seguindo a trama golpista, o ministério renunciou, logo seguido pé :

res regentes, enquanto

: Feijó

mobilizava a Guarda Nacional. Tudo in di 456

à

AH E ACAVAU

li ra nt ce e t n e m e t r o f , o n r e v o g o v o n de o ã ç a m r o f da cava à posssibilidade o ri nó Ho de ão iç os op da ão nç fu em , to an et tr En ó. ij Fe de os mã s na sado e s rá at ar lt vo a s do ci en nv co m ra fo es nt ge re os , ão Le o ir ne r Ca Hermeto , entretanto, O

ar iz er ct ra ca m se , io ér st ni mi do ra fo do Feijó acabou ecan s, da ia ad m ra fo s ta is ev pr as rm fo re As s. do im do domínio dos Modera

ca. ti lí po a ut pa à m ia ar lt vo go lo s to os op pr s mas muitos dos tema

me à te en lm pa ci in pr , ão iç os op er fr so à Os Restauradores continuaram

em no ra be so já 1, o dr Pe D. m co es çõ ga li r ce le be dida que procuravam esta

ro tu fu do a ri to tu a eu rd pe o ci fá ni Bo sé Jo Portugal, após vencer O irmão. m ra fo s re do ra au st re s ai rn jo os to an qu en o, es pr imperador, e chegou a ser

do os mã as ra pa ou ss pa a ar nt câ Al de o dr Pe de empastelados. A tutoria vol ão aç uc ed a um he -l er ov om pr a u marquês de Itanhaém, que continuo

ão cç fa a 1, o dr Pe D. de e rt mo a m co 34, tada para o futuro posto. Em 18

aiv at ad gr ar gr te in a o nd vi r, sti exi de o zã dos Restauradores perdeu sua ra é Jos á, et qu Pa de a ilh na o ad in nf Co mente o grupo dos Moderados. o od rí Pe o e nt ra du a nd ai de da i nim una por Bonifácio acabou absolvido am ari rei rir o da nça ava e idad a e de saú de mas ble pro Regencial. Entretanto, 8. 183 em s, ano 5 7 com r, ece fal a o vei ele e ca, íti pol a vid da nte ame tiv defini

ania ver ca, íti pol da em rg ma à o nd ve vi s, ano s mo os seus últi oude s ho en rr fe s io ár rs ve ad s seu o, ri pé Im ro ei im pr do tigos liberais “N

4

:

i

As

a

trora, convertidos em moderados na primeira fase da Regência, tornarem-se cada vez mais conservadores.” (VIOTTI DA COSTA, ões, EMÍLIA, “José Bonifácio: homem e mito”, in: 1822 Dimens

São Paulo, Editora Perspectiva, 1986, 2º Edição, pág. 157.)

D) O AVANÇO LIBERAL dime de to un nj co um o ad ot ad foi do ra de mo io urante o predomín

ço an Av de mo co o od rí pe O do an iz er ct ra ca , as or —? das descentralizad o nd , te al in im Cr so es oc Pr de go di se Có o ugo ul om pr , 32 18 Em l. Libera

lo pe os ad me no s te an , paz de es íz ju s do o çã ei el a da Como principal medi um se fos se mo co te en am ic at pr va ua at z pa de z jui o imperador. Uma vez que

sni mi ad es tõ es qu r po a di on sp re as, ári ici jud s õe nç prefeito, já que, além das fu trativas, O cargo eletivo acabava representando uma prática descentralizadora. EA

FRA

457

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISIURIA

A medida mais importante da fase do Avanço Liberal foi a tefor

constitucional de 6 de agosto de 1834, denominada de Ap Abin

data escolhida para marcar o início do ciclo reformist a não fo; decidida ao

acaso: 6 de agosto de 1822 correspondia ao manifesto encaminhado às Nações Amigas, ainda antes do Grito do Ipiranga. Valori zar essa data era uma manobra simból Ego ica para esvaziar a participação de D. Pe dro Ino pro-

cesso de Independência. Um pouco antes, havia ocorrido um forte deba. te entre o Câmara e o Senado em torno do banimento do Impera dor, sen sen. do a proposta rejeitada veementemente pelos senadores. Com a morte de

D. Pedro 1, em 24 de setembro de 1834, afastando definitivamente o fantasma restaurador, o governo regencial concedeu-lhe algumas honras, es-

tabelecendo luto na corte e nas repartições públicas. Nesse momento, muitos Restauradores passaram para o lado dos Moderados.

Os argumentos em prol da reforma constitucional sustentavam a idéia de que não se esperava uma regência tão longa. Por outro lado, afirmavam os Moderados que as características centralizadoras da Constituição de 1824 precisavam ser revistas, adequando-a ao novo contexto político. A Câmara vivia a sua terceira legislatura (1834-1837), dominada ainda pelos Moderados. Entretanto, o Ato Adicional foi marcado por uma característica conciliadora, procurando satisfazer as medidas federalistas — antiga reivindica-

ção dos Exaltados — não para os Exaltados, mas sim como forma de retirar-lhes sua principal bandeira. Entre as medidas centralizadoras tomadas, destacamos: +

as províncias não podiam ter Constituição própria;

+

Os presidentes das províncias continuavam a ser escolhidos pelo pod E

A

-



a

er

central;

+ a autonomia dos municípios foi suprimida; + Regência Una. Por outro lado, medidas federalistas foram adotadas para comp cha ra centralização. Foram elas: +

fim do Conselho do Esta € do;

N

E



IS;

+ fim dos Conselhos Provinciais e criação das Assembléias Provinciês; pd de

« eleição direta (eleitores de segundo grau) e secreta para O cargo Regente Uno (o caráter censitário foi mantido);

458

com menos amplitude, que m be se r, do ra de Mo r de Po o , manutenção d gislativo. e L o d e t n a i d o d i c e u q a r f n já que e

l. ci fi di o tã e -s ou rn to o At do de Por isso mesmo; a aplicabilida

aar cl se eeb rc pe a, Un ia nc gê Re da o çã ia cr detalhe a

li ra nt ce e uv ho do la um r po Se l. na io “hrido do Ato Adic

mente r de Po do o iv us cl ex or nt te de — um ra pa es nt ge re ês tr de e “s o d n a s s a zação, p de ho el ns Co do m fi O e r do ra de Mo r de Po do to en am i z a v s e O , — o Executiv do as iv us cl ex s va ti ga ro er pr e lh orand ti re r, de po u se m a v a e c n a l a b Estado a um ci re pa a un ia nc gê re a , o t a d n a m de os an ro at qu ra pa to ei El r. do Impera iadores

or st hi ns gu al r po a d a m a h c se fa à o “s r po o nd se , al ci en id es pr posto ín ov pr às sé e, qu te en id ev ca fi , do la o tr ou r Po . a n a c i l b u p e R a ci ên ri pe de Ex a, ni ra be so da e ng lo m e b m va ta es , a i m o n o t u a a m u g l a m a r i u g e s n o c cias um ensaio fee ad rd ve na , so lu nc co in o sm li ocorrendo, portanto, um federa enid es pr O e qu e s o d n o p u S o. an ic bl deralista sobreposto a um ensaio repu -

sa de em do an tr en se as ab ac l, ra nt ce r de te de província, nomeado pelo po ssi re de os sm ni ca me us se o, rn ve go retrizes do cordo com determinadas di s, lo ce on sc Va de a ir re Pe do ar rn Be , so is tência seriam muito poderosos. Por nal,

io ic Ad o At do r to da re r, do va er ns Co mais tarde figura central do Partido an st ba o nt ta re nt € , te an oc ch ão aç ar cl de ao repassá-lo à Câmara emitiu uma te compreensível: “Entrego-lhes o Código de Anarquia!” il as Br do o st po im o, xã sa ogl an “Enquanto o self-government s se ba às do la cu ti ar a er op o, por cópia do modelo norte-american e as li mí Fa s na ro nt ce o m co a, ad gr te in sociais da comunidade sisteo o, iv et el e nt me ca ni ga or , is ca na associação dos grupos lo ntra para sustentar 0 edifício. Uma

ma legal imitado nada enco or da , ca ti lí po l, ta ta es m de or a do ra pa longa tradição havia se

€ ão ss re op da mó sa ro de po na a nd gu se a dem social, triturando dos interesses próprios da camada RAYMUNDO, 02. cit., pág. 310.)

dominante.”

(FAORO,

, ís pa o d l ta pi ca , o r i e n a J de io R o d e d a d i c a a r a p u e c e l e cional estab neiro. a J O Ato deAdimunicípi de o i R o d a i c n í v o o neutro, desvinculado da p r

O status

Mi a a

O a

15.3.

a

em

Ra E DF

E Oa

RT AT

ERRSTA

TETE

ORE

Rr

AS LUTAS POPULARES

A) MOTINS

E LEVANTES

NO RIO DE JANEIRO

(1831-1832)

T números motins e levantes ocorreram na cidade do

Rio de J âneiro, JE governava a Regência Trina Permanente. Esses movimentos foram, em geral, realizados pelos Ex altados, tam. bém chamados de Jurujubas — por causa da p raia de Jurujuba, em Niterói, de onde sairiam revoltosos para um levan te na c idade do Rio de Janeir o —, de Farroupilhas ou Farrap — si gnificando maltrapilho poros que não usavam roupas adequadas. No Rio Grande do Sul, a palavr a Fayroupiha assumiu o sentido de camarada.

Já os Restauradores ou Caramurus defendiam a volta de D. Pedro I ao trono. À denominação Caramuru foi dada po rque um dos jornais

porta-voz dessa facção chamava-se O Caramuru. Os Exaltados, como o major Miguel de Frias de Vasconcelos, e jornalistas, como Luís Augusto May, frequentemente reuniam-se na Sociedade Federal. Já os Restauradores por vezes eram antigos auxiliares de D. Pedro I— como os irmãos Andrada e o coronel Augusto Hugo de Hoiser —, e comerciantes

e jornalistas

portugueses,

Pinto, proprietário de O Caramuyu.

destacando-se

Davi

da Fonseca

O primeiro levante foi realizado pelo 26º Batalhão de Infantaria, liga-

do aos Exaltados. Era o dia 12 de julho de 1831. Cercados pelos Guardas

Municipais Permanentes e outras forças fiéis ao governo, que representa á va Os interesses das oligarquias rurais, os rebeldes se renderam e, com castigo, foram mandados para servir na Bahia.

“O Corpo de Polícia, entretanto, desde o dia 13 realiza manifesta-

ções de solidariedade aos sediciosos e a 14 toma posição em fran-

ca revolta no Campo de Honra — como depois de 7 de abril passou

a chamar-se o antigo Campo de Santana. Aí instalam seus quartéis os agitadores exaltados, atraindo grupos de populares, e ao cair da tarde toda a guarnição da Corte vem agregar-se ao Corpo de Polícia. Apenas a Artilharia da Marinha, o 1º Corpo da Artilharia de Posição

460

|

|

E

2 A Rm

rh

e

RUA (B o.” ern Gov ao s fiéi se mva er ns co po Cor 2º do te par uma «

QUE DE HOLANDA, SERGIO — O Brasil Monárquico, tomo II, 2º volume, Dispersão € Unidade, História Geral da Civilização .) 17 g. pá , 64 19 , L E F I D o, ul Brasileira, São Pa sen ra, Hon de o mp Ca ao am uír afl res ula pop de s ena dez 15, Já no dia

era r teo Seu o. ern gov ao o açã ent res rep a um da igi red do na oportunidade de a rad ent a da ibi pro se fos que se iaped s poi claramente antiportuguês, ios nár cio fun de to men sta afa o s, ano 10 e ant portugueses no Brasil dur

89 de ão uls exp a e al ion nac sa cau à te men ria públicos que agiam contra pessoas consideradas uma ameaça ao país. io uc it st on nc “i la áer id ns co r po o çã ta en es pr re a A Câmara não aceitou

nal e absurda”.

Admite-se que os tumultos ações preparatórias no mesmo a 20 de julho. Espalhavam os mentar o ágio do cobre e os b

a

ocorridos, se inscrevessem como plano da grande insurreição de 15 agitadores que se tratava de aumanifestantes gritavam: câmbio .

Ê

.

o açã ent res rep da s ore mot pro os re ent que se caifi abaixo! (...) Ver

CO05 e ant ort imp s mai nal sio fis pro po gru o am av rm fo 3 Câmara s sse ere int os cuj e ent tam jus s ele aqu ta, pra e o our de merciantes

do o açã cot da ões iaç var as pel os tad afe te men eta dir seriam mais

cobre amoedado. O governo Formado a 16 de julho (...) parece ter )” (... r ita mil o içã sed a pel a ost imp ção nsa tra uma representado

) 19. . pág , cit. 02. , IO RG SÉ A, (BUARQUE DE HOLAND

enfraou ur oc pr a, tiç Jus da ro st ni mi jó, Fei o ni tô Contudo, Diogo An

idos do er sf an tr m ra fo s õe lh ta Ba s. do ta al Ex s do r ita mil to en gm quecer o se . to en am ut cr re o se ude en sp Su os. vid sol dis am for os Rio de Janeiro. Outr tiça. Jus da o éri ist Min ao e nt me ta re di ada lig al ion Nac da ar Gu 4 se ouCri iart se , ais rur s ia qu ar ig ol às s do ga li ue rq po Oficiais fiéis ao governo,

cularam. Formou-se

o Batalhão dos Oficiais Voluntários da Párria.

pupro se o, rad Sag ão alh Bat e ria Pát da vos Bra de o nad omi den Também nha a manter a ordem e O respeito à lei. 46]

o

a FU

Godoi tr ta

FR

Mesmo

ENT

MET

TEST ENE TITER

assim, em 28 de setembro de 1831, novo con flito

explodiu

sendo conhecido como Os Tiros do Teatro porque ocorreu No Teatro São Pedro, habitualmente frequentado por Exaltados. de dois oficiais por um juiz de paz, o que levou o O estopim foi a prisão major Miguel de Frias Vasconcelos, assim como outros Exaltados, a reagi rt CONtra O Cumprimen-

to daquela detenção. A Guarda Municipal invadiu O recinto em pregando métodos extremamente violentos. Por determinação do ministro da Justiça os oficiais envolvidos foram recolhidos presos aos qu artéis.

“Um sintoma da situação foi a Facilidade com que Cipriano

Barata, que estava preso por crime de imprensa, co nseguiu levan-

tar a 6 de outubro a Presiganga [navio usado como presídio ] e o Grupo de Artilharia da Marinha da ilha das Cobras. Tratavase de uma das poucas unidades que se haviam mantido fiéis ao governo na insurreição de julho. Submetido, o Grupo de Artilharia pelos

Úficiais Soldados e pela Guarda Municipal, foi em seguida dissolvi-

do. (BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO, 0p. cit., pág. 21.)

Apesar de toda a repressão e de seguidos fracassos, os Exaltados continuaram conspirando e tentando conquistar o poder mediante insurreições militares. Já no ano de 1832, no mês de abril, o major Miguel de Frias de Vasconcelos conseguiu sublevar as guarnições das Fortalezas de Santa Cruz

e de Villegagnon. De Botafogo marcharam até o Campo de Honra, levando inclusive dois canhões. Contudo, foram atacados por tropas do governo que prenderam muitos dos envolvidos no levante. Miguel de Frias conseguiu escapar, exilando-se nos Estados Unidos. | Foi a última tentativa dos Exaltados no Rio de Janeiro, pois as guarni”

ções militares da cidade haviam sido dissolvidas ou transferidas para outras

províncias. Muitos oficiais Exaltados estavam mortos, presos ou exilados.

Era a Guarda Nacional a principal base de sustentação militar da Regencia Trina Permanente, que contava ainda com a fidelidade do Batalhão Sagrado-

Ainda no mês de abril, os Restauradores tentaram um golp ; Comandados pelo coronel Augusto Hugo de Hoiser, aventureiro Sai nário que se dizia barão de Bilow, os 250 golpistas incluíam criados Palácio da Quinta, alguns militares portugueses.

462

á

AÇÃO E REAÇÃO

am vi ha que o ed qu in br de os nh zi õe nh ca s doi do in uz “(...) Cond

pertencido a D. Pedro e a D. Miguel, quando crianças, saíram de DE UE RQ UA (B ” (...) | ro Ped D. a s viva São Cristóvão, dando

.) 22 g. pá ., it .c op , O I G R É S , A HOLAND

que o rad apu o sid te, men ior ter pos do, ten os, cid ven e ent ilm fac am Mas for

bou aca a, nci iiê seg con Em . nto ime mov o com nte ive José Bonifácio fora con

. ais eri imp sas nce pri das e dor era imp do or tut de ção fun da destituído

5) PERNAMBUCO EM CHAMAS duão eli reb de os nt me mo os er úm in eu viv co bu am rn província de Pe

ção era fed Con à ta len vio são res rep a s Apó . ial enc Reg o Nie o Períod rlibe de ho son seu a vid à com m ara pag s ere líd s pai nci pri os cuj r, do Equado s ado enh emp ios nár cio rea es ant ern gov os cia vín pro na -se ram ede suc e, dad 1. ro Ped D. de ias tár ori aut s ize etr dir às s rio trá con os nt me vi mo em esmagar

ver tro con a dat em , -se dou fun es ant ern gov ses des cia cên Com a compla tida, a Sociedade Coluna do Trono e do Altar. Esta sociedade secreta, cujo

lema era Imperador sem trambolho, isto é, sem Constituição, propagava

suas idéias antiliberais pelos jornais O Amigo do Povo e O Cruzeiro. a preo, ôni Ant to San de rio vigá o, ret Bar ra rei Fer sco nci Fra re Coube ao pad ro. sidência da referida sociedade, que acumulava com a direção de O Cruzei

sem fos os, ári ers adv s seu aos os ang cal de am Com desprezo, chamav

é , ro ng la ca ou o, ng la Ca s. sta ali ion tuc sti con eles republicanos, liberais ou o çã na mi no de a e, nt ui eg ns co r Po . es rm ve um réptil que se alimenta de paz ca o du ví di in o ar gn si de de do nt se o m co a ad eg pr em era pejorativa e

s. vo ti je ob s seu r ngi ati ra pa s to je ab is ma s ato dos

am ar nd fu , os ri ná io ac re es ess os ad am ch am er mo Contra os colunas, co al, À on ci tu ti ns Co O , co bu am rn Pe de o ári Se vários jornais, como o Di Bússola da Liberdade, O Padre Carapuceiro € A Abelha Pernambucana, jorivo bat com a, sec Fon da ges Bor o ôni Ant de ção dire a ima últ a do ten Nalista republicano que, mais tarde, participou da Revolução Praieira. blirepu e entr mos nis ago ant os e, idad grav € nsão Com maior ou menor exte Canos e monarquistas, liberais e antiliberais, restauradores e exaltados, brasileiros . ial enc Reg o íod Per o e ant dur ir lod exp a do vin do, çan agu Se € portugueses foram

Na UM

PA ÇA

AO Pa À om A

ART EA À dA

E AE AA

As primeiras sublevações ocorrera m com forte Componente ANtilusi no e giraram em torno da abdicação de D. Pedro IL. Suas denomina a relacionaram-se aos meses em que explodiram. s0es Em setembro de 1831 deu-se a Setembrizada ou Sete mbrada Quan do em Recife, sublevaram-se soldados, sem o apoi o dos Oficiais, e Sem que se

conhecesse o nome de qualquer líder dos am otinados. Seu Início deu-se no quarte do l

14º Batalhão da tropa de linha, com adesão do 13º Bata lhão e

de outros contingentes de praças. Os moti vos apresentados para a quarte-

lada foram

contra

as medidas

disciplinares

impostas

pelo brigadeiro

Francisco de Paula e Vasconcelos, comandante da s Armas da Província.

“Às raras expressões de sentido político proferidas pelos sediosos são contra os adeptos da Sociedade Coluna do Trono e do

Altar (...) 'Fora colunas” é o slogan que eles, várias vezes lançam.

Difícil Foi a tarefa de subjugá-los. As Forças legais, em parte

concentradas na Boa Viagem, contaram com a participação va-

liosa dos estudantes de Direito, então fixados em Olinda (..)

(BUARQUE DE HOLANDA, SÉRGIO, O Brasil Monárquico, 2º volume: Dispersão e Unidade, in op.cit., págs. 199 e 200.)

Antes de serem dominados, os amotinados dedicaram-se a saquear casas comerciais do Recife, cujos proprietários eram portugueses. Aos gritos de Mata Marinheiro extravasavam seu ódio aos lusitanos.

Com a derrota, os rebeldes foram enviados presos para o presídio de

Fernando de Noronha. Com

caráter fortemente nacionalista e exaltado antilusitanismo, deu

se a Novembrada, também em 1831. O movimento foi iniciado na For: taleza das Cinco Pontas, em Recife.

Esse antilusitanismo estava presente até nas trovas populares eM Pernambuco, onde os portugueses eram chamados de marinheiros

“Marinheiro Pé-de-Chumbo, / Calcanhar de Frigideira, / Quem te deu a ousadia / De casar com brasileira?" (Apua. CORREIA

DE | ANDRADE, MANUEL, op.cit. nº6. pág. pág. 5 5. ) Eram os rebeldes chefiados pelo Capitão Antônio Afonso € pelo Segundo Tenente João Machado Magalhães. O movimento

AÇÃO E REAÇÃO

tomou certo vulto, em face do grande número de adesões (...)

Formularam (...) uma série de reivindicações, como: exonera-

ção dos cargos que exerciam e expulsão da Província de vários gueportu de são expul (...) as utist absol de ados acus os onári Funci

ses solteiros, exceto “artistas, Fabris e capitalistas de 2 contos de réis para cima', não se permitindo o desembarque de indivíduos da mesma nação; desarmamento dos lusitanos, ainda

quando milicianos. Faziam, também, na representação, que era

endereçada ao governo, alusão à atividade perniciosa da Sociedade Coluna do Trono e do Altar.” (QUINTAS, AMARO, op.cit., pág. 201.)

Francisco de Carvalho Paes de Andrade, que governava a província, era irmão do antigo presidente da Confederação do Equador. Enfraquecido militarmente devido à prisão dos envolvidos na Setembrizada, o governo provincial prometeu atender às reivindicações dos revoltosos que se dispersaram sem combater. “Terminava a insurreição, bem característica daqueles tem-

pos conturbados e instáveis. Tempos bem significativos do estado de espírito que imperava, agitado por concepções ideológicas

antagônicas e abalado por uma situação social desajustada. À abdicação agira como estopim em Face do momento histórico favorável 3 ação explosiva das massas. (BUARQUE DE

HOLANDA, SÉRGIO, op.cit., pág. 201.)

átid par a havi s, cia vín pro ras out em o com o, buc nam Per em o, tud Con

rios de D. Pedro I e do Absolutismo. Eram os Restauradores que desejavam a volta de D. Pedro I ao trono brasileiro. Os Restauradores consPiraram e tentaram tomar o poder a fim de mais facilmente concretiza-

rem seus objetivos. Somente com a morte de D. Pedro I, em 1834, de-

sistiram de seus intentos e passaram a apoiar a continuidade da monar-

quia nas mãos de D. Pedro IL. te í Da z. ve a su a o d a g e h c r m te ra ta di re s ac re do Em 1832, os Restaura RPRRES IO

465

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

rem promovido a Abrilada, que se estendeu pelo interior da Prov íncia não se limitando a Recife. Seus líderes eram propr letários de terras e tinham grande influência política. Aproveitando-se do enfraquecimento militar do Sover no devido principalmente às rebeliões anteriores, dominaram b alrros e fortalezas d e Recife. Mas acabaram derrotados, sobretudo por sua fa lta de iniciativ a Houve muitos mortos e um grande número de p risio neiros em Recif e. Destacamentos enviados ao interior restauraram a o rdem regencial. e

-

Ierminava assim a Abrilada, moviment o tipicamente reacionário e urbano

. Mas a província não conheceria a paz porq ue o conflito desdobrou-se em um movimento de caráter rural e fort e conteúdo social, Inclusive pela liderança exercida por elementos ligados às camadas mais pobres da sociedade pernambucana. Considerada como uma continuação da Abrilada, a Guerra dos Cabanos (1832-1835), assim chamada porque muitos dos seus participante s eram camponeses que viviam em cabanas de sapê, também ficou conhecida como Revolta dos Papa-Méis — porque muitos desses camponeses livres ou escravos fugidos dos engenhos tinham no mel silvestre das matas uma das principais fontes de alimentação — e como Revolta das Panelas— devido ao povoado de Panelas de Miranda, um dos principais focos da luta. | Dentre seus líderes, destacaram-se o padre português José Antônio Proença, além de Caetano Alves, João Timóteo de Andrade, Vicente Mangibura, João Batista de Araújo e Vicente Ferreira de Paula, este último o cabeça do movimento. Os dirigentes Cabanos propagaram boatos falsos a respeito do governo e gencial. Afirmavam que se planejava implantar a República e que se repudiava a propriedade privada, a religião e a organização famili ar. Diziam que somente a restauração do poder de D. Pedro I impediria esses projetos maléficos. Com isso, atraíram camponeses humildes, indígenas confinados au

Jacuípe e escravos fugidos. Senhores de engenho e até militares

e

ram, de maneira velada ou ostensiva, a rebelião que se estendeu pelo $ de Pernambuco e o norte de Alagoas. Usando a

tática da guerrilha, marcada por ataques de surpresa € o

boscadas às tropas governamentais, os rebeldes pude ram manter em * que as forças legais durante três anos (183

2-1835). Além disso, valeram se do conhecimento do terreno que era propício à guerrilha.

466

3

AÇÃO E REAÇÃO

“Nutro ponto que beneficiava os rebeldes era a própria desormenpaga no dades ulari irreg Havia (...) l enta rnam gove ganização

to dos soldos, o que muitas vezes levava os soldados à prática de saques; isto sem falar na deficiência de Fornecimentos de aliEL NU MA , DE RA ND (A ” es. içõ mun de e as arm de mentos, CORREIA DE, op.cit., nº6, pág. 7.)

O curso do movimento começou a se alterar com a morte de D. Pedro

I, o que levou muitos dos rebeldes a abandonar a luta, como o general José nipa tic par e sas Mas das l era Gen o com ido hec con a, Lim e Inácio de Abreu . ola anh Esp a ric Amé da o açã ert lib de s rra gue de r íva Bol ón re com Sim u. fugi que por ada sum con não ão, pris de em ord a ava pes já Contra ele “Numerosos Cabanos, sentindo-se inseguros nas matas, pas-

saram a se entregar e a ser transferidos para áreas distantes da s ido olv dev m era , sos pre ndo qua os, rav esc Os . ões raç ope de zona aos seus donos, que deveriam pagar a quem os capturasse ou

vendê-los para fora da Província.” (ANDRADE,

MANUEL

CORREIA DE, 0p.cit., nS6, pág. 8.)

Às prisões se multiplicaram, alguns de seus líderes morreram em comcon bém tam isso a par , deu ren se la Pau de bate, até que Vicente Ferreira

tribuindo o alastramento de uma epidemia de bexiga. as m ra re or oc , da na ba Ca da s ore ert est os m co o Entretanto, coexistind

sco nci Fra € o ni tô An ãos irm os pel dos era lid es ant lev Carneiradas,

al, ion Nac da ar Gu da pas m tro ara ant lev s bo Am s. Rio o ad ch Ma ro nei Car em Lagoa dos Gatos € Recife. osidamor a pel as sad cau is era lib es açõ lev sub Por três vezes, ocorreram

o, ern gov ao to ima ult Em . da na ba Ca a ar min eli em es de das autoridad

34(18 a nh ro No de do an rn Fe em s ore rad tau Res os exigiram a prisão d 1835). Aliás, os irmãos Carneiro enquanto viveram, envolveram-se em

vários levantes desde a Setembrada até a Revolução Praieira. O predomínio dos Moderados, cujas fileiras foram engrossadas com a dos adesão dos Caramurus face à morte de D. Pedro I, manteve os Exalta

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

em xeque até 1848, quando a sociedade pern ambucana fo; Convulsion da pela Praieira. e Com características diferentes dos movimentos anterior es

entre 1836 e 1838, o episódio da Pedra do Reino. Clara manifestação coletiva do Sebastianismo,

Portugal

,

Ocorreu

mito criado em partindo da afirmativa de que o rei D. Sebastião —. desapare-

cido na batalha de Alcácer-Quibir, travada no Marrocos, em 1578 —. ressuscitaria e voltaria a reinar. Seu governo traria de volta uma er a de pros-

peridade e de mudanças benfazejas. Esse mito ganhou força no Brasil com a instalação da cort e no Rio de Janeiro e as mudanças decorrentes que implicaram pr aticamente o fim do status de colônia.

Propagaram-se afirmativas machistas, racistas e otimistas nessa reativação

do mito. Dizia-se que as mulheres feias se tornariam belas. Afirmava-se que, ao morrer, os negros pobres ressuscitariam brancos e ricos. Pregavase que os pobres enriqueceriam e os ricos aumentariam suas riquezas.

Na serra do Catolé, na divisa de Pernambuco com o Ceará e a Paraíba,

João Ferreira dos Santos anunciou aos camponeses a existência do Reino Encantado, cuja restauração exigia O sacrifício de vidas humanas. Estas

forneceriam o sangue necessário à rega do campo, assim desencantandoo. Mas os imolados voltariam à vida em condições melhores, pois seriam ricos, poderosos e felizes. João Ferreira dos Santos proclamou-se rei da Pedra do Reino, reinan-

do enquanto D. Sebastião não chegasse. Viria comandando as “forças do

bem”, reforçando os seguidores do Reino pernambucano e ajudando-08 a derrotar os “súditos do Mal”. Sob o manto religioso, na realidade, congregaram-se pobres humildes

e explorados na esperança de novos tempos de felicidade e riqueza. Foi uma verdadeira antecipação de Canudos, destruído quase 70 anos depois

Antecedendo a atuação de João Ferreira dos Santos, existiu João

Antônio dos Santos, que entrara em choque com sacerdotes católicos € fora obrigado a fugir. Ao sucedê-lo, João Ferreira dos Santos exigia qué os fiéis beijassem seus pés. Além disso, tomou sete mulheres como esp“ sas, sendo uma delas a rainha Isabel.

Em 1838, a rainha Isabel, juntamente com inúmeros adeptos, foi de

golada para apressar a restauração do Reino Encantado. Na mesma 0Cê

468

)

adr em s do ma or sf an tr da vi à m ia ar 10 sacrificaram-Sé 14 cães que volt x

g s. éi fi de e d a d i n u m o c ções protetores da o mã ir , os nt Sa s o do ni tô An o dr Pe de ão aç re am a ar oc ov pr s O t a f s Esse

e r d e a s d e d i s s e c e n a s d o r d e c to à n e v u n i o u c g e s n o c e , u l q e b da rainha Isa o Antônio pro-

dr Pe e o it fe i fo m si As o. ad ic if cr sa João Ferreira dos Santos

clamou-se rel. o i a c d a r N a a u c G i a , l e s ó a t o j ca i e r r á g t I e a i r s p o e r d p n , a o r d g os Contu ebr so o, ad nt ca En o in Re do o nt me esci

nal sentiam-se ameaçados pelo cr

. ho al ab tr o ra pa os aç br em ar tudo pelo risco de falt ín ov pr a a av rn ve go e qu , os rr Ba o g e R do o sc ci an Fr a, ci ên ii eg ns co Em

a lv Si da a ir re Pe sé Jo r jo ma lo pe a ad nd ma co o çã di pe ex a um ou vi en cia, O a Er o. sm ti na fa e ia ld be re de co fo le ue aq ar in rm te ex de ão ss mi a com m ra ui eg ns co os uc po al qu do , re ac ss ma o u re or oc do an qu 38 18 de o an da ri to au às s ue eg tr en m ra fo s te en iv ev br so as nç ia cr e es er lh Mu r, pa ca es des judiciárias.

de o lc pa e nt me va no e ss fo co bu Seguiram-se dez anos até que Pernam . ra ei ai Pr à a: st ju is ma e ad ed ci so a um uma luta por

À R A T I L I M O Ã Ç A N I D R O C) GRÃO-PARÁ: DA INSUB CABANAGEM sti is ex ra bo em a, lm ca te en ar ap ntava se re ap á ar -P ão Gr do n a r A . es çõ di ra nt co es av gr e s ma le ob pr sem antigos € s ro ei il as br e tr en o sm ni go ta an O Assim é que cada vez mais aumentava

r. do ra pe im ro ei im pr do o çã ca di ab à ós ap ou ic if ns te in se e qu o s, se portugue proprietária dos meios a ri no mi à e tr en e nt te la to li nf co o Existia ainda

. os av cr es de € es vr li s n e m o h de a ri io de produção e a grande ma

iór st hi o s s e c o r p do o ng lo ao ou m r o F se os rt be li s do se as cl “A m a o c e st de a ur st mi da e o di ín o do co. Produto da destribalizaçã ítu ti ns co r, do za ni lo co do al ci so o classe pobre gerada pelo model

rá se mi s a n a b a c s da es nt ta bi ha da de camponeses sem terras € se produto nos, ba ur s ro nt ce s do a ri fe ri pe veis localizadas na s do a , a i n ô z a m A na e t n a n i m o d a ç n comp e a prese definição étnica, uma ser a chega não que boclos,

es

chamados camas social.

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

(...) À escravidão negra se concentrou principa lmente na lavou-

ra da cana-de-açúcar e no criatório. Mas o negro Formou ainda parcela considerável da população nas cidades, exerce ndo ativi.

dades muito diversificadas, como domésticos, artistas, negros de

ganho ou negros de aluguel.” (SALLES, VICENTE, Memorial

da Cabanagem, Belém, Edições CEJUP, 1992, págs. 59 e 63. )

Em janeiro de 1831, em Belém, foi fundada a primeira loja maçônica, denominada de Tolerância. Seguiu-se a Sociedade União agluti nando

brasileiros e portugueses caramurus. Para combater esta última, o cônego João Batista Gonçalves Campos, jornalista e líder popular mais conhecido como Batista Campos, criou a Sociedade Patriótica, Instrutiva e Filantrópica, que se afirmava liberal, patriota, exaltada e constitucional. Dois anos depois, organizou-se a Sociedade das Novas Amazonas, também conhecida como Ilyminadas, integrada apenas por mulheres que se propunham a defender a liberdade e o Brasil.

“Defender a liberdade, / É das Amazonas guerreiras, / Pela pátria morreremos / Nas falanges brasileiras.” Os versos anteriores — citados por Vicente Salles, op.cit., pág. 49 —, SãO parte do hino das Amazonas, no qual se evidencia o sentido patriótico. Em

2 de junho de 1831, rebentou um motim

militar em Belém.

Indagados da razão da sedição, responderam os sublevados que

“deporiam as armas e se recolheriam ao quartel, se lhes fossem pagos os seus soldos atrasados, dando-se-lhes anistia por

escrito, reunindo-se a Câmara Municipal e demitindo-se as auto-

ridades.” (RAIOL, DOMINGOS ANTÔNIO, Motins políticos — Ou História dos principais acontecimentos políticos da provincia do Pará desde o ano de 1821 até 1 $35, Belém, Universidade

Federal do Pará, 1970, 1º volume, pág. 159.)

410

AGAU E REAGLAU

eet bm su se es ld be re os , os ad ac at : te an in lm fu A reação do governo foi ram,

. te ba em no s do ri fe € os rt mo o havend

No mesm

, na ia Go de de on sc vi a, us So de o b o do L ar rn u Be o g o ano che

is, teve era lib es içõ pos s sua por o id ec nh Co . cia vín pro a ar para govern s. u r u m a r a C s do o ã ç i s o p o à Si contra

pe a d i v o m o r p , a d a t s o g a A d a n i m o n e d à u e r r o c o , 1 3 8 1 de o t s o g a m E go o m a r a g e r t n e , a n a i o G de e d n o c s los Catamurus, que depuseram O vi

ti lí s po io ár rs ve ad s o t i u m m a r e d n e verno a Marcelino José Cardoso e pr

. os mp Ca a st ti Ba o g e n ô c o s ai cos, dentre os qu

go vo no de o ã ç a e m o n a m co a id ec el Contudo, a ordem logo foi restab di se s do os it mu os es pr e s do sa es oc vernante para a província, sendo pr ciosos Caramurus,

nco se ond de ce su a, ci es cr is ra be li € s re O antagonismo entre restaurado uro am av us s ro ei im pr os o: ri uá st ve de as flitos de rua, inclusive por diferenç . ra la -c ul az r co a m ia er ef pr os nd gu se OS e pa de cor encarnada, ao passo qu , 33 18 de o br tu ou em o, rn ve go lo Pouco efeito causou a anistia dada pe . es ar it il -m co ti lí po s õe li be re em os id lv vo en a todos os ão cç fa à do ga li r la pu po er líd , ra ei gu A prisão de Eduardo Francisco No m ge ra co a Su . os im ân os is ma a nd ai do cônego Batista Campos, acirrou me de no m, li ge An de o id el ap O e lh ule va s ru mu na luta contra os cara

uma madeira forte e rija do Pará.

a st ti Ba , 34 18 de ro mb ze de Em a. ci ín ov pr na ta sol ia rr co ia ar A boat gangrenou, O

o nt me ri fe u Se a. rb ba a ia faz do an qu Campos cortou-se cis te an rn ve go aos a íd bu ri at foi a est

o, ud nt Co e. rt mo a su u vo ti mo e qu nel ro co ent ne te o e a us So de bo Lo vil e militar do Grão-Pará: Bernardo asdo a ci ti no a m co u co li mp co se do Joaquim José da Silva Santiago. Tu nne te do ão is pr a e , io ár et ri op pr o en sassinato de Manuel Vinagre, pequ rural, io ár et ri op pr de an gr r, he lc Ma te-coronel Félix Antônio Clemente m re ra ju a os ig am e es nt re pa s seu o nd va le a, nd ze fa sua da io nd cê in com o

. s a i c n ê l o i v as st de s e r o t u a s o vingar-se d

eúm in de da ci na va ta no se já “Nos primeiros dias de janeiro smo , es aj tr s lo pe e r da an lo pe e, qu s ras pessoas desconhecida ióx pr is ma s to ri st di s do os nd travam ser homens do campo. Vi des. Nas da li ca lo as ri vá em do an el rt ua aq m ia mos da capital, se

ha ac .) (.. ho in al co Ca de to ma do imediações da cidade, no meio

SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA HISTÓRIA

va-se reunido um grupo de Guardas Nacionais (...) sob o coman.

do de Antônio Vinagre e seu irmão Francisco Pedro Vinagre. “Na estrada de Nazaré (...) o crioulo liberto geralmente conhe-

cido pelo nome de Patriota, reunia a plebe e a predispunha para

a revolta. No fim da Rua de Pedreira, no ponto chamado Bacuri,

também se faziam reuniões de noite, servindo de pretexto a fes.

ta de São Tomé, que todos os anos ali solenizavam desde o dia de

Natal

até

o

de

Reis

(..)”

(RAIOL,

ANTÔNIO, op.cit., 2º volume, pág. 542.)

DOMINGOS

Devemos assinalar que Antônio e Francisco Pedro Vinagre eram irmãos

de Manuel Vinagre, assassinado pouco antes. Foi então que explodiu uma das mais violentas e prolongadas lutas populares na sociedade brasileira, com participação intensa de negros, mulatos, índios e brancos miseráveis. Uma população marginalizada que lutou lado a lado e, por vezes, contra segmentos discriminados politicamente, obrigados a viver refugiados no interior ou nas suas fazendas. Seus integrantes identificavam-se pelo uso de distintivos vermelhos. Embora não tivessem um projeto bem definido, os cubanos defendiam o fim do trabalho obrigatório dos indígenas, a distribuição de terras, e a libertação dos escravos que lutassem pelo movimento.

Nessa conjuntura de rivalidades políticas, de contradições de classes; de mortes não apuradas, de transgressões da ordem, na madrugada de 7 de janeiro de 1835, os revoltosos tomaram quartéis, guarneceram poll tos-chaves de Belém e mataram o comandante das Armas, coronel Silva Santiago, e Bernardo Lobo Santiago, que governava a província.

Pouco depois, no Largo do Palácio, entregaram o poder à Félix Antônio Clemente Malcher, o primeiro governante cabano do Grão” Pará, na oportunidade lendo-se que

“se desse conta do ocorrido à Regência, pedindo-lhe que nomeasse mais Presidente para esta Província até que S.M.l. o se nhor D. Pedro || chegasse à idade marcada pela Constituição para

dirigir as rédeas do governo do Império (...)” (RAIOL, DOMIN-

GOS ANTÔNIO, op.cit., 2º volume, pág. 550.) O documento era assinado por militares, eclesiásticos, juízes e deputados. 472

PNR E MARAU

e, agr Vin ro Ped sco nci Fra ou me no r che Mal as, Arm das te an nd Pata coma

ao —, iro ere fev — te uin seg mês No to. fli com quem logo entrou em con ido teg pro do sen bou aca e est ro, Ped sco nci Fra r nde rentar demitir e pre

r. ula pop er líd ro out m, por Eduardo Angeli cas íti pol s çõe fac ias vár das s ere líd os pel Começava a disputa do poder

itrariearb o nd te me co € o ern gov o r rce exe a existentes. Despreparado par

ndo bui atri , ses aen par s nai jor de s que ata tos len dades, Malcher sofreu vio e, agr Vin ãos irm aos mo co m be , ãos irm s seu os mesmos a Angelim e a

que mandou prender. . r e h c l a M o de ã ç i d r e p a o i ã fo ç a n Essa determi

m. lé Be de as ru s la pe r la pu po o nt me vi Novamente explodiu o mo

ati si u co fi r he lc Ma . as rç f